Você está na página 1de 57

Aula 00

Português p/ Prefeitura de Niterói - Todos os Cargos Professor: Fabiano Sales

Língua Portuguesa para ISS/Niterói Teoria e questões comentadas Prof. Fabiano Sales に Aula 00 Aula

Língua Portuguesa para ISS/Niterói Teoria e questões comentadas Prof. Fabiano Sales Aula 00

Aula 05 29/09 Sintaxe: frase, oração e período. Termos da oração. Processos de coordenação e subordinação.

Aula 06 06/10 Concordância nominal e verbal.

Aula 07 13/10 Transitividade e regência de nomes e verbos.

Aula 08 20/10 Emprego do sinal indicativo de crase.

Aula 09 27/10 Pontuação.

Aula 10 03/11 Elementos de construção do texto e seu sentido: gênero do texto (literário e não literário, narrativo, descritivo e argumentativo); interpretação e organização interna. Mecanismos de coesão textual. Semântica: sentido e emprego dos vocábulos; campos semânticos. Estilística:

figuras de linguagem. Reescritura de frases: substituição, deslocamento, paralelismo; variação linguística: norma culta.

Aula 11 10/11 Raio-X da FGV (2013 a 2015): O perfil da banca examinadora. Orientações finais para a prova objetiva de Língua Portuguesa. Prova Comentada da banca FGV.

A metodologia do curso contempla, em cada tópico (sempre que possível), a exposição da

teoria seguida da resolução e comentário de questões anteriores sobre o assunto. Nos

comentários, poderá haver explicações novas. Assim, teoria e questões se complementam.

Ademais, teremos vídeos complementares ao longo de nosso curso, da aula

demonstrativa (00) à aula 09.

Espero que vocês aproveitem o curso, tirem suas dúvidas, estudem bastante e façam a

prova com confiança. Desse modo, vamos comemorar a aprovação de vocês para o ISS/Niterói!

Língua Portuguesa para ISS/Niterói Teoria e questões comentadas Prof. Fabiano Sales に Aula 00 A)

Língua Portuguesa para ISS/Niterói Teoria e questões comentadas Prof. Fabiano Sales Aula 00

A) Resposta incorreta. A grafia de “pudico” está correta; é uma palavra paroxítona (o acento

tônico recai na penúltima sílaba) terminada em -o. Portanto, não recebe acento. Entretanto, o vocábulo “decúbico” foi incorretamente grafado. A grafia correta é “decúbito” (estar deitado).

B) Resposta incorreta. Na palavra “rubrica” ocorreram dois erros: um de silabada (troca indevida

da sílaba tônica do vocábulo) e o emprego inadequado do acento agudo. A grafia correta é “rubrica”. O vocábulo “déficit”, por sua vez, foi grafado corretamente.

C) Resposta incorreta. O vocábulo “impecílio” estaria corretamente grafado se apresentasse a

forma “empecilho”. Já a palavra “hojeriza” também está incorreta, pois, segundo as regras ortográficas, o correto é “ojeriza”.

E) Resposta incorreta. Emprega-se a vogal “i” na 2ª e 3ª pessoas do singular, do presente do

indicativo: tu possuis, ele possui. Por sua vez, “discreção” está incorretamente grafada. Para corrigir essa palavra, deveremos grafar “discrição” (discreto).

Gabarito: D.

EMPREGO DO “K”, “W” E “Y”

Gabarito: D. EMPREGO DO “K”, “W” E “Y” ORLANDELI. Disponível em: <

ORLANDELI. Disponível em: <http://pribi.com.br/arte/acordo-ortografico-em-quadrinhos>.

O Novo Acordo Ortográfico restabeleceu as letras k, w e y em nosso alfabeto, que passou a ter 26 letras. Sendo assim, é muito provável que vocês estejam se perguntando: “Como empregá-las?”. Pessoal, o emprego dessas letras ocorrerá em:

- nomes de pessoas originários de outras línguas ou derivados.

Exemplos: Franklin, frankliniano; Kafka, kafkaniano; Darwin, darwinismo; Wagner, wagneriano; Byron, byroniano; Taylor, taylorista.

- nomes de lugares originários de outras línguas (e seus derivados).

Exemplos: Kwanza, Kuwait, kuwaitiano; Malawi, malawiano.

- siglas, símbolos e palavras adotadas como unidades de medida de curso internacional.

Exemplos: TWA; KLM; kw (quilowatt); Watt; yd (jarda, do inglês yard); km (quilômetro); kg (quilograma); W - oeste (west); SW - sudoeste (southwest); NW - noroeste (northwest); K (Potássio); W (Tungstênio); Y (Ítrio).

Língua Portuguesa para ISS/Niterói Teoria e questões comentadas Prof. Fabiano Sales に Aula 00 E

Língua Portuguesa para ISS/Niterói Teoria e questões comentadas Prof. Fabiano Sales Aula 00

E quanto à classificação dessas letras? Serão vogais ou consoantes ? Respondo a vocês que a classificação dependerá da forma em que aparecerem nos vocábulos, ou seja, de acordo com a pronúncia. Vejamos:

K sempre consoante. É pronunciado com som de C quando surgir antes das vogais a, o e u e

no grupo QU que antecede as vogais e e i : Kafka, Kioto.

será vogal ou semivogal, nas palavras de origem inglesa. Em geral, é pronunciado como U: William, Wilson, show.

W

 

será consoante, nas palavras de origem alemã. Geralmente, é pronunciado como V:

Wagner , wagneriano.

Y

será vogal (ou semivogal), sendo, geralmente, pronunciado como I: Taylor, taylorista.

 

EMPREGO DE ALGUMAS EXPRESSÕES

 

A (preposição/artigo)

x HÁ (verbo)

A

(preposição) indica relação de distância ou de tempo futuro.

Exemplos: A espiã trabalha a dois quarteirões dos inimigos. (preposição= relação de distância) Começarei a trabalhar daqui a uma semana. (preposição= ideia de futuro)

A

(artigo) determina nomes femininos.

Exemplo: A prova será fácil.

 

HÁ (verbo) – indica “tempo passado” ou a “existência de algo/alguém”. Nestas acepções, deve permanecer na terceira pessoa do singular, pois é um verbo impessoal.

Exemplos:

 

Fiz a prova dois dias. (= Fiz a prova faz dois dias.) dois carros para o leilão. (Existem dois carros para o leilão.)

AO ENCONTRO DE X DE ENCONTRO A

AO ENCONTRO DE em direção a, favoravelmente.

Exemplo: Fui ao encontro de minha namorada. (= Fui em direção à minha namorada.)

DE ENCONTRO A ir contra; choque.

Exemplo: Fui de encontro à opinião de sua esposa. (= Fui contra a opinião de sua esposa.)

 AFIM X A FIM Língua Portuguesa para ISS/Niterói Teoria e questões comentadas Prof. Fabiano

AFIM

X A FIM

Língua Portuguesa para ISS/Niterói Teoria e questões comentadas Prof. Fabiano Sales Aula 00

AFIM indica “semelhança”, “parentesco”.

Exemplo: Nossa meta é afim: sua aprovação. (= Nossa meta é semelhante: sua aprovação.)

A FIM – indica “finalidade”. equivale à conjunção final “para”.

Exemplos: Estudo a fim de ser aprovado. (= Estudo para ser aprovado.)

4. (FGV/Polícia Civil-RJ-Adaptada) Julgue o item a seguir.

No período “As idéias dela sempre vêm de encontro às minhas, ou seja, sempre concordamos um com o outro.”, a expressão em destaque está de acordo com as regras ortográficas e com a adequação vocabular.

Comentário: A expressão adequada seria “ao encontro de” (favoravelmente). Esta locução deveria ter sido empregada no período do enunciado, porque “de encontro a” significa “ir contra, choque, colisão”, não se adequando ao trecho em análise.

Gabarito: Item incorreto.

ACERCA DE X HÁ CERCA DE X CERCA DE

ACERCA DE - significa “a respeito de”, “sobre”.

Exemplo: Conversamos acerca do namoro. (= Conversamos a respeito do namoro.)

CERCA DE – transmite ideia “durante”, “aproximadamente”.

Exemplo: Jogamos cerca de três horas. (= Jogamos durante três horas.)

HÁ CERCA DE - significa “faz aproximadamente”, indicando tempo passado.

Exemplos: Há cerca de cem pessoas na fila. (= Existem aproximadamente cem pessoas na fila.)

Chegou ao Brasil há cerca de 10 anos. (= Chegou ao Brasil faz aproximadamente 10 anos.)

 EM VEZ DE X AO INVÉS DE Língua Portuguesa para ISS/Niterói Teoria e questões

EM VEZ DE

X

AO INVÉS DE

Língua Portuguesa para ISS/Niterói Teoria e questões comentadas Prof. Fabiano Sales Aula 00

EM VEZ DE – indica “em lugar de”.

Exemplo: Em vez de batata frita, comeu um sanduíche. (= No lugar de batata frita, comeu um sanduíche.)

AO INVÉS DE – indica “ao contrário de”.

Exemplo: Ao invés de subir, desceu.

Importante!

A expressão “ao invés de” só deve ser empregada quando houver idéias contrárias. No segundo quadrinho, há ideia de “em lugar de”.

No segundo quadrinho, há ideia de “em lugar de”. Por essa razão, a frase da atendent

Por essa razão, a frase da atendente está errada. O correto é: “Oi, Ju, bom dia! Em vez de ir com a Lu, vou com você”.

5. (FGV/Polícia Civil/RJ-Adaptada) “Concluída a fusão dos mercados, em vez de rumar para a integração política e consolidar seu protagonismo na cena mundial, a Europa faz da integração um utensílio da exclusão. Claro está que Bruxelas não pode evitar a deriva à direita de certos Estados, mas tampouco necessita servir à regionalização da xenofobia.” A respeito do trecho acima, analise o item a seguir:

I. A expressão em vez de não poderia ser substituída, no trecho, por ao invés de.

Comentário: No contexto, a expressão “em vez” deve ser substituída por “ao invés de”, pois os trechos “rumar para a integração política e consolidar seu protagonismo na cena mundial” e “faz da integração um utensílio da exclusão” apresentam sentidos opostos.

Gabarito: Item incorreto.

 MAL X MAU Língua Portuguesa para ISS/Niterói Teoria e questões comentadas Prof. Fabiano Sales

MAL

X

MAU

Língua Portuguesa para ISS/Niterói Teoria e questões comentadas Prof. Fabiano Sales Aula 00

MAL (advérbio/substantivo) - oposto de “bem”.

Exemplos: Ele fez o serviço mal. (= Ele fez o serviço bem.) Ele tem um mal incurável. (= Ele tem um bem incurável.)

MAL - conjunção subordinativa temporal equivalente a “logo que”.

Exemplo: Mal ele chegou, todos saíram. (= Logo que ele chegou, todos saíram.)

MAU (adjetivo) contrário de “bom”.

Exemplo: Ele é um aluno mau. (= Ele é um aluno bom.)

ONDE

X

AONDE X

DE ONDE

ONDE – empregado com verbos que exprimem “ESTADO” ou “PERMANÊNCIA”.

Exemplos: A cidade onde estou é linda. Onde você deixou os óculos ?

Cuidado!

Onde” deve ser empregado somente quando houver referência a lugar: “A cidade onde estou é linda”.

É incorreto o emprego em outros contextos, tais como “A situação onde me encontro é favorável”. Notem que, no exemplo apresentado, não há referência a lugar, razão por que o emprego de “onde” está incorreto. Nesse caso, é correto o emprego das expressões “em que” ou “na qual”:

A situação em que me encontro é favorável. / A situação na qual me encontro é favorável.

AONDE – empregado com verbos que exprimem “MOVIMENTO”.

Exemplo: Aonde você quer chegar ?

No exemplo acima, o verbo “chegar” indica movimento, regendo o emprego da preposição “a”. Esta, por sua vez, antecederá o advérbio “onde”, originando a forma “aonde”.

Língua Portuguesa para ISS/Niterói Teoria e questões comentadas Prof. Fabiano Sales に Aula 00 DE

Língua Portuguesa para ISS/Niterói Teoria e questões comentadas Prof. Fabiano Sales Aula 00

DE ONDE empregado com verbos que exprimem “ORIGEM”, “PROCEDÊNCIA”.

Exemplo: De onde você veio ?

No exemplo acima, o verbo “vir” indica origem, procedência, regendo o emprego da preposição “de”. Esta, por sua vez, antecederá o advérbio “onde”, originando a expressão “de onde” ou a contração “donde” (de + onde).

6. (FGV/Prefeitura de Campinas) “Ninguém sabe aonde essa transformação vai chegar.” Uma das freqüentes dificuldades no uso da língua reside na opção entre o uso do onde e do aonde, grifado na frase acima. Assinale a alternativa em que não se tenha empregado a forma correta.

(A)

As escolas onde estivemos estavam bem conservadas.

(B)

Estivemos naquela cidade onde se deu o encontro de professores.

(C)

Sabemos onde nossos projetos pretendem chegar.

(D)

A nossa preocupação era onde entregar os relatórios.

(E)

Haveria, sempre, um lugar onde pudéssemos descansar nossas angústias.

Comentário: Na assertiva C, temos o verbo “chegar”, que indica movimento. Por essa razão, a regência é transitiva indireta, exigindo o emprego da preposição “a”: “Sabemos aonde nossos projetos pretendem chegar”.

Gabarito: C.

OS PORQUÊS

POR QUE (separado e sem acento) - é usado em:

a) interrogativa direta.

Exemplo: Por que você faltou à aula ontem?

b) interrogativa indireta.

Exemplo: Gostaria de saber por que você faltou à aula ontem.

Dica estratégica!

A forma POR QUE” (separada e sem acento) também pode ser empregada nos seguintes contextos:

Preposição + pronome interrogativo, equivalente a “por qual razão”.

Exemplo: Não sei por que insisto; só sei que serei aprovado. (= Não sei por qual razão insisto; só sei que serei aprovado.)

Língua Portuguesa para ISS/Niterói Teoria e questões comentadas Prof. Fabiano Sales に Aula 00 

Língua Portuguesa para ISS/Niterói Teoria e questões comentadas Prof. Fabiano Sales Aula 00

Preposição + pronome relativo, equivalente a “pelo qual” (e flexões).

Exemplo: Passarei no concurso por que tanto luto. (= Passarei no concurso pelo qual tanto luto.)

Após as palavras denotativas “EIS” e “DAÍ”.

Exemplos: “Eis por que seremos aprovados.” “Daí por que dizemos que seremos aprovados.”

Cuidado!

Se a forma “por que” estiver substantivada, o correto é empregar “porquê” (junto e com acento). Neste caso, será equivalente a motivo, razão.

Exemplos: Eis o porquê de nossa aprovação. Daí um porquê de seu sucesso: o estudo.

POR QUÊ (separado e com acento) é usado quando no final da frase.

Exemplo: Não fez a prova? Por quê? (o “quê” é tônico; por isso, é acentuado)

Pode ser usado no final da oração, antes de pausa (não necessariamente em final do período), quando for equivalente a motivo, razão pela qual.

Exemplo: Não conseguimos saber por quê, mas tentamos. (o “quê” é tônico)

PORQUE (junto e sem acento) - é usado em respostas. Dependendo do contexto em que estiver inserido, indicará uma:

a) explicação (= pois)

Exemplo: A moça chorou, porque os olhos estão vermelhos. (= A moça chorou pois os olhos estão vermelhos.)

b) causa (= já que)

Exemplo: A moça chorou porque foi aprovada no concurso. (= A moça chorou, já que foi aprovada no concurso.)

c) finalidade ( = para que).

Exemplo: Fiz-lhe sinal porque se calasse. (= Fiz-lhe sinal para que se calasse.)

Língua Portuguesa para ISS/Niterói Teoria e questões comentadas Prof. Fabiano Sales に Aula 00 Observação!

Língua Portuguesa para ISS/Niterói Teoria e questões comentadas Prof. Fabiano Sales Aula 00

Observação!

A forma “porque” (junta e sem acento) deve ser usada em frases interrogativas, quando for uma conjunção causal (relação de causa e efeito).

Exemplo: Não íamos demonstrá-la porque nossa habilidade não era valorizada?

PORQUÊ (junto e com acento) é um substantivo usado sempre que vier precedido de determinante. Significa motivo, razão, causa.

Exemplos: Gostaria de entender o porquê de suas faltas. (= Gostaria de entender o motivo de suas faltas.)

Desejo saber os porquês de tanto estudo. (= Desejo saber as razões de tanto estudo.)

Na primeira estrofe da música “Gostava tanto de você”, cuja autoria pertence a Tim Maia, houve o emprego da forma “porque”. O emprego foi correto ?

Gostava Tanto de Você

Não sei porque você se foi Quantas saudades eu senti

E de tristezas vou viver

E aquele adeus não pude dar

(Tim Maia)

Resposta: Não! A forma correta seria “por que”, pois é uma sequência composta por uma preposição + pronome interrogativo, equivalente a por qual razão:

Gostava Tanto de Você

Não sei por que você se foi Quantas saudades eu senti

E de tristezas vou viver

E aquele adeus não pude dar

(Tim Maia)

7. (FGV/TRE-PA) Partidos devem ir às ruas explicar para os cidadãos por que existem e quais são suas propostas. No período acima, empregou-se corretamente a forma POR QUE. Assinale a alternativa em que isso NÃO tenha ocorrido.

(A) O povo não entende por que os partidos políticos se esquivam de se apresentar claramente. (B) Nem sempre é fácil entender as modificações por que passam os partidos políticos.

Língua Portuguesa para ISS/Niterói Teoria e questões comentadas Prof. Fabiano Sales に Aula 00 (C)

Língua Portuguesa para ISS/Niterói Teoria e questões comentadas Prof. Fabiano Sales Aula 00

(C) As pessoas desejam entender por que, nas relações entre os partidos políticos, as alianças

rapidamente se dissolvem. (D) Às vezes sem saber por que, o povo escolhe determinados candidatos para cargos

importantes.

(E) Na realidade, o povo sabe por que deve escolher bem seus representantes.

Comentário: O erro encontra-se na assertiva D. Conforme vimos nas lições, a forma “por quê” (separada e com acento) pode ser usada em final de oração, antes de pausa (não necessariamente no final do período), quando for equivalente a motivo, razão pela qual. É o que deveria ter ocorrido no excerto em análise: “Às vezes sem saber por quê, o povo escolhe determinados candidatos para cargos importantes”.

Gabarito: D.

8. (FGV/CODESP) O aproveitamento das oportunidades que estão surgindo é valioso porque, além da realização pessoal na vida profissional, é um atalho para melhorar dos níveis de renda e de bem-estar de fatias cada vez maiores da população brasileira. No trecho acima, empregou-se corretamente uma das formas do porquê. Assinale a alternativa em que isso não tenha ocorrido.

(A)

Sem ter por quê, em se falando de habilidades, discutir mais profundamente, calamo-nos.

(B)

Vamos destacar as habilidades por que somos conhecidos.

(C)

Ele esperava saber por que, naquele departamento, sua habilidade não era valorizada.

(D)

Porque nossa habilidade não era valorizada não íamos demonstrá-la?

(E)

Não conseguimos saber por quê, mas tentamos.

Comentário: Vamos analisar as opções.

A) Resposta incorreta. No trecho, seria adequado o emprego da forma “por que” (preposição +

pronome interrogativo), pois equivale a por qual motivo, por qual razão.

B) Resposta correta. No contexto, a forma “por que” pode ser substituída pela expressão pelas

quais: Vamos destacar as habilidades pelas quais (

C) Resposta correta. Há uma pergunta indireta, o que justifica o emprego da forma “por que”

(separa e sem acento).

D) Resposta correta. A forma “porque” (junta e sem acento) deve ser usada em frases interrogativas, quando for uma conjunção causal (relação de causa e efeito). É o que ocorre na assertiva. Portanto, está correto o emprego.

E) Resposta correta. Conforme vimos nas lições, a forma “por quê” (separada e com acento)

pode ser usada no final da oração, antes de pausa (não necessariamente em final do período), quando for equivalente a motivo, razão pela qual. Logo, o emprego está correto.

)”.

Logo, o emprego está correto.

Gabarito: A.

9. (FGV/SERC-MS) Perguntei por que ele não tocava mais piano. Assinale a alternativa correta acerca do uso do porquê na frase acima.

(A)

A forma está correta, pois corresponde à preposição POR + o pronome relativo QUE.

(B)

A forma está correta, pois é uma conjunção, sendo, nesse caso, sempre grafada como duas

palavras.

(C) A forma está correta, pois equivale a "por qual razão", caracterizando uma pergunta indireta.

Língua Portuguesa para ISS/Niterói Teoria e questões comentadas Prof. Fabiano Sales に Aula 00 (D)

Língua Portuguesa para ISS/Niterói Teoria e questões comentadas Prof. Fabiano Sales Aula 00

(D) A forma está incorreta, pois a forma com duas palavras só se usa em perguntas. O correto seria PORQUE. (E) A forma está incorreta, pois, embora seja grafada com duas palavras, a forma QUE deveria levar acento circunflexo.

Comentário: Segundo as lições, vimos que a forma “por que” (separada e sem acento) também pode ser empregada em pergunta indireta. No caso em tela, a expressão é composta pela preposição “por” seguida do pronome interrogativo “que” e equivale a “por qual razão”.

Gabarito: C.

SE NÃO

X

SENÃO

“por qual razão”. Gabarito: C.  SE NÃO X SENÃO Letra:Chico da Silva SE NÃO -

Letra:Chico da Silva

SE NÃO - formado por "SE" (conjunção condicional) + "NÃO" (advérbio). Equivale a "CASO NÃO".

Exemplo: Se não estudarem, não passarão no concurso. (= Caso não estudem, não passarão no concurso.)

SENÃO - equivalente a "CASO CONTRÁRIO", "EXCETO".

Exemplos: Estude bastante, senão você não terá sucesso. (= Estude bastante, caso contrário você não terá sucesso.)

Todos foram convidados para a festa, senão ela. (= Todos foram convidados para a festa, exceto ela.)

Espero que tenham compreendido a explicação, senão (= caso contrário) explicarei novamente. Se não (= Caso não) conseguirmos isso na próxima explicação, retomaremos o tema quantas vezes forem necessárias! :-)

 AGENTE X A GENTE Língua Portuguesa para ISS/Niterói Teoria e questões comentadas Prof. Fabiano

AGENTE X A GENTE

Língua Portuguesa para ISS/Niterói Teoria e questões comentadas Prof. Fabiano Sales Aula 00

e questões comentadas Prof. Fabiano Sales に Aula 00 AGENTE - é aquele que atua, exerce

AGENTE - é aquele que atua, exerce certo cargo ou determinada função (p. ex. procurador, delegado, administrador etc.).

Exemplo: O agente chegou cedo à repartição.

A GENTE - é uma expressão que representa a ideia de primeira pessoa do plural (nós), sendo de uso comum entre os falantes do português brasileiro. Entretanto, a forma verbal associada permanece na 3ª pessoa do singular.

Exemplo: A gente vai à praia amanhã.

DIA-A-DIA X DIA A DIA (segundo o Acordo Ortográfico da Língua Portuguesa)

Antes do Acordo Ortográfico da Língua Portuguesa, a expressão “dia-a-dia” era grafada com hífen (ou traço de união).

Exemplos: Nas escolas públicas, o dia-a-dia (= cotidiano) dos professores brasileiros é árduo.

Com a promulgação do mencionado acordo, o hífen (ou traço de união) foi abolido:

dia a dia.

Exemplos: Nas escolas públicas, o dia a dia dos professores brasileiros é árduo. (equivalendo a “cotidiano”, a expressão será um substantivo)

Estou melhorando minha performance dia a dia. (equivalendo a diariamente, a expressão será locução adverbial de tempo)

Língua Portuguesa para ISS/Niterói Teoria e questões comentadas Prof. Fabiano Sales に Aula 00 Se

Língua Portuguesa para ISS/Niterói Teoria e questões comentadas Prof. Fabiano Sales Aula 00

Se os prefixos acima antecederem palavras iniciadas por ‘R’ e ‘S’, estas consoantes serão duplicadas.

Exemplos: pseudo-homérico, neorrepublicano, protorrevolução, pseudossábio, semisselvagem, ultrassecreto, intra-auricular, auto-ônibus.

Dica estratégica: Os prefixos CO-, RE-, DES- e IN- não se enquadram na regra acima.

 

Exemplos: coerança (co + herança), coerdeiro (co + herdeiro), coabitar (co + habitar), coordenar (co + ordenar), cooperar (co + operar), cosseno (co + seno), cossecante (co + secante), correlação (co + relação), reabilitar (re + habilitar), reeditar (re + editar), reeleição (re + eleição), desonra (des + honra), desumano (des + humano), inábil (in + hábil), inabitável (in + habitável).

Exemplos: pseudo-homérico, neo-republicano, proto-revolução, pseudo-sábio, semi-selvagem,

ultra-secreto,

intraauricular,

autoônibus,

contra-indicação,

intra-ocular,

extra-oficial,

supra-

-excitação.

Exceção: extraordinário.

supra- -excitação. Exceção: extraordinário. É necessário tecer alguns comentários sobre a partícula

É necessário tecer alguns comentários sobre a partícula “mega-”:

a) segundo o sistema ortográfico antigo, o elemento “mega-não se une ao vocábulo posterior iniciado pelas consoantes R e S. Assim, seria correto duplicá-las: megarritual, megassucesso. (regra mantida pelo Acordo Ortográfico da Língua Portuguesa).

b) segundo o sistema ortográfico antigo, o elemento “mega-não se une ao vocábulo posterior por meio de hífen (ou traço de união), ainda que este seja iniciado por “h”: megadiversidade, megaevento, megaomenagem, megaipótese.

10. (FGV/Senado) A palavra megadiversidade foi grafada corretamente no texto. Assinale a alternativa em que, compondo-se palavra com o elemento mega-, obedeceu-se às regras de ortografia.

(A)

mega-homenagem

(B)

megaipótese

(C)

mega sucesso

(D)

megaritual

(E)

mega-evento

Comentário: Como a questão foi elaborada antes do Novo Acordo Ortográfico da Língua Portuguesa, vamos analisá-la à luz das regras antigas. Conforme vimos nas lições, não haverá hífen entre o falso prefixo “mega-“ e a palavra seguinte: megaomenagem, megaipótese, megaevento. Quando o vocábulo posterior for iniciado pelas consoantes R ou S, estas letras deverão ser duplicadas, o que foi mantido pelo Novo Acordo Ortográfico: megarritual, megassucesso. Logo, a letra B é o gabarito da questão.

Gabarito: B.

Língua Portuguesa para ISS/Niterói Teoria e questões comentadas Prof. Fabiano Sales に Aula 00 12.

Língua Portuguesa para ISS/Niterói Teoria e questões comentadas Prof. Fabiano Sales Aula 00

12. (FGV/Senado) Em não-efetivação, utilizou-se corretamente o hífen. Das palavras

abaixo, somente uma está correta. Assinale-a.

(A)

sócio-ambiental

(B)

tele-reportagem

(C)

macro-encefalia

(D)

trans-humano

(E)

sub-reptício

Comentário: Segundo o antigo sistema ortográfico, deveremos empregar hífen quando o prefixo sub- anteceder as letras b, h e r. Portanto, a grafia do vocábulo “sub-reptício” está correta.

Analisando as demais opções, percebemos que os elementos “sócio-“, “macro-“, “tele-“ e “trans-“ são pseudoprefixos, razão pela qual não serão seguidos de hífen: socioambiental, telerreportagem, macroencefalia e transumano.

Gabarito: E.

13. (FGV/Polícia Civil-RJ) Em inter-regionais, utilizou-se corretamente a regra do hífen

diante de palavras que se iniciam com a letra r. Assinale a alternativa em que isso não tenha ocorrido.

(A)

super-regional

(B)

sub-região

(C)

micro-região

(D)

intra-regional

(E)

pseudo-região

Comentário: Conforme vimos nas lições, emprega-se hífen nos prefixos SUPER-, INTER- e HIPER- que antecedem palavras iniciadas por ‘H’ e ‘R’. Portanto, “super-regional” está corretamente grafado. Com relação ao prefixo SUB-, haverá hífen sempre que anteceder as letras ‘B’, ‘R’ e ‘H’. Logo, “sub-região” o emprego do traço de união está correto. O erro de questão encontra-se na assertiva C, pois, segundo o sistema ortográfico antigo, o elemento “micro-“ é um pseudoprefixo, razão por que não haverá emprego de hífen. Como a palavra seguinte é iniciada por R, esta consoante deveria ter sido duplicada: microrregião.

Gabarito: C.

Língua Portuguesa para ISS/Niterói Teoria e questões comentadas Prof. Fabiano Sales に Aula 00 Importante

Língua Portuguesa para ISS/Niterói Teoria e questões comentadas Prof. Fabiano Sales Aula 00

Importante: O vocábulo Guiné-Bissau deve ser grafado com hífen por se tratar de forma consagrada pelo uso, mesmo após o Acordo Ortográfico da Língua Portuguesa.

Emprega-se hífen:

- nas palavras compostas por justaposição que constituem unidade sintática e semântica.

Exemplos: arco-íris, amor-perfeito, ano-luz, decreto-lei, guarda-chuva, guarda-roupa, manda-tudo, pára-brisa, pára-choque, pára-lama, pára-raios, professor-adjunto, secretário-geral, tenente-coronel.

professor-adjunto, secretário-geral, tenente-coronel. O novo acordo ortográfico aboliu o emprego do hífen em

O novo acordo ortográfico aboliu o emprego do hífen em palavras compostas que perderam a noção de composição.

Exemplos: mandachuva, paramédico, paraquedas, paraquedista, madressilva, girassol, pontapé.

Emprega-se hífen:

- nos compostos que designam espécies zoológicas e botânicas.

Exemplos: andorinha-do-mar, bem-me-quer, bem-te-vi, couve-flor, erva-doce, joão-de-barro, bico-de-papagaio, não-me-toques.

Língua Portuguesa para ISS/Niterói Teoria e questões comentadas Prof. Fabiano Sales に Aula 00 (C)

Língua Portuguesa para ISS/Niterói Teoria e questões comentadas Prof. Fabiano Sales Aula 00

(C)

distância

(D)

nível

(E)

níveis

Comentário: As palavras “relógio”, “deficiências”, “distância” e “níveis” são acentuadas por serem paroxítonas terminadas em ditongo crescente. Por sua vez, a palavra “nível” é acentuada por ser uma paroxítona terminada em “L”. Gabarito: D.

18. (FGV/Senado) A palavra êxito recebeu acento por se tratar de proparoxítona. Nas alternativas a seguir, em que todas as palavras estão propositalmente grafadas sem acento, uma naturalmente não receberia acento por não se tratar de proparoxítona. Assinale-a.

(A)

interim

(B)

rubrica

(C)

recondito

(D)

arquetipo

(E)

lúgubre

Comentário: O acento tônico da palavra “rubrica” recai na penúltima sílaba. Sendo assim, o vocábulo é classificado como paroxítono (e não deve ser acentuado). Todas as demais palavras são proparoxítonas, ou seja, o acento tônico recai na antepenúltima sílaba, sendo todas acentuadas graficamente: “ínterim”, “recôndito”, “arquétipo” e “lúgubre”.

Gabarito: B.

REGRAS ESPECÍFICAS

DITONGOS ABERTOS (ÉI, ÓI E ÉU)

Segundo as regras de acentuação gráfica, devemos empregar o acento agudo nos ditongos abertos das:

a) monossílabas tônicas: réis, céu, rói.

b) oxítonas: heróis, chapéu(s), papéis.

19. (FGV/Senado) Assinale a alternativa em que a palavra tenha sido acentuada seguindo regra distinta das demais.

(A)

previdência

(B)

diária

(C)

idéia

(D)

declínio

(E)

óbvia

Língua Portuguesa para ISS/Niterói Teoria e questões comentadas Prof. Fabiano Sales に Aula 00 Comentário

Língua Portuguesa para ISS/Niterói Teoria e questões comentadas Prof. Fabiano Sales Aula 00

Comentário: A palavra “idéia” é uma paroxítona acentuada no ditongo aberto “éi”. As demais palavras recebem acento gráfico por serem paroxítonas terminadas em ditongo oral.

Gabarito: C.

Dica estratégica!

O Novo Acordo

Ortográfico aboliu o emprego do acento agudo nos ditongos abertos EI e OI das palavras PAROXÍTONAS (ideia, geleia, epopeia, mocreia, jiboia, claraboia). Entretanto, segundo o VOLP, elaborado pela Academia Brasileira de Letras, o ditongo aberto ÓI, da palavra destróier, continua a ser acentuado, em virtude de o vocábulo ser paroxítono terminado em -R.

em virtude de o vocábulo ser paroxítono terminado em -R . ORLANDELI. Disponível em: <

ORLANDELI. Disponível em: <http://pribi.com.br/arte/acordo-ortografico-em-quadrinhos>.

HIATOS

“I” e “U” tônicos deveremos empregar o acento agudo nas vogais Ie Utônicas, desde que:

a) estejam sozinhas (ou seguidas de -s) na sílaba; e

b) não estejam antecedidas de vogal idêntica.

Exemplos: heroína (he-ro-í-na), saúde (sa-ú-de), balaústre (ba-la-ús-tre), feiúra (fei-ú-ra).

Língua Portuguesa para ISS/Niterói Teoria e questões comentadas Prof. Fabiano Sales に Aula 00 Ambas

Língua Portuguesa para ISS/Niterói Teoria e questões comentadas Prof. Fabiano Sales Aula 00

Ambas as condições acima são essenciais para que possamos acentuar a segunda vogal.

Observação: O “I” tônico, que antecede o grupo “NH” ou que forma sílaba com as consoantes L, M, N, R, Z, não recebe acento: bainha, moinho, Raul, Coimbra, caindo, cair, juiz.

Apresento, aqui, duas dicas de ouro para vocês:

Não empreguem o acento agudo nas palavras PAROXÍTONAS, quando as vogais “I” e “U” estiverem repetidas.

Exemplos: vadiice, sucuuba.

Cuidado

com

o

seguinte:

se

a

repetição

PROPAROXÍTONA, empreguem o acento agudo!

da

vogal

Exemplos: iídiche, seriíssimo, friíssimo.

“I”

ocorrer

em

palavra

20. (FGV/Senado) Assinale a alternativa em que a palavra indicada tenha sido acentuada por regra distinta das demais.

(A)

instituídas

(B)

transparência

(C)

remuneratório

(D)

Judiciário

(E)

Ministério

Comentário: A palavra “instituídas” foi acentuada por se enquadrar na regra do hiato: ins-ti-tu-í- -das. As demais palavras são paroxítonas terminadas em ditongo crescente oral.

Gabarito: A.

terminadas em ditongo crescente oral. Gabarito: A. Segundo o Novo Acordo Ortográfico, foi abolido o emprego

Segundo o Novo Acordo Ortográfico, foi abolido o emprego do acento agudo nas vogais “I” e “U” tônicas, antecedidas de ditongo, das palavras PAROXÍTONAS.

Exemplos: baiuca, bocaiuva, boiuna, feiura, Sauipe.

Porém, se essas vogais forem antecedidas de ditongo nas palavras OXÍTONAS, devemos empregar o acento agudo.

Exemplos: teiú, Piauí.

Língua Portuguesa para ISS/Niterói Teoria e questões comentadas Prof. Fabiano Sales に Aula 00 ORLANDELI.
Língua Portuguesa para ISS/Niterói Teoria e questões comentadas Prof. Fabiano Sales に Aula 00 ORLANDELI.

Língua Portuguesa para ISS/Niterói Teoria e questões comentadas Prof. Fabiano Sales Aula 00

e questões comentadas Prof. Fabiano Sales に Aula 00 ORLANDELI. Disponível em: <

ORLANDELI. Disponível em: <http://pribi.com.br/arte/acordo-ortografico-em-quadrinhos>.

O Acordo Ortográfico da Língua Portuguesa aboliu o emprego do acento circunflexo na

primeira vogal dos hiatos “-oo” e “-eem”.

Exemplos: voo, enjoo, abençoo, creem, deem, leem, veem.

Reforçando

O acento circunflexo foi abolido nas formas verbais finalizadas por “-eem” (verbos ler, dar,

ver e crer e respectivos derivados). Para memorizar esses verbos, gravem a frase:

LEDA PARA CRER.

Entretanto, no singular dessas formas verbais (e nos derivados), emprega-se o acento circunflexo.

Exemplos: ele crê / / / provê (pres. do indicativo); (que) ele (pres. do subjuntivo)

Língua Portuguesa para ISS/Niterói Teoria e questões comentadas Prof. Fabiano Sales に Aula 00 21.

Língua Portuguesa para ISS/Niterói Teoria e questões comentadas Prof. Fabiano Sales Aula 00

21. (FGV/CODEBA) Assinale a palavra que foi acentuada seguindo a mesma regra que três.

(A)

prevê

(B)

Até

(C)

além

(D)

é

(E)

país

Comentário: O vocábulo “três” é um monossílabo tônico, razão por que é acentuado. Entre as palavras apresentadas, somente a forma verbal “é”, encontrada na assertiva (D), obedece à mesma regra de acentuação (monossílaba tônica).

Gabarito: D.

ACENTOS DIFERENCIAIS São sinais gráficos que diferenciam:

a terceira pessoa do singular e a terceira pessoa do plural dos verbos TER e VIR e respectivos derivados. (regra mantida pelo novo acordo ortográfico)

Exemplos:

TER - Ele tem / Eles têm

VIR - Ele vem / Eles vêm

MANTER - Ele mantém / Eles mantêm

DETER - Ele detém / Eles detêm

CONVIR - Ele convém / Eles convêm

INTERVIR - Ele intervém / Eles intervêm

Eles convêm INTERVIR - Ele intervém / Eles intervêm O Acordo Ortográfico da Língua Portuguesa aboliu

O Acordo Ortográfico da Língua Portuguesa aboliu o acento diferencial dos homônimos acima apresentados. Sendo assim, para que identifiquemos a classe gramatical do vocábulo, deveremos analisar o contexto em que se insere.

os homônimos: (regra segundo o novo acordo ortográfico)

PARA (verbo) ≠ PARA (preposição)

Língua Portuguesa para ISS/Niterói Teoria e questões comentadas Prof. Fabiano Sales に Aula 00 Exemplos:

Língua Portuguesa para ISS/Niterói Teoria e questões comentadas Prof. Fabiano Sales Aula 00

Exemplos: O jogador corre e para rapidamente. (verbo) Deram um prêmio para mim. (preposição)

PELO (substantivo) ≠ PELO (verbo) ≠

PELO (preposição)

Esse cachorro tem pelo marrom. (substantivo) A moça disse: “ – Pelo a perna”. (verbo “pelar”) O ladrão saiu pelo basculante. (preposição)

PELA (substantivo) ≠ PELA (verbo) ≠ PELA (preposição)

Fulano é um pela . (substantivo = chato ) Aquela senhora pela o buço. (verbo

Fulano é um pela. (substantivo = chato)

Aquela senhora pela o buço. (verbo “pelar”)

O ladrão fugiu pela janela. (preposição)

Língua Portuguesa para ISS/Niterói Teoria e questões comentadas Prof. Fabiano Sales Aula 00

as formas verbais a seguir: (regra mantida pelo novo acordo ortográfico)

PODE (presente) ≠ PÔDE (pretérito perfeito)

Exemplos:

Ele pode assumir o cargo. (presente do indicativo) Ele pôde assumir cargo. (pretérito perfeito do indicativo)

PÔR (verbo) ≠ POR (preposição)

Exemplos:

Era para eu pôr o livro sobre a estante.

O ladrão fugiu por ali.

TREMA

Segundo o sistema ortográfico anterior ao novo acordo ortográfico, emprega- se o trema no “Ü” átono e pronunciado (semivogal) dos grupos GUE, GUI, QUE, QUI.

Exemplos: lingüiça, freqüente, cinqüenta.

QUI . Exemplos: ling ü iça, freq ü ente, cinq ü enta. A partir do novo

A partir do novo acordo ortográfico, não se emprega o trema no “Ü” átono e pronunciado (semivogal) dos grupos GUE, GUI, QUE, QUI.

Exemplos: linguiça, frequente, cinquenta.

QUE, QUI . Exemplos: ling u iça, freq u ente, cinq u enta. Prof. Fabiano Sales
Língua Portuguesa para ISS/Niterói Teoria e questões comentadas Prof. Fabiano Sales に Aula 00 É

Língua Portuguesa para ISS/Niterói Teoria e questões comentadas Prof. Fabiano Sales Aula 00

e questões comentadas Prof. Fabiano Sales に Aula 00 É importante chamar a atenção de vocês

É importante chamar a atenção de vocês para dois detalhes:

a) a retirada do trema não altera a pronúncia das palavras; e

b) o trema permanece em palavras derivadas de nomes próprios estrangeiros.

Exemplos: mülleriano (de Müller), hübneriano (de Hübner).

mülleriano (de Müller ), hübneriano (de Hübner ). ORLANDELI. Disponível em: <

ORLANDELI. Disponível em: <http://pribi.com.br/arte/acordo-ortografico-em-quadrinhos>.

Língua Portuguesa para ISS/Niterói Teoria e questões comentadas Prof. Fabiano Sales に Aula 00 22.

Língua Portuguesa para ISS/Niterói Teoria e questões comentadas Prof. Fabiano Sales Aula 00

22. (FGV/Polícia Civil-RJ) Assinale a alternativa em que o termo tenha sido acentuado seguindo regra distinta dos demais.

(A)

difíceis

(B)

Concluída

(C)

próprio

(D)

conseqüências

(E)

solidários

Comentário: Vamos analisar as opções.

A) A palavra “difíceis” foi acentuada por ser paroxítona terminada em ditongo.

B) O vocábulo “concluída” enquadra-se na regra dos hiatos: con-clu-í-da. Por essa

razão, foi acentuado.

C) “Próprio” é acentuado por ser paroxítona terminada em ditongo.

D) O substantivo “conseqüências” também foi acentuado por ser uma palavra paroxítona terminada em ditongo. Vale lembrar que, como a questão foi elaborada anteriormente ao Acordo Ortográfico da Língua Portuguesa, o emprego do trema no grupo QÜ está correto. E) Por sua vez, “solidários” também foi acentuado por se enquadrar da regra dos paroxítonos terminados em ditongo.

Logo, o gabarito da questão é a letra B.

Gabarito: B.

23. (FGV-2015/TJ-BA/Analista) No texto, a palavra “bem-intencionada” aparece grafada com hífen; o Novo Acordo Ortográfico diz que “Nas palavras em que o primeiro elemento é bem-, a regra geral é o emprego do hífen, não importando se o segundo elemento começa por vogal ou consoante”. Sobre esse caso, a afirmação correta é:

(A)

a palavra foi mal grafada, pois deve ser escrita sem hífen;

(B)

a palavra foi bem grafada já que se trata da junção de um advérbio de modo +

adjetivo;

(C) a palavra foi bem grafada, pois se trata de um adjetivo composto com um elemento de valor prefixal;

(D)

a palavra foi mal grafada, visto que não se trata de um vocábulo, mas de dois;

(E)

a palavra foi bem grafada, pois houve mudanças nesse emprego, com as novas

regras.

Comentário: O composto ‘bem-intencionada’ foi corretamente grafado com hífen, pois, no vocábulo, o elemento “bem” tem valor prefixal (equivale a um prefixo). Logo, a letra (C) é a resposta da questão.

Gabarito: C.

Língua Portuguesa para ISS/Niterói Teoria e questões comentadas Prof. Fabiano Sales に Aula 00 24.

Língua Portuguesa para ISS/Niterói Teoria e questões comentadas Prof. Fabiano Sales Aula 00

24. (FGV-2015/TJ-BA/Analista) “chegaram a um lugar onde o caminho era

estreito”; nesse segmento do texto ocorre o emprego correto do vocábulo sublinhado. A frase abaixo em que o emprego do mesmo vocábulo também mostra correção é:

(A)

Os soldados sentiram desespero pelo momento onde todos estavam.

(B)

Em função do mau tempo por onde passavam, decidiram mudar o caminho.

(C)

No final da tarde, onde as nuvens se escondiam, tudo era mais perigoso.

(D)

Na viagem, onde tudo era desconhecido, as surpresas preocupavam.

(E)

No meio da noite, onde o medo aumenta, o comandante tranquilizava a todos.

Comentário: A letra (B) é a resposta da questão. No contexto, a forma “onde” refere- se ao lugar por que passavam, sendo correto seu emprego. Nas demais opções, as respectivas correções são:

a)

Os soldados sentiram desespero pelo momento em que estavam.

c)

No final da tarde, quando as nuvens se escondiam, tudo era mais perigoso.

d)

Na viagem, quando tudo era desconhecido, as surpresas preocupavam.

e)

No meio da noite, quando o medo aumenta, o comandante tranquilizava a todos.

Gabarito: B.

25. (FGV-2015/DPE-RO/Técnico Administrativo) Na pergunta “Por que muitos

continuam usando os remédios de marca”, a forma de “Por que” aparece grafada corretamente; a frase em que a forma sublinhada é igualmente correta é:

(A)

Os médicos sabem porquê indicam os genéricos.

(B)

Desconheço a razão porque eles tomam remédios de marca.

(C)

Os genéricos são mais baratos por que não pagam impostos.

(D)

Os pacientes preferem os genéricos por que?

(E)

Queria saber o porquê de os genéricos venderem mais.

Comentário: Nosso gabarito é encontrado na assertiva (E). No contexto, a forma

“porquê” (junta e com acento) está antecedida do artigo definido ‘o’, termo que a substantivou. Logo, esse é o emprego correto. Nas demais opções, as respectivas correções são:

a) Os médicos sabem porque indicam os genéricos.

b) Desconheço a razão por que eles tomam remédios de marca.

c) Os genéricos são mais baratos porque não pagam impostos.

d) Os pacientes preferem os genéricos por quê?

Gabarito: E.

Língua Portuguesa para ISS/Niterói Teoria e questões comentadas Prof. Fabiano Sales に Aula 00 26.

Língua Portuguesa para ISS/Niterói Teoria e questões comentadas Prof. Fabiano Sales Aula 00

26. (FGV-2015/DPE-RO/Analista em Redação) O perfeito conhecimento ortográfico é indispensável ao bom redator; assinale a opção em que só uma das formas gráficas é considerada correta:

(A)

verruga / berruga;

(B)

abóbada / abóboda;

(C)

garagem / garage;

(D)

selvícola / silvícola;

(E)

delapidar / dilapidar

Comentário: Nossa resposta é encontrada na opção (E). O verbo “dilapidar” tem origem na forma latina dilapidare e significa “desperdiçar, esbanjar”. De acordo com grande parte dos linguistas, é a única forma correta. Entretanto, a questão deveria ter sido anulada, uma vez que dicionários também apresentam a existência de “delapidar” como sinônima de “dilapidar”. No entanto, esta última é a mais usual e mais bem aceita pelos falantes do idioma, posicionamento atual da banca examinadora. Nas demais opções, ambas as estruturas são pacificamente consideradas formas corretas, sendo mais aceitas as seguintes: verruga, abóbada, garagem e silvícola. As demais, apesar de não serem preferenciais, também são dicionarizadas e, portanto, consideradas certas. Apenas a título de curiosidade, a palavra “garagem” é a forma aportuguesada de “garage”, do idioma francês. Se eu estivesse em uma prova discursiva, entretanto, certamente optaria pela forma aportuguesada “garagem”, a fim de evitar qualquer problema com o examinador.

Gabarito: E.

27. (FGV-2015/Prefeitura de Cuiabá/Técnico em Patologia) “A questão acerca

da aposentadoria das mulheres

”.

Assinale a opção que indica a expressão sublinhada que está corretamente grafada.

(A)

Há cerca de dez dias todos os políticos defendiam a aposentadoria.

(B)

As mulheres trabalham acerca de cinco anos menos que os homens.

(C)

A discussão na Câmara era a cerca da lei de aposentadoria.

(D)

Nada se discutiu a cerca da nova lei.

(E)

Estamos acerca de dez dias do final do ano.

Comentário: A letra (A) é a resposta da questão. No contexto, o examinador empregou corretamente a expressão “há cerca de”, em que o verbo ‘haver’ está na acepção de tempo decorrido, pretérito. Logo, esse é nosso gabarito. Nas demais opções, as respectivas correções são:

b) As mulheres trabalham cerca de cinco anos menos que os homens.

c) A discussão na Câmara era acerca da lei de aposentadoria.

d) Nada se discutiu acerca da nova lei.

e) Estamos a cerca de dez dias do final do ano.

Gabarito: A.

Língua Portuguesa para ISS/Niterói Teoria e questões comentadas Prof. Fabiano Sales に Aula 00 28.

Língua Portuguesa para ISS/Niterói Teoria e questões comentadas Prof. Fabiano Sales Aula 00

28. (FGV-2015/Prefeitura de Cuiabá/Agente Comunitário de Saúde) “O menino aprendeu a USAR as palavras.”

O verbo em destaque nesse verso é escrito com “S”, porque deriva da palavra USO, que também apresenta a letra “S” em sua última sílaba. Com base nessas informações, marque a alternativa em que aparece palavra escrita com “S” pela mesma razão citada.

a) quis

b) ser

c) mostrar

d) gostava

e) avisar

Comentário: A letra (E) gabarita a questão. A palavra “avisar”, grafada com “S”, advém de “aviso”, vocábulo que também contém a citada consoante. Portanto, a grafia está em consonância com o comando do enunciado. Vale destacar, ainda, a correta grafia da forma verbal “quis” (com a consoante “S”), derivada do verbo “querer”. Grafá-la com “Z” (quiz) resultaria em um desvio ortográfico.

Gabarito: E.

Língua Portuguesa para ISS/Niterói Teoria e questões comentadas Prof. Fabiano Sales に Aula 00 LISTA

Língua Portuguesa para ISS/Niterói Teoria e questões comentadas Prof. Fabiano Sales Aula 00

LISTA DAS QUESTÕES COMENTADAS NA AULA

1. (FGV/Senado) O vocábulo anabolizar está grafado corretamente. Assinale a

alternativa em que haja pelo menos uma palavra com erro de grafia.

(A)

profissionalizar pesquisar

(B)

paralizar realizar

(C)

hostilizar analisar

(D)

indenizar inferiorizar

(E)

informatizar ironizar

2.

(FGV/Senado) “Em primeiro lugar, não estão em xeque as inegáveis e

insubstituíveis virtudes que os mercados possuem quando funcionam de maneira mais livre, sem interferências externas, na alocação dos recursos.”

No trecho acima, grafou-se corretamente a palavra xeque, de acordo com o sentido pretendido no texto. Assinale a alternativa em que não se tenha mantido correção gráfica ao utilizar a palavra destacada.

(A)

Finalmente o enxadrista deu o xeque-mate.

(B)

Com ética e consciência cidadã, o povo dará um cheque à corrupção.

(C)

Chegou em visita ao Congresso o xeque árabe.

(D)

Porque estava sem talão, teve de pedir um cheque avulso.

(E)

Deixe que eu cheque a lista de passageiros.

3.

(FGV/Senado) Assinale a alternativa em que todas as palavras estejam

corretamente grafadas.

(A)

pudico decúbico

(B)

rúbrica déficit

(C)

impecílio hojeriza

(D)

disenteria privilégio

(E)

possue discreção

4. (FGV/Polícia Civil-RJ-Adaptada) Julgue o item a seguir.

No período “As idéias dela sempre vêm de encontro às minhas, ou seja, sempre concordamos um com o outro.”, a expressão em destaque está de acordo com as regras ortográficas e com a adequação vocabular.

5. (FGV/Polícia Civil/RJ-Adaptada) “Concluída a fusão dos mercados, em vez de

rumar para a integração política e consolidar seu protagonismo na cena mundial, a

Europa faz da integração um utensílio da exclusão. Claro está que Bruxelas não pode evitar a deriva à direita de certos Estados, mas tampouco necessita servir à regionalização da xenofobia.” A respeito do trecho acima, analise o item a seguir:

I. A expressão em vez de não poderia ser substituída, no trecho, por ao invés de.

Língua Portuguesa para ISS/Niterói Teoria e questões comentadas Prof. Fabiano Sales に Aula 00 6.

Língua Portuguesa para ISS/Niterói Teoria e questões comentadas Prof. Fabiano Sales Aula 00

6. (FGV/Prefeitura de Campinas) “Ninguém sabe aonde essa transformação vai

chegar.” Uma das freqüentes dificuldades no uso da língua reside na opção entre o uso do onde e do aonde, grifado na frase acima.

Assinale a alternativa em que não se tenha empregado a forma correta.

(A)

As escolas onde estivemos estavam bem conservadas.

(B)

Estivemos naquela cidade onde se deu o encontro de professores.

(C)

Sabemos onde nossos projetos pretendem chegar.

(D)

A nossa preocupação era onde entregar os relatórios.

(E)

Haveria, sempre, um lugar onde pudéssemos descansar nossas angústias.

7. (FGV/TRE-PA) Partidos devem ir às ruas explicar para os cidadãos por que

existem e quais são suas propostas. No período acima, empregou-se corretamente a forma POR QUE. Assinale a alternativa em que isso NÃO tenha ocorrido.

(A) O povo não entende por que os partidos políticos se esquivam de se apresentar

claramente.

(B) Nem sempre é fácil entender as modificações por que passam os partidos

políticos.

(C) As pessoas desejam entender por que, nas relações entre os partidos políticos,

as alianças rapidamente se dissolvem.

(D) Às vezes sem saber por que, o povo escolhe determinados candidatos para

cargos importantes.

(E)

Na realidade, o povo sabe por que deve escolher bem seus representantes.

8.

(FGV/CODESP) O aproveitamento das oportunidades que estão surgindo é

valioso porque, além da realização pessoal na vida profissional, é um atalho para melhorar dos níveis de renda e de bem-estar de fatias cada vez maiores da população brasileira. No trecho acima, empregou-se corretamente uma das formas do porquê. Assinale a alternativa em que isso não tenha ocorrido.

(A) Sem ter por quê, em se falando de habilidades, discutir mais profundamente,

calamo-nos.

(B)

Vamos destacar as habilidades por que somos conhecidos.

(C)

Ele esperava saber por que, naquele departamento, sua habilidade não era

valorizada.

(D)

Porque nossa habilidade não era valorizada não íamos demonstrá-la?

(E)

Não conseguimos saber por quê, mas tentamos.

9. (FGV/SERC-MS) Perguntei por que ele não tocava mais piano. Assinale a alternativa correta acerca do uso do porquê na frase acima.

(A) A forma está correta, pois corresponde à preposição POR + o pronome relativo

QUE.

(B) A forma está correta, pois é uma conjunção, sendo, nesse caso, sempre grafada

como duas palavras.

Língua Portuguesa para ISS/Niterói Teoria e questões comentadas Prof. Fabiano Sales に Aula 00 (C)

Língua Portuguesa para ISS/Niterói Teoria e questões comentadas Prof. Fabiano Sales Aula 00

(C) A forma está correta, pois equivale a "por qual razão", caracterizando uma pergunta indireta.

(D) A forma está incorreta, pois a forma com duas palavras só se usa em perguntas.

O correto seria PORQUE.

(E) A forma está incorreta, pois, embora seja grafada com duas palavras, a forma

QUE deveria levar acento circunflexo.

10. (FGV/Senado) A palavra megadiversidade foi grafada corretamente no

texto. Assinale a alternativa em que, compondo-se palavra com o elemento mega-, obedeceu-se às regras de ortografia.

(A)

mega-homenagem

(B)

megaipótese

(C)

mega sucesso

(D)

megaritual

(E)

mega-evento

11.

(FGV/SEFAZ-RJ) Em antimaterialista, utilizou-se corretamente a regra de

emprego do hífen com o prefixo anti-. Assinale a alternativa em que isso não tenha ocorrido.

(A)

anti-higiênico

(B)

antiaéreo

(C)

anti-rábico

(D)

anti-semita

(E)

anti-inflacionário

12.

(FGV/Senado) Em não-efetivação, utilizou-se corretamente o hífen. Das

palavras abaixo, somente uma está correta. Assinale-a.

(A)

sócio-ambiental

(B)

tele-reportagem

(C)

macro-encefalia

(D)

trans-humano

(E)

sub-reptício

13. (FGV/Polícia Civil-RJ) Em inter-regionais, utilizou-se corretamente a regra do hífen diante de palavras que se iniciam com a letra r. Assinale a alternativa em que isso não tenha ocorrido.

(A)

super-regional

(B)

sub-região

(C)

micro-região

(D)

intra-regional

(E)

pseudo-região

Língua Portuguesa para ISS/Niterói Teoria e questões comentadas Prof. Fabiano Sales に Aula 00 14.

Língua Portuguesa para ISS/Niterói Teoria e questões comentadas Prof. Fabiano Sales Aula 00

14. (FGV/Polícia Civil-RJ) Em inospitaleiras, ao se juntar o prefixo à palavra

hospitaleiras, houve perda da letra h. Assinale a alternativa em que a junção dos dois elementos se deu de forma incorreta, provocando erroneamente a perda da letra h.

(A)

subumano

(B)

megaomenagem

(C)

panispânico

(D)

multiabilidoso

(E)

socioistórico

15.

(FGV/Senado-Adaptada) “Podemos caracterizar as economias bem-

sucedidas do pós-guerra, mas não podemos apontar com segurança os fatores que selaram seu êxito nem os fatores sem os quais elas poderiam ter sido exitosas.”

A respeito do trecho acima, analise os itens a seguir:

I. O antônimo de bem-sucedidas é “malsucedidas”.

II. A palavra pós-guerra é grafada com hífen, assim como toda palavra que trouxer o prefixo “pós-”.

16. (FGV/SERC-MS) Assinale a alternativa em que o vocábulo não tenha sido

acentuado pela mesma regra que os demais.

(A)

atrás

(B)

(C)

ninguém

(D)

vovó

(E)

você

17.

(FGV/CODESP) Assinala a palavra que tenha sido acentuada por regra

distinta das demais.

(A)

relógio

(B)

deficiências

(C)

distância

(D)

nível

(E)

níveis

18.

(FGV/Senado) A palavra êxito recebeu acento por se tratar de

proparoxítona. Nas alternativas a seguir, em que todas as palavras estão propositalmente grafadas sem acento, uma naturalmente não receberia acento por não se tratar de proparoxítona. Assinale-a.

(A)

interim

(B)

rubrica

(C)

recondito

(D)

arquetipo

(E)

lúgubre

Língua Portuguesa para ISS/Niterói Teoria e questões comentadas Prof. Fabiano Sales に Aula 00 19.

Língua Portuguesa para ISS/Niterói Teoria e questões comentadas Prof. Fabiano Sales Aula 00

19. (FGV/Senado)Assinale a alternativa em que a palavra tenha sido acentuada

seguindo regra distinta das demais.

(A)

previdência

(B)

diária

(C)

idéia

(D)

declínio

(E)

óbvia

20.

(FGV/Senado) Assinale a alternativa em que a palavra indicada tenha sido

acentuada por regra distinta das demais.

(A)

instituídas

(B)

transparência

(C)

remuneratório

(D)

Judiciário

(E)

Ministério

21.

(FGV/CODEBA) Assinale a palavra que foi acentuada seguindo a mesma

regra que três.

(A)

prevê

(B)

Até

(C)

além

(D)

é

(E)

país

22. (FGV/Polícia Civil-RJ) Assinale a alternativa em que o termo tenha sido acentuado seguindo regra distinta dos demais.

(A)

difíceis

(B)

Concluída

(C)

próprio

(D)

conseqüências

(E)

solidários

23.

(FGV-2015/TJ-BA/Analista) No texto, a palavra “bem-intencionada” aparece

grafada com hífen; o Novo Acordo Ortográfico diz que “Nas palavras em que o primeiro elemento é bem-, a regra geral é o emprego do hífen, não importando se o segundo elemento começa por vogal ou consoante”. Sobre esse caso, a afirmação correta é:

(A)

a palavra foi mal grafada, pois deve ser escrita sem hífen;

(B)

a palavra foi bem grafada já que se trata da junção de um advérbio de modo +

adjetivo;

(C) a palavra foi bem grafada, pois se trata de um adjetivo composto com um elemento de valor prefixal;

(D)

a palavra foi mal grafada, visto que não se trata de um vocábulo, mas de dois;

(E)

a palavra foi bem grafada, pois houve mudanças nesse emprego, com as novas

regras.

Língua Portuguesa para ISS/Niterói Teoria e questões comentadas Prof. Fabiano Sales に Aula 00 24.

Língua Portuguesa para ISS/Niterói Teoria e questões comentadas Prof. Fabiano Sales Aula 00

24. (FGV-2015/TJ-BA/Analista) “chegaram a um lugar onde o caminho era

estreito”; nesse segmento do texto ocorre o emprego correto do vocábulo sublinhado. A frase abaixo em que o emprego do mesmo vocábulo também mostra correção é:

(A)

Os soldados sentiram desespero pelo momento onde todos estavam.

(B)

Em função do mau tempo por onde passavam, decidiram mudar o caminho.

(C)

No final da tarde, onde as nuvens se escondiam, tudo era mais perigoso.

(D)

Na viagem, onde tudo era desconhecido, as surpresas preocupavam.

(E)

No meio da noite, onde o medo aumenta, o comandante tranquilizava a todos.

25.

(FGV-2015/DPE-RO/Técnico Administrativo) Na pergunta “Por que muitos

continuam usando os remédios de marca”, a forma de “Por que” aparece grafada corretamente; a frase em que a forma sublinhada é igualmente correta

é:

(A)

Os médicos sabem porquê indicam os genéricos.

(B)

Desconheço a razão porque eles tomam remédios de marca.

(C)

Os genéricos são mais baratos por que não pagam impostos.

(D)

Os pacientes preferem os genéricos por que?

(E)

Queria saber o porquê de os genéricos venderem mais.

26. (FGV-2015/DPE-RO/Analista em Redação) O perfeito conhecimento ortográfico é indispensável ao bom redator; assinale a opção em que só uma das formas gráficas é considerada correta:

(A)

verruga / berruga;

(B)

abóbada / abóboda;

(C)

garagem / garage;

(D)

selvícola / silvícola;

(E)

delapidar / dilapidar

27. (FGV-2015/Prefeitura de Cuiabá/Técnico em Patologia) “A questão acerca

da aposentadoria das mulheres

”.

Assinale a opção que indica a expressão sublinhada que está corretamente grafada.

(A)

Há cerca de dez dias todos os políticos defendiam a aposentadoria.

(B)

As mulheres trabalham acerca de cinco anos menos que os homens.

(C)

A discussão na Câmara era a cerca da lei de aposentadoria.

(D)

Nada se discutiu a cerca da nova lei.

(E)

Estamos acerca de dez dias do final do ano.

Língua Portuguesa para ISS/Niterói Teoria e questões comentadas Prof. Fabiano Sales に Aula 00 28.

Língua Portuguesa para ISS/Niterói Teoria e questões comentadas Prof. Fabiano Sales Aula 00

28. (FGV-2015/Prefeitura de Cuiabá/Agente Comunitário de Saúde) “O menino aprendeu a USAR as palavras.”

O verbo em destaque nesse verso é escrito com “S”, porque deriva da palavra USO, que também apresenta a letra “S” em sua última sílaba. Com base nessas informações, marque a alternativa em que aparece palavra escrita com “S” pela mesma razão citada.

a) quis

b) ser

c) mostrar

d) gostava

e) avisar

GABARITO

1. B 12. E 2. B 13. C 3. D 14. C 4. Incorreto 15.
1. B 12. E 2. B 13. C 3. D 14. C 4. Incorreto 15.
1. B 12. E 2. B 13. C

1. B

12. E

2. B

13. C

3. D

14.

C

4. Incorreto

15.

I. Correto

II. Incorreto

5. Incorreto

16.

B

6. C

17.

D

7. D

18.

B

8. A

19.

C

9. C

20.

A

10.

B

21.

D

11.

E

22.

B

23.

C

24.

B

25.

E

26.

E

27.

A

28.

E

Bons estudos e até o próximo encontro!

Forte abraço!

Prof. Fabiano Sales.