Você está na página 1de 1

Esse assunto poder chocar alguns e assustar outros, e na melhor das hipteses ser cons iderado uma mera

besteira, mas como gosto de refletir muito, compartilho essa ve lha observao com voc: Observando casos em que as pessoas morrem ao saltar de BungJump; morrem no desfe cho de um salto de paraquedas; morrem em brinquedos de parques de diverso; morrem de infarto na hora do sexo; morrem durante um racha; morrem de overdose; morrem em acidentes de trnsito por estarem literalmente embriagadas da curtio anterior; m orrem engasgadas com seu melhor sorvete, macarronada ou estrogonofe; morrem em d esastres areos que as levaria ou traria da viagem dos sonhos; so executadas a tiro s logo aps experimentarem o sabor do orgulho e da razo vencendo uma argumentao acalo rada na vizinhana ou trabalho, sendo esfaqueadas nas costas pelo grande amor de s uas vidas, morrendo no retorno terra num nibus espacial, entre muitos outros caso s; e especialmente citando a j gasta frase dita pelos sobreviventes: Nossa, minha vida passou inteira [ou como um filme] diante dos meus olhos. E ainda reparando e m casos tristes como o de Charlim Chaplin que morreu dormindo em sua cama numa noi te natalina. Ento, posso concluir somente uma coisa: Sempre se vive mais antes de morrer. Pouco antes da indesejada hora, estamos mais felizes, experimentando do nosso mximo, da adrenalina, da emoo, do amor e afeto intensos. Parece um preo a se pagar, uma compensao, mas no acredito que tudo se resuma a uma balana: num prato a f elicidade, no outro a morte. So aquelas relevantes e misteriosas coincidncias. Par a os resmunges: no reclamem pelos cantos dizendo ter a vida tediosa, de repente vo c pode viver mais. Quem sabe... Faltou falar dos autores que morrem aps escreverem seu melhor livro/texto. Ainda bem que esse ruim o suficiente. Pode-se, ainda, tirar outras concluses. Por exemplo: possvel prever a prpria morte, o porm que isso se dar momentos ou horas antes do derradeiro evento. Mas a entraremos em outro assunto (a Clarividncia Instantnea) que rende muita conve rsa alm de ser superinteressante, mas levanta um pouco mais a saia das nossas cre nas. Por Wollyn Lawrence, Vulgo Wollyndapaz via Twitter