Você está na página 1de 7

INSTITUTO SUPERIOR DE EDUCAÇÃO

TEMA

Ensino da Geometria no 2º ciclo do ensino secundário em Cabo Verde

Elaborado por: Henrique Pina Gomes


Wanderleia de Jesus Sanches
Sanches.
anches. Lopes Furtado

Licenciatura em ensino de
Matemática

Praia, Cabo Verde 1 Data14/01/2008


INSTITUTO SUPERIOR DE EDUCAÇÃO

INDICE

TEMA ............................................................................................................................................3
GRANDE QUESTÃO ...................................................................................................................3
QUESTÕES DE INVESTIGAÇÃO..............................................................................................3
OBJECTIVOS ...............................................................................................................................3
HIPÓTESE ....................................................................................................................................3
RELEVANCIA DO TEMA...........................................................................................................4
FUNDAMENTAÇÃO TEÓRICA.................................................................................................4
METODOLOGIA .........................................................................................................................6
ESQUEMA DO TRABALHO...................................................................................................7
CALENDARIZAÇÃO...............................................................................................................7
REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS .........................................................................................7

Praia, Cabo Verde 2 Data14/01/2008


INSTITUTO SUPERIOR DE EDUCAÇÃO

TEMA
Ensino da Geometria no 2º ciclo do ensino secundário em Cabo Verde

GRANDE QUESTÃO
Como poderá o professor de matemática tornar mais eficaz o ensino e aprendizagem da
geometria no 2º ciclo do ensino secundário em Cabo Verde

QUESTÕES DE INVESTIGAÇÃO

1. Quais são as metodologias de ensino da geometria no 2º ciclo do ensino secundaria em Cabo Verde.

2. Que problemas devem ser introduzidos nas aulas de geometria no 2º ciclo do ensino secundaria em Cabo
Verde?
3. Como utilizar as novas tecnologias de informação aulas de geometria no 2º ciclo do ensino secundária
em Cabo Verde?

OBJECTIVOS
Pretendemos que o trabalho venha servir como instrumento de apoio ao professor de
Matemática. Assim propõe-se a seguinte listagem de objectivos.
 Analisar as metodologias de ensino de geometria no 2º ciclo do ensino secundária em
Cabo Verde?
 Clarificar (especificar) as potencialidades da geometria em desenvolver nos alunos o
poder de resolução de problemas;
 Apresentar sugestões metodológicas para o ensino da geometria no 2º ciclo do Ensino
Secundário em Cabo Verde;
 Contribuir para a melhoria do ensino da geometria no secundário, apresentando um
trabalho de referência;

HIPÓTESE
A introdução de novos problemas e utilização de uma metodologia adequada na sua resolução pode
contribuir para melhoria do ensino da geometria no 2º ciclo do Ensino Secundário em Cabo Verde;

Praia, Cabo Verde 3 Data14/01/2008


INSTITUTO SUPERIOR DE EDUCAÇÃO

RELEVANCIA DO TEMA
Esta investigação poderá contribuir de forma positiva para o ensino e aprendizagem da

matemática em Cabo Verde e em particular para o ensino e aprendizagem da Geometria. A

abordagem proposta leva os alunos a desenvolverem o seu poder de resolução de problemas

Matemáticos bem como Problemas da vida quotidiana.

A Geometria constitui para nós uma preocupação delonga data, tanto que no decorrer da
nossa formação enquanto estudante de matemática, despertou-nos uma certa curiosidade, por um
lado, em conhecer mais a fundo até que ponto a natureza do seu objecto permite desenvolver nos
alunos capacidade de abstracção, esquematização, percepção, organização e catalogar o
espaço/meio envolvente, por outro lado, pelo nosso desejo em descobrir novas formas de ensinar a
geometria para utilizar no futuro enquanto Docentes.
São essas as razões que nos orientou para a escolha do tema Ensino da Geometria no 2º
ciclo do ensino secundário em Cabo Verde para o nosso trabalho de fim do curso.
Com o desenvolvimento do tema pretendemos dar um contributo para melhoria do ensino em
Cabo Verde e contribuir com mais um material didáctico de apoio no sentido de propor alternativas
para uma abordagem mais adequada em termos cientifico-pedagogico no ensino da geometria
visando o aumento da motivação dos estudantes para o estudo da matemática.

FUNDAMENTAÇÃO TEÓRICA
Longe vão os tempos em que um professor de Matemática do Ensino Secundário em Cabo
Verde se podia sentir seguramente formado, no dia em que acabava a sua licenciatura em
Matemática (ramo Educacional) numa universidade qualquer; especificamente:
- Longe vão os tempos em que os métodos e as técnicas que um professor implementa nas
suas aulas de Geometria eram exactamente os mesmos que ele próprio vivenciara enquanto aluno;
- Longe vão os tempos em que a ciência exacta que o professor de Matemática ensinava aos
seus alunos era um conjunto fixo e bem determinado de elementos que se mantinha inalterado
durante décadas e que se encontrava claramente sistematizado num único livro-texto que “alguém”
determinara;
Alem disso, quando na Universidade abordam-se questões específicas de Geometria damo-nos
conta que, de facto, estudantes diferentes, em anos lectivos distintos, que foram ensinados por
professores diferentes e com conhecimentos geométricos diversificados parecem bloquear sempre
nos mesmos temas, nomeadamente;
- Conseguem manipular algebricamente as questões que lhes são colocadas; no entanto, não
conseguem esboçar os entes geométricos;

Praia, Cabo Verde 4 Data14/01/2008


INSTITUTO SUPERIOR DE EDUCAÇÃO

- Escrevem sobre determinados entes geométricos; no entanto, não sabem falar sobre eles;
- Lembram-se de termos-chave como isometria ou homotetia, perímetro ou área ou volume,
polígono ou poliedro, ponto, recta ou plano; no entanto, não se atrevem a explicar, nem de cor nem
por palavras suas e nem em termos analíticos nem em termos geométricos, o significado desses
nomes.
Ocorre-nos por todas estas razões uma questão central: Vale a pena continuar a apostar no
Ensino da Geometria? Ou seja, justifica-se, por parte dos professores, um esforço adicional no seu
trabalho de forma a melhor ensinar Geometria aos seus alunos? Ou será que se vislumbra, por
exemplo, a hipótese de a Geometria ser, a curto prazo, substituída por qualquer outro tópico menos
problemático?
Estamos, como se entende, a questionar a importância da Geometria. É, antes de mais,
relativamente fácil encontrar citações de pessoas relevantes que, desde sempre, atestaram esta
importância. Por exemplo:
- No século IV a. C, Platão escrevia
«(para além da utilidade evidente para a guerra e não só) os objectos do conhecimento
geométrico são eternos e (portanto) conduzem a mente para a verdade e para o desenvolvimento do
raciocínio... a Geometria é o conhecimento do que existe sempre;»
- Recentemente, o professor Alexandrov, ilustre geómetra soviético. Escreve assim:
«A Geometria é essencialmente a combinação de uma imagem viva e de uma lógica rigorosa que
se organizam e se guiam mutuamente... o ensino da Geometria tem pois, consequentemente, como
função o desenvolvimento nos alunos de três qualidades: a imaginação espacial, a compreensão
concreta e o pensamento lógico... as duas primeiras características são fundamentais... a terceira faz,
nos dias que correm, cada vez mais sentido.»
A importância da Geometria está pois naturalmente (a partir da Natureza) patenteada e está
subjacente – de forma consciente ou não – na sua inclusão obrigatória em qualquer programa
curricular, de qualquer nível de ensino, de qualquer escola, de qualquer parte do mundo.
Por conseguinte destacamos, em jeito de resumo as três grandes qualidades da Geometria, que é
unanimemente escolhida como tópico obrigatório de ensino aos cidadãos de todo o mundo.
Ensinamos Geometria porque esta ciência desenvolve simultaneamente:
- O conhecimento do mundo real,
- O processamento e a interpretação visuais ,a imaginação espacial, segundo Alexandrov,
- O raciocínio lógico/dedutivo.
Contribuir para o desenvolvimento simultâneo de tão importantes e tão diversificadas capacidades
não está ao alcance de qualquer tópico que se ensine.

Praia, Cabo Verde 5 Data14/01/2008


INSTITUTO SUPERIOR DE EDUCAÇÃO

METODOLOGIA

Com esta investigação pretendemos descrever e analisar as práticas lectivas dos professores de
matemática relativamente ao ensino e aprendizagem da geometria no 2º ciclo. Para tal,
procuraremos responder as seguintes questões: Qual é a relação do professor de matemática com a
geometria? Como é a vivência do ensino da geometria? Como é a experiência do professor de
Matemática na utilização de novas tecnologias de informação no ensino da geometria? Qual é o
impacto da utilização de novas tecnologias de informação na aprendizagem dos conceitos
geométricos? Que problemas devem ser propostos e como deverão ser abordados os problemas
geométricos.
Para realizar esta investigação entendemos que um estudo de caso qualitativo é adequado uma vez
que pretendemos analisar o ensino e aprendizagem da geometria no seu contexto natural. A nossa
investigação decorrerá essencialmente na escola onde iremos estagiar. Os nossos informantes serão
quatro professores de matemática (dois do 9º ano e dois do 10º ano) da escola em que decorrerá o
nosso estágio escolhidas de acordo com as suas experiências Profissional, nível académico e a nossa
relação pessoal com os mesmos.
A recolha de dados será baseada essencialmente em entrevistas, observação e análise documental.
A entrevista será feita numa espécie de conversa a três orientado por um guião feita com base nas
seguintes áreas: (1) O professor e o ensino e aprendizagem da geometria; (2) o professor e os
problemas geométricos; (3) O professor e as novas tecnologias de informação no ensino e
aprendizagem da geometria; As entrevistas serão marcadas depois de observada algumas aulas
Visando melhor conhecimento do entrevistado. As observações de aulas serão marcadas de acordo
com os temas, as turmas serão indicadas pelos professores e serão feitas de forma discreta. Nas
observações de aulas os dados serão recolhidos através de notas de campo, registando
detalhadamente o desenvolvimento das aulas, dados esses que serão esclarecidos e ou
complementados logo depois da aula numa breve conversa com o professor; a entrevista será
registrada com o auxílio de um gravador.
Para análise documental levaremos em consideração os seguintes documentos: programas oficiais,
fichas de exercícios, livros de geometria e outros materiais utilizados pelos professores.
Os dados serão tratados a medida que são recolhidos para evitar perdas de detalhes importantes
A medida que tratamos os dados vamos redigindo o trabalho, fazendo as possíveis alterações que
poderão surgir.

Praia, Cabo Verde 6 Data14/01/2008


INSTITUTO SUPERIOR DE EDUCAÇÃO

ESQUEMA DO TRABALHO
Por uma questão organizativa achamos por bem estruturar o trabalho da seguinte forma:
Parte I – Introdução
1. Motivação para a escolha do tema, metodologia utilizada.
2. Alguns aspectos da Didáctica da Geometria.
Parte II – Desenvolvimento
1. Fundamentação teórica.
2. Alguns problemas e resolução
Parte III – Sugestões metodológicas para o ensino da geometria no segundo ciclo

CALENDARIZAÇÃO
2008
Tarefas Novembro Dezembro Janeiro Fevereiro Março Abril Maio Junho Julho
Apresentação do
projecto
Pesquisa bibliográfica
Recolha de dados na
escola
Análise dos documentos
pesquisados
Redacção do trabalho
Entrega do trabalho e a
defesa

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS
 MEVRH (1990); Plano de Organização do Ensino – Aprendizagem. Programa de
Matemática – 1º Ciclo do Ensino Secundário.
 Ralha, Elfrida ; Metodologia da Geometria: Uma abordagem para o 10º ano de escolaridade
 www.google.pt

Praia, Cabo Verde 7 Data14/01/2008