Calorimetria Fórmula : Q = M.C. T. Uso: Fórmula usada para medir variação de calor de um corpo. Macete : Qui Ma Ce Te, Qual Ma Ce Te, Qualquer Ma Ce Te ...

Calorimetria 1 Fórmula : Q = M.L. Uso: Fórmula usada para medir variação de calor de um corpo. Macete : Qui Mole Eletricidade Fórmula: V = R.i Uso: Medir voltagem, resistência de um sistema elétrico Macete : Você = Ri Pressão Fórmula: P.v = n.R.t Uso: Medir pressão de gases e liquidos Macete : Puta Velha = Nao Rejeita Tarado ou Por Voce = nunca Rezei tanto Pressão1 Fórmula: p.v P.V -=t T Uso: Medir pressão de gases e liquidos Macete : Piviti Povotó Espaço no M.R.U. Fórmula: S= So + V.t Uso: Usado para medir o tempo, espaço e velocidae no M.R.U Macete: Sorvete Espaço no M.R.U.V Fórmula: S= So + Vo.t + at² 2 Uso: Usado para medir o tempo, espaço e velocidade no M.R.U.V Macete: Sorvetão, só votat Sempre SOzinhos VOltamos eu e mais 2 amigos a tarde ou Sorvete de amora toma 2 e 2 Velocidade M.U.V. Fórmula: V = Vo + a.t Uso: Calcular a velocidade do Movimento Uniformemente Variado Macete: Vê vó, arte!, Vovô Alfaiate, Vi Você Atirar Trabalho Fórmulas: T = F.d.cos.ø Uso: Fórmulas usadas para achar a quantidade de trabalho, deslocamento, atrito e a força de um corpo. Obs: ø é o ângulo entre a força e o deslocamento. Macete: Trabalho Fede e cossa a bolinha

Força Fórmula : F = M.a Uso: Fórmula usada para medir a força, massa ou atrito de um corpo Macete : Fórmula da "FAMA" Física Calorimetria Fórmula: Q = M.C.T Uso: Fórmula para medir variação de calor de um corpo. Macete: Qui Ma Ce Te Calorimetria Fórmula: Q = M.L Uso: Fórmula para medir variação de calor de um corpo. Macete: Qui MoLeza Pressão Fórmula: P.v = n.R.t Uso: Fórmula para medir a pressão de gases e liquidos Macete: Por Voce = nunca Rezei tanto Espaço no M.R.U. Fórmula: S= So + V.t Uso: Fórmula para medir o tempo, espaço e velocidade no M.R.U. Macete: Sorvete Velocidade Fórmula: V = Vo + A.T Uso: Fórmula para medir a velocidade final, inicial, tempo de deslocamento ou atrito de um corpo. Macete: Vi Você a Toa Matemática Adição de Arcos Uso: Fórmula de adição de arcos Macete: Usar os macetes que estão em frente às fórmulas e prestar muita atenção nos sinais Fórmulas: - cos(A-B) = cosA.cosB + senA.senB - cos(A+B) = cosA.cosB - senA.senB - sen(A-B) = senA.cosB - senB.cosA - sen(A+B) = senA.cosB + senB.cosA Raízes de Eq. de 2o. Grau Ex: ax²+bx+c=0 Fórmula: soma das raízes = -b/a , e produto das raízes = c/ a Uso: em equações de 2° grau, para achar as raízes rapidamente Posição do seno e cosseno Macete: quem tá de pé tá sem sono, quem tá deitado tá com sono.

Exercícios de Fixação 2ª Lei de Newton 01LN2. (FEI-SP) Qual o valor, em newtons, da resultante das forças que agem sobre uma massa de 10 kg, sabendo-se que a mesma possui aceleração de 5 m/s²? 02LN2. O gráfico mostra o módulo da aceleração de um carrinho em função do módulo da força que lhe é aplicada. Qual a massa do carrinho

07LN2. (UEL-PR adaptado) Sobre um bloco de 5,0 kg de massa, age uma força resultante constante, de módulo 2,0 N. Qual a aceleração que o bloco adquire? 08LN2. Em um corpo em repouso, de massa 8 kg, aplicamos uma força resultante constante e, após três segundos, a velocidade do corpo é igual a 60 m/s. Qual a intensidade da força resultante aplicada? 09LN2. Um corpo de massa 5 kg é lançado sobre um plano horizontal liso, com velocidade 40 m/s. Determine a intensidade da força que deve ser aplicada sobre o corpo, contra o sentido do movimento, para pará-lo em 20 s. 10LN2. O gráfico refere-se ao movimento de um carrinho, de massa 10 kg, lançado com velocidade de 2 m/s ao longo de uma superfície horizontal.

03LN2.

O corpo da figura possuem massa igual a 0,5 e .

kg e estão sob a ação exclusiva de duas forças Determine a velocidade do corpo.

Determine o módulo da força resultante que atua no carrinho 11LN2. Durante quanto tempo uma força de 20 N deve atuar sobre um corpo de2 massa 5 kg para aumentar sua velocidade de 8 m/s para 25 m/s. 12LN2. Sob a ação de uma força constante, certa partícula percorreu 40 m num intervalo de tempo de 4 s. Sabendo que a partícula tem massa 10 kg e que partiu do repouso, determine o módulo da força aceleradora. 13LN2. Um automóvel com velocidade 20 m/s é freado quando o motorista vê um obstáculo. O carro é arrastado por 40 m até parar. Sabendo-se que a massa do carro é 1 000 kg, qual a intensidade média da força que atuou no automóvel durante a freada?

04LN2. Um corpo de 2,0 kg de massa é submetido à ação simultânea e exclusiva de duas forças de intensidade iguais a 6 N e 8 N, respectivamente. Determine o menor e o maior valor possíveis para a aceleração desse corpo. 05LN2. Um corpo de massa igual a 2,0 kg, que pode deslizar sobre uma superfície plana, está sujeito a um sistema de forças, representando na figura. Sabendo que sobre o corpo não atua nenhuma outra força, qual a aceleração escalar do corpo?

14LN2. Uma força horizontal imprime à massa m uma aceleração de 0,6 m/s² e à massa M uma aceleração de 0,2 m/s². Que aceleração imprimiria aos dois corpos juntos? 06LN2. Qual a intensidade, a direção e o sentido da força resultante, constante, para imprimir a um corpo de massa 50 kg uma aceleração de 2 m/s², horizontalmente para a direita? 15LN2. Um corpo de massa 2 kg, inicialmente em repouso, é submetida à ação de uma força constante de módulo 4 N. Qual a sua velocidade após percorrer os primeiros 9 m de sua trajetória?

tem massa mc = 1 kg. b) a intensidade da força que o corpo B exerce em A. Determine: a) a aceleração do conjunto. surgiu um comentário de que o cabo de aço não agüentaria "o peso do caminhão" e se romperia. que o caminhão dos bombeiros possuía um peso de 24. pendurado pelo fio. os fios têm massa desprezível e passam pelas polias sem atrito. c) a tração no fio que liga B e C.8 m/s². que começou a puxar o caminhão A com o auxílio de uma pedra (junto com um sistema que impedia que a pedra se movesse) posta na divisória das ruas. A afirmação do aluno está correta? * Despreze o atrito existente entre o cabo de aço e a pedra 20LN2. O corpo parte do repouso e percorre 400 m em 10 s. Calcule: 19LN2. de 40 N age sobre um corpo colocado num plano horizontal liso. o motorista do caminhão A se perdeu no bairro e quando subia uma rua com uma inclinada de 30º o caminhão A parou. No arranjo experimental da figura não há atrito algum e o fio tem massa desprezível. O corpo C. Qual a massa do corpo? 17LN2. O aluno pegou um papel e uma caneta e em seguida respondeu a pergunta. b) a tração no fio. Dada a figura abaixo. Mesmo todos sabendo que o caminhão A possuía um peso de 49 KN. O fio é inextensível e tem massa desprezível. Adote g = 10 m/s² e suponha que A e B deslizam sem atrito sobre o plano horizontal. Adote g = 10 m/s². sabendo que PA = 2 kg. determine a aceleração do sistema e tração no fio. Um corpo de massa igual a 5 kg move-se com velocidade de 10 m/s.4 KN. que o módulo de era igual a 40500 N e que o cabo de aço suporta no máximo uma força de 35 mil newtons. Os corpos A e B têm massas ma = 1 kg e mb = 3 kg. Qual foi a resposta do aluno 21LN2. Qual a intensidade da força que se deve aplicar nele de modo que após percorrer 200 m sua velocidade seja 30 m/s? 18LN2. . a força suportada pelo cabo de aço é maior que a força a) a aceleração do corpo C. b) a tração no fio que liga A e C.16LN2. Em um acidente ocorrido em 20 de março de 2004 em Perus. Em uma entrevista foi perguntado ao aluno qual era a aceleração do sistema (Caminhão A + Caminhão dos bombeiros). Na situação indicada na figura. pouco antes de chegar no inicio da outra rua que é plana. Determine: a) a aceleração do corpo A. Adote g=10m/s².5 tração nele.5. que a aceleração da gravidade na Terra é igual a 9. 22LN2. O motorista foi obrigado a chamar os bombeiros que rapidamente prendeu o caminhão A por um cabo de aço na viatura. de acordo com o esquema abaixo. PB = 4 kg e sen 30º = 0. Com a figura abaixo responda as questões 19LN2 e 20LN2. 23LN2. constante. Para alívio de todos um aluno do IFSP disse que o cabo não iria estourar pois. Uma força horizontal. que o sen 30º é 0.

(Fuvest-SP) As figuras mostram dois arranjos (A e B) de polias.5 kg e está em repouso sobre o a) o módulo da tração na corda. de 10 kg.de 40 kg.36 m. Adote g = 10 m/s² e determine a intensidade da força de sustentação do cabo quando o elevador: a) sobe em movimento uniforme. Qual é a intensidade da força externa paralela ao plano inclinado que foi aplicada ao corpo? (Dado: g = 9. no vácuo. 30LN2. inicialmente em repouso. como mostra a figura. preso pelo fio AB. b) sobe em movimento uniformemente variado com a = 2 m/s².000 kg atuam unicamente a força de sustentação do cabo e o peso. . (Unirio) Um corpo A. 25LN2. No arranjo experimental da figura os fios e a polia têm massas desprezíveis. No esquema representado na figura.8) a) a aceleração dos corpos. sen 37º = cos 53º = 0. Adote g = 10 m/s². Não há atrito (sen 30º = 0. b) as trações T1 e T2. Sendo mA = 3 kg e mB = 1 kg e adotando g=10 m/s². passando por uma polida de massa desprezível e também sem atrito. a) Qual é a tração exercida pelo fio? b) Cortando-se o fio. necessários para manter o corpo suspenso e em repouso nos dois casos (dado: g = 10 m/s²). (Dados: g = 10 m/s². Num elevador de massa m = 1. determine: plano inclinado em 37º com a horizontal. 27LN2. está a uma altura de 0. Uma corda ideal de peso desprezível liga o corpo A a um corpo B. O fio é inextensível e passa sem atrito pela polia. Determine a aceleração dos corpos na situação esquematizada. determine: a) Qual dos blocos exerce força sobre o outro? b) Qual é a aceleração de cada um deles? 28LN2. bem como os atritos. Despreze as massas das polias e da corda. é colocado em um plano horizontal sem atrito.8 m/s²) Despreze os atritos.5) 26LN2. 31LN2. o bloco C tem massa 0. Calcule as forças FA e FB em newtons. da base de um plano inclinado este com ângulo igual a 30º e comprimento 5 m – e atinge sua extremidade superior em 10 s. construídos para erguer um corpo de massa m = 8 kg. Um corpo de massa igual a 5 kg parte. O corpo B.6. c) sobe uniformemente retardado com a = 2 m/s². do repouso. Não há atrito entre o bloco e o plano. dois corpos A e B de massas Ma = 100 kg e mB = 1 kg. Sendo a aceleração da gravidade g = 10 m/s². O fio e a polia têm massa desprezível.24LN2. Deixa-se cair simultaneamente. qual é a aceleração adquirida pelo bloco? 29LN2. sen 53º = cos 37º = 0.

b) Q = 720 N. como mostra a figura. sem inércia.5 m. c) Q = 1. Quais os comprimentos A e B das molas? O corpo C é uma balança graduada em newtons. Os possíveis atritos podem ser . Considere g = 10 m/s².200N. Determine a indicação da balança e a tração no fio. mB = 24 kg. Sendo g = 10 m/s² . (Ufscar-SP) A polia e os fios da figura são considerados ideais. desprezados. 33LN2. Dadas as massas mA = 40 kg. 32LN2. As molas são leves (pesos desprezíveis) e cada uma tem constante elástica k = 2 kgf/cm e o comprimento natural (não deformada) de 12 cm.2 m e. suspenso por um fio de massa desprezível preso a uma mola fixa ao solo. atingindo o comprimento l = 1. No arranjo experimental da figura. (PUC-CP) O sistema esquematizado está sujeito à ação da gravidade e apresenta-se em equilíbrio. O comprimento natural da mola (sem carga) é l0 = 1. Os corpos tem massa mA = 5 kg. 34LN2. determine as acelerações αA (do corpo A) e αB (do corpo B) quando: a) Q = 400 N. ela se distende. Despreze atritos e considere g = 10 m/s². mB = 4 kg e mC = 1 kg. Um corpo C de massa igual a 3 kg está em equilíbrio estático sobre um plano inclinado. Cada bloco pesa 6 kgf.b) o intervalo de tempo necessário para que o corpo B chegue ao solo. O fio é perfeitamente flexível e não há atritos a considerar. qual é a constante elástica da mola? 35LN2. os fios e a polia têm massas desprezíveis. ao sustentar estaticamente o corpo.

06LN2. αb = 5 m/s² c) αa = 5 m/s². 4 N 11LN2. a) 3N b) 6m/s² 29LN2. 08LN2. 10 N 18LN2. 02LN2. 3/20 m/s² 15LN2. 2.40 m/s² 160 N 10 N 33LN2.5 m/s² 31LN2. ou seja. Sim. 50 N 13LN2. menor que a supertada pelo cabo que é de 35 000 N. 07LN2. a) 80 N b) 0. 20LN2.3 s 10LN2. 09LN2. a) 5 m/s² b) T1 = 15 N e T2 = 30 N 25LN2. a) FA = 80 N b) FB = 40 N 26LN2. αb = 15 m/s² 34LN2. A aceleração do sistema é de 2 m/s² 21LN2. a) 2 m/s² b) 6 N 24LN2. a) 10000N b) 12000N. 50 N/m 35LN2.Respostas dos Exercícios de Fixação 01LN2. 6 m/s 16LN2.5 m/s² b) 150N c) 125 N 23LN2. pois a força tração no fio é de 34 500 N. 50 N 5 kg 200 m/s² 1 m/s² e 0. 04LN2. 5 kg 17LN2. 5 m/s² e 20 N.25 N 12LN2.5 m/s² 32LN2. a afirmação está correta. A = 18 cm e B = 15 cm 7 m/s² 28LN2. 03LN2. a) nenhum b) aceleração da gravidade . a) 6 m/s² b) 12N 22LN2. 5 · 10³ N 14LN2. 20N 100 N 0. 4. a) αa = αb = 0 b) αa = 0. a) 2. respectivamente 19LN2. 05LN2. c) 8000N 27LN2. 25N 30LN2.

c) 40. vale a) 60. o que acontecerá com os movimentos dos corpos A e B 07-(UFMG-MG) Na montagem abaixo.Aplicações das Leis de Newton Exercícios 01-(UCS-RS) Uma força de intensidade 20N atua sobre os blocos A e B. direção e sentido da força que o bloco R aplica no bloco Q. Considere g=10m/s2 e determine: a) a intensidade da força que A aplica em B b) a intensidade da força que B aplica em A c) a intensidade da força resultante sobre cada bloco. T2 e T3 das forças tensoras nos fios? 06-FUVEST-SP) Dois corpos A e B de massas mA=3kg e mB=1kg estão ligados por um fio flexível. Considere os fios A e B e a polia ideais. e) 20. após iniciado o movimento. o fio de ligação se rompa. de intensidade F = 60N é aplicada no bloco B. 02-(UFB) Os três blocos P.0kg e que g=10m/s2. b) Supondo que num certo instante. 2 e 3 tem massas m1=40kg. A superfície sobre a qual desliza o conjunto é horizontal e sem atrito. Q e R da figura abaixo encontram-se em repouso sobre uma superfície plana. unidos por um fio de massa desprezível. em newtons.M. A força de atrito entre os blocos e a superfície é desprezível e a massa de cada bloco vale 3. despreze todos os atritos e calcule: a) a aceleração do sistema força de tração no fio B b) a intensidade da . Sabendo-se que a aceleração escalar dos blocos vale 2. m2=20kg e m3=60kg. respectivamente. Quais as intensidades T1. 08-(UFB) Na figura abaixo os blocos 1. conforme o esquema abaixo. 03-(FCC-BA) Quatro blocos M. como mostra a figura. sem atrito. Considere g=10m/s2 e determine a intensidade. conforme mostra a figura. O módulo da força de tração no fio que une os dois blocos. Uma força de intensidade F=48N é aplicada sobre o bloco P. de massas mA=3kg e mB=1kg. com uma aceleração de módulo 10m/s2. a) Determine a aceleração do conjunto e a intensidade da força de tração no fio. qual é o valor de T? Despreze qualquer atrito. sabendo-se que F=40N. empurrados por uma força . 05-(F. estão em repouso sobre um plano horizontal sem atrito. P e Q deslizam sobre uma superfície horizontal. Uma força.Itajubá-MG) Três blocos são atados por fios ideais e puxados no espaço interestelar.a mover-se sob a ação da gravidade. também horizontal. N. a força do bloco M sobre o bloco N é.0 c) 12 d) 18 e) 24 04-(FATEC-SP) Dois blocos A e B de massas 10 kg e 20 kg.0kg. como mostra a figura. d) 30. mQ=4kg e mR=2kg. Suas massas são mP=6kg. m1=m2=1. b) 50. igual a: a) zero b) 6. horizontal e perfeitamente lisa. onde inexiste gravidade. em newtons.0m/s2. (considere g=10m/s2).

. b) Ö2 T1 c) T1 d) T1/Ö2 e) T1/2. possa puxar o conjunto pelo interior do supermercado. c) o bloco A adquire aceleração igual à da gravidade. que se movimenta em um plano horizontal por meio de um fio inextensível. de módulo a (por hipótese. como mostra a figura.(UNIFESP-SP) Na representação da figura. Quando puxado para a esquerda por uma força de mesma intensidade que a anterior. A roldana pode girar sem atrito e sua massa. Considere desprezíveis as massas do fio e da roldana e todas as forças de resistência ao movimento. c) 70 e 50. a partir do repouso. o bloco B passa a se mover com velocidade constante. d) 60 e 20. respectivamente. no instante representado na figura. Em seguida. menor do que o módulo g da aceleração da gravidade). 10.(FGV-SP) Dois carrinhos de supermercado podem ser acoplados um ao outro por meio de uma pequena corrente. o fio se quebre. 12-(UFRJ-RJ) Um bloco de massa m é abaixado e levantado por meio de um fio ideal.(UNESP-SP) Dois blocos. Nessas condições. estão inicialmente em repouso sobre um plano horizontal sem atrito. bem como a do dinamômetro. sobre o horizontal aplicada em B. . Determine a razão T'/T em função de a e g. Pode-se afirmar que. o bloco A desce verticalmente e traciona o bloco B. carrinho da frente. A e B. mas agindo em sentido contrário. d) os dois blocos passam a se mover com velocidade constante. como mostra a figura 2. 11. b) 70 e 40. a) o bloco A adquire aceleração igual à da gravidade. Este fio sustenta em uma de suas extremidades a massa de 10kg e na outra. ligados por um fio inextensível e de massa desprezível. b) o bloco A adquire aceleração igual à da gravidade. o bloco B reduz sua velocidade e tende a parar. também de módulo a. para cima. aplicada na sua extremidade esquerda. o bloco é abaixado com aceleração constante vertical. 13. Quando o conjunto é puxado para a direita pela força Suponha que. e) 60 e 50. ao invés de empurrar dois carrinhos separadamente. o fio fica sujeito à tração T1. Inicialmente. desliza sem girar sob ação de uma força também horizontal. a partir desse instante. dando ao conjunto uma aceleração de intensidade 0. Sejam T a tensão do fio na descida e T' a tensão do fio na subida. o bloco é levantado com aceleração constante vertical. indicada pelo dinamômetro.5 m/s2. O sistema. colocada numa mesa lisa e horizontal. vai se movimentar pela ação da gravidade. o fio fica sujeito à tração T2. determine: a) o módulo da aceleração de cada bloco b) a intensidade da força . o módulo da força F e o da força de tração na corrente são. 14-(UNESP-SP) Uma barra AC homogênea de massa m e comprimento L. Sendo g=10m/s2.09-(ITA-SP) O arranjo experimental esquematizado na figura consiste de uma roldana por onde passa um fio perfeitamente flexível e sem peso. como mostra a figura 1. é desprezível em relação àquela do sistema. e) os dois blocos passam a se mover com a mesma aceleração. em newtons. para baixo. respectivamente: a) 70 e 20. pode-se afirmar que T2‚ é igual a a) 2T1. Um cliente aplica uma força horizontal de intensidade F. Sendo o piso plano e as forças de atrito desprezíveis. o bloco B pára. de modo que uma única pessoa. um dinamômetro no qual está pendurada uma massa de 6kg. de massas m e 2m. em N.

o conjunto irá mover-se com uma dada aceleração. Os fios e a roldana são ideais e são desprezíveis os atritos no eixo da roldana. uma pessoa de 58 kg e um pacote de 2. a) Determine a aceleração do balde nesse instante em que ele passa pelo ponto A. b) É possível concluir se. 17. Se empurrarmos um dos blocos com uma força F. conforme a figura. rompe-se o fio que liga os blocos (2) e (3). o balde está subindo ou descendo? Justifique. horizontal e de módulo 240 newtons. ligados ao dinamômetro D por fios inextensíveis. interessado em Física. O sistema parte do repouso e o bloco (1) adquire uma aceleração de módulo igual a a. posicionado sobre a bancada de um laboratório. calcule o módulo da força horizontal que a pessoa exerce sobre o pacote. realizada na cobertura de um prédio. Um dos operários. sem atrito. Determine se faria diferença para as magnitudes da aceleração do conjunto e das forças de contato entre os blocos.Mostre que a força com que a fração BC de comprimento 2L/3.(Ufpb) Uma locomotiva desenvolvendo uma aceleração de 2m/2. deslocam-se em movimento uniformemente acelerado. 19-(UFRJ-RJ) Um sistema é constituído por um barco de 100 kg. ele percebeu que o dinamômetro marcava 100 N com o balde em repouso e 120 N quando o balde passava por um ponto A no meio do trajeto.2 /3.(considere g=10m/s2) Supondo que não haja movimento relativo entre as partes do sistema. A massa de A é igual a 10 kg e a indicação no dinamômetro é igual a 40 N. paralela à superfície. 18. 16-(UFRJ-RJ) Analise as figuras a seguir e leia com atenção o texto. há um sistema para subir e descer material entre o térreo e o último andar através de baldes e cordas. Desprezando qualquer atrito e as massas das roldanas e dos fios. Durante o transporte de um dos baldes. colocou um dinamômetro na extremidade de uma corda.(g=10m/s2). nesse instante. sob ação de uma força constante. Calcule a razão a' / a.(Ufrrj) Em uma obra. . quando um bloco de massa mB é depositado sobre ele. 21-(UNESP-SP) Um bloco de massa mA deslisa no solo horizontal. determine a intensidade da força a força exercida sobre ele pelo vagão 2. O barco é puxado por uma corda de modo que a força resultante sobre o sistema seja constante. São também desprezíveis os atritos entre os blocos (2) e (3) e a superfície horizontal na qual estão apoiados. Após alguns instantes. Observe a representação desse sistema.0 kg que ela carrega consigo. puxa três vagões ao longo de uma ferrovia retilínea. sendo M>m estão em repouso e em contato um ao lado do outro. Se o vagão 3 pesa 2 × 103 N.(UFRJ-RJ) O sistema representado na figura é abandonado sem velocidade inicial. Os três blocos têm massas iguais. (g=10m/s2). sobre uma superfície plana. A partir de então. se tivéssemos empurrado o outro bloco. atua sobre a fração AB é igual a . Dois blocos de massas m e M. estime a massa de B. a aceleração do bloco (1) passa a ter um módulo igual a a'. 15. 20-(UERJ-RJ) Os corpos A e B.

calcule a relação entre as massas de A (mA) e de B (mB). após percorrer a mesma distância Ho. puxando o caixote. Quando o fio entre eles permanece não esticado e a esfera é largada. . usando um cabo inextensível que liga o veículo ao objeto. a) Qual o valor da força que o anteparo C exerce sobre o carrinho A b) Retirando C. sem que o caixote se mova. para cima. Determine as tensões em cada corda nos seguintes casos: a) os corpos são mantidos suspensos em repouso pela força .50 b) 2. num local onde g=10m/s2. 25-(UNESP-SP) Dois blocos estão suspensos em um campo gravitacional de aceleração g. 22-(MACKENZIE-SP) O conjunto abaixo. tal que os b) os corpos são submetidos a uma força acelera a 2.0 28-(MACKENZIE-SP) No sistema abaixo. Considere a polia ideal. conforme a figura. Na situação em que o fio entre eles estiver esticado. está preso na posição A. Inicialmente o sistema está em repouso.5 c) 5.Após a união. (g=10m/s2).0kg. porém a aceleração dos dois blocos fica reduzida à quarta parte da aceleração que o bloco A possuía. constituído de fios e polias ideais. de massa M=3 mo. Desprezando-se qualquer tipo de resistência e abandonando-se o conjunto quando o corpo A se encontra na posição X. O corpo 2. com que aceleração o carrinho A se movimenta? 27-(MACKENZIE-SP) O sistema abaixo é constituído por fios e polias ideais. de massa 80kg. Determine V em função de Vo. c) 3/2. é a) 1/3. devido à presença do anteparo C que bloqueia o carrinho A. de massa 6. 23-(PUC-SP) Uma caminhonete de 2. b) 4/3.000kg tenta resgatar um caixote a partir de um precipício. Pode-se afirmar que a razão entre as massas. é abandonado do repouso no instante t=0 e a velocidade do corpo A varia em função do tempo segundo o diagrama dado. d) 1.000N. responda: (g=10m/s2) 26-(FUVEST-SP) Um carrinho A de 20kg de massa é unido a um bloco B de 5kg por meio de um fio leve e inextensível. Será possível o resgate com essa aceleração sem que ele arrebente? 24-(FUVEST-SP) Uma esfera de massa mo está pendurada por um fio. mA/mB. ligado em sua outra extremidade a um caixote. ao passar por Y. Desprezando o atrito e admitindo g=10m/s2. o corpo 1.0m/s2. Se o caixote sobe com aceleração de 1m/s2. ela atingirá uma velocidade Vo. após percorrer uma distância Ho. por duas cordas A e B de massas desprezíveis. a força aplicada continua sendo a mesma. a) Qual a força que movimenta a caminhonete? b) O cabo suporta no máximo uma tração de 2. é. em m/s: a) 0. sobre uma mesa horizontal. e) 2.0 d) 50 e) 7. a sua velocidade. atingirá uma velocidade V. como indica a figura. a esfera.

as forças que tracionam os fios (1) e (2) tem intensidades iguais.0 29-(Ceub-DF) Na figura a seguir temos dois blocos. São dados F=500N.0 c) 2. constante e de módulo igual a 2. c) o módulo da força que o elo do meio faz sobre o elo de baixo. 32-(UFMG) A figura mostra uma corrente formada por três elos. A roldana tem massa desprezível e gira livremente em torno de um eixo fixo perpendicular ao plano da figura.tem massa de 4kg. (3) como o dinamômetro tem massa desprezível.0kg e mB=6. um ligado a A e outro a C.0m/s2. a distância vertical entre as massas é h (figura b). Abandonando o corpo 1. b) o módulo da força resultante que atua sobre o elo do meio. Despreze os atritos e adote g=10m/s2. após um certo intervalo de tempo.0kg. A massa de cada elo é de 100g e uma força vertical puxa essa corrente para cima. 30-(FUVEST-SP) Um sistema mecânico é formado por duas polias ideais que suportam três corpos A. Determine a intensidade da força de tração no fio e a aceleração do sistema. mA=15kg e mB=10kg. de massas respectivamente iguais a mA=4. . (4) o dinamômetro indica 12N. não há forças de atrito e o fio tem massa desprezível. Não considere o efeito do ar e admita que os blocos tem uma aceleração horizontal.0m/s2. sem atrito. suspensos por fios ideais como representado na figura. Considerando essas informações calcule: a) o módulo da força que puxa a corrente. Julgue os itens a seguir. com as duas massas no mesmo nível. para a direita. O sistema é então abandonado a partir do repouso e. B e C de mesma massa m. em uma superfície plana e horizontal. que deslizam. A e B. em m/s. O sistema encontra-se inicialmente na situação ilustrada pela figura a. O corpo B está suspenso simultaneamente por dois fios. (1) a força tensora no fio (1) tem intensidade igual a 12N.50 b) 1. 33-(UFRJ) O sistema ilustrado na figura abaixo é uma máquina de Atwood. (g=10m/s2). calibrado em newtons. A corrente sobe com uma aceleração de 3. ao passar pela posição B será de: a) 0. passando pelo centro geométrico da roldana.0 d) Ö5 e) 4. (2) O valor de F é 20N. sob ação de uma força horizontal e constante e de intensidade F. Uma das massas vale m e a outra 2m. Os blocos estão ligados por fios ideais a um dinamômetro também ideal (massa desprezível). a sua velocidade. Podemos afirmar que a aceleração do corpo B será: a) zero b) (g/3) para baixo c) (g/3) para cima d) (2g/3) para baixo e) (2g/3) para cima 31-(Aman-RJ) No sistema apresentado na figura. isto é.

diz: “No caso do arraste com a carga junto ao solo (se por algum motivo não pode ou não deve e ser erguida . de acordo com a figura. já que se distribui sobre uma área maior. 8. A primeira delas tem massa de 30 toneladas e a segunda. 6. .Modificado. em resumo. está sendo puxada verticalmente para cima. calcule a aceleração máxima do conjunto. Entretanto. 34-(UFRN) Uma corrente constituída de sete anéis. representam as normais que atuam nos blocos e Pi. pois nessa situação a área sobre a qual a tora está apoiada sobre o solo também aumenta Observe que uma força F é aplicada ao bloco de massa m2. . mas é correto afirmar que em II a força exercida pela tora sobre o solo aumenta. em repouso sobre uma superfície horizontal. (www. Mas neste caso o peso da tora aumenta. Desprezando a resistência do ar. causando menos dano ao solo . D) adequada. correspondem aos pesos dos respectivos blocos com i variando de 1 a 3.0m/s2. . m2 e m3. pois se distribui por uma área maior. . pois nessa situação a tora está integralmente apoiada sobre o solo. . o sistema de vasos comunicantes apresentado está em equilíbrio. assinale a alternativa que representa todas as forças que atuam no bloco de massa m2.embrapa. e facilitando as manobras.8N b) 9. esta força é incapaz de vencer as forças de fij entre os blocos mi e mj.cpafac. E) adequada. pois o peso da tora é sempre o mesmo. Calcule o módulo da velocidade de cada uma das massas na situação mostrada na figura (b). ) Pode-se afirmar que a frase destacada é conceitualmente A) inadequada. conforme a representação. A força para cima no anel do meio é: (g=10m/s2). o líquido deverá permanecer em uma posição tal qual o esquematizado em 38-(UEL-PR-09) Considere o sistema constituído por três blocos de massas m1. . o cabo de aço I que conecta o rebocador à primeira barcaça suporta. onde i e j variam de 1 a 3.6N c) 8. com aceleração constante de 2.4N d) 2. pois o peso da tora diminui. Quando o sistema é submetido a um movimento uniformemente variado devido à ação de uma força horizontal voltada para direita. B) inadequada. e o cabo II. a força a força exercida pela tora sobre o solo em II diminui.104N.4N e) 1. além disso. 20 toneladas. reduzindo a porca necessária para movimentá-la. . Encontramos uma recomendação que. depois da figura. onde os Ni.36-(UNESP-SP) Um rebocador puxa duas barcaças pela águas de um lago tranqüilo. no máximo.6N 35-(UNESP-SP) Em uma circular técnica da Embrapa. Por uma questão de economia. 37-(UFSC-SP)) Em repouso.105N. como mostra a figura a seguir. cada um com massa de 200g. apoiados um sobre o outro. a) 16.br/pdficirtec39. a fim de evitar o rompimento de um dos cabos.pdf.) o ideal é arrastá-la. Desprezando o efeito de forças resistivas. C) inadequada: o peso da tora é sempre o mesmo e.

Cabral não conseguiu puxar Alberto. fazendo um diagrama de corpo livre. . Sabendo que a força com que Alberto puxa a corda é de 200 N e que a polia não tem massa nem b) 8. 39-(UFCG-PB-010) Durante uma viagem. encontra-se parado no meio do andaime. de uma maneira especial.2 m/s2 d) 7. quando vai entregar alguma ferramenta ao companheiro. afeta a distribuição de forças sobre as cordas. Considerando o Sistema Internacional de Unidades (SI). enquanto o outro. disse que os engenheiros poderiam economizar o material dos cabos se os esticassem entre as torres de sustentação até que estivessem dispostos horizontalmente. ao se deslocar em um meio fluido (líquido ou gasoso) fica sujeito a uma força de resistência. Alberto segurou no pedaço de corda que passava ao redor da polia enquanto que Cabral segurou no pedaço atado ao centro da polia.8 m/s2 c) 42-(UFLA-MG-2011) Um corpo. em que k é uma constante de proporcionalidade e v a velocidade do corpo no meio.kg/s d) kg/m 43-(UFRN-RN-011) É muito comum observarmos nas fachadas de edifícios em construção andaimes constituídos por uma tábua horizontal sustentada por cordas que passam por roldanas presas no topo da edificação. para a situação observada e discuta o comentário feito por Lucinha. é CORRETO afirmar que a constante k é dada pelas unidades: a) kg/s2 b) N. Nela. qual seria extremidade esquerda do andaime.0 m para frente. um dos operários se encontra na atritos: a) especifique a tensão na corda que Alberto está segurando. mostrada na figura. b) desenhe as forças que agem sobre a polia. fundamentado nas Leis de Newton. Ao comentar a observação. considere a situação mostrada na Figura abaixo. indique quanto Alberto andou para trás. O carro se move horizontalmente com aceleração constante. Considerando-se hipoteticamente o ângulo que o fio faz com a vertical igual a 45 graus. 41-(UFT-TO-011) Uma pequena esfera de chumbo com massa igual a 50 g é amarrada por um fio. 40-(PUC-RJ-010) Alberto (A) desafiou seu colega Cabral (C) para uma competição de cabo de guerra. que lentamente foi arrastando o seu adversário até ganhar o jogo. que é expressa por: FR = kv2. O fato de um dos operários se deslocar sobre o andaime em direção ao outro. c) calcule a força exercida pelo Cabral sobre a corda que ele puxava. após ter caminhado em direção a ele. Apesar de mais forte. Considerando a situação mostrada na Figura.8 m/s2 m/s2 elétrica apresentavam (figura). Nesse sentido. e considere o módulo da aceleração da gravidade igual a 9. Proponha um modelo.m/s2 c) N. pode-se afirmar que a A) força resultante sobre o andaime é diferente de zero e a tensão na corda Y é maior que na corda X. de comprimento igual a 10 cm e massa desprezível. por exemplo.8 m/s2. Lucinha observou as enormes curvas que os cabos das linhas de transmissão de energia a) 5. e fixada no interior de um automóvel conforme figura.4 e) 6.o melhor valor para representar o módulo da aceleração do carro? Desconsidere o atrito com o ar. conduzindo uma marreta. d) considerando que Cabral foi puxado por 2.3 m/s2 9.

D) força resultante sobre o andaime é igual a zero e a tensão na corda X é maior que na corda 44-(UFV-MG-011) Nas extremidades de um fio inextensível e de massa desprezível. C) força resultante sobre o andaime é diferente de zero e a tensão na corda X é maior que na corda Y. O bloco B se encontra suspenso no ar. estão pendurados dois blocos maciços A e B. Desprezando qualquer tipo de atrito e qualquer influencia do ar sobre os blocos. que passa por uma polia. conforme a figura. enquanto que o bloco A esta com a metade de seu volume imerso em um liquido. feitos de um mesmo material de densidade de massa ρ. e CORRETO afirmar que a densidade de massa do liquido é: .B) força resultante sobre o andaime é igual a zero e a tensão na corda Y é maior que na corda X. Sabe-se que o volume do bloco A é três vezes maior que o do bloco B.

a --.T=3.T1 – T2=1.a --.a --1.a --.FR=mP.a=5m/s2 (é a mesma para cada bloco.03.Vamos achar a intensidade de .PB – T=mB. 02.N2=8N e segue em MRU com velocidade constante chocar com a polia.a --.a --.5m/s2 T=3. obtemos --.F – T=mB. ele fica em equilíbrio dinâmico Bloco P --.a II Somando I com II. que substituído em T2 – T3=20 --.T=3.FR=m.10=4.T1=60N 06.E 05. Como N AB e NBA constituem par ação e reação elas tem a mesma intensidade que chamaremos de N.2.a II --Somando I com II --60 = 30. Bloco M --. até se . obtemos 48=12ª --.a --.20=4a --.F – N1=6.a I Bloco B --.(a) Colocando as forças que influem no movimento: Bloco A --.N =18N 04. considerando os 4 blocos como um só.10 --.2 --.FR=m.a=2m/s2.2 --. .mB.Em fios a força é de tração : NAB – intensidade da força que A aplica em B.T3=30N. para a direita.T=20N R.Bloco B --FR=mB.a --a=2.T2 – T3=2.a --.a --.a --.10 – T=1.FR=mA. Colocando as forças que agem sobre cada bloco apenas na direção do movimento (forças horizontais). NBA – intensidade da força com que B reage em A.T2 – T3=20 Bloco C --.T=10.somando I com II com III.T2=50N T1 – T2=10 --.a --.N1 – N2=4.bloco Q -. A força pedida tem intensidade N2=2.60 – T=20.4 --.T1 T2=10 Bloco B --.somando I com II --. a força resultante sobre ele torna-se nula.T1 – 50=10 --.a --N2=2.20 – N=3.a 10 – T=a II --.F=24N Colocando as forças apenas sobre o bloco M que são F=24N e a reação a entre N e M que é N: Aplicações das Leis de Newton Resoluções 01.a I --.g – T=mB.FR=mQ.FR=m.Bloco A --. fornecerá --.N2 = mR.a) Como não existe atrito.FR=mB.a --.a I --.5 --.FR=mA. por menor que seja a massa do sistema e a força aplicada o sistema sempre se moverá no caso. pois se movem juntos).a --. b) Substituindo a=5m/s2 em I ou em II obtemos --N=5N.T2-30=20 --.T3=3.a --.10 --. de massa M=12kg e aplicar a lei fundamental --.Colocando as forças que influem no movimento: Bloco A --.5N b) Sobre o bloco A deixa de existir a força de tração .FR=mM.a III --.24 – N = 3.T=7. Bloco A --.a I bloco B --FR=mB.N=1. c) Observe nas figuras acima que FRA=20 – 5=15N e que FRB=5N. substituído em I ou II.bloco R --.a --N2 = 2.a --.FR=m.F=12.a=4m/s2.FR=mA.10 --. que.a --.a --.a II --.a --.

a) 13.ma = m(g .a --.T1=m.a --.ele cai em queda livre com aceleração da gravidade.a=5m/s2.F – T=m1.B (veja teoria 11. Considerando o sistema todo --.5 --TB=900N 09.FR=mA.Considerando o princípio fundamental da Dinâmica.a --.3F – 3N=F --.a=40/16 --.F=70N R.A proporção de comprimento é válida também para massa.F – T=20 segundo carrinho --.a III --. substituído em III nos fornece --.5m/s2 b) o dinamômetro indica a intensidade da força de tração no fio no qual ele está inserido.veja em I que F=m.5 --. que.a --.a II bloco 3 --FR=m3.40 – 10=2.T1=ma I bloco 2 --.a --3F – 3N=m.T=75N 10.somando I com II --.a = mB.T = ma Na subida: T' .Na descida: mg .Isolando as trações --.10 --P=10N O sistema se move no sentido anti-horário. m2 sobe e m1 se desloca para a esquerda.F – N=m/3.a --. pois sua massa é desprezível. pois F>P.40 – T=1.FR=(m/3 + 2m/3). 07. Bloco m1 --. ou seja.a --T – 10=a II --.F – T=40.T=10 + 15 --.a I bloco B --.somando I com II com III --.TB . Separando as frações: bloco 1 --.g --.a I segunda situação --.0.T' = mg + ma = m(g + a) Então --.600=120.Colocando as forças: bloco3 --.a --.10 --PB=100N Colocando as forças que agem sobre cada bloco e tirando o dinamômetro.g --.a --T=60 + 6.bloco m --. como PB>PA.3N=2F --N=2F/3 15.T – P=m.C 12. indica T --.F=(3m/3).a II comparando I com II --.T – 10=1.T=25N 08.T2=2m.a --.a --.a --.T'/T = (g + a)/(g .a II somando I com II --100 – 60=16.0.g --.TA=40.FR=m/3.mg = ma --.10 --PA=60N PB=mB.T = mg .a --.A 14.a --.P=1.A aceleração de cada bloco em cada caso é a mesma.bloco2 m --.a=2. bloco A --.FR=mB.a I bloco 2 --. pois F é a mesma e a massa do sistema (3m) é a mesma.F – 50=20 --.a I Sobre a massa m/3 --.primeiro carrinho --.Sobre o bloco B deixa de existir a força de tração e a força resultante sobre ele fica sendo apenas seu peso -.TB=600 + 60.a --.Colocando o peso do bloco m2 --.TA=20.TB – 600=60.T2 = 2T1 --.5 --T=50N --. F(resultante) = massa x aceleração temos: -.a = g --.a) PA=mA. ou seja.100 – T=10.2.T2 – T1=ma II bloco 1 --.a=15m/s2 --.F=m.R.Fr =PB --- mB.T – 60=6.FR=m1.PA=6. o sistema se move no sentido anti-horário (A sobe e B desce).P1 – T2=ma III somando I.40 – T=a I Bloco m2 --.T – 60=6.a) --.T=100.5 --.PB=10.a --TB – P=m3.a --. Primeira situação --.a --.a --.a --.a -.R.T – 10=1.a --. II e III --- .FR=m.FR=m2.a)Colocando as forças: Observe que.

240 = (100 + 58 + 2).a --. ou seja. numa queda de altura Ho Torricelli --.F=2.m.6mA=4mB --. A força de contato será maior na situação do conjunto 1.igualando I com II -.T=2. ele deve descer e consequentemente B deve subir.mg=3ma --.240 = 160. Torricelli --. 18- FR=(mA + mB).Ho --.5 m/s2. Já quando o dinamômetro acusa T = 120 N. pois as massas e a força aplicada são as mesmas.4F=mAa + mBa --.a/4 ---.40 . se desloca para a direita puxada por T --.T=mBa --.g/4.A aceleração é a mesma nas duas situações.a I Bloco B sobre o bloco A bloco 2 --..4F=F + mBa --.102.V2= Vo2 + 2. b) Não é possível concluir. FR = m.Calculando a aceleração do sistema pelo gráfico -.000 I caixote --.P = ma.V2=Vo2 + (Vo2)/4 --.T=3moa I T=moa --Mo.10 --m=10kg.a=4m/s2 Bloco A --.PA – T=mAa --. Apenas sabemos que T>P. Apenas sobre o pacote de 2 kg F = m.2.T – 800=80X1 --T=880N II substituindo II em I --.Bloco A FR=mA.a --.000X1 -.T=4.a=DV/Dt --.m = 40/16 = 2.F = 20 + 40 --.a/4 --.a = 2.T . a = (120 100)/10 = 2 m/s2.5 kg 21. temos T = P = 100 N. Observe no bloco A que.a’/a=3/2 16.a --. que: --.g .P1 – T=ma’ II somando I com II --.Fmo.0 N 20. e não a velocidade. pois a tração máxima que o cabo suporta é 2000N e a tração aplicada é de 880N 24-1a etapa --.Ho --Vo2 =2gHo 2a etapa --.V=2.FR=0 --T=40N bloco de cima --. teremos: Para o corpo B: --.V=Ö5Vo/2 --.880N b) Sim. considerando que A desça acelerado.10 = m.000 --.F==(mA + mB).a ==> a = 240/160 = 1.P1=2ma’ --mg=2ma’ --.102N 19. e o peso P.4 II -.T=ma’ I bloco 1 --. FR=ma --. como PA>T.V2=(5Vo2)/4 --.a) equilíbrio estático (força resultante nula) FR=ma --.a=g/3 Quando o fio que une 2 e 3 se rompe. Assim.mog – 3moa=moa --.40 = 10. .queda livre da esfera mo.a --100 .3F=mBa II Dividindo membro a membro II por I --.a) As forças que atuam no balde são a tração do fio.a’=2g dividindo membro a membro a=g/3 por a’=2g. temos. numa queda de altura Ho.2 --.F=mA.Vo2 = 02 + 2.FR=mB. para o corpo A.F = 20 + T --. T.100=m. Como P = mg --.FR=mA.3mA=mB --mA/mB=1/3 22.10mA – T=4mA --T=6mA I blobo B --.a.a ==> a = 60/10 = 6 m/s2.V2=2gHo + (2gHo)/4 --.5 = 3.FR=mc.1.Pela segunda lei de Newton.a=g/4 Queda de mo com aceleração a=g/4 e velocidade variando de Vo a V. ele pode estar subindo acelerado ou descendo retardado.a --.mA/mB=2/3 23.F=60N b) os dois blocos sobem com a=2m/s2 e FR¹0 .O dinamômetro indica a tração no fio que é de 40N e as forças sobre o sistema estão indicadas na figura.F – 880=2. 17. com a=g e a velocidade variando de 0 a Vo. ou seja. Quando o balde está em repouso.a) caminhonete --.as duas esferas se movem juntas com aceleração a que vale: M=3mo. obtemos --.6 --40 = 16.F – T=2. corda B bloco de baixo --.T=mB.DS --. desce de modo que P – R=ma --.a=24/6 --.V2=Vo2 +2.a II --.g=4.a --.FR=0 --. será possível.F – T=2.m --.substituindo I em II --. pois só conhecemos a aceleração.g.Vamos calcular a aceleração do sistema (barco + pessoa + pacote) --.Vo 25.P1=3ma --.a --.T=mo. pelo princípio fundamental da dinâmica temos. pois o bloco da esquerda terá que empurrar uma massa maior.

T=6.T=12N II substituindo II em I --F – 12=8 --.25 --. 29. Torricelli --. Bloco A --. com aceleração a=4m/s2 e. bloco 1 --.T=48N (tração na corda B) bloco de cima --. Observe na figura que os dois blocos se movem juntos enquanto percorrem apenas 0.PB – T =ma --.mg-T=ma I --.0.T2 .a.a I bloco 2 --FR=m.F – T=4.a --.DS --.T=20.50 – T1=ma --.FR=ma --. no instante em que 2 chega ao solo. pois o dinamômetro é ideal (como se não existisse).a=4. Todas corretas 30.T=50N bloco A --N=T --.50 – T =5.FR=ma --.40 – 6.5m/s2.a=2m/s2.PB=T --.a III Somando I.FR=ma --.a II bloco C – desce --FR=ma --.a --a=0.sobe --.5m/s2 Observe na figura acima que o bloco B sobe. 2 não puxa mais 1 e ele segue em MRU com velocidade constante de 2m/s.V2= 02 + 2.F=72N (tração na corda A) 26.40 – T=4.V=Ö0. como as massas são iguais.bloco C --. impedindo-o de ir para a direita.40= 4.5 --.V=2m/s.a II substituindo I em II -.está correta (2) está correta – vide (1) (3) está correta.a --.50 – T1=5.2 --. o dinamômetro indica a tração no fio. A partir daí.DS --.4.V2 = Vo2 + 2.T=6.10=20. com que chega em B.T-40=4.F=20N --.N=50N b) retirando-se o anteparo C. (4) está correta.P-T=ma -.2T-P-ma -.a.desce --.5.25m e tendo Vo=0 em X e V em Y.FR=ma --.a=g/3 R.Colocando as forças e calculando a aceleração do sistema: Bloco de baixo --.FR=ma --.2 --.desce --.(1) bloco A --.a I bloco B --.a II substituindo I em II --50 – 20.2T-mg=ma II --.FR=m.V=0.V2 = 02 + 2.2 --. percorrendo DS=25cm=0.bloco B --.a) sistema em repouso --força que o anteparo exerce sobre A. II e III --.FR=ma --F – T – 20=2.mg-T=ma III --.25 --.Colocando as forças sobre cada bloco: bloco A – sobe --.eles tem velocidade: Torricelli --.colocando as forças e.a I bloco B – direita --.5m.F – T=8 I bloco B --.Bloco A que sobe com aceleração de 0. II e III --mg=3ma --.V2 = Vo2 + 2.0. pois nele temos 2T para cima.a --a=4m/s2. 27.Colocando as forças: . bloco B --.5m/s 28.T1 – T2=11.a = 5.F – T=m.2 --F – 48 – 20=4 --.a --.a --.somando I.P-T=ma -. N deixa de agir sobre A e o sistema se move no sentido horário com aceleração a bloco A --.0.C 31. a tração (T) em cada fio é a mesma.

qualquer aceleração acima desse valor arrebenta o cabo I. 37.P=8N Barcaça A --.N1=P – T1X II --.3. b) só sobre o elo do meio --.g/3.3 -. somada ao peso do bloco (aqui modelando a massa do cabo).V2= Vo2 + 2. por resistência a ação de F --.T1X + N1=P --.103. deve existir uma força de módulo infinito para que.h -.2 --.3N c) elo de baixo --.8.10 --.F – 2 T = m a --.portanto N2>N1 --.R.FR=0.a = 0) --.T=260N 32.N2=P --.V2= 02 + 2. ela está sendo arrastada quase que estaticamente (ou seja.T – mg=ma resolvendo o sistema --mg=3ma --. a=4m/s2.a --.103.2).sen(q) = 0 o que significa que as forças exercidas pela corda sobre o bloco devem ser infinitas --.T – 8=0.a --.T=9.2mg – T=2ma bloco da direita --.a --.: forças aplicadas pela corda que passa pela polia --- figura I --. sendo duas delas para cada corpo --.aB=12m/s2 --.DS --.3N 33.T – 100 = 10.T – 100=10. por inércia.3 --T=1.T – PB = mB.Quem está subindo é o anel do meio mais os três anéis de baixo.FR=m.1.103.F – 2 T = 0 --- . que é o termo mais adequado) na corda corresponde à intensidade da força aplicada por Alberto --T = 200 N.g.Considere o sistema abaixo em repouso em relação a um referencial inercial em que o bloco de massa M representa o peso do cabo (aplicado em seu centro de gravidade) e as cordas representam o cabo. tende a permanecer em repouso. como o sistema está em equilíbrio. não há como se ter q = 0.quando o recipiente é acelerado para a direita.a.FR=mA+B. b) : força de tração no centro da polia.somando I com II --.as outras quatro são devidas aos contatos com os outros dois corpos. Seu próprio peso e a força de ação F são duas delas --. 40.TII =30.ou.a --. deverá sempre existir.a --TII=20.Cálculo da aceleração do sistema: Bloco da esquerda --.V=Ö2. ou seja.T-P=ma --.6N R. além disso.princípio fundamental --FR=ma --.a --.h/3 34.B 35-Decompondo.F – 3=0.1kg --.16 --.a II --. e q o ângulo que o cabo faz com a horizontal do lugar.2Tsenθ=Mg --senq = Mg/2T --assim. FR=0 --. observamos que: Observe na seqüência das figuras acima que. num campo gravitacional.TI= mA+B.aB --.B 39.a=g/3 Torricelli --.R-B 36-Colocando as forças nas barcaças: figura c) Como a polia não tem massa (ou seja.a) m=100g=0. ou seja.a --.para a esquerda --.103.a) A tensão (ou tração.aB --. na figura I a força de tração T1. isto é.aA --aA=4m/s2 qualquer aceleração acima desse valor arrebenta o cabo II O cabo I puxa as duas barcaças de massa mA+B=50.8.a=16m/s2 -.a I bloco A --. para que os dois cabos não arrebentem temos que pegar o menor valor de a. sua massa é desprezível) e.9N. resulte zero --.B 38.sobe --.a --500 – T=15. o líquido.F-P=m. se q = 0 --.aB --6.104=20. mas no sentido oposto.R.1.FR=mA.F=3.105=50.como isso não é possível.F – T=mA.O bloco m2 está sujeito a 6 forças.T-1=0. Como a aceleração das duas barcaças deve ser a mesma.a ação na direção da gravidade em função do peso destes corpos e ações na direção do movimento. a “curva” observada por Lucinha. fica contrário ao deslocamento dos recipientes --.Bloco B --.De uma maneira bem simples e prática --. portanto 4 anéis de peso P=(4X0. com velocidade constante --.103kg --. T – P=m.3 --Fr=0. aplicada por Cabral --.

bloco B --. roldana móvel tem peso de 550N. a) Qual o módulo da força vertical (para baixo) que o homem deve exercer sobre a corda. vertical e para cima) --E=ρliq.E= ρliq. vertical e para baixo e a força de tração no fio ( ).Como o andaime se encontra parado (equilíbrio estático) a resultante das forças que agem sobre ele ê nula --. para equilibrar o sistema? b) Para cada 1 metro de corda que o homem puxa.g + ρbloco.ρliq=4 ρbloco/3 --.(2V).R.3ρliq/2 = 2.g --.aV2=(m.ρliq.PB=m. 41.D Polias ou Roldanas .g = ρbloco.ρbloco.V.2.o sistema está em equilíbrio (FR=0) --.portanto.F = 400 N. Exercícios 01-(UFU-MG) Na figura abaixo.g --.V=2V --.F = 2 T = 2 (200) --.PB= ρbloco.8m/s2 --. sendo três móveis e uma fixa. PA e PB.Vg --bloco A --.2 -.R.g --ρliq. supondo-o homogêneo) e na extremidade esquerda (peso do outro operário) --. despreze as forças dissipativas e calcule o valor da carga Q.Vg --PA=3mg=3.observe que os pesos sobre o andaime encontram-se no meio (peso de um operário + peso do andaime.1=ma/mg --a=g=9.Colocando as forças que agem sobre cada bloco (pesos de A e de B.g --. tração T em cada bloco.Vliq=Vbloco/2 --.tg45o = cateto oposto/cateto adjacente --. O corpo suspenso da somando vetorialmente com você obtém a força resultante --. o centro da polia desloca D/2.g --.V/t)/V2 --K=(m/t)/V --.Vliq.3(V/2). a tensão na corda X é maior que a na corda Y --. essa distância é distribuída nos dois braços da polia.K=kg/s x s/m --K=kg/m --.T=PB --.ρbloco.g --. sabendo que o rapaz exerce uma força de 25N para mantê-la em equilíbrio.Vbloco.R.g --.R.3(V/2).T= ρbloco. Alberto recua 4 m.E + T = PA --. Se corda que Alberto puxa enrola D.Vg = 3.C 42. As roldanas e a corda são ideais.As forças que agem sobre a esfera são seu peso ( ).ρbloco. fazendo com o seu centro desloque D/2 --.D 43. Quatro dessas polias são associadas conforme a ilustração abaixo.K=FRV2=m. verticais e para cima e o empuxo E sobre o bloco A devido ao líquido. d) A figura a seguir mostra que quando a ponta da corda desloca D (do ponto P até o ponto P’ ).assim.D 44. verticais e para baixo. conforme figura --- 02-(FUVEST-SP) Considere o esquema representado na figura abaixo.3(V/2). de quanto se eleva o corpo suspenso? 03-(MACKENZIE-2007) Dispõe-se de um conjunto de fios e polias ideais para um determinado experimento.FR=KV2 --. se Carlos avança 2 m.K=(kg/s)/(m/s) --.tg45o=FR/P --.V.PB= ρbloco.

o solo amazônico constitui uma fina camada fértil. B e C são os pontos de contato entre os fios e a superfície. (D) oito vezes menor. Os pontos A. P/4 e) iguais a P 06-(CEFET-SP) Embora abrigue toda uma floresta. Dado: Adote g = 10 m/s2 05-(CESGRANRIO-RJ) Um corpo de peso P encontra-se em equilíbrio devido à ação da força de inteensidade F aplicada pelo homem da figura abaixo. (C) seis vezes menor. P/2 b) P/8. o esquema sugerido pelo mecânico para obter o seu intento. suspende-se o corpo de massa m e o conjunto é mantido em repouso por estar preso ao solo. P/2. A B Considerando as polias e os cabos como ideais e. Rapidamente. em Newton. A figura mostra. P/4.(UFABC-08) Um mecânico afirma ao seu assistente que é possível erguer e manter um carro no alto e em equilíbrio estático.necessária para manter o corpo suspenso e em repouso nos dois casos. a) P/8. Aproveitando-se da enorme inércia de uma colheitadeira. P/4. que registra 400N. P/4 c) P/2. As polias e os fios são ideais. os cabos convenientemente presos ao carro para que não haja movimento de rotação. 08-(MACKENZIE-SP) Admita que sua massa seja 60kg e que você esteja sobre uma balança. Calcule as forças FA e FB. A solução encontrada permite que uma força resistente FR seja vencida por uma força potente FP (A) duas vezes menor. fora de escala. A força que a superfíe exerce sobre os fios nos pontos A. um caminhão ficou atolado no solo desmatado. (B) quatro vezes menor. quando esse se encontra suspenso e em equilíbrio estático. 07-(FUVEST-SP) As figuras mostram dois arranjos (A e B) de polias construídos para erguer um corpo de massa M=8kg. (Considere g=10m/s2). providenciaram alguns cabos de aço e quatro roldanas. Qual é o valor da massa do corpo? 04. montaram a máquina simples da figura. determine a massa mínima do contrapeso e o valor da força que o cabo central exerce sobre o carro. com massa de 700 kg. dentro da cabine de um elevador. usando-se um contrapeso mais leve do que o carro. ainda. por meio de fios e de um dinamômetro (d) de massa desprezível.No fio que passa pela polia fixa. P/2. Após uma temporada de chuvas. . P/8 d) P. B e C são respectivamente. (E) dezesseis vezes menor.

as pessoas que estão num elevador em movimento sentem uma sensação de desconforto. Isso se deve à inércia de nossos órgãos internos localizados nessa região. então não haverá compressão entre a balança e a pessoa e a mesma terá a impressão de “ter perdido peso”.0N pende de um dinamômetro que está fixo no teto de um elevador em movimento. dirigida para baixo? (g=10m/s2) 11-(UFPA) Um corpo de peso 2. No interior de sua cabine há uma pessoa de massa 70kg que se encontra sobre uma balança calibrada em newtons. d) quando o elevador sobe ou desce em movimento variado.000kg está subindo e acelerando com a=3m/s2. resolve testa-la ainda no elevador. Quais as intensidades das acelerações da gravidade e do elevador? O que estará acontecendo quando a balança registrar 800N? E quando registrar zero? 14-(UNIFESP-SP) Às vezes. Pense e responda: O que aconteceria se o elevador cair com aceleração a. b) apenas quando o elevador sobe em movimento uniforme c) apenas quando o elevador desce em movimento uniforme. Verifica-se que a leitura do dinamômetro é de 2. 15-(UFPE) “Uma pessoa comprou uma balança de chão e. identifique a opção correta. Ela concluiu que a balança estava com defeito ao notar um aumento de seu peso”. b) O aumento da indicação da balança pode ocorrer se o elevador está descendo com velocidade constante c) O aumento da indicação da balança pode ocorrer se o elevador está subindo com aceleração constante d) O aumento da indicação da balança pode ocorrer se o elevador está descendo com aceleração constante e) A balança está necessariamente com defeito e deve ser trocada em respeito aos direitos do consumidor. Considerando as informações. Podemos afirmar que o elevador está: a) em repouso b) subindo com velocidade constante c) descendo com velocidade constante d) subindo com velocidade crescente e) descendo com velocidade crescente. qual pode ser a máxima aceleração do elevador na subida? (g=10m/s2) Sendo g=10m/s2 e a balança calibrada em newtons. Normalmente é usada em elevadores especiais ou em aviões em queda livre para acostumar os astronautas com a “ausência da gravidade”. . Se ele está sustentando um elevador de massa igual a 1000kg. e) apenas quando o elevador sobe em movimento variado. Consi dere g=10m/s2 e despreze os atritos: 13-(UFB) Num elevador há uma balança graduada em newtons. é: a) 180N b) 240N c) 300N d) 420N e) 780N 09-(UFB) Um elevador de massa 1. a) O aumento da indicação da balança pode ocorrer se o elevador está subindo com velocidade constante. quando a cabine desce com aceleração constante de 3m/s2. tal que a>g? 10-(UFMG-MG) Qual é o peso aparente de um corpo de massa 10kg que está dentro de um elevador que tem uma aceleração de 5m/s2. Uma pessoa de massa 80kg que está sobre a balança lê 960N quando o elevador sobe com certa aceleração e 640N quando o elevador desce com a mesma aceleração. ansiosa para controlar o peso. a) Calcule a indicação da balança b) Determine a intensidade da força de tração em cada um dos três cabos do elevador da figura acima? c) Se o elevador cair em queda livre (a=g).12-(PUC-BA) Um cabo de aço utilizado para mover um elevador suporta um peso máximo igual ao peso de um corpo de massa igual a 1200kg. em geral na região do estômago.5N. a indicação por ela fornecida. e pode ocorrer: a) quando o elevador sobe ou desce em movimento uniforme. ao chegar em casa.

de mesma massa m. 19-(UFRJ-RJ) Quando o cabo de um elevador se quebra.F =25/2n --. Considere g = 10m/s2 Estando a caixa em repouso em relação ao elevador. a razão entre a intensidade da força que o piso do elevador exerce sobre o passageiro e o peso do passageiro é igual a: a) 5 b) 6/5 c) 1 d) 4/5 e) 2 . m. como mostra a figura abaixo.0m/s2 b) descer com aceleração maior que 1. Suponha que. numa situação como essa.5m.O dinamômetro indica a intensidade da força que traciona o fio que está preso ao solo.a) Uma roldana móvel. carregando uma caixa de 800g. de 550/2=275N. a corda e a roldana são supostas ideais.16-(MACKENZIE-SP) Uma moça entra em um elevador que está parado no 5o andar de um edifício de 10 andares. 18-(UERJ-RJ) Um passageiro está no interior de um elevador que desce verticalmente. Determine a intensidade da força que traciona a corda. Se a aceleração local da gravidade é g. ou seja.5m/s2 17-(UFSCAR-SP) O sistema esquematizado compõese de um elevador de massa M e um homem de massa m. os freios de emergência são acionados contra trilhos laterais. juntamente com o elevador. como mostra a figura. Observe na figura. a e g. que a Se "a" vale 1/5 da aceleração da gravidade.Q = 100N.2m/s2 c) subir com aceleração maior que 2. 20-(UFU-MG) Uma pessoa de massa m está no interior de um elevador de massa M. 400N.2m/s2 e) subir ou descer com aceleração maior que 2. no máximo.0m/s2 d) subir com aceleração maior que 1. 02.6N. O elevador está subindo em movimento uniformemente retardado com aceleração de módulo a. suspensa por um barbante que suporta. b) Duas vezes menor. São supostos conhecidos M. de modo que esses passam a exercer. 03.n=2 -. O operador puxa a corda e sobe com aceleração constante a. o barbante arrebentará somente se o elevador (adote g=10m/s2): a) descer com aceleração maior que 2. ou seja. de 0. com aceleração constante "a". que desce verticalmente. a força feita pelo cabo que sustenta o elevador é a) (M+m)(g-a) b) (M+m)(g+a) c) (M+m)(a-g) d) (M-m)(g+a) 21-(ITA-SP) Uma pilha de seis blocos iguais. sobre o elevador. O elevador está suspenso por uma corda que passa por uma polia fixa e vem às mãos do operador. como indicado na figura. a tração de 9. quatro forças verticais constantes e iguais a f . o homem deve aplicar uma força 2n=21=2 vezes menor. diminuindo sua velocidade com uma aceleração de módulo a. O módulo da força que o bloco 3 exerce sobre o bloco 2 é dado por: a) 3m(g + a) b) 3m(g – a) c) 2m(g + a) d) 2m(g – a) e) m(2g – a) Polias ou Resoluções 01.Observe que temos duas polias móveis --. repousa sobre o piso de um elevador.25 = Q/22 --. Calcule o módulo da aceleração com que o elevador desce sob a frenagem dessas forças. a massa total do elevador seja M = 600kg e que o módulo de cada força f seja | f | = 1350N. ou seja.

Seu peso P para baixo.g --. O cabo central exerce uma força de 2P (veja figura) -. de m sua massa.a --.Forças que agem sobre você --.P=m.P=80N --.F=2.10 --. observamos que sobre o carro agem as forças 7P (para cima) o peso do carro PC=7000N (para baixo).m=5kg 04. 50N. Como P=m.3 --. que ela troca com a balança.600 – N=60. R.1000 --.P=600N e a indicação da balança N Desce acelerando --.N=910N . No esquema B temos uma polia móvel e o peso do bloco cai pela metade.a --. a balança indicará um valor maior que o peso (N>P) --. Como ele está em equilíbrio --.FR=m.A 06.Três polias móveis n=3 --.g --.-N=180 – 600 --.distribuição de forças nos fornece o peso do bloco. de intensidade P=m.PC=m.P=700N e a força normal N para cima.3 --.a) Quem está sobre a balança é a pessoa de massa 70kg e sobre ela agem duas forças. que ela troca com a Terra.Observe a figura abaixo: Observe também que no esquema A todas as polias são fixas e o peso do bloco é transmitido integralmente (FA=80N).10 --.seu peso de intensidade --.F=2000N 05. Como ele sobe acelerando.a --.P – N = m.você se sente “mais leve” (peso aparente).N=700 + 210 --.50=m.N – 700=70. e colocando todas as forças.PC=700.Peso do carro --.g --.g=70.P=1000N e m=100kg.P=60.Observe nas figuras abaixo as distribuições de forças.P=m. 09.N – P = m.2n=23=8 vezes menor 07.7P=PC --7P=7000 --. 08.10 --.P=8.10 --.g --.N=420N --.10 --PC=7000N Chamando de P o peso do contrapeso.

g – N=m. Então o peso da pessoa é P=mg --.a --.Quando o elevador sobe com aceleração a.Pe=Mg PH – peso do homem --.T – Pe – N = Ma --.T=4. RC 16.8 --a=2.10 --.000N.T – 10.tração máxima que o fio suporta --.T – (M + m).6N --.P=80.g --P=80g (g é pedido) --.N – P=ma --.0m/s2.0N).(a + g) R.a --.PH=ma --.6 – 8.910N Como temos três cabos.T – P =m.Dividindo I por II --N/P=4mg/5X1/mg --.sobe acelerando .FR=ma --P – T=m.a=1.5 --N=50N.T – Mg – N = Ma II Somando I com II --. que.636.Os órgãos internos só se movem ou tendem a se mover.6/0.Considerando o sistema.10 --.Se indica um peso maior.a --.a --.a --.0N --.A tração máxima suportada pelo cabo vale T=m.8. 11. A indicação do dinamômetro para cima (T=2.g --.8.P=6000N (para baixo).6000 – 5400=600.Colocando a força pedida e o peso que interessa: .B 21. N=960N e FR=ma --.g/5 --N=(5mg – mg)/5 --.(a + g)/2 18.P=0.FRm. N>P e o elevador pode estar subindo e acelerando ou descendo e freando.210 --. 10. 15. ele está subindo e acelerando ou descendo e freando.N – força trocada entre o homem e o piso do elevador --.FR=ma --.1350 --T=5400N (para cima) e P=mg=600. a força de tração em cada cabo será 13. R. por inércia. Como T>P.g=1200.a --. 14.P – N=ma --.000= 1.5N) e o peso para baixo (P=2.10 --P=10.N<P --FR=m. Quando a balança registrar zero o elevador e a pessoa estão em queda livre.a --.910/3 --.N=4mg/5 I P=mg II --.000N.T + N – mg = ma I Elevador --.a --.T + N . Homem --.a --.T – força de tração na corda que puxa o homem e o elevador para cima.g= (M + m).960 – 80g = 80a I Quando o elevador desce com aceleração a.2T – Mg – mg = Ma + ma --2T = (M + m)g + (M + m)a --.10 --.0=0. O peso do elevador é de P=1000.a --. surgir aceleração.a=2m/s2.a --.Sobre o elevador temos T=4f=4.T=(M + m).b) A força de tração para cima nos cabos está puxando o elevador mais a pessoa (sistema) de peso --P=(1000 + 70). substituído em I ou em II nos forneceg=10m/s2.T=(M + m). -.a=600/600 --a=1m/s2. elevador mais pessoa de massas (M + m) --.D 12.m.Sobre o corpo agem duas forças.T= 13.FR=m. quando houver variação de velocidade.D 19.P – N=m.100 – N =10.a --.700N. --.O peso da pessoa é constante e vale --. R. Quando a balança registrar 800N está registrando o peso da pessoa e nesse caso o elevador estará em repouso ou subindo ou descendo em MRU.T>P --FR=m.a --.T=9.P=m. Sendo T>P.000.D Pe – peso do elevador --.80g – 640=80a II Somando I com II obtemos a=2m/s2.12000 – 10.P=10.10 --P=800N. 13.070.9. 20.a=g/5 --.N/P=4/5 R. N=640N e FR=ma --. ou seja.FR=Ma --.desce freando --.O peso aparente corresponde à força normal N --FR=ma --.Vamos colocar todas as forças que agem sobre o homem e sobre o elevador Como ele sobe acelerando T>P --.a --T – P=ma --.700 = 1.Desce acelerando --.PH=mg --.C 17. ele sobe acelerando ou desce freando.T – P=(M + m).T=12.700 + 3.7N c) A pessoa bateria com a cabeça no teto e depois cairia com a mesma aceleração e velocidades que o elevador. R.FR=m.10 --.P=m.T>P --.P – N=m.3 ---T=10.P=8.

Pra me deixar mais louca ainda no fim de semana depois do feriado eu tenho prova do curso de música.. Oi Cleiton! se bem conheço vc e meus tios acredito que a conversa deva ter rendido muito.. :( aiaia o que eu faço Cleinton? como vc dava conta de duas faculdades ao mesmo tempo? Mas quero que vc fique bem à vontade se quiser passar o feriado com a gente. nem fui a igreja hoje de manhã... acho até que vou precisar de professor particular. Todos os três gostam muito de conversar rsrs.a --2mg – N=2m. N<P --. E como foi lá na casa dos meus tios? o que achou deles e dos meus primos? como vc está ai em Campinas? Ps: se eu demorar para responder já sabe né rsrsrs. e vai cair todos os conteúdos. Fiquei aqui em Muzambinho esse fim de semana pq tb tenho prova de física antes do feriado. Ficaria muito feliz de você se sentir à vontade com minha família. No restante eu estou me saindo melhor principalmente nas matérias de licenciatura em música que estou adorando! Mas em Física e Cálculo o bicho tá pegando. A semana depois do feriado vai ser trash pra mim tenho prova de cálculo e de biologia.P – N=2m. Peço desculpas por não ter respondido o ultimo e-mail. ecologia e introdução a agronomia para entregar.a --N=2m(g – a). Eu literalmente estou quase entrando em parafuso nesses dois primeiros períodos das faculdades. Apenas não poderei estar muito presente pq tenho MUITA coisa para estudar. . Mas esse feriado em especial se você for a Três Pontas infelizmente eu não poderei estar tanto tempo quanto gastaria com você e com meus parentes. as portas sempre estarão abertas para vc.a --. só estudei e estudei. Essa semana que passou foi semana de prova da engenharia e tive muitos trabalhos para entregar na música tb. Estou com um pouco de dificuldade mas matérias de exatas que fazia muito tempo que eu nem olhava para elas. trabalho de física.. Como o bloco de massa 2m sobe freando com aceleração a.FR =m.grande abraço pra ti.

Sign up to vote on this title
UsefulNot useful