Você está na página 1de 6

Ética no Serviço Público

*Ética: Para Aristóteles, significa o agir bem. O bem pessoal! É determinado por dois fatores:

-A natureza humana; -O conjunto de circunstâncias concretas;

*Diferente da política que tem como finalidade o bem coletivo,

BEM PESSOAL!

a ética tem como finalidade o

*É inerente ao ser humano, não podendo de forma alguma ser dissociada da moral;

Ética no Serviço Público *Ética: Para Aristóteles, significa o agir bem . O bem pessoal! É

*Ética

representa os valores do ser humano que atuam para o bem do indivíduo e da
representa os valores do ser humano
que atuam
para
o
bem do
indivíduo e da
  • , como

a moral, a justiça e a transparência, retidão entre os outros valores que

mostram uma boa conduta social;

*Ética e moral não se cofundem; Mas a moral é um dos valores do comportamento humano que devem atuar para o bem da sociedade;

*A ética estuda todo o modo de agir voltado para o ser humano;

*A moral é um elemento social individual; É o que se espera que cada pessoa faça conforme sua consciência. É moldada com a educação do indivíduo;

*Moral é entendida como A ciência do dever; *A moral não gera sanção ao infrator, porém, pode gerar remorso; *A moral está limitada aos valores internos que pautam o comportamento de cada indivíduo;

*A ética também se ocupa com a análise de conceitos relacionados à justiça, a transparência e a retidão;

*O estudo da ética é dividido em dois campos:

-Os problemas gerais e fundamentais: como liberdade, consciência, bem, valor e outros; -Os problemas específicos de aplicação concreta: como os problemas da ética profissional, da ética política, da ética sexual ... *O primeiro estudo aborda os problemas gerais do ser humano; *O segundo aborda as aplicações da ética; *O conceito de ética gira em torno das modificações de comportamento ao longo do tempo;

*Em uma sociedade, define-se o que é certo ou errado por meio dos termos da AXIOLOGIA (ciência dos valores);

*O principal elemento da axiologia para determinar esses comportamentos é a máxima cristã

de “Não se deve fazer a outrem que não quer que lhe façam”;

*Weber distinguiu a Ética em Ética da convicção e Ética da Responsabilidade;

-Ética da convicção: conjunto de normas e valores que orientam o comportamento do indivíduo em uma esfera individual. Na ética da convicção seguimos os valores e

princípios mais absolutos, como não matar, não roubar, não mentir moralidade do indivíduo;

...

É

a

ética da

-Ética da Responsabilidade: se usa para julgar ações de grupo ou de indivíduo em nome e por conta de um grupo. Representa o conjunto de normas e valores que orientam as decisões a serem tomadas e suas possíveis consequências;

*As decisões éticas podem ser tomadas utilizando uma abordagem normativa. Ou seja, usando um conjunto de normas e valores explícitos ou implícitos;

*As decisões podem ser tomadas usando abordagem utilitarista, individualista, dos direitos humanos ou da justiça;

-As decisões sob a luz da abordagem utilitarista levam em consideração o bem para o maior número de pessoas;

-As decisões individualistas têm como principal embasamento a promoção do bem individual;

-As decisões que levam em conta os direitos humanos sustentam que independente de qualquer fundamento, as decisões não podem afrontar alguns direitos humanos;

-As decisões que se utilizam da abordagem da Justiça pautam-se exclusivamente por este sentimento. Pela verdade e pela lei, com integridade, equidade, impessoalidade e imparcialidade;

Princípios

São normas imediatamente finalísticas, primariente prospectivas e com pretensão de complementaridade e de parcialidade, para cuja aplicação se demanda uma avaliação da correlação do estado de coisas a ser promovido e os efeitos decorrentes da conduta havida como necessária à sua promoção.

-Apresentam um norte finalístico. Mostram aonde se quer chegar e não o como

chegar;

-

NÃO HÁ HIERARQUIA ENTRE OS PRINCÍPIOS!!!

Art.1º do Código de Ética dos Servidores Públicos

-I

o Decoro, o Zelo, a Eficácia e a Consciência
o
Decoro, o Zelo,
a Eficácia
e
a Consciência

- A Dignidade,

dos princípios morais

são

primados maiores que devem nortear o servidor público, seja no exercício do cargo ou função, ou fora dele, já que refletirá o exercício da vocação do próprio poder estatal. Seus atos, comportamentos e atitudes serão direcionados para a preservação da honra e da tradição

dos serviços públicos

Decreto 1.171/94- Código de Ética Profissional do Servidor Público Civil do Poder Executivo da União

Filosofia Moral

No contexto da Filosofia moral, podemos entender a Ética como ação moral nas atitudes e ações dos seres humanos.

-Um pensamento reflexivo sobre os valores e as normas que regem as condutas humanas;

Em outro sentido, a ética pode referir-se a um conjunto de normas que um grupo estabelece para seu exercício profissional.

-Ética Filosófica e Ética Científica

-A Ética filosófica tenta estabelecer princípios constantes e universais para a boa conduta em sociedade.

-A Ética científica constata o relativismo cultural e o adota como pressuposto. -Relativismo moral e Relativismo Científico -O relativismo moral afirma que a moralidade não é baseada em qualquer

valor absoluto;

Ética e Democracia

-Democracia: Poder pertence ao povo;

-Análise Constituição Dignidade e Cidadania = princípios fundamentais da RepúblicaConceitos diretamente ligados às noções de democracia e ética;

-A garantia de direitos fundamentais, estabelecida na CF, é uma forma de promover a conduta ética do Estado e de seu povo;

Os princípios e a Ética na Administração Pública

Regime jurídico administrativo está fundamentado basicamente em dois princípios:

-Supremacia do interesse público;

-Indisponibilidade dos interesses públicos Princípios Constitucionais da Administração Pública -Legalidade -Impessoalidade -Moralidade -Publicidade -Eficiência

Princípios Basilares

-A Supremacia do Interesse público sempre deverá orientar os eventuais conflitos entre interesses da coletividade e dos particulares;

-Em decorrência desse princípio, a Administração tem prerrogativas especiais em relação aos administrados;

- A relação Estado x Indivíduo é de VERTICALIDADE!

-No entanto, essa supremacia não é absoluta!!! Deve respeitar os direitos individuais e coletivos, previstos na Constituição;

-

O Princípio da Proporcionalidade também limita a Supremacia do Interesse

Público ;
Público ;

-O ato praticado pelo administrador só será legítimo se o meio utilizado por ele for adequado para atender o fim perseguido;

**Interesse público primário e Interesse público secundário

#O interesse público primário diz respeito ao interesse da coletividade. Coincide com a realização de políticas públicas voltadas a atender o bem estar social;

#O interesse público secundário se relaciona aos interesses do Estado enquanto Pessoa jurídica. Via de regra, o interesse público secundário tem cunho PATRIMONIAL;

*O poder de polícia existe em decorrência do Princípio da Supremacia do Interesse Pública; (Lembrar das prerrogativas e da Relação de Verticalidade)

Poder de Polícia É o poder de que dispõe a administração pública para condicionar ou restringir
Poder de Polícia
É o
poder
de
que dispõe a
administração pública para
condicionar ou restringir o uso de
bens e o exercício de direitos ou
atividades pelo particular, em prol
do bem-estar da coletividade

Princípio da Indisponibilidade do Interesse Público

*Decorre da noção de que os bens públicos não pertencem a uma pessoa ou agente. Apenas são geridos por ele; Eles pertencem a COLETIVIDADE!

*A noção de administração se opõe à ideia de propriedade;

a

partir

da

indisponibilidade

do

interesse

público

que

surgem os

princípios

da

legalidade,

da

finalidade,

da

razoabilidade,

da proporcionalidade,

da

motivação,

da

responsabilidade do Estado, da continuidade do serviço público, do controle dos atos administrativos, da isonomia, da publicidade e da inalienabilidade dos interesses públicos; *Princípios Expressos da Administração Pública Legalidade: significa a subordinação da Administração às imposições legais; *Para os particulares: Autonomia das VontadesNinguém é obrigado a fazer o que não está previsto no texto legal; *Para a Administração, é diferente: Só pode fazer o que é permitido em lei;

Impessoalidade: O agir da administração não deve ser direcionado a atender interesses pessoais. Todo o fazer público deve ser voltado aos interesses da coletividade;

Moralidade: Impõe ao administrador a obrigação de agir com lealdade, boa-fé e ética. Sua inobservância implica ato de improbidade administrativa.

**

O presidente da república e os ministros do STF não respondem por improbidade
O
presidente
da
república
e
os
ministros
do
STF
não
respondem
por
improbidade
administrativa!
administrativa!

Publicidade: “transparência aos atos administrativos, sob pena de ineficácia, ressalvadas as hipóteses de sigilo previstas em lei”.

Eficiência: O agente público deve exercer suas funções da melhor forma possível. Os serviços públicos devem ser prestados com destreza, agilidade, perfeição, adequação e efetividade;

Princípios Implícitos

*Princípio da Finalidade: segundo esse princípio, todas as ações da Administração devem ser praticadas visando o interesse público;

*Princípio da Razoabilidade:a administração deve atuar no exercício dos atos discricionários, nos limites conferidos pela lei, obedecendo critérios aceitáveis de razoabilidade;

*Princípio da Proporcionalidade: a administração deve adotar os meios na medida necessária para atingir seus fins;