1

DIREITO ADMINISTRATIVO I
Professor Daniel Barreto
04/02/2014
Avaliaçes!
" Provas!
1ª Prova: 14/03/14 25 pontos (individual e escrita).
2ª Prova: 15/04/14 25 pontos (individual e escrita).
" Tra#al$os! serão distribuídos 20 pontos e trabal!os e"tra sala.
Provavelente serão 03 trabal!os# sendo $ue dois valerão 05 pontos cada% e
u valer& 10 pontos. 'rabal!os serão reali(ados individualente.
" Prova %lo#al! 30 pontos. 15 a 20 $uest)es de *ltipla escol!a.
E&e'(los )e *+estes )e (rova!
1+ ,pre-ado P*blico .eletista possui estabilidade/
2+ 0unicípio te .opet1ncia 2dinistrativa para criar 3r-ãos
P*blicos/ 4i# o 0unicípio possui 2utonoia 2dinistrativa.
3+ Pre5eito pode criar .ar-o P*blico ediante 6ecreto/ 7ão.
Bi#lio,rafia!
8er Plano )e Ensino postado no 492.
+ .elso 2nt:nio ;andeira de 0ello (para o pro5essor < o ais indicado)%
+ 6io-o de =i-ueiredo (outro indicado)%
+ >os< dos 4antos .arval!o =il!o (outro indicado)%
+ 0aria 4?lvia%
>&der 2ra*@o A 2014
2
+ 0arcelo 2le"andrino%
+ Bdete 0edauar%
+ 0arCal >usten =il!o.
6isciplinas $ue re-e o ,stado Daos do 6ireito P*blico.
,"eplo: 6ireito 2dinistrativo# u 6ireito $ue < 6ireito P*blico#
prieiro por$ue trata da 2dinistraCão P*blica# por$ue o 6ireito 2dinistrativo
re-ula/re-e o ,stado 2dinistrativo.
B 6ireito 2dinistrativo < 6ireito P*blico por v&rios aspectos.
E u 6ireito $ue re-ula o ,stado no e"ercício da =unCão 2dinistrativa.
1" Intro)+ç-o.
" Prin/0(ios! o Princípio $ue re-e o ,stado < o Prin/0(io )a
I'(essoali)a)e% daí# por e"eplo# < $ue proíbe+se o 7epotiso# a pr&tica de
atos $ue ten!a coo 5undaento laCos san-uíneos entre noeante e
noeado# e/ou outros interesses não P*blicos.
8ale lebrar $ue no Fbito das relaC)es Privadas não proíbe+se o
7epotiso# o ,stado não se iporta co isso.
Bs dois Princípios &"ios do 6ireito P*blico são o Prin/0(io )a
S+(re'a/ia )o Interesse P1#li/o so#re o Priva)o% e o Prin/0(io )a
In)is(oni#ili)a)e )o Interesse P1#li/o. ,stes Princípios 5ora o De-ie
>urídico 2dinistrativo.
Bnde est& a 4upreacia do 6ireito P*blico sobre o Privado/
Podeos responder citando coo e"eplo a desapropriaCão (tira+se do
Privado# do particular para bene5iciar o P*blico).
>&der 2ra*@o A 2014
3
E prGprio de u .ontrato 2dinistrativo a assietria# te certos
interesses le-ais $ue perite $ue o ,stado altere o .ontrato# $ue
penali(e/sancione o contratado% pode encapar (toar posse) de bens e
serviCos do particular para a reali(aCão dos interesses p*blicos.
2" A)'inistraç-o P1#li/a!
E o ob@eto da 7ora 2dinistrativa.
Hue 5a( parte da 2dinistraCão P*blica/ 2 '20 5a( parte da
2dinistraCão P*blica/ , o ;anco do ;rasil/ Ia ,presa terceiri(ada 5a(
parte/ , ua =undaCão Privada $ue recebe din!eiro do 9overno para 5ins
sociais/ , os .onsel!os (.D0# .DB# por e"eplo)/ , o 4,4J# 4,72J# 4,4./
'odas 5a(e parte# e al-u sentido# da 2dinistraCão P*blica# as
tudo < separado pela 6outrina# estas ,ntidades são uito di5erentes# as cada
ua delas e"erce =unCão 2dinistrativa.
7ão se pode# no entanto# coparar ua =undaCão Privada $ue recebe
din!eiro p*blico a ua 2utar$uia. B De-ie >urídico de u ;anco do ;rasil <
uito di5erente do De-ie >urídico de u .D0 (.onsel!o De-ional de
0edicina).
2" O Ele'ento 3+'ano )a A)'inistraç-o P1#li/a!
Bs 2-entes P*blicos são o $ue a 2dinistraCão P*blica te de !uano.
2utar$uia não < -ente# < Pessoa >urídica criada pelo ,stado para
prestar o 4erviCo P*blico# lo-o# não < 2-ente P*blico.
2-ente P*blico < o ser !uano# < u .ai"a do ;anco do ;rasil# u
=uncion&rio/4ervidor tepor&rio# o >urado# etc.
2trav<s dos 2-entes P*blicos < $ue o ,stado reali(a a sua vontade#
vontade esta $ue est& na Kei. Huando o 2-ente P*blico aplica ua ulta# ua
penalidade# ele est& ani5estando a vontade do ,stado.
>&der 2ra*@o A 2014
4
'rabal!ador 91nero Pro5essor# 0<dico# ,n5ereiro# ,n-en!eiro#
tudo < trabal!o. B 2-ente P*blico te esta dupla nature(a# te noras $ue
aplica+se a ele coo se trabal!ador 5osse% e te noras $ue aplica+se a
ele coo 4ervidor P*blico.
4" Ato A)'inistrativo!
B 2to 2dinistrativo < ua esp<cie de 2to >urídico.
8ereos os vícios (abuso de poder# por e"eplo) do 2to 2dinistrativo.
B 2to 2dinistrativo < praticado pelo 2-ente P*blico no e"ercício da
=unCão 2dinistrativa.
OBS.!
B 6ireito 2dinistrativo não < .odi5icado# te 6outrinas.
04/02/2014
5+nç-o A)'inistrativa: cople"o de atividades $ue o ,stado presta
para o P*blico:
+ 2dinistrar ;ens P*blicos%
+ 4erviCo P*blico%
+ Poder P*blico%
+ Poder de Polícia%
+ JntervenCão do ,stado na Propriedade%
+ Bbras P*blicas.
>&der 2ra*@o A 2014
5
2 =unCão 2dinistrativa visa a satisfaç-o )o interesse P1#li/o#
buscando ,arantir os interesses So/iais# a i'(le'entaç-o )os Direitos
5+n)a'entais.
5+nç-o A)'inistrativa 'eio! KicitaCão (e".: ,stado coprar a-ul!as#
lenCGis# etc. Huando o ,stado ad$uire al-o do Privado)% .ontratos% .oncurso
P*blico% Plane@aento% .ontrole (2uditorias# .orre-edorias)% .ontabilidade
P*blica% ,"ecuCão de Kei BrCaent&ria.
4ão 5eitas para (er'itir *+e a ativi)a)e fi' se6a #e' e'(re,a)a.
1" Prin/0(ios )o Direito A)'inistrativo.
2" Po)eres )a A)'inistraç-o P1#li/a.
2" %overno e A)'inistraç-o P1#li/a.
4" A)'inistraç-o P1#li/a.
4ão Po)eres )a A)'inistraç-o P1#li/a:
" Po)er )e Pol0/ia A)'inistrativa! para estabelecer as re-ras# reali(ar
os ob@etivos coletivos# aplicar a Kei. Poder de 5is/ali7aç-o.
" Po)er Dis/ri/ion8rio! Poder >urídico de es/ol$a 5eito pelo Ke-islador
para $ue o 2dinistrador adinistre el!or.
" Po)er A)'inistrativo!
1" E' relaç-o aos Servi)ores!
>&der 2ra*@o A 2014
6
" Po)er 3ier8r*+i/o! as posiC)es dos indivíduos são or-ani(adas
se-undo a e"ist1ncia de poder.
11/02/2014
Direito A)'inistrativo.
1" 9on/eito.
2" Ori,e'.
2" Desenvolvi'ento.
7oras $ue estabelece Prerro-ativas%
7oras $ue estabelece DestriC)es.
5+nç-o A)'inistrativa coo ori-e ve a 7ora 2dinistrativa
Kiberdade# J-ualdade# 6eocracia.
,stado 4ocial de 6ireito# Kiberal e 6eocr&tico.
Pouco desenvolvida# anter a Polícia# o ,"<rcito# 'ributaCão#
6iploacia% poucas obras# 4a*de# pouca JntervenCão ,statal.
>&der 2ra*@o A 2014
7
S:/+lo ;I; 0aior 6esenvolviento e JntervenCão ,statal# prestando
4erviCo P*blico e intervindo na ,conoia.
4" 9ara/ter0sti/as 9onte'(or<neas )o Direito A)'inistrativo!
+ 0aior (arti/i(aç-o )a So/ie)a)e 9ivil e )o Mer/a)o no 4erviCo da
=unCão 2dinistrativa. B odelo de ,stado anti-o perdeu 5orCa na d<cada de
L0% o ,stado passou a pensar na 4ociedade .ivil para ser 2-ente no 4erviCo
da =unCão 2dinistrativa.
+ E&(loran)o e/ono'i/a'ente o Serviço P1#li/o (aior participaCão
da ,presa Privada)# o ,stado para de 5ornecer e passa para o Privado.
+ 9on/ession8rias e Per'ission8rias )e Serviços P1#li/os.
9on/ession8rias coopera e serviCos duradouros e cople"os. B tepo de
e"ploraCão de serviCo < aior. Per'ission8rias deanda enos tepo e
enos verba para reali(aCão do serviCo.
Or,ani7aç-o )a So/ie)a)e 9ivil nos Interesses P1#li/os "
OS9IP=s.
+ >r#ani7aç-o devido ao -rande auento populacional# i-raCão do
eio rural para o urbano. 7ecessidade de Bbras P*blicas# 4a*de# ,ducaCão#
novas deandas. ,stado+2dinistraCão ais presente# JntervenCão do ,stado
de 5ora ais cople"a.
+ 2doCão de A)'inistraç-o P1#li/a %eren/ial. ;usca .ontrole e
Desultados. B ,stado# al< do .ontrole# precisa -erar resultados. ;o
Plane@aento# 9estão dos Decursos# ;ens para produCão de el!ores
resultados. 7ão !ouve udanCa de odelo. B ,stado precisa e"ercer controle
sobre suas atividades. 'udo isso visando resultados 4ociais# e não
,con:icos.

14/02/2014
>&der 2ra*@o A 2014
8
1" 9o'(et?n/ia @e,islativa.
2" 5ontes.
2" Prin/0(ios.
1" 9o'(et?n/ia @e,islativa.
B nosso 6ireito 2dinistrativo# $uanto M .opet1ncia# prov< dos 03
,ntes ,statais (art. 1AB 95/AA)% tudo o $ue < de 6ireito 2dinistrativo os ,ntes
,statais pode le-islar. ,sta < a A+tono'ia A)'inistrativa.
Art. 1A + 2 or-ani(aCão político+adinistrativa da Dep*blica =ederativa
do ;rasil copreende a Inião# os ,stados# o 6istrito =ederal e os 0unicípios#
todos aut:noos# nos teros desta .onstituiCão.
'udo $ue se encontra elencado no arti,o 22B 95/AA# copete e
cou a todos os 03 ,ntes =ederativos.
Art. 22 + E copet1ncia cou da Inião# dos ,stados# do 6istrito
=ederal e dos 0unicípios:
I + (elar pela -uarda da .onstituiCão# das leis e das instituiC)es
deocr&ticas e conservar o patri:nio p*blico%
II + cuidar da sa*de e assist1ncia p*blica# da proteCão e -arantia das
pessoas portadoras de de5ici1ncia%
III + prote-er os docuentos# as obras e outros bens de valor !istGrico#
artístico e cultural# os onuentos# as paisa-ens naturais not&veis e os sítios
ar$ueolG-icos%
>&der 2ra*@o A 2014
9
IV + ipedir a evasão# a destruiCão e a descaracteri(aCão de obras de
arte e de outros bens de valor !istGrico# artístico ou cultural%
V + proporcionar os eios de acesso M cultura# M educaCão e M ci1ncia%
VI + prote-er o eio abiente e cobater a poluiCão e $ual$uer de
suas 5oras%
VII + preservar as 5lorestas# a 5auna e a 5lora%
VIII + 5oentar a produCão a-ropecu&ria e or-ani(ar o abasteciento
alientar%
I; + proover pro-raas de construCão de oradias e a el!oria das
condiC)es !abitacionais e de saneaento b&sico%
; + cobater as causas da pobre(a e os 5atores de ar-inali(aCão#
proovendo a inte-raCão social dos setores des5avorecidos%
;I + re-istrar# acopan!ar e 5iscali(ar as concess)es de direitos de
pes$uisa e e"ploraCão de recursos !ídricos e inerais e seus territGrios%
;II + estabelecer e iplantar política de educaCão para a se-uranCa do
trFnsito.
Par8,rafo 1ni/o " Keis copleentares 5i"arão noras para a
cooperaCão entre a Inião e os ,stados# o 6istrito =ederal e os 0unicípios#
tendo e vista o e$uilíbrio do desenvolviento e do be+estar e Fbito
nacional.
'eos Keis =ederais# ,staduais e 0unicipais.
8ale lebrar $ue +' Ente n-o (o)e entrar e' 'at:ria *+e /o'(ete
e&/l+siva'ente a o+tro Ente P1#li/o.
9a)a Ente te' s+a Estr+t+ra A)'inistrativa (rC(ria e# assi sendo#
cada u pode le-islar sobre .ar-os P*blicos# =unC)es P*blicas# .oncursos#
etc.
>&der 2ra*@o A 2014
10
N& /ertas Mat:rias A)'inistrativas *+e a 95/AA (rev? *+e /o'(ete
D >ni-o esta#ele/er nor'as sobre a$uela at<ria# coo por e"eplo# a
KicitaCão# $ue vale tanto para a Inião# $uanto para o 6=# os ,stados e
0unicípios. E Mat:ria @e,isla)a a(enas (ela >ni-o# coo no caso do
e"eplo citado# a Kei de KicitaCão.
95# 9E# 9M .onstituiCão =ederal# ,stadual e 0unicipal (Kei
Br-Fnica).
Nor'as %erais! couente v&lida para todos os ,ntes =ederativos#
as de .opet1ncia ,"traordin&ria da Inião.
2" 5ontes.
,staos 5alando da 5onte 5or'al# pois a =onte 0aterial < a prGpria
4ociedade.
2s 7oras >urídicas 2dinistrativas# a 1E 5onte 5or'al < a @ei.
4epre $ue se est& 5alando e ,stado# o 6ireito est& aí para liitar.
B envio de Keis para a .Fara < ua =unCão .onstitucional# o
,"ecutivo envia a Kei# não < ua =unCão 2dinistrativa.
2 .onstituiCão < a Kei aior# a Kei prieira.
2 .onstituiCão passou a tra(er noras sobre a 2dinistraCão P*blica#
uitas 7oras 2dinistrativas.
2ntes de 1OPP carecíaos de 7oras 2dinistrativas% a partir de 1OPP#
co a redeocrati(aCão# passaos a ter uitas 7oras 2dinistrativas#
principalente a partir do arti,o 24B 95/AA:
9onstit+iç-o 5e)eral " 95 " 1FAA
T0t+lo III
Da Or,ani7aç-o )o Esta)o
>&der 2ra*@o A 2014
11
9a(0t+lo VII
Da A)'inistraç-o P1#li/a
Seç-o I
Dis(osiçes %erais
Art. 24 + 2 adinistraCão p*blica direta e indireta de $ual$uer dos
Poderes da Inião# dos ,stados# do 6istrito =ederal e dos 0unicípios
obedecer& aos princípios de le-alidade# ipessoalidade# oralidade#
publicidade e e5ici1ncia e# tab<# ao se-uinte...
2 1E 5onteB a =onte prieira < a nossa 9onstit+iç-o.
As 'atri7es )o Direito A)'inistrativo est-o na 95/AA# por isto di(e
$ue o Direito A)'inistrativo : 9onstit+/ionali7a)o.
'eos tab< coo =ontes as Keis =ederais# ,staduais e 0unicipais.
2 2E 5onte < a G+ris(r+)?n/ia. 0uitas ve(es a >urisprud1ncia 5oi M
5rente do Ke-islador. B Ke-islador < lento# a não ser $uando se trata de criar
'ributos. B papel criativo da >urisprud1ncia e sedientar procedientos e
5ora de 7oras < encapado pelo Ke-islador# $uando cria Keis $ue a
>urisprud1ncia @& estava decidindo !& uito tepo.
HHH 8er Desponsabilidade 4ub@etiva e Desponsabilidade Bb@etiva.
Para uitos# não para o Pro5essor# outra =onte < a Do+trina. Para o
Pro5essor# 6outrina não 5a( Kei. 0as todos os livros irão di(er $ue a 6outrina <
=onte do 6ireito. 6outrina produ( con!eciento# 5ala sobre a Kei# não cria a
Kei.
'eos tab< coo =onte do 6ireito 2dinistrativo as Pr8ti/as
Reitera)as# pois M edida $ue !& a reiteraCão da pr&tica# ela se coloca coo
>&der 2ra*@o A 2014
12
padrão de conduta% são as Pr&ticas da boa 2dinistraCão. 4ão as Pr&ticas# ou
.ostues 2dinistrativos.
Prin/0(io )a @e,ali)a)e.
2 2dinistraCão te $ue ser 5iel M Kei.
2 Kei te de ser .onstitucional.
Kei a$ui < u 9on6+nto )e @eis Infra/onstit+/ionais (Kei
.opleentar# Kei Brdin&ria# Kei 6ele-ada# 6ecretos e DesoluC)es
2dinistrativas $ue disciplina at<ria interna+corporis# 0edidas ProvisGrias +
+ ,sp<cies Ke-islativas Pri&rias).
B 2I N0vel )e @ei $ue < 5onte )o Direito A)'inistrativo# voc1 pode
entender coo 9on6+nto )e Nor'as Infra le,ais# o $ue se c!aa de 7oras
>urídicas 4ecund&rias# $ue provee das Ke-islaC)es pri&rias (6ecretos#
DesoluC)es# Portarias# etc.).
B 4I N0vel )e 5onte < o prGprio Ato A)'inistrativo# as $ue o
Pro5essor não entende coo sendo Kei. B 2to 2dinistrativo < 7ora
concreta# coo por e"eplo# ua KicenCa para construCão% a 7ora de
,di5icaCão < eitida pela 2dinistraCão e conter& a 7ora# as e"i-1ncias para
$ue voc1 construa# edi5i$ue. E u De-ulaento $ue caso não se@a obedecido#
a 2dinistraCão P*blica poder& ebar-ar a sua obra.
1A/02/2014
1" Prin/0(ios )o Direito A)'inistrativo.
2" Po)eres )a A)'inistraç-o P1#li/a.
2" %overno e A)'inistraç-o P1#li/a.
4" A)'inistraç-o P1#li/a.
>&der 2ra*@o A 2014
13
Prin/0(ios 9onstit+/ionais.
1" Prin/0(io )a @e,ali)a)e.
2" Prin/0(io )a I'(essoali)a)e.
2" Prin/0(io )a Morali)a)e.
4" Prin/0(io )a P+#li/i)a)e.
J" Prin/0(io )a Efi/i?n/ia.
K" Prin/0(io )o Devi)o Pro/esso @e,al A)'inistrativo.
4" Prin/0(io )a Pro(or/ionali)a)e.
2plicados M 2dinistraCão P*blica.
1" Prin/0(ios )o Direito A)'inistrativo.
Prin/0(ios Infrale,ais.
4ão os $ue re-ula Jnstitutos especí5icos do 6ireito 2dinistrativo.
4ão 4ubprincípios decorrentes dos Princípios .onstitucionais $ue
vincula a 2dinistraCão.
E&e'(lo! KicitaCão !& Princípios $ue re-ula a KicitaCão# coo o
Prin/0(io )a 9on/orr?n/ia# da I,+al)a)e )os @i/itantes. ,stes Princípios
encontra+se na Kei de KicitaCão.
E&e'(lo 2! Prin/0(io )a 9ontin+i)a)e o 4erviCo P*blico não pode
ser interropido.
2 2dinistraCão P*blica te $ue observar os Princípios .onstitucionais.
2 J-ualdade# por e"eplo# veda ua s<rie de aC)es ,statais# coo por
e"eplo# a 6iscriinaCão.
>&der 2ra*@o A 2014
14
1" Prin/0(io )a @e,ali)a)e.
B ,stado# no e"ercício da =unCão 2dinistrativa# te $ue ser 5iel M Kei.
2 2dinistraCão P*blica sG pode 5a(er o $ue a Kei perite $ue ela 5aCa.
B 2dinistrador Privado# ao contr&rio# pode 5a(er de tudo# não pode
5a(er apenas o $ue a Kei não perite.
Por e&e'(lo# se o 2dinistrador Privado te u carro vel!o# ele pode
vender# trocar# doar# etc. >& o 2dinistrador P*blico te $ue ver $uais as
opC)es $ue a Kei perite $ue ele 5aCa co o carro vel!o% ele dever& fa7er o
*+e for 'el$or (ara a A)'inistraç-o% isto se c!aa o M:rito )o Ato# a
el!or escol!a $ue ele ir& 5a(er.
Butro e&e'(lo: voc1 < u 4ervidor P*blico e coeteu ua in5raCão. 2
Kei poder& estabelecer ua pena leve (advert1ncia# por e"eplo)# <dia
(suspensão por u dia) ou pesada (deissão). 2 Kei dei"a ua ar-e para
escol!a do 2dinistrador.
0uitas ve(es o $ue 5alta M 2dinistraCão P*blica < a %est-o.
2" Prin/0(io )a I'(essoali)a)e.
B e"ercício da =unCão 2dinistrativa não pode servir para o 2-ente
P*blico ou para terceiros a-ire e bene5ício prGprio ou para pre@udicar
al-u<.
,"iste 02 as(e/tos:
1" 2 =unCão não pode ser utili(ada para tra(er proveitos prGprios ou
para pre@udicar al-u<.
2" Bs 2tos praticados pelos 2-entes P*blicos investidos na =unCão
P*blica são coo $ue praticados 5osse pelos prGprios ,ntes ,statais ao $ual
o 2-ente encontra+se vinculado. Se o A,ente P1#li/o (re6+)i/a ter/eiro no
e&er/0/io )e s+a 5+nç-o P1#li/aB o Esta)o : *+e' res(on)er8 (elo Ato
(rati/a)o.
>&der 2ra*@o A 2014
15
E&e'(lo! se u 0otorista do '>09 levou o carro para casa# se
ebria-ou e atropelou al-u<# o r<u ser& o ,stado# por$ue neste caso o
'>09 < u 3r-ão do ,stado de 0inas 9erais# $ue ser& .itado na 5i-ura de
seu Procurador 9eral.
0as a Desponsabilidade do 2-ente P*blico ser& apurada.
2" 2 =unCão P*blica destina+se M 5acilidade/satisfaç-o )os Interesses
P1#li/os (Prin/0(io )a 5inali)a)e).
E&e'(lo! se !& u .ar-o va-o e u local de di5ícil acesso# a
2dinistraCão P*blica pode 5a(er a Re'oç-o de u 2-ente P*blico para
ocupar a$uela va-a. 0as a DeoCão não pode ter a 5inalidade de pre@udicar
al-u<# pois# caso o 5aCa# ser& caracteri(ado coo vício de 5inalidade e ser&
nulo.
2" Prin/0(io )a Morali)a)e.
N& u 9C)i,o )e 9on)+ta do 2dinistrador P*blico $ue ele deve
cuprir# para (ro'over os Valores# para dar ao 5a(er u sentido ais aplo.
6eve ser observadas as Nor'as Lti/as )a #oa A)'inistraç-o.
I outro sentido do Princípio da 0oralidade < $ue# coo sabeos# a
.=/PP preserva ua s<rie de Valores )a Pessoa 3+'ana% a .=/PP < ua
carta de 8alores $ue a 4ociedade dese@a orientar+se por ela. 2ssi sendo#
ua boa 2dinistraCão -uia+se e prol da reali(aCão desses 8alores# observa
os 8alores listados na .onstituiCão e os coloca e pr&tica.
4" Prin/0(io )a P+#li/i)a)e.
6eterina $ue os Atos (rati/a)os (ela A)'inistraç-o P1#li/a# be
coo a$ueles $ue o serão# se@a /o'+ni/a)os a se+s )estinat8rios# se@a
P+#li/a)os# a 5i de peritir $ue estes participe de seus Processos
6ecisGrios.
>&der 2ra*@o A 2014
16
;usca a+'entar a (arti/i(aç-o )a Po(+laç-o nos Processos
6ecisGrios da 2dinistraCão P*blica.
Pode ser lido coo ero re$uisito 5oral para e5ic&cia do 2to. Por
e&e'(lo# u 2to# ua Kei# te $ue ser publicados. Ko-o# para $ue cupra
seus e5eitos t1 $ue ser publicados# te $ue se dar con!eciento acerca do
2to.
2 P+#li/aç-o : re*+isito )e Vali)a)e )o Ato# caso contr&rio# o 2to <
nulo.
A P+#li/aç-o )o Ato torna"o v8li)o.
Huando não se publica o 2to# se a Kei e"i-e a sua PublicaCão# a não
PublicaCão -era a nulidade do 2to. 2 Kei prev1 a Publicidade sepre $ue o 2to
atin@a os cidadãos. 4e o 2to 5ere o 6ireito do .ontribuinte# por e"eplo# te de
ser Publicado# ou ser& inv&lido.
2 P+#li/i)a)e : )a ess?n/ia )o Ato.
2 counicaCão do 2to aos cidadãos deve ser 5eita $uanto aior 5or a
lesão do 2to aos esos.
4e u ,dital de KicitaCão não < publicado# presue+se a lesão e o 2to <
inv&lido.
7ão se deve con5undir o Princípio da Publicidade co o Prin/0(io )a
Infor'aç-o. 7este# o ,stado deve 5a(er co $ue !a@a ua apla
counicaCão entre si e os cidadãos# coo por e"eplo# counicar ua
.apan!a de 8acinaCão% in5orar 4erviCos% .apan!as ,ducativas (se beber
não diri@a% não use dro-as% use caisin!a% lipe seu lote ou poder& causar a
proli5eraCão do 0os$uito da 6en-ue% etc.).
B Princípio da Jn5oraCão < li-ado diretaente ao Prin/0(io )a
Parti/i(aç-o.
I e"eplo disto < o M 2I )o arti,o 21B 95/AA:
>&der 2ra*@o A 2014
17
Art. 21 + 2 5iscali(aCão do 0unicípio ser& e"ercida pelo Poder Ke-islativo
0unicipal# ediante controle e"terno# e pelos sisteas de controle interno do
Poder ,"ecutivo 0unicipal# na 5ora da lei.
M 2I + 2s contas dos 0unicípios 5icarão# durante sessenta dias#
anualente# M disposiCão de $ual$uer contribuinte# para e"ae e apreciaCão# o
$ual poder& $uestionar+l!es a le-itiidade# nos teros da lei.
Ia 4ociedade be in5orada participa ais# atrav<s de 2udi1ncias#
do 6ireito de PetiCão# etc.
E 6ireito =undaental de ua boa 2dinistraCão.
J" Prin/0(io )a Efi/i?n/ia.
B ,stado te seus Decursos.
B Pro5essor c!aa esta e5ici1ncia de Efi/i?n/ia So/ial.
2 ,5ici1ncia de ua ,presa Privada est& ais li-ada M lucratividade.
7o Fbito P*blico# visa ais os Res+lta)os So/iais.
2s 6eandas P*blicas são iensas e os recursos P*blicos são a$u<
de atin-ir todas estas deandas.
Para a"ii(ar os Desultados 4ociais# deve+se buscar ua 9estão
2dinistrativa e5ica(.
, ua De-ião coo o 8ale do >e$uitin!on!a# ua De-ião pobre# $ual
< o papel da 2dinistraCão P*blica/
B Pre5eito de ua cidade pobre não pode usar o din!eiro P*blico para
5a(er 5estas# para construir ,st&dios# etc. ,le te $ue aplicar o din!eiro# de
aneira efi/a7# buscando Desultados 4ociais.
>&der 2ra*@o A 2014
18
K" Prin/0(io )o Devi)o Pro/esso @e,al A)'inistrativo.
,st& no arti,o JIB @;;IIIB 95/AA:
Art. JI + 'odos são i-uais perante a lei# se distinCão de $ual$uer
nature(a# -arantindo+se aos brasileiros e aos estran-eiros residentes no País a
inviolabilidade do direito M vida# M liberdade# M i-ualdade# M se-uranCa e M
propriedade# nos teros se-uintes:
@;;III + $ual$uer cidadão < parte le-ítia para propor aCão popular $ue
vise a anular ato lesivo ao patri:nio p*blico ou de entidade de $ue o ,stado
participe# M oralidade adinistrativa# ao eio abiente e ao patri:nio
!istGrico e cultural# 5icando o autor# salvo coprovada &+5<# isento de custas
@udiciais e do :nus da sucub1ncia.
'e o 6evido Processo Ke-al 2dinistrativo 6isciplinar# 'ribut&rio#
2biental# e por aí vai.
B Pro/esso /o'o ,arantia )o /i)a)-o /ontra a (r8ti/a )e Atos
ar#itr8rios (rati/a)os (elo Esta)o# pela 2dinistraCão P*blica.
7ão 5a(e .oisa >ul-ada 0aterial# pode ser revistos pelo Poder
>udici&rio.
4e coeti ua in5raCão cu@a pena era de suspensão por 30 dias# as a
2dinistraCão P*blica e deitiu# posso recorrer ao Poder >udici&rio na
tentativa de reverter a situaCão.
4" Prin/0(io )a Pro(or/ionali)a)e.
Por este Princípio# o 2dinistrador# ao praticar seus 2tos# deve estar
atento ao $ue dese@a alcanCar# de 5ora $ue não se@a deasiadaente
-ravoso.
B 2dinistrador deve valer+se dos eios ade$uados para alcanCar os
seus 5ins.
>&der 2ra*@o A 2014
19
2 6outrina d& o se-uinte e"eplo: u caCador# para caCar ua
2ndorin!a# não precisa de u can!ão# basta u estilin-ue.
2 A)'inistraç-o P1#li/a n-o (o)e +sar )e '-o (esa)a.
E&e'(lo *+e /ai+ e' Prova!
I Pescador estava pescando e local proibido. B =iscal# l& c!e-ando
e se deparando co esta in5raCão# pe-ou as redes# os an(Gis# o barco e o
veículo pertencentes ao Pescador. 2 Kei perite $ue se@a apreendidos os
utensílios utili(ados na pesca. B veículo < apenas u eio de transporte# lo-o#
não seria necess&ria a apreensão do eso% este 2to < inv&lido# por$ue não
consiste e u eio ade$uado para acabar co a pesca ile-al. B eio le-al
para acabar co a pesca ile-al# neste caso# seria a apreensão do barco e dos
utensílios utili(ados na pesca# não do veículo.
,"iste outros Princípios# coo o Prin/0(io )a Se,+rança G+r0)i/a#
as este# por e"eplo# não < especí5ico da 2dinistraCão P*blica. Prote-e
situaC)es >urídicas $ue são consolidadas co o passar do tepo.
21/02/2014
OBS.!
B .!e5e do ,"ecutivo# sepre $ue vai se ani5estar# o 5a( por 6ecreto.
.ontinuaCão:
2" Po)eres )a A)'inistraç-o P1#li/a.
>&der 2ra*@o A 2014
20
" Po)er Re,+la'entar.
Poder $ue o .!e5e do ,"ecutivo te para e"pedir 7oras para
De-ulaentar a Kei.
7ão pode ser e"ercido ne para ais ne para enos.
B 6ecreto visa re-ulaentar a Kei.
B Poder De-ulaentar não pode ser e"ercido para Ke-islar. B Pre5eito#
o 9overnador# irão De-ulaentar a Kei# nunca Ke-islar# $ue Ke-isla < o
Ke-islador.
N+al : o fi'B o senti)o )o Po)er Re,+la'entarO
2 2dinistraCão P*blica te $ue e"ecutar a Kei% esta nunca <
autoaplic&vel# re$uer Procedientos.
2 2dinistraCão P*blica < ua &$uina uito cople"a.
2 Kei precisa ser aplicada il!ares de ve(es# reiteradaente# e deve ser
uni5ore# para $ue se ten!a se-uranCa# o $ue < proporcionado co a
De-ulaentaCão# para $ue a Kei se@a aplicada da esa 5ora para todos#
reiteradaente# e $ue estabelece isto < o Pre5eito# por eio dos 6ecretos.
Por eio destes o ,"ecutivo 5i"a a JnterpretaCão da Kei.
B Poder De-ulaentar < tab< utili(ado para o preenc!iento de
lacunas t<cnicas dei"adas pelo Ke-islador. Huando al usado d& ori-e a
6ecretos viciados# $ue cria probleas.
.oo < u Poder >urídico# o Poder De-ulaentar se subete a u
.ontrole de Ke-alidade. Huando o .!e5e do ,"ecutivo e"cede este Poder# d&
ori-e a 7oras >urídicas viciadas# contr&rias M Kei.
B 6ecreto pode ser revisado e corri-ido pelo .!e5e do ,"ecutivo.
2 .Fara dos 8ereadores e a 2ssebleia Ke-islativa pode sustar os
2tos do .!e5e do ,"ecutivo (Pre5eitos# 9overnadores) $ue conten!a
alteraC)es para ais e/ou para enos# $uer de boa+5< ou &+5<# $ue torne os
>&der 2ra*@o A 2014
21
6ecretos viciados. E u ecaniso de .ontrole# $ue e"iste tanto no Fbito
2dinistrativo $uanto no >udicial.
B .ontrole $ue se 5a( < o 9ontrole )e @e,ali)a)e# $ue ostra $ue a
7ora constante no 6ecreto < viciada.
Ia Kei Q"R di( $ue o .ontribuinte QPB6,DSR 5a(er al-o para ter u
bene5ício% @& outro 6ecreto prev1 a esa coisa# as di( $ue o .ontribuinte
Q6,8,DSR 5a(er al-o# ou se@a# ip:s ua obri-aCão# ua condiCão# sendo $ue
a Kei d& ua opCão de 5a(er# não ua obri-atoriedade. 7este caso $ue vai
$uestionar < o prGprio .ontribuinte.
" Po)er )e Pol0/ia.
,st& conceituado no arti,o 4A )o 9TN (.Gdi-o 'ribut&rio 7acional):
Art. 4A + .onsidera+se poder de polícia atividade da adinistraCão
p*blica $ue# liitando ou disciplinando direito# interesse ou liberdade# re-ula a
pr&tica de ato ou abstenCão de 5ato# e ra(ão de interesse p*blico concernente
M se-uranCa# M !i-iene# M orde# aos costues# M disciplina da produCão e do
ercado# ao e"ercício de atividades econ:icas dependentes de concessão
ou autori(aCão do Poder P*blico# M tran$uilidade p*blica ou ao respeito M
propriedade e aos direitos individuais ou coletivos.
Par8,rafo 1ni/o. .onsidera+se re-ular o e"ercício do poder de polícia
$uando desepen!ado pelo Gr-ão copetente nos liites da lei aplic&vel# co
observFncia do processo le-al e# tratando+se de atividade $ue a lei ten!a coo
discricion&ria# se abuso ou desvio de poder.
2 c!aada 'a"a < o e"ercício do Poder de Polícia.
B Poder de Polícia < ua 2tividade 2dinistrativa.
2 .=/PP con5ere aos indivíduos v&rias liberdades e 6ireitos (6ireito de
Propriedade% Kivre Jniciativa% por e"eplo).
>&der 2ra*@o A 2014
22
Hual$uer e"ercício de 6ireito se 5a( no Plano 4ocial# .oletivo# todo
6ireito < e"ercido socialente.
2 .oletividade possui 6ireitos $ue deve ser prote-idos $uando
colocados e situaCão de peri-o.
B Poder de Polícia entra para ser o >ui( desse @o-o% < e"ercido para $ue
!a@a u e*+il0#rio e (ara (rote,er os Direitos# (reservan)o os Valores
So/iais.
B Poder de Polícia < e&er/i)o (elo @e,isla)or# $uando esta#ele/e as
re,ras )o 6o,o. B Ke-islador e"i-e condiC)es# re$uisitos# de 5ora a e"ercer o
6ever >urídico.
E' +' se,+n)o 'o'ento : e&er/i)o (ela A)'inistraç-o# $uando o
,"ecutivo Re,+la'enta a @ei# $uando e"erce a 5is/ali7aç-o para 5a(er valer
a Kei.
, e ter/eiro l+,ar $uando estabelece Penali)a)es# Sançes
A)'inistrativas (0ulta% JnterdiCão de ,stabelecientos# por e"eplo).
B Poder de Polícia te coo ponto central veri5icar se as 2tividades
Privadas estão sendo reali(adas con5ore as e"i-1ncias. B =iscal# ao se
deparar co ua situaCão irre-ular# lavra o A+to )e Infraç-o# u 2to =oral
praticado pela 2dinistraCão# $ue descreve u 2to irre-ular praticado pelo
su@eito.
0as e at<ria Penal < outra coisa# $ue cuida < a Polícia 0ilitar. B
Poder de Polícia não te nada a ver co o Jlícito Penal.
'eos a Polícia 2dinistrativa 4anit&ria# a 2biental# a Irbanística# etc.
2$uele $ue est& coetendo u 2to irre-ular e sua atividade dever&
ser noti5icado# e todos os 2tos 2dinistrativos são P*blicos# lo-o# a So/ie)a)e
)ever8 to'ar /i?n/ia )o fato.
" Po)er Dis/ri/ion8rio.
>&der 2ra*@o A 2014
23
, $ue consiste esta Q6iscriCãoR# no Fbito da 2dinistraCão P*blica/
, certas situaC)es o Ke-islador coloca u le$ue de 4ituaC)es
>urídicas para $ue o 2dinistrador possa 5a(er a 'el$or es/ol$a do ponto de
vista 2dinistrativo# a5inal# 2dinistrar si-ni5ica Qto'ar )e/isesR.
.abe ao 2dinistrador# e deterinadas situaC)es# toar a )e/is-o
*+e 'el$or aten)a aos anseios so/iais.
Por e&e'(lo# a Pre5eitura te u carro vel!o $ue não te ais
utilidade para ela. B Pre5eito per-unta a voc1# 2dvo-ado# o $ue pode 5a(er co
o veículo. 8oc1 ir& buscar na Kei 0unicipal o $ue se pode 5a(er co os ;ens
Patrioniais do 0unicípio e colocar& as opC)es para o Pre5eito# tais coo:
re5orar# doar# vender# etc. ,le então to'ar8 a )e/is-o *+e 'el$or aten)a
aos anseios )a (rC(ria A)'inistraç-o e )a So/ie)a)eP isto : o Po)er
Dis/ri/ion8rio.
N+est-o )e Prova!
B Pro5essor colocar& u caso para $ue indi$ueos de $ue Poder se
trata% esta 7ora con5ere $ue Poder ao 2dinistrador/ ,"eplo de resposta:
Poder 6iscricion&rio.
Poder 6iscricion&rio < o Poder >urídico de escol!a dado pelo Ke-islador
ao 2dinistrador para $ue este possa 5a(er a el!or escol!a# $ue atenda
el!or aos anseios da prGpria 2dinistraCão e da 4ociedade.
0as por$ue re5orar e não doar/ ,ste <rito# esta escol!a# se d& por
Da()es 2dinistrativas# a escol!a 5oi 5undada nu senso de el!or
conveni1ncia para a 2dinistraCão. , o G+)i/i8rio n-o (o)e rever o M:rito
)o Po)er A)'inistrativo# não pode di(er $ue 5oi 5eita a pior escol!a dentre
todas $ue !avia.
B 0<rito do 2to 2dinistrativo est& no 2to 6iscricion&rio. 38 M:rito )o
Ato A)'inistrativo no Ato Dis/ri/ion8rio. O Ato Dis/ri/ion8rio se )8 (elo
Po)er )e Es/ol$a Dis/ri/ion8rio.
>&der 2ra*@o A 2014
24
" Po)er P+nitivoB o+ Po)er San/iona)or )a A)'inistraç-o P1#li/a.
Bcorre:
1" E' relaç-o aos se+s Servi)ores!
Bs 4ervidores da 2dinistraCão P*blica deve e"ercer suas 5unC)es
e con5oridade co a Kei# co o ,statuto dos 4ervidores P*blicos. E prGpria
das DelaC)es ,stado+4ervidores.
B Po)er Dis/i(linar < ais utili(ado pelos 4uperiores e relaCão aos
seus 4ubordinados. B Poder 6isciplinar < ais aplo# pois veri5ica in5raC)es e
aplica penalidades% < 5is/ali7ar e P+nir.
" Po)er 3ier8r*+i/o.
E o Poder $ue e"iste na$uelas Br-ani(aC)es $ue possue Nierar$uia
de Poder. 'eos tr1s:
1" 2 Or,ani7aç-o Militar (9enerais% .oron<is% 4ar-entos% .abos%
4oldados% etc.).
2" 2 I,re6a 9atCli/a (Papa% .ardeais% ;ispos% Padres% etc.).
2" 7a A)'inistraç-o P1#li/a se d& o eso% teos o 1T escalão% 2T
escalão% 3T escalão. 2 Br-ani(aCão da 2dinistraCão P*blica se d& de 5ora
piraidal# $ue da etade para cia < a Br-ani(aCão Política# e da etade
para bai"o a parte t<cnica.
2 Nierar$uia não < prGpria apenas da 2dinistraCão P*blica# as
tab< da 2dinistraCão Privada.
1T Plano: < prGprio da 2dinistraCão P*blica (se@a do Ke-islativo# do
,"ecutivo ou do >udici&rio).
>&der 2ra*@o A 2014
25
E&e'(lo do $ue encontraos no Poder Nier&r$uico:
.opete ao .!e5e do .entro Bperacional do 3r-ão Q"R:
+ Brientar seus 4ubordinados%
+ =iscali(ar seus 4ubordinados.
E o Poder Nier&r$uico# ianente M 2dinistraCão P*blica.
2J/02/2014
.ontinuaCão:
2" %overno e A)'inistraç-o P1#li/a.
B %overno"@e,islativo < o respons&vel por @e,islar# criar as Keis e
=iscali(ar o ,"ecutivo.
B 9overno# por parte do ,"ecutivo# < a$uele escol!ido pelo povo para
-overnar# atuar socialente# coletivaente# para solucionar os probleas.
,"erce a 5+nç-o E&e/+tiva# i'(le'enta)ora )a @ei. B .!e5e do ,"ecutivo <
eleito a participar# @unto co o Ke-islativo# da criaCão das Keis.
B %overno"E&e/+tivo ,overna e a)'inistra# apresenta Pro6etos )e
@eis# te 5+nç-o Pol0ti/a. 2 =unCão Ke-islativa < ipleentada pelo
,"ecutivo% a 2dinistraCão P*blica < u .on@unto de 9overno.
B 9overno te tab< a =unCão de )is/+tir os (ro#le'as so/iais e
#+s/ar as sol+çes (ara san8"los. 2l< de 9overno# o Poder ,"ecutivo te
ainda a =unCão Ke-islativa.
Por e&e'(lo# $uando o Pre5eito envia Pro@etos de Keis para a .Fara
de 8ereadores# propondo el!orias# ele atua coo =unCão Ke-islativa.
Huando o Pre5eito noeia al-u< para ocupar u .ar-o no 9overno#
ele 2tua coo 2dinistraCão P*blica.
>&der 2ra*@o A 2014
26
5+nç-o 'eio! o $ue < prGprio do Ke-islativo < Ke-islar% do >udici&rio#
>ul-ar.
2 =unCão 2dinistrativa te coo 5unCão eio o .ontrole de
2dinistraCão# =iscali(aCão# etc. 2s 2tividades# o 9overno no Fbito
Ke-islativo e ,"ecutivo# o Ke-islativo e o >udici&rio e"erce 5unC)es
tipicaente 2dinistrativas.
2 noeaCão de u 4ervidor para o >udici&rio < u ato 2dinistrativo.
Ia KicitaCão reali(ada pela .Fara (Ke-islativo) < 5eita da esa
5ora# nos esos oldes do 2dinistrativo.
2 2tividade 2dinistrativa < reali(ada no Fbito do ,"ecutivo# do
Ke-islativo e do >udici&rio# < 5unCão Q5iR destes.
4e o 4ervidor da .Fara trata al ua pessoa# incorre e u .rie
2dinistrativo e o eso responder& 2dinistrativaente pelos seus 2tos.
4" A)'inistraç-o P1#li/a.
B Direito A)'inistrativo < o $ue ir8 re,er a A)'inistraç-o P1#li/a
no e&er/0/io )e s+a f+nç-o.
2 2dinistraCão P*blica ir& e"ercer suas 5unC)es# 5a(endo obras#
5iscali(ando (Poder de Polícia)# etc.
'eos duas acepC)es acerca do $ue < a 2dinistraCão P*blica: ua
e 4entido S+#6etivo# outra e 4entido O#6etivo. 4ão duas acepC)es $ue se
copleta.
4ob o as(e/to S+#6etivo# di(+se $ue a 2dinistraCão P*blica < o
9on6+nto 9o'(le&o )e A,entes# Qr,-os e Enti)a)es $ue e"erce =unCão
2dinistrativa.
8e@a sG# o ,stado >ui( (>udici&rio)# 2dinistrador (,"ecutivo U
Presidente# 9overnadores# Pre5eitos) e Ke-islador (4enadores# 6eputados#
8ereadores) atua atrav<s de pessoas# seres !uanos% o 2-ente < Q-enteR#
>&der 2ra*@o A 2014
27
ser !uano. ,"erce il!ares de atividades a u sG tepo# < ua &$uina
cople"a.
N+e' : o A,enteO E o ser $+'ano investi)o na 5+nç-o P1#li/a# na
for'a )a @ei. B 2-ente# na 5ora da Kei# investe a =unCão de ,stado. 2
investidura nas =unC)es P*blicas se d& ediante re$uisitos previstos na
.onstituiCão. Ia das 5oras de se investir na =unCão P*blica < ediante
9on/+rso P1#li/o. OOV de 2-entes $ue o ,stado te e"erce =unCão
2dinistrativa# tirando >uí(es# Prootores# 4enadores# 6eputados# Pre5eitos#
8ereadores.
Bs Qr,-os s-o 9entros )e 9o'(et?n/ia criados por Kei% perite ua
racionali(aCão da 2dinistraCão e diversas &reas. Pe-a+se ua deterinada
Kei e nela est&: Q4ão 3r-ãos da 2dinistraCão P*blica: 4ecretaria de
,ducaCão# 4ecretaria de 4a*de# 4ecretaria de 4e-uranCa P*blica...R% são de
.opet1ncia...R (.entros de .opet1ncia).
.ria+se os 3r-ãos# os .ar-os# seleciona+se os 2-entes% tudo isto <
5eito pelo Ke-islador para peritir ua Ra/ionali7aç-o da atuaCão da
2dinistraCão e diversas &reas. .ria+se ua ,strutura 2dinistrativa% tudo
5eito por Kei (criaCão de 3r-ãos# .ar-os# etc.).
E possível se 5alar e ,strutura Br-Fnica da 2dinistraCão P*blica#
,strutura Br-ani(acional# etc.
Huando o 2-ente P*blico pratica u 2to# este 2to < iputado não a ele#
as ao 3r-ão ao $ual se encontra vinculado. 'anto os 2tos Kícitos $uanto os
Jlícitos praticados pelo 2-ente P*blico são de responsabilidade do ,stado (no
caso de 3r-ão ,stadual).
B ,stado+2dinistraCão pratica 2tos 2dinistrativos# por eio de seus
2-entes# e estes 2tos# todos eles# são iputados ao ,stado.
2 2dinistraCão P*blica < tab< u 9on6+nto )e Enti)a)es )e
Direito P1#li/o (as prGprias Pessoas >urídicas de 6ireito U ,ntes ,statais U
Inião# 6=# ,stados ebros# 0unicípios# cada $ual < especiali(ado no
e"ercício de ua =unCão. Pode+se c!a&+los de Pessoas 2dinistrativas#
>&der 2ra*@o A 2014
28
por$ue e"erce =unC)es 2dinistrativas). Huando o ,stado erra# ele < o
respons&vel pelo 2to praticado pelo 2-ente P*blico.
PGs+.onstituiCão teos tab< u 9on6+nto )e Enti)a)es $ue
pode ser criadas pelo ,stado# para de 5ora descentrali(ada reali(are
=unC)es 2dinistrativas (2utar$uias e =undaC)es# por e"eplo).
4e o J744# $ue < ua 2utar$uia# $ue atua e noe prGprio# $ue te
autonoia# se ne-a a dar o bene5ício da aposentadoria a ua pessoa# a parte
r< e ua aCão ser& o J744# não o ,stado. B J744 responde perante
terceiros pelos seus 2tos.
E a c!aada A)'inistraç-o P1#li/a In)ireta 7o plano =ederal#
,stadual e 0unicipal.
'eos então as Enti)a)es Estatais e as Paraestatais# Q5il!otesR# crias
do ,stado.
N& o Re,i'e G+r0)i/o )os A,entes P1#li/os e# assi sendo# se o
estudaros estareos estudando a 2dinistraCão P*blica e sentido
4ub@etivo.
, Senti)o O#6etivo# re5ere+se ao prGprio 9on6+nto )e Ativi)a)es )e
Nat+re7a A)'inistrativa por eio dos $uais o ,stado atua para dar
cupriento M Kei (M prGpria .onstituiCão).
'eos as ativi)a)es 'eio e as ativi)a)es fi' ($ue < o 4erviCo
P*blico).
2 A)'inistraç-o P1#li/a < este /on6+nto )e ativi)a)es *+e o Esta)o
reali7a ediante atividades ateriais )ire/iona)as ao /i)a)-o (4a*de#
,ducaCão# 4aneaento# ,stradas# 4e-uranCa P*blica e a principal atividade#
$ue < o 4erviCo P*blico).
7o 4etor P*blico a ess1ncia do ,stado < a Prestaç-o )o Serviço
P1#li/o (art. 14JB 95/AA):
>&der 2ra*@o A 2014
29
Art. 14J + Jncube ao Poder P*blico# na 5ora da lei# diretaente ou
sob re-ie de concessão ou perissão# sepre atrav<s de licitaCão# a
prestaCão de serviCos p*blicos.
Butra atividade do ,stado# iportantíssia# < o Po)er )e Pol0/ia# de
=iscali(aCão.
Butra < a reali7aç-o )as O#ras P1#li/as (Dodovias# ,scolas#
Nospitais# '*neis# Passarelas# etc.). B ,stado reali(a uitas ve(es o ,stado
4ocial atrav<s destas obras. B Sanea'ento P1#li/o# por e"eplo# evita a
proli5eraCão de ua s<rie de doenCas.
Huando o ,stado 5a( ua rea)e*+aç-o +r#an0sti/a# co ruas
iluinadas# Postos de Polícia# est& a+'entan)o a Se,+rança P1#li/a.
2 Desa(ro(riaç-o# o To'#a'ento# são u cople"o de Intervençes
$ue o ,stado pode 5a(er sobre a Propriedade Privada# de 5ora a dar# e
certas circunstFncias# ua destinaCão social M esa.
2 KicitaCão < ua atividade eio atrav<s da $ual o ,stado se vale para
atin-ir seus 5ins.
8aos estudar a partir de a-ora sobre a A)'inistraç-o P1#li/a e'
Senti)o S+#6etivo (3r-ãos P*blicos# 2-entes P*blicos# 2tos 2dinistrativos#
etc.).
11/02/2014
Or,ani7aç-o )a a)'inistraç-o.
>&der 2ra*@o A 2014
30
1" A)'inistraç-o P1#li/a Direta (Ke-islativo/,"ecutivo/>udici&rio).
" Qr,-os P1#li/os! (direto ou indireto)
.írculos de atribuiC)es de poderes 5uncionais repartidos no interior da
personalidade estatal e e"pressados atrav<s de 2-entes neles providos. 7ão
possue personalidade @urídica.
2" A)'inistraç-o P1#li/a In)ireta!
+ ,ntidades# 5undaC)es# autar$uias# epresas de econoia ista
(paraestatal).
,ntidade de 6ireito Privado.
.K'# .6.# pa-a tributos# cabe aplicaCão do ... Por< te aplicaCão
do 6ireito P*blico $uando precisa licitar.
Bs 3r-ãos P*blicos são criados por Kei.
W Bs 2-entes ocupa .ar-os e nessa condiCão 5a( atribuiC)es dos seus
.ar-os.
W Huando o a-ente atua# ele 5a( e noe do Gr-ão. Por< o a-ente te
atribuiC)es para direcionar o trabal!o.
E a Kei $ue tra( os .ar-os:
2tribuiC)es do Gr-ão + ,strutura Br-Fnica U =unCão
+ ,strutura de .ar-os
Bs 3r-ãos estão presentes tab< na 2dinistraCão Jndireta.
2utar$uias e =undaC)es tab< possue esses 3r-ãos.
2 6outrina 5a( sua .lassi5icaCão con5ore crit<rio:
" Sin,+laresB 9ole,ia)os.
>&der 2ra*@o A 2014
31
Bs 3r-ãos pode ser independentes.
2 Presid1ncia o 3r-ão o Presidente o 2-ente.
'ribunal de .ontas U 3r-ão.
.Fara U 3r-ão.
0inist<rio + 3r-ão (con@unto de 3r-ãos).
" Qr,-os In)e(en)entes U 4ão os $ue t1 previsão na .onstituiCão
=ederal.
,X: 4'= U 29I U '..
" Qr,-os A)'inistrativos U 0inist<rios# Presid1ncia (3r-ãos pode
ser do Ke-islativo# ,"ecutivo ou >udici&rio).
" Qr,-os A+tRno'os.
,stão subordinados aos Jndependentes. ,stão locali(ados na .*pula da
2dinistraCão P*blica.
,": 3r-ãos de 1T escalão e 2T escalão.
.*pula + 4ão eleitos para acabar co os probleas.
'e u vi<s Político.
" Qr,-os S+(eriores U 2$ueles de 6ireCão# .ontrole# .oando e
6ecisão.
" Qr,-os S+#alternos U 2$ueles de e"ecuCão de base.
>&der 2ra*@o A 2014
32
" Qr,-os )e 5a7er! Nospital U P2 U ,scola.
9entrali7aç-o e 9on/entraç-o Y Direta.
,"ecuta sua .opet1ncia co o 3r-ão% e"ecuta atrav<s de poucos
3r-ãos.
4eus 3r-ãos e 2-entes.
2dinistraCão P*blica < .entrali(ada.
Des/entrali7aç-o e Des/on/entraç-o Y In)ireta Y Distri#+içes
'ais a'(las. 6ispor ou distribuiCão de .opet1ncia.
=en:eno na 2dinistraCão do ,nte para outros ,ntes criados.
2trav<s disso cria novas entidades. B ,stado privile-ia a ,"ecuCão
(,presas de ,conoia 0ista# de suas tare5as ediante divisão interna de
seus Gr-ãos adinistrativos% 2utar$uias...).
Huando o ,stado cria atividade para e"ercer a atividade < a 6ele-aCão.
A)'inistraç-o Direta! 6esconcentrada.
6escentrali(aCão < di5erente de desconcentraCão
A)'inistraç-o In)ireta! .ria se onerosidade.
.on@unto de ,ntidades co Personalidade de 6ireito U P*blico e Privado
U para a =unCão 2dinistrativa# co car&ter e"cepcional para desepen!o de
4erviCos Privados. 2tividade ,con:ica.
>&der 2ra*@o A 2014
33
Ativi)a)e E/onR'i/a! ,"ploraCão de serviCo p*blico para não onerar o
,stado.
A)'inistraç-o In)ireta.
1S .riada para e"plorar atividade econ:ica e"plorando serviCo p*blico
(,"s: .,0J9# .BP242 , .BDD,JB).
9ontra(restaçes Y preCo p*blico ou tari5a.
2S Huando e"erce 2tividade ,con:ica tipicaente privada.
2tividade =inanceira (e"eplo: ;anco do ;rasil# .ai"a econ:ica#
,braer# etc.).
,le re-e co noras do setor privado.
2S Prestar 4erviCos P*blicos.
E custeado pelo orCaento.
2utar$uias# =undaC)es# ,presas de ,conoia 0ista.
.ondiC)es Jd1nticas U 0esas prerro-ativas.
;ens P*blicos.
,ntidade P*blica $ue e"trapola econoicaente.
+ Privado: 7a ,"ploraCão ,con:ica.
+ P*blico: 4erviCo P*blico.
>&der 2ra*@o A 2014
34
1A/02/2014
A)'inistraç-o P1#li/a in)ireta.
1" A+tar*+ias.
2" 5+n)açes P1#li/as.
2" So/ie)a)es )e E/ono'ia Mista.
4" E'(resas P1#li/as.
N& al-uas características couns a estas ,ntidades ,statais
(2utar$uias# =undaC)es P*blicas# 4ociedades de ,conoia 0ista e ,presas
P*blicas).
2s ,presas P*blicas e as 4ociedades de ,conoia 0ista são criadas
de acordo co a 4ociedade ,pres&ria pertinente.
2s =undaC)es o ,"ecutivo cria de acordo co a Kei# con5ore previsão
na Kei .ivil.
2s 2utar$uias tab< são criadas de acordo co a Kei.
B 5i < sepre P*blico% $ue de5ine a =inalidade < a ,ntidade# tudo
atrav<s de Kei.
2 ,ntidade ,statal te o poder de 5a(er o .ontrole =inalístico# atrav<s
de Kei.
N& ua 3ierar*+ia 3ori7ontal# as relaC)es não são verticali(adas.
Por e"eplo# não !& Nierar$uia entre a Inião e o J744# !& o .ontrole
=inalístico (este se d& nos 'eros da Kei). B Ke-islador di( coo o .ontrole
ser& 5eito# de acordo co a Kei.
>&der 2ra*@o A 2014
35
Butra característica cou < $ue as =inalidades são P*blicas# a
,"tinCão se d& por Kei (para e"tin-uir ou conceder a possibilidade de se
e"tin-uir).
,las por si esas não se e"tin-ue. 7ão pode# por e"eplo# os
2cionistas do ;anco do ;rasil decidire por sua e"tinCão% te $ue ser por Kei.
1" A+tar*+ias.
2s 2utar$uias são descentrali(aC)es de 4erviCos P*blicos# criadas por
Kei# para atuar co a esa prerro-ativa $ue ua ,ntidade ,statal. 4ão
criados .ar-os# re-idos pelo Estat+to (De-ie >urídico ,statut&rio).
'e u con@unto de 3r-ãos prGprio# Patri:nio prGprio# Poder de
Polícia# e"pede Portarias# etc. B De-ie < basicaente o eso de ua
,statal.
2s 2utar$uias presta 4erviCo P*blico prGprio do ,stado.
'e Decursos prGprios ('a"as# .ontribuiC)es). 2 2utar$uia cobra
apenas 'a"as de 4erviCo# .ontribuiC)es.
'e ,strutura de .ar-os e =unC)es prGprios.
'e 2utar$uias na &rea da 4a*de# do 0eio 2biente# etc.
Bs bens da 2utar$uia são considerados bens P*blicos e# portanto# são
Jnalien&veis# Jpen!or&veis# não pode ser ob@eto de Isucapião.
B De-ie da 2utar$uia < e re-ra P*blico# De-ie 2dinistrativo# co
e"ceCão de al-uns 2tos re-idos pelo 6ireito Privado. Por e"eplo# vai assinar
u .ontrato de KocaCão# < ua re-ra do 6ireito Privado.
2s 2utar$uias não são tributadas.
2" 5+n)açes!
>&der 2ra*@o A 2014
36
2s =undaC)es são criadas pelo ,stado para atuar na Srea 4ocial
(4a*de# ,ducaCão# etc.).
E Patri:nio do ,stado para atuar na Srea 4ocial.
2s =undaC)es P*blicas de 6ireito P*blico são criadas por Kei# todo o
De-ie >urídico criado pelo Ke-islador.
2 =undaCão P*blica de 6ireito P*blico# o Ke-islador autori(a o ,"ecutivo
a criar a =undaCão# utili(ando+se de Keis de 6ireito Privado. B ,pre-ado vai
ser re-ido pela .K'.
B De-ie de 6ireito Privado leva a ter Q,pre-oR re-ido pela .K'.
Por se tratar de be P*blico o De-ie Protetivo < o eso.
Bs bens são iunes.
2s =undaC)es atua no capo 4ocial.
2s prerro-ativas das =undaC)es estão previstas e Kei# e se tratando
de ,ntidade de 6ireito Privado.
,"eplo de prerro-ativas: .ontratuais U o poder do ,stado odi5icar os
.ontratos.
B 2to 2dinistrativo presue+se Ke-al. B interessado < $ue te $ue
deonstrar a Jle-alidade do 2to# caso !a@a.
,"eplo 1: 6esapropriaCão. Ia 4ociedade de ,conoia 0ista te a
prerro-ativa de 5a(er ua 6esapropriaCão/ 7ãoZ Huando ter&/ Huando a Kei
peritir.
,"eplo 2: a .,0J9 presta 4erviCo P*blico. ,la pe-a a ,ner-ia ,l<trica
nas Nidrel<tricas (ou nas 'eroel<tricas# $uando necess&rio) e distribui. ,la
pa-a por esta ,ner-ia e depois /o#ra dos .onsuidores.
2 .,0J9 pa-a se 'ributos# JDP># coo se 5osse ua ,presa
Privada. 4eus epre-ados são re-idos pela .K'.
>&der 2ra*@o A 2014
37
, re-ra os bens de ,ntidades P*blicas de 6ireito Privado# e relaCão
aos bens usados para prestaCão de serviCos# são bens P*blicos (e".: ua torre
de distribuiCão de ener-ia < be P*blico# não pode ser pen!orado). 7o ais#
são bens privados.
2" So/ie)a)es )e E/ono'ia Mista!
2s 4ociedades de ,conoia 0ista e as ,presas P*blicas t1 De-ie
>urídico de 6ireito Privado.
2 4ociedade de ,conoia 0ista < uito utili(ada pelo ,stado para
associar+se a ,presas de .apital Privado.
2 5ora obri-atGria < 4.2.
'e 2C)es pre5erenciais e ordin&rias. 2s 2C)es pre5erenciais dão aos
seus associados o 6ireito ao voto% não < observado o .apital# as o n*ero
de 2C)es $ue se possui.
B ,stado c!aa o 4etor Privado# pe-a .apital do 4etor Privado se ter
$ue e"er no seu .apital para investir.
7ão te Junidade 'ribut&ria# o De-ie de ,pre-o < a .K'.
4" E'(resas P1#li/as.
Pode+se ter ua ,presa P*blica 4.2.% K'62.
B .apital dela < 100V P*blico# lo-o# seus bens são P*blicos.
2 .,= (.ai"a ,con:ica =ederal) < ,presa P*blica# seu .apital <
100V P*blico.
Butra coisa cou a estas ,ntidades ,statais (2utar$uias# =undaC)es
P*blicas# 4ociedades de ,conoia 0ista e ,presas P*blicas) são as
>&der 2ra*@o A 2014
38
DestriC)es $ue a .=/PP prev1: te $ue 5a(er .oncurso# prestar contas ao
'ribunal de .ontas# etc.
21/02/2014
A,entes P1#li/os.
1" 9on/eito.
2" 9lassifi/aç-o.
2" Re,i'e )e Tra#al$o.
1+ Bs A,entes P1#li/os constitue o ele'ento $+'ano do ,stado.
B ,stado atua atrav<s dos seus 2-entes. B ,stado e sentido >urídico
< a prGpria Brde. B ,stado Político < a 4ociedade Br-ani(ada# $ue constitui
u sentido e cou# o Povo.
,ssa atuaCão do ,stado < ipessoal# por$ue os 2-entes não se ove
co Fnio prGprio# para satis5a(er suas vontades# as para alcanCar os
prGprios 5ins do estado ($ue busca =ins P*blicos).
Bs 2-entes atua# na 5ora da Kei# na busca da reali(aCão dos =ins
P*blicos.
9on/eito )e A,ente P1#li/o!
B 2-ente P*blico < todo a$uele ser !uano $ue e"erce =unCão P*blica#
se@a a $ue 'ítulo 5or.
, re-ra# ele < Investi)o# na =ora da Kei# a u Dito# u
Procediento# $ue investe o 2-ente# e re-ra.
Huando se di( Qse@a a $ue 'ítulo 5orR# si-ni5ica $ue# não iporta se <
reunerado# se < a 'ítulo -ratuito# se < tepor&rio# se < volunt&rio# etc.
>&der 2ra*@o A 2014
39
B 'ero 2-ente < be aplo# ele < 91nero.
B 4ervidor P*blico < ua ,sp<cie de 2-ente P*blico.
2" 9lassifi/aç-o )os A,entes P1#li/os.
'eos 2-entes da Inião# 6=# ,stados e 0unicípios% da 2dinistraCão
P*blica Jndireta.
'endo e vista $ue o 'ero 2-ente < uito aplo (atin-e desde o
Presidente da Dep*blica at< o Porteiro da -ara-e do 'ribunal de >ustiCa).
'eos 2-entes $ue e"erce =unCão Ke-islativa# >udici&ria# ,"ecutiva.
4enadores# 6eputados# 8ereadores# irão e"ercer =unCão Ke-islativa.
B Presidente da Dep*blica e seu 8ice# 9overnadores# Pre5eitos# =unCão
,"ecutiva.
>uí(es# B5iciais de >ustiCa# e"erce =unCão >udici&ria.
Jportante perceber esta diversidade de 2-entes para se copreender
a diversidade de ,statutos =uncionais.
B ,statuto =uncional de u 0a-istrado < totalente di5erente de u
,statuto =uncional de u 0<dico.
9lassifi/aç-o!
.lassi5ica+se e 02 %r+(os (9lassifi/aç-o Do+trin8ria): a
.lassi5icaCão nos perite# do ponto de vista >urídico# aplicar el!or as re-ras.
Por e"eplo: teos os 2-entes P*blicos =ederais# ,staduais e
0unicipais. 4ou u 2-ente P*blico 0unicipal% a Kei 0unicipal < $ue e 5a(
copreender in!a =unCão# eu ,statuto =uncional.
9lassifi/aç-o T02 9lassesS!
>&der 2ra*@o A 2014
40
1" A,entes Pol0ti/osP
2" Servi)ores P1#li/osP
2" Parti/+lares e' 9ola#oraç-o.
B se-undo 9rupo# Servi)ores P1#li/os# divide+se e:
" Estat+t8riosP
" 9eletistasP
" Te'(or8rios.
N& u 4T 9rupo# c!aados Servi)ores )e 5ato# ou A,entes )e 5ato.
'odos os 4ervidores dos itens 1# 2 e 3 (2-entes Políticos% 4ervidores
P*blicos% Particulares e .olaboraCão) são investidos na =ora da Kei.
Bs 2-entes de =ato não são investidos# por$ue a Jnvestidura se deu de
5ora ile-al ou não e"istiu# por isto atua coo 2-ente de =ato.
1" A,entes Pol0ti/os!
2-entes cu@os .ar-os t1 Estat+to 9onstit+/ional. Possue
Desponsabilidade Política# são investidos na =unCão P*blica e -eral e sua
Jnvestidura se d& por eleiCão. 2s re-ras $ue os re-ula são e"traídas
diretaente da .D/PP.
,"eplo: Presidente da Dep*blica% >uí(es% 0ebros do 0inist<rio
P*blico% Pre5eitos% 8ereadores% todos estão na .onstituiCão. B ,statuto < a
prGpria .onstituiCão# te ,statuto .onstitucional.
,"eplo: .oo os 8ereadores perde seus .ar-os/0andatos/
0ediante cassaCão por seus pares# < o $ue est& na .onstituiCão.
N& al-uas 7oras# al-uas re-ras $ue se aplica a estes 2-entes
Políticos# coo o .oncurso (>uí(es% 0ebros do 0P% etc.).
N& ainda os 0inistros de ,stado# os 4ecret&rios 0unicipais.
>&der 2ra*@o A 2014
41
,"erce a =unCão >urisdicional# Ke-islativa e a =unCão de 9overno
(trabal!ar e prol da 4ociedade# para satis5a(er os anseios da 4ociedade).
,sses 2-entes ocupa .ar-os Políticos nesse sentido# não no sentido
de indicaCão. Por e"eplo# o .ar-o de 8ereador se d& ediante u Processo
,leitoral.
2" Servi)ores P1#li/os!
.op)e OOV dos 2-entes P*blicos.
E a$uele $ue# e re-ra# in-ressa no ,stado e car&ter de5initivo# para
e"ercer a =unCão P*blica e car&ter pro5issional e ediante reuneraCão.
B 4ervidor P*blico entra para 5icar# não para sair# coo por e"eplo# o
0<dico# o >ui(# o Pro5essor# a =a"ineira de ua ,scola P*blica.
6isse Qe re-raR devido !avere os 4ervidores P*blicos 'epor&rios
(contratados pela 2dinistraCão P*blica para 5a(er al-o e situaC)es
e"cepcionais)# contratados por tepo deterinado.
7a Inião# por e"eplo# pode+se contratar Pes$uisadores estran-eiros
por u pra(o &"io de 5 (cinco) anos.
7o 0unicípio uitas ve(es !& .ar-os va-os% a Kei perite contratar por
u período de 0[ eses# prorro-&veis por ais 0[ eses# para preenc!iento
tepor&rio do .ar-o# at< $ue se 5aCa o .oncurso P*blico para o
preenc!iento de5initivo da$uela va-a.
B $ue t1 e cou os ,statut&rios# .eletistas e 'epor&rios/ ,les
ant1 ua DelaCão de 'rabal!o co u ,nte ,statal ou da 2dinistraCão
P*blica Jndireta.
B $ue os di5erencia < o De-ie >urídico 'rabal!ista.
Bs Estat+t8rios vão anter ua Relaç-o P1#li/a Es(e/ial co a
2dinistraCão P*blica. Jrão e"ercer =unCão P*blica típica de ,stado (o =iscal#
o Prootor# etc.).
>&der 2ra*@o A 2014
42
B >ui( pode ser deitido% o Pro5essor# o 0<dico# tab<. E ua
DelaCão de 'rabal!o (91nero). E ua Kei 'rabal!ista ,special# 91nero# < o
Estat+to 5+n/ional# ua Kei ,special.
E ua DelaCão de 'rabal!o $ue envolve o ,stado# e esta DelaCão <
re-ida pelo ,statuto.
8er a Kei P.112/O0 6isp)e sobre o De-ie >urídico dos 4ervidores
P*blicos .ivis da Inião# das 2utar$uias e das =undaC)es P*blicas =ederais.
.oo saber $ue < o ,statut&rio/ 4ão a$ueles $ue 5i(era .oncurso
P*blico.
,stão na 2dinistraCão P*blica 6ireta# nas 2utar$uias e nas
=undaC)es.
HHH PROVA!
De-ie =uncional dos 4ervidores 2ut&r$uicos: Estat+t8rio.
Bs 9eletistas irão anter ua Relaç-o )e E'(re,o co o 2-ente
,statal. , re-ra co ua ,ntidade Privada da 2dinistraCão P*blica
Jndireta# cu@o De-ie >urídico < de 6ireito Privado. Por$ue estas ,ntidades
e"erce 2tividade ,con:ica (;anco do ;rasil# .orreios# P,'DB;DS4# etc.).
Te' *+e ser Re,i'e 9eletista (HHH PROVA).
E vedado $ue estas JnstituiC)es estabeleCa De-ie >urídico diverso do
.eletista. Art. 142B M 1IB IIB 95/AA:
Art. 142 + Dessalvados os casos previstos nesta .onstituiCão# a
e"ploraCão direta de atividade econ:ica pelo ,stado sG ser& peritida
$uando necess&ria aos iperativos da se-uranCa nacional ou a relevante
interesse coletivo# con5ore de5inidos e lei.
>&der 2ra*@o A 2014
43
M 1I " 2 lei estabelecer& o estatuto @urídico da epresa p*blica# da
sociedade de econoia ista e de suas subsidi&rias $ue e"plore atividade
econ:ica de produCão ou coerciali(aCão de bens ou de prestaCão de
serviCos# dispondo sobre:
II + a su@eiCão ao re-ie @urídico prGprio das epresas privadas#
inclusive $uanto aos direitos e obri-aC)es civis# coerciais# trabal!istas e
tribut&rios.
2J/02/2014
Servi)ores P1#li/os!
2s Keis# $uando se re5ere aos 2-entes P*blicos# se vale dessa
posiCão de 2-ente P*blico.
2 Kei de Jprobidade 2dinistrativa < aplicada aos 2-entes P*blicos e
aos terceiros $ue se bene5icia desta situaCão. 'anto o Kicitante $ue o5erece
propina $uanto o 2-ente P*blico responderão pelo crie praticado.
N& cries $ue são praticados apenas pelos 2-entes P*blicos.
B art. 24B I;B 95/AA 5ala dos .ontratados 'epor&rios# $ue ant1 u
vínculo de 'rabal!o co o ,stado de 7ature(a .ontratual# para e"ercer
=unCão P*blica 'epor&ria e situaC)es eer-enciais.
Art. 24. 2 adinistraCão p*blica direta e indireta de $ual$uer dos
Poderes da Inião# dos ,stados# do 6istrito =ederal e dos 0unicípios
obedecer& aos princípios de le-alidade# ipessoalidade# oralidade#
publicidade e e5ici1ncia e# tab<# ao se-uinte:
I; + a lei estabelecer& os casos de contrataCão por tepo deterinado
para atender a necessidade tepor&ria de e"cepcional interesse p*blico.
>&der 2ra*@o A 2014
44
.ada ,nte te $ue ter Kei prGpria re-ulaentando# Kei especí5ica de
cada ,nte (possue 2utonoia 2dinistrativa para criare seus .ar-os#
De-ular seus 4erviCos# etc.).
4e tratar de ua necessidade peranente# o ,stado te $ue resolver
de outra 5ora.
6i-aos por e"eplo $ue deterinada Pre5eitura te apenas ua 8a-a
de 0<dico% o 0unicípio necessita de ais de u 0<dico# as não pode
contratar por 1 ano# 2 anos# 3 anos# etc. 'e $ue criar outros .ar-os de
<dico e 5a(er .oncurso para preenc!er as 8a-as. Pode at< contratar# as
por u curto período.
B 6ireito 2dinistrativo se interessa pelos 4ervidores P*blicos#
principalente pelos ,statut&rios# Servi)ores P1#li/os Estat+t8rios.
B De-ie 'rabal!ista dos 4ervidores P*blicos .eletistas < o eso
das ,presas Privadas. Bs E'(re,a)os P*blicos não t1 estabilidade.
2l-uns ,pre-ados P*blicos 5ora estabili(ados# no caso a$ueles $ue
trabal!asse e ,presas P*blicas at< 5 anos ou ais antes da proul-aCão
da .D/PP.
2" Parti/+lares e' 9ola#oraç-o!
Bs Particulares e .olaboraCão# e"ercendo =unCão P*blica# são
Pessoas =ísicas $ue e"ecuta e car&ter ProvisGrio/'ransitGrio# =unC)es
P*blicas co De-ie ,special previsto e Kei# coo por e"eplo# pessoas
convocadas para trabal!ar nas ,leiC)es (trabal!a de acordo co a Kei do
De-ie ,leitoral)% os .oiss&rios de 0enores (volunt&rios)% os 'itulares de
De-istros P*blicos (.artGrios de De-istro de JGveis# De-istro de Pessoas#
etc.)% .oncession&rias e Perission&rias de 4erviCo P*blico ('a"istas%
'ransporte e 8ans# etc.). B ,stado perite $ue estas pessoas
e"erCa/e"ecute o 4erviCo P*blico# ediante .ontrato de .oncessão/de
Perissão.
>&der 2ra*@o A 2014
45
,bora se@a particulares (não 5a(e parte da 2dinistraCão P*blica)#
e"ecuta certas 5unC)es especiais $ue pode ser classi5icadas coo
P*blicas. 2l-uns su@eita+se a encar-os e 5avor da coletividade% não
recebe $ual$uer tipo de reuneraCão. ,".: 0es&rios e >urados. Butros
e"eplos: >urados% Peritos noeados pelo >ui(% Keiloeiros% etc.
Bs 2-entes P*blicos Particulares e .olaboraCão são a$ueles $ue
e"erce 2tividade ,statal ou P*blica# e 5avor da .oletividade. ,".:
;obeiros volunt&rios# >urados# .oissariados# 0es&rios# etc. 7ão possue
reuneraCão# as são considerados 2-entes P*blicos.
.oncession&rios# Perission&rios# convocados para PrestaCão de
4erviCo 0ilitar Bbri-atGrio# para trabal!ar nas ,leiC)es# todos são e"eplos de
Particulares e .olaboraCão.
2 Kei estabelece o De-ie de cada ua destas =unC)es.
Bs 2-entes P*blicos# Políticos# 'epor&rios são investidos na =unCão
P*blica.
4" A,entes )e 5ato TServi)ores )e 5atoS!
Bs A,entes )e 5ato e"erce =unCão P*blica e decorr1ncia de caso
e"cepcional as se Jnvestidura na =unCão P*blica.
N& duas S+#es(:/ies:
1+ Bs A,entes Ne/ess8rios# $ue são a$ueles $ue pratica 2tos#
e"erce =unCão 2dinistrativa e situaC)es e"cepcionais# coo se 5osse
2-ente de 6ireito. Por e"eplo# di-aos $ue !a@a ua ,pideia no 0unicípio
e os 0<dicos estão trabal!ando% !& outros 0<dicos $ue 5ora trabal!ar
apenas nesta situaCão e"cepcional. 7ão !ouve nen!u De-ie de Jnvestidura
(e"eplos: volunt&rios $ue trabal!a co os ;obeiros# co a Polícia# etc.).
>&der 2ra*@o A 2014
46
0as eles são considerados 2-entes P*blicos# eso do ponto de vista
>urídico# ostentando a$uela posiCão# incorre no eso De-ie >urídico ao
$ual estão subetidos os 2-entes P*blicos. 7ão se pode utili(ar desta posiCão
para praticar atos ile-ais.
2+ Bs A,entes P+tativos são ua 2ª ,sp<cie de 2-entes de =ato.
Bs 2tos praticados por estes 2-entes se ant1 ou não/
,ntre a Ke-alidade estrita e a Se,+rança G+r0)i/a# privile-ia+se esta
*ltia.
'odos os 2tos Ke-ais $ue o 2-ente Putativo praticou# de 5ora Ke-al# se
ant1 ('eoria da 2par1ncia)# por$ue o terceiro nada te a ver co isso.
4upon!aos $ue eu 5aCa ua 4olicitaCão de KicenCa para .onstruCão%
se a KicenCa 5oi assinada pelo 2-ente Putativo# ela ser& v&lida# a
2dinistraCão P*blica não ir& desconstituir a$uele 2to.
Bs 2-entes Putativos são os $ue desepen!a ua 2tividade P*blica
na presunCão de $ue !& Ke-itiidade# ebora não ten!a !avido Jnvestidura
dentro do Procediento le-alente e"i-ido. E o caso# por e"eplo# do
4ervidor $ue pratica in*eros 2tos de 2dinistraCão# tendo sido Jnvestido se
aprovaCão e .oncurso P*blico.
'rabal!a na 2dinistraCão P*blica 6ireta.
, re-ra# são ,statut&rios.
Servi)ores
P1#li/os
'rabal!a na 2dinistraCão P*blica Jndireta.
(6e 6ireito Privado .K' U Kei 'rabal!ista).
>&der 2ra*@o A 2014
47
9ara/ter0sti/as )os Servi)ores P1#li/os!
1" Profissionali)a)e! ser 4ervidor P*blico < ua Pro5issão%
2" Definitivi)a)e: in-ressa ediante .oncurso para ali
peranecere%
3+ Relaç-o G+r0)i/a )e Tra#al$o: se vin/+la' aos Entes e esta
DelaCão < considerada ua Relaç-o )e Tra#al$o Servi)or U Esta)o
(,pre-ador).
Bs 4ervidores ant1 co o ,stado ua DelaCão de 'rabal!o (<
91nero). De-ie >urídico =uncional.
,sta DelaCão pode ser# ora 'rabal!ista# ora de ,pre-o. E ua
&scara# o ,stado ,pre-ador.
B ,stado Ke-islador < o $ue le-isla e d& para si eso# estabelece
para si eso o De-ie# ,statuto.
2 4ª 5ora < o ,stado =iscal# $ue te o Poder de Polícia# 5iscali(a para
todos.
B 4ervidor P*blico ,statut&rio não < re-ido pela >ustiCa do 'rabal!o. B
,stado atua unilateralente# atua e situaC)es @& constituídas.
, relaCão aos Servi)ores P1#li/os Estat+t8rios da 2dinistraCão
P*blica ,stadual e 0unicipal# a G+stiça 9o'+' : a /o'(etente para @ul-ar
as deandas $ue envolva estes servidores# pois# neste caso# o vínculo não <
de epre-o# as si de adesão.
Huanto aos E'(re,a)os P1#li/os 9eletistas da 2dinistraCão
P*blica ,stadual e 0unicipal# ser& de 9o'(et?n/ia )a G+stiça )o Tra#al$o#
con5ore interpretaCão do 4upreo 'ribunal =ederal# pois neste caso# o
vínculo < de epre-o# contratual.
>&der 2ra*@o A 2014
48
B entendiento adotado pelo 4upreo 'ribunal =ederal# $ue 5i"ou a
incopet1ncia da >ustiCa do 'rabal!o para @ul-ar as aC)es $ue envolva
4ervidores ,statut&rios e a 2dinistraCão P*blica# não 5oi recebida de 5ora
pací5ica por toda a 6outrina.
I e"eplo < a @ei )e %reve# $ue não < aplicada para o 4ervidor
P*blico at< !o@e# tendo o 4'= $ue andar aplicar a Kei de 9reve aplicada para
os 'rabal!adores Particulares.
Servi)ores P1#li/os 9ivis e Servi)ores P1#li/os Militares (0arin!a#
,"<rcito# 2eron&utica# Policiais .ivis e 0ilitares): a 9uarda .ivil# a 9uarda
0unicipal# não entra nesta .lassi5icaCão.
4e a 9uarda .ivil depara+se co ua situaCão ais -rave# coo ela
não usa aras# deve c!aar a Polícia 0ilitar.
Polícias 0ilitares dos ,stados 0ebros e da 0arin!a# ,"<rcito e
2eron&utica.
2 .D/PP 5oi eendada e o .apítulo $ue 5alava dos 4ervidores P*blicos
.ivis e 0ilitares 5oi separada. Ko-o# a .D não 5ala ais e 4ervidores P*blicos
0ilitares# de 5ora $ue ua parte da doutrina entende $ue essa esp<cie 5oi
e"tinta.
Servi)ores P1#li/os 9o'+ns! copete a estes a e"ecuCão das
2tividades P*blicas e -eral e o desepen!o de atividades de apoio.
9eralente t1 o ,statuto 9eral dos 4ervidores P*blicos.
Servi)ores P1#li/os Es(e/iais! e"erce al-uas =unC)es ,speciais#
típicas de ,stado. E o caso dos 0a-istrados# 0inist<rio P*blico# 6e5ensoria
P*blica# 6iploacia% t1 ,statuto ,special e uito ais rí-ido.
Servi)ores Estat+t8riosB Te'(or8riosB Tra#al$istas T9eletistasS!
>&der 2ra*@o A 2014
49
'eos 02 Re,i'es G+r0)i/os 5+n/ionais na A)'inistraç-o P1#li/a:
,statut&rio% .eletista e .ontratual.
Servi)ores Estat+t8rios! con@unto de De-ras e Princípios $ue re-ula
a DelaCão 4ervidor P*blico U ,stado. E aplicado para os 4ervidores investidos
na =unCão P*blica# se@a eles .oncursados ou .oissionados (.ar-os de
.on5ianCa).
Possui as se-uintes 9ara/ter0sti/as!
1" Pl+rali)a)e Nor'ativa (cada 3r-ão te seu ,statuto). Bs ,statutos
dos 4ervidores P*blicos 0unicipais não se con5unde co o ,statuto dos
4ervidores P*blicos ,staduais ou =ederais/Inião. L (roi#i)o (e,ar Estat+to
(or e'(r:sti'oHHH.
7o Fbito de ua 'es'a Enti)a)e# no entanto# (o)e ter +'a
Pl+rali)a)e )e Estat+tos (e".: ,statuto dos 4ervidores P*blicos% ,statuto
9eral% ,statuto dos 4ervidores da 4a*de). 0as não pode ua .ate-oria
,special $uerer bene5iciar+se de al-o previsto no ,statuto de outra
.ate-oria/,sp<cie de 4ervidores.
B De-ie >urídico ,statut&rio re-e ua DelaCão >urídica não
.ontratual# as Instit+/ional# o $ue si-ni5ica $ue estes 4ervidores não
celebra .ontratos co o ,stado# as a .onsolidaCão de ua situaCão
=uncional# coo por e"eplo# a 7oeaCão para o .ar-o e a Posse# atrav<s de
outro 2to# a partir do $ual voc1 < le-itiado ao e"ercício do .ar-o# a pessoa
dei"a de ser candidato e passa a ser 2-ente P*blico# re-ido pela Kei (,stado U
4ervidor P*blico). Jnvestido no .ar-o# a pessoa passa a -o(ar de u 4tatus#
4tatus >urídico.
7o Fbito =ederal teos a Kei =ederal P.112% o ,stado de 0inas 9erais#
Kei 10.254% 0unicípio (;N)# Kei L.1[O. 4ão al-uns e"eplos de 7oras.
Hue pode criar 7oras de De-ie >urídico/ Bs ,ntes ,statais. Hue
te a iniciativa de Kei sobre o De-ie ,statut&rio/ Bs .!e5es do ,"ecutivo.
Art. K1B M1IB IIB /B 95/AA:
Art. K1. 2 iniciativa das leis copleentares e ordin&rias cabe a
$ual$uer ebro ou .oissão da .Fara dos 6eputados# do 4enado =ederal
ou do .on-resso 7acional# ao Presidente da Dep*blica# ao 4upreo 'ribunal
>&der 2ra*@o A 2014
50
=ederal# aos 'ribunais 4uperiores# ao Procurador+9eral da Dep*blica e aos
cidadãos# na 5ora e nos casos previstos nesta .onstituiCão.
M 1I + 4ão de iniciativa privativa do Presidente da Dep*blica as leis $ue:
II + dispon!a sobre:
/S servidores p*blicos da Inião e 'erritGrios# seu re-ie @urídico#
proviento de car-os# estabilidade e aposentadoria.
N& e"ceC)es e $ue a .opet1ncia < do >udici&rio e do Ke-islativo. Por
e"eplo# $ue te a iniciativa de criar .ar-os para o >udici&rio# < o >udici&rio
apenas. B 9overnador de 0inas 9erais não pode criar .ar-os para o
0inist<rio P*blico de 0inas 9erais# por e"eplo. .abe ao >udici&rio cri&+los.
Bs @it0,ios de 7ature(a 'rabal!ista envolvendo ,statut&rios são de
.opet1ncia da >ustiCa ,stadual .ou# e !avendo 8ara ,speciali(ada#
nestas.
2A/02/2014
Re,i'e G+r0)i/o 5+n/ional!
1" Estat+t8rioP
2" 9eletistaP
2" 9ontrat+al.
B De-ie >urídico Estat+t8rio pode se odi5icar. Pode sur-ir
al-uas obri-aC)es# al-uns 6ireitos pode sur-ir# outros pode ser e"tintos.
Bs 6ireitos ad$uiridos pelos 4ervidores são respeitados.
, o Re,i'e 9eletista/
'odos os trabal!adores .eletistas ant1 ua DelaCão de ,pre-o# <
u De-ie \nico (.K').
>&der 2ra*@o A 2014
51
7ão iporta se sou 4ervidor P*blico# se trabal!o e ua ,presa
Privada% se sou .eletista# a DelaCão de ,pre-o < re-ida pela .K'.
B ,nte ,statal pode criar 7oras especí5icas# criando bene5ícios. 2 .K'
< o ínio de proteCão# $ual$uer epre-ador pode criar 7oras especí5icas.
Bs ,pre-ados P*blicos são alcanCados por 7oras de 7ature(a
2dinistrativa e deve atuar co base nos Princípios da Ke-alidade#
Jpessoalidade# 0oralidade# Publicidade e ,5ici1ncia (KJ0P,)#
obri-atoriaente.
Bs 2-entes P*blicos $ue são 4ervidores .eletistas t1 $ue se -uiar
tab< pelas 7oras 2dinistrativas. B a-ir dos ,pre-ados P*blicos não
pode ser observado apenas pela .K'# as tab< pelas 7oras
2dinistrativas.
4e 5or u ,pre-ado de ua ,presa P*blica# a ,ntidade responde
pelos danos provocados por este 2-ente.
B .arteiro# o =uncion&rio do ;anco do ;rasil# responde não apenas
co a observaCão das De-ras da .K'# as tab< das 7oras
2dinistrativas.
4e u 9erente do ;anco do ;rasil# ua ,ntidade da 2dinistraCão
P*blica Jndireta# pratica u crie# ele responde observadas as 7oras
2dinistrativas.
9o'(et?n/ia (ara Sol+ç-o )e @it0,ios!
2 .opet1ncia para soluCão de Kití-ios < da >ustiCa do 'rabal!o# na
$ue se re5ere aos con5litos de nature(a trabal!ista envolvendo os ,pre-ados
P*blicos =ederais# ,staduais# 0unicipais.
2plica+se todo o previsto na .K' e nas Keis ,"trava-antes.
Re,i'e G+r0)i/o 9ontrat+al!
>&der 2ra*@o A 2014
52
Jnstituído por Kei para re-er os ,pre-ados 'epor&rios contratados
pela 2dinistraCão P*blica. ,"clui+se a$ueles contratados teporariaente
e ,presa P*blica e 4ociedade de ,conoia 0ista. B ;anco do ;rasil não
ir& contratar u ;anc&rio por .ontrato 'epor&rio at< 5a(er o .oncurso#
por$ue este .ontrato 'epor&rio dever& ser 5eito observadas as 7oras
previstas na .K'.
.ada ,nte ,statal dever& criar suas prGprias Keis tratando da
.ontrataCão 'epor&ria. Art. 24B I;B 95/AA:
Art. 24. 2 adinistraCão p*blica direta e indireta de $ual$uer dos
Poderes da Inião# dos ,stados# do 6istrito =ederal e dos 0unicípios
obedecer& aos princípios de le-alidade# ipessoalidade# oralidade#
publicidade e e5ici1ncia e# tab<# ao se-uinte:
I; + a lei estabelecer& os casos de contrataCão por tepo deterinado
para atender a necessidade tepor&ria de e"cepcional interesse p*blico.
Huais os 6ireitos e Bbri-aC)es destes ,pre-ados/ 4ão a$ueles
previstos na Kei de .ontrataCão 'epor&ria# observados os 6ireitos 0ínios
$ue a .=/PP recon!eceu tab< aos 4ervidores P*blicos# por$ue o $ue <
previsto na .K' eles @& t1.
Bs 4ervidores 'epor&rios t1 $ue ter pelo enos os 6ireitos 0ínios
(=<rias% 13T% KicenCa 0aternidade% etc.)%
E claro $ue eles não t1 estabilidade# não ocupa .ar-os# as do
ponto de vista da 6i-nidade Nuana# te $ue recon!ecer aos 'epor&rios
6ireitos ;&sicos%
Hue te .opet1ncia para diriir estes con5litos de Brde
.ontratual/
Para parte da 6outrina# a .opet1ncia < da >ustiCa .ou# tendo e
vista a nature(a do .ontrato# $ue te coo 5undaento ua Kei criada pelo
,nte ,statal para re-er estes .ontratos.
>&der 2ra*@o A 2014
53
Para outra parte da 6outrina# a .opet1ncia < da >ustiCa do 'rabal!o.
Para o Pro5essor# a .opet1ncia < da >ustiCa .ou.
9ar,osB E'(re,os e 5+nçes P1#li/as!
2 2dinistraCão P*blica# ,stadual/Paraestatal# te $ue e"ecutar
=unC)es P*blicas# o Poder de Polícia# etc.
.onstata+se o auto -rau de cople"idade da 2dinistraCão P*blica# a
cople"idade de 2-entes P*blicos e a 0ultiplicidade de 2tos a sere
praticados.
2 2dinistraCão deve desepen!ar ua s<rie de =unC)es as ais
cople"as.
Ia 5ora racional de se 5a(er < ediante a criaCão de 3r-ãos. Por
e"eplo# Qcopete M 4ecretaria de 4a*de e"ecutar...R.
Para $ue estas atribuiC)es se@a e"ecutadas aterialente# <
necess&rio ua $uantidade de 2-entes# $ue @untos# irão e"ecutar este
cople"o de atribuiC)es. Para $ue os 2-entes saiba $uais suas atribuiC)es#
< $ue são criados os .ar-os# ,pre-os e =unC)es P*blicas.
,"eplo:
.ar-o de 0<dico U =unC)es:
.ar-o de ,n-en!eiro U =unC)es:
.ada car-o varia# por$ue as atribuiC)es são di5erentes.
2tribui+se aos 2-entes o rol de atribuiC)es $ue a ele cabe e"ecutar# de
5ora racional.
Bs .ar-os# por se tratar de at<ria 2dinistrativa# são criados pelos
,ntes 2dinistrativos.
>&der 2ra*@o A 2014
54
B .ar-o < esse ple"o# ou atribuiC)es criadas por Kei. B .ar-o < a enor
unidade de atribuiC)es criadas por Kei# co noe prGprio e reuneraCão
prGpria.
2 $uantidade tab< < deterinada por Kei# coo por e"eplo:
+ 0<dico/.línico 9eral: 01 va-a.
+ Pediatra: 02 va-as.
+ ,n5ereiro: 05 va-as.
Ia Kei 9eral cria o Plano de .ar-os# .arreiras# =unC)es e
DeuneraC)es# as !& tab< outras Keis $ue trata de .ar-os. .apítulo 8JJ
U 6a 2dinistraCão P*blica + 2rt. 3L e ss# .=/PP.
Hue pode responder por 2to de Jprobidade 2dinistrativa/ Bs
2-entes P*blicos ais terceiros (ver @ei NI A.42FB )e 2 )e G+n$o )e 1FF2 +
Kei de Jprobidade 2dinistrativa):
@EI NI A.42FB DE 2 DE G>N3O DE 1FF2!
6isp)e sobre as sanC)es aplic&veis aos a-entes p*blicos nos casos de
enri$ueciento ilícito no e"ercício de andato# car-o# epre-o ou 5unCão na
adinistraCão p*blica direta# indireta ou 5undacional e d& outras provid1ncias.
Es(:/ies )e 9ar,os!
'eos os .ar-os coo:
J U .onceito%
JJ+ ,sp<cies%
JJJ+ Proviento.
II" Es(:/ies!
1 " De Provi'ento Efetivo! $ue se d& por eio de .oncurso. 6&
estabilidade# sG sai se coeter 5altas -raves.
>&der 2ra*@o A 2014
55
2 " De 9o'iss-o To+ )e 9onfiançaS! são .ar-os criados por Kei# as
cu@o proviento não se d& por eio de .oncurso# as pela Kivre 7oeaCão. 2
Kei prev1 $ual a pessoa $ue ter& .opet1ncia para tanto# para indicar/noear
a pessoa.
N& )+as Es(:/ies )e 9ar,o e' 9o'iss-o: de 2cesso 2plo% de
2cesso Destrito/Proviento Destrito:
" 9ar,o e' 9o'iss-o )e A/esso A'(lo! criados por Kei# con5ere
poder M pessoa noeante para escol!er pessoas at< de 5ora da 2dinistraCão#
se vínculo al-u co a 2dinistraCão. 4ão os .ar-os e .oissão de
2plo 2cesso. 0as nada ipede $ue se escol!a al-u< da prGpria
2dinistraCão. Bs noeados para ocupar estes .ar-os deve possuir
re$uisitos e"i-idos e Kei.
" 9ar,o e' 9o'iss-o )e A/esso Restrito/Provi'ento Restrito! os
noeados deve ser# obri-atoriaente# 4ervidores P*blicos $ue ocupe
9ar,os )e 9arreira. ,"eplo: 2uditor =iscal da Deceita =ederal.
2" 9ar,o )e 9arreira! < u .ar-o $ue est& dividido e diversas
.lasses# $ue possui di5erentes .lasses. Por e"eplo: Pro5essor de ua ,scola
P*blica# coo saber se < u .ar-o de .arreira/ Pe-a+se a Kei e v1 se o
.ar-o de Pro5essor est& dividido# coo por e"eplo# .lasse de Pro5essor
2ssistente% .lasse de Pro5essor 2d@unto% .lasse de Pro5essor 'itular.
Bs .ar-os de .arreira então são a$ueles $ue cop)e+se e .lasses.
2plica+se o .oncurso para a .lasse Jnicial.
B acesso aos deais .ar-os de .arreira se d& por eio de ProoCão
(por te'(o )e serviço ou 'ere/i'ento).
B $ue di5erencia <: -rau de cople"idade de atribuiC)es% -rau de
responsabilidades ($ue pode ais < ais cobrado)% -rau de reuneraCão.
.oo se prov1 os deais .ar-os de ua deterinada .arreira: por
prooCão# por$ue para a .lasse Jnicial < ediante .oncurso.
2 Kei de cada ,nte ,statal deve indicar os .ar-os# o Proviento# etc.
>&der 2ra*@o A 2014
56
4" 9ar,os )e 9onfiança! Bs .ar-os de .on5ianCa são .ar-os cu@os
n*cleos são de 9$efia# Direç-o e Assessora'ento# o $ue perite $ue se
indi$ue pessoas se e"pertise e se interesse na 2dinistraCão.
J" 9ar,os Eletivos! são a$ueles cu@a escol!a se d& por eio de
,leiC)es# .ar-o cu@a pessoa 5oi escol!ida para e"ercer o .ar-o ediante
,leiCão (Pre5eitos# 8ereadores# 6eputados# 9overnadores# 4enadores#
Presidente).
01/04/2014
E'(re,o P1#li/o.
B E'(re,o consiste no cople"o de atribuiC)es $ue são e"ercidos
con5ore o De-ie >urídico 'rabal!ista# re-ido pela .K'.
B E'(re,o P1#li/o tab< < re-ido pela .K'.
Bs ,pre-ados P*blicos# cu@o vínculo contratual co o ,stado se-ue
as re-ras da .K'# ao contr&rio dos epre-ados particulares $ue tab< se
vincula M .onsolidaCão das Keis do 'rabal!o# possue estabilidade no
epre-o# eso $ue enor do $ue a$uela dos ocupantes de .ar-o P*blico +
,statut&rios.
+ .ar-o P*blico U ,statuto (Kei)%
+ ,pre-o P*blico U .K' (.ontrato).
B De-ie >urídico 'rabal!ista a$ui < re-ulado pela .K'# ,stado U
4ervidor.
7ão se pode cuular ,pre-o P*blico.
Bs ,pre-os P*blicos estão nas ,ntidades da 2dinistraCão 6ireta#
2ut&r$uica e =undacional# tendo sua relaCão de trabal!o re-ida pela .K'.
>&der 2ra*@o A 2014
57
,pre-os pode ser /ria)os (or @ei ou por Ato A)'inistrativo# 2tos
Jnternos.
2s 5+nçes são cople"os de atribuiC)es de .!e5ia# 6ireCão e
2ssessoraento. 7ão se 5a( .oncurso para =unCão. 2s =unC)es# assi coo
os .ar-os (,5etivos# e .oissão) t1 de ser /ria)as (or @ei.
5+nçes! .ople"o# de .!e5ia# são =unC)es de .on5ianCa. 6eve ser
ocupados por 4ervidores ,5etivos# .oncursados. .uula o 9ar,o e a
5+nç-o. ,"eplo: 2-ente 2dinistrativo JJ noeado para a =unCão de .!e5e
de 4eCão. 2cuula o .ar-o (2-ente 2dinistrativo JJ) e a =unCão (.!e5e de
4eCão).
.ada 4etor te u .!e5e.
,ssa =unCão < de .!e5ia# 6ireCão e 2ssessoraento.
Bs 9ar,os e' 9o'iss-o e' Senti)o A'(lo pode ser o/+(a)os
(or *+al*+er +'.
Bs 9ar,os e' 9o'iss-o )e A/esso Restrito deve ser o/+(a)os
o#ri,atoria'ente (or Servi)ores )e 9arreiraB Efetivos.
7ão con5undir .ar-o e .oissão de .!e5ia# de 6ireCão e
2ssessoraento.
Huando a pessoa vai ocupar o .ar-o e .oissão de 2cesso Destrito#
se a5asta do .ar-o ,5etivo de .arreira. B nível de atribuiC)es do .ar-o e
.oissão < ais cople"o.
5+nç-o )e 9onfiança < ocupado apenas por 4ervidor de .ar-o ,5etivo#
ao contr&rio do .ar-o de .on5ianCa (.!e5ia# 6ireCão e 2ssessoraento). 2 Kei
< $ue ir& criar esses .ar-os.
>&der 2ra*@o A 2014
58
4ervidor $ue ocupa .ar-o ,5etivo < o .oncursado.
.ar-o isolado < $ue est& distribuído e .lasses.
.ar-o de .arreira < coposto por .oncursados e cu@o acesso aos
deais .ar-os se d& por eio de ProoCão.
'eos:
=unC)es de .on5ianCa: de .!e5ia# 6ireCão e 2ssessoraento.
.ar-os de .on5ianCa: de .!e5ia# 6ireCão e 2ssessoraento.
8e@aos u e"eplo:
6iretor do 602 9ar,o de .on5ianCa (não precisa ser ,5etivo).
.!e5e do 602 5+nç-o de .on5ianCa.
2-ente 2dinistrativo JJJ
2-ente 2dinistrativo JJ .ar-os de .arreira
2-ente 2dinistrativo J
N& o a5astaento para e"ercício de =unCão de .!e5ia# 6ireCão e
2ssessoraento. 25asta+se de seu .ar-o de .arreira# $ue 5ica va-o (nin-u<
< colocado e seu lu-ar# o .ar-o 5ica va-o).
2 =unCão o 4ervidor acuula.
Re,i'e G+r0)i/o Vni/o.
B Ke-islador deve prever u De-ie >urídico \nico para os 4ervidores
P*blicos# por$ue no De-ie >urídico \nico o ,nte ,statal deve:
>&der 2ra*@o A 2014
59
Para ua corrente# o Re,i'e G+r0)i/o Vni/o seria o Estat+t8rio para
os Servi)ores )a A)'inistraç-o P1#li/a DiretaB s+as A+tar*+ias e
5+n)açes (para o Professor esta < a .orrente correta).
Para outra corrente# o De-ie >urídico \nico deveria ser escol!ido#
podendo ser o Estat+t8rio o+ 9eletista# as ua ve( escol!ido deve ser
obri-atGrio para os 4ervidores P*blicos da 2dinistraCão 6ireta# suas
2utar$uias e =undaC)es.
Para ua 2E /orrente# o De-ie >urídico \nico deveria ser estabelecido
apenas para os 4ervidores da 2dinistraCão P*blica 6ireta# devendo ser
obri-atGrio o De-ie >urídico Estat+t8rio para estes. >& os Servi)ores )as
A+tar*+ias e 5+n)açes (o)eria' ser re,i)os (elo Re,i'e Estat+t8rio o+
9eletista# poder+se+ia escol!er o De-ie >urídico para estes.
7o entanto# o ST5 estabeleceu $ue para os 4ervidores de 2utar$uias o
De-ie >urídico deve ser o ,statut&rio# pois seus 4ervidores e"erce =unCão
P*blica 2dinistrativa.
Or,ani7aç-o 5+n/ional.
" N+a)ro 5+n/ional! $ue prev1 o con@unto de .arreiras# .ar-os
Jsolados# .ar-os e .oissão e =unC)es P*blicas# reuneradas# inte-rantes
de ua esa ,ntidade =ederativa...
N& sepre u Huadro 9eral e outros Huadros ,specí5icos.
" 9arreira! < u con@unto de .lasses =uncionais e $ue seus
inte-rantes vão percorrendo diversos pataares atrav<s de Pro-ressão
=uncional.
" 9lasse! con@unto de .ar-os co esas atribuiC)es# eso -rau de
cople"idade# responsabilidade e nível reuneratGrio.
Bs .ar-os $ue cop)e as .lasses são .ar-os de .arreira.
>&der 2ra*@o A 2014
60
" 9ar,os )e Pro,ress-o 5+n/ional 3ier8r*+i/a! a Pro-ressão
=uncional < o cresciento 5uncional do 4ervidor P*blico nos níveis e na classe
da carreira# con5ore o plano de car-os estruturado de 5ora vertical e
!ori(ontal# 5undaentado na titulaCão e no desepen!o pro5issional. 2
pro-ressão entre níveis dentro de ua classe < a ascensão !ori(ontal. 2
pro-ressão entre classes < a ascensão vertical.
" 9ar,o Isola)o e )e Pro,ress-o @inear! por e"eplo# sG te o .ar-o
de 2-ente 2dinistrativo J% estou no .ar-o !& 10 anos. ,ntrou outro 2-ente
2dinistrativo J a apenas u 1s. 0as eu @& tive auento salarial# por estar a
10 anos no .ar-o. Jsto < ua Pro-ressão Kinear.
N+estes!
1" .Fara de 8ereadores da .idade QXR est& criando o ,pre-o P*blico
para o .ar-o de .ontador. B $ue est& errado/
7ão pode ser Q,pre-oR (.K')# te de ser De-ie >urídico \nico#
,statut&rio.

2" B Presidente da .Fara de 8ereadores $uer deitir u .ontador
re-ido pela .K'. Pode/
4i. 0as se o .ontador 5osse re-ido pelo De-ie >urídico \nico
,statut&rio# ,5etivo# não poderia ser deitido se passar por u Processo
2dinistrativo.
" 9ar,os Vital0/ios! são .ar-os cu@os 2-entes sG pode perd1+los
ediante Processo >udicial# coo por e"eplo# 0a-istrados# ebros do
0inist<rio P*blico.
>&der 2ra*@o A 2014
61
" 9riaç-oB Transfor'aç-o e E&tinç-o )e 9ar,os! deve+se 5a(er
ediante Kei# e"cepcionando+se $uando os .ar-os estivere va-os# $uando
poderão ser e"tintos ediante decreto pelo .!e5e do ,"ecutivo.
'udo $ue se re5ere a .ar-o < at<ria de Deserva Ke-al.
,"ceCão: .ar-os e =unC)es# $ue $uando va-os pode ser e"tintos
ediante 6ecreto pelo .!e5e do ,"ecutivo.
0A/04/2014
O *+e : Provi'entoO
E o =ato 2dinistrativo $ue tradu( o preenc!iento de u .ar-o
(,5etivo% e .oissão) P*blico.
O 9ar,o foi Provi)o! o .ar-o 5oi preenc!ido# al-u< 5oi Jnvestido. E
ua BcupaCão >urídica (status >urídico do .ar-o)# não 5ísica.
Proviento tradu( ua situaCão de =ato# < =ato.
4e provee os .ar-os ediante previsão na .=/PP e por eio de Kei:
Por .oncurso P*blico%
1+ 2trav<s de 2tos 2dinistrativos de car&ter 5uncional# re-ulados por
Kei 2dinistrativa. 4ão c!aados Atos )e Provi'ento.
Ti(os )e Provi'ento!
1" Provi'ento Ori,in8rio! ato de preenc!iento de .ar-o P*blico $ue
d& início a ua DelaCão 'rabal!ista ,statut&ria nova. 4e d& de duas 5oras:
1.1+ B 'itular nunca pertenceu ao 4erviCo P*blico%
>&der 2ra*@o A 2014
62
1.2+ Por$ue ele era 4ervidor as sua DelaCão =uncional era re-ido por
,statuto diverso. ,"eplo: era ,n5ereiro# 5orou+se e 6ireito# 5e( novo
.oncurso e a nova =unCão# de 2dvo-ado# < re-ido por ,statuto diverso do de
,n5ereiro.
2" Provi'ento Deriva)o! ato de preenc!iento de .ar-o P*blico co
al-u< $ue @& tin!a vínculo# a pessoa ant< o .ar-o# ebora a pessoa
este@a ocupando novo .ar-o. .ar-os de esa .arreira e su@eitos a u
eso ,statuto. ,"eplo: voc1 < '<cnico e ,n5era-e# 5ora+se e
,n5era-e e passa a ser ,n5ereiro. 8ai de u .ar-o para outro e ant<
a esa DelaCão 'rabal!ista.
5or'as )e Provi'ento! atos de Proviento e ,sp<cie.
1" No'eaç-o! < o 2to 2dinistrativo $ue ateriali(a o Proviento
Bri-in&rio. Pode ocorrer e relaCão aos .ar-os 8italícios (>uí(es# ebros do
0inist<rio P*blico# por e"eplo) e aos de Proviento ,5etivo.
2 7oeaCão tab< < de .ar-os e .oissão.
E o ato por eio do $ual !& o Proviento do .ar-o.
7ão con5unda a siples 7oeaCão (por$ue a pessoa pode ser
noeada e não assuir o .ar-o) co a Jnvestidura. 2 7oeaCão < o prieiro
passo. 2 Jnvestidura consiste nu con@unto de atos $ue perite o le-ítio
Proviento e e"ercício das =unC)es.
6epois da 7oeaCão e"iste ais dois =atos $ue t1 $ue ocorrer:
2" Posse. 2 Posse < o ato pelo $ual < atribuído ao 4ervidor 7oeado as
Prerro-ativas# 6ireitos e 6everes do .ar-o.
.onsidera+se 4ervidor depois da Posse. 'oou Posse# @& est&
e"ercendo a 2dvocacia 2dinistrativa# @& !& o vínculo 2dinistrativo =oral.
6epois de 7oeado# te 30 (trinta) dias para toar Posse.
>&der 2ra*@o A 2014
63
.o a Posse copleta+se a DelaCão ,statut&ria.
2" E&er/0/io. 6epois da Posse# se-ue+se o ,"ercício# $ue < o $ue
con5ere ao 4ervidor a percepCão de sua DeuneraCão# $ue o obri-a a coeCar
a cuprir suas =unC)es# al< de ser o e5etivo e"ercício das atribuiC)es
inerentes ao seu .ar-o.
Atos )e Provi'ento Deriva)o.
B 4ervidor @& te ua DelaCão >urídica =uncional e passa a ocupar
outro .ar-o re-ido pelo eso ,statuto.
4epre te e vista o .ar-o Jnicial e o .ar-o para o $ual a pessoa
udou. N& essa udanCa de .ar-os.
" Pro'oç-o! ato de Proviento 6erivado pelo $ual o 4ervidor sai de
seu .ar-o e in-ressa e outro .ar-o de .lasse ais elevada e sua .arreira
(,"eplo: Pro5essor 4ubstituto vai para Pro5essor 2d@unto% >ui( de .arreira vai
a 6esebar-ador).
4e d& por 'epo de 4erviCo e 0ereciento.
2s Keis estabelece os .rit<rios Bb@etivos (por 'epo) e 4ub@etivos
(por 0ereciento).
" Rea)a(taç-o! ato pelo $ual o 4ervidor ocupante de deterinado
.ar-o passa a e"ercer .ar-o di5erente. Por e"eplo# o 4ervidor < 0otorista e
5ica ce-o% a 2dinistraCão P*blica ir& readapt&+lo# < e"ceCão.
2 2dinistraCão te $ue o5erecer os eios para $ue esta DeadaptaCão
ocorra.
.opatibili(ar o e"ercício de =unCão P*blica co o problea 5ísico ou
psí$uico do 4ervidor.
>&der 2ra*@o A 2014
64
" Re/on)+ç-o! o 4ervidor est& e u outro car-o e vai voltar para seu
.ar-o de ori-e. Bcorre $uando:
1" B 4ervidor < inabilitado para a =unCão# e ,st&-io probatGrio. =oi
>ul-ado inabilitado no ,st&-io ProbatGrio do novo .ar-o% não 5oi aprovado# te
o 6ireito de retornar# nos 'eros da Kei De-uladora.
2" Pela Deinte-raCão de outro 4ervidor ao .ar-o do $ual teve de se
a5astar.
,"eplo: >oão# por $uest)es Políticas# por perse-uiC)es# 5oi deitido.
>os<# 0<dico rec< 5orado 5a( o .oncurso para este .ar-o e passa# vindo a
ocupar o .ar-o $ue era de >oão. 0as a >ustiCa ordena $ue >oão se@a
Deinte-rado e >os< volta para seu .ar-o de ori-e# $ue era o de ,n5ereiro.
" Reinte,raç-o! < o caso tab< do e"eplo acia citado# no caso de
>oão.
E o Dein-resso do 4ervidor ao seu .ar-o de Bri-e# devido M sua
6eissão irre-ular e por 5orCa de 4entenCa/6ecisão >udicial.
" A(roveita'ento! ato pelo $ual ocorre o Dein-resso do 4ervidor e
novo .ar-o# tendo e vista $ue seu .ar-o 5oi declarado e"tinto ou
desnecess&rio.
Huando o Poder P*blico aponta o car-o coo desnecess&rio# ele
aponta para ua decisão de e"tinCão do .ar-o.
,"eplo: 6eclaro desnecess&rio o .ar-o de 6atilG-ra5o. ] edida $ue
se cain!a declara+se a ,"tinCão do .ar-o de 6atilG-ra5o.
>&der 2ra*@o A 2014
65
" Dis(oni#ili)a)e Re'+nera)a! aproveitaento# no caso de ,"tinCão
do .ar-o# e $ue não !avendo .ar-o para aproveitar o 4ervidor# o eso <
colocado e 6isponibilidade Deunerada.
" Revers-o! a$ui teos duas !ipGteses $ue alcanCa os 4ervidores
Jnativos:
B;4.: 7ão te ais 4ervidor e"ercendo o .ar-o# ele est& Jnativo.
1" , decorr1ncia de sua recuperaCão da$uilo $ue o !avia levado M
2posentadoria%
2" 7o caso de 8ício de Ke-alidade $ue concedeu a 2posentadoria ao
4ervidor.
B 'ribunal de .ontas te 5 (cinco) anos para rever estas
2posentadorias# estes 2tos de Ke-alidade# previstos pela lei P42O/O3 (Kei de
Jprobidade 2dinistrativa). 'rata+se de Pra(o 6ecadencial.
Va/<n/ia.
2o contr&rio do Proviento# < o .ar-o $ue não est& provido# < o .ar-o
va-o# se 'itular.
Huais os =atos 2dinistrativos $ue provoca a 8acFncia/
1" A E&oneraç-o! e"onera o 4ervidor $ue ocupa .ar-o e .oissão% o
$ue não 5oi aprovado no ,st&-io ProbatGrio.
2" De'iss-o! e 5unCão de Jlícito =uncional -rave ou -ravíssio. E
prGpria de 2to 2dinistrativo. 4epre por causa de Jlícito# ediante Processo
2dinistrativo. E 2to prGprio do ,pre-ador.
2" De/laraç-o )e Per)a )o 9ar,o! ediante 4entenCa 'ransitada e
>ul-ado (por 4entenCa >udicial).
4" A(osenta)oria.
>&der 2ra*@o A 2014
66
J" Morte )o Servi)or.
K" Ren1n/ia )o 9ar,o.
,stes =atos citados proove a E&tinç-o )o 9ar,o 5+n/ional. B
4ervidor est& no .ar-o# continua titular do .ar-o# as não o est& e"ercendo.
,"eplo: KicenCa 0aternidade% 4ervidor P*blico 5oi eleito Pre5eito% etc.
7ão !& interrupCão do 8ínculo 'rabal!ista.
B 'epo de 4erviCo não < coputado para 5ins de prooCão# coo por
e"eplo# ua KicenCa para tratar de assuntos particulares.
Direito A)*+iri)o )os Servi)ores P1#li/os.
6esde $ue ten!a ocorrido antes da odi5icaCão le-al# !& o $ue se
c!aa de 6ireito 2d$uirido.
2 .onstituiCão =ederal# e seu art. JIB ;;;VI# a5ira $ue a Kei não
pre@udicar& o Direito A)*+iri)o# o 2to >urídico Per5eito e a .oisa >ul-ada.
,stes institutos sur-ira da necessidade de ipedir a retroatividade das Keis#
obstando os seus e5eitos onde !& ua situaCão @urídica consolidada# tudo e
prol da 4e-uranCa >urídica. 6este odo# o 6ireito 2d$uirido < u dos Jnstitutos
$ue ir& liitar a retroatividade a lei# con5erindo M sociedade ua se-uranCa
@urídica e suas relaC)es.
B ,statuto seu não < a$uele vi-ente M <poca da sua Posse% os ,statutos
se odi5ica.
>&der 2ra*@o A 2014