Você está na página 1de 28
ano IV – número 10 dezembro de 2008 DE TODOS OS JEITOS DE TODOS OS
ano IV – número 10 dezembro de 2008 DE TODOS OS JEITOS DE TODOS OS
ano IV – número 10 dezembro de 2008 DE TODOS OS JEITOS DE TODOS OS
ano IV – número 10 dezembro de 2008 DE TODOS OS JEITOS DE TODOS OS
ano IV – número 10 dezembro de 2008 DE TODOS OS JEITOS DE TODOS OS
ano IV – número 10 dezembro de 2008
ano IV – número 10
dezembro de 2008

DE TODOS OS JEITOS DE TODOS OS LUGARES

Os jovens brasileiros que abraçaram a nossa Olimpíada

Na Ponta do Lápis – ano IV– nº 10

COORDENAÇÃOTÉCNICA Centro de Estudos e Pesquisas em Educação, Cultura e Ação Comunitária – CENPEC

CRÉDITOS DA PUBLICAÇÃO

Coordenação

Sônia Madi

Texto e Edição Luiz Henrique Gurgel Maria Aparecida Laginestra Regina Andrade Clara

Revisão

Rosania Mazzuchelli

e MineoTakatama

Edição de Arte Criss de Paulo e Walter Mazzuchelli

Ilustrações Criss de Paulo

Editoração AGWM Editora e Produções Editoriais

Fotos Alexandre Mota (MG) André Mendes (PE)

Arthur Calasans e Felipe Russo (SP) Christina Rufato (DF)

Elson José Junior

(GO)

Gisele Koprowski (PR) Joaquim Saldanha (CE) Rogério Uchoa (PA)

Agradecimentos Eduardo Gonçalves de Andrade(Tostão) João Wanderley Geraldi Mário Prata Moacir Scliar

Tiragem 150 mil exemplares

Contato com a redação Rua Dante Carraro, 68 – São Paulo – SP CEP 05422­060 Telefone: 0800­7719310 e-mail: escrevendofuturo@cenpec.org.br www.escrevendoofuturo.org.br

INICIATIVA

www.escrevendoofuturo.org.br INICIATIVA 2 Ouro para o Brasil A palavra “olímpico” sempre esteve

2

www.escrevendoofuturo.org.br INICIATIVA 2 Ouro para o Brasil A palavra “olímpico” sempre esteve

Ouro para o Brasil

A palavra “olímpico” sempre esteve vinculada

a eventos de grandes proporções, envolvendo

milhares de pessoas dos mais diversos lugares. O dicionário Aurélio faz referência ao sentido

figurado que a palavra acabou por adquirir:

“grandioso, majestoso, divino, nobre”. A Olimpíada de Língua Portuguesa Escre-

vendo o Futuro ocorre em salas de aula de todo

o Brasil, dos grandes centros urbanos às áreas

rurais mais recônditas do país. Sua ação é gran­ diosa, não apenas por envolver mais de 6 mi­ lhões de estudantes brasileiros e quase 200 mil professores, mas principalmente por ter como objetivo melhorar a qualidade da nossa educa­ ção pública. Conjuga ações do governo federal com a sociedade civil, por meio da Fundação Itaú Social e do Cenpec, além de Estados, mu­ nicípios e entidades de dirigentes de ensino, ou seja, a Olimpíada é um exemplo concreto de que lutar por uma educação de qualidade está acima de quaisquer outros interesses e preocu­ pações – é um consenso nacional. É gratificante, portanto, chegar ao fim desta primeira edição com a certeza de que todo o es­ forço de mobilização para que ela se realizasse valeu a pena. Fechamos com medalha de ouro dois anos de trabalho intenso das equipes do Ministério da Educação, da Fundação Itaú Social

e do Cenpec.

Na Ponta do Lápis – ano IV– nº 10

Se a língua é um dos traços distintivos de nossa identidade e presença no mundo – “Minha pátria é a língua portuguesa” já disse o poeta Fernando Pessoa –, é fundamental fazer que os estudantes brasileiros se aproximem e se apro­

priem ainda mais dela, refletindo sobre seus usos

e possibilidades, já que falamos, escrevemos, pensamos e sonhamos em bom português. Por isso saudamos as educadoras e educa­ dores que participaram de nossa Olimpíada, convidando­os a estarem conosco novamente em 2010.

Na ponta da língua

Nesta última edição do ano, apresentamos uma reportagem com cenas das oficinas regio­ nais da Olimpíada de Língua Portuguesa Escre- vendo o Futuro, que reuniram professores e

alunos de todos os Estados brasileiros. Também trazemos informações sobre um dos gêneros literários mais praticados no Bra­ sil: a crônica. Se, em sua origem, o cronista era responsável por registrar para a posteridade feitos memoráveis de reis, generais e outros poderosos, para os cronistas de hoje são as ex­ periências pessoais e cotidianas, aparentemen­ te banais e contidas em partículas de tempo, que merecem ser relatadas. Um artigo do escritor e professor Jorge Mi­ guel Marinho fala da evolução da crônica no Brasil, mencionando os escritores que mais contribuíram para o aprimoramento do gênero. Já a professora Maria do Carmo Brant, coorde­ nadora do Cenpec, destaca a importância do “lugar em que se vive”, sempre tema dos estu­ dantes que participam da Olimpíada. Nosso entrevistado é o lingüista e professor doutor pela Unicamp, João Wanderley Geraldi, um dos principais especialistas brasileiros em práticas pedagógicas para o ensino da Língua Portuguesa. Na Página Literária, um texto inédito do mi­ neiro Luiz Ruffato, escritor premiado no Brasil

e no exterior e um dos mais originais da nova geração. Desejamos uma boa leitura e um ótimo final de ano.

2 EnTREvIsTA
2
EnTREvIsTA

João Wanderley Geraldi

4
4

REPORTAGEM

A maratona olímpica

8
8

EsPECIAL

Como abraçar o lugar em que se vive

10
10

PáGInA LITERáRIA

Minha vida

12
12

QuEsTãO DE GênERO

O gênero textual crônica

14
14

ÓCuLOs DE LEITuRA

Esses cronistas maravilhosos e suas palavras voadoras

18
18

DE OLhO nA PRáTICA

Crônica: Uma prosa bem afiada

23
23

DEsAFIO

A crônica nossa de cada dia

3

Na Ponta do Lápis – ano IV– nº 10

Na Ponta do Lápis – ano IV– nº 10 “Professor não pode ter medo de errar”

“Professor não pode ter medo de errar”

O conselho é do lingüista João Wanderley Geraldi, atualmente professor colaborador voluntário da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp) e um dos principais pesquisadores brasileiros sobre o ensino de Língua Portuguesa. Geraldi é um dos organizadores da coletânea O texto na sala de aula, obra publicada em 1984 que até hoje é referência para a proposição de políticas públicas e práticas pedagógicas para o ensino da língua. É dele o projeto “Unidades Básicas para o Ensino de Português”, uma proposta de sistematização para o ensino de 5ª- a 8ª- série. Ex-diretor do Instituto de Estudos da Linguagem, da Unicamp, onde concluiu o mestrado e doutorado em Lingüística, Geraldi tem participado como professor visitante de programas de pós-graduação em educação nas universidades do Porto e de Aveiro, em Portugal, além de ser professor e pesquisador associado da Universidade de Siegen, na Alemanha, onde colabora na orientação de doutorandos brasileiros.

2

América Marinho

O que levou o lingüista e professor universi- tário a se preocupar com as questões de en- sino da língua na educação básica? Eu comecei como professor de ensino noturno

na educação básica. Quando fui para a universi-

dade, levei minha experiência e minha história de vida. Isso me fez pensar no trabalho do profes- sor, como atividade acadêmica voltada para pes- quisa e também na preocupação que se deve ter com o contexto nacional da educação. Um se- gundo aspecto, sem sombra de dúvida, é uma postura política: acho que a atitude de interferên- cia do professor é fundamental e a universidade não pode ficar fora das questões da sociedade.

Desde a publicação do livro O texto na sala de aula (1984), aprendemos que o ensino e a aprendizagem da língua precisam desenvol- ver-se por meio de situações em que falar, ler e escrever tenham finalidade. O que isso significa?

Na década de 1980, quando comecei a tratar dis-

so com base em uma perspectiva discursiva da

linguagem, os objetivos escolares da produção

de texto eram extremamente limitados, voltados

à questão da avaliação, à questão da correção.

A idéia era criar uma espécie de escola mais

produtiva – embora hoje a palavra esteja extre- mamente complicada, pois tem sido usada no sentido de concorrência no mercado. Na época era em contraposição a uma escola reprodutiva. Por exemplo, numa escola em que é difícil o acesso a material de literatura infantil, o profes- sor corre atrás de textos adequados para as crianças. O que pode ser mais adequado para o primeiro, segundo e terceiro ano que os textos contados, produzidos pelos próprios alunos?

Esse material, depois de trabalhado pelo pro- fessor e ilustrado pelas crianças, pode se trans- formar em uma obra que fica na biblioteca e pode ser lida por outros alunos. Sua passagem pela escola é marcada por sua obra. Ao não jo- gar fora a história contada, o papel, o desenho e

a cultura – ao mantê-los na biblioteca –, você co- meça a criar uma coisa que valorizamos muito: a memória.

Para alguns professores, a compreensão de que o ensino da língua se dá por meio dos usos sociais foi como um “abre-te, Sésamo”; para outros, uma enorme dor de cabeça. Como você vê essas duas reações? A criança participa dos usos sociais da escrita antes de entrar na escola. Impedir esse uso na

escola é separar o sujeito da sua própria vida. Muitos professores tentam essa separação, em função do processo de alfabetização. Na ver- dade esse processo seria muito mais produtivo se levasse em conta os usos sociais da língua. Aprendizagem não é só um processo de apreen- são; é um processo de reflexão sobre aquilo que eu aprendo. Essa reflexão altera tudo o que eu pensava antes, porque desloca o conjunto de conceitos de que disponho para acessar o mundo. Eu diria que, quando a criança começa

a refletir e interpretar a escrita, esse conheci- mento passa a ocupar um lugar em sua vida. A reação dos professores depende da história de cada um. Aqueles que naquela época já eram contra a ortodoxia da escola se aproximam das nossas idéias; os que eram ortodoxos pensa- vam que, se não ensinassem a gramática como estavam acostumados, ficariam perdidos sem ter objeto para ensinar.

Na Ponta do Lápis – ano IV– nº 10

Que gêneros devem ser privilegia- dos no currículo da educação bá- sica? Qualquer gênero pode ser ensinado na escola, o que não quer dizer que todos os gêneros devam ser ensina- dos na escola. Mas o que está aconte-

cendo a partir dos anos 1990 é a crença de que todos os gêneros têm de ser ensinados na escola. Isso é um absur- do, pois, se os gêneros têm que ver com as atividades humanas, por que eu vou supor que uma pessoa só co- nhece um gênero se for ensinado na escola? Por exemplo, se eu não tenho nenhuma situação planejada na esco-

la, nem a necessidade de as crianças

mandarem um ofício para o prefeito, ensinar ofício vai tornar-se parte da obrigação de trabalhar todos os gê- neros. Agora, para quê? Vai chegar o momento em que eles vão aprender a fazer o ofício, que esse conhecimento

vai se tornar necessário; na hora que eles forem para grêmio estudantil, avançarem no processo escolar. Os que têm essa concepção de trabalho

se esquecem inclusive de gêneros que

são acadêmicos; circulam e são im- portantes dentro da escola, como o resumo, a anotação, a dissertação. Não faz mal que um aluno, durante todo o seu processo de escolaridade, não tenha feito nenhum texto no gê- nero X ou Y. Ao longo da vida, ele vai aprender a usar aquele de que tiver necessidade.

De que critérios o professor deve se valer para indicar a leitura de

textos literários de boa qualidade?

A noção de “literatura de qualidade”

varia ao longo da história. Eu prefiro a idéia do grande tempo. Nós vivemos um grande tempo. Nesse tempo, há notas que permanecem, outras ficam anos esquecidas e ressurgem. Por exemplo, no século XVI, os textos de Shakespeare eram da literatura po- pular e hoje são considerados clássi- cos. Penso que a liberdade do leitor de construir sua caminhada é o prin- cipal critério que o professor pode ter. Todos nós somos capazes de fazer

leitor de construir sua caminhada é o prin- cipal critério que o professor pode ter. Todos
leitor de construir sua caminhada é o prin- cipal critério que o professor pode ter. Todos
leitor de construir sua caminhada é o prin- cipal critério que o professor pode ter. Todos
leitor de construir sua caminhada é o prin- cipal critério que o professor pode ter. Todos

3

Na Ponta do Lápis – ano IV– nº 10

Na Ponta do Lápis – ano IV– nº 10 A maratona de uma Olimpí ada A

A maratona de uma Olimpíada

A Olimpíada de Língua Portuguesa Escrevendo o Futuro começou com a participação de mais de seis milhões de estudantes e quase 200 mil professores. Em sua penúltima fase, em São Paulo, reuniu 620 pessoas em três dias de intensa atividade com brasileiros de todos os quadrantes do país. Na etapa final, 15 estudantes foram premiados pelo presidente Luiz Inácio Lula da Silva, numa cerimônia em Brasília, no dia 1º- de dezembro.

Luiz Henrique Gurgel

As salas e os corredores do hotel es- tavam tomados por adolescentes, jovens e seus professores vindos de todo o país. Pela primeira vez homens e mulheres de negócios eram minoria no Hotel Transamérica, em São Paulo, que recebeu entre os dias 17 e 19 de novembro a semifinal da 1ª- Olimpíada de Lín- gua Portuguesa Escrevendo o Futuro. Foram três dias com oficinas de formação, trocas de experiências e roteiros culturais envolvendo 620 estudantes e professores. Desse grupo saíram os finalistas para a última etapa da Olimpíada, em Brasília. No encontro, um mosaico da diversidade brasileira com seus sotaques, tons de pele, jeitos de andar e de sorrir. Estrangeiros hos- pedados no hotel tiveram a oportunidade rara de conhecer o Brasil inteiro num mesmo espaço, por meio de amostras de sua gente, todos falando a mesma língua, mas de mo- dos diferentes. Os crachás que estudantes e professores ostentavam no peito indicavam nomes de cidades bem brasileiras: Caiapô- nia ( go ), Regeneração ( pi ), Queluz ( sp ), Ma- rataízes ( es ), Derrubadas ( rs ), Xanxerê ( sc ), Bacabeira ( ma ), Poconé ( mt ), Japaratuba ( se ), Manacapuru ( am ), Chalé ( mg ), Salinas da Mar- garida ( ba ), entre outras.

Acolhida

No imenso salão de convenções, as boas- vindas foram dadas por Claudia Sintoni, da Fun - dação Itaú Social, e por Sônia Madi, do Cenpec, coordenadora pedagógica da Olimpíada. Em

4

seguida professores e alunos receberam as me- dalhas de bronze como semifinalistas. “Vocês correram atrás de um sonho e conseguiram realizá-lo”, afirmou Sônia. Mas as principais atividades iriam come- çar no dia seguinte. Separados, professores e alunos seguiram para as oficinas de forma- ção, divididos conforme o gênero de texto em que concorriam – poesia, memórias e artigos de opinião. Apenas a de poesia reunia só participan- tes do Estado de São Paulo, já que nas outras regiões do país as semifinais dessa categoria de texto já haviam ocorrido: em Belo Hori- zonte, reuniu os participantes do Sudeste (com exceção de São Paulo); em Curitiba os do Sul; em Goiânia os do Centro-Oeste; em Belém os do Norte; em Fortaleza e em Recife, os do Nordeste.

Na Ponta do Lápis – ano IV– nº 10

O dia-a-dia das oficinas

Todas as oficinas para professores e alunos trataram da elaboração, revisão e reescrita de textos, além de atividades específicas conforme o gênero trabalhado. Nas 17 salas destinadas às oficinas professores de regiões diversas trocavam opiniões e experiências. Marta Chiva Mangabeira, de São Paulo ( sp ), que trabalhou com memórias, afirmou “que os alunos perceberam que as pessoas mais velhas não são invisíveis, elas têm uma his- tória”. Já LuizVicente Costa, de Poções ( ba ), disse que incentivou os alunos a observar os detalhes da pequena cidade pelas lembran- ças dos entrevistados. O ambiente nas salas das oficinas de me- mória era propício.Todos os estudantes trou- xeram fotos de seus entrevistados, destacando

trechos das conversas. Eram antigas imagens em cores ou em preto e branco. Ivani Moura da Silva, de São Gonçalo do Amarante ( ce ), escreveu ao lado da foto de seu entrevistado, um pescador aposentado, de barbas brancas, ao lado de uma jangada na praia, uma frase poética extraída de seu texto: “Eu continuo pequeno pescador sentindo o cheiro do mar”. Nas oficinas com estudantes do Ensino Médio que partici pam da Olimpíada com artigos de opinião cada um pôde apresentar aos colegas o tema que abordou. Sempre ma- nifestando a preocupação de intervir em suas realidades, com uma grande variedade de as- suntos e preocupações, mostravam-se agudos observadores de suas comunidades. Ficavam surpresos e empolgados para falar sobre o que escreveram ao ouvir os relatos dos co- legas. Numa mesma turma, um estudante do

5

Na Ponta do Lápis – ano IV– nº 10

Rio Grande do Sul falava da preocupação com o patrimônio histórico de sua cidade, en- quanto um colega da Bahia temia pela mata nativa ameaçada pelo plantio de eucaliptos; outro, de Minas, estudante de uma escola militar, questionava a exaltação da violência. Alguns trataram o tema de forma criativa, a partir da experiência pessoal. Foi o caso de Felipe Silva de Oliveira, que mora em Pedra do Salgado, uma comunidade de mil habitan- tes no município de Vitorino Freire ( ma ), que com bom humor, falou da polêmica entre mo- radores do vilarejo que criavam porcos soltos pelas ruas do lugar. Já Mariane de Oliveira, da cidade de Tamboara ( pr ), levantou o pro-

João Acaiabe

blema da mecanização do corte de cana em seu município que pode trazer o desemprego. Mariane, que trabalha numa fábrica de calças jeans e estuda à noite, baseou-se na história do próprio pai, cortador de cana, para falar dos “Cavaleiros da cana”; ela explica que a imagem usada no texto veio de um sonho:

“Uma vez acordei com aquela imagem do cortador, parecendo um cavaleiro.Toda aque- la roupa, luva, botas faz que ele pareça estar de armadura. O facão é a espada”, explica a estudante. Os alunos do Ensino Médio ainda tive- ram outra empolgante atividade. A equipe do Cenpec preparou um movimentado jogo

Uma das atividades mais esperadas pelos alunos que participavam da Olimpíada com textos de memórias foi o encontro com João Acaiabe. Consagrado contador de histórias no programa Rá-Tim-Bum, da TV Cultura, e no papel de Tio Barnabé, no Sítio do Picapau-Amarelo, da TV Globo, o ator teve de enfrentar um desafio diferente:

contar sua própria história de vida para os adolescentes que faziam perguntas e anotavam as histórias suscita- das pela memória de Acaiabe. Depois da entrevista, os estudantes escreveram o texto com as memórias narradas por Acaiabe. No dia seguinte, uma atividade emocionante para o ator: ele leu alguns textos dos estudantes e também ouviu, deles mesmos, o que haviam escrito sobre suas histórias.

6

Na Ponta do Lápis – ano IV– nº 10

de tabuleiro que serviu como ponto de par- tida para os textos que deveriam escrever durante uma das oficinas. Por sorteio, os estudantes tinham de discutir, defender ou refutar pontos de vista sobre uma das ques- tões polêmicas sugeridas pelo jogo: multas de trânsito, devastação da Amazônia, redu- ção da maioridade penal, desarmamento, entre outros. Debates acalorados com troca de idéias e pontos de vista marcaram as ofi- cinas, enriquecendo as possibilidades para a criação de seus artigos. Mas os três dias não foram só para trabalhar com textos. Além das oficinas, todos puderam conhecer São Paulo, visitando o Centro Anti- go, o Museu da Língua Portuguesa e o Museu Paulista, no Parque da Independência.

Passaporte para a final

A festa que anunciou os finalistas da 1ª- Olim- píada de Língua Portuguesa Escrevendo o Futuro aconteceu no Teatro Abril, em São Paulo. A atriz Rosi Campos, a Morgana do Castelo Rá-Tim-Bum, foi a mestre de cerimô- nias. Um telão exibiu uma mensagem especial do ministro da Educação Fernando Haddad para os participantes. Em nome da Fundação Itaú Social, Antonio Matias, vice-presidente da entidade, cumprimentou estudantes e pro- fessores, destacando que a Olimpíada é parte do “maior desafio do país que é oferecer edu- cação de qualidade para todos”. Em seguida, a secretária de Educação Básica do MEC, Maria

do Pilar Lacerda Almeida e Silva enfatizou a parceria da Fundação com o governo federal na realização da Olimpíada. Todos os 150 se- mifinalistas receberam medalhas de prata e aparelhos de som.

Em Brasília: 16 horas

No encerramento da Olimpíada, em Brasí- lia, no dia 1º- de dezembro, o presidente Luiz Inácio Lula da Silva entregou pessoalmente as 15 medalhas de ouro aos vencedores. “No Brasil, nós muitas vezes somos jogados para baixo. O que se viu hoje é que nenhum ser hu- mano se movimenta se não estiver motivado”, disse o presidente durante seu discurso. Já o ministro da Educação, Fernando Haddad, lembrou o bom desempenho de estudantes, que apesar de várias dificuldades, como a im- possibilidade de dedicar-se exclusivamente aos estudos por precisar trabalhar, ficaram entre os finalistas da Olimpíada. O presidente do Banco Itaú e da Fundação Itaú Social, Roberto Setúbal, destacou a par- ceira com o governo federal na realização da Olimpíada: “A colaboração entre o setor públi- co e o privado é fundamental para fazer frente aos desafios sociais do nosso país”, afirmou. Além das medalhas de ouro, os 15 vencedo- res e seus professores receberam computa- dores e impressoras. Suas escolas ganharam um laboratório de informática com dez com- putadores, uma impressora e livros para a biblioteca.

7

Na Ponta do Lápis – ano IV– nº 10

Na Ponta do Lápis – ano IV– nº 10 Como abraçar o lugar em que se

Como abraçar o lugar em que se vive

Quando escolas e outros serviços públicos são capazes de integrar-se à comunidade, aproximam os alunos da vida cotidiana e da história local, reforçando a identidade e o sentimento de pertencimento.

8

Maria do Carmo Brant de Carvalho

O lugar onde vivo, tema da Olimpíada de Língua Portuguesa Escrevendo o Futuro, não foi proposto por acaso. Por trás dessa esco- lha existe um convite: “Experimente ver pela primeira vez o que você vê todo dia, sem ver”, como sugeria Otto Lara Resende. Quando escolas, professores e alunos “fler- tam” com seu território e sua comunidade, vín- culos se potencializam, e saberes, identidades e projetos de vida têm espaço para encontros. Comunidade é aqui entendida como coletivo de pessoas que vivem num mesmo território físico e se alimentam de relações de proximi- dade: vinculam-se a redes, portam valores, cultura, identidades e projetos de futuro, co- mungam uma mesma vida cotidiana. Compartilhamento fraterno – eis o sentido mais profundo do conceito comunidade que nem sempre se expressa, pois as vulnerabilida- des e exclusões sofridas muitas vezes abafam o potencial de partilha e construção coletiva. Os serviços públicos como escola, unida- de básica de saúde e centros de assistência social carecem de base comunitária, sobre- tudo nas grandes cidades. Essa base é ne- cessária para se recuperar na comunidade a confiança perdida no serviço público. A con- fiança é o maior capital social que a comuni- dade oferece. Quando esse capital se perde, perde-se também a comunidade. Por isso solicita-se da escola e dos demais serviços públicos habilidades de acolhimen- to. Mais que isso: ao abraçar a comunidade, a

escola potencializa o chamado “efeito comu- nidade” na aprendizagem. Sabe-se hoje o quanto o repertório informacional e cultural comunitário interfere significativamente no interesse e aprendizado dos alunos.

“Hoje temos, toda quarta-feira, um espaço na rádio local onde os alunos selecionam as melhores histórias (memórias) e divul- gam para a comunidade.”

Profª- Vilma Salete dos Santos Pereira (Inácio Martins – PR)

“As crianças pesquisaram sobre o muni- cípio na biblioteca, nos livros, documen- tos e na internet. Também receberam a visita de um escritor ‘especial’, um aluno da APAE que escreveu dois livros sobre histórias do nosso município e que orga- nizou um pequeno museu com objetos antigos dos colonizadores e de pedras lascadas utilizadas pelas tribos de índios que habitavam a região e que foram en- contradas por colonos nos seus trabalhos na lavoura.”

Profª- Maira Joceli Pereira Miranda (Campo Alegre – SC)

Contextualizar a aprendizagem é uma das formas de mover a relação escola–comunida- de, enlaçando-a com cultura e participação pública.

Na Ponta do Lápis – ano IV– nº 10

“Há algumas semanas foi inaugurado um mega shopping center na região centro-sul da cidade [Curitiba]. É um bairro que não fica muito distante da periferia e atraiu, provavelmente por isso, inúmeros jovens residentes em vilas vizinhas ao referido shopping. O fato é que seguranças do estabeleci- mento impediram a entrada de dezenas de adolescentes sob a alegação de se tratar de gangues, formadas para ‘apa- vorar’ os clientes e lojistas com atos de vandalismo. Na sala de aula comentei o ocorrido e a reação dos alunos foi bombástica. Qua- se todos queriam emitir sua opinião si- multaneamente. ‘O que são lugares pú- blicos?’, ‘Desordeiros têm um perfil que os identifique?’, e por aí foi o debate, quente e acirrado. Foi necessário for- malizar um debate sobre a polêmica criada: ‘Grupos com cinco ou mais ado- lescentes, com as características já ci- tadas não podem entrar no shopping’. Você é contra ou a favor?”

Profª- Ades Nascimento (Curitiba – PR)

“A comunidade/cidade tem sempre suas questões polêmicas: ‘A chegada de es- trangeiros, comprando terras em nossa cidade, trará desenvolvimento e geração de emprego ou será outra forma de co- lonização?’”.

Profª- Francisca Elane Costa (Camocin – CE)

Construir argumentos e contra-argumen- tos para elaborar um artigo de opinião confe- re à escrita uma possibilidade em geral pouco explorada nas escolas: alunos-autores ins- crevendo-se como cidadãos que podem tornar público aquilo que pensam e sentem a respei- to do lugar onde vivem. O sentido de pertença e a iniciação ao mundo público são exercícios fundamentais

para a construção do ser social e percepção da coletividade. Se, por um lado, valores, com- portamentos, saberes e ações de um povo em seu território são chaves para a indução desses processos, por outro, é preciso ga- rantir circulação e abertura a outros mundos possíveis.

“Assim que ouvi as primeiras propagan- das da Olimpíada, tive o desejo de parti- cipar. Motivar meus alunos a participar era então o meu desafio. Sem dizer nada

sobre a Olimpíada, organizei uma excur- são até Itabira – cidade vizinha à nossa e berço de um dos maiores poetas do mundo: Carlos Drummond de Andrade. Itabira abriga hoje o Projeto Drummon- zinho, que consiste basicamente em vencer barreiras sociais através da arte, da poesia. Nós conhecemos vários dos ‘caminhos drummondianos’ acompanha- dos por um dos Drummonzinhos do pro- jeto, que, além de contar a história de sua cidade, declamou divinamente di- versas poesias de Drummond. Os mo- mentos de declamação, a reação dos meus 34 alunos diante daquele adoles- cente, no meio da rua, com barulho de

me fizeram

ter mais certeza ainda que a nossa parti- cipação nessa Olimpíada aconteceria de

carro, gente conversando

maneira significativa.”

Profª- Claydes Regina Ricardo (Santa Bárbara – MG)

Por isso é importante compreender a idéia de coalizão com a comunidade e com o terri- tório como algo mais fundo. O conhecimento que a escola e seu currículo propõem precisa envolver a prosa e a poesia que habitam os di- ferentes espaços e sujeitos capazes de ensi- nar. Caso contrário, a aprendizagem de crian- ças e adolescentes corre o risco da clausura.

Maria do Carmo Brant de Carvalho, doutora em Serviço Social pela PUC – SP, é coordenadora-geral do Cenpec.

9

Na Ponta do Lápis – ano IV– nº 10

Na Ponta do Lápis – ano IV– nº 10 Minha vida Composição de Luiz Ruffato, corrigida

Minha vida

Composição de Luiz Ruffato, corrigida pela professora D. Aurora

Agora tem um ano que mudamos para a nossa casa no Paraíso. Ela ainda não está pronta. Falta emboçar as paredes de fora e pintar as de dentro, mas, orgulhoso, meu pai fala que pelo menos já não precisamos mais ter medo de ficar sem dinheiro no fim do mês para pagar o aluguel. Uma correria danada durante a construção. Todos ajudaram. No dia de bater a laje, os colegas do meu irmão da Manufatora organizaram um mutirão. Parecia um

caminho-de-formiga: lá embaixo, os que misturavam areia, cimento, pedra-britada

e água; lá em cima, os que espalhavam a massa sobre o madeirame; e entre uns e

outros, os baldes transbordando passavam de mão em mão. Eu mesmo, nesse dia,

fiquei numa lufa-lufa sem fim: montado na bicicleta Phillips, freio contra-pedal, pneu-balão, que meu pai tinha comprado de segunda-mão para mim, emendei várias viagens entre a Vila Teresa e o Paraíso, carregando sacos de pão-com-molho-de- tomate e garrafões de quissuco que minha mãe e minha irmã faziam. Aquilo lembrava mesmo um caminho-de-formigas, que, depois que o sol morre, eu e meu pai combatemos nos altos dos pastos. São cabeçudas, que arrancam sangue da gente, as enfezadas. Nosso bairro ainda não tem luz. A água tiramos de um poço de vinte metros de fundura, com uma bomba Marumby.Todos nós nos revezamos para garantir o banho e para minha mãe cozinhar e lavar roupa para fora. Hoje são dez trouxas, mas já foram umas quinze por semana. Eu sinto falta da Vila Teresa. Quando no ano passado o caminhão encostou para levar a mudança, corri para o quintalzinho, onde vivia em camaradagem com lesmas, grilos, paquinhas, minhocas, e até um sapo-boi, na estação das águas, e abri o bué. Não tenho vergonha, solucei mesmo. Ali passei os melhores anos da

Eu

minha vida, brincando de bola no campinho, de pique na chácara, indo à escola

possuía um gato, branquinho-branquinho, de rabo assustado, chamado Ronrom.

Ele veio preso dentro de um saco-de-estopa, porque falaram que não podia ver

o caminho, senão voltava para a casa antiga. Durante o trajeto, preocupado se

ele estava sentindo falta de ar, deixei que pusesse a cabeça para fora. Bastou a gente chegar no Paraíso e ele sumiu. Passei vários dias andando de um lado para

o outro, especulando sobre ele, mas nunca mais ouvimos o miado do Ronrom.

Ainda hoje penso que se não tivesse deixado ele olhar a paisagem Mas minha mãe disse que os gatos são assim mesmo, desagradecidos, e prometeu me dar um cachorro de presente de aniversário. Ele vai se chamar Joli, um nome bonito que ouvi na Praça Santa Rita, onde meu pai vende pipoca. Ele tem um carrinho verde e, de vez em quando, me deixa tomando conta para eu poder aprender a “não ter medo de trabalho”. Apareceu lá certa feita um adestrador com um pastor-alemão e o bitelo só faltava falar, porque entender, ele entendia tudo. O senhor mandava ele deitar, rolar, sentar, ficar paradinho feito

10

Na Ponta do Lápis – ano IV– nº 10

estátua, buscar um pedaço-de-pau-lá-longe, e todos batiam palmas, encantados. Só quando pediu para tirar o chapéu do meu pai é que não gostei, porque ele levou um susto e quase caiu de costas e o povo morreu de rir (eu também, mas

disfarcei). Este pastor alemão é que se chamava Joli. Está sendo difícil adaptar aqui, porque antes a gente vivia num cortiço, mas com água encanada e luz elétrica e a rua, calçada de paralelepípedo, era perto do centro. Atravessávamos a ponte nova e já estávamos na Praça Rui Barbosa, onde meu irmão e minha irmã rodavam no sábado à noite. Lá estão os dois cinemas da cidade, a padaria mais bonita, as maiores lanchonetes, os bancos e, para tristeza do meu pai, coitado, o melhor ponto para vender pipoca, ocupado pelo xará dele, seu Sebastião Lopes. A Praça Santa Rita não oferece nada, só a missa da Igreja Matriz e a fonte-luminosa. Mas o lugar, escuro, por causa das árvores que escondem a iluminação dos postes, só acolhe quem não presta, como diz a minha

mãe. Imagina então a freguesia do meu pai

inconvenientes. O correio de casas, muito perto do rio Pomba, ficava coberto pelas águas quando vinha a enchente. A minha irmã detesta o Paraíso, porque é longe e feio. Na hora de trabalhar, ela tem que ir a pé até o Beira-Rio para pegar um ônibus. Ela acorda antes do sol e desce a morraria xingando e lamentando o dia em que nasceu. Ela reclama da poeirama, na estiagem, e do barro, na época das chuvas. E vive ameaçando que um dia se casa com alguém só para ir embora. Aí minha mãe fica brava, porque ela fala que quis sair da Vila Teresa para dar uma vida mais digna para os filhos, mas principalmente para minha irmã, onde já se viu criar uma menina no meio de marginais e mulheres-da-vida? Meu irmão entra na discussão e acusa minha irmã de ser é metida, que ela tem um rei na barriga, e que ao invés de louvar a

família que tem, cospe no prato que come. E meu pai, que não gosta de confusão, começa a assobiar, a cantar, sai de fininho, e só volta quando colocaram uma pedra sobre o assunto. Agora, que estou terminando o primário, meu pai avisou que vai me inscrever no Senai, para eu poder aprender uma profissão. Ele quer que eu seja torneiro- mecânico que nem meu irmão, e sonha um dia a gente ir para São Paulo para trabalhar nas fábricas de carro, que é onde está o futuro, ele acha. A minha mãe chora só de pensar nisso, porque por ela nós nunca vamos nos separar. Mas meu irmão já recebeu até proposta de emprego em Diadema, que, dizem, é longe. E minha irmã está namorando firme e deve casar mesmo, não demora muito. Eu fico triste, porque só vai restar eu e devo seguir também para fora. Mas eu não queria ser torneiro-mecânico, queria mesmo era ser bancário do Banco do Brasil, que nem o marido da Dona Aurora.

Mas na Vila Teresa também havia

“Minha vida” é uma composição escolar escrita por um aluno do quarto ano primário do Grupo Escolar Flávia Dutra, de Cataguases, corrigida pela professora Dona Aurora Silveira, e conta um pouco o momento de mudanças em sua vida. Mudança de casa, de bairro, de amigos, e, principalmente, de perspectivas. A continuação da história do menino Luiz Ruffato está, de certa maneira, contada no livro De mim já nem se lembra, publicado em 2007 pela Editora Moderna.

Luiz Ruffato é escritor, nasceu em Cataguases (MG). Tem publicados Eles eram muitos cavalos e o projeto Inferno Provisório, composto por cinco volumes, dos quais quatro já lançados: Mamma, son tanto felice, O mundo inimigo, Vista parcial da noite e O livro das impossibilidades.

11

Na Ponta do Lápis – ano IV– nº 10

Na Ponta do Lápis – ano IV– nº 10 O gênero textual crônica Heloisa Amaral A

O gênero textual crônica

Heloisa Amaral

A palavra “crônica”, em sua origem, está

associada à palavra grega “khrónos”, que significa “tempo”. De khrónos veio chronikós, que quer dizer “relacionado ao tempo”. No latim existia a palavra “chronica” para desig-

nar o gênero que fazia o registro dos aconte- cimentos históricos, verídicos, numa seqüên- cia cronológica, sem um aprofundamento ou interpretação dos fatos. Como se comprova pela origem de seu nome, a crônica é um gê- nero textual que existe desde a Idade Antiga

e vem se transformando ao longo do tempo.

Justificando o nome do gênero que escreviam, os primeiros cronistas relatavam, principal- mente, aqueles acontecimentos históricos

relacionados a pessoas mais importantes, como reis, imperadores, generais etc.

A crônica contemporânea é um gênero

que se consolidou por volta do século XIX, com a implantação da imprensa em pratica- mente todas as partes do planeta. A partir

dessa época, os cronistas, além de fazerem

o relato em ordem cronológica dos grandes

acontecimentos históricos, também passa- ram a registrar a vida social, a política, os costumes e o cotidiano do seu tempo, publi- cando seus escritos em revistas, jornais e

folhetins, ou seja, de um modo geral, impor-

tantes escritores começam a usar as crôni- cas para registrar, de modo ora mais literá- rio, ora mais jornalístico, os acontecimentos sociais de sua época, publicando-as em veí- culos de grande circulação. Os autores que escrevem crônicas como gênero literário recriam os fatos que relatam e escrevem de um ponto de vista pessoal, bus- cando atingir a sensibilidade de seus leitores. As que têm esse tom chegam a se confundir com contos. Embora apresente característi- ca de literatura, o gênero também apresenta características jornalísticas: por relatar o cotidiano de modo conciso e ser publicadas em jornais, as crônicas têm existência breve, isto é, interessam aos leitores que podem partilhar esses fatos com os autores por te- rem vivido experiências semelhantes. As características atuais do gênero, po- rém, não estão ligadas somente ao desenvol- vimento da imprensa. Também estão intima- mente relacionadas às transformações so- ciais e à valorização da história social, isto é, da história que considera importantes os mo- vimentos de todas as classes sociais e não só os das grandes figuras políticas ou militares. No registro da história social, assim como na escrita das crônicas, um dos objetivos é

12

Na Ponta do Lápis – ano IV– nº 10

mostrar a grandiosidade e a singularidade dos acontecimentos miúdos do cotidiano. Ao escrever as crônicas contemporâneas, os cronistas organizam sua narrativa em pri- meira ou terceira pessoa, quase sempre como quem conta um caso, em tom intimista. Ao narrar, inserem em seu texto trechos de diálo- gos, recheados com expressões cotidianas. Escrevendo como quem conversa com seus leitores, como se estivessem muito próximos, os autores os envolvem com refle- xões sobre a vida social, política, econômica, por vezes de forma humorística, outras de modo mais sério, outras com um jeito poéti- co e mágico que indica o pertencimento do gênero à literatura. Assim, uma forte característica do gênero é ter uma linguagem que mescla aspectos da escrita com outros da oralidade. Mesmo quando apresenta aspectos de gênero literá- rio, a crônica, por conta do uso de linguagem coloquial e da proximidade com os fatos co- tidianos, é vista como literatura “menor”. Ao registrar a obra de grandes autores, como Machado, por exemplo, os críticos vêem seus romances como verdadeiras obras de arte e as crônicas como produções de segundo plano. Essa classificação como gênero literário me- nor não diminui sua importância. Por serem breves, leves, de fácil acesso, envolventes, elas possibilitam momentos de fruição a mui- tos leitores que nem sempre têm acesso aos romances.

No Brasil, a partir da segunda metade do século XIX, muitos autores famosos passa- ram a escrever crônicas para folhetins. Coe- lho Neto, José de Alencar, Machado de Assis estavam entre aqueles que sobreviviam do jornalismo enquanto criavam seus romances. Os cronistas, atualmente, são numerosos

e costumam ter, cada um deles, seus leitores

fiéis. Hoje, os cronistas nem sempre são ro- mancistas que escrevem crônicas para ga- rantir sua sobrevivência. Há aqueles que vêm do meio jornalístico ou de outras mídias, como rádio eTV. Por isso, a publicação do gê- nero também ocorre em meios diversificados:

há cronistas que lêem suas crônicas em pro- gramas de TV ou rádio e outros que as publi- cam em sites na internet.

Pelo fato de os autores serem originários de diferentes campos de atividade e de pu- blicarem seus textos em várias mídias, as crônicas atuais apresentam marcas dessas atividades. Por isso, há, atualmente, diferen- tes estilos de crônicas, associados ao perfil de quem as escreve.Todos os estilos, porém, acabam por encaixar-se em três grandes gru- pos de crônica: as poéticas, as humorísticas

e as que se aproximam dos ensaios. Estas úl-

timas têm tom mais sério e analisam fatos políticos, sociais ou econômicos de grande importância cultural.

Heloísa Amaral é mestre em educação, autora do Caderno do Professor Pontos de vista.

13

Na Ponta do Lápis – ano IV– nº 10

Na Ponta do Lápis – ano IV– nº 10 Esses cronistas maravilhosos e suas palavras voadoras

Esses cronistas maravilhosos e suas palavras voadoras

Jorge Miguel Marinho

A história que agora passo a contar do início

explica em grande parte

por que ainda acredito no ser humano

– ô, raça!

TuttyVasques

A crônica aqui entre nós se casou tão bem com o espírito brasileiro, com a vontade de se confessar nas coisas miúdas e extrair de- las uma história maior, com o calor afetivo de um povo que, espontâneo nos atos, se quer espontaneamente expressivo na lingua- gem também, com as necessidades de um país novo que busca a sua identidade com os olhos no mundo e um olhar mais decisivo no local, com aquela versatilidade camaleônica que precisa de muitas vozes e muitas formas de expressão para se auto-afirmar, com a pressa de leitura de um mundo que tem ur- gência de se ver e se reconhecer nas suas palavras e no seu lugar – que este gênero

jornalístico, hoje significativamente literá- rio, que ainda resiste a uma classificação formal, é tão presente no processo de forma- ção da Literatura Brasileira e igualmente tão singular na afirmação das nossas Letras que se pode dizer, com segurança, que a crônica é um modo muito nosso de ser.

E de onde vem a crônica?

Machado de Assis, como a maioria dos nossos escritores, também foi cronista e, jun- to com José de Alencar e Joaquim Manuel de Macedo, fez parte do primeiro time de “cães farejadores do cotidiano” – numa expressão feliz de Antonio Candido para registrar a avidez pela “reportagem da vida” que pro- gressivamente vai se tornar na nossa tradição literária um encontro único entre literatura e jornalismo, gênero que os escritores brasi- leiros dominam como poucos e, por que não dizer?, como ninguém. Pois é o nosso Machado mesmo que, brin- cando seriamente e se autodenominando “es- criba das coisas miúdas”, desvenda “O nasci- mento da crônica”, não por acaso numa crônica com este mesmo título, afirmando e fabulando com aquele humor inteligente que a natureza ou a origem da crônica nasce de uma trivialida- de como exclamar “Que calor!”, para depois conjecturar “acerca do sol, da lua, da febre amarela, dos fenômenos atmosféricos” e outros calores da alma humana. E mais: que

14

Na Ponta do Lápis – ano IV– nº 10

esse tom tão trivial e aparentemente bisbilho- teiro da crônica é mais velho do que Esdras, Abraão, Isaque e Jacó, sugerindo para nós leitores que é mais velho até do que Noé, que – por essas veredas da fábula, não é ne- nhum pecado imaginar – muito provavelmente se utilizou do ritmo exclamativo e prosaico da crônica para anunciar ou quem sabe irradiar a iminência do maior dilúvio de todos os tempos, ameaça ou notícia esta em que, com

a graça de Deus, teve gente que acreditou. É isto: por seu caráter de prosa, colóquio, confissão, comunicação imediata, “graça”, sentido telegráfico, urgência, trivialidade e até mesmo brincadeira, ainda que o tema so- licite o tom da seriedade, não dá para precisar em que época nasceu a crônica, mas é muito provável (e ainda quem nos alerta é Machado) que a crônica aconteceu pela primeira vez quando as duas primeiras vizinhas, depois das tarefas do jantar, se sentaram na porta de casa para papear sobre o dia e agarrar a tran- sitoriedade da vida com palavras triviais e “voadoras” porque aparentemente dispersas, palavras com ar de coisa nenhuma, mas no fundo necessárias e urgentes como o impulso natural de comunicação entre dois amigos –

escritor e leitor – que, se confessando no rés- da-calçada e nas miudezas da vida, revelam a complexidade da condição humana e a expe- riência única de viver. Carlos Drummond de Andrade, que, como Rubem Braga e Clarice Lispector, imprimiu poesia e estados de alma à crônica, diria me- lhor, sugerindo, por sua vez, num poema, o sentido atávico e até mesmo inexorável da linguagem como busca do outro e, por ser raiz

e matéria tão antiga e presente na natureza

humana, ilustra muito bem a origem remotís- sima da crônica, para usar uma imagem nossa, “um vôo breve com o tempo da eternidade”, puríssimo diálogo:

Escolhe teu diálogo

e

tua melhor palavra ou teu melhor silêncio Mesmo no silêncio e com o silêncio

Dialogamos.

Só para iluminar mais a simplicidade e a sutileza, por vezes, até refinada da crônica, é quase uma sorte poder recorrer também às palavras de Manoel de Barros, hoje carinho- samente acolhido por leitores de todas as ida- des como “o grande poeta das coisas peque- nas”, entendendo que ele levou a “herança e a ciência da crônica” para os seus poemas em prosa e avisa, com voz de cronista, que “para apalpar as intimidades do mundo”, labor pre- cioso da crônica, “é preciso saber que o es- plendor da manhã não se abre com faca” e que, no jogo literário, a gente tem de saber muito bem “como pegar na voz de um peixe”. Enfim, como pegar com as palavras as pe- quenas coisas, agarrar o grande com a sabe- doria do miúdo, revelar a dimensão humana nas suas porções mínimas, escutar a vida co- tidianamente, atenções estas presentes em todos os tempos e em todas as formas literá- rias, mas em nenhum deles com o sentido de permanência, a singularidade e o “à vontade” do ofício de ser cronista.

E aqui no Brasil dá para situar o começo da crônica?

A crônica como gênero literário só vai aparecer em 1854 com José de Alencar escre- vendo para o jornal Correio Mercantil o fo- lhetim “Ao correr da pena”, título sugestivo para ilustrar a leveza e o tom corriqueiro da matéria que comentava desde a presença da

15

Na Ponta do Lápis – ano IV– nº 10

máquina de costura que roubava a graça do dedilhar das agulhas, passando pela euforia tola das danças e dos costumes que invadem o Rio de Janeiro, até o furor especulativo da época e a indiferença da nação diante da Guerra da Criméia. Mas o espírito de cronista já está presente na “certidão de nascimento” da Literatura Brasileira: a carta de Pero Vaz de Caminha, que, com o entusiasmo de cronista, a precisão no registro objetivo e circunstancial do fato e um certo tom segredado da conversa de co- madres escrita com “engenho e arte”, relata a el-rei D. Manuel, com olhos de descobridor in- teressado, os benefícios e os malefícios da Terra de Vera Cruz. Isso ainda não é arte literária, mas o ofício de cronista é a primeira voz, ainda que embrio- nária, das nossas Letras e vai ocupar um lugar de destaque a partir de meados do sé- culo XIX na Literatura Brasileira, persistindo como uma espécie de “idioma nacional” e compondo uma galeria de cronistas maravi- lhosos que, com suas palavras voadoras, soli- dárias ao registro factual e aos vôos imagi- nários, mais parecem uma comunidade de alquimistas que vão das memórias aos flagran- tes do dia-a-dia, da piada às inquietações metafísicas, do diário às digressões filosófi- cas, do ultimato às cartas literárias, dos apelos de alma à ironia mordaz, da denúncia social à contemplação introspectiva, das confissões poéticas ao comentário chulo, do humor à compaixão, da “bolsa à vida”, ape- nas para registrar seus extremos. Em todos o tom da oralidade e o sentido da solidariedade fazem do leitor um inter- locutor que se reconhece na matéria, sempre expressa com fôlego de experiência vivida, até mesmo como co-autor dessas páginas

16

escritas como uma espécie de subjetividade coletiva.

É fato mais que conhecido no universo das

palavras que o clima de conversa ao pé do ou- vido da crônica, tocante e ao mesmo tempo

volátil, e que Manuel Bandeira, cronista na prosa e cronista na poesia, chamou puxa-pu- xa, provoca no leitor um desejo enorme de es- crever crônica também. Por tanta expressividade e tantas formas de expressão, vale fazer um percurso de lei- tura pelos labirintos da crônica desde João do Rio e Lima Barreto, que chegaram a criar personagens, sátiras, e mesclar ficção e rea- lidade nos seus folhetins dos primórdios do século XX, até os mais atuais, que escrevem diariamente para as mais conhecidas revistas e jornais brasileiros, como André Sant’Anna, que chega a suprimir a pontuação para “per- der o fôlego” de tanto ódio e adoração por São Paulo, Antonio Prata, que vai ao ápice da auto-ironia amorosa de sua própria classe social, ou Tutty Vasques, que, com o eterno espírito solidário da crônica, confessa que

é cronista “porque ainda acredita no ser

humano”.

É isto: nesse trajeto tão humanamente nos-

so que recupera e reassume algo da versatili- dade do herói Macunaíma enquanto “história

de busca” e constante desejo de se reinventar,

a nossa crônica avança e retorna no tempo

criando novos modos de cultivar, na própria respiração das palavras, o ofício de contar e elegendo sempre o tema da “solidariedade

Na Ponta do Lápis – ano IV– nº 10

entre cronistas e leitores como norte da expe- riência imperdível de ler. E é por essas veredas de sensível e puríssima comunicação que ela veio se aclimatando desde os “tempos que já

lá vão” com a pena missionária do padre Ma-

nuel da Nóbrega ou do padre José de Anchieta no Quinhentismo e se firma progressivamente nas décadas de 1930 e 1950 de forma única e originalíssima no Brasil, acolhendo o que as

vanguardas ofereciam de melhor nos idos de 22, entrando no ritmo da bossa nova com a aparente simplicidade de quem conta e faz “re- portagem da vida” com uma nota só, festejan- do ou não a criação de Brasília, comemorando

a primeira vitória da copa do mundo, “cami-

nhando contra o vento sem lenço nem docu- mento” nas passeatas e comícios dos anos sessenta, transitando sempre na contramão dos artifícios e de toda e qualquer ditadura de expressão, por estar a serviço da vida, a parte melhor de toda essa sua história. Pensando mais uma vez junto com Antonio Candido, ela, a nossa crônica, “pode servir de caminho não apenas para a vida que ela serve de perto, mas para a literatura”, como que- rem, do fundo do coração e na memória do tempo, todos os cronistas ou folhetinistas de fato, como eles eram chamados, nesse nosso país tão cronicamente tropical.

E, para provisoriamente pôr um ponto final nessas linhas que já estão com vontade de virar crônica, como vai ela hoje em dia?

“Muito bem, obrigada”, ela grita leve e sol- ta nas entrelinhas dessa conversa ligeira, sempre abusando lindamente da liberdade de expressão que é seu território livre para o trânsito das idéias. Isso porque, quando se lê uma crônica que é crônica mesmo, coisa que só lendo para descobrir, a gente se perde no tempo imemorial de todos os tempos sem o menor interesse de se achar, a gente fica como Carlos Heitor Cony naquela crônica que conta a sua história de amor com a sua cade- linha “Mila”: com a breve eternidade da crônica que, igual à cachorrinha, nunca quer ser maior do que a nossa alegria ou tristeza, a gente “perde o medo do mundo e do vento” e fica com saudade das crônicas que ainda não leu.

Jorge Miguel Marinho é professor de literatura, escritor, ator e roteirista. Entre as obras publicadas estão Te dou a lua amanhã, prêmio Jabuti; Na curva das emoções, prêmio APCA; O cavaleiro da tristíssima fi- gura, prêmio HQMIX; Lis no peito, prêmio Jabuti.

17

uma prosa bem afiada ao cronista compete ser registrador do tempo, o seu particular e

uma prosa bem afiada

ao cronista compete ser registrador do tempo,

o seu particular e aquele em que mais alargadamente vive.”

José Saramago (1986 apud Neves, 1995)

“(

)

Num tom bem-humorado, sensível, despretensioso, o cronista emociona, envolve, ajuda o leitor a refletir criticamente sobre questões sociais, atos e sentimentos humanos. O cronista usa uma linguagem simples, espontânea, quase uma conversa. Narra com naturalidade fatos corriqueiros, miudezas do comportamento das pessoas, trazendo à tona a vida da cidade. Para aproveitar esse clima de proximidade, de identificação entre autor e leitor, propiciado pela crônica, preparamos, para você, professor, algumas sugestões de atividades de leitura e escrita que podem ser desenvolvidas em sala de aula.

De que falam as crônicas?

Escolha uma crônica instigante e prepare o material para a roda de leitura. Providencie cópias do texto para que os alunos possam acompanhar a leitura. Convide-os a ouvir as com atenção a leitura da crônica. Pergunte se eles costumam ler as crônicas que são publicadas em jornais, revistas, livros, ou já ouviram em áudio, CD. Pergunte também se eles sabem quais são os temas preferidos pelos cronistas.

Conheça o que os alunos já sabem em relação ao gênero crônica.

Crônicas de ontem e de hoje Pesquise crônicas bem interessantes. Procure mesclar textos de escritores
Crônicas de ontem e de hoje
Pesquise crônicas bem interessantes.
Procure mesclar textos de escritores
que foram cronistas importantes do início do
século XX (João do Rio, Machado de Assis,
José de Alencar, Graciliano Ramos, Rachel
de Queiroz, Carlos Drummond de Andrade )
e outros dos dias atuais ( Mário Prata, João
Ubaldo, Luís Fernando Veríssimo, Affon-
so Romano Sant’anna, Ivan Ângelo, Walcyr
Carrasco, Fernando Sabino
).
Apresente os
textos para os alunos. Para facilitar a leitu-
ra e escolha dos trechos, organize-os num
mural ou varal, ou disponha-os no chão da
sala de aula. Peça aos alunos que leiam os
vários trechos e selecione um de sua prefe-
rência. Faça um quadro na lousa e preencha
os dados junto com os alunos. Organize uma
roda de conversa para que eles comentem e
comparem os assuntos das crônicas, a época
em que foram escritas e a linguagem usada
pelos autores.
TÍTULO
AUTOR
ÉPOCA
ASSUNTO
Ser brotinho
Paulo Mendes Campos
1960
Hábitos e comportamentos dos
jovens no início da década de 1960
18
Na Ponta do Lápis – ano IV– nº 10

[

]

Ser brotinho é desdizer de enfeites

A Rua e, do por

Ouvidor

fumarias,

contou diversas

devia ser lojas

a rua de mais

conseqüência,

per-

cheirosa, mais perfumada

do Rio

entre todas as da cidade

de Janeiro.

E todavia

não

o era!

Com efeito não havia nem

de aromas, de

há rua

mais opulenta

perfumes,

de pastilhas

banhas e de pomadas

odoríferas, de

de

isso encerrado em

ótimo cheiro; mas tudo

vidrinhos, em frascos e em pe-

quenas caixas bonitas

Rua do Ouvidor Atualmente de

que mantinham

e mantêm a

tão inodora

como

as outras de dia.

noite observa-se o

Naquele

tempo, porém, isto é,

mesmo fato. nos tempos do

Demarais,

e ainda

depois,

fácil e reta comunicação

a Rua do

Ouvidor, de

mais freqüentadas pelos condutores dos

com a praia, era uma das

tes barris, das oito horas da noite até

repugnan-

às dez

“A Rua do Ouvidor”,

Joaquim Manuel de Macedo.

Rio de Janeiro: Tip.

Memórias

da rua do Ouvidor.

Perseverança, 1878,

pp. 99-101 .

Na Ponta do Lápis – ano IV– nº 10

e pinturas, e fazer uma cara lambida, arru- mar os cabelos no vento, apagar o corpo dentro de um vestido em graça de doer, mas ir por aí espalhando fagulhas pelos

olhos. Ser brotinho é lançar fagulhas pelos

Ser brotinho é possuir vitrola

própria, perambular pelas ruas do bairro com um ar sonso – moderninho –, vagaren- to, abraçada a uma porção de elepês esfu- ziantes. É dizer a palavra feia precisamente no instante em que essa palavra se faz im- prescindível e tão inteligente e superior

olhos. [

]

“Ser brotinho”, Paulo Mendes Campos. O cego de Ipanema. Rio de Janeiro: Editora do Autor, 1960, p. 15.

A caminho de casa, entro num botequim da Gávea para tomar um café junto ao balcão. Na

realidade, estou adiando o momento de escrever.

A perspectiva me assusta. Gostaria de estar ins- pirado, de coroar com êxito mais um ano nesta

busca do pitoresco ou do irrisório no cotidiano de cada um. Eu pretendia apenas recolher da vida diária algo de seu disperso conteúdo humano, fru-

to da convivência, que a faz mais digna de ser vi-

vida. Visava ao circunstancial, ao episódico. Nes-

ta perseguição do acidental, quer num flagrante de esquina, quer nas palavras de uma criança ou num incidente doméstico, torno-me simples es- pectador e perco a noção do essencial

“A última crônica”, Fernando Sabino. Elenco de cronistas modernos por Carlos Drummond de Andrade e outros. Rio de Janeiro: José Olympio, 1974. p. 259.

(

)

O que é uma flor?

Será esta criação vegetal que na prima-

vera se abre do botão de uma planta?

Não: a flor é o tipo da perfeição, é a mais

sublime expressão da beleza, é um sorriso

cristalizado, é um raio de luz perfumado.

Por isso há muitas espécies de flor.

Há as flores do vale — mimosas criaturas

que vivem o espaço de um dia, que se ali-

mentam de orvalho, de luz e de sombras.

Há as flores do céu — as estrelas, — que

brilham à noite no seu manto azul, como os

olhos de uma linda pensativa.

“Falemos das flores”, 1855, José de Alencar. Ao correr da pena. 2ª - ed. São Paulo:

Melhoramentos, s.d. pp. 309-312.

Aproxime os alunos do gênero textual crônica.

19

Cobrança

Ela abriu a janela e

ali estava ele, diante da

casa, caminhando de um

lado para outro. Carregava um cartaz,

cujos

dizeres atraíam a atenção

dos passantes: “Aqui mora uma devedora inadimplente”.

Você não pode

fazer isso comigo

protestou ela.

— Claro que posso –

replicou ele. — Você comprou,

não pagou. Você é uma devedora inadimplente. E eu sou

cobrador. Por diversas vezes tentei lhe cobrar, você não pagou.

Não paguei

porque não tenho dinheiro.

Esta crise

Já sei – ironizou ele.

Você vai

me dizer

que por causa daquele ataque lá em Nova York seus

negócios ficaram

prejudicados. Problema

seu, ouviu? Problema

Meu

problema é

seu.

lhe cobrar.

estou fazendo.

E é o que

— Mas você podia fazer

isso de

uma forma mais discreta

Negativo. Já usei todas as formas discretas que de conta que nada tinha a

podia. Falei

com você, expliquei, avisei. Nada. Você fazia se esgotando, até que não me restou outro

ver com o assunto. Minha paciência foi

recurso: vou ficar aqui, carregando este

cartaz, até você saldar sua dívida.

Neste

momento começou

a chuviscar.

Você vai se molhar Ele riu, amargo:

advertiu ela. — Vai

acabar ficando doente.

E daí? Se você

está preocupada com minha saúde, pague o que deve.

Posso lhe dar um guarda-chuva

— Não quero. Tenho de carregar o

cartaz,

não um guarda-chuva.

Ela agora estava

irritada:

Acabe com isso,

Aristides, e venha para dentro. Afinal,

você é meu marido, você mora aqui.

Sou

marido – retrucou

seu

ele – e você é minha

mulher, mas eu

cobrador

sou

devedora. Eu a avisei: não compre essa geladeira, eu você não me ouviu. E

profissional

e você é Mas não, eu faça?

não ganho o suficiente para

pagar as prestações.

agora o pessoal lá da empresa

de cobrança quer o dinheiro.

O que quer você que

Que perca meu emprego?

De jeito nenhum. Vou

ficar aqui até você

cumprir sua obrigação.

Chovia mais forte, agora. Borrada, a

inscrição tornara-se ilegível.

A ele,

isso pouco

importava: continuava

andando de um lado para o outro, diante da casa, carregando

o seu cartaz.

(Moacyr Scliar. O imaginário cotidiano. São Paulo: Global, 2001.)

Na Ponta do Lápis – ano IV– nº 10

• Usa 1ª- pessoa do verbo, singular

e plural.

• Usa discurso direto no diálogo,

verbos de dizer.

• Traz aspectos

de oralidade para a escrita: expressões de

conversa familiar/íntima, repetições, pronome você.

• Partilha fatos cotidianos com

seu leitor, dando singularidade

a eles.

• Usa marcas de tempo e lugar que revelam

fatos cotidianos.

Moacyr Scliar

em Porto Alegre

nasceu

em 23/3/1937. É membro

da Acadenia Brasileira de Letras, autor

de 55

livros,

vários

em

gêneros:

conto, romance, teatro e rádio.

crônica, ensaios. Recebeu

adaptados para cinema, televisão,

vários prêmios e tem trabalhos

Da notícia à crônica

“Cobrador usa intimidação como estratégia. Empresas de cobran- ça usam técnicas abusivas, como tornar pública a dívida.”

Cotidiano, 10 setembro de 2001

Mostre para o grupo trecho da notícia publicada no caderno Cotidiano, do jornal Folha de S. Paulo, em 10 de setembro de 2001. Retome com os alunos o principal objetivo da notícia: relatar o fato ocorrido de maneira o

20

mais impessoal possível, evitando ambigüi- dade. Esclareça que o escritor Moacyr Scliar publica semanalmente uma crônica, com base numa notícia veiculada no jornal. Faça uma

leitura dramatizada, usando a entonação (voz,

pausa, gestos, mímica

diálogo estabelecido entre o marido e a mu- lher. Em uma roda de conversa, explore com os alunos a sensibilidade do escritor Moacyr Scliar em construir, com base na notícia, uma crônica bem humorada. O autor usa um tom irônico, expressões típicas do discurso fami- liar para revelar as desavenças na vida do ca- sal. Aproveite e analise junto com os alunos os recursos utilizados pelo cronista:

para expressar o

)

delicadeza,

Sobre o riso

Com

de passe

Linha

Por que

família

rimos?

mostra

de SP

Ninguém

da periferia

sabe. universal:

O

riso tem

os 2008), (SP) na

família

uma

qualidade

uma

de de nesta passe de que

vida

Paulo

e e A realizar

todas

São

culturas

as

periferia

têm

sobreviver

para

seus contadores de piadas.

luta

sua

são

sonhos

E, mesmo que

filme

do

a piada

centrais

(Brasil,

itens

tenha graça

só para

Daniela

Linha

uma

cultura,

Salles

e

Walter

as pessoas

de

às

reagem

chega

(5).

sempre

da mesma

Thomas,

sexta-feira

forma.

telonas

Na Ponta do Lápis – ano IV– nº 10

Amplie o repertório dos alunos por meio da leitura de crônicas.

Agora, os alunos são os cronistas

Traga para a sala de aula notícias pu- blicadas em diversos jornais. Organize com os alunos um mural com essas notícias e convide-os a lê-las. Peça-lhes que as ana- lisem e escolham entre elas uma que, na opi- nião deles, pode originar uma boa crônica. Diga aos alunos que vamos escrever a crôni- ca coletivamente, pois isso possibilita a troca de experiência e a negociação entre alunos e professor. Lembre à turma que o ponto de partida para a escrita da crônica é o próprio aconte- cimento relatado na notícia e o cronista vai colocar a sua visão pessoal do fato, acrescen-

tando uma dose de ficção, lirismo ou mesmo de humor. Por exemplo, se a notícia escolhi- da for sobre o riso, pergunte ao grupo se eles riem com freqüência, em que situações cos- tumam “cair na gargalhada”, se em seu grupo de amigos há alguém que está sempre rindo, ou faz todo mundo rir? Direcione a conversa para seleção de situações que possam contri- buir para dar o tom literário para a elaboração do texto. Retome as idéias sugeridas pelos alunos e vá anotando-as e escrevendo na lousa os parágrafos iniciais. Durante a produção cole- tiva faça perguntas e dê orientações que aju- dem o grupo na elaboração da crônica. Essa versão inicial do texto deverá ser aprimorada no decorrer do processo.

Em dez anos, dobrou o uso de bicicletas

De acordo com a pesquisa,

o uso da bicicleta cresceu principalmente para

viagens curtas e na periferia.

A pesquisa também

mostrou que pela primeira vez desde 1977 o número de pessoas que utilizam transporte motorizado coletivo ultrapassou o daqueles que usam veículos individuais.

Produza coletivamente a versão inicial da crônica.

É crônica?

Providencie cópias da crônica “ História de cheiros” para os alunos para que eles acom- panhem a leitura (ou podem ler em duplas). Se isso não for possível, copie o texto na lousa ou numa grande folha de papel. Planeje bem a leitura da crônica. Após a leitura, proponha uma roda de conversa. Deixe os alunos manifestarem sua compreensão e opinião sobre o texto. Para melhor explorar as características da crônica, prepare tarjas com observações sobre os recursos utilizados pelo autor. Proponha aos alunos que releiam com atenção a crônica e ordene as tarjas no texto.

21

A

do narrativa

em

primeira

pessoa

aproxima

o autor

leitor.

O narrador

trata

um fato

corriqueiro

de

forma

O narrador-

peculiar

personagem

si mesmo

de jeito

fala

que

um

de

o leitor

envolve

Usa

fatos revelam marca

de

tempo

e lugar

que

do cotidiano

Na Ponta do Lápis – ano IV– nº 10

O impressões

autor

traz

captadas

pelos

sentidos

Identifique as marcas, os recursos utilizados pelo autor na escrita da crônica.

22

História de cheiros

Luiz Henrique Gurgel

Fazia tempo que não passava por São Paulo de madru- gada.Vinha do interior e atravessava a cidade para chegar em casa. Quem mora no ABC Paulista tem sempre a triste sina de ter de cruzar o gigante. Pior se chega na hora do rush.Tinha chovido, a cidade estava vazia e molhada, o ar úmido e quente. Eu tinha saído de um sítio no Vale do Pa- raíba. Lá também havia chovido, vim embora com o cheiro gostoso de mato molhado, misturado ao agradável odor de estrume de vaca remexido. Vi cair a chuva-criadeira, que molha a terra, que enche o rio, que limpa o céu. “Que traz o azul!”, como cantavaTom Jobim. Menino nascido e criado em cidade, desde a infância fazendas e sítios foram espaços míticos, lugares de con- tato com a natureza, mesmo quando peguei carrapatos. Bicho insuportável, castigo de condenado no Juízo Final. Naqueles sítios era possível o contato prazeroso consigo mesmo, onde o tempo escorre lento, tortuoso, sem pressa de ver o pôr-do-sol.Talvez por isso, até hoje, o perfume do estrume bovino me pareça tão bom. Mas agora, em São Paulo, eu subia a rua da Consola- ção, vazia, com a bonita luz amarelada saindo de postes altos, tudo molhado e deserto de gente, de vez em quando um carro na outra pista e o chiado da água espalhada pe- los pneus no asfalto. Com o calor e o ar úmido da chuva que acabara de cair, a cidade exalava um cheiro estranho, que aos poucos fez esvanecer a imagem bonita da urbe vazia e molhada, refletindo o amarelo das luzes. O odor era azedo feito chorume de lixão, parecia esterco. Àquela hora a poluição baixara – ainda mais porque havia cho- vido –, não tinha a bruma cinzenta que iguala todos os odores. Será que haviam adubado os canteiros da aveni- da? Ou será que chegamos ao ponto em que esse era o perfume de São Paulo, o cheiro real da cidade? Em dias recentes, de forte calor, o odor do rio Pinhei- ros ultrapassou as margens e chegou aos bairros vizi- nhos. Era o rio devolvendo parte – o cheiro – daquilo que recebe pelos encanamentos. Qual devia ser o cheiro do Pinheiros e de São Paulo quando caía chuva boa e prazenteira, há mais de quatro séculos? Imagino o mesmo cheiro do mato molhado, do estrume de vaca remexido dos sítios da minha infância. Na minha utopia torço para que um dia os rios e a cidade de São Paulo fiquem cheirosos novamente. Que chova água-de-cheiro. Água-de-cheiro da natureza. Aí vai ser bom atravessar a Paulicéia, de madrugada, respirando fundo.

Toda a narrativa se organiza em torno do mesmo tema: cheiros

Na Ponta do Lápis – ano IV– nº 10

Na Ponta do Lápis – ano IV– nº 10 ) ( Como se fosse escrita para

) (

Como se fosse escrita para um leitor, como se só ele, o narrador, pudesse se expor tanto. Conversam sobre o momento, cúmplices: nós vimos isto, não é, leitor?

A crônica é frágil e íntima, uma relação pessoal.

(“Sobre a crônica”, Ivan Ângelo. Veja São Paulo, 25/4/2007.)

A crônica nossa de cada dia

Você gosta de ler crônicas? De que estilo? As poéticas, recheadas de descrições líricas? Ou as bem humoradas e irônicas? Ou prefere as marcadas pelas ásperas críticas à realidade social, política e cultural? Leia trechos das crônicas abaixo e descubra quem são seus autores. As respostas estão na página 25.

de A arte ser avó sem merecer. Sem ter fei- Netos são como heranças: você
de
A arte
ser avó
sem merecer. Sem ter fei-
Netos são como heranças: você os ganha
É, como
dizem os ingleses,
to nada isso, de repente lhe caem do céu.
penas
maternidade.
do amor, sem os compro-
de
missos do matrimônio, sem as dores da
um ato de Deus. Sem se passarem as
E não se trata
filho adotado:
o neto é realmente o
um filho apenas suposto, como o
o filho
mesmo
de filho, mais que
sangue do seu sangue, filho
e cinco
Você
sente, obscuramente, nos
Quarenta anos, quarenta
Não
mais depressa do
que esperava.
é claro. A
seus ossos, que o tempo passou
lhe incomoda envelhecer,
suas
compensações
todos dizem
velhice tem as suas alegrias, as
– mas
acredita.
isso embora você, pessoalmente,
ainda não as tenha descoberto
seus ossos,
também sentida nos
Todavia, também obscuramente,
da mocidade. Não de amores
nem pai-
efervescências. [
às vezes lhe dá aquela nostalgia
não lhe
exige essas
xões: a doçura da meia-idade
2003.
Livro Elenco de
José Olympio,
Cronistas Modernos, Editora
]
Conformados e realistas
Fernando
e
poucos
o jogadas também senso forma. jornalistas
outros
têm
sido
é Calazans
a para esportivos jogar
críticos
realistas
sobre
a
qualidade
e
futuro
do
futebol
brasileiro,
da
seleção
dos
clubes.
da
mesma
Estamos
preocupados.
turma
do
oba-oba,
chamada
de
otimista,
acha
que
somos
muito
pessimistas.
a conformados, jogadores
Os
que
têm
pouco
crítico
também
mo-
dernistas,
que
são
muito
bem
preparados
cientificamente,
dizem
futebol
moderno
é
esse
aí.Temos
de
engoli-lo.Tocar
bola
esperar
o o
momento
certo
para
fazer
o
gol
virou
sinônimo
a e de
lentidão.
é O tentar os com Penso ver dos
e modernidade e futebol numerosa de
fundem
mediocridade.
os estilo que como mes- Con-
Ninguém
tão
ingênuo
para
achar
que
deve
hoje
no
dos
60.
O
que
queremos
mais
qualidade.
é Não se
podemos
nos
contentar
]
e muitas
com
medíocre,
quase
de
aéreas
e
de
fal-
tas
muita
correria.
encanto
do
futebol
outro.
Os
e são
produzidos
em
série,
para
exportação,
e a anos fábrica um
uma
de
parafusos.
Os
atletas
de
talento
são
colocados
na
23
ma
linha
produção
de S. Paulo, 31 de agosto de 2008, Caderno de Esporte
medíocres.
mercado
todos.
Aumen-
diminuiu a qualidade. [
tou
quantidade
Folha

Na Ponta do Lápis – ano IV– nº 10

Conto-do-vigário o conto-do-vigário.Tivemo-lo os De quando em quando aparece-nos bem ouvido, bem vendido, porque
Conto-do-vigário
o conto-do-vigário.Tivemo-lo
os
De quando em quando aparece-nos
bem ouvido,
bem vendido, porque
esta semana, bem contado,
do
os lucros
receber integralmente
autores da composição puderam
editor.
O conto-do-vigário é o mais
de ficção que se co-
antigo gênero
induzindo
da serpente,
que o discurso
foi o
nhece. A rigor, pode crer-se
texto primitivo
do conto. Mas, se há
dúvida sobre isso, não a pode
Eva a comer o fruto proibido,
e seu
haver quanto
ao caso de Jacó
propôs
a Labão
os fi-
sogro. Sabe-se que Jacó
que lhe
desse todos
Labão concordou certo de
só cor;
plano feito, pe-
que muitos trariam uma
lhos das cabras que nascessem malhados.
mas Jacó, que tinha
plátano,
gou de umas varas de
havendo-as posto
um tempo, e,
raspou-as em parte, deixando-as
assim brancas e verdes a
nos tan-
e os
filhos saíam
os olhos nas varas,
ques, as cabras concebiam com
malhados. A boa-fé de Labão foi
assim embaçada
pela finura do
genro; mas não sei que
há na
alma humana que Labão é que faz
sorrir, ao passo que Jacó passa por
[
um varão
arguto e hábil.
de
Nova Aguilar, 1994
Afrânio Coutinho, RJ.
Obra Completa, Organização
]
Meu reino por um pente melhor não tê-los. Já Filhos – diz me confiou o
Meu reino por um
pente
melhor não tê-los. Já
Filhos – diz
me confiou
o poeta –
o professor Aníbal Ma-
ter muito
chado
gravemente que a vida pode
sofrimento, o
melhor tê-los.
ter explicação
mundo pode não
alguma, mas filhos, era
parece simples,
arrancara a certeza imperativa
mas não era;
A conclusão
Aníbal tinha ido às raí-
zes da vida,
e de lá
de que
a procriação
uma verdade
“Eu não sei por que,
uma coisa que não
se discute, fora de alcance
é
animal,
radar filosófico.
mas fazer filhos é o que
do
Paulo,
mais importante.”
há de
depois dessa conversa, fui
Engraçado
é que,
descobrindo devagar a
palavras corrosivas
do final de Me-
melancólica impostura daquelas
nenhuma criatura o
mórias póstumas: “não
]
transmiti a
legado de nos-
sa miséria”.
corrige antietetica-
não tê-los, aliás, o
verso, quando pergunta: mas, se não os
Filhos, melhor
mesmo poeta
mente
o pessimismo daquele
melhor não tê-los, mas é de
sabê-lo? Resumindo: filhos,
temos, como
bê-lo; logo, melhor tê-los.
todo indispensável
todo indispensável tê-los para sa-
tê-los, mas é de
[
Alhos
& Bugalhos,
Civilização Brasileira, 2001

João do Rio – RJ (1881-1921). Pseudônimo usado pelo escritor e jornalista carioca João Paulo Alberto Coelho ao escrever suas crônicas para, entre outros, o jornal Gazeta de Notícias. Parte de sua obra foi reunida no clássico A alma encantadora das ruas (Companhia das Letras, 1997).

24

Eduardo Gonçalves de Andrade – MG (1947-). Conhecido como Tostão, é consi- derado um dos grandes jogadores do fute- bol brasileiro e mundial. Afastou-se do esporte e estudou medicina na UFMG, tornou-se professor universitário e traba- lhou em hospitais. Em 1990, foi convidado para comentar jogos de futebol na televi- são. Os argumentos equilibrados e inteli- gentes logo fizeram de Tostão um dos principais nomes da crônica esportiva brasileira. Em pouco tempo passou a cola- borar na imprensa escrita.

Paulo Mendes Campos – MG (1922-1991). Cronista, poeta e tradutor, trabalhou no Instituto Nacional do Livro e foi diretor da seção de obras raras da Biblioteca Nacio- nal. Escreveu suas primeiras crônicas no Diário Carioca e manteve por muitos anos, na revista Manchete, uma coluna semanal. Destacou-se pela simplicidade com que tratou em sua obra temas como o mar, a vida carioca, conversas de bar e futebol.

Na Ponta do Lápis – ano IV– nº 10

A rua a rua. Esse sentimento natureza toda não vos o íntima revelado por mim
A rua
a
rua.
Esse
sentimento
natureza
toda
não
vos
o íntima
revelado
por
mim
se
não
julgasse,
razões
para
julgar,
que
este
é tivesse e riso,
amor
assim
absoluto
assim
exagerado
partilhado
por
todos
vós.
Nós
somos
nós
nos
iguais;
e e nas os
cidades,
nas
[ irmãos, o ódio,
e sentimos
e soframos,
aldeias,
nos
povoados,
porque
a o dor
desprazeres,
é e não
o com se
lei
o amo polícia,
mas
porque
nos
une,
agremia
amor
da
rua.
este
mesmo
sentimento
imperturbável
e de parecidos nivela isso, amargo indissolúvel,
único
que,
como
pró-
pria
resiste
idades
e
às
épocas.Tudo
transforma,
tudo
varia
– o a
]
amor,
o
egoísmo.
Hoje
é
mais
mais
dolorosa
a o É ironia. a amor seria cida-
Os
passam,
deslizam,
levando
as a
fúteis
os
acontecimen-
é coisas gerações e não rua
e Eu séculos notáveis. vida, a a
tos
a persiste às
fica,
legado
das
cada
vez
maior,
da
rua.
Ora,
rua
mais
do
que
um
fator
da
vida
das
rua tem alma.
Quem tem
des,
ruas, Editora Garnier, 1908
medo da mortadela?
O brasileiro adora inventar moda. E todo
A alma
encantadora das
Modismo é conosco mesmo.
A última do
brasileiro
é “primeiro
mundo”. Os publici-
mundo vai atrás dela.
a expressão e agora
tudo que
nós queremos tem
tários nativos inventaram
mundo”.
que ser coisa do “primeiro
[
e, pasmem, de rum.
Caipirinha sem-
tem caipirinha de vodca
caipira mesmo.
E é
esta bebida
pre foi e sempre
será de cachaça. Coisa de
]Agora
aqui. Mas
que os europeus
vêm procurar
já meteram a vodca e o
primeiro mundo.
rum nela
a caipirinha caipira,
Vamos deixar
para ficar com cara de
brasileiros!
à mortadela.
para chegar
Ou mortandela,
como pre-
Toda essa introdução
e padeiros.
ferem garçons
que a mortadela? Claro
Quer coisa mais brasileira
da Itália.
Mas tornou-se, talvez pelo baixo
que ela veio lá
preço, o petisco do
brasileiro. O nome vem
italiana que
o
de murta,
uma plantinha
Ihe valeu
o
brasileiro acha que
mortadela
de fa-
nome. Infelizmente
é coisa de pobre,
minto. E o que somos
nós, cara-pálidas?
Brasil, do nosso
são produtos do
querido terceiro
A cachaça e a mortadela
um preconceito
dos patrícios
contra a cachaça e
mundo. Mas acontece que há
a mortadela.
Contra
a
mortadela o caso é
te olhar
feio.Você deve
mais grave. Se você oferecer morta-
falência. [
estar perto da
dela numa festa, vão
Filho
é bom,
Maltese, São
mas dura
p. 157-159
muito. Editora
Paulo 1995.
]

Rachel de Queiroz – CE (1910-2003). Foi a primeira mulher a ingressar na Academia Brasileira de Letras. Publi- cou 23 livros individuais e quatro em parceria. Sua vasta e preciosa obra está traduzida e publicada em francês, in- glês, alemão e japonês. Além disso, traduziu 45 obras para o português, sendo 38 romances. Colaborou sema- nalmente com crônicas no jornal O Es- tado de S. Paulo.

Mário Alberto Campos de Morais Prata – MG (1946 -). Trabalhou em jornais , escreveu editoriais, reportagens e artigos. Entre seus livros podem-se citar: O morto que morreu de rir; Preto no branco e 100 Crônicas. Além de livros, escreveu novelas, roteiros e peças para tea- tro e através desse vasto trabalho recebeu prêmios internacionais e nacionais.

Joaquim Maria Machado de Assis – RJ (1839-1908) Cronista, contista, drama- turgo, jornalista, poeta, novelista, roman- cista, crítico e ensaísta. É considerado o ficcionista mais expressivo da prosa rea- lista da literatura brasileira. Escreveu várias crônicas sobre a escravidão e os dramas sociais de seu tempo, esconden- do-se atrás de vários pseudônimos.

Resposta:

ostão)(TAndradedeGonçalvesEduardoB)Queiroz;deRachelA)

CamposMendesPauloD)Assis;deMachadoC)

PrataMoraisdeCamposAlbertoMárioF)Rio;doJoãoE)

25