Você está na página 1de 26

b

a

∫ b a Calculo 2 – Introdução às Equações Diferenciais Apresentador: Msc. Henrique Grangeiro
∫ b a Calculo 2 – Introdução às Equações Diferenciais Apresentador: Msc. Henrique Grangeiro

Calculo 2 – Introdução às Equações Diferenciais

Apresentador: Msc. Henrique Grangeiro

Apresentador: Msc. Henrique Grangeiro

O que é:

Equação diferencial é toda equação que contenha derivadas.

Importância do estudo:

Devido à observação e verificação de taxas nos quais as coisas acontecem.

Onde Ocorrem?

Movimento de fluidos;

O fluxo de corrente elétrica em circuitos;

A dissipação de calor cm objetos sólidos;

A propagação e a detecção de ondas sísmicas;

O aumento ou a diminuição de populações;

Modelos matemáticos para processos físicos, químicos e biológicos.

O aumento ou a diminuição de populações; • Modelos matemáticos para processos físicos, químicos e biológicos.

Equação Diferenciais Ordinárias (EDO)

Definição : Uma equação que envolve derivadas até ordem n, é chamada de equação diferencial ordinária (EDO) de ordem n e pode ser escrita na forma:

y (n) (x)= f(x, y(x), y’(x),

a ≤ x b

,

y (n-1) (x))

Definição: A solução da equação é qualquer função y= f(x) que é definida em [a,b] e tem n derivadas neste intervalo e que satisfaz a equação diferencial.

EDO’s x EDP’s

EDO’s são equações diferenciais onde a função incógnita depende apenas de uma única variável.

EDP’s são equações diferenciais onde a função incógnita depende duas ou mais variáveis.

Conhecer a resolução e desenvolvimento de EDO’s ajuda no desenvolvimento e solução de EDP’s.

Equação Diferenciais Ordinárias (EDO)

Na solução de uma EDO dois caminhos podem ser seguidos. Isto é, o que tenta levar à solução exata do problema (método analítico) ou o que encontra uma solução aproximada (método numérico).

Equação Diferenciais Ordinárias (EDO)

Do ponto de vista analítico, resolver uma EDO do tipo

que

a equação

diferencial y= f ( x, y ) = 2 x + 3, sua solução é obtida

por

y

f ( x, y )

é encontrar uma função

F ( x )

=

y

=

satisfaça a equação dada. Por exemplo, dada

y =

( 2x + 3) dx = x 2 + 3x + C .

Equação Diferenciais Ordinárias (EDO)

Na verdade, temos uma família de soluções (para cada C R tem-se uma solução particular). Na figura abaixo são mostradas algumas destas soluções. No caso para C = 0, C = 2 e C = 4.

abaixo são mostradas algumas destas soluções. No caso para C = 0, C = 2 e
y C = 4 C = 2 C = 0 x
y
C
= 4
C
= 2
C
= 0
x

Classificação das ED’s

Equações Diferenciais Ordinárias (EDO) -- se a função desconhecida depende de uma única variável independente. Neste caso, aparecem apenas derivadas simples.

Equações Diferenciais Parciais (EDP) -- se a função desconhecida depende de diversas variáveis independentes. Neste caso, aparecem as derivadas parciais.

Sistema de equações diferenciais -- se existem duas ou mais funções que devem ser determinadas, precisamos de um sistema de equações.

diferenciais -- se existem duas ou mais funções que devem ser determinadas, precisamos de um sistema

Ordem -- a ordem de uma ED é a ordem da mais alta derivada que aparece na equação.

Exemplos:

4

y

d

3

2

y

d

d

dy

  y 1

dt

y

dy

dx

5x3

dt

4

dt

3

dt

2

Geralmente a equação F(y, y’, y”,

, y(n)) = 0 é

uma equação diferencial de ordem n.

t

y''' 2e y"

yy'

t

4

Equações Lineares e não -lineares - - A equação diferencial

A equação diferencial que não é da forma é uma equação não-linear.

Exemplo:

t

y''' 2e y"

yy'

t

4

Solução de Equações Diferenciais

Soluções: Uma solução da equação

y (n) = f (t, y, y`, y``,

, y (n-1) )

em

é uma função tal que `, ``, existem e satisfazem (n) (t) = f [t, (t), `(t), ``(t), para todo t em < t <

< t <

(n)

(n-1) (t)]

Solução de Equações Diferenciais

Uma equação diferencial sempre tem solução? (existência)

Quantas soluções tem uma equação diferencial dada que ela tem pelo menos uma? Que condições adicionais devem ser especificadas para se obter apenas uma única solução? (unicidade)

Dada uma ED, podemos determinar, de fato, uma solução? E, se for o caso, como?

Classificação de Equações Diferenciais

Notação de Leibniz:

Notação de Leibniz:

Notação linha:

dy

d

2

y

d

3

y

dx

,

dx

2

,

dx

3

dy 5

y

e

x

dx

,

y

`

5 y e

x

,

,

Notação linha: y`, y``, y```,

d

2

y

dx

2

dy

dx

6

y

0,

y``y`6 y 0,

dx

dt

dy

dt

2 x

y

A notação linha é usada somente para denotar as três primeiras derivadas; a quarta derivada é escrita como y (4) , em vez de y’’’’.

Classificação de Equações Diferenciais

Sistema de equações diferenciais: se existem duas ou mais funções que devem ser determinadas, precisamos de um sistema de equações.

dx  dy  f (t, x, y) g(t,x, y) (*) dt dt Uma solução
dx 
dy 
f (t, x, y)
g(t,x, y)
(*)
dt
dt
Uma solução de um sistema como (*) é um par de funções
diferenciais x =  1 (t), y =  2 (t), definidas em um intervalo
comum I, que satisfazem cada equação do sistema neste
intervalo.

Classificação de Equações Diferenciais

Notação ponto de Newton (cocô de mosca): é às vezes usada em Física ou Engenharia para denotar derivadas em relação ao tempo.Assim sendo, a equação diferencial.

2

d

s

 32

dt

2

torna-se

s 32

Derivadas parciais são geralmente denotadas por uma notação em subscrito.Assim sendo, a equação diferencial

2

u

x

2

2

u

t

2

2

u

t

,

torna-se

u

xx

u

tt

2u

t

Classificação por Ordem

Ordem: a ordem de uma ED é a ordem da mais alta derivada que aparece na equação.

Exemplos:

1)

2)

dy

dx

5x3

d

4

y

dt

4

d

3

y

dt

3

d

2

y

dt

2

dy

dt

y

1

segunda ordem

d 2 y
d
2 y

dx

2

s e g u n d a o r d e m d 2 y dx

primeira ordem

5   dy  

dx

3

4 y

e

x

É uma equação diferencial de segunda ordem.

Classificação por Ordem

Escreva as equações diferenciais ordinárias na forma normal:

a) 5x

2 y'2y x

b) y y'2 yx 3x 2

Classificação por Linearidade

Equações Lineares e não-lineares: A equação diferencial

F

( ,

x

y

',

y

",

,

y

(n) ) 0

É dita linear se F é uma função linear das varáveis y, y’, y”,

(n-1)

y

, Assim a equação diferencial ordinária linear geral de ordem n

é

a

n

(

x

)

d

n

y

dx

n

a

n

1

(

x

)

d

n 1

y

dx

n 1

a

1

(

x

)

dy

dx

a (x)y

0

g(x)

Classificação por Linearidade

a

n

(

x

)

d

n

y

dx

n

a

n

1

(

x

)

d

n

1

y

dx

n

1

a

1

(

x

)

dy

dx

a (x)y

0

g(x)

(**)

Em (**) observamos as duas propriedades características de uma equação diferencial linear:

1) A variável dependente e todas as suas derivadas são do 1º grau, isto é, a potência de cada termo envolvendo y é 1.

2) Cada coeficiente depende no máximo da variável independente x. As equações diferenciais ordinárias lineares abaixo são, respectivamente, de 1ª, 2ª e 3ª ordem.

Classificação por Ordem Exemplos

a) (y - x) dx + 4x dy = 0

b) y’’ – 2y’ + y = 0

c)

d

3

y

dx

3

x

dy

dt

5y e

x

Classificação por Linearidade

Equações não-lineares: Uma equação diferencial ordinária não-linear é simplesmente uma que não é linear.

A equação diferencial que não é da forma (1) é uma equação não- linear. Exemplo:

t

y''' 2e y"

yy'

t

4

Funções não-lineares da variável dependente ou de suas derivadas, como seny ou e y , não podem aparecer em uma equação linear.Assim sendo,

Termo não-linear Potência diferente de 1

d

4

y

dx

4

2

y 0

Termo não-linear Função não-linear de y

d

2 y

dx

2

diferente de 1 d 4 y dx 4 2  y  0 Termo não-linear Função

seny 0,

diferente de 1 d 4 y dx 4 2  y  0 Termo não-linear Função

Classificação por Linearidade Exemplos

a) (1y)y'2y e

b )

c )

d

2

y

dx

2

seny

d

4

y

dx

4

2

y

0

0

x

1º Exemplo soluções de ED’s: Verifique se a função indicada é uma solução da equação diferencial dada no intervalo (-, ).

a) dy/dx = xy 1/2 ;y=x 4 /16

b) y’’ – 2y’ + y = 0; y = xe x

b

a

∫ b a Calculo 2 – Introdução às Equações Diferenciais Apresentador: Msc. Henrique Grangeiro
∫ b a Calculo 2 – Introdução às Equações Diferenciais Apresentador: Msc. Henrique Grangeiro

Calculo 2 – Introdução às Equações Diferenciais

Apresentador: Msc. Henrique Grangeiro

Apresentador: Msc. Henrique Grangeiro