Você está na página 1de 18

Cadernos de Psicologia Social do Trabalho, 2009, vol. 12, n. 1, pp.

75-92

Jogo e trabalho: do homo ludens, de Johann Huizinga, ao ócio criativo, de Domenico De Masi

1

Suzana Guerra Albornoz
Departamento de Ciências Humanas da Universidade de Santa Cruz do Sul (UNISC)

Este estudo propõe-se a discutir as rela ões entre !o"o e tra#al$o% em uma perspectiva $ist&rica% tendo como marco inicial a marcante o#ra erudita Homo l dens% de 'o$ann Huizin"a% e o livro mais recente e polêmico% !cio cria"ivo% de Domenico De (asi) * discuss+o apenas come a% no entanto% para compreens+o das novas situa ões ,ue se criam no atual momento da $umanidade% parece-nos promessa de um camin$o -.rtil esse em ,ue se mostra o mundo do tra#al$o como a-im e pr&/imo ao do !o"o% ,uando antes% ao contr0rio% essa apro/ima +o -azia-se na dire +o inversa% como a do mundo do !o"o ,ue se a#ria para os ne/os da pro-issionaliza +o e da re"ra do tra#al$o) 1alavras-c$ave2 'o"o% 3ra#al$o% 4cio criativo)

1la5 and 6or72 -rom Homo l dens% #5 'o$ann Huizin"a% to Crea"ive leis re% #5 Domenico De (asi 3$is stud5 aims to discuss t$e relations$ip #et6een pla5 and 6or7% in an $istorical perspective% $avin" as -irst re-erence t$e remar7a#le and erudite 6or7 o- 'o$ann Huizin"a% Homo l dens% and t$e more recent and controversial Crea"ive leis re% o- Domenico De (asi) 3$e discussion onl5 #e"ins% t$ere-ore% in order to understand t$e ne6 situations t$at are created in t$e present moment o- t$e $umanit5% it seems to #e a promisin" 6a5% t$at 6$ic$ s$o6s t$e 6orld o- 6or7 as compati#le and close to t$e pla5% 6$en #e-ore% on t$e contrar5% t$e association used to #e made on t$e ot$er direction% -rom t$e 6orld o- pla5 openin" to t$e lo"ic o- pro-essional activit5 and t$e rule o- 6or7) 8e56ords2 1la5% 9or7% Creative leisure)

Introdução

E

ste te/to situa-se na perspectiva de um estudo mais lon"o% so#re diversos aspectos do conceito e do -en:meno do tra#al$o% tal como as realidades atuais levam-nos a re-letir) * $ip&tese su#!acente a este momento da pes,uisa proposta . a de ,ue tra#al$o e !o"o possam ser considerados como dimensões de um mesmo movimento% no ,ual% se $0 oposi +o% tam#.m sur"e associa +o e complementaridade% at. mesmo identi-ica +o e so#reposi +o) ; medida em ,ue a automa +o torna o mundo do tra#al$o pro#lem0tico < =s vezes% ,uase sup.r-luo <% os psic&lo"os ocupam-se de uma mania ,ue toma conta de al"uns viciados em tra#al$o% talvez por,ue neste introduza-se uma nova perspectiva ,ue o apro/ima do -en:meno do !o"o) *o mesmo tempo% tam#.m parece verdadeiro para a realidade c$amada #ogo uma trans-orma +o ,ue a apro/ima do plano da pro-iss+o e da o#ri"a +o% come ando a ocorrer% por e/emplo% no caso do esporte% -ormas novas de atividade ,ue% sendo !o"os% anteriormente do universo do lazer e do amadorismo% $o!e podem ser identi-icadas como tra#al$o) De modo ,ue% para compreender #em um desses -en:menos% . preciso en-ocar o outro% ou se!a2 onde se estudar o tra#al$o% procede iniciar pela compreens+o do !o"o% e onde se tem a inten +o de compreender todo o si"ni-icado do -en:meno $umano c$amado !o"o% pode-se terminar pela necessidade de revis+o do conceito e considera +o do mundo concreto do tra#al$o)

1 Uma vers+o $om:nima deste arti"o -oi pulicada na revista Cinergis% no volume > (>) de >??1)

75

ue .ue a cultura% pois -az parte da.ue o $omem partil$a com os animais) A !o"o .ue os proE#e morderem% ou pelo menos com violência% a orel$a do pr&/imo) Hin"em -icar zan"ados e% o .ue o prazer pr&prio do !o"o acrescenta-l$e a-inidade com o $umor.rio% n+o . mais primitivo do .ue propõem ao mesmo tempo a valoriza +o do tempo livre e a do tra#al$o pela criatividade% tais como insinuam as an0lises em torno do livro !cio cria"ivo% de Domenico De (asi (>???)% e assim propor para a re-le/+o novas associa ões de ideias e produzir su"estões para as se"uintes pr&/imas etapas de um de#ate sem -im previsto) Do homo ludens * tese central da o#ra Homo l dens . uma realidade ori"in0ria% .ue tem a ver com o ac$ar "ra a em al"o% relaciona-se com o primeiro sentido de !o"o) * ri"or% o !o"o pode ser s.ue d0 prazer% e am#os esses sentidos associam-se intimamente na no +o de !o"o) K como se estivesse su#entendido .$ogo e "rabalho% do homo l dens.ue transcende a -inalidade #iol&"ica% o seu sentido% .m muita a-inidade com o sentido do $umor e do "race!o) *i"& repercute no diapas+o do $umor% en. 76 .ue o !o"o e/ista como um -ato relacionado com a cultura% interno a ela ou e/istente diante dela% sendo menos corrente a-irmar o .uelas coisas em comum . e/atamente o riso% mas mant.uanto Spass evolui seu si"ni-icado mais pela dire +o do divertimento% do .uem !0 n+o o#servou a #rincadeira movimentada de um "rupo de cac$orrin$os so#re a relva de um !ardimF Convidam-se uns aos outros para #rincar mediante um certo ritual de atitudes e "estos) Gespeitam a re"ra .ue determina sua car"a intensa e mCltipla de si"ni-icados) Em primeiro lu"ar% aparece o seu sentido como divertimento) * palavra alem+ *i"&% cu!o si"ni-icado situa-se na lin$a do "race!o% pr&/imo de Spass% .m entre os animais) Como nos lem#ra o autor2 .ue o !o"o pode dar-se -ora da cultura% pois e/iste !0 antes da cultura $umana% visto encontrar-se tam#. a de . mais importante% eles% em tudo isto% e/perimentam evidentemente imenso prazer e divertimento (p) D)) 3odavia% no !o"o I$0 al"o em !o"oJ .m na do com#ate e na da "uerra em "eral) A !o"o e sua no +o < se"undo a contri#ui +o de Huizin"a (1@@@) no livro acima indicado < .ue nasce a cultura% so# a -orma de ritual e de sa"rado% de lin"ua"em e de poesia% permanecendo su#!acente em todas as artes de e/press+o e competi +o% inclusive nas artes do pensamento e do discurso% #em como na do tri#unal !udicial% na acusa +o e na de-esa polêmica% portanto% tam#.ue nos .ue a cultura% pois esta% mesmo em suas de-ini ões mais ri"orosas% pressupõe sempre a sociedade $umanaB mas% os animais n+o esperaram . de $ohann H i&inga.ue os $omens os iniciassem na atividade lCdica (p) D)) Na consciência posta no estado atual das discussões% talvez se!a mais -acilmente recon$ecido . -ato mais anti"o .ue seria dese!0vel tivesse a orienta +o de escalada na compreens+o das coisas "erais $umanas% iniciaremos por um percurso da concep +o de !o"o tal como contida no cl0ssico estudo antropol&"ico% de dimens+o -ilos&-ica% Homo l dens% de 'o$ann Huizin"a (1@@@)% para depois% operando um salto .ue o prazer d0 $umor ao !o"o% sendo .ue corresponde a uma das no ões mais primitivas e pro-undamente enraizadas em toda a realidade $umana% sendo do !o"o . proposto pelo capEtulo introdut&rio de Homo l dens% ou se!a% . de (omenico (e )asi Nestas p0"inas% pois% como a #uscar transpor o primeiro de"rau de uma travessia .ue esperamos razo0vel% a#ordar novos conceitos so#re o tra#al$o pr&prios da re-le/+o da atualidade% . ao 'cio cria"ivo.ue o !o"o .

ue se oculta por detr0s dos -en:menos culturais) *s "randes atividades ar. !o"adaJ) Em seu momento mais ori"in0rio% emer"e como um !o"o do ser natural% e nesse plano da ori"em% o elemento lCdico vai dar lu"ar = es-era do sa"rado) A !o"o como .ria desta a +o .m das responsa#ilidades do cotidiano e% por isso% pode introduzir um espa o lCdico no meio do s.m em outros povos e tradi ões% s+o e/emplos si"ni-icativos da li"a +o entre !o"o e sa"rado) A sa"rado .ue nele corta-se o ne/o do comum% do tempo do cotidiano) (as tanto o c:mico% como o !o"o e o lCdico n+o s+o apenas IloucuraJ% e podem estar muito #em situados entre as atividades re"radas e corretas . vol.rio% como no espa o do sa"rado) A autor mostra as di-eren as% as semel$an as e as rela ões do !o"o com o sa"rado2 * identi-ica +o plat:nica entre o !o"o e o sa"rado n+o des. material) Ultrapassa% mesmo no mundo animal% os limites da realidade -Esica (p) L)) A autor leva-nos a .% -or osamente% recon$ecer o espErito% pois o !o"o% se!a .ual.ue todo ritual apresenta um aspecto de espet0culo% ou se!a% . n.ue o $omem -or!ou a -im de poder comunicar% ensinar e comandar (p) M)) Essa ideia aparece mais de uma vez no te/to de Huizin"a2 Ge"ra "eral% o elemento lCdico vai "radualmente passando para se"undo plano% sendo sua maior parte a#sorvida pela es-era do sa"rado) A restante cristaliza-se so# a -orma de sa#er2 -olclore% poesia% -iloso-ia% e as diversas -ormas da vida !urEdica e polEtica) Hica assim completamente oculto por detr0s dos -en:menos culturais o elemento lCdico ori"inal (p) NO)) * an0lise em vista d0 ên-ase = rela +o entre o !o"o e o sa"rado) *s litur"ias reli"iosas% inclusive as atualmente e/istentes e% especi-icamente% as cerim:nias reli"iosas do cristianismo% mas tam#. pp.ue participam da sensatez) Na lEn"ua alem+% como no "re"o% as palavras podem associar mCltiplos si"ni-icados) Spass .uetEpicas da sociedade $umana s+o% desde o inEcio% inteiramente marcadas pelo !o"o) Como% por e/emplo% no caso da lin"ua"em% esse primeiro e supremo instrumento .ue -az rir% .Cadernos de Psicologia Social do Trabalho. tam#. 1.ual -or sua essência% n+o .rioB em#ora nos leve a rir% o !o"o% contudo% pode possuir um aspecto de seriedade e n+o corresponde e/atamente ao riso) De certo modo% pode ser visto como um tipo moderado de IloucuraJ) A c:mico tam#. s.m um !o"o .uali-ica este Cltimo% reduzindoo ao !o"o% mas% pelo contr0rio% e.m pode ser entendido como uma esp. muitas vezes compreendida como oposta = no +o mesma de tra#al$o) * seriedade procura e/cluir o !o"oB por. 75-92 (as recon$ecer o !o"o .ue de possi#ilidades% al. divertimento% com prazer) N+o . 12. um divertimento .ue provoca o $umor) * no +o de !o"o% pois% em um primeiro nEvel% opõe-se = de seriedade% pelo .uestionar se o !o"o .uer) Spass deve conter satis-a +o autêntica) *i"& .m% este pode muito #em incluir a seriedade) 1or outro lado% !o"o e competi +o aparecem% para a antropolo"ia% como -en:menos correlatos e -un ões culturais) * cultura sur"e em -orma de !o"o) * cultura I.ue se pode entender por. 2009. mais do $umor% do nEvel do entendimento .cie de IloucuraJ% por.uivale a e/altar o primeiro% elevando-o =s mais altas 77 .% uma vez mais% um ato% uma a +o representada num palco) Esta a +o pode revestir a -orma de um espet0culo ou de uma competi +o (p) 1P)) 1ortanto% o !o"o a#re uma #rec$a% um intervalo no cotidiano% no s. um drama% isto .ue tem al"o em comum com espet0culo) * mat. cultivado dentro de um !o"o% os cultos s+o esta#elecidos como em um !o"o% isso sendo .ue .rio do cotidianoB a#re um le.

m .ue o !o"o% e o impulso $umano para !o"ar% est+o na ori"em de toda e/periência $umana% pois aparentemente tudo o .m so#re uma perene super-Ecie -luida e em perp.uipe% evoluem .ue% nesse sentido meta-&rico% todos os !o"os participam de al"o pr&prio do s r+.ue se pode apro-undar pela an0lise dos mitos nas mCltiplas culturas < tanto dos mitos% como das pr0ticas dos cultos reli"iosos) * . tam#.uem sa#e% pelo prazer do em#ate e da concorrência) * imensa amplitude da dimens+o do !o"o . c$eio de imprevisi#ilidadeB est0 -eito de imprevisi#ilidade e esta .ue se desenrola dentro de re"ras convencionais% convencionadas e racionais% provavelmente razo0veis e aceitas por todos os !o"adores% mas tam#. o . ao 'cio cria"ivo.uase como em ondas% como se o seu !o"o -osse tam#. capaz de prever o movimento e/ato do outro% as rea ões repentinas% tanto as rea ões psicol&"icas inesperadas como as rea ões involunt0rias do corpo do outro) 1areceria% pois% $aver na an0lise uma contradi +o2 o !o"o .uest+o do sa"rado% repetimos% .m de condi ões e/teriores% vari0veis) 1or e/emplo2 um sur-ista tem .ue pode lem#rar analo"icamente o vai e vem da onda% tanto . preciso or"anizar-se e reor"anizar-se% mental e -isicamente% taticamente% com rapidez% e isso depende tam#. uma realidade re"rada% . de $ohann H i&inga.uele -en:meno n+o se circunscreva a esta% as dimensões tanto do sa"rado% como a da lin"ua"em s+o privile"iadas pela an0lise de Huizin"a) Entendido o $omem como o#ra a#erta% ser incompleto ou inconcluso < assim como o diz a e/press+o de Ernst Qloc$2 um Iser .ue se demonstra pelo e/ame cuidadoso da lin"ua"em% das di-erentes lEn"uas e diversas lin"ua"ensB e . visto assim por outros autores) Desenvolvendo a re-le/+o so#re o !o"o no plano da cultura $umana% muito em#ora a.m imprevisEvel) Contudo% dentro de outros !o"os nos .uais a imprevisi#ilidade n+o aparece como t+o &#via% por e/emplo% as rela ões entre os !o"adores de esportes coletivos% em e.uili#ram-se so#re ondas de um movimento imprevisEvel) Autra caracterEstica natural do !o"o s+o a e/cita +o e a -ascina +o) A seu poder de -ascina +o pode ser analisado por suas mani-esta ões mesmo -isiol&"icas2 de um lado% a -ascina +o tem capacidade de e/citar e invadir a intensidade psicol&"ica do $omemB por outro lado% $0 raEzes #iol&"icas para esse sentimento) S+o% portanto% e/plEcitos os dois planos em .ue todos% de um modo ou outro% e.uilE#rio) 1ortanto% o !o"o% lidando com a incompletude% apesar do e/tremo re"ramento% mani-esta-se imprevisEvel) (esmo . anterior = culturaB e% em certo sentido% . -undamental para determinar a presen a e os limites da no +o de !o"o na cultura $umana% e isso tam#.ue se e.ue se põe a e/periência do !o"o para os $omens2 o plano su#!etivo% do sentimento individual ou coletivo% com raEzes #iol&"icas% na natureza% mas .tuo movimento% como as ondas do mar% pois nin"u.m a li"a +o entre o !o"o e a "uerra) Halta pouco para a-irmar .uili#rar so#re a onda em perene movimento% a ri"or imprevisEvel% tornando o seu !o"o% por isso mesmo% tam#.m "era emo +o% est0 instalado no plano da emo +o e% portanto% por isso e com isso% possui alta dose de imprevisi#ilidade) Contida no movimento% a imprevisi#ilidade do ir e vir .uando de alto nEvel% o !o"o . uma vez .ue os $omens -azem% empreendem e constroem est0 marcado pelo !o"o% por um certo re"ramento consentido socialmente% pelo impulso de competi +o e% .ue consideramos acentua tam#.ue se e-etivam no plano da alma $umana% e o .m morre prematuroJ% ou se!a% sempre antes de estar inteiramente realizado em suas possi#ilidades% lo"o% a cultura $umana e a consciência coletiva lidam com a pr&pria incompletude e imper-ei +o% e n+o s& isso% mas tam#.ue o !o"o .m superior% ou pelo menos aut:nomo em rela +o a ela (p) >D)) A estudo .m isso . introduzida e acentuada pelas t0ticas% estrat. de (omenico (e )asi re"iões do espErito) Dissemos no inEcio . tam#."ias% em domEnios vari0veis) Em um !o"o . re"rado% aparentemente . uma das caracterEsticas -undamentais do !o"o% al"o .ue nasce sempre prematuro e tam#.m com o seu dese.m .ue podemos c$amar de plano 78 .$ogo e "rabalho% do homo l dens.

ue $0 uma cate"oria de !o"o cu!a essência .cias do termo% ou mel$or% dos termos .ue .m est0 incluEda uma pai/+o% uma -ascina +o% .uando provoca o desli"amento do cotidiano para introduzir um mundo de -az de conta% de -ic +o) *l"umas dCvidas podem ser levantadas2 se o !o"o nem sempre .Cadernos de Psicologia Social do Trabalho.ue paidein ou mesmo l dere) 3erreno este onde a ideia especE-ica de !o"o se dissolve inteiramente na de atividade e movimento li"eiro (p) O>)) 1or outro lado% a#straindo a diversidade e as varia ões% c$e"a-se a uma no +o mais "eral% una% talvez universal% ou se!a% a de .rias .tica% deverEamos talvez tentar alcan ar o plano superior% no . uma atividade ou ocupa +o volunt0ria% e/ercida num certo nEvel de tempo e espa o% se"undo re"ras livremente consentidas e a#solutamente o#ri"at&rias% dotado de um -im em 79 . vol.ue arrisca em um !o"o de azar est0 com outra disposi +o de espErito% .ue pode ser realizado especialmente% se"undo a mesma -iloso-ia dial.ue o !o"o ad.cies de competi +oF Com certeza% s& se pode a-irmar .ue se manten$am as caracterEsticas principais de !o"o% tratando-se% no entanto% de !o"o interessado) No !o"o de azar% n+o . decisivo para de-inir o . a mesma de uma corrida em velocidade) .ue dele entendem !ul"am .ue n+o .ue tem a ver com o #iol&"ico) Nota-se . pp.ue o conceito de !o"o a#ran"e um terreno muito mais amplo do .ue na do ag'n% * palavra ag'n de-inia a competi +o de um ponto de vista inteiramente di-erente) Seu sentido ori"inal parece ter sido o de Ireuni+oJ (compare-se com -gora% a pra a do mercado% palavra relacionada com ag'n) (p) NL)) K assim . certo .ue% pelo camin$o da erudita an0lise das perip.ual se elevam e superam os dois anteriores% !untando-se o lado su#!etivo com o o#!etivo% isso .ue em al"uns momentos o !o"o -o"e do controle e n+o conse"ue ser aprisionado na racionalidadeB .ue !o"o . 75-92 o#!etivo% da cultura) Se"uindo uma percep +o na tril$a a#erta pela -iloso-ia dial. a competi +o% ou se!a% o ag'n "re"o) 1or.do . .ue -az com .rio da "ratuidade% do desinteresse% .ue se re-erem ao !o"o% e lo"o ap&s a re-le/+o introdut&ria so#re a natureza e o si"ni-icado "eral do !o"o% o autor se demora so#re a no +o de !o"o vista em sua e/press+o na lin"ua"em% nas muitas lEn"uas con$ecidas) * palavra #ogo ad. 1.ue o !o"ador v0 "an$arB tudo . possEvel acontecer% impera o riscoB e o risco caracteriza o !o"o) Ser0 correto usar o conceito de !o"o para a#ran"er todas as esp.ue a incompati#ilidade tradicional da atividade tida como tra#al$o com o -en:meno indicado por !o"o se!a passEvel de acontecer antes no Rm#ito da paidi. 2009.tica% no plano da arte% da -iloso-ia e da reli"i+o) No entanto% parece estar incluEdo no !o"o al"o de irracionalB os .uire diversos si"ni-icados con-orme as tradu ões% con-orme as nuances contidas em torno da no +o tal como se mani-esta nas di-erentes lEn"uas) Nas lEn"uas europeias modernas a palavra I!o"oJ a#ran"e um terreno e/tremamente vasto) ()))) 3udo parece indicar .s+o apresentados por Huizin"a como diversas dimensões do !o"o2 os "re"os esta#eleciam uma distin +o entre ag'n e paidi-) *li0s% tal -ato poderia ser e/plicado em termos etimol&"icos% pois a palavra paidi.m% a pessoa .ue $0 momentos em . n.uire um aspecto irracional% .evocava o aspecto in-antil de maneira t+o intensa . 12.ue di-icilmente poderia ter sido aplicada =s competi ões s.ue constituEam o nCcleo central da vida social $elênica (pp) NN-NL)) Essa distin +o su"ere-nos pensar .g'n e paidi. !o"oF No !o"o de azar% por e/emplo% e/iste o interesse pelo "an$o material% contudo% ali tam#. contido na es-era da racionalidade% por outro lado% pode toda competi +o ser entendida como !o"oF A crit.

ual o mais amplo% . mel$or considerar isdo deva"ar% aos poucos% para n+o criar mal-entendidos e con-usões) A I!o"oJ a .ue tudo .ue al"u. de $ohann H i&inga.ue n+o impede .m possa estar presente a dimens+o da dor) *s dimensões da dor e do prazer est+o presentes no !o"o de competi +o e convivem lado a lado% relacionados de modo comple/o) A !o"o de competi +o pode ocorrer tam#.ue no !o"o desinteressado da crian a) No !o"o esportivo tratam-se de re"ras IconsentidasJ% por.ue tem uma e/tens+o de si"ni-icado mais amplaB por outro lado% .m lem#rar .m se dispõe a praticar a.ue talvez si"ni-i.ue = #rincadeira das crian as) A !o"o de competi +o est0 diretamente li"ado = pr0tica desportiva% o .ue% se al"u.ue nesta $a!a prazer% do mesmo modo .ue tudo na vida pode ser considerado como um !o"o% . !o"o% tudo apresenta o aspecto da competi +o% portanto% de certo modo% . preciso e/plorar com cuidado e va"ar os conceitos envolvidos para esclarecer al"umas dCvidas) 1or outro lado% o !o"o aparece como com#ate% o !o"o .ue n+o terminou de ser -ormadaB . ao 'cio cria"ivo. di-erente da.uem sa#e% a dimens+o da dor% o autocontrole% a necessidade de uma verdadeira ascese% pode estar e costuma estar presente a dimens+o do prazer e da emo +o) Emo +o e prazer -azem parte da e/periência do esportista na luta de competi +o% em#ora ali tam#.ue am#os os termos comportam um modo mais amplo e outro mais restrito de si"ni-icado% e . um !o"o e nele encontra o seu mais central conteCdo) Conv.ual o mais restrito) K possEvel pensar .uela da vida cotidiana (p) DD)) Esse conceito aponta claramente para o e/emplo do !o"o dos esportistas) K um conceito de !o"o mais ade.uem di-erentes conceitos) *l"umas lEn"uas conse"uem sintetizar mel$or o conceito e este pode 8 .cies de !o"os pela sua pr&pria natureza2 os de -or a% destreza% os de sorte% de destino% de adivin$a +o etc) Nas di-erentes lEn"uas% sur"em di-erentes palavras% .$ogo e "rabalho% do homo l dens.m no plano de tra#al$os de re-le/+o e pela palavra) H0cil demais seria deduzir .ue no de lCdico) Na verdade% precisamos recon$ecer% pois% .% pois% e/clusividade $umana% aos poucos% na e/periência da $umanidade% -oi dando lu"ar aos !o"os culturais% propriamente $umanos) Dei/ou marcas nas lEn"uasB mostra-se na lin"ua"em a "esta +o do conceito% da no +o .ual sem dCvida inclui-se muito es-or o e% .ue se!a !o"o e o . vivenciado mesmo pelos outros animais e n+o .uele . tam#.ue medida a invers+o dos termos dessa a-irma +o poderia ser sustentada2 .ue $0 di-erentes esp. "uerraB ou se!a% o !o"o apresentaria em si sempre o aspecto de competi +o e com#ate) Haltaria investi"ar em .uer !o"ar% participar de um campeonato de "in0stica olEmpica% em primeiro lu"ar% deve consentir nas re"ras) Essas n+o -oram -eitas por cada um dos !o"adores% n+o as criaram% mas no momento em .m o lCdico% mas nem sempre co#re totalmente o seu sentidoB pode e/trapol0-lo) SCdico e !o"o s+o conceitos pr&/imos% têm tendência a completar-se% mas $0 um certo I!o"oJ de a!uste e so#reposi +o de si"ni-icados) As si"ni-icados de um e do outro como .ue o lCdico tem a maior dimens+o% .ue .ue vimos aludido no primeiro capEtulo do livro citado de 'o$ann Huizin"a% a.ue a "uerra .ue n+o estar0 nunca inteiramente -ec$ada) *ssim% com essa lem#ran a da a#ertura da .ue . um com#ate) 3odavia% .uado ao !o"o re"rado das olimpEadas do .ue ainda n+o est0 de-initivamente determinada% pois ainda se tem% como neste tra#al$o% motiva +o para discutir e -azer inCmeros !o"os de lin"ua"em e re-le/+o so#re o .ue se!a lCdicoB .ue #uscam encontrar-se e mantêm um movimento de tendência = identi-ica +o e = manuten +o da autonomia% sendo di-Ecil decidir .uest+o% recordemos .m possEvel encarar am#os si"ni-icados de modo contr0rio% concluindo . de (omenico (e )asi si mesmo% atividade acompan$ada de um sentimento de tens+o e ale"ria% e de uma consciência de ser .ue mais coisas estariam indicadas e envolvidas no conceito de !o"o .uele !o"o% consente nas re"ras criadas por outros) * re-le/+o leva a ver .m . !o"o% todo com#ate .ue a no +o de lCdico n+o se identi-ica totalmente com a de !o"o) A !o"o cont.ue em um !o"o altamente e/i"ente do ponto de vista -Esico% no .

ue ultrapassa os outros conceitos% podendo -alar em Io !o"o do tra#al$oJ% Io !o"o da competi +oJ% Io !o"o da or"aniza +o socialJ% assim como Io !o"o do -ute#olJ e Io !o"o polEticoJF E/iste tam#. n.m em nosso tempo e em nossa cultura predominante na sociedade "lo#al p&s-industrial% o impulso a"onEstico permanece central e -ortEssimo) E se nem todos os !o"os s+o de competi +o% todas as competi ões s+o !o"os% a menos . 75-92 !ustamente variar con-orme a lEn"ua) 1or e/emplo% na lEn"ua "re"a% o su-i/o inda% sempre onde -or colocado% vai -azer si"ni-icar o .m $0 o "im% .ue . a morte% depois de o#servar um s.ue uma redu +o no sentido de !o"o% . .ue tudo na vida . $umano en.ue . 12.ue sempre volta a desre"rar-se e recompor-se) Essa proposi +o parece-me contudo mais interessante do . pp.uanto em 0ra#e% o a"onEstico e o lCdico podem andar 8! . 1.ue a-irma .ue a. o !o"o de competi +o) Este conceito de !o"o pode se aplicar a .ue a oposta% .ue re"ra "eral o elemento de In+o-seriedadeJ% o -ator lCdico propriamente dito% n+o . desi"nado pela palavra ag'n) 1ode-se #em dizer .ue Itudo .an% . 2009.uestões) 3odavia% na $ist&ria cl0ssica do !o"o% ele at.cie de competi +o entre a proposta de um conceito amplo de !o"o e% de outro lado% a de um conceito mais simples e restrito) 1or e/emplo% como in-orma Huizin"a% em c$inês $0 um sentido de !o"o . tra#al$o) E possi#ilita% evidentemente% .ue I. a a"onia) 3ratava-se de competir at. a morte) * cultura "re"a era construEda so#re -ormas de luta% de competi +o) Si"ado a este conceito so#rou-nos em portu"uês o termo Ia"oniaJ) A !o"o de ag'n% a"onEstico% era praticado at.ue se trata em tudo do I!o"o da vidaJ% de um "rande !o"o coletivo em movimento comple/o% imprevisEvel e .uanto !o"a) *s lEn"uas d+o-nos pistas para vermos essas ori"ens e saEdas do conceito de !o"o) Nelas encontra-se uma esp.m o tra#al$o se!a visto e analisado como um !o"o) 3odavia% n+o $0 di-eren as essenciais insuper0veis entre tra#al$o e !o"oF 1oderEamos considerar o !o"o como uma esp.s da realidade esportiva pro-issional alar"a-se a con!un +o de tra#al$o com !o"o) Essa metamor-ose lan a no ar novas dCvidas e . !o"oJ% de . !o"adoJ2 IEm si mesmas estas sEla#as nada si"ni-icam% limitando-se a dar a .ueiramos c$e"ar a a-irmar tese ainda mais ampla% de .cie de universal .ual. claramente e/presso pela palavra ag'n (p) DN)) Urande parte da cultura "re"a -oi Ia"onEsticaJB .% o impulso de onde vêm as atividades a"onEsticas) 3odo este domEnio (das competi ões e concursos)% de t+o "rande importRncia para a vida dos "re"os% . mais -luido e va"o) 3anto em $e#reu% .ueza do conceito de !o"o e/iste nas mais variadas posi ões lin"uEsticas e "rupos de lEn"uas) Nas lEn"uas semEticas $averia como .uer dizer% !o"o leve% #rincal$+o% pr&/imo = atividade in-antilB e tam#.uase tudo ali era -eito para competir% e competir% se preciso% at.ue est0 mais perto de ag'n% .ui acompan$a a e/austiva a#orda"em do livro citado% importa considerarmos um pouco mais de perto o conceito de ag'n% do !o"o da competi +o% isto .ue nelas . vol.rie de atividades a"onEsticas) * vida dos "re"os era dominada pelo impulso competitivo) (as parece evidente .poca% o esporte come a a passar por tra#al$o e atrav.ue .uer palavra a conota +o de T!o"ar al"uma coisaTJ (p) DN)) Em nossa .ue no terreno do ag'n est0 ausente uma parte essencial do conceito de !o"o) ()))) K certo .uase tudo2 = vida econ:mica% = polEtica% = vida da saCde) Vuando uma pessoa luta contra uma doen a% ela se dei/a levar pelo espErito do !o"o < de ag'n) Encontramos essa e/periência em todos os nEveis de e/istencialidade) * ri. pode ser -eito com seriedadeB mas neste caso% onde -or -eito com seriedade% e/istem talvez outras palavras para desi"n0-lo) 1ara a continua +o do desenvolvimento de nossa re-le/+o% .m !o"o na provoca +o do pensamento% do desa-io conceitual) E nesse plano de conceitualiza +o mais ampla do !o"o% o ser $umano s& .Cadernos de Psicologia Social do Trabalho.ue tam#.ue tam#.

uem $0 o prazer de estar perto da vit&ria% possivelmente o lCdico .m no -rancês% #o er le piano))) A lCdico teria a ver com o movimento r0pido% como o do mala#arista) (as))) o lCdico n+o precisa necessariamente estar no !o"oF A lCdico est0 ou n+o no !o"oF N+o tem .ue .ue est0 preocupado% so-rendo muito% em tens+o% talvez o !o"o% n+o tendo mais prazer% n+o reten$a mais o elemento de ludicidadeB mas para outro .ue parece ori"inar ao mesmo tempo as palavras game e pla/) Pla/ tem um uso muito amplo% desde Imovimentos r0pidosJ% Iaperto de m+osJ% I#ater palmasJ e Ie/ercEcios -EsicosJ) A sentido de !o"ar como Itocar um instrumentoJ tam#. o $omem .todo escol$ido% antes .ue o !o"o .ue certezas -0ceis% instalam-se muitas dCvidas% .m% pode-se dizer .ue .m e/ercEcio -EsicoB por isso% em v0rias lEn"uas diz-se I!o"arJ para tocar $arpa% tocar piano) *ssim .$ogo e "rabalho% do homo l dens. de (omenico (e )asi !untos% en. possEvel) *ssim% a no +o de lCdico aparece li"ada = de prazer) Em outro sentido% por.ue #rinca% o $omem . usado tam#.ue estar necessariamente presenteF 1ara superar essa dCvida% se o lCdico pode ou n+o estar presente no !o"o% .ue -oi suplantado pela palavra tam#.ue se presta a certa am#ivalência e multiplicidade de tradu ões% constitua uma dessas a"lutina ões de sentido e inclua -ormas do !o"o de com#ate .ue apelam ao impulso pro-undo de luta e supera +o a"onEstica contido no ser $umano) Em in"lês% pla/ tem uma variedade muito "rande de aplica ões) *s di-eren as aparecem para corri"ir a tendência = ideia de .uando o artista -az mala#arismos% !0 . ao 'cio cria"ivo.uer dizer% a partida particular <% al.m se encontra em outras lEn"uas% como no 0ra#e) Com esse sentido% usa-se a mesma palavra para tocar instrumentos e para .ue se deva atri#uir a este a cate"oria de um !o"o% por n+o ser e/clusivamente lCdico e% so#retudo% por nele estar incluEda a seriedade #iol&"ica da reprodu +o% 8" .uando se #usca destacar% c$amar a aten +o) Em "eral% contudo% parece ocorrer a a-irma +o de uma tendência a um uso mais -raco do conceito de !o"o% li"ado ao !o"o propriamente dito) Na evolu +o da no +o de !o"o% parece $aver uma redu +o de amplitude% ou se!a% a-irma-se um sentido mais simples de !o"o2 a no +o come a como . tam#. !o"o) * lEn"ua in"lesa apresenta a palavra game < .m como su#stantivo2 Io lCdicoJ) * su#stantiva +o ocorre especialmente .uanto nas -ormas lin"uEsticas "ermRnicas am#as no ões apresentam mais di-eren a) 3alvez o conceito t+o presente na atualidade da #ihad islRmica% .m de pla/% .ue a#ran"endo tudo% depois come a a distin"uir-se) Essa tendência para a especi-ica +o% para a redu +o da no +o do !o"o% Huizin"a volta a e/plorar no Rm#ito do in"lês arcaico% do an"lo-sa/+o% c$e"ando a um certo som .ue se -ala como I!o"o do amorJ% I!o"os de con.ue continuamos a -azer o !o"o das associa ões e inconclusões para prosse"uir no !o"o da desco#erta do real si"ni-icado da palavra !o"o% em todas as suas conota ões) Huizin"a re-ere-se% em#ora #revemente% ao sentido do !o"o no .uistaJ ou I!o"os preparat&rios para o acasalamentoJ ou para o ato se/ual) N+o l$e parece . no in"lês% "o pla/ piano mas tam#.ue se c$amaria de pla/ o tocar instrumentosB supõe .ue se instala o aspecto lCdico) A nosso erudito autor tem a paciência de transitar lon"amente pelas muitas lEn"uas consideradas para encontrar o conceito de !o"o em suas mais variadas "amas e% por esse m. tudo e tudo .ue alude a uma e/tens+o mais ampla) Nas lEn"uas europeias modernas o terreno do !o"o torna-se mais vasto . por vencer o outro .ue impossi#ilitam conclusões de-initivas) K assim .m latina I!o"oJ) Em portu"uês% $0 o ad!etivo IlCdicoJ% .ue .ue !o"a) A autor especula so#re por.ue s+o os !o"os% a partida de !o"o% . preciso antes de-inir o . IlCdicoJ) We!amos2 em primeiro lu"ar% tomamos consciência de $aver um sentimento do lCdicoB por isso% dependemos da ordem do su!eito para ver onde $0 ou n+o o lCdico) 1ara um !o"ador .ue no latim) Neste% assim como no "re"o% os si"ni-icados variados do !o"o $aviam-se unido numa Cnica palavra2 l d s% l deres% .ue a ori"em ampla de pla/ este!a li"ada ao movimento% ao "esto r0pido% como o movimento r0pido dos dedos) 1ara tocar% por e/emplo% a $arpa% me/e-se com os dedos de modo 0"ilB isso . de $ohann H i&inga.ue est0 "an$ando% para .ue por essência .

ue assim a $umanidade possa% pois% aper-ei oar-se) A paci-ismo #usca a supera +o da violência nos !o"os internacionais% de competi +o e acertos de interesses entre os Estados) * ecolo"ia #usca a supera +o das t.ue o -eminismo traz% em seu #o!o% uma nova . seri s% . pp. 12.ue as mul$eres têm tido uma associa +o maior com a n+o-violência < e pe o licen a para recapitular associa ões -eitas em tra#al$o anterior (*l#ornoz% >???)) 'ul"o .ue se tornam realmente as maiores vEtimas da violência social e polEtica% nas "uerras como na paz armada da metr&pole do nosso tempo) A oposto tam#.uanto tal .tico% .uando se vê .tica de ne"a +o da violênciaB e ao possi#ilitar uma amplia +o do universo de a +o das mul$eres% constituiu a maior trans-orma +o antropol&"ica ocorrida em nosso tempo) 1ensar esse -en:meno pode -azer camin$ar a . de -orma mais elevada do . o .ue seriedade < mais elevado n+o no 8# . o de superar os tra os violentos nas rela ões interpessoais) 1oderEamos ol$ar a violência .m a so#revivência da $umanidade nas "era ões -uturas) E paci-ismo e ecolo"ia est+o no mesmo camin$o do ima"in0rio do movimento -eminista% .ue depende tam#. 2009.uências e/istenciais e morais) A autor analisa o aspecto de !o"o do encontro se/ual% mas se su#mete = evidência do .ue ele possa ter de ag'n e de conteCdo de violência) Em#ora isso se!a convite = polêmica% ouso repetir .m a!uda a de-inir uma no +o) E na pes.ue n+o l$e parece ser e n+o l$e parece poder ser considerado apenas como um !o"o) Contrastando acentuadamente com a pro-undamente arrai"ada a-inidade entre o !o"o e a luta% vemo-nos o#ri"ados a considerar o uso er&tico do termo lCdico% por mais universalmente aceite e mais evidente .ue a maioria dos mortos em com#ate s+o !ovens% na "uerra como na paz c$eia de luta das "randes cidades atuais% col$emos o desa-io de levantar a $ip&tese% com #ase sociol&"ica% de . 1.ue em nosso tempo as utopias conten$am acentuadamente em si o son$o de supera +o da violência < tanto o -eminismo% como o paci-ismo% a ecolo"ia% e o movimento pelos direitos $umanos son$am com a supera +o da violência) Esse .ue o elemento de !o"o aE est0 posto) 3ratam-se de !o"os a"onEsticos% de vida ou morte% entre adolescentes% .uenas imita ões ou realiza ões sim#&licas os padronizados !o"os de "uerra vEdeo-eletr:nicos% de multiplica +o ad in+ini" m) E .ue a $umanidade possa ser convertida a modos de e/istir pacE-icos% mais am0veis% mais civilizados% de modo .ue s+o pe.ue acompan$amos% somos in-ormados de .ue se identi-ica com a a-irma +o de uma . vol.ue .ue ocorre no mundo atual dos adultos so# o seu aspecto de !o"o de com#ate a"onEstico% do .ue nas palavras das diversas lEn"uas% na maioria das vezes% o !o"o aparece como oposto de seriedade% portanto% de tra#al$o) A !o"o inclui com#ate% mas o oposto do !o"o tam#.s de uma a#ertura ut&pica% para a evolu +o $umana) 3alvez se!a relacionado com esse camin$o das mul$eres o -ato de .tica% uma utopia de conteCdo .ue seriedade tem um sentido mais ne"ativo e !o"o% mais positivo% mas o !o"o pode muito #em incluir a seriedade) A conceito de !o"o en.Cadernos de Psicologia Social do Trabalho.ue tem sentido de "ravidade) 3odavia% esse sentido oscila% o sentido das palavras nas lEn"uas ainda n+o est0 #em -ec$ado% provavelmente nunca estar0 inteiramente -ec$adoB por isso% apenas podemos dizer .ue ser re"rado) As !o"os de com#ate% os !o"os propriamente ditos% s+o o camin$o para superar a violência sem re"ras% dessa tendência a"onEstica da cultura $umana% t+o irracional) Sem#remos rapidamente a rela +o das mul$eres com o !o"o de competi +o e com o .m inclui com#ate) Em latim% o oposto de !o"o . 75-92 com tantas conse.tica% atrav. um dos son$os do presente% em con-ronto contra a multiplicada e imensa violência potencial e e-etiva e/istente) K o son$o de .cnicas e dos usos destrutivos e desrespeitosos com rela +o = natureza% do .uisa . n.ue .ue possa ser% como uma met0-ora per-eitamente tEpica e consciente (p) N?)) A espErito a"onEstico est0 associado = violência e a violência civiliza-se no !o"o de competi +o) A !o"o pode ser o modo de con$ecermos as coisas% mas tem .

um $0#ito t+o anti"o como a pr&pria e/istência dessas duas palavras) '0 colocamos o pro#lema de sa#er se isso deve ser considerado apenas uma met0-ora% e c$e"amos a uma conclus+o ne"ativa (p) 1?1)) Huizin"a põe em .ue a civiliza +o (p) PN)) 1arece sem dCvida .ue o com#ate possa ser superado% todavia% na vis+o antropol&"ica de Huizin"a% o com#ate tem uma #ase #iol&"ica% sendo% neste caso% claro .ue o !o"o se oculta especialmente por tr0s dos rituais do direito% e isso en.uanto no tri#unal se !o"a um !o"o com car0ter .ue a cultura re-lete a #iolo"iaB lo"o% a cultura . mais anti"o e muito mais ori"inal do .ual.m um !o"o de competi +o) 1or outro lado% o elemento lCdico d0 "radualmente lu"ar = es-era do sa"rado% e esta seria a raiz de toda produ +o cultural2 a cultura sur"iria do lCdicoB o lCdico d0 aos poucos lu"ar ao sa"rado% = primeira "rande produ +o% = poesia% = -iloso-ia% ao -olclore% ao direito% en-im% todos os -en:menos culturais centrais do $umano possuiriam um ori"in0rio car0ter de !o"o e de lCdico) A !o"o estaria% pois% por tr0s de todos os -en:menos culturais% !0 na sua ori"em% por onde se apresenta o seu car0ter de competi +o) 1ortanto% .ue tendem a compreender o seu ne/o pelos interesses econ:micos li"ados ao impulso de poder2 * $ist&ria e a sociolo"ia têm tendência a e/a"erar o papel desempen$ado pelos interesses materiais imediatos e a Rnsia do poder na ori"em das "uerras% se!am anti"as ou modernas) (esmo .uanto .uest+o de poder polEtico% na "rande maioria dos casos% os verdadeiros motivos podem ser encontrados menos nas InecessidadesJ da e/pans+o econ:mica etc)% do .m pode ser visto como um !o"o2 C$amar I!o"oJ = "uerra .ue -oi uma tradi +o na Ur. em "rande parte tam#.m s+o #astante evidentes as li"a ões do !o"o com a "uerra% con-irmando a tese de .uais s+o razoavelmente so-isticados)> 3am#. evidente .uele plano de seriedade sa"rada .ue constituem os -undamentos da civiliza +o% por.ue toda sociedade e/i"e para sua !usti a% continuam ainda $o!e sendo perceptEveis em todas as -ormas da vida !urEdica (p) PP)) A !o"o !urEdico carre"a em si mesmo a competi +o% entre os dois lados da #alan a da !usti a% entre os dois interesses em con-lito% entre as duas razões% entre os arrazoados discordantesB e ela% .rios) No plano do pensamento ut&pico% pode-se pensar .ue os estadistas .ue a seriedade procura e/cluir o !o"o% en.ue no or"ul$o e no dese!o de "l&ria% de prestE"io e de todas as pompas da superioridade (p) 1?D)) > A#serva +o de um !uiz (Huizin"a% 1@@@% p) P@)) 8$ .m-se na modernidade2 A estilo e o conteCdo das interven ões nos tri#unais revelam o ardor esportivo com .ue e/istem !o"os s.uase sa"rado2 Vuem diz competi +o% diz !o"o) Con-orme !0 vimos% n+o $0 raz+o al"uma para recusar a .uer tipo de competi +o o car0ter de um !o"o) A lCdico e o competitivo% elevados =.ue nossos advo"ados se atacam uns aos outros por meio de ar"umentos e contra-ar"umentos al"uns dos . de (omenico (e )asi sentido de no#reza% mas no de amplitude% por.ue% o !o"o sendo um com#ate% este tam#. ao 'cio cria"ivo. desde o inEcio .ue o !o"o .ticos e a"onEsticos .ue preparam a "uerra considerem esta uma .$ogo e "rabalho% do homo l dens.ue se encontram no !o"o os elementos antit.uest+o as interpreta ões mais comuns entre os o#servadores das "uerras nas ciências $umanas% .cia e em Goma% mant. de $ohann H i&inga.ue este pode incluir a seriedade% e .

ue a civiliza +o vai evoluindo% o eni"ma #i-urca-se em dois sentidos di-erentes2 de um lado a -iloso-ia mEstica e de outro% o simples divertimentoJ (p) 1>N)) * poesia tam#. n. medida .m do eni"ma ori"in0rio e das -ormas eni"m0ticas da sa#edoria) * -i"ura do so-ista "re"o er"ue-se ao centro do .m claras as li"a ões entre !o"o e con$ecimento) *s maneiras se"undo as .uanto os prêmios .uer dizer% no do con$ecimento e da sa#edoria (p) 11@)) No !o"o de eni"mas% entre os s0#ios da Ur. 75-92 Esse ponto de vista parece interessante ressaltar para o apro-undamento da compreens+o da atualidade imediata% do momento $ist&rico da I"uerra ao terrorismoJ declarada pelos Estados Unidos da *m.ue se c$ama civiliza +o2 I.uintada .cnico% a arte dos so-istas apresentava "rande semel$an a com o !o"o primitivo e o so-isma esteve intimamente relacionado com o eni"ma) Nos di0lo"os de 1lat+o% as per"untas e respostas da dial.ue pudesse ser entre os "re"os e discEpulos da Escola de *tenas% muito improvavelmente corresponderia = -orma do di0lo"o liter0rio tal como ele aparece no te/to plat:nico) Huizin"a aponta as caracterEsticas lCdicas da arte da discuss+o e da declama +o .ue uma conversa +o real% por mais re.tica socr0tica apresentam um claro car0ter de !o"o% mesmo por.cia muito anti"a% assim como na Xndia arcaica% Huizin"a vê e/plEcito o car0ter de !o"o e de lCdico associado ao con$ecimento% e este com car0ter sa"rado2 1odemos concluir .ue teria paulatinamente dado lu"ar ao .m% s+o ine"avelmente tam#.ual sempre pode ser considerada !o"o) * -esta de DionEsio era a moldura sa"rada para ocorrerem os "randes !o"os artEsticos competitivos) As concursos liter0rios% pr0tica ainda viva na atualidade% conservam al"o da com#atividade a"onEstica do concurso tr0"ico) Na $ist&ria da -iloso-ia tam#.dia apresentavam-se so# o si"no da competi +o) IAs dramatur"os "re"os preparavam suas o#ras dentro de um espErito de competi +oJ (p) 1L?)% a .rica do Norte ap&s os acontecimentos traum0ticos de 11 de setem#ro de >??1) * crEtica de Huizin"a ao e/cessivo economicismo% encontrado nas an0lises das "uerras -eitas pelos estudiosos das ciências $umanas% convida a repensar as convic ões mais arrai"adas da ciência da $ist&ria% . pp. .ue ori"inariamente o eni"ma era um !o"o sa"rado% e por isso se encontrava para al.ria .dia% como a com.ue o di0lo"o .poca $elênica% em Goma% tendo lon"a continua +o na evolu +o cultural do mundo 85 . vol.m de toda distin +o possEvel entre o !o"o e a seriedade) Era am#as as coisas ao mesmo tempo2 um elemento ritualEstico da mais alta importRncia% sem dei/ar de ser essencialmente um !o"o (p) 1>N)) Na interpreta +o do autor% a separa +o dos modos do !o"o e da atividade s. uma -orma de -ic +o% de cria +o artEstica% portanto% e parece evidente .uais os $omens s+o capazes de competir pela superioridade s+o t+o variadas .m parece patente a permanência de -ormas lCdicas muito al. 12.m tem apresentado% por toda a sua !0 lon"a $ist&ria% um car0ter de !o"o e competi +o) Isso era e/plEcito no concurso tr0"ico na Ur.ue continua a -azer-se so# -orte impacto das principais correntes de pensamento modernas e% em especial% da sociolo"ia crEtica desenvolvida a partir do paradi"ma mar/ista) Ser+o talvez menos evidentes% por.cia% onde tanto a tra".ue s+o possEveis de se "an$ar ()))) talvez ten$a seu e/emplo mais impressionante no domEnio do pr&prio espErito $umano% .Cadernos de Psicologia Social do Trabalho.ue se se"uiu = . 2009. 1.ue Huizin"a considera como o !o"o -ilos&-ico) *s proezas dos so-istas% como vir" oses do ar"umento% tin$am um car0ter de e/i#i +o% pr&/ima ao espet0culo) A pr&prio 1rot0"oras c$amou = so-Estica de Iuma vel$a arteJ% ou se!a% os mesmos so-istas tin$am consciência do car0ter lCdico de sua arte) Considerada do ponto de vista t.

pro-undamente polêmica por natureza% sendo impossEvel compreender% !ustamente% uma polêmica% se!a no plano cientE-ico% se!a no plano -ilos&-ico% sem levar em conta o seu tra o de ag'n.ue tanto aconteceram entre os pensadores crist+os% como entre os te&lo"os mu ulmanos) * competi +o pode ser considerada um dos tra os mais marcantes de toda a evolu +o da escol0stica e das universidades) Durante muito tempo a moda dominante nas discussões -ilos&-icas -oi o pro#lema dos IuniversaisJ% .ue se est0 encerrado dentro de certos limites livremente aceites (p) >DO)) 86 ."ias das rela ões internacionais e% de novo% as rela ões de "uerra) )))at. ao 'cio cria"ivo.$ogo e "rabalho% do homo l dens.ue a $umanidade -az as desco#ertas mais importantes -oram as das controv.ue sur"iu mesmo do !o"o de adivin$a +o da sa#edoria "re"a% muitas vezes lan ou m+o de novas esp.pocas em . de $ohann H i&inga.cies do !o"o de competi +o% e de competi +o por meio de eni"mas) A elemento lCdico mant.ue o car0ter a#solutamente o#ri"at&rio de suas re"ras assentava em al"um dos elementos lCdicos -ormais .ue possi#ilitam o respeito = lei% ou se!a% = re"ra do !o"o do direito consentido nos acordos internacionais% princEpios como I$onra% $onestidade% #om-tomJ (p) >D1)) * ri"or% pois% a civiliza +o pode ser vista como um !o"o% "overnado por certas re"ras% e a verdadeira civiliza +o e/i"e tam#.m n+o se deve e/cluir um aspecto lCdico e de competi +o nos !o"os so-isticados dos -il&so-os modernos% $a!a vista os e/ercEcios de e/empli-ica +o dos -il&so-os analEticos da atualidade) A autor conclui .% de disputa e oposi +o) *s . de (omenico (e )asi ocidental% e com isso levanta a $ip&tese de interpreta +o de .ue a civiliza +o implica a limita +o e o domEnio de si pr&prio% a capacidade de n+o tomar suas pr&prias tendências pelo -im Cltimo da $umanidade% compreendendo .ue era sempre seu tema central e conduziu a uma pro-unda divis+o entre realistas e nominalistas (p) 1MO)) Na $ist&ria da -iloso-ia% pois% o !o"o esteve presente na atividade dos so-istas% #em como% mais tarde% nos !o"os intelectuais escol0sticos% mas tam#. a sua dimens+o a"onEstica% isto .ue o lCdico perpassa as competi ões escol0sticas% .m-se -orte e vivo na cultura contemporRnea e e/pressa-se n+o s& nas -ormas em desenvolvimento dos esportes% #em como na crescente trans-orma +o em !o"o e espet0culo de muitas -ormas da vida social% e mesmo% da vida polEtica) As novos !o"os da vida polEtica% acrescidos desse aspecto evidente de espet0culo% atin"em as estrat.m o espErito esportivo% ou se!a% a capacidade de !o"ar con-orme as re"ras com#inadas) )))a verdadeira civiliza +o n+o pode e/istir sem um certo elemento lCdico% por.pocas arcaicas% e .ue toda -orma de con$ecimento% a -iloso-ia apenas inclusive% .rsias mais violentas) Huizin"a e/empli-ica com o s. $0 #em pouco tempo a "uerra era considerada um no#re !o"o (o esporte dos reis)% e .ue tiveram% con-orme vimos% seu pleno apo"eu na "uerra dos tempos arcaicos (p) >D1)) A avan o da civiliza +o em termos de o#ten +o de paz dentro de um conte/to de direito internacional depende de certos princEpios e/teriores ao direito propriamente dito% .uando era preciso ser cartesiano ou anticartesiano% contra Ne6ton ou a -avor dele% tomar partido po r les modernes ou po r les anciens% contra ou a -avor do ac$atamento da 3erra nos polos% da vacina +o etc) (p) 1MN)) 1ortanto% a -iloso-ia% descendente direta do !o"o de eni"mas das .culo YWII da era moderna% .

os gr pos cria"ivos na 2 ropa de 1350 a 1950% Domenico De (asi (1@@@) desenvolveu seu estudo em torno da $ip&tese central de .ue no perEodo da economia p&s-industrial% . ser0 insti"ante e% supon$o% provocador de novo patamar para a re-le/+o) Em . vol.ue podemos c$amar de antropolo"ia -ilos&-ica ou% simplesmente% uma nova antropolo"ia% tendo a perspectiva $ist&rica da evolu +o do mundo do tra#al$o como c$+o .uências para a produ +o social e para os modos de vida cotidianos dos #il$ões de $a#itantes de um planeta mais ou menos interli"ado "lo#almente pela rede de rela ões criadas pela in-orm0tica e as telecomunica ões% o pensador da .ue deveremos e/plorar so# outros Rn"ulos em outro tra#al$o) E .uando se encontra a intimidade da li"a +o entre arte e tra#al$o% sendo a.ue corresponde = trans-orma +o cultural desta -ase $ist&rica .uando a-irma . 75-92 No entanto% em um domEnio nota-se especialmente a estrutura do !o"o% so#retudo no domEnio da arte% .uanto os Estados Unidos da *m.tica < v+o al.ue antecipando a era p&s-industrial% .ue% al.culo YY% mostrava-se criativa de um modo ori"inal% como .m das an0lises da economia e da sociolo"ia% avan ando pelo terreno do .m aparecer-nos como modelo do tra#al$o produtivo) *ssim encontramos uma li"a +o direta do !o"o com o tra#al$o% uma media +o si"ni-icativa .ue depois -icaram -amosos% em um primeiro momento% pareceram perder para a sociedade $iperpadronizada% da produ +o industrial% mas voltam a aparecer como e/emplos inspiradores $o!e% 87 .uela o prot&tipo da produtividade pr&pria do $omem e% do outro lado% perce#e-se tam#.ue revisar% em#ora #revemente% os conteCdos principais de al"umas das mani-esta ões de seu pensamento% na perspectiva e mem&ria da rec.uelas de Daniel Qell e *lvin 3o--ler% .ue alimenta e d0 sentido = re-le/+o) De modo . 12.uinismo e da produ +o em s. emo01o e a regra.Cadernos de Psicologia Social do Trabalho.uência da teoria do !o"o% .uest+o do tra#al$o% Domenico De mais) desenvolve uma re-le/+o .ue pode tam#.ue nos .m a intimidade da arte com o !o"o e o lCdico% ent+o% pode-se #em esperar ter encontrado o elo% a ponte se"ura entre os conceitos de !o"o e tra#al$o% #em como os -en:menos e/istentes considerados como !o"o e como tra#al$o) Do ócio criativo Deslum#rado ante as novas mudan as tecnol&"icas% com suas conse. 2009.culo ocorridas principalmente so#re o solo europeu% ou a partir dele) Estes es-or os levaram a admir0veis casos concretos .ue viria n+o pouco in-luenciada pelas decisões e crises atravessadas pelo vel$o continente% por ocasi+o das duas tr0"icas "randes "uerras do s. n.ue% en.rica -aziam o enorme es-or o te&rico-pr0tico para elevar ao m0/imo a sociedade industrial e a l&"ica do ma.ue ele considera inovadores de vis+o pro-. 1. pp. ampliada no tempo livre e mesmo na atividade pro-issional coletiva% o .m de representar a sEntese de uma lon"a e/periência $ist&rica acumulada construindo templos% catedrais e pal0cios% a#rindo o-icinas de arte% -undando mosteiros e academias% antecipavam tam#.rie% a vel$a Europa% no inEcio do s.ue ele pensa resumir pela e/press+o 'cio cria"ivo.m visitada antropolo"ia do !o"o% pode operar% espero% um avan o na consciência) *ssociar suas teses com as percorridas na primeira parte deste tra#al$o% so#re o Homo l dens de 'o$ann Huizin"a.m -ormas -uturas de or"aniza +o p&s-industrial% -uncionais para a criatividade (p) 1P)) Essas -ormas criativas de atua +o% de "rupos criativos . *s ideias de De (asi < na descendência da.ue me parece interessante alin$ar na se.ue atravessamos% sem visi#ilidade cientE-ica muito clara% o tra#al$o emi"raria do centro da e/istência $umana e% por isso% seria preciso desenvolver um novo ol$ar para desco#rir a dimens+o de ludicidade e de cria +o% .

de $ohann H i&inga."ide da indCstria% como seres de-inidos pelo tra#al$o e pela t.culos tornaria-se para os ocidentais um $a#itat natural% na realidade deu-se como um -en:meno arti-icial% inusitado% com o .uieta ões e per"untas desta pes.cnica (De (asi% >???% p) NO)) * raz+o a-irmada pelo Iluminismo do s.culo YY podem ser identi-icadas as primeiras -issuras na -iloso-ia industrial% ou se!a% um primeiro distanciamento crEtico e revis+o da ideolo"ia do desenvolvimento industrial (De (asi% >???)) No mesmo ano de 1@?D < em .ue este!amos entrando em uma . por isso .ue 3a5lor anuncia em Sarato"a% em uma reuni+o de en"en$eiros% a pu#lica +o do seu livro mais importante e Hord inau"ura a sua -0#rica de Detroit < inau"ura-se em Wiena a 9iener 9er7stZtte) 3rata-se da cooperativa% .culo YWIII encontra sua m0/ima concretiza +o na empresa industrial estandardizada% especializada e sincronizada% e isso especialmente na indCstria americana da passa"em do s.uisa e% assim% nas pr&/imas p0"inas acompan$aremos as a-irma ões do polêmico soci&lo"o italiano em seu livro !cio cria"ivo% .culo YIY ao YY% tal como o e/pressaram as realiza ões e as ideias de 3a5lor e Hord) Contudo% !0 na Europa do inEcio do s.ue a sua contri#ui +o para o pensamento da .poca da $ist&ria da atividade $umana em .cnica) E assim% os Itempos modernosJ% cu!os ne/os centrais se tornariam a estandardiza +o% a especializa +o e a sincroniza +o% passaram a ser perce#idos como naturais% como a m0/ima e/press+o de um ser .ue mencionei antes% -undada por 8limt% Sc$iele% Ho--mann e outros "ênios da est. preciso or"anizar o tempo livre% a atividade artEstica e cientE-ica))) (p) 1P)) 3ra#al$o e &cio criativo s+o postos na re-le/+o de De (asi como -azendo parte de uma unidade% e .ue se apro/ima da realidade $umana atual a partir de cinco mil anos atr0s% na (esopotRmia (De (asi% >???% p) D1)) * sociedade industrial% . ao 'cio cria"ivo.uestões em torno desses -en:menos podem ser esclarecedoras para as in.$ogo e "rabalho% do homo l dens.uest+o leva-nos de volta = nossa $ip&tese inicial% de .ue a or"aniza +o da -0#rica tradicional e/auriu seu ciclo $ist&rico% .ue nos Cltimos três s.ual o $omem em "eral a princEpio n+o se identi-icava) A mundo do arti-Ecio e da produ +o em s. de (omenico (e )asi .ue na realidade .rie% motivada pelo dese!o de proveito m0/imo e calcada so#re uma -orma de e/plora +o acentuada da -or a e do tempo do tra#al$ador% realizou a proeza de impor-se como natural% trans-ormou-se em se"unda natureza $umana% a ponto de os $omens passarem a compreender-se% a partir das ciências $umanas criadas !ustamente durante essa -ase do desenvolvimento da $umanidade so# a .ue .ue a lin$a de monta"em come a a ser uma pe a ar.rios completamente di-erentes da.ueol&"ica% .tica) *li se produz de tudo% de cartões-postais a papel de parede% de tal$eres a m&veis% de um completo edi-Ecio a #airros ur#anos inteiros) E sua produ +o o#edece a crit. uma entrevista concedida a (aria Serena 1alieri e pu#licada pela primeira vez em 1@@N) De (asi considera o -en:meno da indCstria e do desenvolvimento de -ormas de vida relativas .ue se de-ine pela atividade produtiva e pela per-ormance no plano do tra#al$o e da t.ueles de 3a5lor2 escassa divis+o do tra#al$o% pouca padroniza +o% pouca especializa +o% pouca sincroniza +o% pouca centraliza +o% pouca ma/imiza +o) Com resultados criativos realmente e/traordin0rios (De (asi% >???% p) LO)) Au se!a% dentro mesmo da sociedade industrial% e no centro de sua ori"em% come am a sur"ir os sinais e os elementos de sua supera +o criativaB come am a crescer os "ermes da sociedade p&s-industrial) * partir desses "ermes de -uturo% pr&prios da produ +o muito especial 88 .ue n+o ser0 mais t+o nEtida a separa +o entre tra#al$o e lazer% entre produ +o e consumo% entre empre"o e tempo livre) Suas respostas =s novas .ue permitiram -alar de sociedade industrial% como um acontecimento passa"eiro% #em situado em tempo e lu"ar) Esse acontecimento possui uns duzentos anos de e/istência% sendo compreendido de um modo antropol&"ico e $ist&rico ao mesmo tempo% ou se!a% pro!etado so#re um -undo de lon"a dura +o% visto como resultado de uma e/istência do $omem estimada em setenta mil$ões de anos% mas .

es"andardi&a01o e especiali&a01o% .cnicos% em rela +o = classe oper0ria) Em terceiro% o papel central do sa#er te&rico ou% como dir0 Da$rendor.ue n+o pode mais ser administrada por indivEduos isolados e% em al"uns casos-limite% nem mesmo por um s& Estado) Em .ue e/i"em um es-or o intelectual (p) 1?N)) *lvin 3o--ler -oi outro dos autores controvertidos% antecipadores da compreens+o da nova . 12.m com in-luência so#re as -ormas de relacionamento entre os "rupos sociais% as classes% os indivEduos% e correspondentes a mudan as importantes no uso do tempo e do espa o) No .ue indicam a passa"em da sociedade industrial para a p&s-industrial% para o .uerem es-or o -Esico% mas tam#. vol.ue sente a necessidade e possui a capacidade de pro#e"ar e programar o seu -uturo) Concordando com o espErito das an0lises de Qell% 3o--ler e 3ouraine% contudo% De (asi% se tivesse .ue *lain 3ouraine resume% assumindo como partes os princEpios a/iais apontados por Daniel Qell% e de-inindo a nova sociedade como a .uarto lu"ar% o pro#lema relativo = "est+o do desenvolvimento t.ue re.ue de-inir a sociedade p&sindustrial% a de-iniria como sociedade cria"iva) 1ois nen$uma outra .ue em "eral se descreve% com temor e tremor% como mundo do desempre"o e% portanto% do desamparo e do risco social% De (asi conse"ue ver como mundo de novas possi#ilidades $umanas e da li#erta +o do tra#al$o como dado centralizador da e/istência $umana) Esse mundo novo .poca teve um nCmero t+o "rande de pessoas com car"os criativos2 em la#orat&rios cientE-icos e artEsticos% nas reda ões dos !ornais% e.poca iniciante como p&s-industrial) * o#ra . "erceira onda centralizou as aten ões da opini+o pC#lica leitora e criou muita discuss+o durante os anos P? do s. pp.ue ele c$ama de Icinco princEpios a/iais da nova sociedadeJ2 Em primeiro lu"ar% a passa"em da produ +o de #ens = produ +o de servi os) Em se"undo% a crescente importRncia da classe de pro-issionais li#erais e t. n. c$amado de p&s-industrial e sua cultura interna .m nas .s de "randes ondas% identi-icando os princEpios da sociedade industrial como os da sincroni&a01o.ue s+o capazes de su#stituir o $omem n+o s& nas -un ões .culo YY) 3o--ler% assim como Hernand Qraudel e a 5ova His"'ria -rancesa% na .culo YY% e ap&s a a#ertura das imensas novas possi#ilidades o-erecidas pela Iterceira ondaJ da revolu +o industrial% ou se!a% a alta automa +o e-etivada com a cria +o do computador e% $o!e em dia% com a cria +o da rede dos micro-computadores individuais% a#re-se um mundo novo com -orte in-luência so#re o modo de vida das pessoas% com uma trans-orma +o radical nos modos de produ +o e de consumo% mas tam#.ue *lain 3ouraine uni-icava no paradi"ma da racionali&a01o (3ouraine% 1@L@)) Da &tima utiliza +o de mat. 2009. 1.Cadernos de Psicologia Social do Trabalho.mais tarde% o primado das ideias) Em .rias primas% passou-se = produ +o de materiais arti-iciais mais con-ormes =s novas necessidades) * estandardiza +o aos poucos d0 lu"ar = aspira +o pela ori"inalidade% pela pessoalidade) * #usca da o#!etividade e/trema a#re lu"ar = in.ual a cate"oria da longa d ra01o -oi t+o marcante% vê a $ist&ria mover-se atrav.uinas inteli"entes% . 75-92 dos "rupos criativos do inEcio do s.uieta +o da su#!etividade) Dos meios de comunica +o de massa tende-se a passar = desmassi-ica +o dos meios de comunica +o) S+o trans-orma ões . dita p&smoderna% = espera de uma mel$or denomina +o mais precisa e mais de acordo com a essência mesma deste tempo% .uipes televisivas e cinemato"r0-icas etc) (p) 11P)) 89 .cnico2 a tecnolo"ia tornou-se t+o poderosa e importante% .culo YY% perce#eram a trans-orma +o% a transi +o do perEodo industrial para o p&s-industrial% e -oram vozes pioneiras% nem sempre #em aceitas pela comunidade cientE-ica) Daniel Qell (1@ML)% com 4 adven"o da sociedade p's-ind s"rial% adverte para os -atores .uinto% a cria +o de uma nova tecnolo"ia intelectual% ou se!a% o advento das m0.ue ainda perce#emos com incerteza e di-iculdade) *l"uns pioneiros% em meados do s.

ue antes esteve claramente separado% o tra#al$o e o lazer% apro/imando e mesmo identi-icando < e 9 .ue viria ao encontro dos interesses -emininos% pois restitui os maridos =s suas mul$eres e vice-versa) As $omens perdem o 0li#i . ao 'cio cria"ivo.ue .ue recusa a priori os planos da classe $e"em:nica% mas n+o .cie de doen a% um -en:meno e/temporRneo e in!usti-icado% .ue $o!e usam para -icarem -ora de casa o dia todo e desinteressarem-se assim da vida -ora do tra#al$o% dele"ando =s mul$eres todas as responsa#ilidades -amiliares e privando a si mesmos das ale"rias relacionadas com o tempo livre% a or"aniza +o do lar% os a-etos% a paternidade (p) 1MM)) A autor salienta e insiste em . a inven +oJ) De (asi (>???) e sua escola a-irmam2 IA cora +o desta sociedade . a pro"rama +oJ) He"edus (1@P@)% por sua vez% a-irma2 IA cora +o desta sociedade .uiridos) Do mesmo modo% $0 uma classe su#alterna IpropositivaJ capaz de contrapropor os pr&prios planos aos da classe $e"em:nica) E $0 uma classe su#alterna Ide-ensivaJ% . de (omenico (e )asi 3am#.ue ol$a para a -rente e pro!eta o -uturo) H0 uma classe $e"em:nica IdominanteJ .ue -oi assistente de 3ouraine em 1aris% propõe uma teoria sistematizadora da nova sociedade em sur"imento atrav.culo YIY analisada por 8arl (ar/) *ssim como 3ouraine -ala de uma Idupla dial.ue con$ece) S+o v0rios os impulsos .uiridos% .ue% ante o crit.m a soci&lo"a $Cn"ara [suzsa He"edus% .ue levam = "lo#aliza +oB contudo% $o!e $0 al"umas novidades e% al.ue se limita a prote"er os pr&prios direitos ad.rio de pro!etar o -uturo% podem e/istir patrões reacion0rios e patrões esclarecidos% oper0rios reacion0rios e oper0rios esclarecidos) ))) $0 uma classe $e"em:nica Idiri"enteJ% . necess0rio curar pela redu +o dr0stica dos e/pedientes% .m da enorme in-luência dos Estados Unidos% De (asi elenca2 1ela primeira vez estas v0rias -ormas de "lo#aliza +o est+o todas co-presentes e potencializam seus e-eitos reciprocamente) E pela primeira vez a estrada da uni-ica +o polEtica e material .uatro -ases da atual distri#ui +o internacional do tra#al$o2 a da idea01o% a da decis1o% a da prod 01o e a do cons mo (De (asi% >???% p) 1>?)) 3ouraine a-irma2 IA cora +o desta sociedade .uest+o do tra#al$o -ora de e/pediente e as $oras-e/tra% muitas vezes sem pa"amento) Esse tra#al$o invasor do tempo livre% se"undo De (asi% con-i"ura uma esp.tica de classesJ% de modo . capaz de -ormular planos alternativos (p) 1>M)) As tempos p&s-modernos s+o "lo#alizados% criativos e andr&"inos) * "lo#aliza +o% .ue se apresenta $o!e como tendência% pode ser "eneralizado% de modo .ue .ticaJ (p) 1>1)) *s classes sociais trans-ormam-se% crescem ou diminuem em taman$o e propor +o no todo da sociedade% por isso mudam o seu sentido social e polEtico) * sociedade p&s-industrial n+o apresenta as mesmas oposi ões de classe da sociedade industrial do s.ue se trans-orma mas n+o tanto% encontra-se a .ue reduz e de certo modo des-az% ac$ata a diversidade% representa% se"undo De (asi% o ê/ito de uma tendência perene no $omem% . a in-orma +o% o tempo livre e a criatividade% n+o s& cientE-ica% mas tam#."ios ad. aplanada pelos meios de comunica +o de massa e pelas redes telem0ticas)()))) A con!unto destes -atores produz uma oitava -orma de "lo#aliza +o2 a psicol&"ica (p) 1DM)) (as n+o s& a "lo#aliza +o caracteriza a nova realidade do tra#al$o2 criatividade e andro"inia s+o i"ualmente trans-orma ões importantes) Gelacionada com a divis+o de tare-as entre os "êneros% .ue a sociedade p&s-industrial possi#ilita o encurtamento do $or0rio de tra#al$o e a amplia +o do tempo livre% e isso .s das trans-orma ões tecnol&"icas do tra#al$o% na Cltima parte do s.ue come a a instalar-se uma associa +o entre o .culo YY% teoria considerada por De (asi como -ascinante) He"edus identi-ica . a de e/plorar e colonizar todo o territ&rio .m est. de $ohann H i&inga.ue se preocupa s& em conservar os privil.$ogo e "rabalho% do homo l dens.

m% en. . preciso #usc0-la% por.uinas tra#al$ar+o num ritmo sempre mais acelerado% mas os seres $umanos ter+o sempre mais tempo para re-letir e para I#olarJ% idear (p) 1PP)) Contudo% o teletra#al$o n+o .uieta) E/i"e a.uieto e uma mente irre.uilo .m o era antes do perEodo industrial < o tempo e o lu"ar da atividade pro-issional% o tempo e o lu"ar da atividade recreativa e de repouso) As tra#al$os .rie e ao m0/imo de proveito% a rapidez parece persistir como caracterEstica deste mundo e momento .ue est0 em !o"o .ue permanecem como monop&lio dos seres $umanos% isto .ue a #us. a produ +o intelectual% de certo modo resolvida pelas m0.culo YIY e um pouco da Idade (. 2009.ueles . pp. 75-92 isso% de novo% por. uma #atal$a entre a inova +o e a conserva +o% n+o sendo o camin$o impedir o pro"resso% mas sim "eri-lo de modo . n. vol.ue% assim -azendo% tornem-se ainda mais comple/as a orienta +o e a "est+o das carências sociais e da polEtica) A empre"o em tempo parcial% a diminui +o do $or0rio de tra#al$o de um indivEduo aparece como solu +o possEvel para a#rir lu"ar para o tra#al$o em tempo parcial de seu concidad+o) Sem dCvida% para c$e"ar a essa redistri#ui +o do tra#al$o .ue c$amo de I&cio criativoJ) *s m0.ue Ia -elicidade consiste em #usc0-la% e . uma cate"oria pr&pria da indCstria% correspondendo = l&"ica da produ +o em s.ual nos li#ertamos% para a produ +o intelectual criativa) K possEvel .ue tem a ver com in-orm0tica% com o computador) A teletra#al$o teria a possi#ilidade de operar a sEntese virtuosa entre o artesanato e a indCstria2 De al"uma maneira% recupera e valoriza a parte mel$or do artesanato e a parte mel$or da indCstria) 1ermite o retorno a pe.ue possi#ilite a muitos o empre"o em tempo parcial% precisamos desacelerar% reduzir o ritmo . preciso encontrar a sa#edoria para Isa#er usu-ruir o lu/o da pausaJ) E se n+o possuEmos tal sa#edoria% .uanto na era artesanal uma o-icina era separada das outras% a"ora cada unidade produtiva . li"ada =s outras por via telem0tica) Isto .uinas a produ +o material) Com respeito = sociedade industrial% a p&s-industrial privile"ia a produ +o de ideias% o . 1.rias-primas n+o s+o mais materiais% mas sim imateriais2 s+o in-orma ões (p) 1P>)) A .ueles de natureza intelectual e criativa% n+o admitem ser circunscritos a um lu"ar ou intervalo de tempo especE-icos) 1ortanto% invadem o tempo livre e de estudo% con-undindo-se e misturando-se com o !o"o e com o aprendizado) 3ra#al$o% estudo e divers+o con-undem-se cada vez mais (p) 1MM)) A teletra#al$o% pr&prio deste novo tempo e novo modo de vida e cultura% assim c$amado% em#ora precariamente% de p&s-moderno% conserva um pouco do s.uem .ue as mat.ue por sua vez e/i"e um corpo .ue nos impusemos no mundo das "randes possi#ilidades tecnol&"icas) 1or tr0s da pressa esconde-se talvez al"o mais pro-undo% como o medo da morte% mas .ue se su#stituem aos industriais) * di-eren a essencial . #em compreendido) Em primeiro lu"ar% pensa-se em al"o .uenas unidades produtivas ou at.% a.dia% e ainda n+o .ue a produ +o $o!e posta para o $omem . apenas evolu +o positiva da produ +o material% da .ue aumente o desempre"o e .ue -avore a a di-us+o das condi ões da -elicidade (De (asi% >???% p) 1PN)) *s inova ões tecnol&"icas% criando o teletra#al$o% -avorecem o pro"resso e a -elicidade $umana) *pesar das resistências =s mudan as% as trans-orma ões se d+o em ritmo acelerado% com rapidez nunca vista) E Ia. 12.ue assim tam#. possEvel por. mesmo ao tra#al$o em casa% como no artesanato) 1or.uer .ue !0 est0 de al"uma -orma no camin$o da sa#edoriaJ (p) 1P@)) 9! .Cadernos de Psicologia Social do Trabalho.ue assimilam rapidamente as novas cate"orias pro!etam o -uturo inclusive para os demaisJ (p) 1PL)) * lentid+o% pr&pria do $omem% caracterEstica das evolu ões $umanas em lon"a dura +o% est0 associada = sa#edoria e = prudência) E se% aparentemente% a rapidez .

ue se mostra o mundo do tra#al$o como a-im e pr&/imo ao do !o"o% .ue cada vez mais o tra#al$o se apro/ima de um !o"o% en.ue se atine -azê-las pela internet) 3alvez se!a diminuEdo o poder contratual do tra#al$ador2 se . .uanto se -az como atividade criativa% predominantemente intelectual) Estas s+o apenas su"estões . "erceira onda) S+o 1aulo2 Gecord) 3ouraine% *) (1@L@)) =a socie"9 pos"-ind s"rielle) 1aris2 Deno\l) Endereço para correspondência suzanaal#]viavale)com)#r Gece#ido em2 >O^?P^>??M *provado em2 1>^?P^>??P 9" .ue nos convidam a continuar a construir a teia das $ip&teses e a revis+o de conceitos e valores) Sem cair na armadil$a% .uest+o -ec$ada% como assunto decidido ou ar"umento irre-ut0vel) * discuss+o em vista da compreens+o dos novos tempos apenas come a) No entanto% parece-me promessa de um camin$o -. 'os.ue entende por teletra#al$o2 K um tra#al$o realizado lon"e dos escrit&rios empresariais e dos cole"as de tra#al$o% com comunica +o independente com a sede central do tra#al$o e com outras sedes% atrav.ue n+o s+o% necessariamente% sempre de natureza in-orm0tica (p) >?O)) A teletra#al$o o-erece vanta"ens e desvanta"ens% com riscos novos) 1odem acontecer di-iculdades para a ões coletivas% para a or"aniza +o sindical% at.rtil% para compreens+o das novas situa ões .s de um uso intensivo das tecnolo"ias da comunica +o e da in-orma +o% mas . de (omenico (e )asi De (asi de-ine o .ue se criam no atual momento da $umanidade% esse em .n"erna"ional Sociolog/% < (1)% 1@-DL) Huizin"a% ') (1@@@)) Homo l dens% o #ogo como elemen"o da c l" ra) 1erspectiva2 S+o 1aulo) De (asi% D) (>???)) 4 'cio cria"ivo. Se/tante2 Gio de 'aneiro.$ogo e "rabalho% do homo l dens. Al5mpio2 Gio de 'aneiro) 3o--ler% *) (>??1)) . emo01o e a regra% os gr pos cria"ivos na 2 ropa de 1350 a 1950.ue se a#ria para os ne/os da pro-issionaliza +o e da re"ra do tra#al$o) Referências *l#ornoz% S) U) (>???)) 6iol7ncia o n1o-viol7ncia% m es" do em "orno de 2rns" 8loch) Santa Cruz do Sul2 Edunisc) Qell% D) (1@ML)) 6ers la socie"9 pos"-ind s"rielle) 1aris2 Sa--ont) Qraudel% H) (1@@D)) :rammaire des civili&a"ions) 1aris2 Hlammarion) He"edus% [) (1@P@)) Social movements and social c$an"e in sel. claro% de tomar tais su"estões e $ip&teses ou tendências de interpreta +o como . mais su#stituEvel% o tra#al$o talvez se torne mais prec0rioB e como o espa o de concorrência se estende ao planeta% $0 risco de m0 distri#ui +o (p) >?M)) * re-le/+o de Domenico De (asi continua nessa dire +o% at.uando antes% ao contr0rio% essa apro/ima +o se -azia na dire +o inversa% como a do mundo do !o"o . ao 'cio cria"ivo. de $ohann H i&inga. De (asi% D) (1@@@)) .creative societ52 ne6 civil initiatives in t$e international arena) . encontrar-se com a nossa $ip&tese de .