Você está na página 1de 5

COLOMBO E A MADEIRA

As comemorações de 1992 atearam o debate em torno da nacionalidade de Colombo,


mas o Colombo que conhecemos e aqui recordamos é de certeza outro. Ele, como tantos
outros genoveses, atraído pelo fascínio da Lisboa quatrocentista, veio desembocar na
Madeira. Note-se que a capital do reino revelara-se, desde o século XIV, como um promissor
centro de negócios promissor, servido de um porto importante nas conexões entre os
principais mercados da Europa Ocidental.
Os genoveses, como os principais interessados, surgem aí, desde muito cedo, criando
uma rede de negócios baseada em procuradores e assentistas, recrutados entre os familiares,
compatrícios e muito raramente nos locais. Foram eles os principais animadores das colónias
itálicas entre nós. A marcar o início da sua forte presença em Portugal temos o facto de o rei
D. Dinis ter promovido em 1317 a vinda de Manuel Pesagno, que se fez acompanhar de vinte
homens "sabedores do mar".Colombo pode ser enquadrado neste rol, ainda que aparecendo
numa fase tardia.
Desde os primórdios do século XIV que as principais casas genovesas - Spínola,
Doria, Lomellini, Grimaldi e Cattaneo - tinham familiares residentes em Lisboa, que
coordenavam as tarefas comerciais como exterior, nomeadamente o apoio às rotas de ligação
entre o Norte da Europa e o Mediterrâneo, por via marítima. Perante a activa intervenção da
comunidade genovesa de Lisboa e o permanente apelo, resultado do incremento do açúcar
madeirense e do desenrolar do processo de descobrimento do litoral africano, era inevitável
que um homem como Colombo, desde os 14 anos apaixonado pelo mar, correspondesse à
chamada.
Um pouco mais além estava a Madeira, nesta época com uma função primordial no
processo de expansão, que, por isso mesmo, o navegador não duvidou em assentar aí a sua
segunda pousada. Ela, de primeira área de ocupação, passou a entreposto imprescindível às
viagens ao longo da costa africana e, depois, foi modelo para todo o processo de ocupação
atlântica. Por isso o arquipélago firmou o seu nome com letras douradas na História da
expansão europeia no Atlântico. O Funchal foi por muito tempo o ancoradouro que abriu as
portas do mar oceano. Isto é: um dos principais portos de divergência das expedições de
descobrimento da extensa costa ocidental africana ou das fortuitas viagens para Ocidente à
procura daquilo que viria a ser, mais tarde, o novo continente americano. A abundância do
cereal e vinho propiciavam ao navegante o abastecimento seguro para a demorada viagem.
Colombo não estava equivocado quando na década de setenta preferiu o convívio dos
madeirenses ao cosmopolitismo lisboeta, pois era aqui que estava a resposta para os seus
anseios. Foi a esta terra de agricultores de açúcar e de marinheiros que aportou em 1478
Cristóvão Colombo. A Madeira, as suas gentes e os seus produtos não lhe eram estranhos,
pois em Génova, de certeza, ouvira já falar dela como a ilha do pastel e açúcar. Por outro lado
o mesmo não se sentiria estrangeiro ao pisar o solo madeirense, à sua chegada aguardava-o
uma numerosa comunidade oriunda das cidades-estado italianas que aí se fixara, atraída pelo
comércio do açúcar. Genoveses e florentinos postaram-se nas filhas da frente para o receber e
acolher em sua casa. O arquipélago, desde a década de setenta do século XV, cativara as
atenções destes que se fizeram comerciantes e agricultores do açúcar.
A presença de Colombo na Madeira, no período de 1478 a 1485, não pode alhear-se
desta familiaridade da comunidade genovesa na ilha.Todavia o seu objectivo não era
conhecer os seus e as ilhas, mas sim de conduzir às mãos de Ludovico Centurione 2.400
arrobas de açúcar. O pedido fora feito em Lisboa por Paolo di Negro, representante da firma
em causa. O negócio não foi bem sucedido, por isso Colombo teve de testemunhar perante
um notário genovês das razões do seu incumprimento. É a partir deste acto notarial que
ficamos a saber da primeira passagem do navegador pela ilha. A documentação madeirense
guarda sobre isto um inquietante silêncio.
Regressado a Lisboa, após o diferendo com o contrato comercial mal sucedido,
Colombo conheceu Filipa de Moniz. O encontro deu-se no Mosteiro de Santos em Lisboa,
onde ela estava recolhida. O casamento teve lugar em data e local que desconhecemos. Os
seus biógrafos falam de Lisboa, mas a tradição, ainda que recente, teima em afirmar que o
acto teve lugar no Porto Santo ou Machico. Aqui o importante é que o enlace ocorreu, tendo
favorecido o posicionamento de Colombo na sociedade madeirense e possibilitando-lhe o
convívio com os marinheiros solitários da gesta descobridora do Novo Mundo Ocidental.
Sobre ele muito se tem dito no sentido de justificar o porquê e a forma da sua
concretização. Fácil foi a opção de Frei Bartolomé de Las Casas: estamos perante uma
intervenção da Providência Divina que quis fossem os segredos do caminho para a revelação
das terras ocidentais ao navegador. Mas se assim o não entendermos podemos apontar
algumas situações que corporizam uma resposta a esta dúvida. Em primeiro lugar é
necessário ter em conta que entre os Perestrelos e Colombos havia algumas afinidades. Em
ambas as famílias surgem ascendentes com origem remota em Piacenza. Bartolomeu
Perestrelo era filho de Filipo Palastrelli que em 1380 trocou Piacenza por Lisboa: mais um
italiano a juntar-se à numerosa colónia existente em Lisboa, privados da Coroa e empenhados
no processo político do reino e da expansão. Em síntese: a igual ascendência facultara-lhe o
contacto, enquanto a posição social demarcava a ambição deste aventureiro em subir na
escala social, atitude em tudo igual à dos demais compatrícios.
Bartolomeu Perestrelo era fidalgo da casa do infante D. João e esta condição deverá
ter contribuído para que recebesse o comando do processo de ocupação da ilha do Porto
Santo. Todavia ele, ao contrário dos seus parceiros de ocupação do arquipélago (João
Gonçalves Zarco e Tristão Vaz Teixeira), não foi navegador, nem os acompanhou na viagem
de reconhecimento da ilha em 1418. Ao contrário os biógrafos de Colombo hiperbolizam a
sua faceta de navegador. O seu aparecimento nos anos imediatos como povoador do Porto
Santo é uma incógnita que a História teima em não nos querer revelar. Parece que ele não foi
um homem de sorte. As dificuldades sucederam-se logo no início da ocupação da ilha: a
praga dos coelhos e a pouca abundância de águas travaram o seu desenvolvimento. O mesmo
poderá ser dito do relacionamento amoroso. Casou três vezes: com D. Margarida Martins, D.
Catarina Furtado de Mendonça e D. Isabel de Moniz. Foi do último enlace que nasceu Filipa
de Moniz, que mais tarde veio a consorciar-se com Cristóvão Colombo. Para alguns
genealogistas a última dama era filha de Vasco Martins Moniz e Joana Teixeira. Por isso o
casamento de Filipa de Moniz deveria ter ocorrido em Machico, terra de origem da mãe,
como o refere João dos Reis Gomes. Mas as investigações de Anselmo Braamcamp Freire
provaram que ela era filha de Gil Aires, escrivão da puridade de Nuno Álvares Pereira e de
Leanor Rodrigues, não tendo, portanto, qualquer afinidade com os Monizes de Machico.
O casamento ocorreu no final de 1479, ou mesmo já em 1480. Mas sobre isso pouco
ou nada se sabe, pois não era ainda corrente o hábito de lavrar o registo da cerimónia. De
acordo com Frei Bartolomé de Las Casas, após isso, foram viver para a Madeira e Porto
Santo, onde nasceu Diogo, o único filho legítimo. Desta ligação não perdurou rastro na ilha e
por isso é estranho o aparecimento em 1659 no Hospital da Misericórdia do Funchal de um
João com o apelido de Colombo a curar o seu escravo negro, Luís. Aqui toda a divagação é
possível mas o momento e a nossa condição não aconselham a tal. Apenas uma certeza: não
existe qualquer ligação de parentesco entre os dois, sendo apenas o apelido aquilo que os une.
Em toda a documentação madeirense este é o único dado disponível que, por
semelhança, mais se aproxima do navegador. Do mais que Colombo terá feito, a
documentação disponível guarda um completo silêncio. O próprio Gaspar Frutuoso, que
escreveu em finais do século XVI, ignorou-o na resenha da família do capitão do Porto Santo
e só se lembra dele no primeiro volume das "Saudades da Terra" quando dá conta da
descoberta das Antilhas. Aí diz-se laconicamente: "Um homem de nação italiano, genovês,
chamado Cristóvam Colon, natural de Cugurco, ou Narvi, aldeia de Génova, de poucas casas,
avisado e prático na arte da navegação, vindo de sua terra à ilha da Madeira, se casou nela,
vivendo ali de fazer cartas de marear." Não sabemos onde o autor colheu esta última
informação.
Do casamento, da estadia longa ou temporária, da simpatia que o navegador nutria
pelos madeirenses, já muito se tem dito e questionado. A ilha da Madeira propiciou ao
navegador uma escola de aprendizagem do novo mar oceano. Não estamos perante a tão
propalada e equívoca escola de Sagres, mas a dos homens das ilhas. Segundo Faria e Sousa
foi neste período de permanência em Portugal que Colombo "aprendeu a arte de navegação".
Foi a partir da vivência marítima atlântica que ele penetrou nos segredos insondáveis dos
marinheiros que demandavam o Atlântico Ocidental. O Funchal era um dos principais centros
de divergência das rotas descobridoras das plagas africanas e ocidentais.
Com reconhecimento dos Açores, a partir dos finais da década de vinte do século XV,
algo de novo se vislumbra na mira do Ocidente. Note-se que a revelação das ilhas mais
ocidentais deste arquipélago(Flores e Corvo)em 1452 é o indício disso. A sua entrada no
mundo português deu-se por mãos de Pedro Vasquez de la Frontera e Diogo de Teive. Este
arquipélago, por ser o mais ocidental sob domínio europeu até à viagem de Colombo, não foi
somente o viveiro dos fortuitos aventureiros interessados em embrenhar-se na gesta
descobridora dos mares ocidentais, mas também a materialização da nova esperança do
mundo revelado em 1492.
Desde meados do século XV, madeirenses e açorianos, viveram sob esta obsessão. As
cartas antecipadas daquilo que pensavam vir a descobrir assim o testemunham. Estamos
perante um facto sobejamente conhecido. Aqui o que importa é tirar as ilações possíveis desta
permanência para a viagem de Colombo: não só a ambiência e informações propiciadoras do
seu empenho, mas também as condições em que ele deveria mover-se. De certeza que
Colombo não foi o único a pedir ao monarca português o apoio para a aventura ocidental.
Será que as aduzidas cartas de doação antecipada não expressam esse frustrado desejo ? Se
assim foi podemos afirmar que madeirenses e açorianos nunca conseguiram cativar a coroa e
muito menos havia de suceder com um estranho navegador, como o era Colombo. Foi tudo
uma empresa privada.
O Ocidente exerceu sobre os ilhéus um fascínio especial, acalentado, ademais, pelas
lendas recuperadas da tradição medieval. Por isso mesmo, desde meados do século XV, os
marinheiros madeirenses entusiasmaram-se com a revelação das ilhas ocidentais - Antília, S.
Brandão, Brasil. No extenso rol de aventureiros anónimos que deram a vida por esta
descoberta, permitam-nos que referencie os madeirenses Diogo de Teive, João Afonso do
Estreito, Afonso Domingues do Arco, entre muitos. Alguns destes terão sido convivas e
confidentes de Cristóvão Colombo. Das suas conversas com o navegador não ficou nada
registado na documentação e tão pouco o navegador o refere, apenas os seus biógrafos
quinhentistas o indiciam.
A curta permanência do navegador no Porto Santo e, depois, na Madeira possibilitou-lhe
um conhecimento das técnicas de navegação usadas pelos portugueses e abriu-lhe as portas
aos segredos, guardados na memória dos marinheiros, sobre a existência de terras a Ocidente.
Com estes e demais dados que reuniu junto dos marinheiros madeirenses ganhou forma o
projecto de também navegar para Ocidente, desafiando os portugueses. Por outro lado refere-
se que o seu cunhado Pedro Correia, capitão da ilha Graciosa (Açores) dava conta de outras
notícias das terras açoreanas, sem esquecer os estranhos despojos que aportavam com
assiduidade às praias da ilha do Porto Santo, como a tão celebrizada castanha de Colombo.
Por isso o navegador saiu do arquipélago com a firme certeza de que algo de novo poderia
encontrar a Ocidente, capaz de justificar a sua viagem.
A ilha ficou-lhe no coração e nunca mais a esqueceu no seu afã descobridor. Bastaram
alguns anos de convívio com os marinheiros madeirenses, esporádicas viagens ao golfo da
Guiné, para ganhar o alento, a sabedoria e os meios técnicos necessários para definir o plano
de traçar o caminho de encontro do ouro do Cipango pela via do Ocidente, como ponto de
partida para a libertação do Santo Sepulcro, que era o seu objectivo final.
A gratidão do navegador para com os madeirenses fê-lo retornar ao arquipélago em
1498, no decurso da terceira viagem. Aqui teve oportunidade de relatar, aos que com ele
acalentaram a ideia da existência de terras a Ocidente, o que encontrara de novo. O convívio
com as gentes do Porto Santo havia sido prolongado e cordial pois em Junho de 1498,
aquando da terceira viagem, não resistiu à tentação de escalar a vila. A sua aproximação foi
considerada mau presságio pois os porto-santenses pensavam estar perante mais uma armada
de corsários. Desfeito o equívoco o navegador foi recebido pelos naturais da terra, seguindo
depois para a Madeira. A 10 de Junho de 1498 a sua ao Funchal foi apoteoticamente saudada,
como nos refere frei Bartolomé de Las Casas, o que provoca mais uma vez, a familiaridade
com estas gentes e a esperança que elas depositavam em tal empresa. O cronista remata da
seguinte forma o ambiente de festa que o envolveu: "le fué hecho mui buen recibimiento y
mucha fiesta por ser alli muy conocido, que fué vecino de ella en algún tiempo".
Parece que estes factos ficaram esquecidos na memória das gentes da ilha. Por isso
chegados ao momento do quarto centenário, aquele que mereceu maior pompa, fomos
apanhados de surpresa. Compulsados os periódicos e a documentação oficial do ano de 1892
constata-se que a sociedade madeirense ignorou o feito e as implicações no passado histórico
da ilha. Se por acaso houvesse um melhor conhecimento e consciencialização para a
necessidade de preservar os seus testemunhos na ilha, de certeza que a casa de João
Esmeraldo, conhecida como a casa de Colombo, não teria sido demolida em 1877. Ela foi
sacrificada sem qualquer razão justificativa, ficando em seu lugar uma travessa com o nome
do navegador, que desapareceu com a construção de uma praça. Na verdade, ele merecia
mais e melhor. Hoje, de certeza que restaria mais do que a janela que se encontra fora do sítio
à Quinta da Palmeira, nos arredores do Funchal.
O quarto centenário teve o mérito de despertar o ilhéu para tão evidente protagonismo
dos seus antepassados. Foi a partir destas comemorações que a ilha da Madeira começou a
ser valorizada pela ligação ao feito colombino. Na exposição universal de Chicago de 1893 a
parte referente à evocação da passagem do navegador pela Madeira mereceu algum destaque.
Para isso contribuiu o empenho de John F. Healy, cônsul americano na ilha, e José Leite
Monteiro, ilustre professor e advogado. Foi o último quem em Fevereiro de 1877, aquando da
demolição, recolheu parte dos destroços da casa de João Esmeraldo, que depois vendeu à
família Hinton.
Álvaro Rodrigues de Azevedo, no rescaldo dos destroços do prédio de João
Esmeraldo, reafirma aquilo que os ingleses haviam dito sobre a Madeira e Colombo, dando a
casa como a moradia, onde havia pernoitado o navegador nas suas deslocações à ilha.
Entretanto em 1892 Agostinho de Ornelas, um dos descendentes de João Esmeraldo,
corrobora o que se havia dito sobre a casa e a presença de Colombo na ilha. No Porto Santo é
também referido pela tradição como mais um testemunho da passagem do navegador pela
ilha. Aí teria pernoitado o navegador numa casa dos sogros e, para muitos, aí nasceu o único
filho legítimo do casal, Diogo Colombo. Deste edifício, por felicidade, restam alguns
vestígios que agora albergam um museu.

BIBLIOGRAFIA: ALBUQUERQUE, Luís de, Dúvidas e Certezas na História dos Descobrimentos


Portugueses, Lisboa 1990.ARAGÃO, António, "A Casa de Colombo" in Para a História do Funchal. Alguns
passos da sua História, Funchal 1987, pp. 113-116.ÁVILA, Arthur Lobo de; FERREIRA, Saul Santos,
Cristóbal Colón - Salvador Gonçalves Zarco, Infante de Portugal, Lisboa, 1939.BARRETO, A. Mascarenhas,
O Português Cristóvão Colombo, agente secreto do Rei D. João II, Lisboa, 1988.BRANCO, Francisco de
Freitas, "Cristóvão Colombo em Portugal, na Madeira, no Porto Santo", in Ibero-Americaniches Archiv, N. F-
Jg. 12 H I, 1986, pp. 27-48. CARACI, Ilaria, Colombo vero e falso. La Costruzione dele Historie Fernandine,
Genova, 1989.CARITA, Rui, Colombo e a Madeira, Funchal, 1988 (Catálogo de uma exposição alusiva ao
lançamento do selo sobre o mesmo motivo). COSTA, Manuel Fernandes, O Descobrimento da América e o
Tratado de Tordesilhas, Lisboa 1979.CRUZ, Visconde do Porto da, "A Estada de Cristóvão Colombo na
Madeira", in Revista de Arqueologia, Lisboa, 1936, II,"A Lenda de Colombo", in das Artes e de História da
Madeira, Funchal, 1948."Lendas e Tradições", in Arquivo Histórico da Madeira, 1937, pp. 157-158.
FERNÁNDEZ-ARMESTO, Filipe, Columbus, Before Columbus, exploration and colonization from the
Mediterranean to the Atlantic, 1229-1492, N. York 1987. FERREIRA, G. C. Santos; SERPA, A. Ferreira de,
Salvador Gonçalves Zarco (Cristóbal Colón). Os livros de D. Tivisco. Confirmações Históricas, Lisboa 1930.
FERRO, Gaetano, As Navegações Portuguesas no Atlântico e no Indico, Lisboa 1989. FLORENTINO, Nicolau,
A Mulher de Colombo, Lisboa 1892. GOMES, J. Reis, A filha de Tristão das Damas. Romance Histórico
Madeirense, Funchal, 1946(Romance que pretende retratar o momento de permanência de Colombo no Funchal
e as ambiências e gentes da ilha; desta foi feita uma peça de teatro Guiomar Teixeira.) GONÇALVES, Ernesto,
"Para o conhecimento dum Percursor de Colombo", in Das Artes e da História da Madeira, Vol. VIII, nº 41,
Funchal, 1971. IRVING, Washington, A History of the Life and Voyages of Christopher Columbus, London,
1828 / 1892. LANCASTRE e TÁVORA, D. Luiz de, Colombo, a Cabala e o delírio, Lisboa, 1991. MAHN-
LOT, Marianne, La Découverte de l'Amerique, Paris, 1970. MARDNES, Alfredo Pinheiro, As Teorias
Fantasiosas do Colombo "Português", Lisboa, 1991. MARIALVA, Octávio de, O Verdadeiro Colombo,
Funchal, 1939. MOBISON, Samuel Eliot, Cristóvão Colombo Almirante do Mar- Oceano, Lisboa, 1962.
MOURA, Vasco da Graça, Cristóvão Colombo e a floresta das asneiras, Lisboa, 1991. MOTA, A. Teixeira da,
O Essencial sobre Cristóvão Colombo e os Portugueses, Lisboa, 1987. ORNELAS, Agostinho de, Memória
sobre a Residência de Cristóvam Colombo na ilha da Madeira, Lisboa, 1982. PEREIRA, Eduardo C. N.,
Notáveis Achados Históricos na Madeira, Funchal, 1974."Colombo no Porto Santo e na Madeira", in Ilhas de
Zargo, vol. I, Funchal, 1967, pp. 123-145.PESTANA JÚNIOR, (Manuel Gregório) D. Cristobal Colon ou
Symãn da ilha na História e na Cabala, Lisboa, 1928. RIBEIRO, Patrocínio, A Nacionalidade Portuguesa de
Cristóvão Colombo (...), Lisboa, 1927. SOUSA, José de Campos e, Acerca do tecto artesanado da pseudo casa
dos Esmeraldos, no Funchal, e da origem heráldica de Don Cristóbal Colón, Lisboa, 1969. VARELA,
Consuelo (prológo e notas de) Cristóbal Colón, textos y documentos completos, Madrid, 1984. Cartas de
particulares a Colón y relaciones coetáneas, Madrid, 1984. VERÍSSIMO, Nelson, "Buscar o levante pela via do
poente: o arquipélago da Madeira e a génese de um grande projecto in Islenha, nº 5, Funchal, 1989, 7-34.
VIEIRA, Alberto, "Colombo e a Madeira: Tradição e a História", in Islenha, Nº 5, 1989, 135-147. ZAGALLO,
Manuel C. de Almeida Cayolla, Cristóvão Colombo e a ilha da Madeira. A casa de João Esmeraldo, Lisboa,
1945.