Você está na página 1de 5

Nosso Dever de Santos dos

Últimos Dias
Presidente Ezra Taft Benson
Presidente do Quórum dos Doze Apóstolos
Discurso proferido em São Paulo, Brasil em uma Conferência Especial na sessão de
domingo,21 de novembro de 1982.

Meus queridos irmãos e irmãs:


Esta é uma vista maravilhosa. Alegro-me em estar convosco e sentir o vosso espírito.
A Primeira Presidência e os membros do Conselho dos Doze vos enviam seu afeto e
saudações.
Elogiamo-vos e a vossa liderança pelo progresso e fidelidade. Rogamos bênçãos constantes
do Senhor para que possais continuar a influenciar retamente vossos semelhantes.
A Primeira Presidência e o Quórum dos Doze formalizaram recentemente um significativo
pronunciamento a respeito da missão da Igreja. Vou repetir essa declaração tripla como
base de meus comentários:
A missão da igreja é:

1. Proclamar o Evangelho do Senhor Jesus Cristo a toda nação, tribo, língua e povo;
2. Aperfeiçoar os santos, preparando-os para receber as ordenanças do Evangelho e a
obter a exaltação pelo ensino e disciplina.
3. Redimir os mortos, realizando ordenanças vicárias do evangelho pelos que viveram na
Terra.
A primeira parte dessa declaração diz respeito a nossa responsabilidade de “ proclamar o
Evangelho do Senhor Jesus Cristo a toda nação, tribo, língua e povo.”
Como todos sabemos, a função primordial da Igreja é, “pela proclamação do Evangelho de
Jesus Cristo, abrir a porta, primeiro aos gentios e então aos judeus.”. (D&C 107:35)
Fizemos algum progresso, mas penso que o Senhor não está totalmente satisfeito com tudo
que fazemos nesse sentido.
O Presidente Kimball diz que estamos apenas arranhando a superfície da obra missionária
em relação às necessidades dos filhos de nosso Pai que habitam a Terra. Ele tem acentuado
que os membros da Igreja precisam envolver-se mais na obra missionária. Citando-o:
“O Trabalho do membro missionário é a chave para o crescimento futuro da Igreja, e
uma das grandes chaves para o crescimento individual de nossos membros.”
(Seminário de Representantes Regionais, 03 de outubro de 1980.)
Todos compartilhamos essa grande responsabilidade de levar o Evangelho aos nossos
semelhantes. Não há como evitá-la. Que nenhum homem ou mulher julgue que estamos
desobrigados dessa responsabilidade por causa do lugar onde vivemos, nossa situação na
sociedade ou devido a nossa ocupação ou condição.
Gostaria de ler duas passagens de Doutrina e Convênios que ressaltam nossa
responsabilidade de compartilhar o Evangelho.
A 02 de janeiro de 1831, dizia o Senhor:
“ E outra vez vos digo: Dou-vos um mandamento de que todos os homens, sejam élderes,
sacerdotes, mestres, e também os membros, dediquem-se com vigor, com o trabalho de
suas mãos, à preparação e execução das coisas que ordenei.
E que vossa pregação seja a voz de advertência de cada homem a seu próximo, com
brandura e mansidão.” (D&C 38:40,41.)
Novamente em 27 de dezembro de 1832, o Senhor ordenou:
“ Eis que vos enviei para testificar e advertir o povo, e todo aquele que for advertido
deverá advertir o seu próximo.
Portanto não tem desculpa e seus pecados estão sobre sua própria cabeça.”
(D&C 88:81,82.)
Estes pronunciamentos, aliados à grande ênfase do Presidente Kimball, resumem
perfeitamente a responsabilidade colocada pelo Senhor sobre nós, membros da Igreja, de
cuidar de que o evangelho com nossos amigos e vizinhos. Notastes que todo homem deve
prevenir (advertir) seu próximo?!
O trabalho do membro missionário é a chave.
Com a redução do tempo do serviço missionário de vinte e quatro para dezoito meses,
estamos sentindo atualmente uma redução bastante substancial no número de missionários
de tempo integral. Entretanto, nunca antes a Igreja esteve em tantos países. Nossa
responsabilidade como membros e líderes é óbvia: Temos de preparar nossos filhos para
cumprir missão. Todo jovem deve Ter uma conta de poupança para a missão. Casais mais
idosos devem estar dispostos a servir, desde que o permitam sua saúde e finanças.
O segundo aspecto da missão da Igreja é “aperfeiçoar os santos, preparando-os para receber
as ordenanças do Evangelho e obter a exaltação pelo ensino e disciplina”.
O Senhor deseja que todo homem e mulher adultos da Igreja recebam as ordenanças do
Templo.
Quer dizer, devem receber o endowment e os casais devem ser selados para a eternidade.
Essas ordenanças são uma proteção e benção para seu casamento. Os filhos também são
abençoados nascendo no convênio. Nascer no convênio faculta a esses filhos o direito a “
uma benção inata que lhes garante parentesco eterno...” independente do que possa
acontecer aos pais, enquanto os filhos permanecerem dignos dessa benção.
Que pais não querem essas bênçãos para seus filhos?
Sentimos que alguns casais ainda não compreenderam a importância das ordenanças do
Templo.
Quero ler-vos uma revelação do Senhor sobre nossa responsabilidade como salvadores de
homens:
“ Em verdade vos digo, meus amigos: Eis que vos darei uma revelação e mandamento,
para que saibais agir no desempenho de vossos deveres referentes à salvação e redenção
de vossos irmãos...
Mas em verdade vos digo que decretei um decreto que meu povo executará se atender, de
agora em diante, aos conselhos que eu, o Senhor seu Deus, lhes darei.
Pois foram designados para serem uma luz para o mundo e salvadores de homens;
E se não forem salvadores de homens, serão como o sal que perdeu o sabor e, daí em
diante, para nada mais presta senão para ser lançado fora e pisado pelos homens.”
(D&C 103:1, 5, 9, 10.)
São palavras fortes. Mas deixam claro o que o Senhor espera de nós como líderes de
quórum, presidentes da Sociedade de Socorro, consultores de rapazes e moças e Mestres
Familiares.
Vou dizer-vos o que as autoridades gerais autorizaram recentemente a fim de dar mais força
aos esforços de ativação.
Autorizamos agora que:
Todo portador inativo do sacerdócio de Melquisedeque e élder em perspectiva e sua
família deve ser designado ao quórum ou grupo que lhe possa proporcionar o ensino e
integração mais eficientes. Quando houver necessidade, os sumos sacerdotes e setentas
podem ser designados para ensinar os élderes em perspectiva e inativos. Em tais
circunstâncias, sua integração pode ser realizada no grupo ou quórum do sacerdócio
ao qual forem designados com propósitos de ensino familiar.
(Diretrizes para o Ensino Familiar do Sacerdócio, p.2 .)
Sugerimos como norma, que o élder em perspectiva de mais de quarenta anos poderá
freqüentar o quórum dos Sumo Sacerdotes, onde poderá ser integrado por irmãos de idade
mais próxima à sua. Aqueles com menos de quarenta anos poderão freqüentar o quórum de
élderes. Os Setentas devem encarregar-se do ensino familiar de todas as famílias que
tenham não membros.
O Ensino Familiar deve ser organizado de maneira que a força do sacerdócio seja designada
a integrar e ensinar os familiares que não compreendem a importância das bênçãos e
convênios do templo.
Recordamos também com veemência que os quóruns de élderes patrocinem Seminários de
Preparação para o Templo. Temos tido resultados maravilhosos onde esses seminários são
realizados continuamente.
Os Mestre Familiares, porém, não precisam aguardar um curso formal para preparar
membros para o Templo. Os Mestres familiares são missionários familiares, podendo
ensinar essas famílias exatamente como os missionários de tempo integral ensinam os
pesquisadores.
Irmãos e Irmãs, trata-se do mais sério empreendimento. Nenhum membro da Igreja poderá
ser aperfeiçoado sem as ordenanças do Templo. Cabe a nós ajudar aqueles que ainda não
têm essas bênçãos, a recebê-las.
Disse certa vez o Presidente Brigham Young:
“ Não existe qualquer homem ou mulher nesta Igreja que não esteja numa missão. Essa
missão que durará enquanto viverem, é de praticar o bem, promover a retidão, ensinar
os princípios da verdade, e esforçarem-se para viver e fazer com que os outros vivam
esses princípios, a fim de que tenham a vida eterna. Esta é a missão de todo Santo dos
Últimos Dias. (Discursos de Brigham Young, p. 322 .)
Que Deus nos abençoe em nosso dever de salvadores de homens.
O terceiro ponto incluído na missão da Igreja é nossa responsabilidade de redimir os
mortos, realizando ordenanças vicárias do Evangelho em favor dos que viveram na Terra.
Não basta marido e mulher serem selados no Templo para garantir sua exaltação. Eles
precisam ser igualmente ser selados aos seus progenitores e cuidar de que se realize a obra
vicária por seus antepassados.
“ Eles, sem nós,” diz o apóstolo Paulo, “não podem ser aperfeiçoados – nem, podemos
nós, sem os nossos mortos, ser aperfeiçoados.” (D&C 128:15.)
Precisamos fazer muito mais quanto à pesquisa genealógica pessoal.
Temos obrigação de realizar ordenanças vicárias por nossos mortos. Isto quer dizer,
realizar a pesquisa necessária para que os nomes de nosso antepassados possam ser
enviados ao templo. Temos uma responsabilidade individual de providenciar o selamento
aos nossos progenitores.
Permitam-me resumir nossos deveres de Santos dos Últimos Dias.
1. Devemos ser a “luz do Evangelho de Jesus Cristo para outros.” O Salvador ordenou:
“Que tipo de homens devereis ser? Em verdade vos digo que devereis ser como eu
sou.” ( 3 Néfi 27:27.)
2. Procurar oportunidades de compartilhar a mensagem do Evangelho com nossos
semelhantes. O trabalho do membro - missionário é a chave para o crescimento futuro
da Igreja, e uma das grandes chaves para o crescimento individual de nossos membros..
3. Fazer tudo que pudermos, ajudando a preparar nossos filhos para a missão deles. Casais
mais idosos devem preparar-se para o serviço missionário.
4. Nosso lar deve ser um lugar de refúgio, amor e harmonia, no qual realizamos, sob a
direção do pai, a oração em família, estudo do Evangelho e Noite Familiar.
5. Procurar receber as bênçãos e ordenanças do templo. Isto significa que estamos
guardando os mandamentos do Senhor – honestidade , integridade, castidade pessoal e
apoio à liderança do sacerdócio do Senhor, e somos dignos de ser ordenados ao
Sacerdócio de Melquisedeque.
6. Temos por obrigação realizar ordenanças vicárias por nossos parentes mortos. Isto quer
dizer, realizar a necessária pesquisa para que os nomes de nossos antepassados possam
ser enviados ao Templo. Não podemos ser exaltados sem estar selados aos
antepassados.
7. Procurar ser auto–suficientes como família. Desde 1936, os membros da Igreja vêm
sendo instruídos a ter uma reserva de mantimentos, roupas e, se possível, combustível,
suficiente para um ano. Isto nos permite sobreviver à perda de um emprego, perda de
rendimentos, ou mesmo calamidade, de que falam as revelações.
8. Como portadores do sacerdócio temos de zelar pelos membros de nosso quorum e seus
familiares através do ensino familiar organizado. Devemos Ter interesse por todo
membro da Igreja ao nosso encargo e que não é plenamente ativo na Igreja.
9. Devemos participar dos programas e atividades da Igreja – guardar o dia do Senhor ;
comparecer às reuniões; aceitar os chamados que recebemos e magnificá-los. Servindo
de boa vontade, prometo-vos que tereis grande alegria.
10. Todo membro adulto deve ser dizimista integral e contribuir generosamente para o
fundo de Jejum.
Lembro-me ainda, quando menino, de ouvir membros mais velhos que haviam passado por
duras provações, falar do Evangelho.
Ainda vejo sua expressão fervorosa e ouço seus testemunhos inspirados.
Precisamos voltar a isso.
Sempre que fordes chamados para falar numa reunião sacramental, ensinai o Evangelho.
Ensinai das escrituras. Prestai testemunho.
Como membros da Igreja, precisamos afirmar constantemente testemunho da divindade de
Jesus Cristo. A mensagem princip al da Igreja é que ele é o Filho de Deus. Ele vive hoje
como um ser ressurreto e preside o destino dos homens.
Algumas pessoas do mundo dizem que a Igreja é um “culto” acusando-nos falsamente de
não sermos cristão.
Precisamos corrigir tal conceito errôneo e o meio de fazê-lo é falar de Cristo. Regozijar – se
em Cristo, profetizar de Cristo, “ para que nossos filhos (e outros) saibam em que fonte
devem procurar o perdão de seus pecados.” ( 2 Néfi 25:26.)
Presto-vos testemunho de que Deus vive. Ele ouve e responde orações. Jesus é o Cristo, o
Redentor do mundo, nosso Advogado junto ao Pai. Estes dois seres Celestiais apareceram
de fato a Joseph Smith.
Presto testemunho de que esta é a Igreja do Senhor – mesmo A Igreja de Jesus Cristo dos
Santos dos Últimos Dias. Ele a preside e está junto de seus servos.
Presto testemunho de que o Presidente Spencer W. Kimball é o profeta vivo do Senhor. Eu
o amo e apóio com toda minha alma.
Acatai suas mensagens, pois são o que o Senhor quer que saibam e entendam para o nosso
dia e época.
Que o Senhor abençoe a todos nós para que cumpramos nosso dever, influenciemos
retamente os que nos cercam e amemos nosso próximo como a nós mesmos, eu oro
humildemente. Em nome de Jesus Cristo. Amém.