ORIENTAÇÃO E SUPERVISÃO ESCOLAR ANA MATILDE BECHTOLD Prof.

Mara Manske Centro Universitário Leonardo da Vinci – UNIASSELVI Pedagogia (PED0022) – Estágio V 09/05/13 1 INTRODUÇÃO Este memorial apresenta a aplicação do projeto de estágio V do curso de licenciatura em pedagogia. O tema escolhido refere-se à orientação escolar e tenciona demonstrar a relevância desta função à unidade educativa uma vez que exerce papel ativo junto a comunidade escolar no trato das questões sociais existentes, logo constatamos que sua principal atribuição efetiva-se no resgate da humanização. Preparado para mudanças e motivado para gerir sua equipe o supervisor eficiente centraliza as conquistas docentes e assegura que as boas idéias tenham continuidade. Orienta a práxis pedagógica , o plano de ação educativa e sua execução conduzindo a escola e seus profissionais à realização de um trabalho de qualidade, além de gerar reflexões sobre da prática pedagógica da escola para elevar a qualidade do ensino. Segundo Medina (2002 p.12)
A Supervisão, como disciplina, num quadro de um sistema formal de ensino aprendizagem, é um corpo de conhecimentos e instrumentos que permite a analise, coordenação e orientação das atividades pedagógicas, ao mesmo tempo que identifica, classifica e satisfaz necessidades de formação, em sentido lato. Num sentido mais restrito, a Supervisão Pedagógica assume-se igualmente como uma plataforma comum de reflexão, aprendizagem e integração de saberes e competências quer uma dimensão pedagógicodidática quer numa dimensão pratico-moral.

Deste modo percebe-se o supervisor como um atenuador de situações problemas referente ao processo pedagógico e como um maximizador quantitativo e qualitativo das questões pedagógicas cotidianas, elevando a qualidade de ensinoaprendizagem de forma geral.

Vale salientar que o profissional de supervisão deve ser dinâmico e entusiasta procurando sempre agregar saberes ao seu exercício através da promoção seminários. nº 2230 no bairro Fidelis em Blumenau – SC. produz com sua parceria maneiras dinamizar o processo de ensinar e do aprender. O presente estágio tem como temática Orientação Escolar Frente à Prática Educativa embasada na área de concentração denominada Metodologias de Ensino. formação continuada e encontros pedagógicos. O supervisor concebendo a característica específica do professor.O ação do supervisor exige um compromisso amplo consigo e com a comunidade. O orientador pedagógico é o docente responsável pela orientação flexível da prática educativa que deve sempre acompanhar as transformações sociais. refletindo criticamente a respeito dela. contribuindo para a integração. pela acadêmica Ana Matilde Bechtold sobre a supervisão da orientadora pedagogica Marlise M. . a organização do pensamento do professor numa ação contínua. 2 ORIENTAÇÃO E SUPERVISÃO ESCOLAR FRENTE A PRÁTICA EDUCATIVA O estagio de gestão escolar. no qual os saberes e conhecimentos se confrontam. o que resultará no reconhecimento de sua dignidade como ser humano e na legitimidade de sua identidade como profissional da educação. Essa ação trará valorização a pratica cotidiana. educacionais e científicas. para que o corpo docente através dessa conduta receba e interiorize informações fundamentais para o desempenho eficiente de suas funções. cursos. situado à Rua Professor Hermann Lange. fazendo com que o professor empenhe-se em seu próprio aperfeiçoamento. R. foi realizado na Escola Básica Municipal Rodolfo Hollenwerger. Imhof. pois trata-se de uma prática política que eleva competência profissional do docente e acaba por refletir na ação em sala de aula. tornando – se capaz de repensar sua prática.

do reconhecimento e do valor das diferenças. Para Lück (2002 p. em ultima analise. na somatória de esforços e ações desencadeados com o sentido de promover a melhoria do processo ensino .supervisor. a título de informação sobre o rendimento escolar e o avanço da aprendizagem que vise a sua interação. 20) o papel do supervisor escolar: se constitui. tanto para questões administrativas quanto pedagógicas. de tal forma que o possibilite perceber que para se alcançar os objetivos de um trabalho. Desta maneira. acolhedor e solidário. E para que isso aconteça de forma plena é importante que haja o exercício diário de cooperação. um ensino participativo. buscando métodos educativos que priorizem a construção do conhecimento de forma qualitativa. projetos tanto quanto acompanhar o plano de trabalho/aula do professor com o intuito de verificar dificuldades de aprendizagem. a supervisora pedagógica desta instituição relatou que é necessário assegurar a aplicação dos DCM’S. orientar o trabalho do professor para elaboração de planejamentos contextualizados com temas. Ao falarmos da postura de um supervisor pedagógico frente a dificuldade de aprendizagem. diante da busca de métodos e conteúdos. De acordo com Mantoan (2003) A educação escolar deve ser pensada a partir da ideia de uma formação integral do aluno. a orientadora afirma que tem total compromisso com o acompanhamento e desenvolvimento da aprendizagem dos educandos e orientá-os a terem uma rotina de estudos. de fraternidade. conforme suas capacidades e talentos. leis. não podemos perder a dimensão humanística da interação professor – aluno. assiduidade. É necessário que a orientação pedagógica tenha uma visão ampla do processo ensino-aprendizagem.Fez se uso de um roteiro de entrevistas e observações. aplicação e avaliação dos discentes. inclusive nas dificuldades de aprendizagens. com referência da proposta pedagógica da escola. media reuniões com professores e alunos. onde verificou-se as ações do orientador e sua importância no funcionamento da instituição de ensino.

facilitador. 11) corrobora com esse pensamento quando expõe: as salas de aula inclusivas partem de uma filosofia segundo a qual todas as crianças podem aprender e fazer parte da vida escolar e comunitária. verificando o rendimento dos discentes através de conversações com os docentes. procura desenvolver seu trabalho com qualidade. Em referência as necessidades educativas especiais revela-se a importância da supervisão pedagógica frente à inclusão. de acordo com a profissional docente cabe a escola. assim acompanhando os planejamentos de aula periodicamente. Educadores. Esse esforço voltou-se constantemente ao professor num processo de assistência aos mesmos e coordenação de sua ação. planejando com toda a equipe gestora as rotinas pedagógicas e inerentes ao dia a dia escolar. levando-a a atingir seu potencial pleno de acordo com suas especificidades. Um supervisor consciente de suas responsabilidades. para isso seguem as orientações do CEMEA. educando e demais integrantes da comunidade escolar no sentido de colaborar no desenvolvimento individual. p. Atualmente a orientação ocupa o papel de mediadora junto ao corpo docente buscando uma educação de qualidade. Stainback (1999 p. um profissional capaz de fazer a articulação entre equipe diretiva. principalmente na construção de uma cidadania ética e solidaria. professores e demais funcionários oportunizar a possibilidade de desenvolver melhor as potencialidades de cada um bem como garantir sua participação na sociedade de forma produtiva. mediador e interlocutor. politico e econômico e. disponibilizam professores de apoio que planejam suas intervenções pedagógicas junto aos professores regentes. possibilidades e limitações. acredita-se que tal diversidade fortaleça a turma e . isto em curto prazo e em longo prazo são os conselhos de classes.aprendizagem. adequando-se a realidade da comunidade escolar. A diversidade é valorizada. Vale ainda acrescentar à resposta da supervisora as considerações de Libâneo (2002. social. 35) O supervisor educacional é um agente de mudanças.

Segundo a orientadora o relacionamento entre o supervisor – escola – comunidade cumpre o papel atenuador de situações problemas referente ao processo pedagógico e formação global do alunado e tem como principal objetivo maximizar quantitativa e qualitativamente as questões pedagógicas cotidianas. então a ser redefinido com base em seu objeto de trabalho. professores. exercendo a mediação entre escola e comunidade de modo que atenda às necessidades de alunos. elevando a qualidade de ensino-aprendizagem de forma geral.pois sua efetivação facilita e organiza as atividades. e o resultado da relação que ocorre entre o professor que ensina e o aluno que aprende passa a constituir o núcleo do trabalho do supervisor na escola”. p.ofereça a todos os seus membros maiores oportunidades para a aprendizagem. pais e funcionários. bem como na postura do docente como pré-requisito básico para que alunos com necessidades especiais assim como os demais possam buscar seu desenvolvimento e exercer sua cidadania plenamente. 169) diz que. políticas. nunca definitiva. tecnológicas e culturais da unidade escolar. assim como fornecer subsídios para reflexão das mudanças sociais. o PPP pode ser entendido como a sistematização. que define claramente o tipo de ação educativa que se quer realizar. que se aperfeiçoa e se concretiza na caminhada. de um processo de Planejamento Participativo. quanto a isso a docente afirma que fazer cumprir o PPP da Escola tanto quanto acompanhar a sua atualização é imprescindível para dinamizar o relacionamento da escola com seu entorno. Medina (1997. Sendo assim. p. Outro fator que permeia as ações da orientação pedagógica é a construção diária e coletiva de caminhos que facilitem o desenvolvimento da pratica pedagógica. a inclusão requer adaptações nos métodos de ensino. Vasconcellos (2000. . 22) diz que “o papel do supervisor passa.

mais graves ou menos severos com o intuito oportunizar a possibilidade de desenvolver melhor as potencialidades de cada um bem como garantir sua participação na sociedade de forma produtiva. São Paulo: Cortez. José Carlos. 2002. 4 REFERÊNCIAS LIBANEO. inserindo alunos com déficits de toda ordem. ed. Realizar este estágio de orientação e supervisão escolar foi de suma importância para que eu reconhecesse as atribuições efetivas do orientador escolar e constatasse sua relevância na busca de técnicas ou métodos que auxiliam e facilitam a aprendizagem do educando assim como seu desenvolvimento global para a vida em sociedade. há que se expandir a ação educativa a contextos abranjam as características e especificidades de cada aluno e que garantam o exercício pleno da cidadania. concebe-se o supervisor pedagógico como conhecedor pleno do seu espaço de trabalho. permanentes ou temporários. articulado promove a participação de todos na ação educativa e encaminha a aprendizagem buscando através do diálogo caminhos próprios na intervenção da qualidade do trabalho realizado pelo professor em sala de aula. mas versam em fundamentar as atividades docentes tendo por base imutável as circunstancias didáticas cotidianas. de reflexão continua que preconize a educação para toda a sociedade. as ações educativas que permeiam a práxis da orientação e supervisão não se reduzem a formalidades.Destarte. 3 CONCLUSÃO A práxis docente exige pensamento dialético. . Assim. através de diferentes meios e em diferentes espaços sociais. Logo. Pedagogia e Pedagogos para quê? 6.

Porto Alegre: editora Artmed. 6. 1999. Inclusão escolar: O que é? Por quê? Como fazer ? São Paulo: Moderna. da exercida à ação repensada. Supervisão Escolar.Noves olhares sobre a supervisão. Petrópolis : Vozes. MANTOAN. Supervisor Escolar: parceiro político-pedagógico do professor. SP: Papirus.LÜCK. MEDINA. Avaliação da aprendizagem: práticas de mudança – por uma práxis transformadora. São Paulo: Libertad. VASCONCELLOS. Planejamento em orientação educacional. Ed Age. Antonia da Silva. 2002. Inclusão: um guia para educadores. Antonia da Silva. MEDINA. Heloisa. Campinas. STAINBACK. Porto Alegre. Susan e Willian. . S. ed. 2003. 1998. 1992. Maria Teresa Eglér. C. 1997.

Sign up to vote on this title
UsefulNot useful