P. 1
Regras ABNT

Regras ABNT

|Views: 192|Likes:
Publicado porAnanias Cavalcante

More info:

Published by: Ananias Cavalcante on May 28, 2012
Direitos Autorais:Attribution Non-commercial

Availability:

Read on Scribd mobile: iPhone, iPad and Android.
download as PDF, TXT or read online from Scribd
See more
See less

02/04/2014

pdf

text

original

Sections

  • APRESENTAÇÃO
  • 1 DIRETRIZES PARA A ELABORAÇÃO DO DIAGNÓSTICO ORGANIZACIONAL
  • 1.1 TIPOLOGIA DA PESQUISA
  • 1.2 METODOLOGIA DA PESQUISA
  • 1.2.1 A Natureza da Pesquisa
  • 1.2.2 Os Meios de Investigação
  • 1.2.3 Os Métodos de Coleta de Dados
  • 1.2.4 As Técnicas de Coleta de Dados
  • 1.2.5 Os Instrumentos de Coleta de Dados
  • 1.3 ESTRUTURA DE UM DIAGNÓSTICO ORGANIZACIONAL
  • 2 DIRETRIZES PARA A ELABORAÇÃO DO PROJETO
  • 2.1 NORMATIZAÇÃO PARA A ELABORAÇÃO DE PROJETOS
  • 2.2 ETAPAS DO PROJETO
  • 2.2.1 Capa
  • 2.2.2 Folha de Rosto
  • 2.2.3 Sumário
  • 2.2.4 Apresentação
  • 2.2.5 Justificativa
  • 2.2.6 Formulação do Problema
  • 2.2.7 Objetivos
  • 2.2.8 Fundamentação Teórica
  • 2.2.9 Caracterização da empresa
  • 2.2.10 Metodologia do Projeto
  • 2.2.11 Cronograma
  • 2.2.12 Referências
  • 2.2.13 Anexo ou Apêndice
  • 3.1 ETAPAS DA IMPLEMENTAÇÃO
  • 3.1.1 Apresentação
  • 3.1.2 Fundamentação Teórica
  • 3.1.3 Planejamento (Plan)
  • 3.1.4 Desenvolvimento (Do)
  • 3.1.5 Checagem (Check)
  • 3.1.6 Ação (ACT)
  • 3.2 CONCLUSÃO E RECOMENDAÇÕES
  • 4 ESTRUTURA DO RELATÓRIO FINAL
  • 4.1 NORMAS PARA FORMATAÇÃO
  • 4.1.1 Regras Resumidas de Apresentação
  • 4.1.2 Elementos Pré-textuais
  • 4.1.3 Elementos Textuais
  • 4.1.4 Elementos Pós-Textuais
  • REFERÊNCIAS

M

ANUAL DO

E

STÁGIO EM

A

DMINISTRAÇÃO

MANAUS 2011

CENTRO UNIVERSITÁRIO DO NORTE Laureate International Universities CURSO DE ADMINISTRAÇÃO

MANUAL DO ESTÁGIO EM ADMINISTRAÇÃO
VERSÃO 09 - FEVEREIRO DE 2010

MANAUS 2011

Mantenedor
Waldery Areosa Ferreira

Reitora
Maria Hercília Tribuzy de Magalhães Cordeiro, MSc.

Pró-Reitora Acadêmica:
Leny Xavier Louzada

Diretora de Ensino de Graduação:
Maria Izolda de Oliveira Barreto

Diretor de Pós-Graduação e Pesquisa:
Tristão Sócrates Baptista Cavalcante, Dr.

Diretora de Extensão:
Júlia Cristina Silveira Camilotto, MSc.

Coordenadores do Curso de Administração:
Antônio Giovanni Figliuolo Uchôa, MSc. Kelly Anne de Oliveira Corrêa, MSc. Maria Leônia Alves do Vale, MSc. Rosy Jane Holanda de Souza, MSc.

Coordenador do Estágio Supervisionado:
Antônio Giovanni Figliuolo Uchôa, MSc.

Comissão de Estágio Supervisionado:
Antônio Giovanni Filgiuolo Uchôa, MSc Antônio Carlos Polesel Pizzello, MSc. Jonis Angelim da Silva, MSc. Kelly Anne Corrêa de Oliveira, MSc. Rejane Flores da Costa Bonfim, MSc. Marcello Pires Fonseca, Esp. Niedja Maria Linhares Silva, Esp.

Autores Colaboradores
Aline Santos Monteiro, MSc Ana Rosa Lago Cecílio, Esp. Ana Claudia Leal Vasconcelos, MSc. Marivam Tavares dos Santos, MSc Mônica Teixeira Accioli, Esp. Jonis Angelim da Silva, MSc. Simônica Lima de Carvalho, Esp. Wenderson Farias Pinto, Esp.

SUMÁRIO

APRESENTAÇÃO ...................................................................................................... 5 1 DIRETRIZES PARA A ELABORAÇÃO DO DIAGNÓSTICO ORGANIZACIONAL 6 1.1 TIPOLOGIA DA PESQUISA ................................................................................. 6 1.2 METODOLOGIA DA PESQUISA.......................................................................... 6 1.2.1 A Natureza da Pesquisa ................................................................................... 7 1.2.2 Os Meios de Investigação................................................................................ 7 1.2.3 Os Métodos de Coleta de Dados ..................................................................... 8 1.2.4 As Técnicas de Coleta de Dados .................................................................... 8 1.2.5 Os Instrumentos de Coleta de Dados ........................................................... 11 1.3 ESTRUTURA DE UM DIAGNÓSTICO ORGANIZACIONAL ............................. 20 2 DIRETRIZES PARA A ELABORAÇÃO DO PROJETO ........................................ 23 2.1 NORMATIZAÇÃO PARA A ELABORAÇÃO DE PROJETOS ........................... 24 2.2 ETAPAS DO PROJETO ..................................................................................... 24 2.2.1 Capa................................................................................................................. 26 2.2.2 Folha de Rosto ............................................................................................... 26 2.2.3 Sumário ........................................................................................................... 26 2.2.4 Apresentação.................................................................................................. 29 2.2.5 Justificativa ..................................................................................................... 29 2.2.6 Formulação do Problema .............................................................................. 30 2.2.7 Objetivos ......................................................................................................... 30 2.2.8 Fundamentação Teórica ................................................................................ 31 2.2.9 Caracterização da empresa ........................................................................... 31 2.2.10 Metodologia do Projeto................................................................................ 32 2.2.11 Cronograma .................................................................................................. 35 2.2.12 Referências ................................................................................................... 36 2.2.13 Anexo ou Apêndice ...................................................................................... 36

40 3........ 67 4............ 37 3................... 39 3................ 39 3.......... 82 ................................................................................................ 39 3........................................................................................4 Desenvolvimento (Do)............................5 Checagem (Check) ....................................................................................................................................................2 Elementos Pré-textuais ...........................................................3 Planejamento (Plan) ........................1.4 Elementos Pós-Textuais .3 DIRETRIZES PARA A ELABORAÇÃO DO RELATÓRIO DE IMPLEMENTAÇÃO ..1..................1.............................................................................1 ETAPAS DA IMPLEMENTAÇÃO ....1 Regras Resumidas de Apresentação ..................................................................... 37 3....................1......... 38 3.................................................2 Fundamentação Teórica .......1......1 Apresentação..............................................................1......................................................................................1......................................................3 Elementos Textuais ....................................................................1..........1.6 Ação (ACT) ............................ 45 4........................ 41 4 ESTRUTURA DO RELATÓRIO FINAL ....................................................................................... 74 REFERÊNCIAS ..........................2 CONCLUSÃO E RECOMENDAÇÕES ...................................................................... 50 4........ 42 4.............1.........................1 NORMAS PARA FORMATAÇÃO .. 45 4................................... 37 3.......

Ficando. O segundo. . em especial. As normas apresentadas nesse material possibilitam melhor compreensão da metodologia a ser utilizada.5 APRESENTAÇÃO Este Manual foi organizado para orientar discentes referente à elaboração de trabalhos acadêmicos. definido o estágio: Estágio I . facilitando a orientação do graduando. denominado Diretrizes para a Elaboração do Relatório Final. assim. Esses trabalhos deverão estar de acordo com o Manual de Estágio do Centro Universitário do Norte e com o Regulamento do Estágio Supervisionado do curso. intitulado Diretrizes para a Elaboração do Diagnóstico. no que tange ao desenvolvimento e à elaboração do trabalho. Encontra-se dividido em três capítulos: o primeiro. E o terceiro.Diagnóstico (6º período). As normas técnicas sobre a apresentação gráfica. caracterizado por um processo de implementação ou proposta de implantação de soluções desenvolvidas para o contexto pesquisado.Projeto de Intervenção (7º período) e Estágio III . apresenta as informações para o desenvolvimento estruturado do Relatório Diagnóstico. encontra-se orientações sobre a estrutura do Relatório Final de Estágio. o do estágio curricular supervisionado do Curso de Administração do Centro Universitário do Norte – UNINORTE. Estágio II . sendo um instrumento normativo e não interpretativo em concordância com o Regulamento vigente. regras de citação e referências estão dispostas no quarto capítulo intitulado Normas Técnicas para Elaboração do Relatório Final do Estágio.Consultoria (Relatório Final). trata de esclarecimentos sobre a metodologia estruturada de desenvolvimento de um projeto. denominado Diretrizes para Elaboração de Projetos.

6 1 DIRETRIZES PARA A ELABORAÇÃO DO DIAGNÓSTICO ORGANIZACIONAL Jonis Angelim da Silva 1 Diagnóstico organizacional é o processo de registrar um estado atual das organizações. financeiro e as perspectivas de melhorias. retrata os pontos fortes e fracos das organizações e propõe soluções para e desenvolvimento e fortalecimento organizacional. é um instrumento do conhecimento que proporciona aos Graduado em Administração de Empresas (UFAM).2 METODOLOGIA DA PESQUISA A metodologia consiste em estudar os vários métodos disponíveis. Seu sucesso é saber o que observar e analisar em cada nível hierárquico e setores. assim como saber como um nível ou setor afeta outro.1 TIPOLOGIA DA PESQUISA É pesquisa de avaliação formativa por se caracterizar um estudo de aperfeiçoamento e detecção de pontos fortes e fracos retratando uma situação atual com sugestões de melhoria. 2007) neste tipo de investigação há um desenho formal para a pesquisa. percebendo o cenário estratégico. conforme afirma Patton (apud ROESCH. identificando suas limitações ou não em nível das implicações de suas utilizações (BARROS e LEHFELD. Pós-Graduado em Administração de Recursos Humanos (UFAM) e Mestre em Administração de Empresas (UFPE). Gonçalves (2004) comenta que o diagnóstico é o método de avaliar o funcionamento de uma organização. 1. 1. 2000). ou seja. 1 . os dados são coletados. departamento ou trabalho para descobrir fontes de problemas e áreas de melhoramento. indicando soluções para os problemas encontrados. política ou organização. possibilitando o entendimento sistemático da organização. operacional. e o foco do estudo centra-se em maneiras de melhorar a efetividade de um programa. para que se tenha uma base para o desenvolvimento de intervenções consistentes e assim orientar o rumo das ações. O método orienta para realização e execução da pesquisa planejada.

em qualquer área de sua formação. o que significa traduzir em números opiniões e informações para classificá-las e analisá-las. que tudo pode ser quantificável. e .125). 2005). o pesquisador qualitativo sai a campo não estruturado. um vínculo indissociável entre o mundo objeto e a subjetividade do sujeito que não pode ser traduzido em números (VERGARA.. a interpretação e atribuição de significados são básicas. Neste caso a reflexão teórica ocorre durante ou quase no final do processo de coleta de dados (2007. Conforme Vergara (2005): a) Pesquisa bibliográfica é realizada em material publicado de fonte primária ou secundária. escrito ou eletrônico. orientação geral que facilita planejar uma pesquisa. a pesquisa Diagnóstico Organizacional é de caráter bibliográfica. formular hipóteses.1 A Natureza da Pesquisa A pesquisa diagnóstico tem caráter qualitativo e quantitativo. relacionados ao fenômeno pesquisado.2 Os Meios de Investigação Quanto aos meios de investigação. documental e de campo. visto que há uma relação dinâmica entre o mundo real e o sujeito. segundo Richardson (1999).] enquanto na pesquisa quantitativa o pesquisador parte de conceitos a priori sobre a realidade. em sua fase exploratória busca informações com característica de ouvir a opinião das pessoas e em outros momentos busca medir informações aplicação de questionários e roteiros. justamente para captar as perspectivas e interpretações das pessoas. pois. internos da organização ou de pessoas. coordenar investigações. isto é. b) Pesquisa documental é realizada em documentos escritos.. a pesquisa de natureza quantitativa considera. p. 1. 1.2. Roesch define claramente a pesquisa qualitativa e quantitativa quando afirma que: de forma objetiva através de [. e. No processo de pesquisa qualitativa. 2002). realizar experiências e interpretar os resultados (FACHIN.7 pesquisadores.2. filmados ou sonoros.

c) Benchmarking . 2001).2. utilizado para estabelecer metas de melhorias em processo. 01(um) .(marcos referenciais) – é um processo comparativo sistemático interno ou externo nas organizações. na qual se fundamenta na utilização da coleta de informações por meio de várias fontes de evidências. não há uma técnica melhor ou mais importante que a outra. em uma pesquisa. Portanto. pois uma complementa e/ou fundamenta a outra.2. 1. b) Análise de SWOT.4 As Técnicas de Coleta de Dados Para fins desta pesquisa. é um procedimento que parte da análise de forças do ambiente interno (pontos fortes e fracos) e do ambiente externo (ameaças e oportunidades). pelo menos.3 Os Métodos de Coleta de Dados Os métodos de coleta e análises de dados devem estar baseados nas técnicas de pesquisa da administração e podem derivar de técnicas como Brainstorming. a metodologia proposta deve ser desenvolvida através de: • • • • Técnica de entrevista Técnica de observação direta Técnica de documentação existente Técnica de questionário Ressalta-se que. adota-se a triangulação de instrumentos de coleta de dados. conforme Costa (2007): a) Brainstorming. 1. Por se tratar de uma pesquisa com objetivo de laboratório acadêmico. principalmente quando há necessidade de verificar e/ou validar as informações obtidas. funções. SWOT e Benchmarking dentre outras. produtos etc. mas tendo em vista a comprovação do mesmo fato ou fenômeno (YIN. é um procedimento utilizado para auxiliar um grupo a criar o máximo de idéias no menor tempo possível.8 c) Pesquisa de campo é investigação empírica realizada no local onde está ocorrendo o fenômeno pesquisado. sugerese que sejam aplicadas as entrevistas e os questionários para.

2007). como instrumento de coleta de dados. b) Seguir o roteiro de entrevista. e) No final. na verificação in loco de tudo o que acontece no ambiente em que se desenvolve o processo em estudo. durante e no encerramento da entrevista. Um fato relevante para o sucesso da obtenção de dados na entrevista é que o entrevistador deve ouvir sem projetar seus sentimentos. pois cada caso apresenta suas próprias características e particularidades.4. opiniões ou objeções em relação ao assunto abordado. de forma sistemática e planejada. o que dificulta uma padronização metodológica.1 Técnicas de Entrevista Segundo D’ascenção (2001). sistemática e documentada. ou pessoal. para que não haja distorções das informações emitidas. utilizada para obter informações que requeiram reflexões em conjunto com o entrevistado (ROESCH.9 integrante de cada nível hierárquico. Não existe um procedimento padrão para realização de entrevistas. dispostos de forma lógica e objetiva.4. previamente. c) Esclarecer seu objetivo ao entrevistado. Portanto. tem-se visão geral de um mesmo tema abordado. 1.2.2. d) Escutar muito e falar pouco. entrevista é uma técnica de conversação executada de forma planejada. utilizada para verificação e controle de validade e . D’ascenção (2001) cita que alguns procedimentos são comuns para quase todas as entrevistas e devem ser levados em consideração no início.2 Técnica de Observação Direta ou Pessoal A técnica da observação direta. a entrevista deve: a) Ser planejada evitando o desperdício de tempo. consiste. 1. fazer um resumo oral do que foi dito e anotado na entrevista para a aprovação do entrevistado. Para a efetivação da entrevista deve-se criar. pois. um roteiro com as perguntas que serão abordados na conversação. No entanto. assim.

quando e onde deve ser feita a observação. enviando o formulário ao pesquisado ou via internet. 2001).2. objetivas e.4 Técnica de Questionário Questionário. identidade visual da empresa. segurança etc. p. presencial ou à distância” e com grande quantidade de pesquisados. manual da qualidade. limpeza. d) Como serão feitos os registros (anotações/ fotos/ filmagem/ gravações). 1. regimento interno etc.10 precisão (D’ASCENÇÃO. de preferência.2. podendo ser utilizado com ou sem a presença das pessoas envolvidas. manual de procedimentos.4. 2001.3 Técnica de Análise da Documentação Existente Essa técnica consiste na identificação. e e) Quais os tipos de controle e verificação que validarão a observação. do tipo fechadas que pedem respostas curtas e previsíveis. visando ampliar o conhecimento do processo em estudo (D’ASCENÇÃO. Esta técnica deve ser acompanhada através de um check list contendo o que será observado no objeto de estudo. estacionamento. Esta técnica tem a vantagem de se poder fazer coleta à distância. como é definido por D’ascenção (2001. No planejamento e execução da observação direta. recepção. “consiste em uma série de questões ou perguntas formuladas previamente. que servirá de dados para o objetivo da pesquisa. ou seja. coleta e análise de documentações. processo de produção.4. instalações. c) Quais os membros da equipe de analistas que farão a observação.98). layout. 1. Pode-se observar. As perguntas devem ser claras. estatuto. ROESCH. sinalizações. b) Como. pintura. por exemplo. o pesquisador deve concentrar sua atenção nos seguintes aspectos: a) O objetivo da observação e o que deve ser observado. 2007). Sugere-se que seja desenvolvido um check list de documentos da organização que conterão dados para a pesquisa tais como: site. .

Perguntas ou fatores descritivos.. deverá ser devidamente arquivada... pois eles descrevem a base para análise e pareceres técnicos... Portanto.5 Os Instrumentos de Coleta de Dados Para efeito desta pesquisa diagnóstico as técnicas de coleta de dados devem ser desenvolvidas através de aplicação de formulários.11 1..1 Formatação dos formulários A forma de um formulário de pesquisa apresenta uma formatação básica: 1....... a fim de permitir consultas rápidas por parte das pessoas envolvidas no processo em estudo.. Orientação de preenchimento 3.. 1... Exemplificando: a) Perguntas fechadas.. Abertas com alguma estrutura.. Um dos mais importantes passos de qualquer pesquisa é a criação dos instrumentos de coleta de dados. toda a documentação procedente das fases de planejamento...... c) Perguntas abertas. elaboração e aplicação dos formulários. Quanto ao tipo de questões. Apresentação/Cabeçalho 2.. Roesch(2007) demonstra que podem ser: Fechadas...2.... Abertas..... Fechadas com várias opções. Ex: Você considera que esta empresa investe em treinamento: ( ) Sim ( ) Não b) Perguntas fechadas com varias opções..... .2. Ex: Selecione e enumere as duas maiores prioridades para atingir aos objetivos: ( ( ( ( ( ) aumentar investimento em equipamentos ) minimizar custos da manufatura ) investir nos empregados ) maximizar a fatia de mercado ) outros: ...5..

........ Regular.. Bom............. Ótimo. dispostos de forma lógica e objetiva.. Perguntas abertas............... através de sua aplicação com parte da amostra pesquisada.. 4........12 Ex: Em aspectos você considera esta empresa motivadora de alcance de resultados? d) Perguntas Abertas com alguma estrutura Ex: Liste em ordem de importância os três aspectos que você mais aprecia a respeito da empresa: 1.. • • • • 2........... Ex: Ruim....... 3...... Assim.. data etc..... Visita de observação: um check list com a descrição dos fatores a serem observados na organização.... Identificação do entrevistado (Nome (que deve ser opcional)..... o formulário deve ser validado...... Roteiro de entrevista: um roteiro com as perguntas e/ou questionamentos que serão abordados na conversação. Deve ter algumas características como: .......... preferencialmente....). As perguntas devem abranger todo o roteiro do Diagnóstico Organizacional........... 2.. Escala de gradação: permite a avaliação dos fatores pesquisados mediante a utilização de uma escala em níveis de gradação... 1....... verificam-se possíveis incongruências a serem acertadas ou readequadas.......5... nome do formulário.. cargo)............ Os formulários utilizados na pesquisa diagnóstico serão: 1..2.... Hora início e fim da entrevista....... Após sua criação e antes de sua aplicação oficial........ Deve ter algumas características como: • Cabeçalho de identificação da pesquisa (Nome da empresa.2 Tipos de formulários...

Portanto. data). Money. internas da organização. a qual classifica os atributos organizacionais em 10 categorias: Management. data). cargo). lógicas e não devem gerar dúvidas. • • • • O questionário aplicado nesta pesquisa será para a obtenção de dados que darão subsídios para a análise interna da organização.13 • Cabeçalho de identificação da pesquisa (Nome da empresa. que darão base para a autoanálise organizacional. baseado na técnica os “10 M´s do Autodiagnóstico” de análise do ambiente interno proposta por Costa(2007). Meio físico. do tipo fechadas. os atributos propostos no questionário deverão ser ajustados conforme a natureza do negócio da organização. data). Deve ter algumas características como: • Cabeçalho de identificação da pesquisa (Nome da empresa. As perguntas devem ser. conforme o roteiro do diagnóstico. Marketing. Meio ambiente. Conter todas as orientações necessárias para o pesquisado respondê-lo sem nenhuma dúvida. Mão-de-obra. Deve ter algumas características como: • Cabeçalho de identificação da pesquisa (Nome da empresa. Registro de acesso ao documento. • • 3. Métodos. nome do formulário. Fatores de observação. Mensagens. Preferencialmente. Questionário: Formulário com assertivas formuladas para detectar as características positivas e/ou negativas. Hora inicial e final da visita de observação. Materiais. nome do formulário. • • 4. Nome dos documentos a serem solicitados. nome do formulário. . Constará atributos internos da organização. preferencialmente. Pesquisa de documentos existentes: um check list com o nome dos documentos a serem observados que contenham dados para a pesquisa. as assertivas devem ser objetivas. Identificação do entrevistado (Nome (que deve ser opcional). Máquinas.

ficando para o pesquisador a atividade de criar o restante de acordo com o roteiro proposto para o Diagnóstico Organizacional. fatores. Por isso. visto que.5. atributos e/ou assertivas.3 Modelos de instrumentos de coleta de dados Neste item apresentamos alguns modelos de formulários apropriados a esta pesquisa diagnóstico com o objetivo de disponibilizar ao pesquisador.2. os exemplos apresentam somente algumas questões. a criação dos instrumentos vai depender da natureza da organização pesquisada. . uma idéia para a criação de seus próprios formulários.14 1.

______________________________________________________________________ ______________________________________________________________________ .15 1. ______________________________________________________________________ ______________________________________________________________________ 6) Quais os princípios da empresa? ______________________________________________________________________ ______________________________________________________________________ 7) Quais políticas organizacionais existem na empresa? ______________________________________________________________________ ______________________________________________________________________ 8) Qual o histórico de evolução da empresa? ______________________________________________________________________ ______________________________________________________________________ 9) Etc.. E descreva de que forma você percebe que é feita esta divulgação. MODELO DE ROTEIRO DE ENTREVISTA DIAGNÓSTICO ORGANIZACIONAL ROTEIRO DE ENTREVISA EMPRESA PESQUISADOR: Data da Entrevista: ___/___/___ Hora de Inicio: ___:___ Horário de Término: ___:___ Nome (opcional): Cargo: Departamento / Área: 1) Qual a razão social da empresa? ______________________________________________________________________ ______________________________________________________________________ 2) Qual ramo de atividade da empresa? ______________________________________________________________________ ______________________________________________________________________ 3) Qual a visão da empresa? ______________________________________________________________________ ______________________________________________________________________ 4) Qual a missão da empresa? ______________________________________________________________________ ______________________________________________________________________ 5) A empresa divulga de forma ampla seus objetivos.. visão e missão? SIM ( ) NÃO ( ) .

9. 6.16 2. MODELO DE ROTEITO PARA VISITA DE OBSERVAÇÃO DIRETA DIAGNÓSTICO ORGANIZACIONAL VISITA DE OBSERVAÇÃO DIRETA EMPRESA: _______________________________________ DATA: ____/____/____ Hora de Inicio: ___:___ Horário de Término: ___:___ Pesquisador: ________________________________________________ CHECK LIST DE OBSERVAÇÃO S I M N Ã O R U I M R E G U L A R B O M Ó T I M O 1. 7. 8. 5. 3. 4. OBSERVAÇÕES . 2. Iluminação Segurança Estacionamento de funcionários etc.

Contrato Social (se Empresa Privada) Estatuto (se Empresa Pública) Listagem de funcionários Manual da Qualidade Site Organograma Histórico da organização etc. 8.17 3. .. 2... 9. MODELO DE PESQUISA DE DOCUMENTOS EXISTENTES DIAGNÓSTICO ORGANIZACIONAL PESQUISA DE DOCUMENTOS EXISTENTES EMPRESA: ________________________________________________________ DATA: ____/____/____ Pesquisador: ___________________________________ S I M N Ã O DOCUMENTOS PARA PESQUISA 1. . .... INFORMAÇÕES A COLETAR Razão social. . endereço. 4. 7. 3. OBSERVAÇÕES GERAIS . . natureza do negócio . 6. 10.. 5......

intranet. justifique a opção com um breve comentário a respeito da escolha. extranet e Internet TOTAL (Não Preencher) Conhecimento do mercado e dos concorrentes e negociações Flexibilidade Lançamento de produtos e campanhas Pós-venda.2 4. fraco ou a melhorar.1 4.3 3.4 2.1 3. de RH Gerentes e supervisores preparados para gestão de pessoas Motivação e comprometimento Remuneração TOTAL (Não Preencher) Equipamentos de manuseio Veículos Instalações de Segurança Máquinas. governo. Se possível. Seq 1 .1 1. G e s t ã o 1. Para esclarecimento: • Pontos fortes são atributos que afetam positivamente o resultado da organização. Responda os questionamentos com o máximo de sinceridade e atenção para que possamos contribuir de forma eficaz para uma avaliação correta da organização.4 4. favor entregar a sua chefia imediata. por sua vez.4 1. público e acionistas TOTAL (Não Preencher) Recrutamento e seleção Capacitação.5 2.2 3.5 4.3 2. MODELO DE QUESTIONÁRIO EMPRESA X QUESTIONÁRIO DE AUTO-AVALIAÇÃO ORGANIZACIONAL Data: ____/____/____ Nome (opcional): ___________________________________________________________________ Cargo:____________________________________________________________________________ Departamento / Área: _______________________________________________________________ Orientações: O Objetivo deste Questionário é obter informações com a finalidade de melhoria do ambiente interno organizacional.2 2 . imprensa. • Pontos fracos. fornecedores. e • Pontos a melhorar são os atributos que não influenciam diretamente no resultado.3 4.2 1.4 3.1 2. M k t 3. garantia e assist. técnica Tratamento de satisfação dos clientes TOTAL (Não Preencher) Ponto Forte Ponto a Melhorar Ponto Fraco Comentário 3 .18 4. R H 2. mas podem representar melhorias futuras.3 1. treinam. Para cada atributo relacionado deve-se marcar com um ‘X’ na posição correspondente caso represente um ponto forte. Após o preenchimento do questionário. equipamentos e sistemas de produção Redes. M á q 4 . são atributos que afetam negativamente no resultado e deverão ser eliminados.5 .5 Atributos Adm Geral e processos decisórios Gestão de tecnologias e de sistemas de informação Gestão estratégica Gestão setorial (Setores em geral) Relacionamento com clientes. e desenv.

2 6. 7. F í s 8 . circulares e quadros de avisos Comunicação verbal Comunicações da direção com transparência entegridade e respostas às reclamações e Providências sugestões de clientes e funcionários TOTAL (Não Preencher) 6 .3 7. supervisores. de parcerias com fornecedores Cadeia do suprimento.5 Desenv.3 8.5 8. qualitativos. C o m u n i c .4 5. M .2 5.4 6.3 6. funcionários Comunicação escrita.19 5 .1 8.1 7. logística Estoques: quantitativos.3 5. M .4 7.2 8.1 6.4 8.2 7.1 5. M a t e ri 5. preservação Especificações para aquisição e padronização e codificação de materiais Qualidade assegurada na aquisição TOTAL (Não Preencher) Gestão de proteção ambiental Programas de economia de energia elétrica Programas de economia de água Programas de economia de insumos Coleta de lixo seletiva TOTAL (Não Preencher) Circulação interna Estacionamentos Iluminação Limpeza e arrumação.5 . Infraestrutura Sinalização visual TOTAL (Não Preencher) Comunicação entre gerentes.5 6. A m 7 .

3 ESTRUTURA DE UM DIAGNÓSTICO ORGANIZACIONAL A estrutura de um Diagnóstico Organizacional deve seguir o contexto da empresa pesquisada e sua apresentação de resultados deve ser feita por meio de relatório estruturado com as devidas propostas de intervenções pautadas nas demandas detectadas na pesquisa. 1: 1. onde retrata todas as áreas de atuação organizacional. F i n . quem ela é. administrativos Sistemas de garantia da qualidade TOTAL Ponto Forte Ponto a Melhorar Ponto Fraco Comentário 10. seu produto e/ou serviço.5 9. contas a pagar e ctas a receber Investimentos em tecnologia Investimentos em recursos humanos Orçamento e acompanhamento orçamentário TOTAL 1.2 9.4 3 9. percebendo desde sua apresentação e histórico até a análise de seu ambiente interno e externo.3 10. A primeira parte identifica a organização. P r o c e d .4 10. seus funcionários. ou seja. seu nome. o desenvolvimento do diagnóstico em três partes distintas.2 10. conforme FIG. natureza.20 Seq 9 . endereço. Propõe-se como modelo.1 10. 2. produçãopadrões e procedimentos Normas. .6 Atributos Fluxogramas Metodologias para desenvolvimento de produtos padrões e procedimentos de Normas.1 9. seus conceitos organizacionais como missão e visão. A segunda parte apresenta como a empresa é. características físicas e tecnologias utilizadas. A terceira parte expõe os aspectos fortes e fracos organizacionais. 9. A estrutura do relatório deve seguir as diretrizes do Capítulo 4: Estruturas do relatório final. internos e externos. os analistas devem compilar os dados.5 Acompanhamento gerencial por centros de resultados Fluxo de caixa. 1 0 . 3. fazendo as tabulações e as devidas análises emitindo um parecer conclusivo com sugestões de melhoria ou intensificando o estado atual de excelência dos dados. e seu histórico de desenvolvimento organizacional. Após a coleta de dados.

4.2.6. maquinário. benefícios. comercial.3. Principais tecnologias utilizadas (gestão.5. Razão Social (incluindo nome fantasia) Endereço Natureza do negócio (industrial. nível de escolaridade.4.1.1. voluntariado entre outras informações) • Apresentar em gráficos. Organograma. Stakholders 3.1.3. 1. Pontos Fracos e Pontos a Melhorar (Tabelas e análises) 3. distribuição por área.5. Porte da empresa e características de suas instalações físicas (m . DESENVOLVIMENTO APRESENTAÇÃO 1. 1.3. 1.7. pessoas entre outras) 2. 1. Principal Diferencial Competitivo (estratégias competitivas de mercado) 3. filiais.1.5. hierarquia.) 2.7. 1. 1. 1.8.2. Análise externa 3.9.2.1.2. 1.2. explicar o porquê. incluindo informações necessárias para um bom entendimento) 3. de serviços outros) Missão Visão Valores e/ou Princípios Políticas organizacionais Objetivos e Metas Histórico da Empresa (Máximo 3 folhas): Origem e evolução(principais mudanças) PERFIL DA ORGANIZAÇÃO 2.1. responsabilidade social. Catalisadores e ofensores 3. Características do quadro funcional (quantidade. Pontos Fortes. Principais Clientes (descrever de forma sucinta) 3.6. ASPECTOS ORGANIZACIONAIS 3.1. 2.Estrutura do Diagnóstico Organizacional . Análise interna 3. Concorrência no mercado onde a empresa atua (caso a empresa seja a única a oferecer o serviço ou produto.2. por faixa etária.2. CONCLUSÃO PÓS-TEXTO Referência Apêndices Anexos FIG 1 . sexo.2. Oportunidades e Ameaças 3.2.2. Produtos e/ou Serviços produzidos e/ou comercializados (determinar as suas características) 2 2. Gráfico de áreas críticas (gráfico radar geral e análises) 3.2. APRESENTAÇÃO DA EMPRESA 1. escolaridade (gráficos e análises) 2.21 PRÉ-TEXTO Capa Folha de rosto Sumário.4. Principais Fornecedores (descrever de forma sucinta) 3. pesquisa de observação direta etc.2.

2 ENDEREÇO 1.2 PORTE DA EMPRESA E CARACTERÍSTICAS DAS INSTALAÇÕES 2.6 VALORES E PRINCÍPIOS 1.2 ANÁLISE EXTERNA 3.3 Stakeholders 3.5 ORGANOGRAMA 3 ASPECTOS ORGANIZACIONAIS 3.2.2 Gráfico de Áreas Críticas 3.1 PRODUTOS E SERVIÇOS 2.7 POLÍTICAS ORGANIZACIONAIS 1.6 Concorrência no Mercado onde a Empresa Atua 3.4 MISSÃO 1. APRESENTAÇÃO 1 APRESENTAÇÃO DA EMPRESA 1.2.2.1.2.3 PRINCIPAIS TECNOLOGIAS UTILIZADAS 2.1 ANÁLISE INTERNA 3.2.5 Principal Diferencial Competitivo 3.5 VISÃO 1.4 CARACTERÍSTICAS DO QUADRO FUNCIONAL 2.1 RAZÃO SOCIAL 1.1.4 Principais Clientes 3.1 Pontos Fortes.2 Catalisadores e Ofensores 3. ressaltando que na composição do Sumário estas informações devem vir com espaçamento duplo (vide modelo de sumário).3 NATUREZA DO NEGÓCIO 1.2. Fracos e a Melhorar 3.8 OBJETIVO E METAS 1.9 HISTÓRICO DA EMPRESA 2 PERFIL DA ORGANIZAÇÃO 2.7 Principais Fornecedores .2.1 Oportunidades e Ameaças 3.22 Observação: Veja exemplo de “sequência de numeração” aplicado ao Desenvolvimento do Diagnóstico.

dentro dessa área. Destaca-se que a execução das sugestões dar-se-á no Estágio Supervisionado III. para o Curso de Administração. 9º. . Para o Projeto de Estágio II. Roesch (2007) afirma que tais estudos têm como propósito relatar as práticas de organizações ou recomendar alternativas de políticas. a fim de sugerir ações visando à solução de problemas encontrados na organização-pesquisada. Considera-se o uso dessa estratégia de pesquisa mais adequado aos trabalhos de conclusão de curso em administração. o tipo exigido será o segundo denominado de “Pesquisadiagnóstico” que cabe ao aluno (consultor/pesquisador) identificar problemas e propor soluções. entrevista. será necessária primeiramente a identificação das áreas críticas apresentadas no gráfico Radar (Estágio I). 2007. Após a escolha da área de maior incidência que pode ser pontos fracos ou a melhorar. De acordo com Schein (1972 apud ROESCH. direcionarão suas pesquisas para uma ou poucas organizações. Essa pesquisa deverá ser realizada na mesma empresa onde foi diagnosticado o problema. conforme regulamento do Estágio Art. Ressalte-se que as equipes deverão ser as mesmas constituídas no Diagnóstico I. Esse Projeto deverá ser executado na Empresa-Organização pré-definida no processo do Diagnóstico Organizacional (Estágio I). deve-se identificar. p. dentre esses: análise documental. de modo geral. De acordo com os objetivos específicos do projeto. observação direta e questionário. Este procedimento deverá ter como estratégia de pesquisa o Estudo de Caso. o item de maior relevância para realizar uma nova pesquisa.23 2 DIRETRIZES PARA A ELABORAÇÃO DO PROJETO Este capítulo tem por finalidade orientar o aluno matriculado na disciplina Estágio Supervisionado II (Estrutura Curricular Grade 2005) do Curso de Administração do Centro Universitário do Norte para elaboração do Projeto de Consultoria. há três tipos de consultoria: 1º “compra de serviços especializados”.65). uma vez que os alunos. 2º “tipo médico-paciente” e 3º “de processos”. a equipe deverá adotar uma metodologia que inclua instrumentos de pesquisas. entretanto.

Destaca-se ainda que o Projeto de Estágio Supervisionado II deverá ser elaborado de modo que contemple. incluem-se a defesa oral individual (cada aluno defende parte do projeto) e a versão final do projeto.as quais foram embasadas na Associação Brasileira de Normas Técnicas – ABNT. Recursos Humanos.0 (sete) na média aritmética. Marketing. no mínimo.2 ETAPAS DO PROJETO A elaboração do Projeto deverá seguir as diretrizes estabelecidas neste documento – Manual de Estágio do UNINORTE . o professor orientador apresentará as equipes um cronograma contendo todas as atividades necessárias para a elaboração da proposta de solução do problema detectado na empresa – objeto de estudo. na escala de 0 a 10 tanto no Estágio Supervisionado I. Estágio Supervisionado II e no Estágio Supervisionado III. elaborado na disciplina Estágio Supervisionado II.724/2005.1 NORMATIZAÇÃO PARA A ELABORAÇÃO DE PROJETOS O Projeto. 2. do Regulamento de Estágio Supervisionado (2007. Produção e Tópicos Especiais. daí se terá o resultado que poderá ser o conceito: CUMPRIDO ou NÃO-CUMPRIDO. bem como ter cumprido. dependendo da ênfase. Dentre essas etapas. 33.20) que preconiza: Será considerado aprovado o aluno que obter: 75% de frequência nas atividades previstas e. Nesse processo. Assim. p. portanto. conforme Regulamento de Estágio Supervisionado (2007). nota 7. que se dividirá por 3 e. Comércio Exterior.24 2. cabendo as equipes cumprirem cada etapa para obterem a pontuação necessária. Esse processo avaliativo apóia-se no art. ao final das três disciplinas. corresponde. a computação do resultado das atividades terão valor de 0 a 30. a Carga Horária exigida. as seguintes áreas de concentração: Análise de Sistema. Cada atividade possui uma determinada pontuação. a segunda parte do processo de pesquisa. respeitando as Normas NBR 14. é um documento que apresenta o direcionamento de propostas a serem implementadas nas organizações pesquisadas. voltadas para a Apresentação de Trabalho. NBR 1587/2005 referente .

negrito. mas não se numera.1 ORGANOGRAMA 5 CARACTERIZAÇÃO DA EMPRESA 4 FUNDAMENTAÇÃO TEÓRICA 3 OBJETIVOS 2 FORMULACAO DO PROBLEMA 1 JUSTIFICATIVA APRESENTAÇÃO ELEMENTOS TEXTUAIS: Contados e numerados em algarismos arábicos. A estruturação do Projeto de Consultoria deverá atender à organização estrutural que segue: SUMÁRIO FOLHA DE ROSTO CAPA ELEMENTOS PRÉTEXTUAIS: Conta-se a partir da folha de rosto. sem negrito . 8 CRONOGRAMA 7 PROPOSTA DE SOLUÇÃO 6 METODOLOGIA DO PROJETO 5. NBR 10520/2002 que trata das Regras de Citação em Documentos. ANEXOS APÊNDICES REFERÊNCIAS ELEMENTOS PÓSTEXTUAIS: Contados e numerados em algarismos arábicos. NBR 6023/2002 que aborda as Regras de Referências e NBR 6024/2003 e NBR 6027/2003 que são relativas ao Sumário.25 à normatização da apresentação de Projeto de Estágio.

2.2. 2.2. local e data). título do trabalho. Ressalte-se que projeto de consultoria não contém folha de aprovação. nem em outro idioma. Deve constar na capa e folha de rosto.1 Capa ELEMENTO OBRIGATÓRIO Corresponde à parte externa do trabalho e sobre a qual se registram as informações indispensáveis à sua identificação.26 2. 2.2 Folha de Rosto ELEMENTO OBRIGATÓRIO Contém dados essenciais à identificação do trabalho (nome do autor.2.7. na ordem em que nele se sucedem acompanhadas dos respectivos .1 O Tema da Proposta ELEMENTO OBRIGATÓRIO Constitui-se em uma delimitação do assunto a ser pesquisado. o objetivo acadêmico e a instituição a que se destina.1.2. seções e outros itens do trabalho.1. 2. Para a escolha da temática deve-se observar um ponto fraco ou um ponto a melhorar identificado no diagnóstíco oganizacional (Estágio Supervisionado I).2.2.3 Sumário ELEMENTO OBRIGATÓRIO Trata-se da enumeração das principais divisões. Veja exemplo de capa no tópico 4. Veja exemplo de folha de rosto no tópico 4. nem resumo em língua vernácula. a natureza do trabalho.1.Veja item 2.

1 Seção Terciária (Minúsculo e Negrito) 1.1.27 números das páginas.1. Exemplo: Divisão de um Sumário 1 SEÇÃO PRIMÁRIA (MAIÚSCULO NEGRITO) 1.1.1 SEÇÃO SECUNDÁRIA (MAIÚSCULO NEGRITO) 1. Tem a finalidade de facilitar a consulta e visualização do conteúdo do trabalho.1 Seção Quaternária (Minúsculo e Normal) .

.......................... 23 7 PROPOSTA DE SOLUÇÃO ......................................2 OBJETIVOS ESPECÍFICOS..........15 4 FUNDAMENTAÇÃO TEÓRICA .........1 OBJETIVO GERAL ................................................................................................................................................. 16 5 CARACTERIZAÇÃO DA EMPRESA ....................3 OBSERVAÇÃO DIRETA .... 12 2 FORMULAÇÃO DO PROBLEMA ....... 10 1 JUSTIFICATIVA .....................28 Exemplo de Sumário: 3 cm SUMÁRIO (2 espaços duplos) Tamanho da Fonte: 12...................................................24 8 CRONOGRAMA ............................................................................................................. negrito 3 cm APRESENTAÇÃO.................................................. 26 Tamanho da Fonte: 12 Entre linhas Duplo 2 cm 2 cm ......... 21 6.......2 ENTREVISTA .................... 21 6 METODOLOGIA DO PROJETO .. 24 7.............1 PLANEJAMENTO DA PROPOSTA DE SOLUÇÃO.................... 15 3.........................................................15 3................................................1 ORGANOGRAMA ............... 22 6....................................................................1 ANÁLISE DOCUMENTAL.................... 21 6........ 25 REFERÊNCIAS .......... 14 3 OBJETIVOS DO PROJETO . 17 5.............

É adequado terminar com a formulação do problema. a oportunidade e viabilidade do estudo.Qual o ganho que a empresa terá com a solução de tal problema? .Que razões levaram a equipe a escolher tal temática? . “esta é a seção na qual se aguça a curiosidade do leitor. Assim.2. a formulação do problema. pode começar anunciando o tema do trabalho. a equipe deve responder as seguintes questões: . 2. visto que alguns elementos do Projeto estarão sendo continuamente revisados. De acordo com Vergara (2005. na qual se tenta ‘vender-lhe’ o projeto”. para clarificar mais esse aspecto.29 2. destaca-se a relevância.Qual a relevância do estudo para a área na qual você atua (administração). Assim. a equipe deverá abordar o assunto. para a formação acadêmica e para a sociedade em geral? . embora seja a primeira parte do trabalho. apresentar os demais elementos que compõem o projeto. os objetivos do Projeto. Ainda para essa autora. Ressalte-se que. caso não queira iniciar com esse aspecto. tudo deve ser feito de forma sucinta. De modo geral. Depois.4 Apresentação ELEMENTO OBRIGATÓRIO Pode-se inicialmente esclarecer o assunto.5 Justificativa ELEMENTO OBRIGATÓRIO Deve apresentar razões que levaram a equipe a escolher a temática. proporcional ao número de páginas do projeto. ou seja. a metodologia e a proposta de soluções. a justificativa. antes de serem efetivamente concluídos.2. 20). sob forma de pergunta”. a caracterização da empresa. “a introdução deve ser curta. contextualizá-lo. geralmente esse tópico é o último a ser redigido. p.

90).6 Formulação do Problema ELEMENTO OBRIGATÓRIO Compreende o que se pretende investigar.. assim. bem como a associação com a hipótese e com os objetivos do projeto.7 Objetivos ELEMENTO OBRIGATÓRIO Compreende o alvo que se pretende atingir com a pesquisa. A redação desse elemento deve ser construída no mínimo em uma página. Para Roesch (2007. “um problema é uma situação não resolvida. . a partir daí. demonstrando. Deve ser iniciado por verbo no INFINITIVO e estar em conformidade com a formulação do problema apresentado no projeto. Esses elementos dividem-se em duas partes: a) Objetivo Geral – é mais amplo e está ligado diretamente ao conhecimento que se pretende alcançar. Ele deverá ser formulado em formato de pergunta. b) Objetivos Específicos – referem-se às ações que serão desenvolvidas a fim de que possam atingir o objetivo geral. A problemática será oriunda da área identificada como ponto fraco ou a melhorar definido no diagnóstico organizacional feito na disciplina Estágio I. implantar. o pesquisador apresenta proposta para solucionar tal situação. p. 2. caracterizando suas possíveis causas e efeitos constatados no ambiente pesquisado. elaborar. como o projeto será desenvolvido. pois isto facilita a identificação da questão para o leitor. desenvolver ou ampliar com o Projeto. Destaca-se que o projeto de consultoria deverá ter somente 3 objetivos específicos..2. Esses pontos muitas vezes não são percebidos pela própria organização.30 2. mas também pode ser identificação de oportunidades até então não percebidas pela organização”. todavia são passíveis de estudo e.2. São expressos nos verbos como: ampliar.

Vale lembrar a relevância de os alunos se apoiarem em autores consagrados e/ou de reconhecida importância. deve ser desenvolvida 10 páginas no mínimo. devendo ser utilizado somente o material que possua credibilidade científica. Caso não tenha sido desenvolvido. Logo. 2. o discente deverá desenvolvê-lo e incorporá-lo ao Projeto. 2005). Clientes e Concorrentes. Produtos e Serviços Oferecidos. Benefícios Oferecidos.2. Descrição da Estrutura Física da Instalação (Área Construída. que variam em função da abordagem do tema e do método. as quais apoiaram o projeto. A área de atuação e atividades relacionadas devem ser abordadas no Projeto. porém com restrições. Localização. dando-lhe credibilidade. Isto não significa fazer o resumo de várias obras. a Razão Social. É necessário apresentação de Organograma da organização. Na fundamentação teórica não se deve incluir descrição da organizaçãoempresa pesquisada. deve apresentar os estudos já realizados por outros autores acerca do tema ou problema em questão. antes devem ser analisadas e confrontadas (VERGARA. Número de Fábricas ou Unidades etc).2. A utilização de periódicos e internet poderão ser feitas. Números de Empregados. Mercado de Atuação. as posições teóricas não devem ser apenas relatadas de forma resumida.9 Caracterização da empresa ELEMENTO OBRIGATÓRIO A empresa deve ser apresentada de forma cronológica a partir de sua fundação até hoje com informação relacionadas às datas importantes em seu processo criação institucional. Divide-se em seções e subseções.8 Fundamentação Teórica ELEMENTO OBRIGATÓRIO Os alunos devem apresentar as premissas e teorias. . bem como opiniões pessoais referentes ao conteúdo pesquisado.31 2. Colocar em forma de texto: além das informações anteriormente citadas.

.. seja descritivo. De acordo com Marconi e Lakatos (2005.2. seja interpretativo. Relativo a ele. traçando o caminho a ser seguido. estrutura. entretanto é mais comum que muitos compreendam uma reunião de descrição e interpretação ou descrição e avaliação. busca encontrar padrões nos dados e desenvolver categorias conceituais que possibilitem ilustrar. Quanto ao interpretativo.] o conjunto das atividades sistemáticas e racionais que. o aluno poderá explicar sucintamente em qual tipo de estudo está inserido seu trabalho.125). “além de conter uma rica descrição do fenômeno estudado. permite alcançar os objetivos – conhecimentos válidos e verdadeiros –. Considerado ainda as colocações desse autor. p. seja avaliativo. alguns estudos de caso são simplesmente de natureza descritiva. 124). sua configuração. confirmar ou opor-se a suposições teóricas” (p. com maior segurança e economia. Como definido pela Coordenação do Curso de Administração. 124). Para a coleta de dados. ele diz que. atividades. este item é considerado como: [. Para Silva (2006). a estratégia de pesquisa utilizada será de Estudo de Caso. 2. Neste item. por exemplo. mudanças no tempo e relacionamento com outros fenômenos” (p. os alunos devem relatar as etapas metodológicas que serão cumpridas no Projeto. que envolva. detectando erros e auxiliando as decisões do cientista.10 Metodologia do Projeto ELEMENTO OBRIGATÓRIO Compreende o caminho que se deverá seguir para alcançar os objetivos propostos no projeto. o estudo de caso com características descritivas apresenta “um relato detalhado de um fenômeno social. recomenda-se o uso dos seguintes instrumentos de pesquisa: .32 O organograma deve ser analisado de forma funcional quanto a sua estrutura para avaliar se está adequado ou não a realidade da organização. empírica e sistemática. com o objetivo de apreciar o mérito e julgar os resultados e a efetividade de um programa” (p. Referente ao avaliativo.83). esse autor menciona que este tipo de estudo de caso visa “gerar dados e informações obtidos de forma cuidadosa.

p. neste caso. desde que estejam “em formato de registro ordenado e regular de vários aspectos da vida social”. Contudo. . devendo acontecer no ambiente natural e em um tom informal. as estatísticas e outros tipos de registro organizados em banco de dados. 133) explicita que a observação busca “apreender aparências.10.33 2. Silva (2006. 134) 2. situações que poderão servir como fonte de evidências para o estudo de caso. os processos de trabalho etc. Neste momento. imagens. sugerem-se entrevistar poucas pessoas.2 Entrevista Trata-se de uma das mais importantes fontes de informações para um estudo de caso. relatórios internos e externos. recortes de jornais e outros publicados em mídias etc).3 Observação Direta Ao realizar-se uma visita de campo ao local escolhido para a pesquisa.10.10.. fotografias. 2006. p. opta-se pela entrevista semi-estruturada que tem como objetivo principal “compreender os significados que os entrevistados atribuem às questões e situações relativas ao tema de interesse”. eventos e/ou comportamentos” Incluem-se na observação atividades operacionais. ou ainda. filmes etc. Nesse sentido. há a possibilidade de se observar alguns comportamentos relevantes. está se criando a oportunidade de se fazer observações.2. conforme Silva (2006. contribuindo significativamente para o estudo de caso. incluindo registros escritos (documentos administrativos. todo documento que possa ser usado como fonte de informação.2.2. há situações em que se faz necessária uma entrevista mais formal. p. (SILVA. 135). 2. deve investigar os objetivos do projeto.1 Análise Documental O uso de documentos no estudo de caso tem como função mais importante valorizar as evidências oriundas de outras fontes. Enfim. em formato iconográfico no qual se inserem grafismos.

. • Explicar os meios que serão utilizados para o cumprimento dos objetivos (proveniente do item Objetivo Geral e Específicos do Projeto). A elaboração deste subitem tem como maior finalidade as seguintes funções: • • • Definir a programação e alocação de recursos. as possíveis soluções para os problemas diagnosticados. ou seja. (proveniente do diagnóstico). utilizando-se. VERBOS DE AÇÃO. não deixando ao acaso cada etapa ou ação proposta deve.2. Determinar as etapas do Projeto. os alunos deverão estar embasados em autores de renome que atendam a TODOS os objetivos propostos no projeto (Geral e Específicos).4 Proposta de Solução Os alunos devem contextualizar a proposta. humanos. * Determinar o custo e a duração do Projeto. o passo a passo do item anterior (Proposta de Solução). Esta proposta deve conter em forma de texto: • A análise do ambiente organizacional.34 2.5 Planejamento da Solução do Projeto Trata-se de um subitem que determina através de uma TABELA DE ATIVIDADES. portanto: * Responder todos os objetivos específicos propostos no projeto. oferecendo. • Esta parte deve ser feita em forma de texto (Redação). assim. isto é. Elaborar o Planejamento da solução do Projeto.2. antever com clareza alguns eventos que ocorrerão. Para a realização da Proposta de solução.10. (caso haja necessidade de investimentos). dizer o porquê dela e sua relevância para a problemática e apresentá-la com ações corretivas sugeridas no projeto. para isso. 2. financeiros. explicando como os objetivos propostos serão atendidos. * Determinar os recursos que serão necessários: materiais. trata-se da forma de os alunos terem controle do futuro do projeto.10.

00 R$ 50. Exemplo: Tabela de Atividades Item Atividades Precedentes Duração Recursos 1 2 3 4 5 6 Remover a mobília Preparar o quarto Pintar o quarto Preparar a cozinha Pintar a cozinha Substituir a mobília TOTAL Nenhum 1 2 3 4 5 1 dia 2 dias 3 dias 1 dia 3 dias 1 semana R$ 500.00 R$ 50.560. mostrando-se a sequência lógica existente entre as etapas.00 R$ 6.00 R$ 1.500.35 Esta etapa serve para ajudar a monitorar o progresso previsto. Define-se como item fundamental e atraente o Preço do Projeto facilitando a análise e viabilidade do projeto para a empresa estudada e a interessados.11 Cronograma ELEMENTO OBRIGATÓRIO Estabelece as atividades e os períodos em que serão desenvolvidos até a data de entrega do Relatório Final de Estágio.00 R$ 10.110. MESES – ATIVIDADES Seleção da empresa estudada Identificação do Problema Definição dos Instrumentos de coleta Fundamentação teórica Visitas Técnica à organização Apresentação em Seminário Elaboração do Relatório Final 02 ANO 200X 05 03 04 / 06 07 08 09 10 11 12 1 X X X X X 2 X X Legenda Previsto Realizado .00 2.450.00 R$ 1. Devem-se detalhar os relacionamentos entre as atividades.2.

36

2.2.12 Referências

ELEMENTO OBRIGATÓRIO

Corresponde “ao conjunto padronizado de elementos descritivos retirados de um documento, que permite sua identificação individual” (NBR 6023/ 2002, p.2). Neste tópico, deve ser informada toda a literatura pertinente à elaboração do Projeto, especificada em conformidade com este documento – Manual de Estágio 2010_1 – que foi elaborado a partir das normas ABN. Destaca-se que não contém numeração (indicativo numérico), mas deve ser elaborado, considerando os nomes dos autores em ordem alfabética, com espaço simples entre a identificação da obra e duplo entre as referências. Lembrando que os alunos têm que verificar indicação correta das referências no capítulo referente ao assunto e, para facilitar a organização do trabalho, devem adquirir o hábito de anotar todas as fontes consultadas no decorrer da elaboração do Projeto e nunca deixar este item para ser elaborado no final.

2.2.13 Anexo ou Apêndice

ELEMENTO OPCIONAL

O Anexo corresponde aos documentos que não foram elaborados pelos alunos e sim retirados de fonte que não são de sua(s) autoria(s). E o Apêndice refere-se a todos os documentos que foram efetivamente elaborados pelos alunos, de sua(s) autoria(s). Deve vir após as referências.

37

3 DIRETRIZES PARA A ELABORAÇÃO DO RELATÓRIO DE IMPLEMENTAÇÃO

Este capítulo tem por finalidade orientar o aluno matriculado na disciplina Estágio Supervisionado III do Curso de Administração do Centro Universitário do Norte, para a elaboração do processo de Implementação que irá compor o Relatório Final de Estágio. O Relatório Final deve ser o documento que representa o resultado de estudos oriundo das disciplinas de Estágio I, II, e III. É feito sob a coordenação de um orientador. O Relatório Final relata o que foi efetivamente realizado na prática, bem como a análise dos resultados, conclusões e propostas de implantação ou implementação de um plano ou programa na Organização-Empresa (ROESCH, 2007). Para auxiliar este acompanhamento, será solicitado o Relatório de Visita Técnica. Veja anexo.

3.1 ETAPAS DA IMPLEMENTAÇÃO

Para esta etapa, a técnica utilizada será aquela com característica cíclica que implica um processo contínuo de melhoria e é geralmente adotada em sistemas de gestão empresarial, o PDCA. O ciclo PDCA é constituído por quatro etapas, as quais irão constituir o desenvolvimento do processo de implementação. A estrutura de trabalho deste processo será apresentada no item - Fundamentação Teórica . A técnica com característica cíclica utilizada em um processo contínuo de melhoria e adotada em sistemas de gestão empresarial, o PDCA é constituído por quatro etapas, as quais irão constituir o desenvolvimento??? do processo de implementação. A seguir apresentamos a estrutura de trabalho deste processo.

3.1.1 Apresentação

O aluno deverá apresentar de forma introdutória uma visão geral sobre OSM, caracterizando as ferramentas e técnicas de gestão a serem empregadas no processo de implementação. Trata-se de uma introdução ao trabalho apresentado

38

na qual deverá ser destacado os tópicos que são abordados no Relatório de Implementação detalhando de forma sucinta suas etapas. A extensão desse tópico deverá ser condizente com o nível de trabalho produzido.

3.1.2 Fundamentação Teórica

Numa exposição clássica, o aluno deverá realçar o seu domínio sobre a introdução apresentando um breve histórico sobre as técnicas, o comportamento humano, bem como os autores para com a qualidade nos processo de gestão no universo dos negócios os quais tiveram inspiração no mundo industrial. É conveniente que a exposição faça uma referência ao diagnóstico e ao projeto, contribuindo para com o entendimento da matéria e excelência para com a interpretação evolutiva do estágio e suas etapas. Desta forma, ficará demonstrado todo o processo dominado pela tipologia de consultoria, representativamente atribuído às etapas de exploração e conhecimento do ambiente, abordagem da solução através de projeto e sua devida implementação. Neste tópico, o aluno deverá planejar o processo e tr por base o Projeto desenvolvido no Estagio Supervisionado II e deverá utilizar ferramentas de gestão para execução, controle e feedback. É constituído de passos declarados sob a ferramenta de gestão PDCA também conhecido como Ciclo de Deming/Shewhart ou simplesmente Ciclo de Deming (William Edwards Deming: 1900-1993), descritos como Plano (Plan), Desenvolvimento (Do), Checagem (Check) e Ação (Act). O aluno deverá desenvolver no mínimo 10 (dez) páginas de referencial teórico. É importante e essencial a utilização de citações. Como recomendação, a citação deve seguir as normas de citação transcritas nesse manual de estágio. Fato importante, toda obra utilizada para apoiar o trabalho científico, seja citação direta, seja indireta, deve constar no tópico Referências. Palavra e/ou abreviaturas podem necessitar de um glossário. Tópico não obrigatório, mas excelente ferramenta linguística para uma boa compreensão do texto desenvolvido.

39

3.1.3 Planejamento (Plan) Este tópico constitui o plano a ser executado, elaborado sob aspectos de metas. É a representação inicial da descrição do processo de implementação definidos no projeto mediante linha do tempo: a. Definir Metas levando em consideração aspectos quantitativos: quantidade, valor, percentual e tempo; b. Montar fluxo ou diagrama de blocos demonstrando os processos envolvidos; c. Identificar na linha do tempo as etapas.

3.1.4 Desenvolvimento (Do)

Definições de ações para execução do planejado. Como técnica auxiliar, utilizase o Plano de Ação (5W2H) como forma de detalhar etapas para a efetivação das metas descritas em tópico anterior. Neste caso, o Plano de Ação será constituído das seguintes etapas mediante a definição dos blocos esquematizados em planilha com as seguintes informações: a. Item (IT): numerar as ocorrências; b. O que (What): Descrever a atividade a ser executada; c. Por que (Why): Descrever o motivo de propor tal ação; d. Quem (Who): Determinar o colaborador responsável pela execução; e. Onde (Where): Identificar onde será executada a atividade; f. Quando (When): Determinar a data para início da ação; g. Como (How): Definir os meios necessários para esta execução; h. Quanto (How much): Sumarizar o investimento necessário; i. Status/Observações: Aspectos relevantes a serem abordados identificados durante a execução das etapas.

3.1.5 Checagem (Check)

Etapa de coleta de dados para verificação se os objetivos foram alcançados. Constitui-se um momento de comparação entre o planejado, o executado e o

dados.40 consequente resultado da operação. papel. caneta etc. para eliminar ou reduzir o risco ao projeto. Item (IT): Numerar as ocorrências. Ferramentas: equipamentos necessários auxiliares ao processo como computadores. data show. 3. d. Material: componentes. Descrição: Declarar detalhadamente o problema ocorrido. apropriadamente também chamado de “espinha-depeixe” ou gráfico de Ishikawa. d. Caso não seja possível a implantação do projeto desenvolvido. c. Dividem-se em quatro aspectos generalistas ditos causas fundamentais: a. b. Elaborar quadro comparativo entre as metas propostas no Plano de Ação e o resultado obtido. equipamentos diversos. Restrição: Ocorrência encontrada restringindo execução da meta declarada. desenvolvendo na etapa Ação.1. retro projetor. formação. c. gráfico de Causa e Efeito e proposta de Plano (Ação). . produção. Prioridade: Classificar o problema no contexto geral para realização do projeto: Baixa..6 Ação (ACT) Considerações sobre eventuais acertos. Pessoas: relacionado aos colaboradores nos aspectos motivação. Método: processo necessário – Know-How – para o desenvolvimento e execução do planejado. o grupo deverá identificar as dificuldades e possíveis riscos ao processo. utilizar-se-á a ferramenta Folha de Verificação com os seguintes dados. Tipo de Problema: Informar (nomear) de forma sumarizada em concordância com o Plano de Ação (Status). Para tal. Deverá ser usada a ferramenta do diagrama de causa e efeito. e. b. elaboração de produtos ou idéias. informações necessárias para o processo de transformação. Objetiva feedback sobre o sistema a partir de investigação sobre as causa do não cumprimento das metas préestabelecidas em acordo com o planejado. Média ou Alta. a saber: a. O efeito indesejado na etapa planejada será analisado na busca de suas causas. treinamento.

Tem por finalidade recapitular sinteticamente os resultados mais importantes e sua contribuição ao processo de implementação. Conclusivamente apresentar avaliação própria sobre o sucesso ou dificuldade encontrado para atingir os objetivos especificados. o aluno deverá apresentar os itens relevantes que não puderam ser aprofundados no seu trabalho. com o intuito de subsidiar estudos futuros.2 CONCLUSÃO E RECOMENDAÇÕES É a síntese dos resultados do trabalho. No que diz respeito às recomendações. 3.41 Deverá ser utilizado o diagrama para cada problema detectado com as devidas características apresentadas de causa e efeito. O aluno poderá apresentar seu ponto de vista mediante trabalhos com semelhante processo de implantação. A conclusão NÃO É CONSIDERADA CAPÍTULO. .

7º Estágio Supervisionado II. deverá ser entregue antes do término do semestre. e NBR 6023/2002. NBR 10520/2002. que trata das Regras de Referências.42 4 ESTRUTURA DO RELATÓRIO FINAL A elaboração do Relatório Final deverá seguir as normas estabelecidas neste Manual de Estágio em consonância com a Associação Brasileira de Normas Técnicas – ABNT. e 8º . respeitando as Normas NBR 14. voltadas para a Apresentação de Trabalho. O Relatório Final tem como estrutura os seguintes elementos: .Estágio Supervisionado III).724/2005. ou seja. destinada às normas de Citação em Documentos. segue-se em acordo com o regulamento vigente do Uninorte. O Relatório Final inclui os trabalhos realizados nos três períodos (6º. Quanto ao prazo de entrega.Estágio Supervisionado I.

43 SUMÁRIO LISTAS* ABSTRACT RESUMO EPÍGRAFE* AGRADECIMENTOS* DEDICATÓRIA* F. mas não numerados. DE APROVAÇÃO F. sem negrito. ANEXO* APÊNDICE* GLOSSÁRIO* REFERÊNCIAS ELEMENTOS PÓSTEXTUAIS: Contados e numerados em algarismos arábicos. . sem negrito *Elementos opcionais. CONCLUSÃO TEXTOS -CAPÍTULOS APRESENTAÇÃO ELEMENTOS TEXTUAIS: Contados e numerados em algarismos arábicos. CATALOGRÁFICA (No verso da folha de rosto) FOLHA DE ROSTO CAPA -não se contaELEMENTOS PRÉTEXTUAIS: Contados sequencialmente a partir da folha de rosto.

Autorização de realização da Pesquisa .1.1 ABORDAGEM INTRODUTÓRIA SOBRE O TEMA 1.2.Autorização de uso do Nome (se aplicável) .1 METODOLOGIA UTILIZADA 3.2.5 O Diagrama DE ISHIKAWA 1. FLUXO.1.2.2 O Fluxograma 1.3 CRONOGRAMA DAS ATIVIDADES 4 VERIFICAÇÃO (CHECK) 4.2 FERRAMENTAS DE PLANEJAMENTO 1.1 DIAGRAMA DE ISHIKAWA CONCLUSÕES E RECOMENDAÇÕES REFERÊNCIAS APÊNDICES .2.2 FLUXOGRAMA DO PROCESSO (INSUMOS.7 Cronograma 2 PLANEJAMENTO (PLAN) 2.2 Fluxograma Proposto do Processo 3 DESENVOLVIMENTO (Do) 3.1 Fluxograma Atual do Processo 2. CLIENTES): 2.3 Observação Direta 3.2.6 A Folha de Verificação 1.2 Entrevista (e/ou Questionário) 3.1 O PDCA 1.Relatório da Visita Técnica 2 .2.3 Estabelecimento de Metas 1.2 PLANO DE AÇÃO ELABORADOS 3.4 O 5W2H 1.1 Análise documental 3.2.1.1 METAS ESTABELECIDAS PARA O PROJETO 2.Relatório da Visita Técnica 1 .1 FOLHA DE VERIFICAÇÃO 5 AÇÃO (ACT) 5.3: RESUMO ABSTRACT LISTA DE FIGURAS LISTA DE GRÁFICOS LISTA DE TABELAS CAPITULO 3 APRESENTAÇÃO 1 FUNDAMENTAÇÃO TEÓRICA 1.44 Exemplo da estrutura de tópicos que constituem o Sumário do Relatório (a formatação do Sumário deve ser observada no item 2.Relatório da Visita Técnica 3 ANEXOS .2.2.2.

1 NORMAS PARA FORMATAÇÃO 4. ilustrações e figuras Na folha de rosto. a natureza do trabalho Ficha Catalográfica . como textos de natureza técnica. também chamado “PAPEL OFÍCIO”.45 4. devem acompanhar os protocolos de produção conforme segue: a) Papel A4 (297mm x 210mm). destacadas do texto Nas notas de rodapé Na paginação Nas legendas de tabelas. Sem molduras e ornamentos. exceto para a ficha catalográfica que se deve usar o verso. os trabalhos acadêmicos. De cor branca. Somente o anverso da folha deve ser utilizado. b) Fonte De cor preta.1. De tipo Times New Roman ou Arial. Tamanho da Fonte 12 10 10 10 10 12 12 Fonte No corpo do texto e nos subtítulos Nas citações longas.1 Regras Resumidas de Apresentação a)Papel b)Fonte c)Margens d)Espaçamento entre Linhas e)Parágrafo f)Numeração de Páginas g)Numeração de Seções ou Capítulos Segundo Furasté (2006).

nas referências.um duploLinha em branco .46 Capa Nome da instituição e do curso Nome do autor do trabalho Título Subtítulo Local (cidade)da instituição onde deve ser apresentado Ano de depósito (da entrega do trabalho) Tamanho da Fonte 14 14 14 12 12 12 c) Margens Margens a serem utilizadas em todo o trabalho Margem Esquerda Superior Direita Inferior Tamanho da Margem 3 cm 3 cm 2 cm 2 cm Obs.5 Linha em branco . d) Espaçamento entre linhas Para que o trabalho seja bem organizado.um duplo Simples .: Nas citações longas. nas notas. nas legendas Entre uma referência e outra Títulos das subseções Na folha de rosto (no texto sobre a natureza do trabalho) e na ficha catalográfica Espaçamento 1. destacadas do texto: recuo de 4 cm da margem esquerda.um duplo- Simples Duplo Linha em branco . o aluno deverá seguir o padrão de espaçamento: Espaço No corpo do texto Entre os títulos e o início do texto O espaço entre o texto e a citação direta longa (antes e após a citação) Nas citações longas.

chegando. a numeração de páginas do segundo volume dá seqüência à numeração do primeiro volume. inclusive na página que se iniciar o capítulo. antes do título. f) Numeração de Páginas Se houver subdivisão do texto em capítulos. As páginas dos apêndices e anexos devem ser numeradas em sequência à numeração do texto principal. Alinhamento à esquerda nos títulos com indicativo numérico.0 cm. até a seção quinária.47 e) Parágrafo Adentramento de 9 toques de espaço ou 1. em algarismos arábicos. à exceção da capa. A numeração de páginas é feita em algarismos arábicos. Devem ser evitadas subdivisões excessivas do texto. do qual deve ser separado por um caractere de espaço. g) Numeração de Seções ou Capítulos Os títulos das seções do texto devem vir em numeração progressiva. ficando o último algarismo a 2 cm da borda direita da folha. Todas as folhas. no máximo. Alinhamento justificado à esquerda e à direita. no corpo do texto. . Os títulos das seções primárias (capítulos) devem ser iniciados em nova página. a 2 cm da borda superior. Os números de páginas não devem ser grafados nos elementos prétextuais. serão contadas. Havendo mais de um volume. cada capítulo deve iniciar em uma nova página. localizados ao alto direito da extremidade superior da folha. O indicativo numérico de uma seção deve vir à esquerda. mas o número da página deverá vir explícito a partir da introdução. A contagem do número de páginas começa na folha de rosto. Alinhamento centralizado nos títulos sem indicativo numérico.

.48 Nos títulos das seções.1.Para definir as margens: Na guia Layout da página – Margens e definir 3 cm para esquerda e superior. 1. use também a guia Layout da página – Margens – Margens Personalizadas .1. A primeira subdivisão de capítulo (seção secundária) deve vir em caixa alta. sem caixa alta. em negrito.1 (título 03) Subdivisão da subdivisão do capítulo (Minúsculo e negrito). 1.Papel – Tamanho do papel.1 (título 02) SUBDIVISÃO DO CAPÍTULO (MAIÚSCULO E NEGRITO). devem ser utilizados recursos gráficos. a caixa alta e o itálico. d) As demais subdivisões devem vir sem negrito e sem a caixa alta. como o negrito. para direita e inferior. a instituição determina que: a) b) c) Os títulos de capítulos (seção primária) devem vir em negrito e em caixa alta. *Lembrando: Como fazer? .1. 2 cm. E o tamanho do papel. A segunda subdivisão (seção terciária) deverá vir em negrito. A título de normalização. 1.1 Outras subdivisões (Minúsculo e normal). Exemplo: 1 (título 01) TÍTULO DO CAPÍTULO (MAIÚSCULO E NEGRITO).

feche as opções de cabeçalho e rodapé.Inserir . dando um duplo clique em cima do número da página ou cabeçalho da folha desejada na qual necessita que fique visível o número da página do documento. escolha a opção Números de página. Na sequência. Na mesma guia de Design de propriedades de Cabeçalho e Rodapé. a opção Formatar números de página. em seguida. clique na opção Número de Página e escolha Início de Página e escolha. Vá na opção Editar Cabeçalho (cabeçalho ativo). Marque a opção Iniciar em: e insira o número de página que deseja que fique visível no documento. e escolha o menu Quebra que abrirá as opções de Quebra de Seção. e. Após esse procedimento. Clique na página que deseja iniciar a numeração. retorne as opções de Cabeçalho.editar essa numeração com a Quebra de seção. depois clique a opção condiz com a formatação exigida para seu trabalho (canto superior. Abra novamente as opções de Cabeçalho e Rodapé e Desmarque a opção Vincular ao documento anterior. escolha a opção Próxima Página. Após isso.e escolha o menu Cabeçalho.49 Como fazer? *Word 2007= Para paginar um documento: Guia de menu . . insira as numerações de página do seu documento . e entre na guia Layout de Página. à direita). Logo.

ou superior a 2 elementos. * As listas são obrigatórias apenas se houver número expressivo dos elementos em questão. negrito e respeitando a hierarquia organizacional.5 entre o nome da instituição e o nome do curso). centralizado. espaço 1. d) Título (caixa alta. espaço 1. negrito e tamanho 14. PARA TODOS OS TRABALHOS. Folha de Rosto (obrigatória. centralizado.2 Elementos Pré-textuais São chamados pré-textuais todos os elementos que contêm informações que ajudam na identificação e na utilização do documento. centralizado. negrito e tamanho 12). . para todos os trabalhos). c) Nome do autor (dois espaços duplos após o nome do curso. caixa alta. Siglas e Símbolos* (opcional) l) Sumário (obrigatório). tamanho 14).5 entre as linhas do título e subtítulo). negrito e tamanho 14. e) Subtítulo (se houver. a) Capa OBRIGATÓRIA. Por esta razão é constituído pelos seguintes itens: a) b) c) d) e) f) g) h) i) Capa (obrigatória. negrito e tamanho 14). Deve conter as seguintes informações: a) Nome da Instituição de Ensino (caixa alta. b) Nome do curso (caixa alta. Resumo em Língua Portuguesa (obrigatório para os textos monográficos). para todos os trabalhos). Mais de um autor classificar em ordem alfabética pelo primeiro nome.50 4. j) Resumo em Língua Estrangeira (obrigatório para os textos monográficos). Ficha Catalográfica (obrigatória – no verso da folha de rosto) Folha de Aprovação (obrigatório) Folha de Dedicatória (opcional). para todos os trabalhos no UNINORTE). caixa alta.1. centralizado. Lombada (obrigatória. Folha de Epígrafe (opcional). centralizado. k) Lista de Abreviaturas. Folha de Agradecimentos (opcional).

negrito Laureate International Universities CURSO DE ADMINISTRAÇÃO 3 cm 2 espaços duplos NOME COMPLETO 1 NOME COMPLETO 2 NOME COMPLETO 3 Tamanho da Fonte: 14. g) Ano (centralizado. espaço simples entre a linha do local e ano).cidade da instituição onde deve ser apresentado o trabalho (caixa alta.51 f) Local . negrito 1 espaço 1. negrito 2 cm 1 espaço simples MANAUS 2010 Tamanho da Fonte: 12.5 Tamanho da Fonte: 14. centralizado. negrito. tamanho 12).5 IMPLANTAÇÃO DE UM PLANO DE CARGOS E SALÁRIOS NA EMPRESA X: SUBTÍTULO (SE HOUVER) TÍTULO Tamanho da Fonte: 14. Exemplo de Capa: 3 cm CENTRO UNIVERSITÁRIO DO NORTE 1 espaço 1. negrito. negrito SUBTÍTULO Fonte 12. tamanho 12. negrito 2 cm .

Exemplo de Lombada: Almeida Barbosa Albuquerque PROPOSTA DE IMPLANTAÇÃO DO PLANO DE CARGOS E SALÁRIOS NA EMPRESA X ANO . fonte 14. negrito).: v. Thiago André de Almeida e Sandra da Silva Barbosa (colocar na lombada somente os sobrenomes – Albuquerque. negrito). fonte 12. indicar na lombada: Título do trabalho (caixa alta. Suelen Maria Albuquerque.52 b) Lombada ELEMENTO OBRIGATÓRIO Em trabalhos encadernados com capa dura. 2). Almeida. Nomes Abreviados: Ex. Ano (caixa alta. Barbosa – dos componentes em ordem alfabética). Elementos alfanuméricos de identificação (ex.

o espaço entre as linhas deve ser simples). justificado. . tamanho 12. f) local (centralizado. b) título (centralizado. negrito. negrito e tamanho 14). caixa alta. área de concentração (justificado.530 c) Folha de rosto ELEMENTO OBRIGATÓRIO Este elemento refere-se aos dados da capa e apresenta a natureza do trabalho. g) ano (centralizado e tamanho 12). objetivo (aprovação em disciplina. nome da instituição a que é submetido. d) natureza (relatório final ou monografia). fonte 12). titulação. negrito e tamanho 12). tamanho 12. negrito e tamanho 14). recuado a 7 cm da margem esquerda e um espaço simples do item “natureza”. devendo incluir: a) nome do autor (centralizado. grau pretendido e outros). recuado a 7 cm da margem esquerda. c) subtítulo (se houver. e) nome do orientador. o objetivo acadêmico e a instituição a que se destina. caixa alta.

a 7 cm da margem esquerda. Tamanho da Fonte: 12. Turma ADN0801. MSc. negrito . III). centro. Fulano Souza. MANAUS ANO 2 cm Tamanho da Fonte: 12. justificado. espaçamento simples. apresentado ao Centro Universitário do Norte como prérequisito para a obtenção do grau de bacharel em Administração. 1 espaço 1. II.540 Exemplo de Folha de rosto: 3 cm 3 cm NOME DO AUTOR NOME DO AUTOR 2 NOME DO AUTOR 3 2 cm Tamanho da Fonte: 14 .5 Orientador: Prof. negrito TÍTULO DO TRABALHO Tamanho da Fonte: 14 Relatório Final do Estágio Supervisionado (I.

palavra-chave 3. após a conclusão e apresentação do mesmo. OBS. palavra-chave 2. nº folhas: il. Sua confecção é de responsabilidade dos profissionais de Biblioteconomia. (quando houver ilustrações). Local: editora. ano. e) Folha de Aprovação .550 d) Ficha Catalográfica ELEMENTO OBRIGATÓRIO Obrigatoriamente localizada no verso da folha de rosto. O aluno deverá procurar na Biblioteca da Instituição o(a) bibliotecário(a) para inserir a ficha catalográfica do trabalho..5 cm de altura e 12. Xxxxx Sobrenome. 30cm Relatório Final apresentado ao Curso de Administração Centro Universitário do Norte/Laureate.palavra-chave. Orientador: 1. deve ser feita de acordo com o Código de Catalogação Anglo Americano 2 – CCAA2. Nome Título do Trabalho / autor (na ordem direta). CDD xxxxx .5 cm de largura. ano.: A ficha catalográfica deverá ser impressa no VERSO da folha de rosto e deverá ter 7.

tamanho 12. objetivo (aprovação em disciplina. grau pretendido e outros). f) Termo BANCA AVALIADORA (centralizado.560 ELEMENTO OBRIGATÓRIO Folha padrão que aprova o Relatório Final de Estágio. sendo assinada pelos componentes da Banca Avaliadora. Deve constar logo após a autorização da empresa e dispor das seguintes informações: a) Nome do autor (centralizado. negrito. b) Título do trabalho (centralizado. caixa alta. d) Título e subtítulo (no mesmo padrão da capa). tamanho 12. se houver necessidade de usar mais de uma linha o espaço deverá ser simples – Centro Universitário do Norte). tamanho 14). tamanho 14. Seus nomes deverão constar após o nome do Orientador do Relatório. c) natureza (relatório final). Orientador do Projeto e Orientador do Diagnóstico. negrito. e) Data de aprovação (justificado. OBS: Os avaliadores serão preferencialmente os orientadores dos respectivos estágios. nome da instituição a que é submetido. traço para assinatura dos membros da Banca e o nome da Instituição de Ensino logo abaixo (Centralizado. tamanho 12). caixa alta. titulação. caixa alta. . negrito. o espaço entre as linhas deve ser simples). g) Nome completo. com espaço de 2 entre o nome do autor e o título do trabalho). ficando na seguinte ordem: Nome do Orientador do Relatório. e área de concentração (justificado. fonte 12).

Centralizado Espaço Duplo entre os membros da banca Nome do Avaliador 2. Entre linhas simples TÍTULO DO TRABALHO Relatório de estágio apresentado ao Centro Universitário do Norte – UNINORTE. sigla da titulação Orientador do Diagnóstico Centro Universitário do Norte 2 cm . 2 cm Aprovada em _____/_____/_____ Tamanho da Fonte: 12 BANCA AVALIADORA Nome do Avaliador 1 (o orientador). sigla da titulação Orientador do Projeto Centro Universitário do Norte Nome do Avaliador 3. como um dos pré-requisitos para a obtenção do grau de bacharel em Administração. sigla da titulação Orientador do Relatório Centro Universitário do Norte Tamanho da Fonte: 12. justificado.570 Exemplo de Aprovação: 3 cm NOME DO AUTOR 3 cm Tamanho da Fonte: 14 1 Espaço duplo Tamanho da Fonte: 12.

3 cm 3 cm 2 cm Aos meus filhos Aos meus mestres Tamanho da Fonte: 12. Trata-se do local onde o autor presta uma homenagem ou dedica seu trabalho a uma ou mais pessoas que contribuíram de alguma forma para a consecução do trabalho.580 f) Folha de Dedicatória Elemento opcional Folha reservada para dedicar o trabalho.5. Espaço 1. sem negrito 2 cm . à direita da margem inferior.

...5 2 cm . negrito centralizado. Aos professores.. 3 cm AGRADECIMENTOS 3 cm Tamanho da Fonte: 12.590 g) Folha de agradecimento ELEMENTO OPCIONAL Local onde o aluno agradece às pessoas que. direta ou indiretamente. espaço 1... 2 espaços duplos para o início do texto. caixa alta. sem negrito. contribuíram para a realização do seu trabalho. cada autor do grupo pode fazer o seu agradecimento individual e assinar abaixo. -------------------2 cm Tamanho da Fonte: 12. A Deus e minha família ------Ao Centro Universitário ------Ao orientador.

O bom cientista é arrogantemente humilde. e espaço simples. de certa forma.600 h) Folha de Epígrafe ELEMENTO OPCIONAL Esta página é opcional. à direita da margem inferior. apresentando a citação de um pensamento que. Obrigatoriamente deve aparecer no campo inferior direito da página. sem negrito. também. no início de cada capítulo ou partes principais. embasou ou inspirou o trabalho. 3 cm 3 cm 2 cm A ciência é uma mescla de dúvida e certeza. o que não se reduz a mero jogo de palavras: arrogante em relação ao método e humilde quanto à fé em conhecimento. Tamanho da Fonte: 12. Pode ocorrer. campo superior direito. 2 cm .

O IBGE traz em suas principais publicações uma série de dados sobre a atividade pecuária da região. São Caetano do Sul. Mauá. permitam uma compreensão melhor do perfil leiteiro da região do ABC paulista. 3 cm RESUMO 3 cm O presente estudo procurou realizar um trabalho de campo no sentido de serem tabuladas informações que. São Bernardo do Campo. Sua estrutura deverá ser: texto e palavraschave. perfil. Não ultrapassa 500 palavras e deve ter um único parágrafo. localizadas adjacentes à capital do estado. bovinos. São Paulo. Diadema. ao lado dos dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Esta região é composta pelas cidades de Santo André. graças a existência de áreas de reserva de mata atlântica destinadas a proteção de mananciais. mas nenhuma das propriedades visitadas realizava comercialização com inspeção oficial.7 trabalhadores e apenas 5% contavam com assistência veterinária regular. assim. Ribeirão Pires e Rio Grande da Serra. à produção leiteira. em espaço simples. principalmente. Das propriedades visitadas. os riscos para a saúde pública.5 2 cm . Palavras-chave: Região do ABC. em média.610 i) Resumo em Língua Portuguesa ELEMENTO OBRIGATÓRIO Corresponde à apresentação concisa do texto. Reforçam-se. p. o método. foram visitadas 19 propriedades. 2 cm Tamanho da Fonte: 12. A região é caracterizada por intensa atividade industrial mas. nela podem ser encontradas inúmeras pequenas propriedades com pequenos rebanhos bovinos destinados. dos quais 80% são fêmeas. destacando o objetivo. O principal destino do leite produzido foram os ranchos de pamonha da região. os resultados e as conclusões do trabalho. sem negrito Espaço 1. As propriedades analisadas empregavam. 79% possuíam área inferior a 5 ha. Deve-se usar o verbo na voz ativa e na terceira pessoa do singular. 2). espaço simples. às quais foi submetido um questionário com uma série de perguntas cujas respostas foram posteriormente tabuladas e analisadas. O tamanho médio do rebanho foi de 12 animais por propriedade. dissertações e outros) e relatórios técnico-científicos” (NBR 6028.2 litros por cabeça. ao sul e sudeste. No presente estudo. A produtividade média diária de leite encontrada foi de 3. Deve ter “de 150 a 500 palavras nos trabalhos acadêmicos (teses. 1. leite.

. podem ser incluídas as seguintes listas: de ilustrações......... 2003.Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo .........Mapa dos municípios que compõem a região estudada. de tabelas......Número de processos arrolados nos anos de 1998 e 1999....Gráfico de valores demográficos por município.......123 Tabela 2 .................18 Figura 2 ...236 LISTA DE ABREVIAÇÕES (Deve vir em ordem alfabética) ABI.. No UNINORTE (Curso de Administração) será utilizado o inglês....... Devendo ser colocadas antes do sumário..: Ressalte-se que “o resumo deve ser precedido da referência do documento. k) Lista de Abreviaturas. Cada categoria deve ser apresentada em folha separada...... com indicação do respectivo número da página...................................... Obedece a mesma estrutura do resumo: texto e palavras-chave........ de abreviaturas e siglas.25 LISTA DE TABELAS (Deve vir na sequência em que aparece no texto) Tabela 1 ....... 2)............ com exceção do resumo inserido no próprio documento” (NBR 6028..........Associação Brasileira de Imprensa FAPESP...... Sua finalidade é facilitar a divulgação do trabalho............... p................................ j) Resumo em Língua Estrangeira (Abstract) ELEMENTO OBRIGATÓRIO Versão do resumo para o idioma estrangeiro...... consistindo na tradução do resumo para o inglês............Valores de indenizações pedidas nos anos de 1998 e 1999....... Siglas e Símbolos ELEMENTO OPCIONAL A relação de elementos ilustrativos ou explicativos deve ser elaborada de acordo com a ordem apresentada no Relatório Final......... Dependendo das características do documento...... LISTA DE FIGURAS Figura 1 ........620 OBS.......

fotografias.. servem para elucidar.. após a palavra FIGURA e separado desta por hífen... mesmo quando se fizer referência a mais de uma figura. desenhos. devendo ser colocadas antes do sumário..alfa Ilustrações NBR 10719/2002 As ilustrações (gravuras.. O título deve ser breve e explicativo e deve-se localizar abaixo da ilustração e na mesma margem. Figuras As ilustrações (com exceção de TABELAS) são designadas e mencionadas ao longo do texto.... No caso de ilustrações não originais. 24 mostra .. ou A análise dos resultados mostrou dois perfis distintos (FIG.Marca registrada µ. sempre como “figuras”. Numeram-se as ilustrações no decorrer do texto com números arábicos. modelos... escrito em letras minúsculas.. é sempre escrita com maiúsculas e usada somente no singular. Deverão ser inseridas no trabalho o mais próximo possível à questão apresentada ou discutida. As ilustrações são relacionadas em listas próprias.. citar a fonte de onde foram retiradas... Exemplo: A FIG.. A indicação pode integrar o texto.1.. 25).630 LISTA DE SÍMBOLOS ®.. fórmulas e gráficos).. mapas. na subseção 2. A abreviatura FIG.... ou localizar-se entre parênteses no final da frase.... Por exemplo: ... conforme a estrutura do TC. exemplificar a compreensão do texto.. em uma seqüência própria..

deve ser possível ao leitor encontrar respostas para as perguntas “o quê?”. juntamente com seu título. negrito. Tabelas pequenas aparecem centradas na página. Devem ser dotadas de um título claro e conciso localizado acima delas (justificado.Município de Presidente Figueiredo (AM) Fonte: IPAAM. para evitar confusões na leitura. Pepper Pepsi-Cola Sprite Número de consumidores 19 8 5 13 5 Percentual 38% 16% 10% 26% 10% . fonte 12). devem ser usados traços verticais. “onde?” e “quando?”. Exemplo: Tabela 1 – Distribuição de consumidores segundo a preferência por refrigerantes Refrigerante Coca-Cola Coca-Cola Light Dr. havendo grande número de colunas. antes do título.640 Figura 2 . dispensam-se os traços verticais. quando não podem ser estendidas até a margem da página. Não são fechadas lateralmente e tampouco aparecem traços horizontais separando dados numéricos. vindo com o termo Tabela. Porém. 2004 Tabelas As tabelas contêm palavras e números. Para tabelas pequenas. isto é. O título é escrito em letras minúsculas e deve conferir independência à tabela. se destacada a tabela do trabalho.

Campo auditivo do homem Fonte – ROSETI. p. localizado abaixo (fonte 10) e sua citação no texto será pela indicação GRÁF. 68. 1974. e número da ordem a 10-2 -4 watt/cm2 10-6 10 10-8 1010 limia r da dor limiar da audição 1012 1014 1016 1 3 6 1 2 5 1 2 4 8 1 6 2 4 2 5 1 0 0 0 1 6 8 6 2 2 4 9 9 3 4 8 6 2 8 4 Hertz 14 12 10 8 6 4 2 0 Decibéis Gráfico 1 . . SWEENEY E WILLIAMS. exemplo abaixo). em letras minúsculas. 2003 Gráficos Os gráficos são desenhos constituídos de traços e pontos.650 Total 50 100% Fonte: ANDERSON. Seu título é precedido pela palavra Gráfico(negrito) que se refere (v.

seguida de seu número de ordem de ocorrência no texto. 1985. em algarismos arábicos. l) Sumário ELEMENTO OBRIGATÓRIO Indica as divisões e seções de um documento na mesma ordem e grafia em que a matéria se sucede. deve vir em itálico e a fonte do documento em tamanho 10. Quando houver a necessidade de utilizar ilustrações. Quadro 2 . exemplo) caracterizam-se por conter dados sem tratamento estatístico e apresentam-se com as laterais fechadas. Como as tabelas. apenas com a primeira letra em letra maiúscula. iniciada pela palavra Quadro.660 Quadros Os quadros (v. Tendo termo em outro idioma. precedida da palavra designativa. p. negrito) localizado acima do quadro. sem negrito. . devem apresentar um título claro e conciso (centralizado. sua identificação aparece na parte inferior da figura. não se esquecendo de fazer uma ligação entre o texto – ilustração – texto.Possibilidades de Escolha dos Modelos ANOVA Uma entrada (one way) Uma variável Duas amostras independentes ou mais Duas amostras cruzadas ANOVA I Duas entradas (two way) Duas variáveis ANOVA II Três entradas (three way) Três variáveis ANOVA III ANOVA R-I ANOVA R-II ANOVA R-III Fonte: DUARTE. A ilustração deve ser inserida o mais próximo possível do trecho a que se refere. conforme o projeto gráfico. acompanhado do respectivo número da página (NBR. independente de seu tipo. 6027/2003). fonte 12. do respectivo título ou legenda explicativa de forma breve e clara. dispensando consulta ao texto e da fonte. 19.

: Verificar no capítulo 2 (Diretrizes para a Elaboração de Projetos) o modelo de sumário.1. em negrito. CAPÍTULO III – IMPLEMENTAÇÃO.670 OBS. ao centro da página (vertical e horizontalmente) na fonte 20.3 Elementos Textuais São chamados textuais os elementos referentes ao conteúdo. Deverá ser dividido em três (03) capítulos identificados como: CAPÍTULO I – DIAGNÓSTICO ORGANIZACIONAL CAPÍTULO II – PROJETO CAPÍTULO III – IMPLEMENTAÇÃO Todo o material desenvolvido nestas três fases do Estágio Supervisionado deverá ser mencionado. CAPÍTULO II – PROJETO . Projeto e Implementação. respectivamente conforme exemplo: CAPÍTULO I – DIAGNÓSTICO ORGANIZACIONAL. propriamente dito do trabalho. O sumário deverá ser composto em acordo com os sumários dos Relatórios de Diagnóstico. Sumário Projeto. com divisão por capítulo. Sumário Diagnóstico. sendo todos obrigatórios. conforme referenciado no tópico anterior e deverá fazer parte da . A Capa de cada relatório deverá ser substituida pela folha com a descrição do capítulo. conforme exemplo: CAPÍTULO I DIAGNÓSTICO ORGANIZACIONAL As páginas dos sumários dos referidos relatórios devem ser novamente numeradas de forma sequencial para localização dentro do Relatório Final. Sumário Implementação O capítulo e sua descrição deverão estar em página única. 4.

apesar de ser feita através da interpretação do leitor. quanto fora do texto. o(s) número(s) da(s) página(s) da qual se retirou o trecho citado. sem ter acesso ao documento original. ou seja. não pode perder o sentido original. portanto. Em virtude de não se apresentar literalmente conforme o texto original. literal ou textual). podendo ser de forma literal (citação direta. pois o pensamento do autor da obra consultada não poderá ser distorcido. bem como não existe uma quantidade de linhas mínimas ou máximas. não se usa aspas e a indicação das páginas passa a ser opcional. entretanto.1. somente a primeira letra em caixa alta. o sobrenome do autor permanece no corpo do texto. seguido do ano de . 4. o autor poderá aparecer tanto dentro. fonte primária (citação de citação). tal transcrição deve manter-se fiel à ideia do texto original. 4. contudo. com a finalidade de esclarecer ou complementar as ideias apresentadas no trabalho. devendo-se colocar entre parênteses o ano de publicação da obra e. sendo realizada a partir de palavras do aluno.1 Citação Livre ou Indireta Corresponde à transcrição feita através da interpretação. resumo ou tradução do autor do trabalho. Isto implica afirmar que este tipo de citação deve ser estruturado com o máximo de cuidado. É válido destacar que durante a citação livre. opcionalmente. de forma resumida. Caso o aluno não coloque o sobrenome do autor no corpo do texto.680 numeração de sumário sem. no caso o aluno (citação indireta ou livre) ou de forma intermediária.1 Regras de Citação Por citação. sendo que neste caso pode-se incluir dentro dos parênteses o sobrenome do autor todo em caixa alta.3. apresentar o número de página no topo superior direito.1.1. deve aparecer ao final da citação. interpretada ou traduzida. Quando ocorrer o primeiro caso.3. transcrita através das palavras do autor do trabalho. entendem-se como trechos transcritos que são retirados das fontes consultadas durante a realização do trabalho científico. uma vez que este tipo de citação. ficando.

Fonte Eletrônica Como é lembrado em CLIMA. ou seja. Em Fonte Referente à Entrevista Como é lembrado em Guimarães (2003). observa-se que estabelecer um padrão entre a informação não é nada fácil. observa-se que estabelecer um padrão entre a informação não é nada fácil.. (2000. o que deveria ser unificado.. ou seja. o que deveria ser unificado. verifica-se a relevância de estabelecer normas para o desenvolvimento qualitativo dos trabalhos científicos.690 publicação da obra e. 2003). o que deveria ser unificado. uma vez que as pessoas preferem interpretar a informação segundo seu contexto. o(s) número(s) da(s) página(s) que se retirou o trecho citado. principalmente quando se trata do futuro. Por esta razão. opcionalmente. . Por esta razão. 2000). Mas. p. uma vez que as pessoas preferem interpretar a informação segundo seu contexto. normalizado (GUIMARÃES. normalizado (CORREA FILHO. Por esta razão. Mas. Exemplos: Em Fonte Impressa Como é lembrado em Martins (2000. uma vez que as pessoas preferem interpretar a informação segundo seu contexto.39). observa-se que estabelecer um padrão entre a informação não é nada fácil. verifica-se a relevância de estabelecer normas para o desenvolvimento qualitativo dos trabalhos científicos. o futuro desenvolvimento da informação está cada dia mais dependente de um plano unificado de normalização. o futuro desenvolvimento da informação está cada dia mais dependente de um plano unificado de normalização. muitas vezes. muitas vezes. p. verifica-se a relevância de estabelecer normas para o desenvolvimento qualitativo dos trabalhos científicos. muitas vezes.39). principalmente quando se trata do futuro. distorcendo. 2000). ou seja. distorcendo. principalmente quando se trata do futuro. o futuro desenvolvimento da informação está cada dia mais dependente de um plano unificado de normalização. normalizado (CORREA FILHO. Mas. distorcendo.

à ortografia e à pontuação original do texto. basta fazer uso de reticências entre colchetes. A posição do autor poderá se apresentar tanto dentro. também fazer uso dos colchetes. afirmamos que tal informação a cada dia será mais dependente da normalização”. Exemplo: Pode-se observar em Martins (2000. ou seja. conforme fora destacado. literal ou textual.3. a citação. o autor sentir necessidade de acrescentar alguma informação extra. uma vez que se apresenta exatamente como consta no original (inclusive com erros gráficos ou de outra natureza) e. podendo ser caracterizada da seguinte forma: a) Citação Curta (Quando se transcreve até 3 linhas): Devido este tipo de citação corresponder a um número pequeno de linhas transcritas.2 Citação Textual. . curta.700 4. Neste caso. obrigatoriamente. Caso o aluno sinta a necessidade de destacar alguma parte do texto. desde que seja direta.1. de grafia ou de outra natureza. entre aspas duplas. colocar-se a expressão “grifo nosso”. no meio da citação. Quando. 35) que “ao estudarmos sobre o futuro do desenvolvimento que a ‘informação’ terá daqui para frente. verifica-se a relevância de estabelecer normas para o desenvolvimento qualitativo dos trabalhos científicos. Obrigatoriamente necessita receber destaque tipográfico. usam-se aspas simples. Quando for necessário suprimir parte do texto. liga-se ao fato de que este tipo de citação deve respeitar o número de linhas citadas. entre colchetes. deve-se usar a expressão sic (=conforme estava escrito) após a palavra errada. quanto fora do texto. o aluno não pode corrigir erros gramaticais. respeitando as características formais em relação à redação. Por esta razão. Durante a citação textual. Caso na fonte de origem haja aspas. aparecer o(s) número(s) da(s) página(s) que se retirou o trecho citado. p. com a indicação do ano e da(s) página(s) que se retirou tal trecho.1. esta deve aparecer incorporada no próprio parágrafo do texto. O que não se pode deixar de destacar. Literal ou Direta Corresponde à transcrição feita de forma literal. entre colchetes. ao final da citação.

2000. 35). segundo o que podemos verificar. com fonte 10 e espaço simples (1cm). uma vez que faz com que o pesquisador consiga atingir os objetivos propostos. p. enquanto pesquisador. (4 cm) (1 espaço duplo ) Com base nas autoras. recuado a 4 cm da margem esquerda. em relação ao corpo do texto. OU Quando observado o que seria o chamado método científico. Por esta razão. p.710 OU Como já fora mencionado. Exemplo: Quando observado o que seria o chamado método científico. passa a ser um conjunto de procedimentos que faz com que o indivíduo. consiga atingir os resultados esperados. uma vez que faz com que o pesquisador consiga atingir os objetivos propostos. b) Citação Longa (quando se transcreve mais de 3 linhas) Devido este tipo de transcrição ser maior. mas também para o direcionamento dos trabalhos. destaca-se a relevância do método científico não só para a pesquisa. afirma-se que este corresponde ao caminho a seguir. Sobre este assunto afirmam Marconi e Lakatos (2005. 24) que: (1 espaço duplo ) o método científico. “ao estudarmos sobre o futuro do desenvolvimento que a ‘informação’ terá daqui para frente. uma vez que através do método científico irá caminhar de forma mais segura e com mais qualidade. ] . Pelo fato de se encontrar de forma diferenciada. deve aparecer em um parágrafo independente. NÃO SE USAM ASPAS. verifica-se a relevância de estabelecer normas para o desenvolvimento qualitativo dos trabalhos científicos. afirmamos que tal informação a cada dia será mais dependente da normalização” (MARTINS. afirma-se que este corresponde ao caminho a seguir.

Esta pode ser feita de forma literal ou com as palavras do autor. liga-se à seguinte afirmação em que (1 espaço duplo) o método científico. sendo bem. p. delimitado. “simplifica e facilita a maneira de conduzir a investigação.1. mas também para o direcionamento dos trabalhos. 2005. data e página (quando houver) do documento original deve aparecer após o termo apud. LAKATOS. sendo bem. p. 2005. uma vez que o aluno deve recorrer aos textos originais.1. 4. p.3. 58 apud MARCONI. destaca-se a relevância do método científico não só para a pesquisa. (4 cm) (1 espaço duplo) Com base nas autoras. . passa a ser um conjunto de procedimentos que faz com que o indivíduo. segundo o que podemos verificar. e sim outra obra que fez a referida citação.3 Citação da citação Quando o autor não consegue obter a fonte original. OU Com base no que foi apresentado. 24). É válido destacar que este tipo de citação deve ser evitado ao máximo. 38). todos os meios destacados estão com a razão” (MARINHO. Neste caso. Exemplo: Marinho (1980. 1980. uma vez que através do método científico irá caminhar de forma mais segura e com mais qualidade (MARCONI E LAKATOS. 58 apud MARCONI. enquanto pesquisador. LAKATOS. simplifica e facilita a maneira de conduzir a investigação. 2005) apresenta a formulação do problema como uma fase de pesquisa que. delimitado. o nome. este tipo de citação corresponde aos casos em que o aluno irá citar um trecho sem ter lido o texto original. Mas se ocorrer à necessidade de fazer uso desta. ou seja. deve-se utilizar a expressão latina apud (=citado por). mas sente a necessidade de transcrever a citação citada por outro autor. p. nota-se que o que fora apresentado acerca da formulação do problema como uma fase de pesquisa que.720 A prova disso. consiga atingir os resultados esperados.

deverá usará somente por Autor-Data ou Numérico. Obs. 4. É necessário destacar que se deve evitar usá-las desnecessariamente. delimitado.3. e de conteúdo. ibidem ou Ibid – na mesma obra.3 Notas Bibliográficas São as que indicam fontes consultadas ou remetem a outras partes da obra em que o assunto foi abordado. com indicação das fontes consultadas. em diversas passagens. – no lugar citado. Necessitam aparecer de forma sequencial e com algarismos arábicos.44) afirmam que estas correspondem às “notas indicadas ao pé das páginas.1. p. 58 apud MARCONI.2 Notas de Rodapé No que diz respeito às notas de rodapé. evitando explicações longas dentro do texto”. 2 Marinho (1980. todos os meios destacados estão com a razão”2. passim – aqui e ali. 3. 2.730 OU Com base no que foi apresentado. 4. 4. “simplifica e facilita a maneira de conduzir a investigação.3. idem ou Id – o mesmo autor. p.: Vale ressaltar que o aluno NÃO poderá misturar o sistema de citação. nota-se que o que fora apresentado acerca da formulação do problema como uma fase de pesquisa que. ou seja. a partir da margem esquerda e devem ser numeradas seqüencialmente.1. Curty e Cruz (2000. As notas de rodapé se separam do restante do texto por uma linha horizontal de 3 cm. sendo bem. .38). podendo ser de referência. sendo elas: 1. pode-se fazer uso das indicações bibliográficas. 1982 p. loco citado – loc cit. Quando a fonte for repetida inúmeras vezes.

– confira. O primeiro corresponde às informações vistas como indispensáveis para a recuperação da obra e pelo segundo.1. retirados de um documento. Para este tipo de chamada.1.4 Elementos Pós-Textuais São chamados pós-textuais todos os elementos que aparecem após o conteúdo do trabalho de curso propriamente dito.4 Notas Explicativas São usadas para a apresentação de comentários. cit.1 Referências ELEMENTO OBRIGATÓRIO Corresponde à lista das fontes que foram citadas no trabalho. entende-se como o conjunto padronizado de elementos descritivos. 4.4. – na obra citada. A referência é constituída de elementos essenciais e. 4. confronte. quando necessário. esclarecimentos ou explanações que não possam ser apresentadas no corpo do texto. – seguinte ou que se segue. 4.740 5.4. também. 8. pode ser composta.1.1. usar o asterisco (*).1 Regras de Referências Por referência. opere citado ou op. apud – citado por (somente esta pode ser usada no corpo do texto).3. em. 4. 7. cf. 6. sequentia ou st seq. que permite sua identificação individual. compreende-se como o conjunto de informações que ajudam na . por elementos complementares.1.

SILVA. guia. a partir da segunda linha da mesma referência. Quando os elementos forem retirados de outra fonte.3 Modelos de Referências Monografia Considera-se como monografia livros ou folhetos (manual. dicionário etc) e trabalhos acadêmicos (trabalho de conclusão de curso. entretanto. deverá se estruturar de forma alinhada.750 recuperação da obra. Estudo comparativo de diferentes métodos de exame utilizado em odontológica. v. o aluno deverá colocá-los entre colchetes. PEREIRA JÚNIOR.1. Carlos. O que não se pode deixa de destacar é que as informações para a elaboração da referência têm que ser retiradas tanto de um. 2. 4. Exemplo: Autor Pessoal AULETE. quanto de outro. de forma a destacar o expoente e sem espaço entre elas.4. Prenome. SOBRENOME.1. Introdução ao estudo da literatura. Data de publicação. Dicionário contemporâneo da língua portuguesa. Mário da. em espaço simples e separado por espaços duplos. tese etc). 4. Ana Maria da Silva. enciclopédia. . 1991. abaixo da primeira palavra. A. Local de publicação: Editora. São Paulo: USP.4. São Paulo: Atlas.1. Conceição Alves. VECHI. dissertação. GOMES. se não aparecem. Quando aparecer em nota de rodapé. 389p. Rio de Janeiro: Delta. Brasileira. na qual as obras deverão aparecer em ordem alfabética. catálogo.2 Regras Gerais de Apresentação A referência deve apresentar-se de forma padronizada. para diagnóstico da cárie dentária. 1964.5. não prejudicam o processo de busca. C.1. Título: subtítulo (quando houver). ed.

São Paulo: SEMEAM. Autor Entidade SÃO PAULO (Estado). Exemplo: MIRANDA. Originalmente apresentada como dissertação de mestrado. São Paulo: EDUSP. “da”. ed. 93p. Exemplo: GIOVANI NETO. Diretrizes para a política ambiental do estado de São Paulo. “FILHO”. São Paulo: Cultrix: Edusp. João. “JUNIOR”. GONZAGA. 1993. . 12. (forma abreviada de et alii) que significa “e outros”. NASCIMENTO. faz-se a entrada sem essas partículas. João et al. Nota: devem acompanhar o último sobrenome os distintivos “NETO”. em seguida. SOUZA. Universidade de São Paulo. Em se tratando de últimos sobrenomes precedidos de partículas “e”. 2005. PEREIRA. coloca-se a expressão latina et al. 3 Quando o autor for desconhecido ou obras com mais de três autores. colocando a primeira palavra (com exceção dos artigos definidos e indefinidos) em caixa alta. Fernando. “do”.760 1993. Márcio. Obra Com Mais de Três Autores São mencionados até os três primeiros autores que aparecem na publicação e. Secretaria do Meio Ambiente. 1974. Moacir. Autor Desconhecido ou Obra com MAIS de Três Autores3 RETÓRICA geral. iniciar pelo título. ou pode-se optar por indicar apenas o primeiro autor seguido da expressão et al. 1993. Exemplo: GONZAGA. José Rui. “de”. João de. FELIZ. Um trabalho de qualidade nos dias de hoje. Carlos Ribeiro do.

Prenome. 16. 3. Local de publicação. 1998.htm>. Noções de empreendedorismo. Ives Gandra da. São Paulo. A queda do cometa. SILVA. Revista Administração. 1996.481. São Paulo. Exemplo: LANZANA. Título do artigo: subtítulo (quando houver). Prenome. páginas lidas. 16 jul. Prenome. 1996. Encontros. Caderno A. L. São Paulo. n. Evento Corresponde aos materiais que apresentam os trabalhos apresentados em Congressos. AS MICRO e pequenas empresas na era do real. periodicidade. A. Acesso em: 28 nov. Gazeta Mercantil. periodicidade. Marcelo. T. 1 CD-ROM. In: NOME DO EVENTO. 1998. p.brazilnet. Título do artigo: subtítulo (quando houver). 1998. 16. 19 set. Simpósios. inverno 1994. M. Exemplo: AULETE. E. 16 jul. Jornal SOBRENOME. Título da Revista.org/pena_morte_nascrito.com.htm>. Acesso em: 19 set. 1998. p. Título do jornal. Disponível em: <http://wwwprovida. local de realização. Mostras e similares. Pena de morte para o nascituro. n. Título do artigo: subtítulo (quando houver).770 Publicação Periódica Revista SOBRENOME. Net. LOPES. ano 2. Crimes da era digital. M. nov. Local de publicação. Caderno. As micro e pequenas empresas na era do real.br/contexts/brassilrevistas. ano de realização. 10 jan. SILVA. Seção Ponto de Vista. 2001. número. ano34. . ano ou volume. ano. O Estado de São Paulo. número. Carlos. páginas lidas. Cássio Leite.481. Disponível em: <http://www. São Paulo. Rio de Janeiro.2. SOBRENOME. p. Caderno A. n. Gazeta Mercantil. Brasileira de VIEIRA. número. n. Rio de Janeiro.23-29. Neo Interativa. ano34.

Informações sobre o entrevistado.0.propesq. Exemplo: AULETE. Normas doc: normas para apresentação de trabalhos.. p. 2. Carlos. Curitiba. .br/anais/anais/educ/ce04. Campinas. Os limites pedagógicos. Recife: UFPe.propesq.. Entrevista não Publicada. Data (dia. 2001. Manaus. Entrevistadora: Márcia Elizabete Aquino. 2000. Jarbas: depoimento [4 jan. ano). 5 disquetes. 2 fitas cassetes (120 min). entrevista concedida a Omar Paixão.. data. 1997. Ciência e Sociedade. Noções de empreendedorismo. Local. SOBRENOME DO ENTREVISTADO. 198p. Marcelo. In: CONGRESSO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA DA UFPe. Titulo do Tema. 1998. 35-36.45-53.ufpe. A quem foi concedida à entrevista.. Fortaleza. 1997. Maio. LOPES. mês. Anais. Acesso em 21 jan. Total de página. OS LIMITES pedagógicos na história educacional. Disponível em: <http://www. In: SEMANA DE ADMINISTRAÇÃO. Historia da Ciência. n. Anais eletrônicos.. Marcelo. 4. ano 4. Documentos de Acesso Exclusivo em Meio Eletrônico Exemplo: UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ. A quem foi concedida à entrevista.htm>.br/anais/anais/educ/ce04. Biblioteca Central. Word for Windows 7. LATTES. LOPES. p. Os limites pedagógicos.780 Título. Prenomes. Disponível em: <http://www. 2000]. César. Páginas lidas. 1997. Entrevista Entrevista Gravada Exemplo: PASSARINHO. VIEIRA. Cássio Leite. Acesso em 21 jan. estéreo. 1996.br/anais/anais/educ/ce04. 3 ¾ pps.. 2000. 3 ½ pol. Disponível em: <http://www.ufpe. Cássio Leite.propesq.5.htm>. VIEIRA. Local de publicação: Editora: Data de publicação. SP.htm>. Brasília: CNI/Fundação Milton Campos. Acesso em 21 jan.ufpe. 1996. 2000. Nota sobre a Localização da entrevista no veículo de comunicação. Manaus: Valer. Entrevista Publicada NOME do Entrevistado.

Obs : Os exemplos utilizados no Manual são meramente ilustrativos. 30 set 2004. a palavra é o símbolo que representa a ideia. 4. Secretário de Cultura do Estado do Amazonas. comprovação e ilustração para o trabalho de curso. 4. Entrevista concedida a Lorena Santos. a fim de servir de fundamentação. acompanhadas de suas definições (=dicionário).790 BRAGA.1.1. Robério. No entanto.3 Apêndices ELEMENTO OPCIONAL Corresponde a um documento autônomo elaborado pelo próprio aluno para completar sua argumentação.4 Anexos ELEMENTO OPCIONAL Corresponde a um documento não elaborado pelo aluno.2 Glossário ELEMENTO OPCIONAL Corresponde a relação de palavras de uso restrito. como se trata de um símbolo arbitrário – cada palavra pode ter mais de um significado – o autor deve ponderar .1. 4.1. 4.5 Redação UTILIZAÇÃO OBRIGATÓRIA Em todos os trabalhos escritos.4.4.4. o pensamento de quem o produz.

Deve haver obediência às regras gramaticais. porque indicam subjetividade. na redação de um trabalho científico: • As ideias devem ser expostas com clareza e objetividade. deve-se buscar dois companheiros fieis: um dicionário geral e uma gramática da língua. retórico e confuso. "neste meu estudo". como apostos ou comentários. Evitam-se referências pessoais como "nosso relatório". sem resvalar para o supérfluo ou exagerar no excessivamente coloquial. . a qual se baseia na observação dos fatos.800 criteriosamente os termos que emprega. Todos os termos que denotarem subjetividade podem comprometer o valor do trabalho. concordância. São preferíveis as frases curtas. o autor estará colaborando para o empobrecimento dos conhecimentos científicos. "nosso trabalho". em voz passiva sintética (“fezse”. •Evita-se escrever períodos muito longos. em ordem direta e sem grandes inserções. Cada ramo da ciência possui um vocabulário específico e por isso é necessário um contato assíduo com obras científicas e dicionários especializados. •Redige-se com simplicidade. •Usa-se vocabulário técnico. Enfoca-se a matéria e particularizam-se os pontos necessários sem utilizar um estilo prolixo. Evitam-se expressões como "parece-me". O bom senso permitirá o equilíbrio entre a linguagem técnica e a comum. Assim. pois estes exigem precisão. O aluno não poderá usar a primeira pessoa do plural para indicar impessoalidade. Por exemplo. “obtiveram-se”). Muitas palavras têm seu sentido consideravelmente alterado ao serem apropriadas por um ramo específico da ciência. é melhor estar atento ao uso dos termos para evitar ambiguidades ou imprecisões. "acredito que". a fim de não prejudicar a compreensão do leitor. "penso que". cuidado com a ortografia. Como orientação básica. com rigor e precisão. porque esses aspectos gramaticais podem modificar facilmente o sentido da mensagem. pontuação. Os principais componentes a se observar no estilo são: Objetividade e clareza – A linguagem que veicula conhecimentos científicos tem de ser objetiva por estar ligada à própria natureza da ciência. Vocabulário técnico – Se não forem utilizados os termos técnicos adequados. "neste nosso estudo". •Usa-se a 3ª pessoa do singular ou do plural. Ao iniciar a escrever um trabalho. •Utiliza-se linguagem direta.

em ordem alfabética. mas se o número for considerável. aconselha-se o uso de um bom dicionário geral ou de termos técnicos. faz-se uma lista delas. deve-se evitar a criação. .810 Frase bem construída – Para transmitir conhecimentos. a frase deve ser simples e não muito longa. na exposição de um raciocínio. As ideias devem ser expressas de maneira lenta e gradual. O encadeamento de períodos breves. ou então se cria um anexo com lista de símbolos e siglas. de abreviaturas. estas poderão ser identificadas no corpo do texto. facilita a leitura e a compreensão do conteúdo. Se for utilizado um pequeno número de abreviaturas. envolvendo todas as suas implicações. por conta própria. itálico. Palavras estrangeiras – As palavras ou expressões em idioma estrangeiro devem ser destacadas no texto com grifo. Uso de abreviaturas – Necessitando utilizar abreviaturas. e insere-se no final. Tanto quanto possível.

______. NBR 10520: informação e documentação: citações em documentos: apresentação. Programação e Controle de Produção. NBR 6028: resumos. NBR 6027: sumário. 2. São Paulo. Gestão Estratégica: da empresa que temos para a empresa que queremos. empowerment. Atlas. São Paulo: Atlas. Introdução à Metodologia do Trabalho Científico.. Rio de Janeiro. Luis César G. Planejamento. sistemas e métodos e as modernas ferramentas de gestão organizacional: arquitetura.N. Rio de Janeiro. Eliezer Arantes. ______. ed. São Paulo: Atlas. Rio de Janeiro. LEHFELD. 2. COSTA. Rio de Janeiro. São Paulo: Makron Books. Henrique L.820 REFERÊNCIAS ANDRADE. Rio de Janeiro. 2003. 2000. 2001. Organização. Maunro. 2003. 7. NBR 14724: informação e documentação: trabalhos acadêmicos: apresentação. São Paulo: Saraiva. NBR 1587: Projeto de pesquisa. ______. 2006. GIANESI. ______. ______. Rio de Janeiro. ed. 2007. de. CAON. reengenharia. Fundamentos de Metodologia Científica: Um guia para iniciação científica. NBR 6023: informação e documentação: referências: elaboração. BARROS. Rio de Janeiro. Irineu G. 2003. Rio de Janeiro. Rio de Janeiro. 2005. NBR 6024: numeração progressiva das seções de um documento. ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. CORRÊA. bechmarking. ed.. Aidil Jesus da Silveira. ______. 2005. Rio de Janeiro. 2002. gestão pela qualidade total. Rio de Janeiro. ed. Rio de Janeiro. 2002. Neide Aparecida de Souza. ARAÚJO. Rio de Janeiro. 3. 2000. Maria Margarida de. Rio de Janeiro. .

Ana Maria da Costa. Antônio Raimundo dos. 6. Ralph.. 2002. São Paulo: Atlas. 3. Gestão de Projetos: uma abordagem global. Apresentação de trabalhos científicos: guia para alunos de curso de especialização. São Paulo: Atlas. Técnicas de Pesquisa. São Paulo: Atlas. Fundamentos de metodologia científica. FURASTÉ. ed. FRANÇA. São Paulo: Atlas. dissertação e estudo de caso. SANTOS. e Relatórios de Pesquisa em ISHIKAWA. 2006. Carlos Alberto. 6. ______. Belo Horizonte: UFMG. FACHIN. trabalho de conclusão. ed. Pedro Augusto. Rio de Janeiro: Campus. Porto Alegre: s. Controle de Qualidade Total: à maneira japonesa. GONÇALVES. 4. Júnia Lessa. São Paulo: Atlas. 1999. ed. Redesenho e Informatização de Processos Administrativos. 2001. Pesquisa social: métodos e técnicas. LAKATOS. ed. Fundamentos de Metodologia. 2004. ed. Projeto de estágio e de pesquisa em administração: um guia para estágio. Marina de Andrade. 2006. D’ASCENÇÃO. Kaoru.n. Sylvia Maria Azevedo. ed. Manual para normalização de publicações técnicocientíficas. KEELING. São Paulo: Saraiva. 3. Maringá: Dental Press. Luiz Carlos M. CRUZ. Odília. São Paulo: Saraiva. Rio de Janeiro: DP&A. Normas Técnicas para o Trabalho Científico: elaboração e formatação. Sistemas e Método: OSM Análise. rev. Marlene Gonçalves. Roberto Jarry et al. 2005.830 CURTY. 2004. 2000. São Paulo: Atlas. ROESCH. . e aum. RICHARDSON. MARCONI. 6. Organização. 2007. Metodologia científica: a construção do conhecimento. 2000. Projetos Administração. ed. 2002. 1993. 14. Eva Maria.

22. Metodologia do trabalho científico. USA: John Wiley & Sons. São Paulo: Atlas. 2005. 2. 2001. Daniel Grassi. ed. ed. Sylvia Constant. Thomas F. Antônio Joaquim. Projetos e Administração. 2002. ed... . 2. 2006. YIN. MRP II: Making It Happen. Pesquisa qualitativa em estudos organizacionais: paradigmas. São Paulo: Cortez.1990. Estudo de caso: planejamento e métodos. Relatórios de Pesquisa em WALLACE. VERGARA. estratégias e métodos. Inc. ed. Porto Alegre: Bookman. Robert K. Anielson Barbosa da. São Paulo: Saraiva. 6.840 SEVERINO. trad. SILVA.

You're Reading a Free Preview

Descarregar
scribd
/*********** DO NOT ALTER ANYTHING BELOW THIS LINE ! ************/ var s_code=s.t();if(s_code)document.write(s_code)//-->