Você está na página 1de 3

147

OFERTA PÚBLICA OU COLOCAÇÃO


DE TÍTULOS NO MERCADO

_____________________________

147.1 CONCEITO, OBJETIVIDADE JURÍDICA E SUJEITOS


DO CRIME

O art. 359-H apresenta o seguinte tipo penal:

“ordenar, autorizar ou promover a oferta pública ou a colocação no mercado


financeiro de títulos da dívida pública sem que tenham sido criados por lei ou
sem que estejam registrados em sistema centralizado de liquidação e de
custódia”.

A pena é reclusão, de um a quatro anos.

O bem jurídico protegido é a Administração Pública, as finanças públicas, a boa


gestão tributária e também a moralidade e a probidade administrativa. Secundariamente,
protege o sistema financeiro nacional e os investidores.

Sujeito ativo é o funcionário público competente para promover a oferta pública ou


a colocação no mercado financeiro de títulos da dívida pública, vale dizer, os chefes dos
poderes dos entes da federação, o Presidente da República, Governador de Estado ou do
Distrito Federal, Prefeito Municipal, e também ministros e secretários, de Estado e de
Município, diretores de órgãos públicos e de entidades que tenham autorização legal para
emissão dos referidos títulos.

Sujeito passivo é o Estado.

147.2 TIPICIDADE
2 – Direito Penal III – Ney Moura Teles

147.2.1 Conduta e elementos do tipo

As condutas incriminadas são ordenar – determinar, impor, mandar –, autorizar –


permitir, conceder permissão, anuir, concordar – e promover – organizar e executar. Haverá
crime único quando o mesmo agente ordenar, autorizar e promover.

Dizem respeito as condutas com a oferta pública ou a colocação no mercado


financeiro de títulos da dívida pública.

Os títulos da dívida pública originam-se de empréstimos contraídos pelo Estado,


que tem o poder de dispor do capital alheio, por meio de empréstimo, comprometendo-se
a reembolsar os credores.

Os entes da federação podem lançar títulos públicos, sob forma nominativa e ao


portador, desde que observem, rigorosamente, as normas legais sobre a dívida pública, os
princípios informadores do Direito Financeiro a que se sujeitam os créditos públicos e as
normas especiais. São títulos da dívida pública, dentre outros, as apólices, os bônus do
tesouro, cupões, obrigações, bilhetes etc.

São, portanto, importante instrumento de captação de recursos junto aos


particulares para fazer face às necessidades de investimentos estatais.

O que a norma incrimina é a ordem, autorização ou promoção de oferta pública ou


colocação no mercado financeiro de títulos que não tenham sido criados por lei, ou de
títulos que não estejam registrados em sistema centralizado de liquidação e de custódia.

No primeiro caso, a conduta será típica porque os títulos não tiveram sua origem
em lei, Federal, Estadual ou Municipal, conforme seja o caso. Isto é, não foram criados por
decisão do Poder Legislativo.

No segundo caso, ainda que tenha havido a prévia lei criadora dos títulos a conduta
será incriminada se os títulos não tiverem sido levados ao registro em sistema centralizado
de liquidação e custódia.

Sistema de liquidação e custódia é uma organização constituída para registrar e


negociar títulos e valores mobiliários e que busca garantir maior segurança e agilidade nas
operações do mercado financeiro, como é a Central de Custódia e de Liquidação Financeira
de Títulos (Cetip), empresa que registra e negocia títulos e valores mobiliários de renda
fixa, criada pelas instituições financeiras e pelo Banco Central do Brasil em 1986.

O crime é doloso. O agente deve estar consciente de que os títulos não foram
Oferta Pública ou Colocação de Títulos no Mercado - 3

criados por lei, ou que não estão registrados em sistema centralizado de custódia e de
liquidação e, ainda assim, com vontade livre ordenar, autorizar ou promover sua oferta
pública ou a colocação no mercado financeiro, não exigindo o tipo qualquer outro fim.

147.2.2 Consumação e tentativa

Nas modalidades típicas ordenar e autorizar, a consumação ocorre no instante da


realização da conduta, não se admitindo a forma tentada. Emitida a ordem, concedida a
autorização, o delito estará consumado.

Já na forma de promover a oferta ou a colocação dos títulos no mercado financeiro,


consuma-se o crime no momento em que chega ao conhecimento público a oferta ou
quando são levados ao mercado financeiro para negociação. Possível, aí, a tentativa.

147.3 AÇÃO PENAL

A ação penal é de iniciativa pública incondicionada, possível a suspensão


condicional do processo penal.