CÓDIGO

REV.

ET-DE-H00/018
EMISSÃO FOLHA

A 1 de 6

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA
TÍTULO

maio/2006

MEIO-FIO, SARJETAS E SARJETÕES
ÓRGÃO

DIRETORIA DE ENGENHARIA
PALAVRAS-CHAVE

Meios-fios. Sarjetas. Sarjetões. Drenagem.
APROVAÇÃO PROCESSO

PR 010970/18/DE/2006
DOCUMENTOS DE REFERÊNCIA

OBSERVAÇÕES

REVISÃO

DATA

DISCRIMINAÇÃO

Permitida a reprodução parcial ou total, desde que citada a fonte – DER/SP – mantido o texto original e não acrescentando qualquer tipo de propaganda comercial.

.............................................................................1 6..............................................................................................................................................................................3 EXECUÇÃO ....................................................6 10 REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS ..........................5 Geometria e Acabamento ................................................................................................................................................................................................................................3 DEFINIÇÃO ................................................................................................................................................2 7 7......................5 CONTROLE AMBIENTAL ..........................................................3 CONTROLE.........3 MATERIAIS ..........................................................................................................................................................................................................................................5 ACEITAÇÃO ..............................................................................CÓDIGO REV...........................................................................................................6 Permitida a reprodução parcial ou total... desde que citada a fonte – DER/SP – mantido o texto original e não acrescentando qualquer tipo de propaganda comercial......................................................... ............................5 CRITÉRIOS DE MEDIÇÃO E PAGAMENTO ............................................ ET-DE-H00/018 EMISSÃO FOLHA A 2 de 6 ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA (CONTINUAÇÃO) maio/2006 ÍNDICE 1 2 3 4 5 6 6..........5 Materiais ..................................................4 Geometria e Acabamento .................................................4 Materiais .............................................................................................................2 8 9 OBJETIVO ......3 EQUIPAMENTOS .................1 7.......................................................................................

Os equipamentos básicos necessários aos serviços de assentamento de meios-fios e execução de sarjetas e sarjetões compreendem: caminhão basculante. pá. ET-DE-H00/018 EMISSÃO FOLHA A 3 de 6 ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA (CONTINUAÇÃO) maio/2006 1 OBJETIVO Definir os critérios que orientam a execução. sarjetas e sarjetões. NBR 12654(2) e NBR 12655(3). pá-carregadeira. manual ou mecânico. boca de lobo. 5 EXECUÇÃO Os meios-fios e sarjetas devem obedecer às dimensões representadas no PP-DE-H07/005. Os meios-fios.moldados. betoneira ou caminhão-betoneira. caminhão de carroceria fixa. ferramentas manuais. compactador portátil. as quais devem ser vibradas até seu completo adensamento e. Permitida a reprodução parcial ou total. 3 MATERIAIS O concreto utilizado nas sarjetas e sarjetões devem atender as NBR 6118(1). A sarjeta e o sarjetão são canais triangulares longitudinais destinados a coletar e conduzir as águas superficiais da faixa pavimentada e da faixa de passeio ao dispositivo de drenagem. devidamente curadas antes de sua aplicação. é um elemento pré-moldado em concreto destinado a separar a faixa de pavimentação da faixa de passeio. galeria etc. enxada etc. 4 EQUIPAMENTOS Antes do inicio dos serviços. em obras rodoviárias sob a jurisdição do Departamento de Estradas de Rodagem do Estado de São Paulo – DER/SP.00 m de comprimento. . sarjetas e sarjetões moldados no local: fck 20 MPa. lastro de concreto: fck 15 MPa. desde que citada a fonte – DER/SP – mantido o texto original e não acrescentando qualquer tipo de propaganda comercial. Os meios-fios devem ser executados em peças de 1. todo equipamento deve ser inspecionado e aprovado pelo DER/SP. O concreto deve ser dosado racionalmente e deve possuir as seguintes resistências características: meios-fios pré. as sarjetas e os sarjetões são assentados sobre um lastro de concreto de acordo com especificações de projeto.CÓDIGO REV. aceitação e medição de meios-fios. 2 DEFINIÇÃO O meio-fio.

O assentamento dos meios-fios deve ser feito antes de decorrida uma hora do lançamento do concreto da base. Devem estar. sarjetas e sarjetões devem possuir resistência mínima de 20 MPa no ensaio de compressão simples. 6 6. Para efeito de compactação. As formas para a execução dos meios-fios devem ser metálicas. destacadas aleatoriamenPermitida a reprodução parcial ou total. . utilizando-se concreto com plasticidade e umidade compatível com seu lançamento nas formas. O lastro deve ser apiloado. apresentando-se liso e isento de partículas soltas ou sulcadas e.1 CONTROLE Materiais O controle do material deve ser executado através dos seguintes procedimentos:: a) determinar a resistência à compressão do concreto utilizado sarjetas e sarjetões em corpos de prova cilíndricos. As sarjetas e sarjetões devem ser moldados in loco. nas juntas. deve-se umedecer ligeiramente o terreno de fundação para o lançamento do lastro. de acordo com a NBR 5739(4). o terreno de fundação deve estar com sua superfície devidamente regularizada. b) para um lote de 10 unidades de cada 300 peças de meio-fio. convenientemente. que permita acabamento semelhante àquele obtido com o uso de formas metálicas. As peças devem ser escoradas. também. com juntas de 1 cm de largura a cada 3 m. deve ser feita a moldagem das sarjetas. sem quaisquer de infiltrações d'água ou umidade excessiva. Estas juntas devem ser preenchidas com argamassa de cimento e areia de traço 1:3. ou de madeira revestida. desde que citada a fonte – DER/SP – mantido o texto original e não acrescentando qualquer tipo de propaganda comercial.CÓDIGO REV. referente ao ensaio de Proctor Normal. deve ser executado o lastro de concreto das sarjetas e sarjetões. não deve apresentar solos turfosos. aos 28 dias de idade. micáceos ou que contenham substâncias orgânicas. o solo deve estar no intervalo de mais ou menos 1.5% em torno da umidade ótima de compactação. Para o assentamento dos meios-fios. ET-DE-H00/018 EMISSÃO FOLHA A 4 de 6 ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA (CONTINUAÇÃO) maio/2006 Seu comprimento deve ser reduzido para a execução de segmentos em curva. Sobre o terreno de fundação devidamente preparado. Após a compactação. sem deixar buracos ou ninhos. de modo a não deixar vazios. Não é permitida a execução dos serviços durante dias de chuva. sarjetas e sarjetões. de acordo com a seção transversal do projeto. Depois de alinhados os meios-fios. por meio de bolas de concreto com a mesma resistência da base. Estes dispositivos devem estar concluídos antes da execução do revestimento betuminoso. A colocação do meio-fio deve preceder à execução da sarjeta adjacente. de acordo com as dimensões especificadas no projeto. O concreto empregado na moldagem dos meios-fios.

5 cm em qualquer ponto. ET-DE-H00/018 EMISSÃO FOLHA A 5 de 6 ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA (CONTINUAÇÃO) maio/2006 te. nos trechos retos. devem ser feitas as seguintes verificações: 6. nivelamento dos meios fios. Geometria e Acabamento O controle da geometria deve ser executado através dos seguintes procedimentos: nivelamento do fundo da vala para execução dos meios-fios e sarjetas de 5 m em 5 m. b) a variação admitida da largura do fundo das valas é de ± 0.2 verificação da forma. alinhamento do meio-fio de 5 m e 5 m e entre eles com fio de arame. medidas da largura das sarjetas de 5 m e 5 m. e) na inspeção visual. presença de materiais de desintegração e condições das arestas. sarjetas de 5 m em 5 m. 7 ACEITAÇÃO Os serviços são aceitos e passíveis de medição desde tenham sido atendidas as exigências estabelecidas nesta especificação. em relação a de projeto. O concreto utilizado nas sarjetas e sarjetões são aceitos desde que possuam resistência a compressão característica maior ou igual a 20 MPa.2 Geometria e Acabamento Os serviços executados são aceitos desde que as seguintes condições sejam atendidas a) a variação admitida do nivelamento do fundo das valas é de ± 2 cm.CÓDIGO REV. d) quanto à espessura e cotas do revestimento em concreto. 7. 7. em relação a de projeto. .5 cm. o acabamento seja julgado satisfatório. As condições de acabamento devem ser verificadas visualmente.1 Materiais Os lotes de meio-fio pré-moldados são recebidos e aceitos desde que acompanhados de certificado de qualidade. desde que citada a fonte – DER/SP – mantido o texto original e não acrescentando qualquer tipo de propaganda comercial. 8 CONTROLE AMBIENTAL Os procedimentos de controle ambiental referem-se à proteção de corpos d’água e à seguPermitida a reprodução parcial ou total. verificação das dimensões das guias pré-moldas. c) a tolerância para alinhamento é de ± 0.

incluso o concreto de fck 15 MPa. A lavagem ó deve ser executada em locais prédefinidos e aprovados pela fiscalização. NBR 12655. equipamentos de proteção individual. nos quais estão inclusos: fornecimento de materiais.Ensaio de compressão de corpos-de-prova cilíndricos. Rio de Janeiro. Rio de Janeiro. desde que citada a fonte – DER/SP – mantido o texto original e não acrescentando qualquer tipo de propaganda comercial. 1992. c) é proibido o lançamento da água de lavagem dos caminhões betoneiras na drenagem superficial e em corpos d’água. NBR 5739. Projeto e execução de obras de concreto armado.19. 1992. de forma a preservar as condições ambientais e não ser conduzidos aos cursos d’água. transporte. _____________ UNIDADE m m³ Permitida a reprodução parcial ou total. ____. 1980. Controle tecnológico de materiais componentes do concreto: procedimento. Concreto . definido pela fiscalização.01 – Guia Pré-fabricada de Concreto fck 20 MPa 24. NBR 6118. procedimento. A sarjeta.04. utilizado para apoio entre duas guias e lastro de pedra. ET-DE-H00/018 EMISSÃO FOLHA A 6 de 6 ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA (CONTINUAÇÃO) maio/2006 rança viária. carga. e outros recursos utilizados. Rio de Janeiro. d) é obrigatório o uso de EPI. 1994. perdas. BDI. Os serviços recebidos e medidos da forma descrita são pagos conforme os preços unitários contratuais respectivos. descarga. ____. A seguir são apresentados os cuidados e providências para proteção do meio ambiente a serem observados no decorrer da execução meio-fios. mão-de-obra com encargos sociais. Rio de Janeiro. Concreto – preparo. sarjetão e lastro são medidos em metros cúbicos (m³) de concreto aplicado.03. b) o material descartado deve ser removido para local apropriado.01 – Sarjeta ou Sarjetão de Concreto fck 20 MPa 10 REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS 1 2 3 4 ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. NBR 12654. e equipamentos necessários para execução dos serviços. .19. 9 CRITÉRIOS DE MEDIÇÃO E PAGAMENTO Os meios-fios pré-fabricados em concreto fck 20 MPa são medidos em metros lineares efetivamente aplicados.CÓDIGO REV. DESIGNAÇÃO 24. ____. pelos funcionários. controle e recebimento: procedimento. sarjetas e sarjetões: a) deve ser implantada a sinalização de alerta e de segurança de acordo com as normas pertinentes aos serviços.