Você está na página 1de 17

Instrumentação Industrial e Medidas Eléctricas - IPT - DEE

Carlos

Ferreira

Sensores

Amedição das grandezas físicas é uma necessidade. Para essa função são utilizados sensores estes convertem a grandeza a medir noutra. No caso da instrumentação a variável de saída é normalmente eléctrica. A informação adquirida pode servir para monitorização, controlo de processos ou mesmo protecção.

monitorização, controlo de processos ou mesmo protecção. 1 – batente 2 – parte móvel 3 –
1 – batente
1 – batente

2 – parte móvel

3 – lingueta de contacto

4 – contacto

Figura 1 – Sensor de fim de curso: constituição e funcionamento.

Instrumentação Industrial e Medidas Eléctricas - IPT - DEE

Carlos

Ferreira

e Medidas Eléctricas - IPT - DEE Carlos Ferreira Figura 2 – Sensor de fim de
e Medidas Eléctricas - IPT - DEE Carlos Ferreira Figura 2 – Sensor de fim de

Figura 2 – Sensor de fim de curso.

DEE Carlos Ferreira Figura 2 – Sensor de fim de curso. Figura 3 – Sensores de

Figura 3 – Sensores de temperatura: termopares.

de curso. Figura 3 – Sensores de temperatura: termopares. Figura 4 – Sensores de temperatura: câmara

Figura 4 – Sensores de temperatura: câmara por infravermelhos.

Instrumentação Industrial e Medidas Eléctricas - IPT - DEE

Carlos

Ferreira

Detector capacitivo: C=uA/d, V=Q/C.

DEE Carlos Ferreira Detector capacitivo: C=uA/d, V=Q/C. Figura 5 – Sensor capacitivo. Figura 6 – Sensor

Figura 5 – Sensor capacitivo.

capacitivo: C=uA/d, V=Q/C. Figura 5 – Sensor capacitivo. Figura 6 – Sensor capacitivo: aplicação para

Figura 6 – Sensor capacitivo: aplicação para afetriação de nível de enchimento.

Detector indutivo: L=(u), Z=2pi.f.

aplicação para afetriação de nível de enchimento. Detector indutivo: L=(u), Z=2pi.f. Figura 7 – Sensor indutivo.
aplicação para afetriação de nível de enchimento. Detector indutivo: L=(u), Z=2pi.f. Figura 7 – Sensor indutivo.

Figura 7 – Sensor indutivo.

Instrumentação Industrial e Medidas Eléctricas - IPT - DEE

Carlos

Ferreira

e Medidas Eléctricas - IPT - DEE Carlos Ferreira Figura 8 – Sensor indutivo: aplicações. Figura

Figura 8 – Sensor indutivo: aplicações.

Ferreira Figura 8 – Sensor indutivo: aplicações. Figura 9 – Extensómetro e método de aplicação para
Ferreira Figura 8 – Sensor indutivo: aplicações. Figura 9 – Extensómetro e método de aplicação para
Ferreira Figura 8 – Sensor indutivo: aplicações. Figura 9 – Extensómetro e método de aplicação para

Figura 9 – Extensómetro e método de aplicação para medição de forças.

9 – Extensómetro e método de aplicação para medição de forças. Figura 10 – Aplicações de

Figura 10 – Aplicações de extensómetros.

Instrumentação Industrial e Medidas Eléctricas - IPT - DEE

Carlos

Ferreira

e Medidas Eléctricas - IPT - DEE Carlos Ferreira Figura 11 – Sensores fotoeléctricos: on-off (
e Medidas Eléctricas - IPT - DEE Carlos Ferreira Figura 11 – Sensores fotoeléctricos: on-off (

Figura 11 – Sensores fotoeléctricos: on-off ( esquerda), analógico (direita).

fotoeléctricos: on-off ( esquerda), analógico (direita). 1 – detector 2 – tapete 3 - peça Figura

1 – detector

2 – tapete

3 - peça

Figura 12 – Sensores fotoeléctricos: aplicação.

- peça Figura 12 – Sensores fotoeléctricos: aplicação. Figura 13 – Sensor magnético (reed). Figura 14

Figura 13 – Sensor magnético (reed).

aplicação. Figura 13 – Sensor magnético (reed). Figura 14 – Interruptores de mercúrio: fechado (esquerda)
aplicação. Figura 13 – Sensor magnético (reed). Figura 14 – Interruptores de mercúrio: fechado (esquerda)

Figura 14 – Interruptores de mercúrio: fechado (esquerda) e aberto (direita).

Instrumentação Industrial e Medidas Eléctricas - IPT - DEE

Carlos

Ferreira

Sensores de efeito de Hall, princípio de funcionamento: aparecimento de uma tensão – VH – num condutor, ou semicondutor, que é submetido a um campo magnético perpendicular à direcção da corrente que nele flúi.

perpendicular à direcção da corrente que nele flúi. Figura 15 – Sensor de efeito de Hall:

Figura 15 – Sensor de efeito de Hall: princípio de funcionamento.

– Sensor de efeito de Hall: princípio de funcionamento. Figura 16 – Sensor de efeito de

Figura 16 – Sensor de efeito de Hall: utilizado numa pinça amperimétrica; como sensor de corrente em aparelho electrónico.

Sensor de posição resistivo: R deve ser o mais linear possível com a distância d ou o ângulo θ. Este é constituído por um contacto que se move sobre um fio ou banda de material resistivo.

Instrumentação Industrial e Medidas Eléctricas - IPT - DEE

Carlos

Ferreira

e Medidas Eléctricas - IPT - DEE Carlos Ferreira Figura 17 – Resistência. Sensores ultrasónicos para
e Medidas Eléctricas - IPT - DEE Carlos Ferreira Figura 17 – Resistência. Sensores ultrasónicos para
e Medidas Eléctricas - IPT - DEE Carlos Ferreira Figura 17 – Resistência. Sensores ultrasónicos para

Figura 17 – Resistência.

- IPT - DEE Carlos Ferreira Figura 17 – Resistência. Sensores ultrasónicos para medição de distância:

Sensores ultrasónicos para medição de distância:

1 – detector, 2 – objecto, 3 – propagação acústica v=342m/s, d=vt, medição do tempo

3 – propagação acústica v=342m/s, d=vt, medição do tempo Figura 18 – Sensor de distância por
3 – propagação acústica v=342m/s, d=vt, medição do tempo Figura 18 – Sensor de distância por
3 – propagação acústica v=342m/s, d=vt, medição do tempo Figura 18 – Sensor de distância por
3 – propagação acústica v=342m/s, d=vt, medição do tempo Figura 18 – Sensor de distância por

Figura 18 – Sensor de distância por ultrasons.

Instrumentação Industrial e Medidas Eléctricas - IPT - DEE

Carlos

Ferreira

Sensor
Sensor

Figura 19 – Sensor de presssão.

Carlos Ferreira Sensor Figura 19 – Sensor de presssão. Figura 20 – Kit de demonstração de

Figura 20 – Kit de demonstração de vários tipos de sensores.

Instrumentação Industrial e Medidas Eléctricas - IPT - DEE

Carlos

Ferreira

Sistemas de protecção

Na concepção de uma instalação eléctrica, é necessária a protecção das pessoas e da instalação.

Sobreintensidades perigosas podem aparecer durante o funcionamento dos sistemas devido a sobrecargas, ou por curto-circuito na cablagem. Para se evitar que os dispositivos ou as instalações eléctricas que os alimentam avariem, devem ser previstos dispositivos de protecção contra sobrecargas e contra curto-circuitos.

Na protecção dos sistemas eléctricos contra sobreintensidades utilizam-se fusíveis e

ou disjuntores.

FUSÍVEIS

O fusível é um elemento cuja função é interromper, por fusão de um ou mais

elementos concebidos e calibrados para o efeito, o circuito no qual está inserido,

cortando a corrente quando esta ultrapassa, num tempo suficiente, um determinado valor.

TIPOS DE FUSÍVEIS:

- UTILIZADOS NA INDUSTRIA ELÉCTRICA:

Os mais comuns mostram-se nas figuras. Internamente estão cheios de areia ou de material similar, uma vez que possuem alta capacidade de ruptura.

Instrumentação Industrial e Medidas Eléctricas - IPT - DEE

Carlos

Ferreira

e Medidas Eléctricas - IPT - DEE Carlos Ferreira Figura 21 – Fusível cilíndrico. Figura 22

Figura 21 – Fusível cilíndrico.

Figura 22 – Fusível de cartucho

Tipos:

gG: Fusíveis que protegem contra sobrecargas e contra curto-circuitos (acção lenta). f

aM: Fusíveis que protegem exclusivamente contra curto-circuitos (acção rápida).

- UTILIZADOS EM ELECTRÓNICA:

Os mais usuais possuem normalmente invólucro em vidro mas existem tb outros tipos (ver na figura seguinte). Também se fabricam com alta capacidade de ruptura, sendo neste caso cheios de areia ou de material similar.

Tipos:

neste caso cheios de areia ou de material similar. Tipos: Figura 23 – Fusíveis diversos. •
neste caso cheios de areia ou de material similar. Tipos: Figura 23 – Fusíveis diversos. •
neste caso cheios de areia ou de material similar. Tipos: Figura 23 – Fusíveis diversos. •
neste caso cheios de areia ou de material similar. Tipos: Figura 23 – Fusíveis diversos. •

Figura 23 – Fusíveis diversos.

FF: Fusíveis de acção ultrarápida, fundem rapidamente em caso de sobrecarga muito baixa;

F: Fusíveis de acção rápida (East), fundem rapidamente perante sobrecargas relativamente baixas, oferecendo, em condições nominais, um uso duradoiro e fiável;

M: Fusíveis de acção semiretardada (Moderate), fundem rapidamente perante sobrecargas moderadas, mas suportam, com alguma tolerância, correntes transitórias moderadas;

T: Fusíveis de acção retardada (Iemporizados), fundem rapidamente perante sobrecargas prolongadas, mas são capazes de resistir a transitórios de corrente de curta duração.

Instrumentação Industrial e Medidas Eléctricas - IPT - DEE

Carlos

Ferreira

DISJUNTORES

Estes são aparelhos mecânicos de conexão capazes de estabelecer, suportar e interromper correntes nas condições normais do circuito e ainda de estabelecer e suportar num tempo especificado e de interromper automaticamente correntes em condições anormais especificadas para o circuito, tais como as correntes de curto- circuito.

DISJUNTORES MAGNÉTICOS

Os disjuntores magnéticos são utilizados na protecção contra curto-circuitos. Estes têm um nível de disparo, em média, 13 In (corrente nominal do circuito).

O seu elemento principal é um relé electromagnético de máxima corrente que actua (desliga) quando a corrente atinge um valor predeterminado.

Um aumento instantâneo do valor da corrente, devido a um curto-circuito, produz um forte campo magnético na bobina do relé, que provoca a atracção do seu núcleo. Este, por sua vez, provoca a abertura do circuito (disparo do disjuntor). O funcionamento é bastante rápido.

(disparo do disjuntor). O funcionamento é bastante rápido. Figura 24 – Disjuntores magnéticos bi/tripolares. São
(disparo do disjuntor). O funcionamento é bastante rápido. Figura 24 – Disjuntores magnéticos bi/tripolares. São
(disparo do disjuntor). O funcionamento é bastante rápido. Figura 24 – Disjuntores magnéticos bi/tripolares. São

Figura 24 – Disjuntores magnéticos bi/tripolares.

São utilizados em aplicações que necessitem de separação das funções de protecção contra curto-circuito e contra sobrecargas. Neste caso, o relé de protecção térmica é utilizado separadamente.

PROTECÇÁO TÉRMICA

Estes protegem os sistemas contra sobrecargas. As protecções térmicas baseiam o seu funcionamento em lâminas bimetálicas que, devido ao aquecimento provocado por efeito de Joule, dobram e abrem contactos. Trata-se de um funcionamento temporizado.

Instrumentação Industrial e Medidas Eléctricas - IPT - DEE

Carlos

Ferreira

e Medidas Eléctricas - IPT - DEE Carlos Ferreira Figura 25 – Relé térmico tripolar. Estes

Figura 25 – Relé térmico tripolar.

Estes também podem ser embutidos em transformadores, secadores, etc., como protecção ou comando.

secadores, etc., como protecção ou comando. Figura 26 – Protecções térmicas utilizadas em

Figura 26 – Protecções térmicas utilizadas em electrodomésticos.

DISJUNTORES MAGNETO-TÉRMICOS

Estes disjuntores são aparelhos magneto-térmicos e protegem contra sobrecargas, com os elementos de protecção térmica, e contra curto-circuitos, como os elementos de protecção magnética.

Os elementos térmicos têm regulação no painel frontal, tendo os elementos magnéticos um nível de disparo não regulável e igual a cerca de 13 vezes a intensidade de regulação máxima dos sistemas de disparo térmicos.

Instrumentação Industrial e Medidas Eléctricas - IPT - DEE

Carlos

Ferreira

e Medidas Eléctricas - IPT - DEE Carlos Ferreira Figura 27 – Disjuntor magneto- térmico tripolar/bipolar.
e Medidas Eléctricas - IPT - DEE Carlos Ferreira Figura 27 – Disjuntor magneto- térmico tripolar/bipolar.

Figura 27 – Disjuntor magneto- térmico tripolar/bipolar.

Figura 27 – Disjuntor magneto- térmico tripolar/bipolar. Figura 28 – Disjuntor magneto- térmico associado a

Figura 28 – Disjuntor magneto- térmico associado a contactor.

São comandados manualmente, operando botões/manípulos na face frontal, ou automaticamente pelos dispositivos de protecção magneto-térmica.

Quando o disjuntor é utilizado individualmente, o comando é manual e local. Quando associado a um contactor, o comando pode ser automático e realizado à distância.

Movimento de interrupção do circuito
Movimento de interrupção do circuito

Figura 29 – Pormenor interno de um sistema magneto-térmico unipolar.

Instrumentação Industrial e Medidas Eléctricas - IPT - DEE

Carlos

Ferreira

Sistema térmico (resistência e lâmina bimetálica)
Sistema térmico (resistência e
lâmina bimetálica)
Sistema térmico (resistência e lâmina bimetálica) Sistema magnético (bobina) Figura 30 – Identificação do

Sistema

magnético

(bobina)

Figura 30 – Identificação do sistema térmico e do sistema electromagnético.

DISJUNTORES DIFERENCIAIS

Para proteger as pessoas de contactos acidentais com uma fase do sistema de distribuição e da respectiva condução para a terra existem disjuntores de corrente diferencial. Estes disjuntores são aparelhos que com base na diferença da intensidade de corrente entre neutro e fase (será a corrente que se está a conduzir para a terra) cortam o circuito quando este valor excede valores considerados perigosos para o ser humano. Na figura encontram-se representados os efeitos da passagem de corrente no ser humano.

os efeitos da passagem de corrente no ser humano. Figura 31 – Intensidades de corrente e

Figura 31 – Intensidades de corrente e respectivos efeitos no ser humano.

Instrumentação Industrial e Medidas Eléctricas - IPT - DEE

Carlos

Ferreira

Estes têm normalmente um botão de pressão de teste no painel frontal que permite testar o seu correcto funcionamento. Em sistema domésticos é típico a utilização de intensidades máximas na ordem das dezenas de mA.

de intensidades máximas na ordem das dezenas de mA. Figura 32 – Protecção diferencial. Atenção ao
de intensidades máximas na ordem das dezenas de mA. Figura 32 – Protecção diferencial. Atenção ao

Figura 32 – Protecção diferencial.

Atenção ao facto de estes sistemas protegerem unicamente as pessoas no caso de existirem correntes para a terra, o contacto acidental entre fase e neutro ou entre fases não é detectado!

Instrumentação Industrial e Medidas Eléctricas - IPT - DEE

Carlos

Ferreira

Sistemas de comando

Para ligar/desligar sistemas utilizam-se interruptores com capacidade de corte das grandezas envolvidas.

Para executar o controlo de sistemas (motores, autómatos, etc.) é bastante útil poder-

se controlar um interruptor/grupo de interruptores através de sinais de baixa potência provenientes de sensores, autómatos, etc.

O elemento que o permite é o relé ou contactor. Este comanda mecanicamente uma

série de interruptores através da actuação na excitação de um sistema magnético. Ao

ser alimentado este atrai uma armadura que comanda os interruptores estando o sistema de comando electricamente isolado do sistema comandado.

O sistema de interruptores (comandado) e o sistema de excitação (comando) pode

estar preparado para várias tensões em função dos requisitos particulares do sistema.

Na figura 13 está representado um cotactor e características do sistema de comando e dos interruptores coamandados.

Na figura 13 está representado um cotactor e características do sistema de comando e dos interruptores
Na figura 13 está representado um cotactor e características do sistema de comando e dos interruptores

Instrumentação Industrial e Medidas Eléctricas - IPT - DEE

Carlos

Ferreira

Opcções existentes
Opcções
existentes

Figura 33 – Contactor e especificações.

existentes Figura 33 – Contactor e especificações. Figura 34 – Contactor para quadro eléctrico. Figura 35

Figura 34 – Contactor para quadro eléctrico.

Figura 33 – Contactor e especificações. Figura 34 – Contactor para quadro eléctrico. Figura 35 –

Figura 35 – Temporizador.