Você está na página 1de 3

í)ublicado no D O. E.

tm, 09 I 05- Q 5

PROCESSO TC 05912/07
Denúncia. Município de Sousa. Conhecimento.
Procedência. Imputação de débito.
Encaminhamento de cópia dos autos ao Ministério
Público Estadual. Determinações.

ACÓRDÃO APL TC 3 33 /2009

RELATÓRIO

Trata o presente processo de denúncia encaminhada pela Assembléia Legislativa, em


aprovação de requerimento do Deputado Estadual Lindolfo Pires Neto, contra atos do Prefeito, Sr.
Salomão Benevides Gadelha, acerca de pagamentos por serviços não executados referentes a
calçamento de ruas e Construção do PSF - Jardim Sorrilândia II (Exercício 2005).

A Auditoria realizou inspeção às obras em novembro/2006, todavia, considerando que a


Construção do PSF - Jardim Sorrilândia lI, foi também objeto de denúncia apreciado através do Processo
TC 4706/06, para o presente processo ficou restrita a apreciação da denúncia acerca dos pagamentos por
serviços não executados referentes a calçamento de algumas ruas, tendo a Auditoria informado em seu
relatório, às fls. 39/41, 65, que:

• na data da diligência, nos trechos em que foi possível a localização, não foram
identificadas estradas com características de realização os trabalhos;

• não foram apresentados todos os documentos necessários à comprovação da


despesa, concluindo pela irregularidade plena, dando notícia de que através do
Ofício n° 264/2006 do Gabinete do Prefeito (fls. 44) foi informado que a
documentação solicitada fora apreendida pela Polícia Federal, em cumprimento
de um Mandado de Busca e Apreensão.

Devidamente notificado', o Prefeito argumentou preliminarmente pela nulidade da


Perícia Técnica realizada pelos Auditores deste Tribunal, reclamando ausência de intimação quando da
inspeção às obras, e no mérito, considerando a apreensão realizada pela Polícia Federal, que resulta na
impossibilidade fática de se apresentar a documentação comprobatória da regular aplicação dos recursos
impugnados e, em homenagem aos princípios constitucionais e do contraditório,
solicitou a decisão pela improcedência das acusações.

C:lAssessorlPLENO\OenúneialAeórdãos 2009\05912-07- Sousa. doe


TRIBUNAL DE CONTAS DO ESTADO
PROCESSO TC 05912/07
Em consonância com outras decisões desta Corte e com base no art. 125 do seu
Regimento Interno, em 03 de setembro de 2008, este Tribunal decidiu, através da Resolução RPL TC
33/2008, pela suspensão temporária do andamento do processo devido a impossibilidade de apreciação
do mérito; bem como pela solicitação diretamente ao Tribunal Regional Federal - 5a Região acesso à
documentação apreendida (fls. 109).

Ante a notícia de que foi disponibilizado aos investigados o acesso aos documentos
apreendidos pela Polícia Federal, que instruem o processo que tramita em segredo de justiça no Tribunal
Regional Federal - TRF - 5a Região (fls. 126/128), foi determinada nova notificação do gestor, todavia, o
Prefeito juntou aos autos tão somente solicitações de prorrogação de prazo para apresentar documentos
(fls. 132/137).

Em consulta ao SAGRES, constata-se que dos recursos destinados às pavimentação


denunciadas, no valor de R$ 138.775,00, tratam-se de recursos próprios do Município,

É o relatório, informando que foram realizadas as notificações de praxe.

VOTO DO RELATOR

Ante à instrução processual e, considerando o relatório da Auditoria, inclusive o


fotográfico, o Relator vota no sentido de que este Egrégio Tribunal Pleno:
1 - Conheça da Denúncia, e julgue-a procedente;

2 - Impute débito ao ex-gestor o valor de R$ 138.775,00, correspondente aos recursos


próprios aplicados, pagos antecipadamente à Construtora', sem a contraprestação
correspondente, assinando-lhe o prazo de 60 (sessenta) dias para efetuar o recolhimento
do débito aos cofres municipais, a contar da data da publicação da presente decisão,
cabendo ação a ser impetrada pela Procuradoria Geral do Estado (PGE), em caso do não
recolhimento voluntário devendo-se dar a intervenção do Ministério Público, na hipótese
de omissão da PGE, nos termos do § 4° do art. 71 da Constituição Estadual;

3 - Encaminhe cópia dos autos ao Ministério Público Estadual para a adoção de


providências que julgar necessárias, e

4 - Determine que se dê conhecimento ao denunciante, da presente decisão.

É como voto.

1 Consta às fls. 55 e 70v despachos do Relator, determinando notificações ao gestor e a Construtora Rio Negro e às
fls. 58 e 76, cópia das publicações das notificações no DOE.
2 A construtora credora foi a Rio Negro Ltda.

C:lAssessorlPLENOIDenúneialAeórdãos 2009105912-07- Sousa. doe


TRIBUNAL DE CONTAS DO ESTADO
PROCESSO TC 05912/07

DECISÃO DO TRIBUNAL

Vistos, relatados e discutidos os autos do processo Te 05912/07, que trata de


DENÚNCIA contra atos do Prefeito, Sr. Salomão Benevides Gadelha, acerca de pagamentos por serviços
não executados referentes a calçamento de ruas e Construção do PSF - Jardim Sorrilândia 11 (Exercício
2005),
CONSIDERANDO que restou para o presente processo a apreciação da denúncia acerca
de pagamentos por serviços não executados referentes a calçamento de ruas, bem como que os recursos
destinados para as referidas obras são oriundos de receita do próprio município;
CONSIDERANDO o voto do Relator e o mais que dos autos consta,

ACORDAM os membros do Tribunal de Contas do Estado da Paraíba, em sessão plenária


realizada nesta data, com declaração de impedimento do Conselheiro José Marques Mariz, à maioria,
pela não aplicação de multa ao gestor, e à unanimidade, em:

1 - Conhecer da Denúncia, julgando-a procedente;

2 - Imputar débito ao ex-gestor, Sr. Salomão Benevides Gadelha, o valor de


R$ 138.775,00 (cento e trinta e oito mil, setecentos e setenta e cinco reais),
correspondente aos recursos próprios aplicados, pagos antecipadamente à Construtora,
sem a contraprestação correspondente, assinando-lhe o prazo de 60 (sessenta) dias para
efetuar o recolhimento do débito aos cofres municipais, a contar da data da publicação da
presente decisão, cabendo ação a ser impetrada pela Procuradoria Geral do Estado
(PGE), em caso do não recolhimento voluntário devendo-se dar a intervenção do
Ministério Público, na hipótese de omissão da PGE, nos termos do § 4° do art. 71 da
Constituição Estadual;

3 - Encaminhar cópia dos autos ao Ministério Público Estadual para a adoção de


providências que julgar necessárias, e

4 - Determinar que se dê conhecimento ao denunciante, da presente decisão.

o, O 8 de abril de 2009.

Conselheiro

C:lAssessorlPLENOIDenúneialAeórdãos 2009105912-07- Sousa. doe