10 8 7

SUPLEMENTO
DE ATIVIDADES
NOME:
N
O
: SÉRIE:
ESCOLA:
1
9
Considerado um dos mais importantes escritores de
todos os tempos, Edgar Allan Poe se inscreveu na
história da literatura mundial com seu estilo incon-
fundível. Praticamente criador da chamada literatura
policial, Poe também se dedicou ao ensaio, à poesia e ao
estudo de teoria científica, como em sua obra Eureka.
Assassinatos na rua Morgue e outras histórias é uma coletânea
de alguns dos contos mais misteriosos e representativos.
As atividades a seguir pretendem ampliar a compreensão
dessa obra e da época em que foi escrita. Desenvolva-as
após a leitura do livro, dos Diários de um Clássico, da
Contextualização Histórica e da Entrevista Imaginária.
11. Logo no começo do mesmo conto, o narrador distingue
duas formas de inteligência.
a) Quais são elas?
( ) Imaginativa e analítica versus Fantasiosa e engenhosa
( ) Preguiçosa e perversa versus Ágil e perspicaz
( ) Lenta e profunda versus Minuciosa e escrupulosa
( ) Profunda e vertical versus Superficial e rápida
b) Cada uma relaciona-se a um jogo por oposição. A oposição é:
( ) Futebol versus Natação
( ) Alpinismo versus Xadrez
( ) Dama e uíste versus Xadrez
( ) Tiro ao alvo versus Equitação
12. A que o narrador de “O gato preto” atribui sua vontade de
exterminar o gato? Em que outros contos de Poe podemos
encontrar esse instinto?
INTERTEXTUALIDADE
13. O maior representante da terceira fase do Romantismo
brasileiro (Mal do Século) é Álvares de Azevedo. Mencione
alguns pontos de contato entre ele e Edgar Allan Poe.
A seguir, responda a algumas questões relacionadas à seção
Contextualização Histórica, encontrada na parte final do livro.
14. De acordo com o que foi estudado, qual a origem da obra de
Poe? Quais são suas principais fontes e qual novo gênero ela criou?
CONTEXTUALIZAÇÃO HISTÓRICA
15. Baseando-se na pergunta anterior, extraia da Contex-
tualização Histórica dois trechos que definem o gênero de Poe
em relação aos autores que vieram antes e depois dele.
16. Leia este trecho, do escritor argentino Jorge Luis Borges:
Em A filosofia da composição, o grande romântico declara
que a execução de um poema é uma operação intelectual, não
uma dádiva da musa.
Se Poe é um “grande romântico”, como diz Borges, por que em
A filosofia da composição ele teria dito que “o poema é uma ope-
ração intelectual”? Justifique.
Agora é com você, caro leitor.
Valendo-se das orientações desta edição e das suas respostas às
atividades de leitura, elabore uma nova entrevista com o autor,
mais ou menos como a Entrevista Imaginária do final do livro.
Edgar Allan Poe, além de genial contista, também foi grande
poeta e crítico perspicaz. Você pode formular as perguntas da
entrevista e buscar em seus escritos as respostas ou fazer o
contrário, desentranhar de suas obras as respostas e então
imaginar as perguntas.
A leitura de Edgar Allan Poe é rica e vibrante, e pode sugerir
um grande número de perguntas. Pense nos conflitos e
antagonismos entre superstição e ciência, fantasia e razão,
sonho e vigília. Questione o autor como se ele estivesse na sua
frente. Procure saber como o artista transfigurou símbolos e
fantasias em obras literárias de grande qualidade.
Você pode fazer perguntas sobre seus personagens prediletos,
as situações vividas nos contos, o processo criativo do autor;
pode falar sobre o amor, a vida, a loucura, a beleza e a morte.
Também é possível que você fique curioso a respeito da época
em que viveu o autor. Como era a vida nas primeiras décadas
do século XIX, nos EUA? Pesquise e imagine as respostas de
Poe. Ou procure saciar as curiosidades mórbidas, perguntando
sobre o uso do álcool, das drogas e outras tragédias que
marcaram a vida do escritor.
Conhecemos a alegria e o prazer com que o detetive Dupin –
uma das célebres criações de Poe – exercia suas faculdades
analíticas. Para ele, certos homens tinham uma janela aberta no
lugar do coração. Banque o detetive Dupin e siga as pegadas de
Edgar Allan Poe, procure olhar através do coração do escritor
norte-americano.
Elabore suas respostas a partir de afirmações do autor, dos
personagens ou do narrador.
Bom trabalho!
A NOVA DO CADÁVER - A SUA ENTREVISTA IMAGINÁRIA
9. Quais as características predominantes dos narradores de
“O gato preto” e “O coração revelador”? Comente-as.
10. Como o narrador de “Assassinatos na rua Morgue” carac-
teriza Dupin? Descreva alguns de seus traços marcantes.
7. Em “O gato preto”, há um momento crucial em que o per-
sonagem percebe que o segundo gato era a reencarnação do
primeiro. Qual é esse momento? Quais outros elementos de-
monstram que o segundo gato também é maligno?
8. As primeiras páginas de “O poço e o pêndulo” são uma
obra-prima narrativa que produzem vertigem no leitor. Na sua
opinião, como o autor consegue esse efeito?
3 5 6
2 4
UMA OBRA CLÁSSICA
O NARRADOR
PERSONAGENS
1. De acordo com o que foi estudado, indique os elementos mais
importantes da obra Assassinatos na rua Morgue e outras histórias.
2. Apesar de ter muitos traços característicos do Romantismo (a
realidade vaga, o idealismo, o mundo sombrio e subjetivo), por
que os contos de Poe não se vinculam apenas a essa estética?
3. Há uma semelhança entre dois contos de Poe que tratam da
morte: “A máscara da Morte Rubra” e “O retrato oval”. Qual seria ela?
4. No conto que dá título ao livro, em que momento percebe-
mos que o assassino não é um assassino comum? Por quê?
5.Nos Diários de um Clássico, há uma divisão da obra de Poe em
quatro categorias: detetivesca, de possessão, criptográfica e de aven-
tura. Cite um trecho ou aspecto de algum conto que ilustre cada
uma delas.
Detetivesca:
Possessão:
A NARRATIVA
Criptográfica:
Aventura:
6. Ligue as duas colunas:
1. Detetivesca
2. Possessão
3. Criptográfica
4. Aventura
a) “O escaravelho de ouro”
b) “O poço e o pêndulo”
c) “Assassinatos na rua Morgue”
d) “O mistério de Marie Rogêt”
e) “A carta roubada”
f) “O gato preto”
g) “O retrato oval”
h) “O coração revelador”
i) “A máscara da Morte Rubra”
j) “A queda da casa dos Usher”
9. Quais as características predominantes dos narradores de
“O gato preto” e “O coração revelador”? Comente-as.
10. Como o narrador de “Assassinatos na rua Morgue” carac-
teriza Dupin? Descreva alguns de seus traços marcantes.
7. Em “O gato preto”, há um momento crucial em que o per-
sonagem percebe que o segundo gato era a reencarnação do
primeiro. Qual é esse momento? Quais outros elementos de-
monstram que o segundo gato também é maligno?
8. As primeiras páginas de “O poço e o pêndulo” são uma
obra-prima narrativa que produzem vertigem no leitor. Na sua
opinião, como o autor consegue esse efeito?
3 5 6
2 4
UMA OBRA CLÁSSICA
O NARRADOR
PERSONAGENS
1. De acordo com o que foi estudado, indique os elementos mais
importantes da obra Assassinatos na rua Morgue e outras histórias.
2. Apesar de ter muitos traços característicos do Romantismo (a
realidade vaga, o idealismo, o mundo sombrio e subjetivo), por
que os contos de Poe não se vinculam apenas a essa estética?
3. Há uma semelhança entre dois contos de Poe que tratam da
morte: “A máscara da Morte Rubra” e “O retrato oval”. Qual seria ela?
4. No conto que dá título ao livro, em que momento percebe-
mos que o assassino não é um assassino comum? Por quê?
5.Nos Diários de um Clássico, há uma divisão da obra de Poe em
quatro categorias: detetivesca, de possessão, criptográfica e de aven-
tura. Cite um trecho ou aspecto de algum conto que ilustre cada
uma delas.
Detetivesca:
Possessão:
A NARRATIVA
Criptográfica:
Aventura:
6. Ligue as duas colunas:
1. Detetivesca
2. Possessão
3. Criptográfica
4. Aventura
a) “O escaravelho de ouro”
b) “O poço e o pêndulo”
c) “Assassinatos na rua Morgue”
d) “O mistério de Marie Rogêt”
e) “A carta roubada”
f) “O gato preto”
g) “O retrato oval”
h) “O coração revelador”
i) “A máscara da Morte Rubra”
j) “A queda da casa dos Usher”
9. Quais as características predominantes dos narradores de
“O gato preto” e “O coração revelador”? Comente-as.
10. Como o narrador de “Assassinatos na rua Morgue” carac-
teriza Dupin? Descreva alguns de seus traços marcantes.
7. Em “O gato preto”, há um momento crucial em que o per-
sonagem percebe que o segundo gato era a reencarnação do
primeiro. Qual é esse momento? Quais outros elementos de-
monstram que o segundo gato também é maligno?
8. As primeiras páginas de “O poço e o pêndulo” são uma
obra-prima narrativa que produzem vertigem no leitor. Na sua
opinião, como o autor consegue esse efeito?
3 5 6
2 4
UMA OBRA CLÁSSICA
O NARRADOR
PERSONAGENS
1. De acordo com o que foi estudado, indique os elementos mais
importantes da obra Assassinatos na rua Morgue e outras histórias.
2. Apesar de ter muitos traços característicos do Romantismo (a
realidade vaga, o idealismo, o mundo sombrio e subjetivo), por
que os contos de Poe não se vinculam apenas a essa estética?
3. Há uma semelhança entre dois contos de Poe que tratam da
morte: “A máscara da Morte Rubra” e “O retrato oval”. Qual seria ela?
4. No conto que dá título ao livro, em que momento percebe-
mos que o assassino não é um assassino comum? Por quê?
5.Nos Diários de um Clássico, há uma divisão da obra de Poe em
quatro categorias: detetivesca, de possessão, criptográfica e de aven-
tura. Cite um trecho ou aspecto de algum conto que ilustre cada
uma delas.
Detetivesca:
Possessão:
A NARRATIVA
Criptográfica:
Aventura:
6. Ligue as duas colunas:
1. Detetivesca
2. Possessão
3. Criptográfica
4. Aventura
a) “O escaravelho de ouro”
b) “O poço e o pêndulo”
c) “Assassinatos na rua Morgue”
d) “O mistério de Marie Rogêt”
e) “A carta roubada”
f) “O gato preto”
g) “O retrato oval”
h) “O coração revelador”
i) “A máscara da Morte Rubra”
j) “A queda da casa dos Usher”
9. Quais as características predominantes dos narradores de
“O gato preto” e “O coração revelador”? Comente-as.
10. Como o narrador de “Assassinatos na rua Morgue” carac-
teriza Dupin? Descreva alguns de seus traços marcantes.
7. Em “O gato preto”, há um momento crucial em que o per-
sonagem percebe que o segundo gato era a reencarnação do
primeiro. Qual é esse momento? Quais outros elementos de-
monstram que o segundo gato também é maligno?
8. As primeiras páginas de “O poço e o pêndulo” são uma
obra-prima narrativa que produzem vertigem no leitor. Na sua
opinião, como o autor consegue esse efeito?
3 5 6
2 4
UMA OBRA CLÁSSICA
O NARRADOR
PERSONAGENS
1. De acordo com o que foi estudado, indique os elementos mais
importantes da obra Assassinatos na rua Morgue e outras histórias.
2. Apesar de ter muitos traços característicos do Romantismo (a
realidade vaga, o idealismo, o mundo sombrio e subjetivo), por
que os contos de Poe não se vinculam apenas a essa estética?
3. Há uma semelhança entre dois contos de Poe que tratam da
morte: “A máscara da Morte Rubra” e “O retrato oval”. Qual seria ela?
4. No conto que dá título ao livro, em que momento percebe-
mos que o assassino não é um assassino comum? Por quê?
5.Nos Diários de um Clássico, há uma divisão da obra de Poe em
quatro categorias: detetivesca, de possessão, criptográfica e de aven-
tura. Cite um trecho ou aspecto de algum conto que ilustre cada
uma delas.
Detetivesca:
Possessão:
A NARRATIVA
Criptográfica:
Aventura:
6. Ligue as duas colunas:
1. Detetivesca
2. Possessão
3. Criptográfica
4. Aventura
a) “O escaravelho de ouro”
b) “O poço e o pêndulo”
c) “Assassinatos na rua Morgue”
d) “O mistério de Marie Rogêt”
e) “A carta roubada”
f) “O gato preto”
g) “O retrato oval”
h) “O coração revelador”
i) “A máscara da Morte Rubra”
j) “A queda da casa dos Usher”
9. Quais as características predominantes dos narradores de
“O gato preto” e “O coração revelador”? Comente-as.
10. Como o narrador de “Assassinatos na rua Morgue” carac-
teriza Dupin? Descreva alguns de seus traços marcantes.
7. Em “O gato preto”, há um momento crucial em que o per-
sonagem percebe que o segundo gato era a reencarnação do
primeiro. Qual é esse momento? Quais outros elementos de-
monstram que o segundo gato também é maligno?
8. As primeiras páginas de “O poço e o pêndulo” são uma
obra-prima narrativa que produzem vertigem no leitor. Na sua
opinião, como o autor consegue esse efeito?
3 5 6
2 4
UMA OBRA CLÁSSICA
O NARRADOR
PERSONAGENS
1. De acordo com o que foi estudado, indique os elementos mais
importantes da obra Assassinatos na rua Morgue e outras histórias.
2. Apesar de ter muitos traços característicos do Romantismo (a
realidade vaga, o idealismo, o mundo sombrio e subjetivo), por
que os contos de Poe não se vinculam apenas a essa estética?
3. Há uma semelhança entre dois contos de Poe que tratam da
morte: “A máscara da Morte Rubra” e “O retrato oval”. Qual seria ela?
4. No conto que dá título ao livro, em que momento percebe-
mos que o assassino não é um assassino comum? Por quê?
5.Nos Diários de um Clássico, há uma divisão da obra de Poe em
quatro categorias: detetivesca, de possessão, criptográfica e de aven-
tura. Cite um trecho ou aspecto de algum conto que ilustre cada
uma delas.
Detetivesca:
Possessão:
A NARRATIVA
Criptográfica:
Aventura:
6. Ligue as duas colunas:
1. Detetivesca
2. Possessão
3. Criptográfica
4. Aventura
a) “O escaravelho de ouro”
b) “O poço e o pêndulo”
c) “Assassinatos na rua Morgue”
d) “O mistério de Marie Rogêt”
e) “A carta roubada”
f) “O gato preto”
g) “O retrato oval”
h) “O coração revelador”
i) “A máscara da Morte Rubra”
j) “A queda da casa dos Usher”
10 8 7
SUPLEMENTO
DE ATIVIDADES
NOME:
N
O
: SÉRIE:
ESCOLA:
1
9
Considerado um dos mais importantes escritores de
todos os tempos, Edgar Allan Poe se inscreveu na
história da literatura mundial com seu estilo incon-
fundível. Praticamente criador da chamada literatura
policial, Poe também se dedicou ao ensaio, à poesia e ao
estudo de teoria científica, como em sua obra Eureka.
Assassinatos na rua Morgue e outras histórias é uma coletânea
de alguns dos contos mais misteriosos e representativos.
As atividades a seguir pretendem ampliar a compreensão
dessa obra e da época em que foi escrita. Desenvolva-as
após a leitura do livro, dos Diários de um Clássico, da
Contextualização Histórica e da Entrevista Imaginária.
11. Logo no começo do mesmo conto, o narrador distingue
duas formas de inteligência.
a) Quais são elas?
( ) Imaginativa e analítica versus Fantasiosa e engenhosa
( ) Preguiçosa e perversa versus Ágil e perspicaz
( ) Lenta e profunda versus Minuciosa e escrupulosa
( ) Profunda e vertical versus Superficial e rápida
b) Cada uma relaciona-se a um jogo por oposição. A oposição é:
( ) Futebol versus Natação
( ) Alpinismo versus Xadrez
( ) Dama e uíste versus Xadrez
( ) Tiro ao alvo versus Equitação
12. A que o narrador de “O gato preto” atribui sua vontade de
exterminar o gato? Em que outros contos de Poe podemos
encontrar esse instinto?
INTERTEXTUALIDADE
13. O maior representante da terceira fase do Romantismo
brasileiro (Mal do Século) é Álvares de Azevedo. Mencione
alguns pontos de contato entre ele e Edgar Allan Poe.
A seguir, responda a algumas questões relacionadas à seção
Contextualização Histórica, encontrada na parte final do livro.
14. De acordo com o que foi estudado, qual a origem da obra de
Poe? Quais são suas principais fontes e qual novo gênero ela criou?
CONTEXTUALIZAÇÃO HISTÓRICA
15. Baseando-se na pergunta anterior, extraia da Contex-
tualização Histórica dois trechos que definem o gênero de Poe
em relação aos autores que vieram antes e depois dele.
16. Leia este trecho, do escritor argentino Jorge Luis Borges:
Em A filosofia da composição, o grande romântico declara
que a execução de um poema é uma operação intelectual, não
uma dádiva da musa.
Se Poe é um “grande romântico”, como diz Borges, por que em
A filosofia da composição ele teria dito que “o poema é uma ope-
ração intelectual”? Justifique.
Agora é com você, caro leitor.
Valendo-se das orientações desta edição e das suas respostas às
atividades de leitura, elabore uma nova entrevista com o autor,
mais ou menos como a Entrevista Imaginária do final do livro.
Edgar Allan Poe, além de genial contista, também foi grande
poeta e crítico perspicaz. Você pode formular as perguntas da
entrevista e buscar em seus escritos as respostas ou fazer o
contrário, desentranhar de suas obras as respostas e então
imaginar as perguntas.
A leitura de Edgar Allan Poe é rica e vibrante, e pode sugerir
um grande número de perguntas. Pense nos conflitos e
antagonismos entre superstição e ciência, fantasia e razão,
sonho e vigília. Questione o autor como se ele estivesse na sua
frente. Procure saber como o artista transfigurou símbolos e
fantasias em obras literárias de grande qualidade.
Você pode fazer perguntas sobre seus personagens prediletos,
as situações vividas nos contos, o processo criativo do autor;
pode falar sobre o amor, a vida, a loucura, a beleza e a morte.
Também é possível que você fique curioso a respeito da época
em que viveu o autor. Como era a vida nas primeiras décadas
do século XIX, nos EUA? Pesquise e imagine as respostas de
Poe. Ou procure saciar as curiosidades mórbidas, perguntando
sobre o uso do álcool, das drogas e outras tragédias que
marcaram a vida do escritor.
Conhecemos a alegria e o prazer com que o detetive Dupin –
uma das célebres criações de Poe – exercia suas faculdades
analíticas. Para ele, certos homens tinham uma janela aberta no
lugar do coração. Banque o detetive Dupin e siga as pegadas de
Edgar Allan Poe, procure olhar através do coração do escritor
norte-americano.
Elabore suas respostas a partir de afirmações do autor, dos
personagens ou do narrador.
Bom trabalho!
A NOVA DO CADÁVER - A SUA ENTREVISTA IMAGINÁRIA
10 8 7
SUPLEMENTO
DE ATIVIDADES
NOME:
N
O
: SÉRIE:
ESCOLA:
1
9
Considerado um dos mais importantes escritores de
todos os tempos, Edgar Allan Poe se inscreveu na
história da literatura mundial com seu estilo incon-
fundível. Praticamente criador da chamada literatura
policial, Poe também se dedicou ao ensaio, à poesia e ao
estudo de teoria científica, como em sua obra Eureka.
Assassinatos na rua Morgue e outras histórias é uma coletânea
de alguns dos contos mais misteriosos e representativos.
As atividades a seguir pretendem ampliar a compreensão
dessa obra e da época em que foi escrita. Desenvolva-as
após a leitura do livro, dos Diários de um Clássico, da
Contextualização Histórica e da Entrevista Imaginária.
11. Logo no começo do mesmo conto, o narrador distingue
duas formas de inteligência.
a) Quais são elas?
( ) Imaginativa e analítica versus Fantasiosa e engenhosa
( ) Preguiçosa e perversa versus Ágil e perspicaz
( ) Lenta e profunda versus Minuciosa e escrupulosa
( ) Profunda e vertical versus Superficial e rápida
b) Cada uma relaciona-se a um jogo por oposição. A oposição é:
( ) Futebol versus Natação
( ) Alpinismo versus Xadrez
( ) Dama e uíste versus Xadrez
( ) Tiro ao alvo versus Equitação
12. A que o narrador de “O gato preto” atribui sua vontade de
exterminar o gato? Em que outros contos de Poe podemos
encontrar esse instinto?
INTERTEXTUALIDADE
13. O maior representante da terceira fase do Romantismo
brasileiro (Mal do Século) é Álvares de Azevedo. Mencione
alguns pontos de contato entre ele e Edgar Allan Poe.
A seguir, responda a algumas questões relacionadas à seção
Contextualização Histórica, encontrada na parte final do livro.
14. De acordo com o que foi estudado, qual a origem da obra de
Poe? Quais são suas principais fontes e qual novo gênero ela criou?
CONTEXTUALIZAÇÃO HISTÓRICA
15. Baseando-se na pergunta anterior, extraia da Contex-
tualização Histórica dois trechos que definem o gênero de Poe
em relação aos autores que vieram antes e depois dele.
16. Leia este trecho, do escritor argentino Jorge Luis Borges:
Em A filosofia da composição, o grande romântico declara
que a execução de um poema é uma operação intelectual, não
uma dádiva da musa.
Se Poe é um “grande romântico”, como diz Borges, por que em
A filosofia da composição ele teria dito que “o poema é uma ope-
ração intelectual”? Justifique.
Agora é com você, caro leitor.
Valendo-se das orientações desta edição e das suas respostas às
atividades de leitura, elabore uma nova entrevista com o autor,
mais ou menos como a Entrevista Imaginária do final do livro.
Edgar Allan Poe, além de genial contista, também foi grande
poeta e crítico perspicaz. Você pode formular as perguntas da
entrevista e buscar em seus escritos as respostas ou fazer o
contrário, desentranhar de suas obras as respostas e então
imaginar as perguntas.
A leitura de Edgar Allan Poe é rica e vibrante, e pode sugerir
um grande número de perguntas. Pense nos conflitos e
antagonismos entre superstição e ciência, fantasia e razão,
sonho e vigília. Questione o autor como se ele estivesse na sua
frente. Procure saber como o artista transfigurou símbolos e
fantasias em obras literárias de grande qualidade.
Você pode fazer perguntas sobre seus personagens prediletos,
as situações vividas nos contos, o processo criativo do autor;
pode falar sobre o amor, a vida, a loucura, a beleza e a morte.
Também é possível que você fique curioso a respeito da época
em que viveu o autor. Como era a vida nas primeiras décadas
do século XIX, nos EUA? Pesquise e imagine as respostas de
Poe. Ou procure saciar as curiosidades mórbidas, perguntando
sobre o uso do álcool, das drogas e outras tragédias que
marcaram a vida do escritor.
Conhecemos a alegria e o prazer com que o detetive Dupin –
uma das célebres criações de Poe – exercia suas faculdades
analíticas. Para ele, certos homens tinham uma janela aberta no
lugar do coração. Banque o detetive Dupin e siga as pegadas de
Edgar Allan Poe, procure olhar através do coração do escritor
norte-americano.
Elabore suas respostas a partir de afirmações do autor, dos
personagens ou do narrador.
Bom trabalho!
A NOVA DO CADÁVER - A SUA ENTREVISTA IMAGINÁRIA
10 8 7
SUPLEMENTO
DE ATIVIDADES
NOME:
N
O
: SÉRIE:
ESCOLA:
1
9
Considerado um dos mais importantes escritores de
todos os tempos, Edgar Allan Poe se inscreveu na
história da literatura mundial com seu estilo incon-
fundível. Praticamente criador da chamada literatura
policial, Poe também se dedicou ao ensaio, à poesia e ao
estudo de teoria científica, como em sua obra Eureka.
Assassinatos na rua Morgue e outras histórias é uma coletânea
de alguns dos contos mais misteriosos e representativos.
As atividades a seguir pretendem ampliar a compreensão
dessa obra e da época em que foi escrita. Desenvolva-as
após a leitura do livro, dos Diários de um Clássico, da
Contextualização Histórica e da Entrevista Imaginária.
11. Logo no começo do mesmo conto, o narrador distingue
duas formas de inteligência.
a) Quais são elas?
( ) Imaginativa e analítica versus Fantasiosa e engenhosa
( ) Preguiçosa e perversa versus Ágil e perspicaz
( ) Lenta e profunda versus Minuciosa e escrupulosa
( ) Profunda e vertical versus Superficial e rápida
b) Cada uma relaciona-se a um jogo por oposição. A oposição é:
( ) Futebol versus Natação
( ) Alpinismo versus Xadrez
( ) Dama e uíste versus Xadrez
( ) Tiro ao alvo versus Equitação
12. A que o narrador de “O gato preto” atribui sua vontade de
exterminar o gato? Em que outros contos de Poe podemos
encontrar esse instinto?
INTERTEXTUALIDADE
13. O maior representante da terceira fase do Romantismo
brasileiro (Mal do Século) é Álvares de Azevedo. Mencione
alguns pontos de contato entre ele e Edgar Allan Poe.
A seguir, responda a algumas questões relacionadas à seção
Contextualização Histórica, encontrada na parte final do livro.
14. De acordo com o que foi estudado, qual a origem da obra de
Poe? Quais são suas principais fontes e qual novo gênero ela criou?
CONTEXTUALIZAÇÃO HISTÓRICA
15. Baseando-se na pergunta anterior, extraia da Contex-
tualização Histórica dois trechos que definem o gênero de Poe
em relação aos autores que vieram antes e depois dele.
16. Leia este trecho, do escritor argentino Jorge Luis Borges:
Em A filosofia da composição, o grande romântico declara
que a execução de um poema é uma operação intelectual, não
uma dádiva da musa.
Se Poe é um “grande romântico”, como diz Borges, por que em
A filosofia da composição ele teria dito que “o poema é uma ope-
ração intelectual”? Justifique.
Agora é com você, caro leitor.
Valendo-se das orientações desta edição e das suas respostas às
atividades de leitura, elabore uma nova entrevista com o autor,
mais ou menos como a Entrevista Imaginária do final do livro.
Edgar Allan Poe, além de genial contista, também foi grande
poeta e crítico perspicaz. Você pode formular as perguntas da
entrevista e buscar em seus escritos as respostas ou fazer o
contrário, desentranhar de suas obras as respostas e então
imaginar as perguntas.
A leitura de Edgar Allan Poe é rica e vibrante, e pode sugerir
um grande número de perguntas. Pense nos conflitos e
antagonismos entre superstição e ciência, fantasia e razão,
sonho e vigília. Questione o autor como se ele estivesse na sua
frente. Procure saber como o artista transfigurou símbolos e
fantasias em obras literárias de grande qualidade.
Você pode fazer perguntas sobre seus personagens prediletos,
as situações vividas nos contos, o processo criativo do autor;
pode falar sobre o amor, a vida, a loucura, a beleza e a morte.
Também é possível que você fique curioso a respeito da época
em que viveu o autor. Como era a vida nas primeiras décadas
do século XIX, nos EUA? Pesquise e imagine as respostas de
Poe. Ou procure saciar as curiosidades mórbidas, perguntando
sobre o uso do álcool, das drogas e outras tragédias que
marcaram a vida do escritor.
Conhecemos a alegria e o prazer com que o detetive Dupin –
uma das célebres criações de Poe – exercia suas faculdades
analíticas. Para ele, certos homens tinham uma janela aberta no
lugar do coração. Banque o detetive Dupin e siga as pegadas de
Edgar Allan Poe, procure olhar através do coração do escritor
norte-americano.
Elabore suas respostas a partir de afirmações do autor, dos
personagens ou do narrador.
Bom trabalho!
A NOVA DO CADÁVER - A SUA ENTREVISTA IMAGINÁRIA
10 8 7
SUPLEMENTO
DE ATIVIDADES
NOME:
N
O
: SÉRIE:
ESCOLA:
1
9
Considerado um dos mais importantes escritores de
todos os tempos, Edgar Allan Poe se inscreveu na
história da literatura mundial com seu estilo incon-
fundível. Praticamente criador da chamada literatura
policial, Poe também se dedicou ao ensaio, à poesia e ao
estudo de teoria científica, como em sua obra Eureka.
Assassinatos na rua Morgue e outras histórias é uma coletânea
de alguns dos contos mais misteriosos e representativos.
As atividades a seguir pretendem ampliar a compreensão
dessa obra e da época em que foi escrita. Desenvolva-as
após a leitura do livro, dos Diários de um Clássico, da
Contextualização Histórica e da Entrevista Imaginária.
11. Logo no começo do mesmo conto, o narrador distingue
duas formas de inteligência.
a) Quais são elas?
( ) Imaginativa e analítica versus Fantasiosa e engenhosa
( ) Preguiçosa e perversa versus Ágil e perspicaz
( ) Lenta e profunda versus Minuciosa e escrupulosa
( ) Profunda e vertical versus Superficial e rápida
b) Cada uma relaciona-se a um jogo por oposição. A oposição é:
( ) Futebol versus Natação
( ) Alpinismo versus Xadrez
( ) Dama e uíste versus Xadrez
( ) Tiro ao alvo versus Equitação
12. A que o narrador de “O gato preto” atribui sua vontade de
exterminar o gato? Em que outros contos de Poe podemos
encontrar esse instinto?
INTERTEXTUALIDADE
13. O maior representante da terceira fase do Romantismo
brasileiro (Mal do Século) é Álvares de Azevedo. Mencione
alguns pontos de contato entre ele e Edgar Allan Poe.
A seguir, responda a algumas questões relacionadas à seção
Contextualização Histórica, encontrada na parte final do livro.
14. De acordo com o que foi estudado, qual a origem da obra de
Poe? Quais são suas principais fontes e qual novo gênero ela criou?
CONTEXTUALIZAÇÃO HISTÓRICA
15. Baseando-se na pergunta anterior, extraia da Contex-
tualização Histórica dois trechos que definem o gênero de Poe
em relação aos autores que vieram antes e depois dele.
16. Leia este trecho, do escritor argentino Jorge Luis Borges:
Em A filosofia da composição, o grande romântico declara
que a execução de um poema é uma operação intelectual, não
uma dádiva da musa.
Se Poe é um “grande romântico”, como diz Borges, por que em
A filosofia da composição ele teria dito que “o poema é uma ope-
ração intelectual”? Justifique.
Agora é com você, caro leitor.
Valendo-se das orientações desta edição e das suas respostas às
atividades de leitura, elabore uma nova entrevista com o autor,
mais ou menos como a Entrevista Imaginária do final do livro.
Edgar Allan Poe, além de genial contista, também foi grande
poeta e crítico perspicaz. Você pode formular as perguntas da
entrevista e buscar em seus escritos as respostas ou fazer o
contrário, desentranhar de suas obras as respostas e então
imaginar as perguntas.
A leitura de Edgar Allan Poe é rica e vibrante, e pode sugerir
um grande número de perguntas. Pense nos conflitos e
antagonismos entre superstição e ciência, fantasia e razão,
sonho e vigília. Questione o autor como se ele estivesse na sua
frente. Procure saber como o artista transfigurou símbolos e
fantasias em obras literárias de grande qualidade.
Você pode fazer perguntas sobre seus personagens prediletos,
as situações vividas nos contos, o processo criativo do autor;
pode falar sobre o amor, a vida, a loucura, a beleza e a morte.
Também é possível que você fique curioso a respeito da época
em que viveu o autor. Como era a vida nas primeiras décadas
do século XIX, nos EUA? Pesquise e imagine as respostas de
Poe. Ou procure saciar as curiosidades mórbidas, perguntando
sobre o uso do álcool, das drogas e outras tragédias que
marcaram a vida do escritor.
Conhecemos a alegria e o prazer com que o detetive Dupin –
uma das célebres criações de Poe – exercia suas faculdades
analíticas. Para ele, certos homens tinham uma janela aberta no
lugar do coração. Banque o detetive Dupin e siga as pegadas de
Edgar Allan Poe, procure olhar através do coração do escritor
norte-americano.
Elabore suas respostas a partir de afirmações do autor, dos
personagens ou do narrador.
Bom trabalho!
A NOVA DO CADÁVER - A SUA ENTREVISTA IMAGINÁRIA

Sign up to vote on this title
UsefulNot useful