Você está na página 1de 10

PROBABILIDADE - INTRODUÇÃO

Primeira aula

Nesta aula, serão apresentados uma


introdução histórica, depois o conceito de
probabilidade, seguindo-se alguns exemplos e
exercícios. No final, deixo algumas sugestões de
atividades e listo os conteúdos trabalhados e seus
objetivos.
1- A Origem da Teoria das
Probabilidades
A probabilidade, como conhecemos hoje,
teve seu início quando um jogador, no ano de
1654 em Paris, chamado Chevalie de Mére,
propôs ao matemático Braise Pascal algumas
questões sobre possibilidades de vencer em
jogos. Uma das questões foi: ''Um jogo de
dados entre dois adversários chega ao fim
quando um deles vence três partida em
primeiro lugar. Se esse jogo fosse
interronpido antes do final, de que maneira
cada um dos jogadores deverá ser
indenizado?''
As reflexões a respeito dos problemas
propostos por Chevalie levaram Pascal a se
corresponder com Fermat, o que
desencadeou discursões a respeito dos
princípios de uma nova teoria que veio ser
chamada de teoria das probabilidades.(Texto
retirado de Matemática – Manoel Paiva –
Volume Único –Ed. Moderna – 2005 – pág
434)
2- O conceito de probabilidade
Considere os seguintes exemplos:

a) No lançamento de um dado, qual a


possibilidade de se obter um
número par?

É possível medir a possibilidade de


se obter um número par e a medida
desta possibilidade é chamada de
probabilidade. Neste caso temos 3
possibilidades em 6, pois as faces
do dado são numeradas de 1 até 6
e os pares desta lista são: 2, 4 e 6.

Neste caso, o conjunto E={1, 2, 3, 4, 5, 6} é chamado de Espaço Amostral e o


subconjunto A de E é chamado de Evento. Logo A={2,4,6}. Logo A={2,4,6}.
Então, a fração 3/6 é chamada de probabilidade de ocorrer um número par, no
lançamento de um dado.
b) No lançamento de três moedas, qual a probabilidade de obtermos
ternos iguais?
Neste caso, observando a figura abaixo, podemos ver que A={(C,C,C),
(K,K,K)} e E={(C,C,C), (C,C,K), (C,K,C), (C,K,K), (K,C,C),(K,C,K),
(K,K,C), (K,K,K)}. Então, temos 2 chances em 8 de ocorrer lançamentos
iguais. Logo, a fração 2/8 é a probabilidade de ocorrer termos iguais, no
lançamento de duas moedas.

Definição:
Sejam E um espaço amostral, finito
e não vazio, e A um evento de E. A
probabilidade de ocorrer algum
elemento de A é indicada por P(A)
e definida por:

n( A)
=
P(A)= n( E )
Obs.1: E={(C,C,C), (C,C,K), (C,K,C), (C,K,K), (K,C,C),(K,C,K), (K,K,C),
(K,K,K)}, é o conjunto de todos os resultados possíveis.

Obs.2: O lançamento de três moedas é um exemplo de um experimento


aleatório.

Definição: Chamamos de experimento aleatório a todo experimento


cujo resultado depende exclusivamente do acaso.

Definição: O conjunto de todos os resultados possíveis de um


experimento aleatório é chamado de espaço amostral desse
experimento.

Definição: Evento é qualquer subconjunto de um espaço amostral.

Obs.3: Podemos identificar o evento fazendo a seguinte pergunta:


Devo calcular a probabilidade do que? Por exemplo, no exemplo c,
pergunto: Devo calcular a probabilidade do que? Resposta? Obter
termos iguais. Então a lista dos termos iguais: (C,C,C) e (K,K,K) é que
forma o Evento. Logo, A={(C,C,C),(K,K,K)}.
c) No lançamento simultâneo de dois dados, qual a possibilidade de se
obter um soma 7?
Solução:
No experimento “lançamento de dois dados”, temos como espaço
amostral o conjunto:
E={(1,1), (1,2), (1,3), (1,4), (1,5), (1,6),
(2,1), (2,2), (2,3), (2,4), (2,5), (2,6),
.
.
.
(6,1), (6,2), (6,3), (6,4), (6,5), (6,6)}. Logo, n(E)=36.

Por outro lado, temos que A={(1,6), (2,5), (3,4), (4,3), (5,2), (6,1).
Logo, n(A)=6. Então,

n( A) 6 1
P(A)= = =
N ( E ) 36 6
Exercícios
1) No lançamento de um dado, qual é a probabilidade de se obter, na
face voltada para cima, um número:
a) primo
b) quadrado perfeito
c) menor do que 5
2) No lançamento de duas moedas, qual é a probabilidade de se obter,
nas faces voltadas para cima:
a) pelo menos uma cara?
b) no máximo uma coroa?
3) Um casal planeja ter três crianças. Então, qual é a probabilidade de
que tenham:
a) todas as crianças do mesmo sexo?
b) dois meninos e uma menina?
c) pelo menos uma menina?
d) no máximo dois meninos?
e) mais meninas do que meninos?
4) Uma urna contém apenas bolas brancas e azuis. Retirando-se ao
acaso uma bola dessa urna, a probabilidade de sair uma bola azul é
o quádruplo da probabilidade de sair uma bola branca. Qual é a
probabilidade de sair uma bola branca?

5) No lançamento de dois dados, calcule a probabilidade de se obter,


nas faces voltadas para cima:
a) soma dos pontos igual a 5;
b) soma dos pontos igual a 6;
c) soma dos pontos um número quadrado perfeito;
d) soma dos pontos igual a um número primo.

6) Em uma sala de crianças, há 6 meninos a mais que meninas.


Sorteando-se uma dessas crianças, a probabilidade que a sorteada
seja uma menina é 2/5. quantos meninos há nessa classe?

7) Qual a probabilidade de, ao retirar ao acaso, uma carta de um


baralho de 52 cartas, obter:
a) uma carta de copas?
b) um ás?
c) uma “figura”?
d) um três “vermelho?
Indicações:
• Caso a escola disponha de um laborátório de informática, o professor
pode iniciar a aula no laboratório, pedindo aos alunos que façam, a
partir, do site do google, uma pesquisa sobre a origem da
probabilidade.

• Ao final dessa introdução a probabilidade, o professor pode pedir que


os alunos elaborem e depois joguem o jogo Role os dados, disponível
no site http://www.mathema.com.br. Eu fiz esta atividade de jogo no
ano passado, com minhas turmas de 3° ano de um curso de formação
de professores, na rede estadual do RJ e foi muito compensador.

Bibliografia:
• Paiva, Manoel – Matemática – Volume Único – Ed. Moderna – 2005.
• Dante, Luiz Roberto – MATEMÁTICA – Volume Único – Ed. Ática –
2008.
• http://pt.wikipedia.org/wiki/Blaise_Pascal
Conteúdos e Objetivos
1. A origem da teoria das Ao final desta introdução, o aluno deverá ser
probabilidades capaz de:
2. O conceito de probabilidade
3. Definição de probabilidade • pesquisar elementos históricos na web.
• reconhecer um experimento aleatório;
• determinar o espaço amostral de um experimento
aleatório;
• formar eventos de um espaço amostral;
• determinar o número de elementos de um espaço
amostral ou de um evento;
• calcular a probabilidade de ocorrer um evento de
um espaço amostral.