Você está na página 1de 65

Edited by Foxit PDF Editor

Copyright (c) by Foxit Software Company, 2004


For Evaluation Only.


FASE

Direitos
DIREITOS autorais
AUTORAIS reservados
RESERVADOS

Todos os direitos desta edição, reprodução ou tradução são reservados.

A reprodução deste Manual só pode ser feita mediante download, após


cadastro individual e pessoal através do site de cada entidade signatária, ou
autorizada para este fim.

Nenhuma parte ou todo desta publicação pode ser reproduzida, alterada


ou transmitida de outra forma ou meio, sem autorização expressa da
Comissão Gestora dos Manuais

“InMemorian”
“In Memorian”

Ao término deste longo e árduo trabalho, no momento da celebração da sua


conclusão, lamentavelmente perdemos o colega, amigo e incansável batalhador pelas
causas da cadeia produtiva da indústria da construção civil e em particular do setor de
projetos: ROBERTO AMÁ.

Por isso dedicamos a ele todos os Manuais de Escopo de Projetos e Serviços.

4
FASE Apresentação Geral

Apresentação Geral
A definição prévia, clara e cuidadosa do escopo dos serviços envolvidos na elaboração de projetos, é uma
necessidade para o início de qualquer projeto em qualquer tipo de empreedimento.
No entanto, nem sempre acontece dessa forma. Muitos projetos (grandes ou pequenos) começam com
acordos
Este manualmal-ajustados
de escopo entre seus
projetos idealizadores
e serviços e os responsáveis
de paisagismo pela preparação
visa a complementar e a dos projetos.
integrar os manuais
de escopos de serviços
Dúvidas sobre o que, de arquitetura,
quando e como de estruturas
deveria e de sistemas
ser elaborado, prediais.e entregue pelos projetistas são
desenvolvido
comuns
Ele em todascom
foi preparado as etapas do projeto,
o objetivo gerando
de definir situações
e detalhar, desconfortáveis
de forma para
abrangente, todosde
o fluxo os atividades
envolvidos.que
De um
lado, os empreendedores, com a impressão de que pagaram por serviços que não foram efetivamente
a coordenação de projetos da indústria imobiliária exige. Essas atividades poderão envolver outros realizados.
De outro,no
agentes, profissionais
entanto, aléme empresas de projeto,
da coordenação que apesar
de projetos, de cumprirem
sendo todas as tarefas
assim compartilhadas que imaginaram
ou divididas com
fazer, têm sua imagem desgastada pelo descontentamento
o incorporador, o construtor ou o arquiteto autor do projeto. dos contratantes.
A situação
A aplicação e não é benéfica
adaptação para nenhuma
do conteúdo destedas partesa e,
manual um muitas
dadovezes, nasce de um
empreendimento contrato mal-redigido,
imobiliário deve ser
ou com lacunas
considerada umaimportantes, que poderiamda
atribuição característica ser evitadas se houvesse
coordenação umconsideradas
de projetos, padrão para servir de referência para
as particularidades
àscada
de contratações.
empreendimento e as necessidades e expectativas de cada contratante.
Nesse
Para sentido,
pôr fim os serviços
a esse de de
estado coordenação de projetos
coisas, as entidades são classificados
representativas em: de
do setor essenciais; específicos
projetos, Abece, e
Abrasip,
opcionais,
Asbea, com conforme se define
a participação dasa seguir.
entidades setoriais representativas dos contratantes de projetos do setor
imobiliário e da
DEFINIÇÕES DASconstrução, Secovi-SP,
CATEGORIAS Sindinstalação e Sinduscon-SP, uniram esforços para oferecer ao
DE SERVIÇOS:
mercado uma ferramenta capaz de esclarecer de uma vez por todas como desenvolver bons projetos, com
SERVIÇOS ESSENCIAIS:
toda a segurança, cumprindo são os as
todas que devem
etapas estar presentes
necessárias: um guia no projeto
completo dodequetodo
deveefazer
qualquer
parte dos
empreendimento;
projetos e qual o nível de detalhamento requerido, cuja utilização evitará os desgastes, mal-entendidos e
desencontros
SERVIÇOS tão comumente são
ESPECÍFICOS: observados
os queno mercado.
devem estar presentes em condições particulares de
empreendimentos, segundo suas características, tipologia e localização, ou condições particulares da
Assim nasceu o conjunto de Manuais de Escopo de Projetos e Serviços para Indústria Imobiliária
estratégia e dos métodos de gestão adotados pelo contratante (“essenciais quando necessário”);
voltados inicialmente para as áreas dos projetos de Arquitetura e Urbanismo, Estrutura, Sistemas Elétricos
SERVIÇOS
e Hidráulicos,OPCIONAIS: são os
perfeitamente que nãoefazem
integrados parte das categorias
compatibilizados entre si. Oacima,
que se mas podem
espera é queagregar valor de
este conjunto
ao atendimento às necessidades e características gerenciais e técnicas de cada contratante.
manuais seja um começo, referência para a criação de outros manuais abrangendo outras especialidades de projeto.
Posteriormente
Os seguindo a mesma
serviços de coordenação sistemática,
de projetos, alémforam
dessadesenvolvidos
classificaçãoosemManuais de Escopo
categorias, integramdeo Serviço
conjuntopara
Coordenação
das de Projetos
demais atividades e o Manual
de projeto, de Escopo
igualmente de Projetos
divididas e Serviços
nas seguintes dede
“fases Ar projeto”:
Condicionado e Ventilação
concepção do
Mecânica.
produto; definição do produto; identificação e solução de interfaces de projeto; detalhamento de projetos;
pós-entrega
A idéia que de sustenta
projetos;essa
pós-entrega
iniciativadanão
obra, como se
é cercear pode ver na
a liberdade dosseqüência.
procedimentos de contratação, mas
facilitar esse processo, contribuindo para que os projetos se tornem uma ferramenta importante na otimização
e aumento de produtividade dos serviços nos canteiros de obras, a partir da disponibilidade de referências
claras, corretas e completas quanto ao que deve ser executado.
A definição clara do escopo dos projetos é um primeiro passo de uma mudança cultural importantíssima
para o setor da construção brasileira. A partir da organização das etapas do próprio empreendimento, isso
levará a uma revisão de todos os relacionamentos entre os agentes que interagem em seu desenvolvimento.
Além disso, ele tende a melhorar a definição das responsabilidades envolvidas, atendendo às exigências do
novo Código Civil.
A reprodução dos Manuais ocorrerá por meio de downloads através dos sites das entidades. Este processo
permitirá que atualizações periódicas sejam feitas através de uma Comissão Gestora com representantes
das entidades que participaram e participam dos Manuais, possibilitando assim um conjunto de Manuais
sempre atualizados.

Eng.Fabio Pimenta
Arq Henrique Cambiaghi Eng.Augusto Pedreira de Freitas
Eng.Levon Sevzatian
Arq. Roberto Amá Eng.Marcelo Rozenberg

Eng. Ricardo Bunemer Arq. Eliane Adesse


Eng. Carlos Massaru Kayano Eng. Silvio Melhado Arq. Márcio Luongo
Eng. Raul José de Almeida Arq. Cecília Levy Eng. Marco Antonio Manso



Edited by Foxit PDF Editor
Copyright (c) by Foxit Software Company, 2004
For Evaluation Only.

Estrutura Geral do Manual

Paisagismo

A estrutura geral do Manual foi desenvolvida com


base na Norma da ABNT NBR13.531/95
adequando a sistemática de desenvolvimento
dos projetos para a Indústria Imobiliária.



RELAÇÃO DE MANUAIS
DE ESCOPO PARA PAISAGISMO

A atuação da coordenação de projetos nas diversas fases do processo de projeto

FASE A – CONCEPÇÃO DO PRODUTO


Apoiar o empreendedor nas atividades relativas ao levantamento e definição do conjunto de dados e
de informações que objetivam conceituar e caracterizar perfeitamente o partido do produto imobiliário
e as restrições que o regem, e definir as características demandadas para os profissionais de projeto
a contratar.

FASE B – DEFINIÇÃO DO PRODUTO


Coordenar as atividades necessárias à consolidação do partido do produto imobiliário e dos demais
elementos do empreendimento, definindo todas as informações necessárias à verificação da sua
viabilidade técnica, física e econômico-financeira, assim como à elaboração dos projetos legais.

FASE C – IDENTIFICAÇÃO E SOLUÇÃO DE INTERFACES DE PROJETO


Coordenar a conceituação e caracterização claras de todos os elementos do projeto do empreendimento,
com as definições de projeto necessárias a todos os agentes nele envolvidos, resultando em um projeto
com soluções para as interferências entre sistemas e todas as suas interfaces resolvidas, de modo a
subsidiar a análise de métodos construtivos e a estimativa de custos e prazos de execução.

FASE D – DETALHAMENTO DE PROJETOS


Coordenar o desenvolvimento do detalhamento de todos os elementos de projeto do empreendimento,
de modo a gerar um conjunto de documentos suficientes para perfeita caracterização das obras e
serviços a serem executados, possibilitando a avaliação dos custos, métodos construtivos e prazos de
execução.

FASE E – PÓS-ENTREGA DE PROJETOS


Garantir a plena compreensão e utilização das informações de projeto e a sua correta aplicação e avaliar
o desempenho do projeto em execução.

FASE F – PÓS-ENTREGA DA OBRA


Coordenar o processo de avaliação e retroalimentação do processo de projeto, envolvendo os
diversos agentes do empreendimento e gerando ações para melhoria em todos os níveis e atividades
envolvidos.



Edited by Foxit PDF Editor
Copyright (c) by Foxit Software Company, 2004
For Evaluation Only.

Sumário
ÍNDICE GERAL


10
SUMÁRIO - ÍNDICE GERAL

FASE A - CONCEPÇÃO DO PRODUTO


SERVIÇOS ESSENCIAIS
Identificação das Restrições Legais e análise do potencial paisagístico, concepção _________________________18
Análise das restrições de legislação nas esferas Municipal, Estadual e Federal _____________________________19

FASE B DEFINIÇÃO DO PRODUTO


SERVIÇOS ESSENCIAIS
Solução preliminar de Implantação do paisagismo no empreendimento ___________________________________22
SERVIÇOS OPCIONAIS
Estudos de alternativas de sistemas construtivos e tecnologias___________________________________________24
Perspectivas detalhadas em maquete eletrônica e/ou física ______________________________________________25
Roteirização de aprovações legais para aprovação nos
Órgãos Técnicos Públicos em todas as esferas _________________________________________________________26
Consulta a Órgãos Técnicos Públicos Municipais, Estaduais,
Federais e específicos quando necessários ____________________________________________________________27
Serviços de despacho _______________________________________________________________________________28
Seleção de serviços de terceiros ______________________________________________________________________29

FASE C IDENTIFICAÇÃO E SOLUÇÃO DE INTERFACES DE PROJETO


SERVIÇOS ESSENCIAIS
Solução consolidada dos sistemas, métodos construtivos e materiais de acabamento
e projeto apresentado sob a forma de desenhos e memoriais ____________________________________________32
SERVIÇOS ESPECÍFICOS
Documentação Gráfica para aprovação de projetos de proteção ambiental ________________________________33
SERVIÇOS OPCIONAIS
Projeto paisagístico para preparação do terreno para lançamentos __________________________________34
Seleção de serviços de terceiros ______________________________________________________________________35

FASE D DETALHAMENTO DE PROJETOS


SERVIÇOS ESSENCIAIS
Solução definitiva de implantação, detalhamento e materiais de acabamento ______________________________38
Memoriais Descritivos de Especificações de Materiais ___________________________________________________39
Detalhamento de pisos e pavimentações ______________________________________________________________40
Detalhamento de muros de divisa, piscinas, elementos de água e elementos construidos ___________________41
Solução definitiva do projeto de vegetação – plantio ____________________________________________________42
SERVIÇOS OPCIONAIS
Projeto de irrigação automatizada ____________________________________________________________________43
Elaboração de planilha de quantidades de materiais e serviços ___________________________________________44
Elaboração de orçamentos __________________________________________________________________________45
Seleção de Fornecedores ____________________________________________________________________________46

11
SUMÁRIO - ÍNDICE GERAL

FASE E PÓS-ENTREGA DE PROJETOS


SERVIÇOS ESSENCIAIS
Apresentação do projeto ____________________________________________________________________________48
Esclarecimento de dúvidas __________________________________________________________________________49
Acompanhamento Básico da obra ____________________________________________________________________50
SERVIÇOS ESPECÍFICOS
Análise de soluções alternativas ______________________________________________________________________51
SERVIÇOS OPCIONAIS
Visitas a fornecedores _______________________________________________________________________________52
Compatibilização de especificações de fornecedores ___________________________________________________53
Orientação técnica para propostas de fornecedores ____________________________________________________54
Adaptação e alterações de projeto ____________________________________________________________________55
Acompanhamento técnico da obra ____________________________________________________________________56
Preparação do manual do proprietário ________________________________________________________________57

FASE F PÓS-ENTREGA DA OBRA


SERVIÇOS ESSENCIAIS
Avaliação e validação do processo ____________________________________________________________________60
SERVIÇOS ESPECÍFICOS
Projetos de Alterações “ As Built” ____________________________________________________________________61

ANEXOS 63

12
Edited by Foxit PDF Editor

FASE A
Copyright (c) by Foxit Software Company, 2004
For Evaluation Only.

CONCEPÇÃO DO PRODUTO
(Estudo Preliminar conforme NBR 13.531)

Levantar um conjunto de informações jurídicas, legais,


programáticas e técnicas; dados analíticos e gráficos
objetivando determinar as restrições e possibilidades que
regem e limitam o produto imobiliário pretendido. Estas
informações permitem caracterizar o partido hidráulico, e
as possíveis soluções das edificações e de implantação
dentro das condicionantes levantadas. Esta fase está sub-
dividida nas seguintes etapas:

LV - Levantamento de Dados

PN - Programa de Necessidades

EV - Estudo de Viabilidade
FASE A CONCEPÇÃO DO PRODUTO PSG-A001
Identificação das Restrições Legais e análise do potencial
Serviços Essenciais paisagístico, concepção.

Dados Necessários
Empreendedor
• Levantamento planialtimétrico cadastral
• Levantamento Arbóreo quando houver vegetação significativa no terreno
• Estudos preliminares ou projetos existentes
• Programa
• Consultoria da área de vendas.
• Pareceres de consultores específicos

Órgãos Públicos
• Diretrizes e restrições legais

Descrição das Atividades


• Identificar as restrições de legislação nas esferas Municipal, Estadual e Federal a fim de orientar o Empre-
endedor quanto às restrições legais que possam ter influência na concepção do produto tais como:
• Alinhamentos, recuos e afastamentos.
• Área verde mínima obrigatória – permeabilidade
• Vegetação significativa / eventuais restrições de manejo arbóreo
• Córregos e canalizações existentes

• Outros aspectos específicos dos órgãos públicos


• Acessibilidade
• Análise das interferências físicas e visuais na área de trabalho e entorno, através de visitas ao local.
• Desenvolvimento do produto pretendido.
• Analisar o potencial paisagístico do local, indicando possibilidades de áreas de lazer (praças,
quiosques, churrasqueira, etc.), áreas esportivas (quadras, piscinas, etc.), massas vegetais, lagos,
espelhos d’água, etc.)

Produtos Gerados
• Estudos iniciais – Elemento a ser incorporado ao projeto quando a escala e ou a complexidade do
programa assim o exigir. Deverá apresentar a concepção e as diretrizes a serem adotadas, indicando
eventualmente as alternativas de partidos e sua viabilidade física e econômica.
• Desenho técnico e/ou artístico em escala adequada permitindo a clara compreensão da proposta
paisagística.

14
FASE A CONCEPÇÃO DO PRODUTO PSG-A002
Análise das restrições de legislação nas esferas Municipal,
Serviços Essenciais Estadual e Federal.

Dados Necessários
Paisagismo
• Todos os produtos gerados na atividade PSG-A 001 completos e aprovados pelo empreendedor.

Empreendedor
• Toda a documentação exigida por cada um dos órgãos, relativa ao terreno específico.
• Levantamento da Legislação pertinente à matéria.
• Dados sobre o terreno (solos, nascentes, contaminação, sítios históricos e ou arqueológicos, etc.)

Descrição das Atividades


Análise preliminar da legislação sobre o local fornecidas por Órgãos Técnicos Públicos específicos,
sendo os principais:
• Órgão de controle de áreas verdes municipal
• Órgão de controle do meio ambiente estadual
• Órgão de controle de meio ambiente federal (IBAMA)
• Verificar necessidade de EIA/ RIMA (relatório de impacto ambiental)
• Outras restrições Municipais, Estaduais e Federais que houver.

Produtos Gerados
• Relatório preliminar de condicionantes locais, contendo os comentários preliminares das consultas verbais
a cada órgão sobre as condicionantes específicas do local para a implantação do empreendimento,
indicando a necessidade de “Termo de Compensação Ambiental”, preservação de córregos e nascentes,
preservação de matas, etc.

Observações:
1. Os documentos necessários, procedimentos e forma de resposta de cada órgão poderão variar em
função de cada um e da localidade.

15
Edited by Foxit PDF Editor
Copyright (c) by Foxit Software Company, 2004
For Evaluation Only. FASE B

DEFINIÇÃO DO PRODUTO
(Anteprojeto conforme NBR 13.531)

Desenvolver o partido arquitetônico e demais elementos


do empreendimento, definindo e consolidando todas
informações necessárias a fim de verificar sua viabilidade
física, legal e econômica bem como possibilitar a
elaboração dos Projetos Legais. Esta fase está subdividida
nas seguintes etapas:

EP - Estudo Preliminar

AP - Anteprojeto

PL - Projeto Legal
FASE B DEFINIÇÃO DO PRODUTO PSG-B 001
Solução preliminar de Implantação do paisagismo
Serviços Essenciais no empreendimento.

Dados Necessários
Empreendedor
• Aprovação da fase anterior

Coordenador
• Definição de normas de apresentação, comunicação e fluxo de informações a serem utilizadas durante
as fases e atividades, caso não haja coordenação esta tarefa caberá ao empreendedor.

Arquitetura
• Estudo preliminar e/ou anteprojeto
• Restrições Legais (área verde e área permeável necessárias para o projeto)
• Projeto de terraplenagem (geométrico) quando pertinente

Levantamentos
• Levantamento Planialtimétrico Complementação do levantamento planialtimétrico se necessário.
• Levantamento Arbóreo quando existir arvores no terreno
• Levantamento Cadastral quando necessário e pertinente
• Levantamento de Legislação (quando a área estiver numa APA (Área de Proteção Ambiental)

Sistemas prediais
• Comentários e recomendações preliminares sobre a ligação do edifício aos serviços públicos (entrada
de força, água, gás)
• Previsão de locais técnicos, (conforme HID-B-001, ELE-B-001 e COP-B-002)

Estrutura
• Consulta sobre restrições estruturais.

Consultores
• Pareceres específicos:
• Agrônomo, consultor de piscina, consultor esportivo, drenagem, vendas, biólogo, engenheiro de tráfego,
impermeabilização, ar condicionado, automação etc..

Descrição das Atividades


• Desenvolver uma solução geral de implantação para verificação dos condicionantes legais e
programáticos do empreendimento levantados na fase anterior.
• Especificação qualitativa de materiais de acabamentos e equipamentos tais como: elementos construídos
específicos (muros de arrimo, escadarias, piscinas, guaritas, quadra, etc.).
• Compatibilização com os demais projetos ( ou com projetos complementares)
• Acompanhamento da produção do material de divulgação (maquetes e folhetos).

18
FASE B DEFINIÇÃO DO PRODUTO PSG-B 001
Solução preliminar de Implantação do paisagismo
Serviços Essenciais no empreendimento.

Produtos Gerados
• Peças gráficas (plantas, cortes, elevações ilustrações) de forma a permitir o total entendimento ao
projeto com atendimento do partido adotado
• Distribuição espacial das atividades
• Indicação do tratamento paisagístico e sua linguagem
• Definição básica (memorial) de materiais
• Modelagem preliminar do terreno
• Tipologia da vegetação
• Indicação de elementos especiais tais como pérgulas, pórticos , peças de água, obras de arte, etc.

Observações:
Esta fase deve conter informações que subsidiem a estimativa de custo da implantação do projeto.

19
FASE b DEFINIÇÃO DO PRODUTO PSG-B 201
Estudos de alternativas de sistemas
Serviços Opcionais construtivos e tecnologias

Dados Necessários
Dados, especificações e/ou outros elementos disponíveis, suficientes para analisar a conveniência de
adoção da tecnologia e/ou direcionar os estudos necessários.

Descrição das Atividades


Assessorar o empreendedor quanto à conveniência de adoção de sistemas construtivos e tecnologias
apropriadas (pisos elevados, sistemas de irrigação, etc.).

Produtos Gerados
Relatório e/ou peças gráficas necessários, à apresentação das características propostas para os sistemas
que incorporarão a tecnologia recomendada, análises realizadas e conclusões do paisagista.

20
FASE b DEFINIÇÃO DO PRODUTO PSG-B 202
Perspectivas detalhadas em
Serviços Opcionais maquete eletrônica e/ou física

Dados Necessários
Informação dos principais sistemas de revestimentos externos (pisos, muros, gradis, etc.) da obra
como um todo.

Descrição das Atividades


Desenvolver um modelo detalhado do empreendimento com a finalidade de analisar e avaliar seu impacto
no entorno e todas as relações de imagem cores/texturas/sombras, etc.) para uma visualização realista do
produto pretendido.

Produtos Gerados
Imagens apresentadas em papel ou em arquivos tipo jpg, tif, para visualização dos itens descritos
na atividade.

21
FASE B DEFINIÇÃO DO PRODUTO PSG-B 203
Roteirização de aprovações legais para aprovação nos
Serviços Opcionais Órgãos Técnicos Públicos em todas as esferas

Dados Necessários
Estudos preliminares/anteprojetos de Arquitetura e Paisagismo

Descrição das Atividades


Definir um roteiro claro e preciso de toda a documentação necessária e dos processos de encaminhamento
para aprovação nos OTP’s (Órgãos Técnicos Públicos) em todas as esferas - Municipal Estadual e Federal,
quando necessários.

Produtos Gerados
Relatórios com procedimentos contendo toda documentação necessária inclusive um “check- list” dos
órgãos técnicos de aprovação em ordem de prioridade e necessidade que o empreendimento tenha que
ser analisado.

Observações:
Os documentos necessários, procedimentos e forma de resposta de cada órgão poderão variar em
função do órgão e da localidade.

22
FASE B DEFINIÇÃO DO PRODUTO PSG-B 204
Consulta a Órgãos Técnicos Públicos Municipais, Estaduais,
Serviços Opcionais Federais e específicos quando necessários.

Dados Necessários
Arquitetura e Paisagismo
• Documentação Gráfica do Projeto Legal composta por todos os desenhos e informações técnicas
necessárias requeridas pelo órgão.
• Memorial Descritivo Legal do empreendimento composto por todas as definições e informações técnicas
necessárias requeridas pelos órgãos.

Empreendedor
• Itens da Fase PSG-A aprovados além de:
Toda a documentação exigida por cada um dos órgãos relativas ao terreno específico.

Descrição das Atividades


Obter oficialmente informações da legislação pertinente sobre o local fornecidas por Órgãos Técnicos
Públicos Municipais (veja obs.) específicos, sendo os principais:
• Órgãos municipais de controle de áreas verdes
• Órgãos estaduais de controle do meio ambiente
• Órgãos federais de controle de meio ambiente
• Verificar necessidade de EIA/RIMA (Estudo de Impacto Ambiental/ Relatório de Impacto sobre o Meio
Ambiente)
• Outras restrições Municipais, Estaduais e Federais tais como as de: órgãos ligados a Patrimônio Artísti-
co, Arqueológico, Cultural e Turístico.

Produtos Gerados
• Documentação Gráfica do Projeto Legal para cada órgão específico composta por todos os desenhos
e informações técnicas necessárias requeridas pelo órgão

Observação:
• Os documentos necessários, procedimentos e forma de resposta de cada órgão poderão variar em
função do órgão e da localidade.

23
FASE B DEFINIÇÃO DO PRODUTO PSG-B 205
Serviços de despacho
Serviços Opcionais

Dados Necessários
Empreendedor
• Procuração ou autorização para a realização da atividade em questão.
• Definição clara do objetivo da resposta do Órgão Técnico Público
• Documentação dos imóveis(Matriculas,Escrituras IPTUs) dos proprietários ,dos autores do projeto e
dos responsáveis pela obra,
• Documentação dos projetos (desenhos,memórias de calculo)
• Levantamento Planialtimétrico,Arbóreo
• Fotos quando necessárias
• Laudo de compensação Arbórea

Todos envolvidos
• Quaisquer documentos necessários a requisição oficial do pedido.

Descrição das Atividades


Encaminhar pedidos de protocolamento de projetos, requisições de informações oficiais, ou quaisquer
outros serviços que necessitem da presença do paisagista no local do Órgão Técnico Público.

Produtos Gerados
Protocolos e/ou documentos oficialmente expedidos pelo Órgão Técnico Público.

Observações:
Os documentos necessários, procedimentos e formato de requisição e resposta de cada órgão poderão
variar em função do órgão e da localidade.

24
FASE B DEFINIÇÃO DO PRODUTO PSG-B 206
Seleção de serviços de terceiros
Serviços Opcionais

Dados Necessários
Empreendedor
• Detalhar de comum acordo, antes do início dos serviços dessa fase, qual a extensão e abrangências
dos serviços a serem contratados.

Paisagismo
• Documentação da Fase PSG-A 001 a 002 completa.

Descrição das Atividades


Seleção de projetistas, consultores e outros fornecedores para apresentação ao cliente de opções de
contratação.

Produtos Gerados
Relatório, com os currículos completos e propostas detalhadas de fornecedores para cada disciplina
envolvida e recomendações específicas quanto a especialidade e adaptabilidade de cada um ao
empreendimento pretendido.

25
Edited by Foxit PDF Editor

FASE C
Copyright (c) by Foxit Software Company, 2004
For Evaluation Only.

IDENTIFICAÇÃO E SOLUÇÃO DE
INTERFACES
(Pré-executivo/Projeto Básico conforme NBR 13.531)

Consolidar claramente todos ambientes, suas articulações e demais


elementos do empreendimento, com as definições necessárias para o
intercâmbio entre todos envolvidos no processo. A partir da negociação
de soluções de interferências entre sistemas, o projeto resultante deve
ter todas as suas interfaces resolvidas, possibilitando uma avaliação
preliminar dos custos, métodos construtivos e prazos de execução.
Quando esta fase estiver concluída ainda que o projeto não esteja
completo e for necessário licitar a obra esta fase opcional, se caracteriza
como:

PB - Projeto Básico

27
FASE C IDENTIFICAÇÃO E SOLUÇÃO DE INTERFACES PSG-C 001
Solução consolidada dos sistemas, métodos construtivos
Serviços Essenciais
e materiais de acabamento e projeto apresentado
sob a forma de desenhos e memoriais.
Dados Necessários
• Definição de todos os materiais de acabamentos pretendidos no empreendimento (edificações)
• Elementos da FASE B aprovados para todas as disciplinas.
• Ratificar as tecnologias adotadas
• Pareceres específicos: agrônomo, consultor de piscinas, consultor esportivo, drenagem, vendas,
biólogo, luminotécni-ca, etc.

Descrição das Atividades


• Consolidar a solução global
• Fornecer subsídios para elaboração dos projetos complementares de Arquitetura, cálculos estruturais e
geotécnicos, infra-estruturas (instalações elétricas, hidrosanitárias, drenagem, irrigação, luminotécnica,
sistema viário, etc) nos as-pectos que apresentam interfaces com o projeto em pauta, permitindo assim
a interface de todos os projetos.

Produtos Gerados
Relatório com a definição geral dos principais sistemas, métodos construtivos e materiais de acabamento
para servir de subsídio as atividades posteriores, considerando:
• Desenhos técnicos (plantas, cortes e elevações) dos elementos construídos.
• Distribuição de pontos de iluminação, torneiras e drenagem.
• Detalhamento de elementos construídos estruturais específicos tais como: muros de arrimo, pisci-nas,
guaritas, pergolados, etc.
• Modelagem do terreno
• Consolidação de profundidades necessárias de terra e localização de áreas com características
especificas.

28
FASE C IDENTIFICAÇÃO E SOLUÇÃO DE INTERFACES PSG-C 101
Serviços Específicos Documentação Gráfica para aprovação de
projetos de pro-teção ambiental
Dados Necessários
• Aprovação dos produtos gerados nas atividades anteriores.
• Documentação requerida pelos Órgãos Técnicos Públicos (Órgãos Específicos).
• Pareceres Legais específicos necessários.

Descrição das Atividades


Elaborar a Documentação Gráfica de projetos de proteção ambiental para aprovação em todas as
esferas de acordo com as normas vigentes e produtos gerados anteriormente, considerando a adequação
à legislação levantada até o momento (TCA, APP, etc)

Produtos Gerados
Documentação Gráfica do Projeto Legal para os Órgãos Técnicos Públicos compostos por todos os
desenhos e informa-ções técnicas necessárias.

29
FASE C IDENTIFICAÇÃO E SOLUÇÃO DE INTERFACES psg-c 201
Serviços Opcionais Projeto paisagístico para preparação do terreno
para lançamentos

Dados Necessários
• Definições dos padrões e conceitos pretendidos,
• Levantamento planialtimétrico e cadastral,
• Documentação das FASES A e B completas.

Descrição das Atividades


Projetos para preparação do terreno para lançamentos e Stands de vendas.

Produtos Gerados
• Implantação geral do Stand com estacionamento e acessos,
• Projeto das áreas externas do stand,
• Especificações de materiais.

30
FASE C IDENTIFICAÇÃO E SOLUÇÃO DE INTERFACES psg-c 202
Serviços Opcionais Seleção de serviços de terceiros

Dados Necessários
Empreendedor
• Detalhar de comum acordo, antes do início dos serviços dessa fase, qual a extensão e abrangências
dos serviços a serem contratados.

Paisagismo
• Documentação da FASE C completa

Descrição das Atividades


Seleção de projetistas , consultores e outros fornecedores para apresentação ao cliente de opções de
contratação.

Produtos Gerados
Relatório, com os currículos completos e propostas detalhadas de fornecedores para cada disciplina
envolvida e recomen-dações específicas quanto a especialidade e adaptabilidade de cada um ao
empreendimento pretendido.

31
32
Edited by Foxit PDF Editor

FASE D
Copyright (c) by Foxit Software Company, 2004
For Evaluation Only.

PROJETO DE DETALHAMENTO
DAS ESPECIALIDADES

(Projeto Executivo/Detalhamento conforme NBR 13.531)

Executar o detalhamento de todos os elementos do


empreendimento de modo a gerar um conjunto de referências
suficientes para a perfeita caracterização das obras/serviços a
serem executadas, bem como a avaliação dos custos, métodos
construtivos, e prazos de execução. Executar o detalhamento de
todos os elementos do empreendimento e incorporar os detalhes
necessários de produção dependendo do sistema construtivo. O
resultado deve ser um conjunto de informações técnicas claras
e objetivas sobre todos os elementos, sistemas e componentes
do empreendimento.
Esta fase se denomina:

PE - Projeto de Execução

33
FASE D PROJETO DE DETALHAMENTO PSG-D 001
Serviços Essenciais Solução definitiva de implantação, detalhamento
e materiais de acabamento.

Dados Necessários
Empreendedor/Contratante/Gestor
• Definição final de todos acabamentos propostos no empreendimento.
• Elementos da FASE C aprovados para todas disciplinas.

Arquitetura
• Projeto de implantação das edificações

Estrutura
• Atividades da Fase C aprovados e definitivos.

Instalações elétricas
• Atividades da Fase C aprovados e definitivos.

Instalações hidráulicas
• Atividades da Fase C aprovados e definitivos.

Consultores
• Projetos aprovados e definitivos de cada consultoria (segurança, luminotécnica, etc.).

Descrição das Atividades


• Executar desenhos das soluções definitivos de implantação informando e validando as condicionantes
técnicas e do programa do empreendimento levantados na fase anterior e dos sistemas e métodos
construtivos pro-postos.
• Executar uma solução definitiva e global para os materiais de acabamento validando as atividades e
fases anteriores.

Produtos Gerados
• Desenhos em número e nas escalas convenientes e adequadas para a total compreensão do projeto
e a implantação do mesmo. Será composto no mínimo de plantas (com indicação do modelado no
terreno, cotas de nível, especificação dos materiais e distribuição dos equipamentos, soluções de
drenagem, pontos de água e luz), cortes e detalhes construtivos.

34
FASE D PROJETO DE DETALHAMENTO PSG-D 002
Serviços Essenciais Memoriais Descritivos de Especificações
de Materiais
Dados Necessários
Todas as Disciplinas
• Todas as atividades produzidas e consolidadas nesta fase, analisadas, comentadas e validadas por
todas as disciplinas envolvidas.

Descrição das Atividades


Os Memoriais Descritivos de Especificações de Materiais que irão caracterizar as condições de execução
e padrão de acabamento para cada tipo de serviço e indicar os locais de aplicação de cada um dos materiais
e tipos de serviço.

Produtos Gerados
• Especificação de materiais e serviços com as recomendações técnicas para uso e aplicação das
informa-ções contidas no projeto.

35
FASE D PROJETO DE DETALHAMENTO PSG-D 003
Serviços Essenciais Detalhamento de pisos e pavimentações

Dados Necessários
Empreendedor / Contratante / Gestor
• Definição final de todos acabamentos propostos no empreendimento.
• Elementos da FASE C aprovados para todas disciplinas.

Arquitetura
• Projeto de implantação das edificações

Estrutura
• Atividades da Fase C aprovados e definitivos:

Instalações elétricas
• Atividades da Fase C aprovados e definitivos.

Instalações hidráulicas
• Atividades da Fase C aprovados e definitivos.

Consultores
• Projetos aprovados e definitivos de cada consultoria (segurança, luminotécnica, etc.).

Descrição das Atividades


Diagramação e detalhamento de pisos e pavimentações.

Produtos Gerados
• Indicação do Sistema de eixos organizacionais e modulação geral
• Desenho dos pisos; com a indicação da posição e dimensionamento das peças, placas, ou lâminas
e especificação completa das mesmas;
• Representação dos pontos de drenagem e caimentos
• Indicação dos pontos de instalação elétricas, hidráulicas, quando no piso;
• Detalhes complementares de arremates com elementos de vedação (rodapés, soleiras e outros)
• Especificações Gerais
• Notas Gerais
• Legendas

36
FASE D PROJETO DE DETALHAMENTO PSG-D 004
Serviços Essenciais Detalhamento de muros de divisa, piscinas, elementos de
água e elementos construidos.
Dados Necessários
Empreendedor/Contratante/Gestor
• Definição final de todos acabamentos propostos no empreendimento.
• Elementos da FASE C aprovados para todas disciplinas.

Arquitetura
• Projeto de implantação das edificações

Estrutura
• Atividades da Fase C aprovados e definitivos:

Instalações elétricas
• Atividades da Fase C aprovados e definitivos.

Instalações hidráulicas
• Atividades da Fase C aprovados e definitivos.

Consultores
• Projetos aprovados e definitivos de cada consultoria (segurança, luminotécnica, etc.).

Descrição das Atividades


Detalhamento construtivo de muros de divisa, piscinas elementos de água e elementos construidos.

Produtos Gerados
• Desenhos cotados em escalas ampliadas, necessários à melhor compreensão e execução da obra
• Desenhos cotados de instalação de equipamentos;
• Desenhos cotados de arremates de peitoris, rodapés ou revestimentos;
• Desenhos cotados de arremates das alvenarias ou de outros elementos de vedação com estruturas;
• Especificações gerais
• Notas Gerais
• Legendas

37
FASE D PROJETO DE DETALHAMENTO PSG-D 005
Serviços Essenciais Solução definitiva do projeto
de vegetação - plantio

Dados Necessários
Produtos das fases PSG-D-001 a PSG-D-004 aprovados.

Descrição das Atividades


Desenvolvimento completo de projeto de vegetação.

Produtos Gerados
Plantas de vegetação, contendo no mínimo.
• Indicação da localização e definição das espécies arbóreas, arbustivas e forrações
• Tabela de identificação das espécies vegetais, contendo: nomes botânicos e populares, quantidades
(por unidades ou metro quadrado), e condições das mudas (altura, espaçamento entre mudas, diâmetro
de tor-rões ou touceiras).
• Especificações quanto ao tratamento do solo
• Especificações das características da muda: altura, número de hastes, diâmetro de copa e de tronco-
DAP folhagem, cores, etc.
• Especificação de técnicas de plantio
• Desenho com indicação quantitativa por canteiro

Observações:
• DAP – Diâmetro na altura do peito

38
FASE D PROJETO DE DETALHAMENTO PSG-D 201
Serviços Opcionais Projeto de irrigação automatizada

Dados Necessários
Paisagismo
• Projeto de vegetação

Todas as Disciplinas
• Todas as atividades produzidas e consolidadas nesta fase, analisadas, comentadas e validadas por
todas as disciplinas envolvidas.

Descrição das Atividades


Solução definitiva para irrigação automatizada das áreas verdes.

Produtos Gerados
• Posicionamento de todos os pontos de aspersores
• Encaminhamento das tubulações elétricas e hidráulicas que compõem o sistema
• Especificações gerais
• Notas Gerais
• Tabelas com indicação de aspersores
• Quadros de comando
• Legendas

39
FASE D PROJETO DE DETALHAMENTO PSG-D 202
Serviços Opcionais Elaboração de planilha de quantidades de
materiais e serviços

Dados Necessários
Paisagismo
• Projeto completo detalhado de paisagismo.

Descrição das Atividades


Elaboração de planilha de quantidades de materiais e serviços dos elementos arquitetônicos.

Produtos Gerados
Planilha quantitativa de materiais e serviços, relacionando todos os materiais e serviços envolvidos na
execução dos elementos arquitetônicos abrangidos pelo projeto.

40
FASE D PROJETO DE DETALHAMENTO PSG-D 203
Serviços Opcionais Elaboração de orçamentos

Dados Necessários
Paisagismo
• Projeto completo detalhado de paisagismo.

Descrição das Atividades


Elaboração de orçamento estimativo da execução dos elementos arquitetônicos e jardinagem,
considerando material e mão de obra.

Produtos Gerados
Planilha de orçamento com preços incluindo toda a execução dos elementos arquitetônicos e jardinagem
pelos projetos, com tributos e encargos incidentes.

41
FASE D PROJETO DE DETALHAMENTO PSG-D 204
Serviços Opcionais Seleção de fornecedores

Dados Necessários
Empreendedor / Contratante
• Escopo do fornecimento desejado
• Forma de contratação
• Prazo de execução
• Prazo máximo pretendido
• Todos os projetos de produção
• Todos os projetos detalhados e consolidados

Descrição das Atividades


Seleção para execução do projeto ou fornecimento de materiais para as obras.

Produtos Gerados
• Visitas a fornecedores para validação de condições de fornecimento
• Seleção de fornecedores de materiais e serviços, fundamentada em parâmetros definidos em conjunto
com o empreendedor.
• Elaboração de planilhas comparativas de preços ofertados, e outras condições específicas, e seus
desvios para avaliação de melhor relação custo benefício.

Observações:
O contratante e a empresa de paisagismo deverão detalhar de comum acordo, antes do início dos
serviços dessa fase, qual a extensão e abrangência desses serviços e definir a responsabilidade da empresa
de paisagismo no desenvolvimento dos mesmos.
A empresa de paisagismo deverá relacionar os elementos necessários para elaboração da documentação
desta atividade.

42
Edited by Foxit PDF Editor

FASE E
Copyright (c) by Foxit Software Company, 2004
For Evaluation Only.

PÓS-ENTREGA DO PROJETO

Garantir a plena compreensão e utilização das informações de


projeto, bem como sua aplicação correta nos trabalhos de campo.
FASE E PÓS ENTREGA DOS PROJETOS PSG-E 001
Serviços Essenciais Apresentação do projeto

Dados Necessários
Todos envolvidos:
• Projeto executivo de paisagismo, incluindo memoriais técnicos e outros documentos textuais,
• Análise prévia dos projetos por parte dos participantes da reunião.

Descrição das Atividades


Realizar reunião com o objetivo de apresentar o projeto final com os conceitos técnicos e premissas
adotados, solicitações do contratante e outras peculiaridades, e esclarecer eventuais dúvidas dos
participantes.

Produtos Gerados
• Esclarecimento sobre a organização e forma de utilização dos documentos de projeto;
• Ata da reunião

Observações:
É fundamental a participação do Contratante, Coordenadores de projeto, Gerente da Construtora, Gerente
da Obra, e representantes das Instaladoras e todos os Projetistas.

44
FASE E PÓS ENTREGA DOS PROJETOS PSG-E 002
Serviços Essenciais Esclarecimento de dúvidas

Dados Necessários
Solicitante
• Ter conhecimento dos projetos executivos de Arquitetura, incluindo memoriais técnicos e outros docu-
mentos textuais.

Descrição das Atividades


Esclarecer eventuais dúvidas sobre os projetos elaborados e sua utilização, desde que para isso não
haja necessidade de diligência externa ao escritório do projetista.

Produtos Gerados
• Ata de reunião com os esclarecimentos realizados.

Observações:
Os contatos para esclarecimento não terão caráter instrutivo, e deverão sempre ser realizadas com
interlocutor qualificado e familiarizado com o projeto completo.

45
FASE E PÓS ENTREGA DOS PROJETOS PSG-E 003
Serviços Essenciais Acompanhamento
Básico da obra

Dados Necessários
Construtor:
Programação das visitas com antecedência mínima de 7 dias.

Descrição das Atividades


Realização de até 3 visitas de acompanhamento da execução, conforme eventos pré-determinados:
• Nos momentos em que o contratante e o projetista julgarem mais convenientes a serem determinados
de comum acordo
• Por ocasião da conclusão do serviço.

Produtos Gerados
Relatório técnico com pareceres sobre a qualidade geral da obra, dos materiais, da mão de obra e demais
itens de interesse do Contratante, conforme acordado pelas partes.

Observações:
• Os itens a serem verificados devem ser previamente estabelecidos de forma compatível com o tempo
de visita estabelecido, e deverão estar acessíveis para inspeção na ocasião da visita.
• O número de visitas deve ser compatível com as características e dimensões do empreendimento.

46
FASE E PÓS ENTREGA DOS PROJETOS PSG-E 101
Serviços Específicos Análise de soluções alternativas

Dados Necessários
Proponente da solução
• Informações e desenhos especificando claramente a alternativa proposta.

Programação das visitas com antecedência mínima de 7 dias.

Descrição das Atividades


Análise técnica e/ou de custos de soluções alternativas propostas para os sistemas e ou detalhes
arquitetônicos por su-gestão de participantes do empreendimento.

Produtos Gerados
Relatório de análise das soluções propostas.

47
FASE E PÓS ENTREGA DOS PROJETOS PSG-E 201
Serviços Opcionais Visitas a fornecedores

Dados Necessários
Projeto executivo de paisagismo, incluindo memorial técnico e outros documentos textuais.

Descrição das Atividades


Visitas a fornecedores para validação de materiais, cores de plantas, e sistemas propostos.

Produtos Gerados
Relatório técnico de cada visita, com o registro das atividades desenvolvidas emitindo pareceres sobre:
• Validação de materiais, cores, e sistemas propostos.
• Validação de soluções a serem executadas na obra..

48
FASE E PÓS ENTREGA DOS PROJETOS PSG-E 202
Serviços Opcionais Compatibilização de especificações de fornecedores

Dados Necessários
Empreendedor/Construtor
Discriminação completa dos fornecedores a serem comparados/compatibilizados incluindo: contato,
valores de contrato, prazos, amostras, e todos os itens que se fizerem necessários.

Descrição das Atividades


Compatibilização e relatórios comparativos de materiais e especificações de fornecedores.

Produtos Gerados
Relatório técnico comparativo com pareceres sobre a qualidade geral dos materiais, da mão de obra ,e
demais itens de in-teresse do Contratante, a serem fornecidos conforme acordado pelas partes.

Observações:
O contratante e o paisagista deverão definir, de comum acordo, antes do início dos serviços, quais serão
os objetivos, as tarefas e regimes de trabalho a serem cumpridos, os produtos a serem gerados e sua forma
de apresentação.

49
FASE E PÓS ENTREGA DOS PROJETOS PSG-E 203
Serviços Opcionais Orientação técnica para propostas de
fornecedores

Dados Necessários
Empreendedor
• Relação de proponentes de interesse do Contratante,
• Definição da forma de contratação.

Descrição das Atividades


Dar suporte técnico aos processos de recebimento, equalização e análise das pré-propostas dos
fornecedores, incluindo as seguintes atividades:
• Preparação dos textos técnicos para inclusão no Edital de Concorrência,
• Assistência e esclarecimento de dúvidas dos proponentes,
• Analise técnica das propostas de fornecedores, incluindo esclarecimento e equalização sob os aspec-
tos técnicos.

Produtos Gerados
• Textos relativos a aspectos técnicos para inclusão no Edital de Concorrência,
• Orientação e esclarecimento aos proponentes,
• Planilha comparativa das condições de fornecimento de proposta.

50
FASE E PÓS ENTREGA DOS PROJETOS PSG-E 204
Serviços Opcionais Adaptação e alterações de projeto

Dados Necessários
Empreendedor/Construtor
Definição das alterações pretendidas e suas conseqüências para todas as disciplinas.

Descrição das Atividades


Alteração de documentos de projeto por solicitação do cliente, devido a alteração de conceitos, alteração
nas edificações, materiais, equipamentos e/ou sistemas previamente estabelecidos ou sugestões de alteração
de soluções adotadas.

Produtos Gerados
Projeto alterado conforme a solicitação.

Observações:
O contratante e o paisagista deverão definir, de comum acordo, antes do início dos serviços, quais serão
os objetivos, as tarefas e regimes de trabalho a serem cumpridos, os produtos a serem gerados e sua forma
de apresentação.

51
FASE E PÓS ENTREGA DOS PROJETOS PSG-E 205
Serviços Opcionais Acompanhamento técnico da obra

Dados Necessários
Construtor:
Programação das visitas com antecedência mínima de 7 dias.

Descrição das Atividades


Acompanhamento da obra por meio de visitas regulares ou eventuais, além das previamente estabelecidas,
conforme programação e relação de atividades.

Produtos Gerados
Relatório técnico de cada visita, com o registro das atividades desenvolvidas em obra ou em decorrência
do serviço de a-companhamento da obra emitindo pareceres sobre::
• A qualidade geral da obra,
• A qualidade geral dos materiais,
• Propostas de alterações em detalhes específicos e demais itens de interesse do Contratante, conforme
acordado pelas partes.

Observações:
Os itens a serem verificados devem ser previamente estabelecidos de forma compatível com o tempo
de visita estabelecido, e deverão estar acessíveis para inspeção na ocasião da visita.

52
FASE E PÓS ENTREGA DOS PROJETOS PSG-E 206
Serviços Opcionais Preparação do manual do proprietário

Dados Necessários
Paisagismo:
Projeto executivo de Paisagismo, incluindo memoriais técnicos e outros documentos textuais.

Descrição das Atividades


Elaboração de Manual Técnico de operação e manutenção dos sistemas, inclusive jardinagem, para
utilização pelo responsável pelo gerenciamento e operação do empreendimento.

Produtos Gerados
Manual de Operação e Manutenção dos Sistemas, e manutenção dos jardins, contendo as informações
e orientações ne-cessárias para a melhor utilização e preservação destes, incluindo:
• Descrição das características de cada revestimento e sistema, inclusive documentação técnica,
• Forma e cuidados de operação e manutenção,
• Relação de fornecedores utilizados na obra,
• Garantias.

53
Edited by Foxit PDF Editor

FASE F
Copyright (c) by Foxit Software Company, 2004
For Evaluation Only.

PÓS-ENTREGA Da obra

Analisar e avaliar o comportamento da edificação em uso para


verificar e reafirmar se os condicionantes e pressupostos de
projeto foram adequados e se eventuais alterações, realizadas
em obra, estão compatíveis com as expectativas do empreendedor
e de ocupação dos usuários.
FASE F PÓS ENTREGA DA OBRA PSG-F 001
Serviços Essenciais Avaliação e validação do processo.

Dados Necessários
Empreendedor
• Listagem de ocorrências a serem discutidas e eventuais desacordos ou insatisfações.

Gerenciamento de Projetos
• Todos os relatórios, das atividades de projetos, de medições, atas de reunião cronograma fisico-
financeiro atualizado, comunicações entre os envolvidos, e quaisquer outros elementos que possam
servir de subsídio para o objetivo da a-tividade.

Gerenciamento de Obra
• Idem o item acima para as atividades de obras.
• Jogo completo dos projetos, contendo todas as anotações de ajustes e/ou alterações ocorridas,
assinadas por enge-nheiro responsável pela obra.
• Diário de Obra.

Descrição das Atividades


Reunião e visita à obra para avaliação e validação do processo com o intuito de rastrear eventuais não
conformidades e analisar os pontos passíveis de melhoria, com a participação de todos envolvidos no
processo.

Produtos Gerados
Reunião de, no mínimo ½ período, com todos participantes gerando a partir desta um relatório completo
dos questionamentos levantados rastreando as não conformidades, indicando as possíveis soluções para
a melhoria contínua do processo.

Observações:
Esta atividade deve, por princípio, ser monitorada pela empresa responsável pelo gerenciamento de
projetos ou de obras.
O contratante e a empresa responsável deverão detalhar de comum acordo, antes do início dos serviços
dessa fase, qual a extensão e abrangência desses serviços e definir a responsabilidade da empresa
responsável no desenvolvimento dos mesmos.
Todos envolvidos deverão enviar, com antecedência de 15 dias corridos antes da data da reunião, a
listagem de ocorrências a serem discutidas e eventuais desacordos ou insatisfações.

56
FASE F PÓS ENTREGA DA OBRA PSG-F 101
Serviços Específicos Projetos de Alterações “ As Built”

Dados Necessários
Empreendedor:
• Definição clara e objetiva das necessidades de alterações.

Projeto executivo de Paisagismo, incluindo memoriais técnicos e outros documentos textuais.

Descrição das Atividades


Alteração ou elaboração de novos documentos de projeto por solicitação do cliente, devido a alteração
de con-dicionantes, materiais, equipamentos e/ou sistemas instalados.

Produtos Gerados
Projeto alterado ou complementado conforme a solicitação.

Observações:
O contratante e o paisagista deverão definir, de comum acordo, antes do início dos serviços, quais serão
os objetivos, as tarefas e regimes de trabalho a serem cumpridos, os produtos a serem gerados e sua forma
de apresentação.

57
58
anexos

59
60
Anexo I
Glossário
Análise crítica
Avaliação documentada, profunda, global e sistemática das soluções ou documentos de projeto, e
demais elementos auxiliares, como propostas técnicas, relatórios e orçamentos, quanto à sua pertinência,
sua adequação e sua eficácia em atender aos requisitos para o projeto, identificar problemas e propor o
desenvolvimento de soluções para tais problemas, se houver.
Nota: a análise crítica deve ser conduzida em todas as etapas do processo de projeto e na conclusão
desse processo, em todos os casos.

Avaliação da qualidade dos projetos


Ao final de cada ciclo de elaboração dos projetos, os seus dados de saída devem ser submetidos a um
circuito de verificação (avaliação que faz parte do próprio desenvolvimento do projeto pelo projetista) e de
análise crítica (desenvolvida ou contratada pela coordenação de projetos), que podem resultar em demandas
de revisão dos projetos. Por último, a solução de projeto apresentada deverá ser submetida à coordenação
de projetos, ou diretamente ao cliente-contratante, para validação. Uma não validação também demandará
revisão dos projetos. Esses três momentos de avaliação constituem-se em fontes de retrabalho internas ao
processo de projeto.

Avaliação de desempenho dos serviços de projetos


Além das avaliações dirigidas aos elementos de projeto elaborados, o desempenho dos serviços de
projeto também deve estar submetido a procedimentos de avaliação, que sejam do prévio conhecimento
dos projetistas. Essa avaliação visa a estimular os projetistas ao melhor atendimento às necessidades dos
clientes do projeto (empreendedor, coordenador, construtora, usuário, etc.) e deve conter critérios de avaliação
segundo aspectos de qualidade, respeito a prazos e atendimento aos clientes.

Avaliação pós-ocupação
Uma forma de avaliação de resultados do projeto, voltada a diagnosticar aspectos positivos e negativos
do ambiente construído em uso, a partir da avaliação de fatores técnico-construtivos, econômicos,
financeiros, funcionais, estéticos e comportamentais, tendo em conta o ponto de vista dos diversos agentes
e, principalmente,sob o ponto de vista dos clientes-usuários.

Ciência formal
Ato de tomar conhecimento de uma atividade e/ou solução de projeto por meio de documento escrito
ou por outra forma de documentação rastreável.

Compromisso formal
É aquele resultante de procedimentos, tarefas e metas estabelecidas contratualmente.

Consulta formal
É aquela que é formalizada por meio de solicitação de documento escrito ou por outra forma de
documentação rastreável, cuja resposta também deve ser formalizada, pelos mesmos procedimentos.

Coordenação de projetos
Atividade de suporte ao desenvolvimento do processo de projeto voltada à integração dos requisitos
e das decisões de projeto. A coordenação deve ser exercida durante todo o processo de projeto e tem
como objetivo fomentar a interatividade na equipe de projeto e melhorar a qualidade dos projetos assim
desenvolvidos. Cabe à coordenação garantir que as soluções técnicas desenvolvidas pelos projetistas de
diferentes especialidades sejam congruentes com as necessidades e objetivos do cliente, compatíveis entre
si e com a cultura construtiva das empresas construtoras que serão responsáveis pelas respectivas obras.
Nos casos em que o início de atuação da coordenação de projetos se der em uma fase mais adiantada,
a coordenação de projetos deverá tomar ciência dos produtos gerados nas atividades das fases anteriores,
já validados, ou complementar o que foi desenvolvido, caso necessário.

61
Anexo I
Glossário
Especialista
Designa o profissional ou empresa contratada para prestar serviços de consultoria relativamente a uma
dada especialidade, com um determinado foco (racionalização, redução de custos, otimização de sistemas,
análise de viabilidade, análise crítica, etc.), como suporte à concepção, desenvolvimento e coordenação de
projetos.

Indicadores de projeto
Normalmente, tais indicadores envolvem fatores geométricos e quantitativos, com forte associação à
eficiência no aproveitamento de espaços e aos custos de execução. Esses indicadores são comparados aos
de projetos anteriores similares, com o intuito de monitorar se os resultados obtidos são condizentes com
valores habituais e competitivos. Seu estabelecimento deve ocorrer na ocasião dos contratos de projetistas,
de forma a se manter os objetivos definidos e a transparência no processo de projeto.
Nota: ainda que sejam auxiliares importantes para a análise crítica dos projetos, suas limitações de uso
devem ser de conhecimento do coordenador e dos projetistas, uma vez que os indicadores não devem ser
considerados fonte suficiente e única de avaliação.

Matriz de interfaces técnicas


Elemento de apoio à coordenação e ao desenvolvimento de projetos, em que são representadas as inter-
relações e interferências entre as disciplinas que compõem um dado projeto, de modo a fixar recomendações
e evidenciar cuidados relativos ao tratamento das suas interfaces. Pode ser apresentada na forma de lista de
verificação (“check-list”) de projetos, por fase. Exemplo: na interface arquitetura-estrutura – verificar interferência
entre cotas de fundo de vigas e a padronização de dimensões de esquadrias de portas.

Preparação da execução de obras


Fase situada entre o projeto e a execução, que visa minimizar as lacunas entre o projeto e a execução,
analisando antecipadamente como fazer no canteiro de obras o que foi projetado e procedendo eventuais
ajustes e complementações nos projetos entregues. O comprometimento dos clientes e de gestores de alto
nível decisório, que devem apoiar e disponibilizar os recursos necessários; o envolvimento dos fornecedores
e suas garantias com relação a qualidade, entrega no prazo e capacidade de entrega; a capacitação das
equipes de obra, tanto da mão-de-obra de execução quanto de engenheiros-residentes e estagiários, são
fatores fundamentais a se considerar nesta fase.

Processos e métodos construtivos


Um processo construtivo, segundo Sabbatini , representa um modo organizado e bem definido de se
construir; um processo construtivo de edifícios caracteriza-se pelo seu conjunto de métodos construtivos
adotados na construção da estrutura, vedação, instalações e revestimentos.

Programa de Necessidades
Elaboração e descrição em um documento do conjunto de parâmetros e exigências a serem atendidos
pela obra a ser projetada.

Projetista
Designa a empresa ou profissional capacitados para conceber e/ou desenvolver soluções de projeto
para uma dada disciplina (arquitetura, estrutura de concreto armado, vedação de alvenaria, sistemas de
automação residencial, luminotécnica, etc.), integrante da equipe de projeto contratada para um dado
empreendimento.

Formalização do relacionamento
É aquela obtida através do estabelecimento em contrato de procedimentos para as formas de
comunicação, registro e documentação referentes às atividades de projeto e de coordenação de projetos,
envolvendo todos os agentes do empreendimento.

62
Anexo I
Glossário
Revisão, modificação e alteração de projetos
A revisão significa a criação e distribuição de novo documento de projeto que substitui e cancela
documento anteriormente validado, para corrigir falha do documento anterior (modificação de projeto, isto é,
ajustes decorrentes do seu próprio desenvolvimento), ou para atender a solicitação do contratante (alteração
de projeto). As revisões de projeto devem ser sempre feitas de modo a assegurar a sua rastreabilidade.
Uma vez concluída e aprovada uma etapa de trabalho, as alterações que vierem a ser solicitadas
serão consideradas passíveis de serem remuneradas, mediante acordo prévio e solicitação formal pelo
contratante.
Deve ser estabelecida, em contrato, a delimitação de responsabilidade dos projetistas por essas atividades
(por exemplo, limitando as revisões ao equivalente a até 5% do valor do projeto, por fase e por especialidade),
ou sua contratação em separado, se for o caso.

Serviços de Projeto
Entende-se por serviços de projeto todo o seu processo de produção incluindo o próprio produto final.

Subsistemas do edifício
Segundo o projeto de norma brasileira 02:136.01.001 (Desempenho de edifícios habitacionais de até
cinco pavimentos), subsistema do edifício “corresponde a uma parte complexa da edificação, destinado
a cumprir um conjunto amplo de funções e atender simultaneamente a diversas exigências dos usuários
(fundações, fachadas, cobertura, estrutura, divisórias internas etc). Geralmente constituído por um conjunto
de componentes e/ou de materiais”.

Validação de projetos
A validação de projetos significa a comprovação, por meio da aprovação formal dos documentos de
projeto pelo contratante, de que os requisitos para o projeto foram atendidos, considerados em parte (entregas
parciais do projeto) ou no todo (entrega final do projeto). O conceito de validação também se aplica a outros
tipos de documentos (atas, relatórios, etc.), produzidos no âmbito dos relacionamentos formais estabelecidos
entre os diversos envolvidos no processo de projeto.

63
Anexo II
Atribuições e responsabilidades da coordenação de projetos
Cabe à coordenação de projetos garantir que as soluções técnicas desenvolvidas pelos projetistas de
diferentes especialidades sejam congruentes com as necessidades e objetivos do cliente, compatíveis entre
si e com a cultura construtiva das empresas construtoras que serão responsáveis pelas respectivas obras.
Para isso, é de fundamental importância que o cliente-contratante dê autonomia à coordenação dos
projetos, de modo que ela possa atuar e tomar decisões, e possa solicitar respostas dos projetistas para
as necessidades encontradas, conferindo-lhe, assim, a autonomia necessária à gestão do processo de
projeto.
As principais tarefas a serem cumpridas pela coordenação de projetos estão relacionadas à organização
e ao planejamento do processo de projeto e à gestão do processo de projeto.
Assim, a coordenação de projeto envolve funções gerenciais, com o intuito de fomentar a integração e a
cooperação dos agentes envolvidos, e funções técnicas, relacionadas com a solução global dos projetos e
a integração técnica entre as diversas especialidades de projeto, e entre o projeto e o sistema de produção
da obra.
O planejamento do processo de projeto envolve: estabelecer os objetivos e parâmetros a serem seguidos
no desenvolvimento dos projetos; definir os escopos de projeto, segundo especialidades e etapas de projeto;
planejar os recursos para desenvolvimento dos projetos; planejar as etapas e os prazos de desenvolvimento
dessas diversas etapas, no todo e por especialidades de projeto, para se estabelecerem cronogramas. A gestão
do processo de projeto, por sua vez, exige: controlar e adequar os prazos planejados para desenvolvimento
das diversas etapas e especialidades de projeto – gestão de prazos; controlar os custos de desenvolvimento
dos projetos em relação ao planejado; fomentar e garantir a qualidade das soluções técnicas adotadas nos
projetos; validar (ou fazer validar pelo empreendedor) as etapas de desenvolvimento e os projetos dela
resultantes; fomentar a comunicação entre os participantes do projeto, coordenar as interfaces e garantir a
compatibilidade entre as soluções das várias especialidades envolvidas no projeto; integrar as soluções de
projeto com as fases subseqüentes do empreendimento, nas interfaces com a execução e com a fase de
uso,operação e manutenção da obra.
Na atuação da coordenação de projetos, devem ser ainda considerados requisitos das fases do ciclo
de vida da edificação posteriores à execução das obras (que envolvem seu uso, operação e manutenção
e a manifestação dos aspectos de desempenho, consumo de energia e de água, geração e tratamento
de resíduos, etc.), os quais são de grande relevância e fortemente afetados pelas decisões tomadas em
projeto.
O coordenador de projetos utiliza habilidades administrativas e de liderança para poder gerenciar
equipes multidisciplinares de projetos. Além disso, o coordenador deve ter um amplo conhecimento relativo
às diversas especialidades de projeto e é de extrema utilidade que conheça técnicas construtivas e possua
experiência quanto à execução de obras.
Desse ponto de vista, é fundamental que um coordenador de projetos detenha conhecimentos:
• sobre técnicas e processos de projeto pertinentes às várias disciplinas envolvidas (arquitetura,
paisagismo, fundações, estruturas, sistemas prediais, fôrmas, vedações, etc.);
• sobre normas técnicas, legislação federal, estadual ou municipal, códigos de construção e padrões das
concessionárias locais de serviços públicos (água, esgoto, energia, telefone, gás, TV por assinatura,
etc.);
• sobre tecnologia construtiva em curso e inovações tecnológicas no segmento de edificações;
• sobre técnicas de planejamento, programação e controle de projetos;
• sobre informática e gestão de informação.
Ainda mais, seriam desejáveis as seguintes habilidades para um coordenador de projetos:
• espírito de liderança;
• facilidade de comunicação;
• disciplina para sistematizar e documentar as reuniões com projetistas e as trocas de informação;
• atenção aos detalhes e capacidade de avaliar a qualidade e a compatibilidade entre soluções de projeto.

64
Anexo II
Atribuições e responsabilidades da coordenação de projetos
Na indústria imobiliária, a coordenação de projetos pode ser exercida por uma equipe interna à empresa
construtora; pela empresa responsável pelo desenvolvimento do projeto arquitetônico do empreendimento
(modelo tradicional); por profissionais ou empresas contratados especificamente para exercer esta função
(coordenação independente); ou, ainda ser compartilhada entre dois ou mais agentes. Este escopo de
serviços coordenação de projetos previu, em sua estruturação, todo esse leque de possibilidades.

Autores responsáveis pela elaboração deste escopo:


Silvio Melhado; Ricardo Bunemer; Cecília Levy; Eliane Adesse; Márcio Luongo; Marco Antonio Manso.

65