Título Número de aulas por semana Número de semana de aula Tema Objetivos

Crédito Tributário 1

1

Crédito Tributário Objetivos Específicos: Ao final da aula, o Aluno deverá:  saber conceituar o crédito tributário, identificar sua natureza e sua inseparabilidade da obrigação tributária e firmar seu conhecimento sobre as teorias que se controvertem a respeito do momento de nascimento do crédito, bem assim a opção feita pelo CTN; entender o conceito, o conteúdo e o papel do lançamento tributário;    conhecer os princípios que regem o lançamento; identificar as modalidades de lançamento tributário e aplicálas aos impostos; ter noções gerais sobre as controvérsias envolvendo o lançamento por homologação.

Estrutura de conteúdo

1 Crédito tributário 1.1 Conceito; 1.2 Natureza jurídica e teorias sobre; 1.3 O lançamento tributário; 1.3.1 Princípios; 1.3.2 Modalidades.

Recursos físicos

Projeção

de

slides –

utilizando e

retroprojetor –

ou

datashow POINT

(transparências

WORD

apresentações

POWER

disponíveis no site e no material distribuído). Uso da lousa branca e caneta Pilot. Aplicação prática e teórica CASO CONCRETO: MARIA SILVA apresentou à Secretaria da Receita Federal (SRF) declaração do IRPF relativa ao exercício de 2.007, com dados falsos, almejando sonegar parte do tributo. A falsidade não foi detectada de início e a contribuinte efetuou pagamento do imposto. Meses depois, a SRF verificou o estratagema desta contribuinte e, de ofício, reviu o lançamento, e sem notificá-la a inscreveu em dívida ativa. Nesse caso, é legal a sua revisão de ofício? Qual(is) espécie(s) de

lançamento(s) trata este caso concreto? QUESTÃO OBJETIVA: Considere as três afirmações a seguir e assinale, abaixo, a alternativa correta: I - Dá-se o nome de crédito tributário ao valor que o sujeito ativo da obrigação tributária tem o direito de receber de sujeito passivo determinado, relativo a certo tributo, fixado consoante procedimento administrativo plenamente vinculado denominado lançamento. II – Quanto ao tributo, deve a autoridade administrativa ter em consideração a lei que, no período entre a data do fato gerador e a do lançamento, for mais favorável ao contribuinte. III – Quando o lançamento é efetuado pelo Fisco em razão de o contribuinte obrigado a declarar não ter apresentado sua declaração, diz-se que se trata de lançamento por declaração substitutiva. ( ) a. A primeira afirmação é verdadeira. As demais são falsas. ( ) b. A primeira e a segunda afirmações são verdadeiras. A terceira é falsa. ( ) c. A segunda afirmação é verdadeira. As demais são falsas. ( ) d. A terceira afirmação é verdadeira. As demais são falsas. ( ) e. A primeira afirmação é falsa. A segunda e a terceira são verdadeiras.

Título Número de aulas por semana Número de semana de aula Tema Objetivos

Suspensão da exigibilidade do crédito tributário. 2

2

Suspensão da exigibilidade do crédito tributário. Objetivos Específicos: Ao final da aula, o Aluno deverá:   entender em que consiste a suspensão da exigibilidade do crédito tributário e quais são seus efeitos; conhecer as causas de suspensão da exigibilidade e as principais questões controvertidas a respeito.

Estrutura de conteúdo

2 Suspensão da exigibilidade do crédito tributário 2.1 Conceito; 2.2 Efeitos; 2.3 Modalidades; 2.4. Questões controvertidas.

Recursos físicos

Projeção

de

slides –

utilizando e

retroprojetor –

ou

datashow POINT

(transparências

WORD

apresentações

POWER

disponíveis no site e no material distribuído). Uso da lousa branca e caneta Pilot. Caderno de Exercícios. Aplicação prática e teórica CASO CONCRETO: Determinada empresa prestadora de serviços de limpeza e manutenção de piscinas, sediada no Município de Guarapari/ES, pretende discutir judicialmente a incidência do ISSQN que lhe está sendo cobrado pelo Município de Vila Velha/ES. Ocorre que esta mesma empresa recebeu notificação do Município de Vila Velha/ES para efetuar o pagamento do ISSQN dos serviços nesse Município realizados. Inconformada, a empresa impetra mandado de segurança com pedido de liminar em face do Secretário das Finanças do Muncípio de Vila Velha/ES que a notificou, sob a alegação de a cobrança que está sendo feita ofende seu direito líquido e certo de efetuar o pagamento do ISSQN para o Município de Guarapari/ES, onde a empresa está sediada. Distribuído o feito, o magistrado despacha no sentido de que apreciará a liminar após a vinda das informações, para o que manda oficiar à autoridade coatora impetrada.

assinale a alternativa INCORRETA: a) autoriza a expedição de certidão positiva com efeitos negativos. a) O fato de a empresa ter impetrado mandado de segurança suspende a exigibilidade do crédito tributário? b) Caso o magistrado tivesse concedido a liminar do mandado de segurança. pelo descumprimento da empresa das obrigações tributárias acessórias? Respostas fundamentadas. b) impede a Fazenda Pública de ajuizar a execução fiscal.Neste intervalo. a empresa recebe a visita de um agente da Administração Tributária Municipal. . o agente fiscal estaria impedido de realizar o auto de infração. QUESTÃO OBJETIVA: Acerca da suspensão da exigibilidade do crédito tributário. d) impede a Fazenda Pública de promover o lançamento do respectivo crédito. que a autua pelo descumprimento de certas obrigações tributárias acessórias. c) impede a Fazenda Pública de promover a inscrição do débito na dívida ativa.

em especial sob o regime da substituição tributária progressiva. com o professor. 3. 3. 3 3 Extinção do crédito tributário.1 Efeitos.Título Número de aulas por semana Número de semana de aula Tema Objetivos Extinção do crédito tributário. Uso da lousa branca e caneta Pilot.Após a discussão e solução dos casos em sala de aula. o aluno deverá aperfeiçoar o seu trabalho. desenvolver pesquisa prévia sobre os temas objeto de estudo de cada semana.1 Enfoque especial sobre compensação e restituição de tributos. localizar sua disciplina normativa no CTN. preparando-se para debates em sala de aula. o Aluno deverá:     conhecer as causas extintivas da obrigação e do crédito tributários. necessariamente. ter visão geral sobre a restituição do indébito tributário. Aplicação prática e teórica 1. a doutrina e a jurisprudência e apresentar soluções. para que o docente rubrique e devolva no início da própria aula. citações de doutrina e/ou jurisprudência .3. ao lado de outras modalidades de restituição de tributos. Objetivos Específicos: Ao final da aula. o aluno depositará sobre a mesa do professor o material relativo aos casos pesquisados e pré-resolvidos. em especial a compensação. 2. antes de cada aula. Estrutura de conteúdo 3 Extinção do crédito tributário 3. por meio da resolução dos casos.Antes do início de cada aula. utilizando.O aluno deverá. apreender a controvérsia doutrinária e jurisprudencial acerca da restituição de tributos indiretos. pertinentes ao caso. 3. envolvendo a legislação.3 Modalidades. Recursos físicos Projeção de slides – utilizando e retroprojetor – ou datashow POINT (transparências WORD apresentações POWER disponíveis no site e no material distribuído).

transação. no entanto. via ação de repetição de indébito. decisão judicial ainda que não transitada em julgado. sendo possível. prescrição e decadência. ( ) d. Não obstante. uma vez que o ICMS é imposto indireto. o pedido de restituição. e na composição daquele preço o ICMS não foi incluído. No mérito. A Fazenda Estadual. bem como ocorreu a prescrição. Posteriormente.CASO CONCRETO: Durante os anos de 1989 a 1994 o Governo Federal. ( ) c. se são procedentes ou improcedentes as alegações apresentadas. na legislação e na jurisprudência. no qual ocorre a transferência do encargo financeiro. 166 do CTN. contestou o pedido alegando. compensação. a ilegitimidade da CIA AÉREA.em dobro. por descumprimento do art. em tese. aquele ICMS veio a ser considerado inconstitucional. através do extinto DAC (Departamento de Aviação Civil) tabelou os preços das passagens aéreas que as empresas cobrariam dos passageiros. QUESTÃO OBJETIVA As alternativas abaixo apresentam causas de extinção do crédito tributário. do ICMS indevidamente recolhido. com fundamento na doutrina. Imediatamente a CIA AÉREA VOE BEM ─ tempestivamente ─ pleiteou a restituição. EXCETO: ( ) a. . os Estados cobravam das Cias aéreas uma vultosa quantia a título de ICMS. em preliminar. sustenta a impossibilidade de devolução do valor pago em dobro. Enfrente todos os argumentos trazidos pelas partes e aborde. ( ) b.

o Aluno deverá:  distinguir a decadência do direito de lançar o tributo.Título Extinção do crédito tributário (continuação). A notificada impugnou.2 Contagem do prazo decadencial e prescrional. e respectivas características e peculiaridades.4 Questões controvertidas. da prescrição da ação de cobrança da Fazenda Pública. a fiscalização estadual lavrou auto de infração e notificou a empresa COMÉRCIO DE BRINQUEDOS EDUCATIVOS ABC LTDA. Estrutura de conteúdo 4 Decadência e prescrição do crédito tributário 4. Aplicação prática e teórica CASO CONCRETO: Em 10/05/2001. à luz das concepções clássicas e da teoria dos direitos potestativos. 4. especificamente quanto à contagem dos respectivos prazos e seus incidentes.   identificar outras modalidades de prescrição. 4. ter visão geral sobre as principais questões controvertidas a respeito. Número de aulas por semana 4 Número de semana de aula 4 Tema Extinção do crédito tributário (continuação). Objetivos Objetivos Específicos: Ao final da aula.1 Conceito. 4. sem . Uso da lousa branca e caneta Pilot.3 Prescrição de ações do contribuinte. em matéria tributária. Recursos físicos Projeção de slides – utilizando e retroprojetor – ou datashow POINT (transparências WORD apresentações POWER disponíveis no site e no material distribuído). para recolher ICMS relativo a fatos geradores ocorridos no período de 20/06/1999 a 31/12/1999.

notificada. ajuizou embargos à execução. a autuação e recorreu tempestivamente ao Conselho de Contribuintes. também desfavoravelmente ao contribuinte. vindo. sem qualquer despacho nem petição das partes. foi a sociedade dela QUESTÃO OBJETIVA: O enunciado abaixo que não se aplica à decadência tributária é: ( ) a. A contagem do prazo inicia-se na data em que se tornar definitiva a decisão que houver anulado. instância administrativa. vindo a ser julgado. em 10/10/2001. O prazo de decadência é de cinco anos. contudo. Pergunta-se: a) Procede a alegação de decadência? Se positivo. a executada ofereceu bens suficientes à penhora e. ( ) c. em 22/11/2007. Não advindo pagamento nem pedido de parcelamento. ( ) b.sucesso. o lançamento anteriormente efetuado. até 20/09/2001. Em face da sobrecarga de processos na 2a. a prescrição. em que data teria ocorrido? c) Quais as causas de suspensão e as de interrupção do prazo prescricional da ação de cobrança do crédito tributário? (Mencione os dispositivos legais) d) Esgotado o prazo prescricional dessa ação. alegando haver ocorrido a decadência e. foi o crédito tributário inscrito em dívida ativa. em 20/06/2001. esgotando-se o prazo para pagar o Publicada a débito em decisão (e o aresto unânime) em 15/10/2001. Citada. o que se extingue: o direito de ação ou o próprio crédito tributário? e) A prescrição pode ser reconhecida de ofício pelo juízo? Respostas fundamentadas. 22/10/2001. ad argumentandum. a execução fiscal a ser ajuizada somente em 29/11/2007. efetuada esta. por vício formal. quando ocorreu? b) Procede a alegação de prescrição? Se positivo. A contagem do prazo inicia-se no primeiro dia do exercício . o recurso restou paralisado.

seguinte ao daquele em que o lançamento poderia ter sido efetuado. . ( ) d. A contagem de seu prazo inicia-se na data da inscrição do crédito tributário em dívida ativa.

com relação a determinadas condutas – que a lei especifica – da legislação concernente a taxas municipais de poder de polícia.Título Número de aulas por semana Número de semana de aula Tema Objetivos Exclusão do crédito tributário. 5. saber classificar as isenções tributárias e distingui-las quanto à eficácia de sua revogação. 5. b) o cancelamento das multas formais e de mora lavradas por infringência da legislação do ISS.1. anistia. . o Aluno deverá:   apreender a disciplina do CTN sobre a exclusão do crédito tributário e as críticas doutrinárias a respeito. 5 5 Exclusão do crédito tributário. atinentes ao IPTU e de valores inferiores a 2 UNIFs (unidade fiscal do Município considerado). Recursos físicos Projeção de slides – utilizando e retroprojetor – ou datashow POINT (transparências WORD apresentações POWER disponíveis no site e no material distribuído). 5.1.1 Conceito. Estrutura de conteúdo 5 Exclusão do crédito tributário. seja recolhido integralmente o tributo acaso devido.3 Eficácia da revogação das isenções. isenção e/ou revogação de sanção. c) a anistia para as infrações que viessem a ser praticadas. determina: a) o cancelamento de débitos tributários anteriores à sua vigência. Modalidades: isenção e anistia. desde que. Objetivos Específicos: Ao final da aula.2 Classificações. Uso da lousa branca e caneta Pilot. Aplicação prática e teórica CASO CONCRETO: Lei municipal. no prazo de 90 dias. 5. Esclareça justificadamente se alguma dessas disposições (e qual ou quais) configura hipótese de remissão. dispondo exclusivamente sobre matéria tributária. acrescido de juros de mora e atualização monetária.1.1.

as infrações cometidas com dolo ou culpa pelas pessoas jurídicas beneficiadas. assinale a opção correta. Nessa situação hipotética e de acordo com as normas atinentes ao crédito tributário. (B) Não se aplica a anistia às infrações cometidas anteriormente à vigência da lei. (D) A lei concessiva da anistia abrange. em razão de condições que lhes são peculiares. também. cometidas pelas jurídicas .QUESTÃO OBJETIVA: Considere-se que a União conceda anistia tributária abrangendo infrações cometidas por pessoas jurídicas domiciliadas em certa região brasileira. (A) A anistia abrange penais as infrações administrativas pessoas e as contravenções beneficiadas. (C) Não se aplica a anistia a atos praticados com simulação pelas pessoas jurídicas beneficiadas.

1 Fiscalização. Ocorre que está devendo ao Estado do Rio de Janeiro. Estrutura de conteúdo 6.2. adquiriu dois veículos utilitários. Pergunta-se: . a título de ICMS.3. Número de aulas por semana Número de semana de aula Tema 6 6 Garantias.3. Certidões. Uso da lousa branca e caneta Pilot. Objetivos Objetivos Específicos: Ao final da aula.2 Administração tributária. Administração tributária.3 Sigilos 6. Caderno de Exercícios. 6.3 Sigilo fiscal.3.Título Garantias.1 Garantias e privilégios do crédito tributário. Administração tributária. no valor de R$ 50 mil cada. Aplicação prática e teórica CASO CONCRETO: A empresa XYZ Comércio Ltda. 6. e não possui outros bens. 6. 6. o Aluno deverá:  ter conhecimento sobre as garantias (de direito material) e os privilégios (de direito processual) do crédito tributário. Garantias e privilégios do crédito tributário. Certidões.  conhecer o âmbito da fiscalização tributária e os deveres desta (perante o contribuinte). Sigilos. assegurados pelo CTN. por contrato de leasing.1 Sigilo profissional. Recursos físicos Projeção de slides – utilizando e retroprojetor – ou datashow POINT (transparências WORD apresentações POWER disponíveis no site e no material distribuído).2 Sigilo bancário. Garantias e privilégios do crédito tributário. Sigilos. 6. privilégios e preferências do crédito tributário.2. pelo CPC e pela LEF. a importância de R$ 150 mil. bem assim deste (perante a fiscalização). 6. privilégios e preferências do crédito tributário.2 Certidões negativas.  saber quais os direitos do contribuinte em matéria de obtenção de certidões e distinguir as modalidades destas. faltando efetuar o pagamento das três últimas parcelas mensais.

devem regulados em uma lei de caráter geral. devem ser regulados na legislação tributária. não se exercem em relação a pessoas jurídicas de direito público que gozem de imunidade. em matéria de fiscalização tributária. assinale a alternativa correta: ( ) a. . a competência e os poderes das autoridades administrativas. dos Estados e dos Municípios. ( ) e. ( ) c. em caráter geral ou especificamente em função da natureza do tributo de que se tratar. não se exercem em relação a quaisquer pessoas jurídicas que gozem de imunidade ou isenção.Podem esses veículos ser penhorados em execução fiscal. como garantia do crédito tributário? QUESTÃO OBJETIVA: De acordo com o CTN. aplicável a todos os tributos da União. ( ) b. inclusive as de direito privado. não se podem exercer sobre as pessoas naturais que gozem de isenção de caráter pessoal. ( ) d.

Número de aulas por semana Número de semana de aula Tema 7 7 Dívida ativa e execução fiscal.2 Exceção de pré-executividade. Recursos físicos Projeção de slides – utilizando e retroprojetor – ou datashow POINT (transparências WORD apresentações POWER disponíveis no site e no material distribuído).1 Embargos à execução fiscal. entender o que significa ordem econômica e relacioná-la com as teorias econômicas do direito. Estrutura de conteúdo 7 Dívida ativa e execução fiscal. 7.6 Medida cautelar fiscal. saber relacionar (e localizar na legislação) os efeitos jurídicos decorrentes do ato de inscrição em dívida ativa.1. 7.5.7 Arrolamento administrativo.1 Termo de inscrição em dívida ativa.4 Nulidade da CDA.Título Dívida ativa e execução fiscal. 7.1.     conhecer a legislação de regência (CTN. 7.830/80. bem como perceber as acepções e modalidades da expressão “dívida ativa”. 7. 7.5.5.5 Processo e procedimento da ação de execução fiscal. 7. LEF). Lei 6. Objetivos Objetivos Específicos: Ao final da aula. Defesas do executado.2 Nulidade do termo de inscrição em dívida ativa.3 Certidão de inscrição em dívida ativa (CDA). .1. o Aluno deverá:  conceituar dívida ativa e seu ato de inscrição. identificar os possíveis defeitos do lançamento tributário que podem afetar a inscrição em dívida ativa. 7. 7. 7.

documentadamente. interpostos pelo sócio-gerente. visto ser ele sócio-gerente da devedora e responsável tributário. Pergunta-se: a) É nula a certidão de dívida ativa? b) A nulidade no Direito Tributário é semelhante à nulidade no Direito Civil? Justifique todas as respostas. ( ) c. interpostos pela sociedade. momento a partir do qual deixou de adimplir seu parcelamento. Aplicação prática e teórica CASO CONCRETO: Em embargos à execução fiscal. Em tal peça. ação anulatória do lançamento que ensejou o título executivo. interpostos pelo sócio que teve o bem penhorado. . como representante da empresa e tornando-o depositário. constante em parcelamento realizado com a Fazenda Pública. fundada em atraso no recolhimento de tributo contabilizado. O procedimento judicial cabível contra tal penhora será: ( ) a. QUESTÃO OBJETIVA: Questões objetivas: Em processo de execução fiscal promovido contra sociedade regularmente constituída. embargos de devedor.Uso da lousa branca e caneta pilot. intimandoo da penhora. embargos de terceiro. ( ) d. ( ) b. embargos de devedor. Ocorre que a Fazenda estava executando pelo valor total. sem citá-lo. e ela alegou que o título fazendário era nulo. pois continha excesso de execução. que havia efetuado o pagamento de parcela do crédito tributário. penhora bem de sócio-gerente. o Oficial de Justiça. Francisca Silva alegou. esclarece a contribuinte que foi demitida de seu emprego há quatro meses. na falta de bens próprios da empresa.

8. 8 8 Processo administrativo fiscal federal. 8.2 Legislação.3 A consulta.1 Princípios constitucionais. para um hotel). 8. 8. . Recursos físicos Projeção de slides utilizando retroprojetor ou datashow (transparências – WORD e apresentações – POWER POINT disponíveis no site e no material distribuído). Uso da lousa branca e caneta Pilot.4. o Aluno deverá:  ter visão panorâmica ordenada sobre os princípios constitucionais e infraconstitucionais aplicáveis ao processo administrativo tributário. conhecer as críticas doutrinárias acerca dessa legislação e seus principais pontos polêmicos.4 Os órgãos julgadores 8. com o intuito de ver confirmado o seu entendimento no sentido de que está imune ao pagamento do IPTU sobre imóveis de sua propriedade. sobretudo no plano federal.Título Número de aulas por semana Número de semana de aula Tema Objetivos Processo administrativo fiscal federal.1 Estrutura. 8.5 Rito procedimental.    identificar a legislação de regência do tema. Estrutura de conteúdo 8 Processo administrativo-fiscal federal 8. Aplicação prática e teórica CASO CONCRETO: A instituição de educação ENSINO CERTO ingressou com consulta perante determinada municipalidade. locados para terceiros (um imóvel está locado para uma padaria e outro.4.2 Composição. na área federal. ter noção sobre os procedimentos especiais e sobre o procedimento contencioso ordinário. 8. Objetivos Específicos: Ao final da aula.6 Questões controvertidas.

A autoridade administrativa fica impedida de efetuar o lançamento. . A autoridade administrativa deve efetuar o lançamento para evitar a ocorrência da decadência. pois a Procuradoria Municipal emitiu parecer no sentido de que somente estariam atingidos pela imunidade os imóveis utilizados na consecução dos fins essenciais da mencionada entidade de educação. Diante da decisão suspensiva. III. II. uma vez que o Código Tributário Nacional afirma que a atividade administrativa do lançamento é vinculada e obrigatória. apontando. Apenas as assertivas I e II estão corretas. Apenas a assertivas I e III estão corretas. ao pagamento do referido tributo. sob pena de estar violando. o contribuinte logra obter antecipação dos efeitos da tutela com o fito de suspender a exigibilidade do crédito.A resposta do referido município foi negativa. ( ) a. no entender da municipalidade. a locação de bens a terceiros não constituiria instituição. QUESTÃO OBJETIVA Considerando que a Lei X trazia hipótese de incidência (fato gerador) de constitucionalidade duvidosa. analise as assertivas seguintes. ao mesmo tempo. A autoridade administrativa deve efetuar o lançamento para prevenir sua responsabilidade. ( ) b. Apenas a assertiva II está correta. ( ) c. Portanto. com o objetivo de não se ver constrangido. de imediato. comando do Código Tributário Nacional e Ordem Judicial. determinado contribuinte – cuja atividade envolve a prática daquele fato – ingressa em Juízo questionando-a. após. a alternativa correta: I. extinguirá o crédito tributário. sob pena de responsabilidade funcional. Apenas as assertivas II e III estão corretas. Tendo em vista o acima exposto responda: a) b) Qual o objetivo do processo de consulta? Como advogado da instituição qual a medida judicial mais uma atividade essencial da aludida célere e menos custosa possível. que caso ocorra. ( ) d. Antes mesmo da autoridade competente promover o devido lançamento embora já tivesse ocorrido o fato gerador.

o Aluno deverá: identificar as ações judiciais de uso do contribuinte e da Fazenda Pública. suas modalidades. 9. 9 9 Processo Judicial Tributário.6 Diferença entre mandado de segurança e açao ordinaria. pois sem as mesmas a empresa teria seu funcionamento comprometido e acabaria sofrendo prejuízos incalculáveis.1. 9. 9. Acontece que. a(s) medida(s) judicial(ais) cabíveis. Uso da lousa branca e caneta Pilot. o contribuinte solicitou a liberação das mercadorias. estabelecida no Município Itabuna/BA. teve mercadorias suas apreendidas por Agentes Fiscais do Estado de Salvador. bem assim a respectiva legislação de regência. à disposição do contribuinte.5 Procedimento. qual medida judicial você .2 Natureza Juridica. a fiscalização condicionou tal liberação ao pagamento do tributo (diferença apurada). Estrutura de conteúdo 9 Processo judicial tributário 9. diante de casos práticos. Recursos físicos Projeção de slides utilizando retroprojetor ou datashow (transparências – WORD e apresentações – POWER POINT disponíveis no site e no material distribuído).1.1. saber escolher. Perguntase: 1) Na condição de advogado da C&C LTDA. natureza e rito procedimental. 9. pessoa jurídica.1 Mandado de segurança.1. diferenciar o mandado de segurança da açao ordinaria.1 Legislaçao.4 Legitimidade ativa e passiva. sob alegação de que o imposto destacado nas notas fiscais era inferior ao devido. na referida capital. 9.3 Requisitos. Objetivos Específicos: Ao final da aula.Título Número de aulas por semana Número de semana de aula Tema Objetivos Processo Judicial Tributário. em 30 de dezembro de 2007. entender o procedimento do mandado de segurança.1. 9. Após a lavratura do auto de infração. Aplicação prática e teórica CASO CONCRETO: C&C LTDA.1.

consignatória e declaratória. 2) Qual é o Juízo competente para apreciar a medida judicial? 3) Qual(is) o(s) principal (is) argumento(s) jurídico(s) a ser(em )utilizados no caso em apreço? Fundamente suas respostas. . ( ) c. ação popular. ações diretas de inconstitucionalidade e de constitucionalidade. mandado de segurança. mandado de segurança coletivo. ( ) d. ( ) b. repetitória e ação civil pública. ação de restituição e execução fiscal. ação cautelar. produção antecipada de prova e medida cautelar fiscal.tomaria? Considere a necessidade de urgência na liberação da carga. antecipação de tutela. QUESTÃO OBJETIVA: São espécies de medidas judiciais em defesa dos interesses do pretenso sujeito passivo da obrigação tributária: ( ) a. ação anulatória de lançamento.

. Sem prévio conhecimento do sujeito passivo da obrigação tributária. à disposição do contribuinte.4 Ação de consignação em pagamento.3 Ação de repetição de indébito. 10.3 Arguição de descumprimento de preceito fundamental. a(s) medida(s) judicial(ais) cabíveis.6 Ações constitucionais.6.Título Número de aulas por semana Número de semana de aula Tema Objetivos Processo Judicial Tributário (continuação). 10. Recursos físicos Projeção de slides utilizando retroprojetor ou datashow (transparências – WORD e apresentações – POWER POINT disponíveis no site e no material distribuído). sem ter logrado êxito na obtenção de uma medida liminar que pudesse suspender a exigibilidade de seu crédito. propôs Ação Anulatória de Débito Fiscal.). diante de casos práticos. Aplicação prática e teórica CASO CONCRETO: José da Silva. 10. produção antecipada de prova etc. busca e apreensão. arresto. 10 10 Processo Judicial Tributário (continuação) Objetivos Específicos: Ao final da aula. Estrutura de conteúdo 10 Processo judicial tributário (continuação) 10. natureza e rito procedimental.1 Ação direta de inconstitucionalidade. 10. o Aluno deverá:  identificar as ações judiciais anti exacionais.1 Ação declaratória. exibição de documento. Uso da lousa branca e caneta Pilot. suas modalidades. 10.6.6. distinguir entre si os casos de cabimento da espécie de açao ou demanda. 10.4 Representação de inconstitucionalidade perante o Tribunal de Justiça.5 Ações cautelares (inominada de depósito.   saber escolher. 10.2 Ação declaratória de constitucionalidade. bem assim a respectiva legislação de regência. 10. 10.2 Ação anulatória de lançamento tributário.6. cidadão brasileiro.

pois a realização do depósito apenas suspende a exigibilidade do crédito. ( ) c. pois o processo deveria ser extinto com o julgamento do mérito. O pleito foi rejeitado por haver impeditivo nas regras de organização judiciárias – que somente estabelecem competência ao juízo do setor das execuções fiscais da fazenda pública para o julgamento das execuções fiscais e seus embargos. mesmo após ser regularmente intimado a fazê-lo. a requerimento da Fazenda Pública. A sentença está: ( ) a. . ( ) d. errada. errada. pleiteou a reunião dos processos no juízo prevento. pois o depósito representa a garantia do Fisco de que o tributo será pago no caso de improcedência da ação. QUESTÃO OBJETIVA: Proposta ação anulatória de débito fiscal inscrito. ( ) b. o Juiz extinguiu o feito sem julgamento do mérito. correta.pendia Execução Fiscal com o objetivo de cobrar o mesmo débito. reputando ausente um pressuposto para o regular desenvolvimento do processo. na espécie. pois a realização do depósito é um dos pressupostos de desenvolvimento regular do processo. Analise a conveniência da reunião dos processos referentes à ação anulatória com ação de execução fiscal. tendo em vista o objeto das duas demandas e identifique a posição jurisprudencial sobre o tema. correta. Considerando que os argumentos apontados naquela ação de conhecimento deveriam ser trazidos também nos embargos à execução fiscal. já que encerrada a ação não será possível nova discussão judicial do débito. o contribuinte deixa de efetuar o depósito do respectivo valor em discussão. e sua inexistência não impede a ação judicial. Tendo em vista a ausência do depósito.

3 União Européia e Mercosul. 11.1 Impostos sobre a Importação e sobre a exportação 11.1 Legislação. Estrutura de conteúdo 11 Globalização e integração econômicas 11.1.2 Fases do processo de integração. regimes aduaneiros especiais e atípicos).5 Impostos sobre o comércio exterior 11. Recursos físicos Projeção de slides utilizando retroprojetor ou datashow .5.1 Conceitos.5 Regimes aduaneiros especiais e atípicos.3 Princípios.  conhecer os principais aspectos dos impostos de importação e de exportação (legislação básica.  saber caracterizar as fases (ou graus) de integração econômica e sua influência progressiva sobre os sistemas tributários nacionais. 11. Número de aulas por semana Número de semana de aula Tema 11 11 Globalização e integração econômica. 11.5.1.2 Conceitos básicos. conceitos fundamentais. 11.5.  ter notícia acerca dos principais blocos econômicos existentes.4 Reflexos sobre o sistema tributário brasileiro.1. Impostos sobre o comércio exterior. elementos da obrigação tributária.4 Obrigação tributária.5. 11. o Aluno deverá:  ter visão geral sobre os processos de globalização e integração econômica. 11. Objetivos Objetivos Específicos: Ao final da aula.5. 11. a Nafta e a nascente Alca. e sobre a harmonização tributária.5. como instrumento desta. em especial sobre a União Européia e o Mercosul.1.Título Globalização e integração econômica. Impostos sobre o comércio exterior. 11.1.

por consequência. Nesse sentido. B) a CIDE. na hipótese de a contribuinte efetuar o pagamento a menor? QUESTÃO OBJETIVA 2. Transcorridos dois dias após a chegada dos sapatos em território nacional. C) a contribuição de melhoria. as mercadorias são apenas parcialmente descarregadas. Pergunta-se: a) Qual alíquota deve ser aplicada ao caso concreto? Justifique. no intuito de proteger a produção nacional. o que acaba impedindo o preposto da Empresa efetuar o registro da declaração de importação e. D) a contribuição de iluminação pública. incluindo em seu custo operacional o valor do Imposto de Importação.(transparências – WORD e apresentações – POWER POINT disponíveis no site e no material distribuído). Quando tem por fato gerador uma situação que independe de qualquer atividade estatal específica relativa ao contribuinte. no momento da entrada da mercadoria no território nacional. Aplicação prática e teórica CASO CONCRETO: A Empresa W Comércio. o qual. a incidir sobre sapatos. o Governo Brasileiro. possuía uma alíquota de 5% . realizar o pagamento do mencionado tributo. diz-se que o tributo é não-vinculado. importa sapatos da China. Em razão de uma greve dos trabalhadores avulsos do Porto. Importação e Exportação Ltda. b) Qual o tipo de lançamento está sujeito o Imposto de Importação? E para complementar o montante do Imposto. . altera a alíquota do Imposto de Importação. para 15 % (quinze por cento). é tributo nãovinculado A) o imposto de importação. Uso da lousa branca e caneta Pilot.

Para tanto.Título Número de aulas por semana Número de semana de aula Tema Objetivos Impostos sobre a produção e a circulação: IPI. ao IOF e ao ICMS. a legislação básica de regência. IOF e ICMS 12. 12 12 Impostos sobre a produção e a circulação: IPI. saber. 12.6 Os impostos sobre a circulaçao e referências e PIS e COFINS. em especial quanto ao IPI. Estrutura de conteúdo 12 Impostos sobre a produção e a circulação: IPI. conhecer as peculiaridades.7 Algumas questões controvertidas. precisa encaminhar estas máquinas para suas filiais localizadas dentro do Estado de São . o Aluno deverá:    ter visão geral acerca dos impostos sobre a produção e a circulação. do Estado de São Paulo.1 Legislação. Recursos físicos Projeção de slides utilizando retroprojetor ou datashow (transparências – WORD e apresentações – POWER POINT disponíveis no site e no material distribuído). 12. Objetivos Específicos: Ao final da aula. 12. 12. embora de maneira específica. obrigação respectiva e algumas questões polêmicas. quanto ao IPI. Uso da lousa branca e caneta Pilot.2 Conceitos básicos. ao IOF e ao ICMS. além dos impostos. Aplicação prática e teórica CASO CONCRETO: Determinada empresa.3 Princípios. realiza a locação de suas máquinas de cópias para diversas empresas do país. com sede no Município de Ourinhos.4 Obrigação tributária. contribuições especiais que também se sujeitam ao princípio da não cumulatividade. IOF e ICMS. 12. características e vantagens dos impostos sobre o valor agregado e técnica utilizada. a produção e a circulação de bens e serviços sofre a incidência de PIS e COFINS.  perceber que. 12. da os conceitos tributária fundamentais.5 Substituição tributária. os os princípios elementos aplicáveis. IOF e ICMS.

. Pergunta-se: Há incidência do ICMS nas transferências de máquinas entre estabelecimentos da mesma pessoa jurídica. legislação e jurisprudência. situados no próprio ou em outro Estado? Resposta fundamentada na doutrina.Paulo e em outros Estados da Federação.

13. Estrutura de conteúdo 13. as normas complementares que dirimem os possíveis conflitos de competência. o Aluno deverá:  conhecer os aspectos fundamentais do ISS. O quarto imposto sobre a produção e a circulação: o ISSQN. e os elementos da obrigação tributária  ter notícia das principais questões controvertidas.Título O quarto imposto sobre a produção e a circulação: o ISSQN. quanto ao Imposto de Renda. Objetivos Objetivos Específicos: Ao final da aula. correspectiva.2 Regimes de bases de cálculo. Recursos físicos Projeção de slides utilizando retroprojetor ou datashow (transparências – WORD e apresentações – POWER POINT disponíveis no site e no material distribuído). as regras matrizes de incidência. Impostos sobre renda e proventos e o IGF. Número de aulas por semana Número de semana de aula Tema 13 13 O quarto imposto sobre a produção e a circulação: o ISSQN. qual a legislação básica de regência.   ter uma visão panorâmica acerca dos impostos que recaem sobre a renda e o patrimônio. e algumas questões controvertidas. em face da Lei Complementar 116/03. relativos à legislação de regência. saber. os regimes de base de cálculo (e tributação). os conceitos básicos e os elementos da obrigação tributária.3 Algumas questões controvertidas. 13. o âmbito de incidência. em especial acerca do ISS. Uso da lousa branca e caneta Pilot. e vai ao seu escritório de . 13. Aplicação prática e teórica CASO CONCRETO: DORVANILDO SILVA vai fazer pela primeira vez sua declaração de imposto de renda de pessoa física (IRPF). Impostos sobre renda e proventos e o IGF. E Impostos sobre renda e proventos e o IGF. os princípios aplicáveis.1 Conceitos fundamentais.

na data de sua publicação. ( ) d. normalmente: ( ) a. na data neles prevista. 30 dias após sua publicação. Responda todas às questões de forma fundamentada. . ( ) c. QUESTÃO OBJETIVA: Os dispositivos de lei que majoram o Imposto de Renda têm eficácia. ( ) b.advocacia para lhe fazer às seguintes perguntas: a) Qual é o ente da Federação competente para instituir o imposto de renda? Esta competência tributária pode ser delegada? b) Os valores provenientes de indenizações são tributados por meio do imposto de renda? Por quê? c) Diferencie renda de proventos e dê um exemplo de cada. no 1º dia do exercício seguinte ao da sua vigência.

5 Fatos geradores.1 Legislação. por meio de subscrição de aumento de capital integraliza parte de seu aporte com um armazém de sua .Título Os impostos de transmissão: ITCMD e ITBI. admitido como sócio em empresa limitada cujo objeto social é o comércio de cereais. os princípios aplicáveis. tais como a legislação de regência.  ter notícia das principais controvérsias doutrinárias e jurisprudenciais sobre esses impostos. o Aluno deverá:  conhecer os aspectos fundamentais acerca dos impostos objeto da aula. o IPTU e o IPVA: legislação e conceitos básicos.4 Elementos da obrigação tributária. 14. O ITR. Os impostos de transmissão: ITDCMD e ITBI 14. Recursos físicos Projeção de slides utilizando retroprojetor ou datashow (transparências – WORD e apresentações – POWER POINT disponíveis no site e no material distribuído). Uso da lousa branca e caneta Pilot. a regra matriz de incidência.2 Conceitos básicos.3 Princípiosç 14. Número de aulas por semana Número de semana de aula Tema 14 14 Os impostos de transmissão: ITCMD e ITBI. Objetivos Objetivos Específicos: Ao final da aula. Impostos residuais e extraordinários. elementos da obrigação tributária. 14. Algumas questões polêmicas. Aplicação prática e teórica CASO CONCRETO: José Rocha. os conceitos básicos e os elementos da obrigação tributária respectiva. Estrutura de conteúdo 14. princípios. 14.

em face do conflito de competências tributárias. . em virtude de desentendimentos com outros sócios. um apartamento e um terreno localizados no estado do Rio de Janeiro. também por meio de escritura pública. mediante escritura pública. como parte de sua retirada de capital.propriedade. ( ) d. À União. Pergunta-se: há incidência do ITBI – Imposto de Transmissão Inter Vivos em alguma das duas transmissões ocorridas? QUESTÃO OBJETIVA: Agripino falece no Estado de Santa Catarina. retira-se da sociedade e. desincorpora esse imóvel. e volta a integrá-lo em seu patrimônio pessoal. Seis meses depois. Pergunta-se: A quem cabe o Imposto de Transmissão causa mortis? ( ) a. deixando para seu único herdeiro e filho Ivaldo. Ao Estado do Rio de Janeiro. com o assentimento de todos. Ao Estado de Minas Gerais. Ao Estado de Santa Catarina. ( ) b. residente e domiciliado no estado de Minas Gerais. ( ) c.

Entende o proprietário do veículo automotor que os Estados não podem inovar a ordem jurídica na ausência de Lei Complementar sobre o tributo em exame. 15.Impostos residuais e extraordinários. o Aluno deverá:  conhecer os aspectos fundamentais acerca dos impostos objeto da aula.2 Conceitos básicos.   ter notícia da das principais de controvérsias a União doutrinárias e jurisprudenciais sobre esses impostos.1 Legislação.3 Princípios. .Título Número de aulas por semana Número de semana de aula Tema Objetivos Os impostos sobre a propriedade: ITR e o IPTU e o IPVA.5 Algumas questões polêmicas. a regra matriz de incidência. 15. saber possibilidade instituir impostos residuais (como o IPMF) e impostos extraordinários. nas hipóteses previstas constitucionalmente. Recursos físicos Projeção de slides utilizando retroprojetor ou datashow (transparências – WORD e apresentações – POWER POINT disponíveis no site e no material distribuído).4 Elementos da obrigação tributária. 15. Objetivos Específicos: Ao final da aula. Aplicação prática e teórica CASO CONCRETO: Determinado proprietário de veículo automotor (VECTRA-GT) ajuíza ação anulatória de lançamento do IPVA. A liminar pleiteada foi indeferida. Estrutura de conteúdo 15. inciso III da CRFB/88. 15 15 Os impostos sobre a propriedade: ITR e o IPTU e o IPVA. e a ausência de dispositivos no Código Tributário Nacional acerca do IPVA. tendo como argumentos o texto do artigo 146. os conceitos básicos e os elementos da obrigação tributária respectiva. Os impostos sobre a propriedade: ITR e o IPTU e o IPVA 15. Uso da lousa branca e caneta Pilot. tais como a legislação de regência. os princípios aplicáveis. 15. já que a tributação não teria suporte constitucional.

( ) b. porém ambos poderão ter alíquotas progressivas no tempo de modo a atender a função social da propriedade. Somente o ITR poderá ter alíquotas progressivas no tempo de modo a atender a função social da propriedade. defendendo a tributação em comento. mas só o IPTU poderá ter alíquotas progressivas no tempo de modo a atender a função social da propriedade. ( ) a. . Considerando a progressividade de alíquotas do IPTU e do ITR na atual redação da Constituição. já que a ausência da Lei Complementar geral não impossibilita a cobrança do IPVA. ( ) c. declinando os fundamentos jurídicos pertinentes.O Estado do Rio de Janeiro apresenta contestação. ( ) d. Decida a questão. Ambos poderão ter alíquotas progressivas em razão do valor do imóvel. e ambos poderão ter alíquotas progressivas em razão do valor do imóvel. Ambos poderão ter alíquotas progressivas no tempo de modo a atender a função social da propriedade e também poderão ter alíquotas progressivas em razão do valor do imóvel. assinale a opção correta. Somente o IPTU poderá ter alíquotas progressivas em razão do valor do imóvel. QUESTÃO OBJETIVA: 2.