Você está na página 1de 3

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA

DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA


EEL5104 – Circuitos Elétricos para Controle e Automação

AULA 10
MEDIDAS DE POTÊNCIA MONOFÁSICA

1 INTRODUÇÃO
A potência instantânea consumida por um elemento de circuito é o produto da tensão
sobre seus terminais pela corrente que o atravessa. Em circuitos de corrente alternada (CA),
como nos sistemas de transmissão e distribuição de energia elétrica que trabalham na
freqüência de 60 Hz, a potência aparente é o produto dos valores eficazes dessas grandezas
(RMS). A figura 1 mostra um exemplo da forma de onda disponível nas tomadas de nossas
casas, destacando o valor RMS da tensão de fase (220 V). Note que o pico de tensão é bem
superior, chegando a 311 V, somando uma amplitude de variação de 622 Vpp.

N T
1 1
VRM S =
N
∑ Vi 2
=
T ∫ v (t )
2
dt
i =1 0

Figura 1. Relação entre tensão instantânea e o valor RMS para a rede elétrica.

Nesta aula têm-se como objetivo entender o funcionamento do wattímetro analógico,


que é um instrumento de medida eletrodinâmico para medir potências ativas em circuitos de
corrente alternada.
Aula 10 – Medidas de Potência Monofásica

2 WATTÍMETRO
O wattímetro é um instrumento que permite medir a potência elétrica fornecida ou
dissipada por um elemento. O wattímetro implementa o produto das grandezas tensão e
corrente elétrica no elemento, razão pela qual a sua ligação ao circuito é feita
simultaneamente em série e em paralelo (figura 2). Assim, dois dos terminais são ligados em
paralelo com o elemento, efetuando a medição da tensão, e os dois restantes são interpostos
no caminho da corrente. Tal como o voltímetro e o amperímetro, o wattímetro ideal mede a
tensão sem desvio de qualquer fluxo de corrente, e mede a corrente sem introduzir qualquer
queda de tensão aos seus terminais.
O wattímetro analógico é um instrumento eletrodinâmico. Tem esse nome devido à
interação de dois campos magnéticos. Assim como um instrumento de bobina móvel com imã
permanente, porém este último é substituído por um par de bobinas fixas por onde passa a
corrente do circuito sendo analisado. Esse tipo de instrumento é apto para medir tanto
potências produzidas por correntes alternadas quanto contínuas, e indica o verdadeiro valor
RMS, independente da forma de onda aplicada.
Apresenta as seguintes partes principais:
• Bobina fixa, constituída de duas meias bobinas idênticas (bobina de corrente);
• Bobina móvel, à qual está preso o ponteiro (analógico) em um mecanismo de
relojoaria, colocado entre as duas meias bobinas (bobina de potencial);
• Mola restauradora.

Bobinas Fixas

Bobina Móvel
ligada ao ponteiro

Figura 2. Detalhe das bobinas de um wattímetro ligado a uma carga.

A corrente que circula pelas bobinas fixas (de campo) é a corrente de carga (i). A
corrente ip é praticamente e/R. Assim, o conjugado sobre a bobina móvel depende do produto
da densidade de fluxo do campo (produzido pela bobina de corrente) e da corrente da bobina
móvel (bobina de potencial). Uma vez que o conjugado motor depende do produto e x i; se e e
i variarem no tempo (senoidais) o conjugado motor também variará; se essas variações forem
muito rápidas (na prática 60 Hz), a bobina móvel não poderá acompanhar este conjugado
variável, tomando uma posição tal que o conjugado resistente da mola restauradora se iguala
ao valor eficaz do conjugado motor produzido pela ação eletromagnética. Esse conjugado
motor depende também do co-seno da diferença angular entre ip e i, sendo então proporcional
à potência ativa. Portanto, o wattímetro terá sua escala graduada em watts (W).

Circuitos Elétricos para Controle e Automação – 2008/2 2/3


Aula 10 – Medidas de Potência Monofásica

No wattímetro normalmente existe em um dos terminais da bobina de potencial e em


um dos terminais da bobina de corrente uma marca + ou ↓. Esses dois terminais devem ser
conectados ao mesmo ponto do circuito. Se o ponteiro se mover para trás, uma das ligações
deve ser invertida.

3 PARTE EXPERIMENTAL
Monte o circuito da figura 3 no conjunto de disjuntor e soquetes disponível no
laboratório. Use uma das fases do Varivolt como fonte de tensão, o multímetro analógico
como voltímetro e o amperímetro AC. Faça as medidas com uma lâmpada de filamento de 40
W e depois com uma fluorescente compacta. Tome cuidado para não desconectar os cabos
enquanto a tomada estiver ligada.

Figura 3. Esquema de ligação de um amperímetro e voltímetro ao circuito.

Antes de ligar o disjuntor, ajuste a tensão de saída para 220 V. Ligue o circuito e anote
os valores de tensão e corrente. Calcule a potência a partir da multiplicação dessas grandezas.
Diminua a tensão pela metade no Varivolt, anote os valores e observe a luminosidade das
lâmpadas.
Tabela 1 – Medidas de Tensão e Corrente.
Grandeza medida Incandescente Fluorescente
Tensão CA
Corrente CA
Potência

Substitua os multímetros por um wattímetro, como na figura 4, e anote o valor


indicado pelo ponteiro e o fundo de escala, de acordo com a ligação da bobina de corrente
(1 ou 5A) e o ajuste da bobina de tensão (240 ou 480 V).

Figura 4. Esquema de ligação do wattímetro ao circuito.

Tabela 2 – Medidas com o Wattímetro.


Dados Incandescente Fluorescente
Valor de leitura
Fundo de Escala
Potência

Compare os valores medidos pelos dois métodos e comente a respeito.

Circuitos Elétricos para Controle e Automação – 2008/2 3/3