547787858898787ma despedi8da em grande estilo.

Na tarde desta quinta-feira, horári
o local, os poucos presentes ao Palacio de Deportes de Granada puderam ver uma a
tuação quase perfeita da seleção brasileira diante do fraco time do Egito, em seu último c
ompromisso pela primeira fase da Copa do Mundo. O placar de 128 a 65 (67 a 23) f
oi o maior de uma equipe neste Mundial ultrapassando EUA 114 x 55 Finlândia - e fr
uto de muito foco e intensidade durante os 40 minutos de jogo, especialmente no
primeiro tempo. O resultado deixa os jogadores com moral para as oitavas de fina
l, em Madri, no próximo domingo, contra o terceiro colocado da chave B. Na próxima f
ase, o Brasil pode enfrentar Argentina, Senegal ou Croácia. Grécia, já classificada, e
Porto Rico, que luta pela última vaga, não podem pegar a seleção em nenhuma combinação possív
el de resultados.
- Foi muito positivo nosso desempenho. Talvez contra a Espanha a gente não tenha c
onseguido fazer aquilo que queria. Mas vencemos bem os adversários que precisávamos
e terminamos essa fase com uma vitória que nos enche de moral - disse Marcelinho H
uertas ao SporTV. Foi uma despedida em grande estilo. Na tarde desta quinta-feir
a, horário local, os poucos presentes ao Palacio de Deportes de Granada puderam ve
r uma atuação quase perfeita da seleção brasileira diante do fraco time do Egito, em seu
último compromisso pela primeira fase da Copa do Mundo. O placar de 128 a 65 (67
a 23) foi o maior de uma equipe neste Mundial ultrapassando EUA 114 x 55 Finlândia
- e fruto de muito foco e intensidade durante os 40 minutos de jogo, especialme
nte no primeiro tempo. O resultado deixa os jogadores com moral para as oitavas
de final, em Madri, no próximo domingo, contra o terceiro colocado da chave B. Na
próxima fase, o Brasil pode enfrentar Argentina, Senegal ou Croácia. Grécia, já classifi
cada, e Porto Rico, que luta pela última vaga, não podem pegar a seleção em nenhuma comb
inação possível de resultados.
- Foi muito positivo nosso desempenho. Talvez contra a Espanha a gente não tenha c
onseguido fazer aquilo que queria. Mas vencemos bem os adversários que precisávamos
e terminamos essa fase com uma vitória que nos enche de moral - disse Marcelinho H
uertas ao SporTV. Foi uma despedida em grande estilo. Na tarde desta quinta-feir
a, horário local, os poucos presentes ao Palacio de Deportes de Granada puderam ve
r uma atuação quase perfeita da seleção brasileira diante do fraco time do Egito, em seu
último compromisso pela primeira fase da Copa do Mundo. O placar de 128 a 65 (67
a 23) foi o maior de uma equipe neste Mundial ultrapassando EUA 114 x 55 Finlândia
- e fruto de muito foco e intensidade durante os 40 minutos de jogo, especialme
nte no primeiro tempo. O resultado deixa os jogadores com moral para as oitavas
de final, em Madri, no próximo domingo, contra o terceiro colocado da chave B. Na
próxima fase, o Brasil pode enfrentar Argentina, Senegal ou Croácia. Grécia, já classifi
cada, e Porto Rico, que luta pela última vaga, não podem pegar a seleção em nenhuma comb
inação possível de resultados.
- Foi muito positivo nosso desempenho. Talvez contra a Espanha a gente não tenha c
onseguido fazer aquilo que queria. Mas vencemos bem os adversários que precisávamos
e terminamos essa fase com uma vitória que nos enche de moral - disse Marcelinho H
uertas ao SporTV. Foi uma despedida em grande estilo. Na tarde desta quinta-feir
a, horário local, os poucos presentes ao Palacio de Deportes de Granada puderam ve
r uma atuação quase perfeita da seleção brasileira diante do fraco time do Egito, em seu
último compromisso pela primeira fase da Copa do Mundo. O placar de 128 a 65 (67
a 23) foi o maior de uma equipe neste Mundial ultrapassando EUA 114 x 55 Finlândia
- e fruto de muito foco e intensidade durante os 40 minutos de jogo, especialme
nte no primeiro tempo. O resultado deixa os jogadores com moral para as oitavas
de final, em Madri, no próximo domingo, contra o terceiro colocado da chave B. Na
próxima fase, o Brasil pode enfrentar Argentina, Senegal ou Croácia. Grécia, já classifi
cada, e Porto Rico, que luta pela última vaga, não podem pegar a seleção em nenhuma comb
inação possível de resultados.
- Foi muito positivo nosso desempenho. Talvez contra a Espanha a g
oi muito positivo nosso desempenho. Talvez contra a Espanha a gente não tenha cons
eguido fazer aquilo que queria. Mas vencemos bem os adversários que precisávamos e t
erminamos essa fase com uma vitória que nos enche de moral - disse Marcelinho Huer
tas ao SporTV. Foi uma despedida em grande estilo. Na tarde desta quinta-feira,
horário local, os poucos presentes ao Palacio de Deportes de Granada puderam ver u
ma atuação quase perfeita da seleção brasileira diante do fraco time do Egito, em seu últi
mo compromisso pela primeira fase da Copa do Mundo. O placar de 128 a 65 (67 a 2
3) foi o maior de uma equipe neste Mundial ultrapassando EUA 114 x 55 Finlândia -
e fruto de muito foco e intensidade durante os 40 minutos de jogo, especialmente
no primeiro tempo. O resultado deixa os jogadores com moral para as oitavas de
final, em Madri, no próximo domingo, contra o terceiro colocado da chave B. Na próxi
ma fase, o Brasil pode enfrentar Argentina, Senegal ou Croácia. Grécia, já classificad
a, e Porto Rico, que luta pela última vaga, não podem pegar a seleção em nenhuma combinação
possível de resultados.
- Foi muito positivo nosso desempenho. Talvez contra a Espanha a gente não tenha c
onseguido fazer aquilo que queria. Mas vencemos bem os adversários que precisávamos
e terminamos essa fase com uma vitória que nos enche de moral - disse Marcelinho H
uertas ao SporTV. Foi uma despedida em grande estilo. Na tarde desta quinta-feir
a, horário local, os poucos presentes ao Palacio de Deportes de Granada puderam ve
r uma atuação quase perfeita da seleção brasileira diante do fraco time do Egito, em seu
último compromisso pela primeira fase da Copa do Mundo. O placar de 128 a 65 (67
a 23) foi o maior de uma equipe neste Mundial ultrapassando EUA 114 x 55 Finlândia
- e fruto de muito foco e intensidade durante os 40 minutos de jogo, especialme
nte no primeiro tempo. O resultado deixa os jogadores com moral para as oitavas
de final, em Madri, no próximo domingo, contra o terceiro colocado da chave B. Na
próxima fase, o Brasil pode enfrentar Argentina, Senegal ou Croácia. Grécia, já classifi
cada, e Porto Rico, que luta pela última vaga, não podem pegar a seleção em nenhuma comb
inação possível de resultados.
- Foi muito positivo nosso desempenho. Talvez contra a Espanha a gente não tenha c
onseguido fazer aquilo que queria. Mas vencemos bem os adversários que precisávamos
e terminamos essa fase com uma vitória que nos enche de moral - disse Marcelinho H
uertas ao SporTV. Foi uma despedida em grande estilo. Na tarde desta quinta-feir
a, horário local, os poucos presentes ao Palacio de Deportes de Granada puderam ve
r uma atuação quase perfeita da seleção brasileira diante do fraco time do Egito, em seu
último compromisso pela primeira fase da Copa do Mundo. O placar de 128 a 65 (67
a 23) foi o maior de uma equipe neste Mundial ultrapassando EUA 114 x 55 Finlândia
- e fruto de muito foco e intensidade durante os 40 minutos de jogo, especialme
nte no primeiro tempo. O resultado deixa os jogadores com moral para as oitavas
de final, em Madri, no próximo domingo, contra o terceiro colocado da chave B. Na
próxima fase, o Brasil pode enfrentar Argentina, Senegal ou Croácia. Grécia, já classifi
cada, e Porto Rico, que luta pela última vaga, não podem pegar a seleção em nenhuma comb
inação possível de resultados.
- Foi muito positivo nosso desempenho. Talvez contra a Espanha a genoi muito pos
itivo nosso desempenho. Talvez contra a Espanha a gente não tenha conseguido fazer
aquilo que queria. Mas vencemos bem os adversários que precisávamos e terminamos es
sa fase com uma vitória que nos enche de moral - disse Marcelinho Huertas ao SporT
V. Foi uma despedida em grande estilo. Na tarde desta quinta-feira, horário local,
os poucos presentes ao Palacio de Deportes de Granada puderam ver uma atuação quase
perfeita da seleção brasileira diante do fraco time do Egito, em seu último compromis
so pela primeira fase da Copa do Mundo. O placar de 128 a 65 (67 a 23) foi o mai
or de uma equipe neste Mundial ultrapassando EUA 114 x 55 Finlândia - e fruto de m
uito foco e intensidade durante os 40 minutos de jogo, especialmente no primeiro
tempo. O resultado deixa os jogadores com moral para as oitavas de final, em Ma
dri, no próximo domingo, contra o terceiro colocado da chave B. Na próxima fase, o B
rasil pode enfrentar Argentina, Senegal ou Croácia. Grécia, já classificada, e Porto R
ico, que luta pela última vaga, não podem pegar a seleção em nenhuma combinação possível de re
sultados.
- Foi muito positivo nosso desempenho. Talvez contra a Espanha a gente não tenha c
onseguido fazer aquilo que queria. Mas vencemos bem os adversários que precisávamos
e terminamos essa fase com uma vitória que nos enche de moral - disse Marcelinho H
uertas ao SporTV. Foi uma despedida em grande estilo. Na tarde desta quinta-feir
a, horário local, os poucos presentes ao Palacio de Deportes de Granada puderam ve
r uma atuação quase perfeita da seleção brasileira diante do fraco time do Egito, em seu
último compromisso pela primeira fase da Copa do Mundo. O placar de 128 a 65 (67
a 23) foi o maior de uma equipe neste Mundial ultrapassando EUA 114 x 55 Finlândia
- e fruto de muito foco e intensidade durante os 40 minutos de jogo, especialme
nte no primeiro tempo. O resultado deixa os jogadores com moral para as oitavas
de final, em Madri, no próximo domingo, contra o terceiro colocado da chave B. Na
próxima fase, o Brasil pode enfrentar Argentina, Senegal ou Croácia. Grécia, já classifi
cada, e Porto Rico, que luta pela última vaga, não podem pegar a seleção em nenhuma comb
inação possível de resultados.
- Foi muito positivo nosso desempenho. Talvez contra a Espanha a gente não tenha c
onseguido fazer aquilo que queria. Mas vencemos bem os adversários que precisávamos
e terminamos essa fase com uma vitória que nos enche de moral - disse Marcelinho H
uertas ao SporTV. Foi uma despedida em grande estilo. Na tarde desta quinta-feir
a, horário local, os poucos presentes ao Palacio de Deportes de Granada puderam ve
r uma atuação quase perfeita da seleção brasileira diante do fraco time do Egito, em seu
último compromisso pela primeira fase da Copa do Mundo. O placar de 128 a 65 (67
a 23) foi o maior de uma equipe neste Mundial ultrapassando EUA 114 x 55 Finlândia
- e fruto de muito foco e intensidade durante os 40 minutos de jogo, especialme
nte no primeiro tempo. O resultado deixa os jogadores com moral para as oitavas
de final, em Madri, no próximo domingo, contra o terceiro colocado da chave B. Na
próxima fase, o Brasil pode enfrentar Argentina, Senegal ou Croácia. Grécia, já classifi
cada, e Porto Rico, que luta pela última vaga, não podem pegar a seleção em nenhuma comb
inação possível de resultados.
- Foi muito positivo nosso desempenho. Talvez contra a Espanha a genoi muito pos
itivo nosso desempenho. Talvez contra a Espanha a gente não tenha conseguido fazer
aquilo que queria. Mas vencemos bem os adversários que precisávamos e terminamos es
sa fase com uma vitória que nos enche de moral - disse Marcelinho Huertas ao SporT
V. Foi uma despedida em grande estilo. Na tarde desta quinta-feira, horário local,
os poucos presentes ao Palacio de Deportes de Granada puderam ver uma atuação quase
perfeita da seleção brasileira diante do fraco time do Egito, em seu último compromis
so pela primeira fase da Copa do Mundo. O placar de 128 a 65 (67 a 23) foi o mai
or de uma equipe neste Mundial ultrapassando EUA 114 x 55 Finlândia - e fruto de m
uito foco e intensidade durante os 40 minutos de jogo, especialmente no primeiro
tempo. O resultado deixa os jogadores com moral para as oitavas de final, em Ma
dri, no próximo domingo, contra o terceiro colocado da chave B. Na próxima fase, o B
rasil pode enfrentar Argentina, Senegal ou Croácia. Grécia, já classificada, e Porto R
ico, que luta pela última vaga, não podem pegar a seleção em nenhuma combinação possível de re
sultados.
- Foi muito positivo nosso desempenho. Talvez contra a Espanha a gente não tenha c
onseguido fazer aquilo que queria. Mas vencemos bem os adversários que precisávamos
e terminamos essa fase com uma vitória que nos enche de moral - disse Marcelinho H
uertas ao SporTV. Foi uma despedida em grande estilo. Na tarde desta quinta-feir
a, horário local, os poucos presentes ao Palacio de Deportes de Granada puderam ve
r uma atuação quase perfeita da seleção brasileira diante do fraco time do Egito, em seu
último compromisso pela primeira fase da Copa do Mundo. O placar de 128 a 65 (67
a 23) foi o maior de uma equipe neste Mundial ultrapassando EUA 114 x 55 Finlândia
- e fruto de muito foco e intensidade durante os 40 minutos de jogo, especialme
nte no primeiro tempo. O resultado deixa os jogadores com moral para as oitavas
de final, em Madri, no próximo domingo, contra o terceiro colocado da chave B. Na
próxima fase, o Brasil pode enfrentar Argentina, Senegal ou Croácia. Grécia, já classifi
cada, e Porto Rico, que luta pela última vaga, não podem pegar a seleção em nenhuma comb
inação possível de resultados.
- Foi muito positivo nosso desempenho. Talvez contra a Espanha a gente não tenha c
onseguido fazer aquilo que queria. Mas vencemos bem os adversários que precisávamos
e terminamos essa fase com uma vitória que nos enche de moral - disse Marcelinho H
uertas ao SporTV. Foi uma despedida em grande estilo. Na tarde desta quinta-feir
a, horário local, os poucos presentes ao Palacio de Deportes de Granada puderam ve
r uma atuação quase perfeita da seleção brasileira diante do fraco time do Egito, em seu
último compromisso pela primeira fase da Copa do Mundo. O placar de 128 a 65 (67
a 23) foi o maior de uma equipe neste Mundial ultrapassando EUA 114 x 55 Finlândia
- e fruto de muito foco e intensidade durante os 40 minutos de jogo, especialme
nte no primeiro tempo. O resultado deixa os jogadores com moral para as oitavas
de final, em Madri, no próximo domingo, contra o terceiro colocado da chave B. Na
próxima fase, o Brasil pode enfrentar Argentina, Senegal ou Croácia. Grécia, já classifi
cada, e Porto Rico, que luta pela última vaga, não podem pegar a seleção em nenhuma comb
inação possível de resultados.
- Foi muito positivo nosso desempenho. Talvez contra a Espanha a genoi muito pos
itivo nosso desempenho. Talvez contra a Espanha a gente não tenha conseguido fazer
aquilo que queria. Mas vencemos bem os adversários que precisávamos e terminamos es
sa fase com uma vitória que nos enche de moral - disse Marcelinho Huertas ao SporT
V. Foi uma despedida em grande estilo. Na tarde desta quinta-feira, horário local,
os poucos presentes ao Palacio de Deportes de Granada puderam ver uma atuação quase
perfeita da seleção brasileira diante do fraco time do Egito, em seu último compromis
so pela primeira fase da Copa do Mundo. O placar de 128 a 65 (67 a 23) foi o mai
or de uma equipe neste Mundial ultrapassando EUA 114 x 55 Finlândia - e fruto de m
uito foco e intensidade durante os 40 minutos de jogo, especialmente no primeiro
tempo. O resultado deixa os jogadores com moral para as oitavas de final, em Ma
dri, no próximo domingo, contra o terceiro colocado da chave B. Na próxima fase, o B
rasil pode enfrentar Argentina, Senegal ou Croácia. Grécia, já classificada, e Porto R
ico, que luta pela última vaga, não podem pegar a seleção em nenhuma combinação possível de re
sultados.
- Foi muito positivo nosso desempenho. Talvez contra a Espanha a gente não tenha c
onseguido fazer aquilo que queria. Mas vencemos bem os adversários que precisávamos
e terminamos essa fase com uma vitória que nos enche de moral - disse Marcelinho H
uertas ao SporTV. Foi uma despedida em grande estilo. Na tarde desta quinta-feir
a, horário local, os poucos presentes ao Palacio de Deportes de Granada puderam ve
r uma atuação quase perfeita da seleção brasileira diante do fraco time do Egito, em seu
último compromisso pela primeira fase da Copa do Mundo. O placar de 128 a 65 (67
a 23) foi o maior de uma equipe neste Mundial ultrapassando EUA 114 x 55 Finlândia
- e fruto de muito foco e intensidade durante os 40 minutos de jogo, especialme
nte no primeiro tempo. O resultado deixa os jogadores com moral para as oitavas
de final, em Madri, no próximo domingo, contra o terceiro colocado da chave B. Na
próxima fase, o Brasil pode enfrentar Argentina, Senegal ou Croácia. Grécia, já classifi
cada, e Porto Rico, que luta pela última vaga, não podem pegar a seleção em nenhuma comb
inação possível de resultados.
- Foi muito positivo nosso desempenho. Talvez contra a Espanha a gente não tenha c
onseguido fazer aquilo que queria. Mas vencemos bem os adversários que precisávamos
e terminamos essa fase com uma vitória que nos enche de moral - disse Marcelinho H
uertas ao SporTV. Foi uma despedida em grande estilo. Na tarde desta quinta-feir
a, horário local, os poucos presentes ao Palacio de Deportes de Granada puderam ve
r uma atuação quase perfeita da seleção brasileira diante do fraco time do Egito, em seu
último compromisso pela primeira fase da Copa do Mundo. O placar de 128 a 65 (67
a 23) foi o maior de uma equipe neste Mundial ultrapassando EUA 114 x 55 Finlândia
- e fruto de muito foco e intensidade durante os 40 minutos de jogo, especialme
nte no primeiro tempo. O resultado deixa os jogadores com moral para as oitavas
de final, em Madri, no próximo domingo, contra o terceiro colocado da chave B. Na
próxima fase, o Brasil pode enfrentar Argentina, Senegal ou Croácia. Grécia, já classifi
cada, e Porto Rico, que luta pela última vaga, não podem pegar a seleção em nenhuma comb
inação possível de resultados.
- Foi muito positivo nosso desempenho. Talvez contra a Espanha a genoi muito pos
itivo nosso desempenho. Talvez contra a Espanha a gente não tenha conseguido fazer
aquilo que queria. Mas vencemos bem os adversários que precisávamos e terminamos es
sa fase com uma vitória que nos enche de moral - disse Marcelinho Huertas ao SporT
V. Foi uma despedida em grande estilo. Na tarde desta quinta-feira, horário local,
os poucos presentes ao Palacio de Deportes de Granada puderam ver uma atuação quase
perfeita da seleção brasileira diante do fraco time do Egito, em seu último compromis
so pela primeira fase da Copa do Mundo. O placar de 128 a 65 (67 a 23) foi o mai
or de uma equipe neste Mundial ultrapassando EUA 114 x 55 Finlândia - e fruto de m
uito foco e intensidade durante os 40 minutos de jogo, especialmente no primeiro
tempo. O resultado deixa os jogadores com moral para as oitavas de final, em Ma
dri, no próximo domingo, contra o terceiro colocado da chave B. Na próxima fase, o B
rasil pode enfrentar Argentina, Senegal ou Croácia. Grécia, já classificada, e Porto R
ico, que luta pela última vaga, não podem pegar a seleção em nenhuma combinação possível de re
sultados.
- Foi muito positivo nosso desempenho. Talvez contra a Espanha a gente não tenha c
onseguido fazer aquilo que queria. Mas vencemos bem os adversários que precisávamos
e terminamos essa fase com uma vitória que nos enche de moral - disse Marcelinho H
uertas ao SporTV. Foi uma despedida em grande estilo. Na tarde desta quinta-feir
a, horário local, os poucos presentes ao Palacio de Deportes de Granada puderam ve
r uma atuação quase perfeita da seleção brasileira diante do fraco time do Egito, em seu
último compromisso pela primeira fase da Copa do Mundo. O placar de 128 a 65 (67
a 23) foi o maior de uma equipe neste Mundial ultrapassando EUA 114 x 55 Finlândia
- e fruto de muito foco e intensidade durante os 40 minutos de jogo, especialme
nte no primeiro tempo. O resultado deixa os jogadores com moral para as oitavas
de final, em Madri, no próximo domingo, contra o terceiro colocado da chave B. Na
próxima fase, o Brasil pode enfrentar Argentina, Senegal ou Croácia. Grécia, já classifi
cada, e Porto Rico, que luta pela última vaga, não podem pegar a seleção em nenhuma comb
inação possível de resultados.
- Foi muito positivo nosso desempenho. Talvez contra a Espanha a gente não tenha c
onseguido fazer aquilo que queria. Mas vencemos bem os adversários que precisávamos
e terminamos essa fase com uma vitória que nos enche de moral - disse Marcelinho H
uertas ao SporTV. Foi uma despedida em grande estilo. Na tarde desta quinta-feir
a, horário local, os poucos presentes ao Palacio de Deportes de Granada puderam ve
r uma atuação quase perfeita da seleção brasileira diante do fraco time do Egito, em seu
último compromisso pela primeira fase da Copa do Mundo. O placar de 128 a 65 (67
a 23) foi o maior de uma equipe neste Mundial ultrapassando EUA 114 x 55 Finlândia
- e fruto de muito foco e intensidade durante os 40 minutos de jogo, especialme
nte no primeiro tempo. O resultado deixa os jogadores com moral para as oitavas
de final, em Madri, no próximo domingo, contra o terceiro colocado da chave B. Na
próxima fase, o Brasil pode enfrentar Argentina, Senegal ou Croácia. Grécia, já classifi
cada, e Porto Rico, que luta pela última vaga, não podem pegar a seleção em nenhuma comb
inação possível de resultados.
- Foi muito positivo nosso desempenho. Talvez contra a Espanha a genoi muito pos
itivo nosso desempenho. Talvez contra a Espanha a gente não tenha conseguido fazer
aquilo que queria. Mas vencemos bem os adversários que precisávamos e terminamos es
sa fase com uma vitória que nos enche de moral - disse Marcelinho Huertas ao SporT
V. Foi uma despedida em grande estilo. Na tarde desta quinta-feira, horário local,
os poucos presentes ao Palacio de Deportes de Granada puderam ver uma atuação quase
perfeita da seleção brasileira diante do fraco time do Egito, em seu último compromis
so pela primeira fase da Copa do Mundo. O placar de 128 a 65 (67 a 23) foi o mai
or de uma equipe neste Mundial ultrapassando EUA 114 x 55 Finlândia - e fruto de m
uito foco e intensidade durante os 40 minutos de jogo, especialmente no primeiro
tempo. O resultado deixa os jogadores com moral para as oitavas de final, em Ma
dri, no próximo domingo, contra o terceiro colocado da chave B. Na próxima fase, o B
rasil pode enfrentar Argentina, Senegal ou Croácia. Grécia, já classificada, e Porto R
i875636765co, que luta pela última vaga, não podem pegar a seleção em nenhuma combinação pos
sível de resultados.
- Foi muito positivo nosso desempenho. Talvez contra a Espanha a gente não tenha c
onseguido fazer aquilo que queria. Mas vencemos bem os adversários que precisávamos
e terminamos essa fase com uma vitória que nos enche de moral - disse Marcelinho H
uertas ao SporTV. Foi uma despedida em grande estilo. Na tarde desta quinta-feir
a, horário local, os poucos presentes ao Palacio de Deportes de Granada puderam ve
r uma atuação quase perfeita da seleção brasileira diante do fraco time do Egito, em seu
último compromisso pela primeira fase da Copa do Mundo. O placar de 128 a 65 (67
a 23) foi o maior de uma equipe neste Mundial ultrapassando EUA 114 x 55 Finlândia
- e fruto de muito foco e intensidade durante os 40 minutos de jogo, especialme
nte no primeiro tempo. O resultado deixa os jogadores com moral para as oitavas
de final, em Madri, no próximo domingo, contra o terceiro colocado da chave B. Na
próxima fase, o Brasil pode enfrentar Argentina, Senegal ou Croácia. Grécia, já classifi
cada, e Porto Rico, que luta pela última vaga, não podem pegar a seleção em nenhuma comb
inação possível de resultados.
- Foi muito positivo nosso desempenho. Talvez contra a Espanha a gente não tenha c
onseguido fazer aquilo que queria. Mas vencemos bem os adversários que precisávamos
e terminamos essa fase com uma vitória que nos enche de moral - disse Marcelinho H
uertas ao SporTV. Foi uma despedida em grande estilo. Na tarde desta quinta-feir
a, horário local, os poucos presentes ao Palacio de Deportes de Granada puderam ve
r uma atuação quase perfeita da seleção brasileira diante do fraco time do Egito, em seu
último compromisso pela primeira fase da Copa do Mundo. O placar de 128 a 65 (67
a 23) foi o maior de uma equipe neste Mundial ultrapassando EUA 114 x 55 Finlândia
- e fruto de muito foco e intensidade durante os 40 minutos de jogo, especialme
nte no primeiro tempo. O resultado deixa os jogadores com moral para as oitavas
de final, em Madri, no próximo domingo, contra o terceiro colocado da chave B. Na
próxima fase, o Brasil pode enfrentar Argentina, Senegal ou Croácia. Grécia, já classifi
cada, e Porto Rico, que luta pela última vaga, não podem pegar a seleção em nenhuma comb
inação possível de resultados.
- Foi muito positivo nosso desempenho. Talvez contra a Espanha a genoi muito pos
itivo nosso desempenho. Talvez contra a Espanha a gente não tenha conseguido fazer
aquilo que queria. Mas vencemos bem os adversários que precisávamos e terminamos es
sa fase com uma vitória que nos enche de moral - disse Marcelinho Huertas ao SporT
V. Foi uma despedida em grande estilo. Na tarde desta quinta-feira, horário local,
os poucos presentes ao Palacio de Deportes de Granada puderam ver uma atuação quase
perfeita da seleção brasileira diante do fraco time do Egito, em seu último compromis
so pela primeira fase da Copa do Mundo. O placar de 128 a 65 (67 a 23) foi o mai
or de uma equipe neste Mundial ultrapassando EUA 114 x 55 Finlândia - e fruto de m
uito foco e intensidade durante os 40 minutos de jogo, especialmente no primeiro
tempo. O resultado deixa os jogadores com moral para as oitavas de final, em Ma
dri, no próximo domingo, contra o terceiro colocado da chave B. Na próxima fase, o B
rasil pode enfrentar Argentina, Senegal ou Croácia. Grécia, já classificada, e Porto R
ico, que luta pela última vaga, não podem pegar a seleção em nenhuma combinação possível de re
sultados.
- Foi muito positivo nosso desempenho. Talvez contra a Espanha a gente não tenha c
onseguido fazer aquilo que queria. Mas vencemos bem os adversários que precisávamos
e terminamos essa fase com uma vitória que nos enche de moral - disse Marcelinho H
uertas ao SporTV. Foi uma despedida em grande estilo. Na tarde desta quinta-feir
a, horário local, os poucos presentes ao Palacio de Deportes de Granada puderam ve
r uma atuação quase perfeita da seleção brasileira diante do fraco time do Egito, em seu
último compromisso pela primeira fase da Copa do Mundo. O placar de 128 a 65 (67
a 23) foi o maior de uma equipe neste Mundial ultrapassando EUA 114 x 55 Finlândia
- e fruto de muito foco e intensidade durante os 40 minutos de jogo, especialme
nte no primeiro tempo. O resultado deixa os jogadores com moral para as oitavas
de final, em Madri, no próximo domingo, contra o terceiro colocado da chave B. Na
próxima fase, o Brasil pode enfrentar Argentina, Senegal ou Croácia. Grécia, já classifi
cada, e Porto Rico, que luta pela última vaga, não podem pegar a seleção em nenhuma comb
inação possível de resultados.
- Foi muito positivo nosso desempenho. Talvez contra a Espanha a gente não tenha c
onseguido fazer aquilo que queria. Mas vencemos bem os adversários que precisávamos
e terminamos essa fase com uma vitória que nos enche de moral - disse Marcelinho H
uertas ao SporTV. Foi uma despedida em grande estilo. Na tarde desta quinta-feir
a, horário local, os poucos presentes ao Palacio de Deportes de Granada puderam ve
r uma atuação quase perfeita da seleção brasileira diante do fraco time do Egito, em seu
último compromisso pela primeira fase da Copa do Mundo. O placar de 128 a 65 (67
a 23) foi o maior de uma equipe neste Mundial ultrapassando EUA 114 x 55 Finlândia
- e fruto de muito foco e intensidade durante os 40 minutos de jogo, especialme
nte no primeiro tempo. O resultado deixa os jogadores com moral para as oitavas
de final, em Madri, no próximo domingo, contra o terceiro colocado da chave B. Na
próxima fase, o Brasil pode enfrentar Argentina, Senegal ou Croácia. Grécia, já classifi
cada, e Porto Rico, que luta pela última vaga, não podem pegar a seleção em nenhuma comb
inação possível de resultados.
- Foi muito positivo nosso desempenho. Talvez contra a Espanha a genoi muito pos
itivo nosso desempenho. Talvez contra a Espanha a gente não tenha conseguido fazer
aquilo que queria. Mas vencemos bem os adversários que precisávamos e terminamos es
sa fase com uma vitória que nos enche de moral - disse Marcelinho Huertas ao SporT
V. Foi uma despedida em grande estilo. Na tarde desta quinta-feira, horário local,
os poucos presentes ao Palacio de Deportes de Granada puderam ver uma atuação quase
perfeita da seleção brasileira diante do fraco time do Egito, em seu último compromis
so pela primeira fase da Copa do Mundo. O placar de 128 a 65 (67 a 23) foi o mai
or de uma equipe neste Mundial ultrapassando EUA 114 x 55 Finlândia - e fruto de m
uito foco e intensidade durante os 40 minutos de jogo, especialmente no primeiro
tempo. O resultado deixa os jogadores com moral para as oitavas de final, em Ma
dri, no próximo domingo, contra o terceiro colocado da chave B. Na próxima fase, o B
rasil pode enfrentar Argentina, Senegal ou Croácia. Grécia, já classificada, e Porto R
ico, que luta pela última vaga, não podem pegar a seleção em nenhuma combinação possível de re
sultados.
- Foi muito positivo nosso desempenho. Talvez contra a Espanha a gente não tenha c
onseguido fazer aquilo que queria. Mas vencemos bem os adversários que precisávamos
e terminamos essa fase com uma vitória que nos enche de moral - disse Marcelinho H
uertas ao SporTV. Foi uma despedida em grande estilo. Na tarde desta quinta-feir
a, horário local, os poucos presentes ao Palacio de Deportes de Granada puderam ve
r uma atuação quase perfeita da seleção brasileira diante do fraco time do Egito, em seu
último compromisso pela primeira fase da Copa do Mundo. O placar de 128 a 65 (67
a 23) foi o maior de uma equipe neste Mundial ultrapassando EUA 114 x 55 Finlândia
- e fruto de muito foco e intensidade durante os 40 minutos de jogo, especialme
nte no primeiro tempo. O resultado deixa os jogadores com moral para as oitavas
de final, em Madri, no próximo domingo, contra o terceiro colocado da chave B. Na
próxima fase, o Brasil pode enfrentar Argentina, Senegal ou Croácia. Grécia, já classifi
cada, e Porto Rico, que luta pela última vaga, não podem pegar a seleção em nenhuma comb
inação possível de resultados.
- Foi muito positivo nosso desempenho. Talvez contra a Espanha a gente não tenha c
onseguido fazer aquilo que queria. Mas vencemos bem os adversários que precisávamos
e terminamos essa fase com uma vitória que nos enche de moral - disse Marcelinho H
uertas ao SporTV. Foi uma despedida em grande estilo. Na tarde desta quinta-feir
a, horário local, os poucos presentes ao Palacio de Deportes de Granada puderam ve
r uma atuação quase perfeita da seleção brasileira diante do fraco time do Egito, em seu
último compromisso pela primeira fase da Copa do Mundo. O placar de 128 a 65 (67
a 23) foi o maior de uma equipe neste Mundial ultrapassando EUA 114 x 55 Finlândia
- e fruto de muito foco e intensidade durante os 40 minutos de jogo, especialme
nte no primeiro tempo. O resultado deixa os jogadores com moral para as oitavas
de final, em Madri, no próximo domingo, contra o terceiro colocado da chave B. Na
próxima fase, o Brasil pode enfrentar Argentina, Senegal ou Croácia. Grécia, já classifi
cada, e Porto Rico, que luta pela última vaga, não podem pegar a seleção em nenhuma comb
inação possível de resultados.
- Foi muito positivo nosso desempenho. Talvez contra a Espanha a genoi muito pos
itivo nosso desempenho. Talvez contra a Espanha a gente não tenha conseguido fazer
aquilo que queria. Mas vencemos bem os adversários que precisávamos e terminamos es
sa fase com uma vitória que nos enche de moral - disse Marcelinho Huertas ao SporT
V. Foi uma despedida em grande estilo. Na tarde desta quinta-feira, horário local,
os poucos presentes ao Palacio de Deportes de Granada puderam ver uma atuação quase
perfeita da seleção brasileira diante do fraco time do Egito, em seu último compromis
so pela primeira fase da Copa do Mundo. O placar de 128 a 65 (67 a 23) foi o mai
or de uma equipe neste Mundial ultrapassando EUA 114 x 55 Finlândia - e fruto de m
uito foco e intensidade durante os 40 minutos de jogo, especialmente no primeiro
tempo. O resultado deixa os jogadores com moral para as oitavas de final, em Ma
dri, no próximo domingo, contra o terceiro colocado da chave B. Na próxima fase, o B
rasil pode enfrentar Argentina, Senegal ou Croácia. Grécia, já classificada, e Porto R
ico, que luta pela última vaga, não podem pegar a seleção em nenhuma combinação possível de re
sultados.
- Foi muito positivo nosso desempenho. Talvez contra a Espanha a gente não tenha c
onseguido fazer aquilo que queria. Mas vencemos bem os adversários que precisávamos
e terminamos essa fase com uma vitória que nos enche de moral - disse Marcelinho H
uertas ao SporTV. Foi uma despedida em grande estilo. Na tarde desta quinta-feir
a, horário local, os poucos presentes ao Palacio de Deportes de Granada puderam ve
r uma atuação quase perfeita da seleção brasileira diante do fraco time do Egito, em seu
último compromisso pela primeira fase da Copa do Mundo. O placar de 128 a 65 (67
a 23) foi o maior de uma equipe neste Mundial ultrapassando EUA 114 x 55 Finlândia
- e fruto de muito foco e intensidade durante os 40 minutos de jogo, especialme
nte no primeiro tempo. O resultado deixa os jogadores com moral para as oitavas
de final, em Madri, no próximo domingo, contra o terceiro colocado da chave B. Na
próxima fase, o Brasil pode enfrentar Argentina, Senegal ou Croácia. Grécia, já classifi
cada, e Porto Rico, que luta pela última vaga, não podem pegar a seleção em nenhuma comb
inação possível de resultados.
- Foi muito positivo nosso desempenho. Talvez contra a Espanha a gente não tenha c
onseguido fazer aquilo que queria. Mas vencemos bem os adversários que precisávamos
e terminamos essa fase com uma vitória que nos enche de moral - disse Marcelinho H
uertas ao SporTV. Foi uma despedida em grande estilo. Na tarde desta quinta-feir
a, horário local, os poucos presentes ao Palacio de Deportes de Granada puderam ve
r uma atuação quase perfeita da seleção brasileira diante do fraco time do Egito, em seu
último compromisso pela primeira fase da Copa do Mundo. O placar de 128 a 65 (67
a 23) foi o maior de uma equipe neste Mundial ultrapassando EUA 114 x 55 Finlândia
- e fruto de muito foco e intensidade durante os 40 minutos de jogo, especialme
nte no primeiro tempo. O resultado deixa os jogadores com moral para as oitavas
de final, em Madri, no próximo domingo, contra o terceiro colocado da chave B. Na
próxima fase, o Brasil pode enfrentar Argentina, Senegal ou Croácia. Grécia, já classifi
cada, e Porto Rico, que luta pela última vaga, não podem pegar a seleção em nenhuma comb
inação possível de resultados.
- Foi muito positivo nosso desempenho. Talvez contra a Espanha a genfrytsryeytry
trytryerty
yujytutyuente não tenha conseguido fazer aquilo que queria. Mas vencemos bem os ad
versários que precisávamos e terminamos essa fase com uma vitória que nos enche de mor
al - disse Marcelinho Huertas ao SporTV.

Sign up to vote on this title
UsefulNot useful