Você está na página 1de 2

·~ ..•.

.".
~ . ~.' i ~

d
'Q
( .~
'.')
"~Y
~.
~ 1:(\J~.
-~
:~ ;/.J..1.. ,.' '-
. ~
:.~ ~...
::J ..
tM
.' .. ';..
O·~
+-?
"'~.'

empreendedorismo
ma~inc um lugar cm que existe quem nasce na C<1pitalcostuma pergun- na - Caxias sedia cerca de 2 <XX) em-
IJma empresa para cada 14 pes- tar qual faculdade vai cursar e em q12l presas de setores dinâmicos. como o
soas. E onde. apesar da rerra.ção empresa vai tr-.lbalhar. Já para os nas- automotivo. o metal-mccànico e o ele-
d3 economia. foram .lbcnos 532 cidos em Caxias. que abriga UITL.1. uni- troeletrônico, que empregam 30000
gócios cr.ue j:meiro c setembro des- versidade com 32 000 alunos. a ques· funcionários. Na contramão da econo-
ano - no mesmo período de 2002 tão que se coloca é que negócio deve- mia brasileira. Caxi~ é lima cidade emi-
ram 4S 1. O empreendedonsmo pa- rá abrir ql1.:lndoCTe.."C'er.
"Encomrei aqui nentementc industrial: suas fábricas res-
::c estar no DNA. dos 3bO OOj.habi- um espírilo empreendedor que não VI pondem por 60% da nqueu local. No
ntcs oe CaxiJ...<;do Sul. a metrópole em ourro lugar"', diz José Rubçns De pai:;. a indústria rcpn..:scnt.:J.
339'c do PIB .
.Serra Gaúcha. localizada a ]30 qui·· L1 Rosa. pauüstano quc há seis anos é Produz-se prarjca.meme de rudo no
meffi1S de Pono Alegre. FunctJ.da por dircwí-geral da Marcopolo. um do:;: IX310 regional liderado por Caxi~L<;. on-
IÍgrdIltC., Iwi:JnO'S ào Vênclo. da Lom- rnaiores f:1bric:mtes mun(1iais de ôni- de vivcm ~OO 000 pessoas. fomlado
~dia c ,10 Pi-:rnonte. que chegaram bus. "As pe:-;soas fazem acontecer. E. por cidades como Bemo Gonçalves.
n 1875. Ceda.<; tI:msfonnou-se I:lpi- talvez. W1U das únicas cid~d~ que não huroupiU1a. Carlos Barbosa.. Ganbal-
JJlCllll~num dos lrrtis ímpon;uHcs pó- p~.ram P.O Carnaval." dl e !lores da Cunha. 1"\ rcgião é berço
s econônucos do sul do país. A vo- t\ economia dl~C:Lxia....Caf""JCleriza- de nomes fort~~ do varejo, como Lo-
.ç.10 emprcccldedolõl dos caxicn:ics ~;epor uma enorme di'vcP.>ltLtde.Num jas Colombo e Lojas Amo. Abriga os ,
TOU até urna anedota qut' circula en- ambiente em que ;l.'\ p:-opriedaJcs ruo QGs lk empresas com atllaç30 inter-
: os cmpre<.;á.rios locnb. Se~"t1ndo ela. rais sIio pequenas. a indúsU"Ja pn:domi- nacional, a ~Xr;mplo d'-l ,\larcolX'lo, da

AMl:/12 DE NOVEM8RO DE 2003 A7


=;;~=---~
.._~_~ ~_.M·. __

.•.

no México, na África do Sul. na Co-


lômbia e na China - as receitas ex-
ternas corresponderam no ano passa-
do a 62% de seu faruramento de 1.5
bilhão de dólares. A Marcopolo fez es-
cola: atualmente, as exponações re-
presentam 14% do faturamento das in-
dústrias de Caxias - a média nacio-
~ naI é 8%. Esse caminho é seguido por
~ empresas de menor porte, como a For-
~ ma Inox. fabricante de utensílios para
fondue e utensílios domésticos, dona
Randon e da Tramontina.. É endereço calizadas e começaram a repassar mui- de um faturamento anual de 15 milhões
de fabricantes de móveis do porte de tas de suas atividades", diz Fonseca. de reais. Com 70 empregados. autorna-
Todeschini. Horense.. DeU' Anno e Soc- Hqje com 14 funcionários. a Pertiline tizada e informaúzada. a Forma lnox
caro. Pfl."XÍuzos vinhos nacionais mais deve dobrar de tamanho em relação ao coma. em seu portfólio com clientes até
conhecidos. como Miolo, Valduga, Sal- ano passado. com receita de 1 milhão da Suíça, a pátria da fondue. atraidos
ton e Aurora. "A diversificação deixa de reais. "Estava com 52 anos c resol- pelo design de suas peças. "lá vende-
a região menos suscetível ao sobe-e- vi aproveitar as oporrunídades que Ca- mos mais de 50 000 aparelhos de fon-
de...'Ceda economia· .••diz Olívio Viec- rias oferece", afirma Fonseca_ due aos suíços", diz José Antônio We-
celi. diretor e.xecutivo da Câmara de 1ão arraigada quanto o empreende- ber. proprietário da Forma.
Indústria. Comércio e Serviços de Ca- dorismo é a vocação de imernaciona- Inovação e design, por sinal, são dU3S
xias do Sul. "Aqui produzimos de pa- palavras em voga no vocabulário dos
rafusos a caminhões fora-de-estrada empreendedores de Caxias. "lJrna re-
Somos uma rníní São Panlo." gião expomdora não pode copiar". diz
Só em Caxias, há 25 (XX) empresas. o arquiteto Paulo Benuss!. especialis-
que garantem l07 000 empregos com [a é:m design industrial. Esse rr.anàa.-
carteira registrada a seus moradores - mento é seguido até por quem ainda
.;;em contar os das cidades vizinhas. não ultrapassou ac; fronteiras nacionais.
Um punhado delas. como a Randon.. como a Coza.. que produz lu.rniúárias.
fabncame de carrocerias para cami- anigos de decoração e :.tteftsí!jos do-
nhões. com 5 200 funcionários. ou a mésticos de plástico. Durante muito
\hrcopo!o. com 9 000. seria conside- tempo. u Coza investia a:xnas na fun- .
rado grande em seus setores em qual- c:ionalidade de seus produtos. Essa si-
quer lugar do mundo. Mas o que pre- tuação começou a.mudar há três anos.
domina mesmo na cidade são as mi- quando as irmãs Crisrina, Daniela e
era e pequenas empresas. que consti- Manuela. da segunda geração dü famí-
tuem 989é dos negócios. lia Zatti. controladora da empres2... as-
Por trás delas há um exército de em- sUIniram o comando. A jJrioridade ao
preendedores anônimos, como Gilber- desigll deu frutos: da chegada. da. mn-
to Fonseca. Ele é dono da Perfiline. fa- ca à direção. a Coza já coaquistou ~-
bricantC' de perfis e6pcciais de ir.ox P- te prêmios nacionais de d~ign. Ao mes-
açu carbono utilizados nos setores mo- mo tempo. seu fatur.:unenlO se mulu-
\'elciro. autornctivo. de {ransportes e plicou por 10.chegundo aos 14 mi1,C>es
da construção civil. Em 2001. Fof1.Sl:- de reais pre\iiSlO~ para este ano. O mí-
ca, fOm1ado em engenharia mecinica. mero de empregados tarnhém cresceu
deixuu para trás um emprego de 11 lização das empresas caxicnscs. Em - de 25 paro 70. "Já poderíamos el>tar
anos na Ghcta1. empresa de equipa- alguns caso~.li(eralmcnle !illcando fi- expon.1J1do.mas ainda não damos con-
mentos para a construção civiL para liais lá fora. Uma das pioneiras. a Mar- ta do mercado interno", diz Daniela.
montar a Pertiline. de olho nas opor- cepolo abriu sua primeira fábrica no respom;ávcl pela administrução e CÇ>-
tunidad~s geradas pela tcrcciri:z.açáo, exterior em 1991. em Portugal. Hoje mcmcli~ão da Coza.
uAs c:mpre5as Jocais eram muito veni- seus ônibus são produzidos também • WIANA twOfTCH

A8 EXAN.E/12 DE NOVEMBRO Df 2003