Você está na página 1de 1

ANJOS DO COTIDIANO

Existem pessoas que são capazes de recitar obras-primas inteiras ou explicar cada frase ou
pensamento dos grandes filósofos; mas, apesar da cultura e inteligência, que ostentam, são
incapazes de expressar uma única frase sua, que sirva de conforte ao próximo, que às vezes
nem reconhece como semelhante, em momentos de real fragilidade emocional.
De que adiantam discursos e sermões, plenos de impostação, citações e dialética, se vazios de
sentimentos honestos e sinceros?
Mas também há pessoas capazes de entender o sofrimento dos outros e consolá-los, de
esquecer um pouco de si próprias para solidarizar-se. Infelizmente, insensibilidade, alienação
e submissão a valores impostos, impedem de reconhecermos essa benção, negando-lhes uma
vida mais leve e feliz. Alguns confundem esse excesso de humanidade e altruísmo com
fraqueza ou falta de ambição, da qual tiram proveito inescrupuloso.
Não é à toa que existem tantos santos, vítimas dos erros da humanidade. Eram todos
humanos; sofreram pelas mãos dos que se sentiram incomodados, ameaçados ou atraídos de
forma torpe pela sedução angelical de suas almas. Para canonizá-los é necessário um longo
processo, mas às vezes basta olhar ao redor para constatar a presença de novos, entre nós, que
com uma simples palavra são capazes de operar milagres anônimos. E tudo sem exigirem
nada em troca!
Esses santos do cotidiano não se consideram diferentes e são naturalmente bons. Não fazem
culto a si próprios, nem terão seus nomes registrados em ruas e praças; mas são pródigos em
sua infinita capacidade de amar, mesmo que esse amor não seja correspondido.
Tenho a felicidade de conviver com algumas dessas pessoas. Muitas vezes sinto-me fascinado
e indigno ao observar seus gestos, atitudes e palavras. Sinto-me abençoado por tê-las tão
próximas e por ter a oportunidade de tentar retribuir um mínimo do enorme bem que me
fazem, apenas por existirem.
Se não podemos servir-lhes de bálsamo e aconchego, que ao menos nosso egoísmo,
arrogância, inveja, covardia, preconceitos, frivolidades, obsessões e culto às aparências não
lhes sejam pedras no caminho. Quem sabe, assim, tenhamos menos santos mártires – vítimas
da estupidez de seus semelhantes - e uma humanidade mais santa, onde a língua dos anjos e as
dos seres humanos seja uma só: o esperanto do amor!

Adilson Luiz Gonçalves


Mestre em Educação
Escritor, Engenheiro, Professor Universitário (UNISANTOS e UNISANTA) e Compositor
Home page: geocities.yahoo.com.br/prof_adilson_luiz e www.algbr.hpg.com.br
Músicas: br.youtube.com/adilson59
E-mails: adilson@unisantos.br e prof_adilson_luiz@yahoo.com.br
(13) 97723538
Doe sangue!Caso queira que seu e-mail seja removido da lista, basta solicitar.