Você está na página 1de 12

ENDEREÇOS DOS LOCAIS DOS EVENTOS

AUDITÓRIO ANFITEATRO AUDITÓRIO SESC PINHEIROS MASP – GRANDE AUDITÓRIO


DO INSTITUTO CAMARGO MAESTRO OLIVIER TONI Rua Paes Leme, 195 Av. Paulista, 1578,
CERVANTES GUARNIERI - Departamento de Música São Paulo, SP São Paulo, SP
Av. Paulista, USP da ECA/USP – Final da Ingressos: 14 dezembro, ingressos:
2439, Metrô Rua do Travessa J (Rua da Antiga R$ 20,00 inteira, R$ 6,00 inteira,
Consolação Anfiteatro, 109 Reitoria) da Av. Luciano R$ 10,00 meia entrada, R$ 3,00 meia entrada
Cidade Gualberto – Conjunto R$ 5,00 associados 6 e 13 dezembro: entrada franca
Universitária Arquitetônico das Artes. Tel.: 11 3095-9400 Tel.: 11 3251-5644
Entrada franca Entrada franca
6 a 14 dezembro 2008
w w w. f e s t i v a l l e o b r o u w e r. c o m . b r

6 dezembro | 9h30 10 dezembro | 9h30 12 dezembro | 9h30


Masterclass Leo Brouwer Masterclass Masterclass
Instituto Cervantes Auditório Olivier Toni - USP Auditório Olivier Toni - USP

6 dezembro | 19h30 10 dezembro | 14h00 12 dezembro | 14h00


Recital de Abertura Palestra Palestra
MASP Auditório Olivier Toni - UP Auditório Olivier Toni - USP

7 dezembro | 9h30 10 dezembro | 20h30 12 dezembro | 20h30


Masterclass Leo Browuer Recital IV Recital V
Instituto Cervantes Anfiteatro Camargo Guarnieri - USP Anfiteatro Camargo Guarnieri - USP

8 dezembro | 9h30 11 dezembro | 9h30 13 dezembro | 11h00


Masterclass Masterclass Lançamento de Livros
Auditório Olivier Toni - USP Auditório Olivier Toni - USP Instituto Cervantes

8 dezembro | 14h00 11 dezembro | 21h00 13 dezembro | 20h00


Palestra Concerto OCAM Encontro Brouwer-Gismonti
Auditório Olivier Toni - USP Regência: Leo Brouwer MASP
SESC Pinheiros
8 dezembro | 20h30 14 dezembro | 16h00
Recital II Concerto OCAM
Anfiteatro Camargo Guarnieri - USP Regência: Leo Brouwer
MASP
9 dezembro | 9h30
Masterclass Realização:
Auditório Olivier Toni - USP
Departamento de Música
CMU ECA/USP
9 dezembro | 20h30
Recital III Os detalhes das atividades
Anfiteatro Camargo Guarnieri - USP estão descritos no programa.

Realização:

Apoio:

Departamento
de Música
CMU ECA/USP
Professores convidados
Eduardo Meirinhos (1)
1 2 3 4 Universidade Federal de Goiás
Fábio Zanon (2)
Royal Academy of Music de Londres
Gustavo Costa (3)
USP Ribeirão Preto

5 6 7 8 Mario Ulloa (4)


Universidade Federal da Bahia
Orlando Fraga (5) Da parceria do Instituto Cervantes, na Leo Brouwer, o Octeto e o Ensemble de
Escola de Música e Belas Artes do Paraná sua bem-sucedida série guitarrísimo, com Violões, com 28 integrantes, têm como ob-
Paulo Porto Alegre (6) o Departamento de Música da ECA/USP, jetivo principal a execução de obras escri-
Escola Municipal de Música de São Paulo representado pelo Maestro Gil Jardim, tas pelo mestre cubano para grandes con-
9 10 11 12 surge o Festival Leo Brouwer. Contando juntos de violões em festivais que reuniram
Sidney Molina (7)
Uni-FIAM/FAAM e Fundação Carlos com a inédita presença do Maestro Leo um número muito grande de participantes.
Gomes / Universidade do Estado do Pará Brouwer no Brasil, este Festival celebra a Integram esses conjuntos alunos e ex-alu-
obra daquele que é considerado um dos nos da Graduação e Pós-Graduação do
Teresinha Prada (8)
maiores compositores latino-americanos Departamento de Música da ECA/USP, jun-
Universidade Federal de Mato Grosso
da atualidade. tamente com membros dos corpos discen-
13 14 15 16 tes da UNESP, Escola Municipal de Músi-
Os diversos eventos – recitais, concertos,
ca, Universidade Livre de Música, Univer-
masterclasses, palestras e lançamentos de
sidade Federal de Mato Grosso do Sul e
Participantes livros – abordam a obra de Leo Brouwer,
Uni FIAM-FAAM, além de violonistas con-
difundindo a sua produção musical e pro-
vidados.
Adélia Issa (9) movendo o intercâmbio cultural entre par-
Alexandre Ficarelli / USP (10) ticipantes, docentes e convidados. O Festival Leo Brouwer, em uma rara opor-
17 18 19 20 21
Aliéksey Vianna (11) tunidade, contará com alguns dos mais re-
Entre os destaques do evento, o encontro
André Simão (12) levantes nomes do violão da atualidade,
histórico de Leo Brouwer com Egberto Gis-
Antonio Carlos como Alieksey Vianna, André Simão, Edu-
monti e a estréia brasileira de Gismontia-
Carrasqueira / USP (13) ardo Meirinhos, Fábio Zanon, Flávio Apro,
na, composição para quarteto de violões e
Celso Delneri / EMM (14) Giacomo Bartoloni, Gilson Antunes, Gus-
orquestra, dedicada a este excepcional
Edelton Gloeden / USP (15) tavo Costa, Marcelo Fernandes, Marco Pe-
22 23 24 26 músico brasileiro. Essa obra será executa-
Ensemble São Paulo (16) reira, Mario Ulloa, Maurício Orosco, Pau-
da pelo Maestro Leo Brouwer, dirigindo a
Flávio Apro / UEM (17) lo Porto Alegre, Quaternaglia e Quarteto
Orquestra de Câmara da Universidade de
Giacomo Bartoloni / UNESP (18) Ibirá. Alguns desses artistas se apresentarão
São Paulo, com o Quarteto Quaternaglia
Gilson Antunes / UFPB (19) ao lado de outros grandes músicos, como
como solista. Também serão apresentadas
Luis Afonso Montanha / USP (20) Antonio Carlos Carrasqueira, Ricardo Bo-
diversas primeiras audições no Brasil de
Marcelo Fernandes / UFMS (21) logna, Adélia Issa, Alexandre Ficarelli, Ri-
obras para violão solo, música de câmara
Marco Pereira / Ensemble de Violões (22) cardo Ballestero, Maria José Carrasqueira,
com formações diversas, e orquestra.
Maria José Carrasqueira / UNICAMP (23) Luís Afonso Montanha, Celso Delneri e o
Mauricio Orosco / UFU (24) Formados especialmente para o Festival Ensemble São Paulo.
Membros do Ensemble de Violões e
do Octeto do Festival Leo Brouwer (25) 25
Quarteto Ibirá (26) Edelton Gloeden, diretor artístico
Quaternaglia (27)
Ricardo Ballestero / USP (28)
Ricardo Bologna / USP (29)
2 3
27 28 29
Leo Brouwer, compositor
Por Celso Delneri

A classificação em fases da obra composicional de Leo


Brouwer se justifica a partir de diversas leituras do imen-
so panorama de sua música que percorre uma trajetória
Leo Brouwer iniciada em 1954, data das primeiras peças para violão.
Sua produção musical amplia-se rapidamente e sua es-
Por Isabelle Hernández crita mostra traços de uma linguagem inovadora e de for-
te personalidade que permanece viva até os dias atuais.
Membro de Honra da UNESCO, do Instituto Brouwer relata que, em suas primeiras experiências com
Italo-Latinoamericano, da Academia de Belas a criação e a composição, teve a sensação de fazer par-
Artes de Granada e Compositor Residente da te do cosmos, da natureza. De fato, suas primeiras peças
Academia de Artes e Ciências de Berlim, en- apresentam formas embrionárias que partem de peque-
tre outras nomeações em prestigiosas institui- nas células, de movimentos coerentes na execução vio-
ções internacionais, além de compositor, re- lonística, e contêm elementos que estão presentes em
gente, violonista, pesquisador, pedagogo e toda a sua obra.
promotor cultural, Brouwer figura entre os Como violonista, Brouwer construiu uma carreira sólida.
mais reconhecidos músicos da atualidade. Foi Além de executar a sua própria música, foi intérprete de
pioneiro na direção dos primeiros departa- obras dos compositores mais importantes da história do
mentos de música do ICAIC (Instituto Cubano violão. Aluno de Isaac Nicola, discípulo de Emílio Pujol,
de Arte e Indústria Cinematográfica) em 1960, teve uma formação que seguiu os princípios técnicos de
do Teatro Musical de Havana (1962) e na fun- uma grande escola e a experiência técnica e estética da
dação e direção do Grupo de Experimentação música dos grandes compositores do renascimento e do
Sonora do ICAIC (1968). Participou de comis- período clássico. Esse estudo estendeu-se para a música
sões julgadoras em numerosos concursos de de seus contemporâneos cubanos, latino-americanos e
violão, composição e direção orquestral. Já da vanguarda européia, a qual se fez presente em todos
regeu mais de cem orquestras e grupos de câ- os recitais que organizava. Nos registros em gravação
mara em todo o mundo, com especial desta- dessa época de intensa atividade de concertista, percebe-
que para a Filarmônica de Berlim, a Orques- se um domínio incomum do violão e uma proposta inter-
tra de Câmara da BBC e a Orquestra Nacional pretativa de grande personalidade.
do México. Foi regente titular da Orquestra de te presença de elementos da música cubana, permanece uma vez, Brouwer conduz sua música no caminho
Leo Brouwer centralizou seu trabalho de composição
Córdoba, Espanha (1992-2001), e diretor ge- como síntese dessa primeira fase. de uma nova estética, denominada por ele mesmo de
nas obras para violão. Esse repertório é hoje considera-
ral da Orquestra Sinfônica Nacional de Cuba “Nueva Simplicidad”.
do e reconhecido como imprescindível nos programas As transformações estéticas, nos períodos que se se-
(1981-2003). Sua obra, que ultrapassa trezen-
curriculares das escolas de música e violão ao redor do guem, da obra de Leo Brouwer parecem nunca aban- Essa terceira fase, iniciada nos anos 80, é marcada pela
tos títulos, abrange quase todos os gêneros e
mundo. donar o sentimento nacionalista da sua primeira fase, necessidade de ampliar o território auditivo, sem entrar
formas musicais, e sua discografia apresenta
que também estampa a influência da música de com- em crise ou estagnação com a linguagem musical da fase
mais de seiscentas gravações. Leo Brouwer A primeira fase da composição de Leo Brouwer localiza-
positores como Bela Bártok e Igor Stravinsky. O início anterior. Leo Brouwer passa a transitar livremente na
possui mais de duzentas distinções artísticas e se nos anos pré-revolução cubana (1959), fase em que se
da década de 60 marca a transição para a fase seguin- fronteira entre o popular e o erudito, entre o nacionalis-
acadêmicas internacionais, como o “Prêmio observa um vínculo muito grande com uma estética na-
te: a vanguarda. mo e a vanguarda, entre a tradição e a experimentação.
Manuel de Falla”, em 1998 na Espanha; o cionalista, a qual Brouwer reconhece que “...era preciso
A convivência com o minimalismo, a atonalidade e os
“Prêmio Nacional de Música de Cuba”, em reafirmar a nacionalidade por medo de perdê-la, dentro A influência estética da música da “vanguarda européia”,
tempos aleatórios foi então utilizada no sentido de uma
sua primeira edição em 1999; o “Prêmio MI- do caos político do momento”, referindo-se aos anos da presente na obra de Brouwer nos anos 60 e 70, não o
síntese não apenas relacionada com a sua obra, mas com
DEM Clássico”, em Cannes no ano de 2003 – ditadura batistiana. A revolução, no seu plano de reestru- leva a uma ruptura ou reação oposta ao seu estilo anteri-
a música como um todo, universal e particular ao mes-
na categoria solo-orquestra, com seu Concer- turação cultural, designou uma bolsa de aperfeiçoamen- or; apresenta-se mais como um desenvolvimento natural
mo tempo.
to de Helsinki para violão e orquestra –; e o to a Leo Brouwer, que passou a ter aulas com Vincent de uma pesquisa sonora já perseguida. Nota-se que os
“Prêmio Goffredo Petrassi de Composição”, Persichetti, na Juilliard School of Music, e na Universida- procedimentos técnicos apenas se expandem. Formas re- Citações de sua própria música, motivos recorrentes de
outorgado em março de 2008 em Zagarolo, de Hartford, Connecticut, onde foi recomendado pelo sultantes de aberturas temporais aleatórias, improvisaçõ- obras anteriores ou mesmo referências e homenagens a
Itália. Possui títulos de “Doutor Honoris Cau- célebre violoncelista Leonard Rose e estudou com Isado- es sobre pequenos motivos, o uso do silêncio, um foco compositores e obras marcantes em sua memória servem
sa” em Havana e Santiago do Chile. Atual- re Freed. De volta a Cuba, após um ano de afastamento, mais próximo com timbres e sonoridades inusitadas pas- de material para a construção de um discurso de um
mente preside a Oficina Leo Brouwer com Brouwer foi um dos responsáveis pela reformulação do sam agora a oferecer o material que percorre o discurso compositor maduro e coerente. Sua música resulta em
sede em Havana. ensino de música em seu país. A criação da primeira sé- musical de sua linguagem. Esse momento, marcado pelo uma mensagem instigante e perturbadora “...sin perder la
rie dos Estúdios Sencillos, com finalidade didática e for- experimentalismo, leva a uma saturação natural e, mais ternura, jamás!”.

4 5
Programação

MASTERCLASSES PALESTRAS
Consulte a programação geral
com datas, horários e endereços
na página 24 (contra-capa).
no AUDITÓRIO MAESTRO OLIVIER TONI

LEO BROUWER PAULO PORTO ALEGRE 8 dezembro | segunda-feira | 14h00 às 16h00 10 dezembro | quarta-feira | 14h00 às 16h00

AUDITÓRIO DO INSTITUTO CERVANTES ANFITEATRO CAMARGO GUARNIERI


Título: Título:
6 e 7 dezembro | sábado e domingo 9 dezembro | terça-feira | 9h30 às 12h00
9h30 às 13h00
Construção da mentira em O violão em destaque na
Paisaje Cubano con Lluvia de obra de Villa-Lobos e Leo
EDUARDO MEIRINHOS Brouwer.
FÁBIO ZANON Leo Brouwer: uma análise semiótica
ANFITEATRO CAMARGO GUARNIERI
AUDITÓRIO MAESTRO OLIVIER TONI Palestrante: Prof. Dr. Sidney Molina Palestrante: Profª. Drª. Teresinha Prada
10 dezembro | quarta-feira | 9h30 às 12h00
8 dezembro | segunda-feira | 9h30 às 12h00 Uni-FAAM e Fundação Carlos Gomes Universidade Federal de Mato Grosso
da Universidade do Estado do Pará Resumo: As obras para violão de Villa-Lobos
GUSTAVO COSTA Resumo: Análise de Paisaje Cubano con Lluvia (1984), composta e de Leo Brouwer são consideradas as produ-
ções mais importantes do instrumento reali-
pelo cubano Leo Brouwer (1939) para quatro violões, utilizando
ANFITEATRO CAMARGO GUARNIERI as categorias da semiótica discursiva. Considerando as possibili- zadas no século XX. A forma como esses dois
dades musicais da teoria greimasiana desenvolvidas por Tarasti e grandes compositores trataram o violão é o
11 dezembro | quinta-feira | 9h30 às 12h00 ponto central desta palestra, que pretende
Monelle, a palestra trata da relação entre plano de expressão e
plano de conteúdo na música instrumental, revelando como o vir- analisar o contexto histórico e estético em
tuosismo composicional de Brouwer na estrutura profunda, na que ambos realizaram seus trabalhos, com-
MARIO ULLOA gramática narrrativa e na estrutura discursiva pode ser oculto sob parando suas fases composicionais e desta-
uma aparente simplicidade na manifestação. cando obras de cada período.
Consulte os endereços ANFITEATRO CAMARGO GUARNIERI
na página 24 (contra-capa) 12 dezembro | sexta-feira | 9h30 às 12h00
12 dezembro | sexta-feira | 14h00 às 16h00

Título:
mostram-se extremante controladas, do ponto de
De simples eles não tem nada. vista composicional, e gradualmente escalona-
LANÇAMENTOS INSTITUTO CERVANTES
13 dezembro | sábado | 11h00
Palestrante: Prof. Dr. Orlando Fraga
das, do ponto de vista técnico. Assim, a palestra
aborda os 10 Estudos Simples em dois aspectos:
Escola de Música e Belas Artes do Paraná 1. O lado técnico, com o intuito de sugerir solu-
ções, passo a passo, para resolver os diversos de-
Resumo: Leo Brouwer (1939) é reconhecidamente um dos maio-
Violão: de Villa-Lobos a Leo Brouwer Dez Estudos Simples de Leo Brouwer – análise interpretativa safios mecânicos contidos na obra;
res compositores para violão dos séculos 20 e 21. Seus 10 Estu-
Autora: Teresinha Prada Autor: Orlando Fraga dos Simples para violão não apenas propõem engenhosos desafi- 2. A análise interpretativa, para enfatizar os as-
os técnicos para o iniciante do instrumento, como também repre- pectos da performance através de gráficos analí-
Editora Terceira Margem Editora DeArtes UFPr
sentam uma porta de entrada para a estética contemporânea. Ao ticos. Os 10 Estudos Simples, vistos por esse pris-
contrário do que geralmente se pensa, os Estudos Simples for- ma, podem revelar, por um lado, o melhor do
mam um conjunto de peças que, quando vistas individualmente, autor e, por outro, o melhor do intérprete.

6 7
PENSAR IBEROAMÉRICA

E N C O N T R O L E O B R O U W E R & E G B E RTO G I S M O N T I

MASP - GRANDE AUDITÓRIO Gismontiana (2004)


13 dezembro | sábado | 20h00 | Entrada Franca Trabalhar sobre temas de Egberto Gis-
monti não exigiu esforço; parece que
estou criando minhas próprias sonori-
dades. Meu som e o do maestro brasi-
leiro são diferentes em estilo, mas em
Encontro com Leo Brouwer e Egberto essência se irmanam. Depois de ter di-
rigido suas obras para orquestra – com
Gismonti dentro do ciclo Pensar Iberoa- piano ou violão – e de assistir ao pro-
dígio de suas improvisações, pude re-
mérica do Instituto Cervantes alizar esta obra de uma só vez. A pro-
fundidade do espírito brasileiro que
O ciclo Pensar Iberoamérica do Institu- existe em Camargo Guarnieri ou em
Villa-lobos, na 1ª metade do século
to Cervantes reúne desde maio de 2007 XX, só encontrou um continuador em
Gismonti. Aconteceu o mesmo com
pensadores, artistas e intelectuais hispa- Falla: o Retablo de Maese Pedro, o
Concierto de Címbalo ou El Amor Bru-
no-americanos e brasileiros para, através jo obrigaram os espanhóis a procurar
fontes diferentes das do maestro anda-
do diálogo, construir pontes que contri- luz (só Ohana recuperou o fio condu-
tor que parecia esgotado por Falla).
buam para uma maior integração ibero-
Os concertos e algumas sinfonias de
americana. Guarnieri, os quartetos, o Momopre-
coce, Erosão ou o Choro nº 10 para
Dentro do Festival Leo Brouwer, dedicado ao grande com- coro e orquestra de Villa-lobos (sem
esquecer a obra para piano ou os “Es-
positor cubano por sua presença inédita no Brasil cele- tudos” de violão) são alguns exemplos
inimitáveis de Villa-lobos que perma-
brando seu 70º aniversário, este se encontra publicamen- neciam sem continuidade. Ai está o
problema: não se pode imitar, senão
te com Egberto Gismonti para falar de suas visões do con- “herdar”; por isso surgiu um Gismonti
tinente e do mundo, assim como do diálogo entre o “cul- na segunda metade do século XX.
O Quarteto GuitArt da Itália me solici-
to” e o “popular”, tão presente nas obras de ambos. tou este trabalho e recebeu a estréia
“italiana” de cinco das obras mais im-
Ilustrando este tema será projetada uma reportagem dos pactantes de Gismonti. O Mato Gros-
so, a cultura nordestina, o Rio de Ja-
anos 70 na qual Leo Brouwer interpreta com figuras do neiro, o Amazonas e as linguagens
múltiplas que se transformam e enri-
jazz latino como Chucho Valdés, Paquito de Rivera e Ar- quecem constantemente deram ori-
turo Sandoval, uma versão muito particular do Concierto gem a um gigante cultural: Brasil, do
qual emerge este grande músico.
de Aranjuez de Joaquín Rodrigo.
Leo Brouwer - 17 fevereiro 2008

8 9
RECITAIS
Consulte a programação geral
com datas, horários e endereços
na página 24 (contra-capa).

RECITAL DE ABERTURA RECITAL II RECITAL III RECITAL IV


6 dezembro | sábado | 19h30 8 dezembro | segunda-feira | 20h30 9 dezembro | terça-feira | 20h30 10 dezembro | quarta-feira | 20h30
MASP – GRANDE AUDITÓRIO ANFITEATRO CAMARGO GUARNIERI ANFITEATRO CAMARGO GUARNIERI ANFITEATRO CAMARGO GUARNIERI

Programa Programa Programa Programa

LEO BROUWER (1939) LEO BROUWER LEO BROUWER LEO BROUWER


- Pieza sin título Nº 1 (1956) - Hika. In Memoriam Toru Takemitsu (1996) - Canticum (1968) / I. Eclosión / II. Ditirambo - Tarantos (1974)
- Pieza sin título Nº 2 (1956)
- Tres Apuntes (1959) / I. Del homenaje a Manuel de Falla / - Estudios sencillos / III. Rápido (1959) / XVI. Grave
- Pieza sin título Nº 3 (1962)
II. De un fragmento instrumental / III. Sobre un canto de Bulgaria (1981) / VII. Lo más rápido posible (1960) / XVIII.
- El Decamerón negro (1981)
Paulo Porto Alegre, violão
GIACOMO BARTOLONI Moderato quasi lento (1981)
I. El arpa del guerrero
- Nuevos Estudios (2000) / IV. Omaggio a Tárrega
II. La huída de los amantes
- Ditirambo: Homenagem a Leo Brouwer (1979).
por el valle de los ecos Flávio Apro, violão
- Dos Canciones (1959). Textos: Federico García Lorca. I. Momentos / II. Final
III. Balada de la doncella enamorada
I. Poema / II. Madrigalillo
Giacomo Bartoloni, violão
Fábio Zanon, violão
Adélia Issa, soprano / Edelton Gloeden, violão - Paisaje cubano con lluvia (1984)
Quarteto Ibirá*
- Paisajes, retratos y mujeres (1997)
- Tríptico (1975) / I. Allegro / II. Interlúdio / III. Toccata
LEO BROUWER
1ª audição no Brasil
I. Retrato de Wagner con Mathilde Paulo Porto Alegre / Edelton Gloeden - La región más transparente (1982) / I. Lento (Grave) /
- An Idea (Passacaglia for Eli). (1999)
II. Mujer bailando un Minuetto II. Movido
1ª audição no Brasil
III. La pasión según Dowland Antonio Carlos Carrasqueira, flauta
Intervalo ..................................................................................................................................... - Viaje a la semilla (2000). 1ª audição no Brasil
Antonio Carlos Carrasqueira, flauta Maria José Carrasqueira, piano
Marcelo Jaffé, viola - Per suonare a due (1973) André Simão, violão
Fabio Zanon, violão I. Prólogo o Epilogo I / II. Interludio / III. Grand Pás de Deux /
IV. Scherzo di bravura / V. Prólogo o Epílogo II Intervalo
- Elogio de la danza (1964) / I. Lento / II. Obstinato ............................................................................................................................
Paulo Porto Alegre / Edelton Gloeden
Intervalo ...............................................................................
- Danza característica (1957) - Prelúdios epigramáticos (1981) / Nº. 1 – "Desde que el
- Sones y Danzones (1992) alba quiso ser alba, toda eres madre" / Nº. 2 – "Tristes
Marcelo Fernandes, violão
1ª audição no Brasil - Homenaje a Manuel de Falla (1958) / 1ª audição no Brasil. hombres si no mueren de amores" / Nº. 3 – "Alrededor
I. Contradanza sonera de tu piel, ato y desato la mía" / Nº. 4 – "Ríe, que todo
Antonio Carlos Carrasqueira, flauta / Alexandre Ficarelli, oboé /
II. Son de la niña bonita rie; que todo es madre leve" / Nº. 5 – "Me cogiste el
Luis Afonso Montanha, clarineta / Edelton Gloeden, violão Intervalo
III. Danzón corazón y hoy precipitas tu vuelo" / Nº. 6 – "Llegó con
.........................................................................................................................
tres heridas: la de amor, la de la muerte, la de la vida"
Betina Stegman, violino - Paisaje cubano con ritual (1989) 1ª audição no Brasil
Robert Suetholz, violoncelo MARCO PEREIRA Maurício Orosco, violão
Ricardo Ballestero, piano Luis Afonso Montanha, clarone
- Amigo Léo
Ricardo Bologna, percussão
- Cinco Micropiezas (1957) / (Homenaje a Darius
- Quinteto para violão e Milhaud)
quarteto de cordas (1957) LEO BROUWER - La Espiral Eterna (1970)
Gustavo Costa, violão e Maurício Orosco, violão
I. Allegro - Dos temas populares cubanos / I. Canción de cuna (sobre un tema
- Variaciones sobre un tema
II. Andante de Grenet) / II. Ojos brujos (sobre un tema de Roig)
de Django Reinhardt (1984)
III. Allegro vivace I. Introduction / II. Thème / III. Var. 1 (Bourrée) / - Sonata (1990) / I. Fandangos y Boleros (Preâmbulo -
Alieksey Vianna, violão IV. Var. 2 (Sarabande) / V. Var. 3 (Gigue) / Lento – Danza - Allegretto - Coda - Beethoven visita al
Ensemble São Paulo* MARCO PEREIRA VI. Var. 4 (Improvisatione) / VII. Var. 5 (Interlude) / Padre Soler) / II. Sarabanda de Scriabin (Omaggio a
- Fantasia sobre tema popular brasileiro VIII. Var. 6 (Toccata) Scriabin) / III. La Toccata de Pasquini (Alla toccata -
Allegro vivace – Tempo di Sarabanda - Tempo primo)
Marco Pereira, violão Eduardo Meirinhos, violão
Gustavo Costa, violão

10 11
RECITAIS GRUPOS CONCERTOS
CONVIDADOS
RECITAL V Ensemble São Paulo Orquestra de Câmara da USP - OCAM Sob a regência
12 dezembro | sexta-feira | 20h30
ANFITEATRO CAMARGO GUARNIERI
Encerramento da Temporada 2008 de Leo Brouwer
Betina Stegman (violino I), Nelson Rios (violino II),
Marcelo Jaffé (viola) e Robert Suetholz (violoncelo).
Programa
Quarteto Ibirá
LEO BROUWER
Glauber Rocha, Luciano César Morais,
- Paisaje cubano con tristeza (1996) João Francisco Botosso e Luís Roberto Botosso.
- Dos aires populares cubanos
I - Guajira criolla
Octeto do Festival Leo Brouwer
(sobre un tema de Anckerman)
II - Zapateado Marcelo Vani, Yuri Cardoso, Diogo Carvalho, Felipe Garibaldi,
Antonino Coutinho, Glauber Rocha, Thiago Abdalla e
- Paisaje cubano con campanas (1986)
Daniel Murray. Regência: Thiago de Almeida Tavares
Gilson Antunes, violão
Ensemble de Violões
- Un dia de noviembre (1972) do Festival Leo Brouwer
- La ciudad de las columnas (2004)
(Variaciones sobre Pieza sin título nº 1) Alunos e ex-alunos da Graduação e Pós-graduação (PG)
1ª audição no Brasil do Departamento de Música da ECA/USP: Antonino 11 dezembro | quinta-feira | SESC PINHEIROS | 21h00
I. Introducción. Andar la Habana Coutinho (PG), Bruno de Souza Sanches, Diogo Carvalho,
II. Pieza sin título nº. 1: Andar la Habana Felipe Augusto Fachini Moreira, Felipe Garibaldi de
14 dezembro | domingo | MASP - GRANDE AUDITÓRIO | 16h00
III. Paseo Almeida, Flávia Prando (PG), Glauber Rocha, Leandro
IV. La ceiba y el colibrí Quinterio dos Santos, Marcelo Vani, Nicolas Ramirez
V. Convento de San Francisco Salaberry, Roberto Tsutomu Yoneta, Thiago Abdalla, Thiago
VI. Segundo paseo Programa Obras de Leo Brouwer (1939) em primeiras audições no Brasil
Chaves de Andrade Oliveira (PG), Thiago de Almeida
VII. Por la calle del Obisco
Tavares, Yuri Cardoso. Regência: Celso Delneri
VIII. Amanecer en El Morro
IX. Toque en la Plaza de Armas Alunos convidados: Parte I Parte II
Mario Ulloa, violão Instituto de Artes do Planalto/UNESP: Gabriel Freire e Renato
de Carvalho Cardoso. Universidade Federal de Mato Grosso
Los negros brujos Vitrales de
Intervalo .................................................................................
do Sul – DAC/CCHS: Pieter Rahmeier. Uni FIAM-FAAM: se divierten (1985) La Habana Vieja (2007)
Christian Miranda Bascope e João Luiz Pereira dos Santos. para conjunto de câmara para orquestra de cordas
- Paisaje cubano con rumba (1985) Universidade Livre de Música (ULM): Ricardo Resende Meves, I. Paisaje cubano con lluvia
Octeto do Festival Leo Brouwer* Victor Portilla e Vinícius Nogueira da Silva. Escola Municipal de Gismontiana (2004) II. Concierto barroco
Regência: Thiago de Almeida Tavares Música de São Paulo (EMM): Affonso Henrique J. Marques, para quarteto de violões e orquestra de cordas III. Arquitectura ornamentada
Arthur Phillipp Stach e Paulo Eduardo de Oliveira. I. Frevo / II. Água e vinho / III. Baião malandro / IV. Celebración del espacio antiguo
Violonistas convidados: IV. A fala da paixão / V. Cadência / VI. Loro
- Acerca del cielo, el aire y la sonrisa (1979) V. El ocaso del día
Daniel Murray (Trio Opus 12) e Caio Victor.
I. La ciudad de las mil cuerdas Solistas: QUATERNAGLIA
II. Fantasia de los ecos Preparação: Edelton Gloeden e Celso Delneri (PG e EMM).
(João Luiz, Fabio Ramazzina,
Canción de gesta (1979)
- Toccata (1978) Regência: Celso Delneri para orquestra de câmara
Paola Picherzky e Sidney Molina)
Ensemble de Violões
do Festival Leo Brouwer* Oficina Leo Brouwer
Regência: Celso Delneri Isabelle Hernández, dirección artística Orquestra de Câmara da Universidade de São Paulo
Ricardo Reyes, ayuda de cámara Regência: Maestro Leo Brouwer
Ediciones Espiral Eterna

12 13
Sobre as Obras Quaternaglia
Tradução: Juliana Frutuoso – Instituto Cervantes João Luiz, Fabio Ramazzina, Paola Picherzky e Sidney Molina

Em seus quinze anos de atuação, o grupo – formado pelos violonistas João Luiz,
Los negros brujos se divierten Canción de gesta Fabio Ramazzina, Paola Picherzky e Sidney Molina – vem estabelecendo um câ-
none de obras originais e arranjos audaciosos.

Foi composta em 1985 para alunos de um conser- Composta em 1978 para a American Wind Symphony Orchestra de Com 4 Cds gravados, a discografia do quarteto tornou-se referência para a forma-
vatório francês. Tem uma simplicidade comum ao Pittsburg e seu diretor, Robert Austin Boudreau, foi interpretada inicial- ção, ousando em peças e arranjos virtuosísticos e despertando interesse de com-
minimalismo não-ortodoxo e à “nova” simplicida- mente a bordo de um cruzeiro. Mais tarde, Leo Brouwer realizou a ver- positores em escrever para a formação.
de que tanto refrescou nosso discurso sonoro pós- são de câmara para o Conjunto Instrumental Nuestro Tiempo de Cuba
serial. Se sabemos há séculos que a música ritual e seu diretor Manuel Duchesne Cuzán, que será ouvida no Festival Leo
Na temporada de concertos 2006-2007 o grupo realizou turnês de lançamento do
de origem africana é minimalista, não é de estra- Brouwer. DVD Quaternaglia pelo Brasil e pelos Estados Unidos, onde gravou um novo CD.
nhar que certas formas reiterativas sejam totalmen-
No início da obra, o tema de Hornpipe da Water Music de Händel é re-
te orgânicas em nossa música. Alguns dos dez ins-
criado no trompete. Tal ilusão lembra a mesma idéia que o compositor
trumentos do ensemble dessa obra podem ser
alemão escreveu para os passeios do rei George I pelo Tâmisa. A cita-
substituídos por outros, lembrando o velho uso re-
ção se expõe na forma de um chamado de atenção e, porque não,
nascentista, com exceção do violino, do violonce-
como também se costuma fazer na “diana del guaguancó” da rumba
lo e do contrabaixo. Isso é ajudado pela facilidade
técnica da escrita instrumental concebida para es-
cubana. A obra leva como subtítulo Epopeya del Granma, la nave llena Criada em 1995 pelo Maestro
de futuro, como homenagem à histórica viagem cubana pré-revolucio-
tudantes. O tambor só produz dois sons, que dão
nária de 1956.
Olivier Toni, tem como propósito dar
começo e fim à estrutura da peça. As algaravias ou
"festas sonoras" se produzem aleatoriamente em Recuperação, sincretismo, atualidade e resumo soam imbricados na
suporte às atividades pedagógicas
duas ocasiões também. Em Los negros… não há criação do compositor. Tudo isso se projeta em um tempo novo: nossa desenvolvidas no Departamento
solistas, todos se unem em um tecido bastante ho- época. Um século e um milênio que culminam e recebem a integrida-
mogêneo que resulta, curiosamente, em uma rara de única da experiência e a tradição secular mais pluralizada que a de
de Música da ECA/USP, bem como
transparência. qualquer outro período histórico. A respeito da pós-modernidade musi- propiciar aos jovens músicos a
cal, o próprio Brouwer disse: “A diferença entre o nascente pós-moder-
Leo Brouwer - Turku, Finlândia,
nismo da década atual e aquele do pós-guerra é radicalmente oposta.
prática instrumental necessária rumo
10 novembro 2008 Agora começa uma mudança de valores (entendam-se valores estéticos a uma profissionalização competente.
e conceitos de linguagem artística como comunicação). No pós-guerra
houve uma mudança de atitudes, mudança de sistema, mas não de es-
Vitrales de la Habana Vieja, trutura; mudança de conteúdos, mas não de formas. Schönberg muda o
para orquestra de cordas (2007) sistema tonal pelo dodecafônico, mas não abandona as formas sonata
Diretor Artístico e 2º Violinos Flautas Trombone
ou variação, das quais é continuador ou herdeiro. Cada vanguarda não
faz outra coisa além de intensificar a mudança para criar uma nova atu- Regente Titular Ney Aguiar Filipe Ferreira Fábio Martinele Neto
Estreada sob direção do Maestro Brouwer, em 15 alidade, atualidade esta formada por tradições, mas com um desloca- Gil Jardim Rafael Lira Julia Pedron Peres
de setembro de 2007 na Basílica Menor do Con- mento ou uma ordem nova. Como disse em outra ocasião, cada etapa Eliéser Ferreira Junior Piano
vento de San Francisco de Asís em Havana, que de- nova nega imediatamente a anterior quando aquela alcança seu mais Fundador Micaela Nassif Oboés Gabriel Rhein-Schirato
dicou a partitura a D. Eusebio Leal, historiador da alto grau de saturação, quando ultrapassa os limites do seu próprio de- Olivier Toni Heber Ramos Sanches Karina Ando
cidade - homem que tornou possível a restauração senvolvimento. Por isso, o atual “pós-modernismo” busca apoio em tra- Andréa da Silva Silvério Percussão
da La Habana Vieja -, ao conjunto Solistas de La dições anteriores, mas transcendendo-as, não as imitando”. Maestro Adjunto Violas Gilson Cardoso
Habana e ao seu diretor, Maestro Iván Valiente. Aylton Escobar Luís Fernando Borten Clarinetes Rubens Barbosa Alves
No plano das dinâmicas também são marcadas as densidades contras- Hellen Dias Mizael Rafael Schmidt Lisboa Rubens José de Oliveira
O crítico Pedro de la Hoz escreveu: “Em nível tantes, que sempre buscam o clímax. No caso do parâmetro metro-rít- Regente Assistente Tatiane Lopes Djalma G. de Albuquerque
descritivo as associações funcionam. Mas esta mico, a obra caminha num crescendo contínuo de figurações que se ex- Henrique Villas Boas Thiago Neres da Silva Secretária Executiva:
não é música programática. Leo renovou no pri- pandem e incorporam novos valores entremesclados para formar inter- Fagotes Wanny Martins
meiro movimento o tema principal de sua Paisa- faces polirritmicas. Esse acúmulo de tensão de ritmos percorre toda a 1º Violinos Violoncelos Ivan Ferreira do Nascimento Produção: Fabiana Leite
je cubano con lluvia para orquestra de violões, macroestrutura como momentos de desenvolvimento, tal é o caso da Felipe Secamilli Rodrigo Leandro do Prado Felipe dos Santos Arruda
reinventou ares vivaldianos depois dos primeiros percussão que conduz a notáveis pontos culminantes. De estrutura har- Arquivista:
Ronaldo Mariani Junior Jefferson Martins Xavier
violinos, desatou as ânsias barrocas com uma mônica orgânica, linear e polifônica, Canção de gesta transmite a in- Fernando H. Ribeiro
Rodolfo Guilherme da Silva Tiago Alberto Tavares Trompas
mensagem implícita à La ciudad de las columnas confundível personalidade estilística do compositor em plena maturida- Anderson Santoro Ana Beatriz de Oliveira Cenci Bruno Demarque Inspetor:
de Carpentier e selou a evocação sob a aura de de. A dialética de suas linhas melódicas curtas e acordais superpostas Felipe Dias Reginaldo de Castro Pereira Sérgio Ricardo Barbosa
um lirismo contido”. às figurações de grande mobilidade, além do jogo instrumental policro- Diogo Amorim Contrabaixo Montador:
Isabelle Hernández mado, fazem dela uma obra expressiva e coerente. Vinícius Gonçalves Trompetes Sideval Ramos de Paula
Isabelle Hernández: Leo Brouwer, 2000, Ed. Musical de Cuba. Auriléia Ferreira Oliveira Lucas Eduardo Sartório
Arthur de Camargo Zanin Assessoria de Imprensa:
Violão Sérgio Fogaça
Glauber Rocha Fotógrafa: Maristela Martins

14 15
Convidados

Alexandre Ficarelli / USP Antonio Carlos Eduardo Meirinhos


Carrasqueira / USP
Atuou como primeiro Doutor em Performance
oboísta frente à Orquestra Após vários anos como pela Escola de Música da
Sinfônica de Porto Alegre, integrante das principais Florida State University,
ocupou o cargo de orquestras de São Paulo, também estudou
primeiro oboé da dedica-se atualmente composição e musicologia.
Orquestra Sinfônica a seu trabalho de solista,
É o diretor da Escola de
Municipal de São Paulo. camerista e educador. Ensemble São Paulo
Música e Artes Cênicas da
Tem atuado como
Membro do várias Universidade Federal de Núcleo de música de câmara formado por músicos
camerista e solista com
vezes premiado Quinteto Goiás, onde ensina violão de intensa atividade no cenário musical brasileiro
grande repercussão no
Villa-Lobos, professor na e matérias relacionadas e internacional, o Ensemble tem se apresentado com
cenário musical brasileiro.
André Simão Universidade de São Paulo ao instrumento, fazendo sucesso de público e crítica.
Leciona oboé no e em Festivais como os de também parte do corpo
André Simão foi Seus integrantes são premiados em diversos concursos
Departamento de Campos do Jordão, Ouro docente do mestrado.
premiado nos mais e detentores de vários prêmios, além de desenvolverem
Música na ECA-USP. Preto, Curitiba e Brasília.
importantes concursos atividades didáticas em festivais de música.
de música do Brasil.
Desde seus 16 anos se
Adélia Issa apresenta como solista
e em grupos de música Ensemble de Violões
Uma das mais importantes
de câmara em todo e do OCteto do
cantoras líricas brasileiras.
Brasil e no exterior. Festival Leo Brouwer
Atuou ao lado de Carlo
Bergonzi e Placido É bacharel em violão Formados especialmente
Domingo, e foi solista pela USP. Atualmente para o Festival Leo
em primeiras audições realiza estudos de Brouwer, o Octeto e o
de obras de Camargo pós-graduação como Ensemble de Violões,
Guarnieri, Francisco bolsista na Hochschule com 28 integrantes, têm
Celso Delneri / EMM
Mignone, e no Requiem für Musik Nürnberg. como objetivo principal
de Cláudio Santoro, com Mestrando do programa a execução de obras
Aliéksey Vianna de pós-graduação da
regência do compositor. escritas pelo mestre
Gravou as Modinhas Graduou-se pelo San ECA-USP. Violonista, cubano para grandes
Imperiais, recolhidas Francisco Conservatory regente de coral e conjuntos de violões.
por Mário de Andrade, (EUA), atualmente orquestra, arranjador Integram estes conjuntos
para o selo Eldorado. cursa o Mestrado e compositor. alunos e ex-alunos do
em performance na Estudou Composição CMU - ECA/USP, UNESP,
Hochschule fur no Departamento de Escola Municipal de
Musik Basel (Suíça). Música da ECA-USP. Música, ULM,
Foi premiado em mais Graduou-se em Universidade Federal
de vinte concursos Música - Composição, Mato Grosso do Sul e
internacionais de violão na Faculdade Carlos Uni FIAM-FAAM, além de
e tem se apresentado com Gomes (São Paulo), violonistas convidados.
freqüência em algumas onde é professor.
das principais salas Leciona também na
de concerto por mais Escola Municipal de
de 25 países. Música, desde 1977.

16 17
Convidados

Flávio Apro / UEM Marco Pereira Mauricio Orosco / UFU


Bacharel em Violão pela Considerado no Brasil Bacharel em violão e
ECA-USP, Mestre pela e no exterior um dos Mestre em Musicologia
UNESP e doutorando melhores violonistas da pela USP, atualmente é
pela ECA-USP, Gustavo Costa atualidade, é dono de professor de violão do
apresenta-se nas Atuou como solista com um estilo vigoroso, e ao DEMAC, da Universidade
principais salas de grandes orquestras do Brasil mesmo tempo preciso, Federal de Uberlândia
concerto e dedica-se a e do exterior, e como límpido e fluente. (UFU). Realizou recitais
atividades camerísticas. camerista, com o Quarteto e cursos na Espanha,
Mestre em Violão
Brasileiro de Violões, orientado por José
Sua atividade pedagógica pela Universidade de
o violinista Cláudio Cruz e Luis Rodrigo.
é amplamente respeitada, Paris-Sorbonne, suas
tendo ministrado cursos Gilson Antunes / UFPB o tenor Fernando Portari. obras para violão têm Mario Ulloa Atua como solista e
e masterclasses em É mestre em musicologia sido gravadas e tocadas compositor de peças
Gilson Antunes é Natural da Costa Rica,
diversas instituições. pela ECA – USP e em concertos por grandes que foram gravadas e
violonista, professor, graduou-se pela Escuela
Atualmente, é professor professor de violão da intérpretes americanos publicadas por revistas
escritor e pesquisador. de Artes Musicales de la
efetivo da UEM. mesma universidade e europeus. no Brasil e exterior.
Bacharel em Música pela Universidad de Costa
UNESP e Mestre em no Departamento de Rica, e é doutor em
Fábio Zanon Musicologia pela USP. Música de Ribeirão Preto Marcelo Fernandes / UFMS música pela Universidade
desde 2007. Federal da Bahia, obteve
Fabio Zanon ocupa uma Desde 1991 vem Bacharel em Violão e
importantes prêmios em
posição de destaque no pesquisando sobre a Mestre em Artes pela USP.
concursos internacionais.
cenário internacional de história do violão no É vencedor de diversos
violão clássico e é um dos Brasil, publicando vários prêmios no Brasil. Gravou CDs de violão
mais respeitados músicos artigos. Atualmente é Atualmente é doutorando solo e como solista com
brasileiros, com uma professor da Universidade no Departamento de a Orquestra Filarmônica
diversificada atuação Federal da Paraíba, Música da USP e docente da Costa Rica.
como solista, camerista, cursa o doutorado em efetivo da Universidade
regente e comunicador. musicologia na USP. Federal de Mato Grosso
do Sul.
Desde 2008 é professor Giacomo Bartoloni / UNESP Luis Afonso Montanha / USP Maria José Carrasqueira Orlando Fraga
da Royal Academy of Realizou inúmeros recitais
Bacharel em Violão Primeiro clarinetista da Solista convidada pelas Estudos no Conservatório
Music de Londres. e masterclasses na Espanha,
pela FAAM, Mestre em Orquestra Sinfônica mais importantes Universitário de Música
França, Suíça, Portugal,
Musicologia pela UNESP Municipal de São Paulo e orquestras brasileiras, de Montevidéu (Uruguai).
Colômbia e Chile.
e Doutor em História integrante, como clarinetista tem se apresentado com Mestre pela The University
pela UNESP de Assis/SP. e claronista de diversos instrumentistas e regentes of Western Ontario
É Professor da UNESP. grupos de câmara. do cenário internacional. (Canadá) e Doutor em
Desde 1992 é Professor de Performance (D.M.A) pela
Atua como solista e Vinda de uma rica
Clarinete no Departamento Eastman School of Music
camerista, arranjador e formação artística e
de Música da ECA – USP. da Universidade de
compositor. É integrante musical, teve ainda na
Rochester, NY (USA).
do Duo Bartoloni, do Graduou-se pela UNESP, Europa grandes
É professor titular de
quarteto de violões aperfeiçoou-se na no orientadores. Doutora
violão da Escola de
“I Bartoloni” e recentemente Conservatório de Rotterdam, em Artes pela USP,
Música e Belas Artes
do Quarteto Tau. Holanda. Doutor em pertence ao
do Paraná.
Música pela Unicamp. Departamento de
Música o Instituto de
Artes da UNICAMP.
18 19
Convidados

Mto. Gil Jardim


Diretor Geral do Festival Leo Brouwer

Sidney Molina
Diretor Geral do Festival Leo Brouwer, atual Chefe do De-
Bacharel em Filosofia
partamento de Música da USP, que foi fundado em 1971 e
(USP), Especialista em
conta com um corpo de 45 professores e aproximadamente
Musicologia pela
430 alunos entre graduação e pós-graduação, o Mto. Gil Jardim está como Di-
Faculdade Carlos Isabelle retor Geral de 3 festivais internacionais de grande repercussão: Festival Ex Toto
Gomes (SP) e
Doutor pela PUC-SP.
Hernández Corde de Cordas, USP Percussivo 2008, Festival Internacional de Percussão Con-
Musicóloga cubana temporânea e Festival Leo Brouwer, com a vinda do compositor cubano pela pri-
Quarteto Ibirá Membro fundador do meira vez ao país para realizar um trabalho com da Orquestra de Câmara do
Formado por Luiz Roberto Botosso, João Francisco Quaternaglia, professor Depto. de Música da USP.
Botosso, Luciano César Morais e Glauber Rocha, do Uni FIAM / FAAM Musicóloga e assistente do
Professor livre docente da Universidade de São Paulo, escreveu o livro “O Estilo
privilegia a pesquisa de repertório para quarteto, e da Fundação Carlos Maestro Leo Brouwer des-
Antropofágico de Heitor Villa-Lobos”, esteve à frente de diversas orquestras naci-
e a ampliação do uso do violão de oito cordas. Gomes (PA) e diretor do de 1988, é autora do livro
onais e internacionais e é o Diretor Artístico e Regente Titular da OCAM – Orques-
Conservatório Mozart (SP). Leo Brouwer (2000).
Com atividade crescente na cena musical paulistana e tra de Câmara da USP.
Paulo Porto Alegre É autor do livro
brasileira, realizara concertos em alguns dos principais Tem ministrado conferên-
"Mahler em Schoenberg:
Integra o Núcleo eixos culturais do país. cias e escrito artigos sobre
angústia da influência na
Hespérides de Música música para revistas cuba-
Sinfonia de Câmara n° 1".
nas e estrangeiras, notas
das Américas e o Trio Edelton Gloeden
Opus 12 com os para programas e gravaçõ-
Diretor Artístico do Festival Leo Brouwer
violonistas Edelton es, prefácios de livros, en-
Gloeden e Daniel Murray. saios e investigações de
Leciona violão várias temáticas: Mujeres Apresenta-se regularmente em recitais solo, com grupos de
na Escola Municipal de guitarristas en Cuba, La câmara e em concertos com orquestra no Brasil, América La-
Música de São Paulo. música eletroacústica cu- tina, Estados Unidos e Europa. Tem se dedicado intensamen-
bana e estudos monográfi- te ao repertório brasileiro, realizando inúmeras primeiras audições de obras de
Em 2006 foi curador, cos sobre compositores compositores como Francisco Mignone, Camargo Guarnieri, Cláudio Santoro, Gil-
músico e professor do Ricardo Bologna / USP cubanos. berto Mendes, Paulo Costa Lima e Mário Ficarelli.
projeto “Cem Anos de
Bacharel em Música pela Nos últimos anos tem se
Radamés Gnattali”. Edelton Gloeden é Doutor em Artes pela Universidade de São Paulo, onde é pro-
UNESP, obteve Mestrado dedicado a edição literá- fessor no Departamento de Música da Escola de Comunicações e Artes. É presen-
Ricardo Ballestero / USP no Conservatório de Teresinha Prada ria e a produção discográ- ça constante nos mais importantes festivais de música em todo o Brasil, entre eles
É Professor do Música de Genebra, Suíça. Bacharel Violão (UNESP), fica da obra do Maestro o de Campos do Jordão, Brasília, Londrina, Porto Alegre, Guaratinguetá, Ourinhos,
Departamento de Possui Especialização Mestre em Produção Brouwer. Desde 2005 é João Pessoa e Poços de Caldas.
Música USP. Atuou como em Marimba pelo Artística e Crítica diretora artística da Ofici-
Conservatório de na Leo Brouwer e diretora Suas gravações estão editadas no Brasil pelos selos Akron, Paulus, EGTA, GTR,
professor na Universidade Cultural no Programa de
Rotterdam, Holanda. do selo editorial Edicio- Regia Musica, e produções independentes, e nos Estados Unidos pelo Delos In-
do Colorado-Boulder e Integração da América
nes Espiral Eterna com ternational.
realizou recitais, palestras Atualmente é Latina (USP), Doutora em
e cursos nos EUA percussionista da História Social pela USP sede em Havana. É produtor e apresentador do programa Violão em Tempo de Concerto, transmi-
(universidades de Indiana Orquestra Sinfônica do e professora do Programa Atualmente prepara a pu- tido semanalmente pela Rádio USP-FM da Universidade de São Paulo, e de sé-
e Michigan), na Itália, Estado de São Paulo, e de Mestrado da UFMT. blicação do Catálogo Inte- ries especiais sobre o repertório violonístico realizadas para a Rádio Cultura FM
na Alemanha e no Brasil. professor do Departamento gral e a edição completa de São Paulo.
Tem capítulos em
Doutor em Colaboração de Música da ECA-USP. coletâneas de autores em CD da obra para vio- Em 2001, recebeu o Prêmio Carlos Gomes na categoria Solista Instrumental.
Pianística e Música de e lançou recentemente lão, ambas do Maestro
Câmara na Universidade o livro “Violão: Brouwer.
de Michigan. de Villa-Lobos a
Leo Brouwer”.

20 21
Universidade de São Paulo Instituto Cervantes FICHA TÉCNICA
FESTIVAL LEO BROUWER

Profa. Dra. Suely Vilela MTO. GIL JARDIM EDELTON GLOEDEN


Reitora da Universidade de São Paulo Diretor Geral do Festival Leo Brouwer Direção Artística
Chefe do Depto. de Música CMU - ECA/USP Depto. de Música CMU - ECA/USP
A Universidade de São Paulo é uma
das maiores universidades da Améri-
FRANCESC PUÉRTOLAS ANNELISE GODOY
ca Latina, contando 51 mil alunos
de graduação, com 29 mil alunos de O Instituto Cervantes, instituição oficial espanhola Chefe de Atividades Culturais Diretora Executiva
pós-graduação e 5.500 professores, dedicada à difusão internacional do espanhol e da Instituto Cervantes de S. Paulo
tendo sido fundada em 1934. cultura nas línguas hispânicas, celebra seus 10 anos HELOÍSA OLIVEIRA
no Brasil com o Festival Leo Brouwer, em colabora- DIONE PETTINE e ALINE SULTANI Coordenadora de Produção
O talento e dedicação dos docentes, ção com a ECA-USP. Com ele conclui seu segundo Produção e Suportes Administrativos
alunos e funcionários da Universidade de São Paulo ano do ciclo , dedicado ao violão espa- LAÍS CÔRTES
(USP) têm sido reconhecidos por diferentes rankings nhol e hispano-americano e que teve um acolhimen-
mundiais, criados para medir a qualidade das universida- PEDRO PAULO KOHLER BONDESAN DOS SANTOS Produção Instituto Cervantes
to excelente em todas as cidades do Brasil onde se re-
des a partir de diversos critérios, principalmente os rela- LAMI - Apoio técnico nas masterclasses e palestras.
alizam seus concertos e masterclasses.
cionados à produtividade científica. MARCOS DUARTE
APAA Programação Site
Esse desempenho, gerado ao longo de quase 75 anos de
Associação Paulista Amigos da Arte
uma intensa busca pela excelência, permite à USP inte-
grar um seleto grupo de instituições de padrão mundial. Dr. Pedro Benítez Pérez Representante Financeiro da USP HIRO OKITA
Diretor do Instituto Cervantes São Paulo para o Festival Direção de Arte
As novas exigências da globalização têm levado a USP
ao aceleramento do processo de internacionalização Fundado em 1991, o Instituto
JUAN MIGUEL MORALES BRUNO SCHULTZE
das suas atividades de ensino e pesquisa, por meio de Cervantes é uma instituição ofi-
cial espanhola dedicada à difu- Fotos Leo Brouwer Foto Ensemble Violões
ações que têm apresentado excelentes resultados, como
a ampliação do número de docentes e estudantes em são internacional do espanhol e
intercâmbio e a performance da instituição nos rankings da cultura nas línguas hispâni-
cas. Atualmente conta com 72
mencionados, o que indica que a Universidade de São
centros espalhados pelos cinco
EXPEDIENTES
Paulo continua no caminho certo, aliando tradição à
inovação, em prol do desenvolvimento da sociedade continentes, em mais de 40 paí-
brasileira e do mundo. ses. Mais de 100.000 alunos participam anualmente UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO INSTITUTO CERVANTES
nos 8000 cursos de espanhol que se celebram nos
centros do Instituto Cervantes, enquanto as incessan-
Prof. Dr. Ruy Alberto Corrêa Altafim tes atividades culturais relacionadas à Espanha e à
Pró-Reitor de Cultura Extensão Universitária hispano-américa situam o Instituto Cervantes como Reitora: Profª. Dra. Suely Vilela Diretora Instituto Cervantes:
uma referência em todos os países onde atua. Carmen Caffarel
A Pró-Reitoria de Cultura e Extensão Vice-reitor: Prof. Dr. Franco Maria Lajolo
Unviersitária da Universidade de Desde 1998, quando o Instituto Cervantes começou
S.Paulo atua em sconstante busca suas atividades em São Paulo, nossa instituição cres- Pró-reitoria de graduação: Profª. Dra. Selma Garrido Pimenta Diretor Instituto Cervantes São Paulo:
pela excelência. Pela natureza cons- ceu no Brasil de maneira espetacular. Com centros Pedro Benítez
tante de suas atividade, a Pró-Reito- em Belo Horizonte, Brasília, Curitiba, Florianópolis, Pró-reitoria de pós-graduação: Prof. Dr. Armando Corbani Ferraz
ria de Cultura e Extensão Universitá- Porto Alegre, Recife, Rio de Janeiro e Salvador, Brasil Administrador:
Pró-reitoria de pesquisa: Profª. Dra. Mayana Zatz
ria da Universidade de São Paulo é o país com a maior presença do Instituto Cervantes. Tomás Fraile
tem como finalidade, entre outras, Pró-reitoria de Cultura e Extensão Universitária:
O Festival Leo Brouwer, em parceria com a Escola
promover a liberdade de criação dos Diretores e especi- Chefe Acadêmico:
de Comunicação e Artes da Universidade de São Prof. Dr. Ruy Alberto Corrêa Altafim
alistas de seus Órgãos.
Paulo (ECA – USP), será o ápice dos eventos do Ins- Juan Jorge Fernández Marrero
Tal ação possibilita a prática da curadoria de atividades tituto Cervantes em São Paulo para celebrar seus 10 Diretor da Escola de Comunicações e Artes:
em suas áreas específicas. Por outro lado, entretanto não anos no Brasil, além de fechar com chave de ouro Prof. Dr. Luís Augusto Milanesi Chefe de Atividades Culturais:
em contraposição, a gestão do órgão público se dá no o segundo ano do ciclo guitarrísimo, que desde Francesc Puértolas
campo dos limites normativos. Assim, quando os respon- 2007 leva a várias cidades do Brasil os melhores Chefe do Departamento de Música: Prof. Dr. Gil Jardim
sáveis pela gestão perseveram em encontrar o ponto de intérpretes e repertórios do violão espanhol e his- Assistente do Departamento de Cultura:
Vice-chefe do Departamento de Música CMU/ECA USP:
ideal equilíbrio, a sociedade torna-se a primeira benefi- pano-americano.
Amilcar Zanni Laís Côrtes
ciária das produções artísticas geradas.
Desejamos aos amantes da música que aproveitem e
O Pró-Reitor e os Diretores dos órgãos têm como tarefa desfrutem das numerosas atividades que o Festival Secretárias do departamento: Estagiários do departamento:
viabilizar esses gestos a fim de alcançar a sociedade em Leo Brouwer oferece sobre esta grande figura da mú- Eliana Neves e Luciana Del Sole Daniel Redondo e Juliana Frutuoso
suas diversas camadas. sica universal.

22 23