Você está na página 1de 23

Medidas Fundamentais para a

Eficiência Energética e Qualidade


da Água em Piscinas

Vitorino de Matos Beleza

Departamento de Engenharia Química do Instituto


Superior de Engenharia do Porto

Instituto Politécnico do Porto


Piscina:

• Instalação desportiva dispendiosa


• Longo período de vida
• Infra-estrutura complexa

Redução de Respeito pela


custos Saúde Pública
A piscina comporta um conjunto de
equipamentos essenciais para a manutenção,
quer da qualidade da água, quer da qualidade
do ar. Esses equipamentos apresentam custos
operativos importantes.
Numa piscina pública a comodidade dos
seus utilizadores depende da qualidade da
água e do ar, sobretudo em piscinas
cobertas.
A presença de contaminantes nocivos no sistema
depende de quatro factores: contaminação da
água com compostos orgânicos e azotados por
parte do banhista, uso de produtos químicos no
tratamento da água e a consequente formação
de sub-produtos, temperatura da água da piscina
e renovações do ar e da água.
Qualidade da água em piscinas
Tipo de microrganismo Valor recomendado Valor limite

Bactérias aeróbias revivificáveis - <100 UFC/mL


a 35-37ºC/48 horas

Coliformes totais Ausência em 100 mL <10 UFC/100 mL

Coliformes fecais - Ausência em 100 mL


Escherichia coli - Ausência em 100 mL
Enterococcus fecafis - Ausência em 100 mL
Staphylococcus aureus - Ausência em 100 mL
Total de Staphylococcus <20/100 mL (2)

Clostrídios sulfitorredutores - Ausência em 20 mL

Pseudomonas aeruginosa - Ausência em 100 mL


Qualidade da água em piscinas
Produto Limite Observações
Cloro livre 0,5 mg a 1,2 mg Cl2/L pH entre 6,9 e 7,4;
Cloro livre 1,0 mg a 2,0 mg Cl2/L pH entre 7,5 e 8,0.
Cloro total O cloro total não deve exceder -
mais do que 0,5 mg Cl2/L o cloro
livre
Bromo 2,0 mg a 4,0 mg Br2/L pH entre 7,5 e 8,0
Cobre ≤3,0 mg Cu/L -
Prata ≤0,5 mg Ag/L -
Ácido isocianúrico ≤75 mg H3C3N3O3/L -

Ozono ≤0,01 mg O3/L

Cloridrato de 25-50 mg/L -


polihexametileno
biguanida
Peróxido de ≤100 mg/L H2O2 Usado em conjunção
hidrogénio (água com radiação ultra-
oxigenada) violeta
Qualidade da água em piscinas
Parâmetro Unidades Valor Valor limite
recomendado
Oxidabilidade mg/L O2 “ 0” OXIAC + 4,0 (c)
Alcalinidade total mg/L CaCO3 75-250 -
Ácido cianúrico mg/L H3C3N3O3 25-30 75
Cor mg/L Pt-Co “ 0” 5,0
Cobre mg/L Cu - 2,0
Condutividade µS/cm - CONDAC + 800
(d)
Nitratos mg/L NO3 “ NO3AC + 10 (e)
Sólidos suspensos mg/L “ 0” -
totais
Turvação NTU “ 0” 1,5
Trihalometanos mg/L THM “ 0” 20
(THM)
Objectivos para o futuro (imediato)

• Utilizar outros desinfectantes (Bromo, dióxido de


cloro, água oxigenada);
• Reduzir a presença de organo-halogenados,
especialmente os trihalometanos;
• Reduzir o consumo de água;
Proposta para a instalação de tratamento de água de piscina
MU

Tanque de natação

Ajuste de pH

UF Desinfectante

Gases

NF
GAC
OAv Gac
MU

Tanque de natação

Ajuste de pH

Desinfectante
FILT

Processo de
recuperação de água
de lavagem dos filtros
ÁREA DE INTERVENÇÃO de uma piscina
DEC

UF RO

Lamas
Água de
compensação

Medição e Medição e registo do


registo do caudal nível do tanque de
de água de água de
compensação compensação

Tanque de Tanque de
Natação compensação

Desinfecção
Cloro ou
Bromo
Quadro com sondas de
cloro, pH, potencial redox

Bombagem
e temperatura
Neutralização

Doseamento automático
de desinfectante

de caudal de água
Medição e registo
Doseamento automático
de neutralizante
Medição da intensidade
da radiação

Desinfecção
por UV

Regulação automática do
caudal de água quente Medição e registo
de pressão

Aquecimento Filtração

Diagrama de fluxo da unidade de tratamento de água da piscina


Condições de conforto para os banhistas:
a) ar da nave
26 a 30ºC
55 a 65% de humidade relativa
b) ar dos vestiários/balneários
22 a 24ºC
Ar rejeitado Ar novo

Medição do
Caudal

Bomba de calor para


desumidificação e Aquecimento do ar
recuperação de calor

Ventilação

Ventilação
Medição da Medição da
temperatura humidade

Medição do
Caudal

NAVE DA PISCINA

Diagrama da instalação de tratamento do ar da nave de uma piscina


Consumo energético numa piscina

kgep/m2 plano de
Energia
água
Eléctrica 250 a 300
Térmica 100 a 150
Poupança de energia numa piscina

• Soluções arquitectónicas durante o projecto


• Uso de cobertura para o tanque
• Diminuição das temperaturas da água e do ar
• Recuperação do calor do ar rejeitado
• Recuperação do calor da água quente sanitária
• Uso eficiente do equipamento
• Instalação de equipamento mais eficiente
• Utilização de energias renováveis
Coberturas para piscina

Uma forma de minimizar os feitos da


evaporação, sob o ponto de vista
económico, será utilizar uma cobertura
sobre o plano de água, a qual tem as
desvantagens de ser difícil de colocar e
necessita de limpeza e desinfecção
periódicas.
/
Fonte: http://www.coberturascap.com
Novos desafios

http://www.heatpumpcentre.org/
Produção de
água quente
sanitária

http://www.globalforceinfo.com/date/2008/08/
Energia fotovoltaica
Bomba de Calor

Fonte: http://www.nextenergy.pt/content/view/57/57 /
Energia eólica

Mini-aerogerador de 10 kW

/
Fonte: http://www.bergey.com/
Conclusões

• As piscinas são essencialmente importantes para o


desenvolvimento de uma sociedade saudável;
• Para garantir a sustentabilidade de uma piscina de uso
público é necessário reduzir os custos operatórios;
• A utilização racional de energia e de água numa piscina
é uma necessidade;
• É necessário promover o uso de energias renováveis
nas piscinas de usos público e privado.