Você está na página 1de 35
UNIVERSIDADE FEDERAL DO AMAZONAS ARQUITETURA E URBANISMO P R O F E S S O

UNIVERSIDADE FEDERAL DO AMAZONAS

ARQUITETURA E URBANISMO

P

R O F E S S O R :

 

D A N I E L

P

R O J E TO

I

I

-

C E N T R O

DESENVOLVIMENTO DE PROJETO U R B A N O
DESENVOLVIMENTO DE PROJETO
U R B A N O

A L FA I A S O C I A L

MANAUS, 2016

A N N A

PAU L A

M E D E I R O S

F O N T E S A D R I A N E PAT R Í C I A

B R E N D A

D E S I R E E H E L E N T H AYA N I E

UNIVERSIDADE FEDERAL DO AMAZONAS ARQUITETURA E URBANISMO DESENVOLVIMENTO DE PROJETO Trabalho elaborado como quesito de

UNIVERSIDADE FEDERAL DO AMAZONAS

ARQUITETURA E URBANISMO

DESENVOLVIMENTO DE PROJETO

Trabalho elaborado como quesito de aprovação em Projeto II do Curso de Arquitetura e Urbanismo da Universidade Federal do Amazonas, orientado pelo professor Daniel Alfaia.

P

P

R O F E S S O R :

R O J E TO

I

I

-

D A N I E L C E N T R O

A L FA I A S O C I A L

U R B A N O

MANAUS, 2016

A N N A

PAU L A

M E D E I R O S

F O N T E S A D R I A N E PAT R Í C I A

B R E N D A

D E S I R E E H E L E N T H AYA N I E

CENTRO SOCIAL URBANO

SUMÁRIO

1.

INTRODUÇÃO

04

2.

HISTÓRIA DOS CENTRO SOCIAIS URBANOS NO BRASIL 05

3.

CLAYTTON COMMUNITY CENTRE 06

3.1.

ESTUDO DE CASO A NÍVEL INTERNACIONAL 06

3.2.

CONSIDERAÇÕES PROJETUAIS 07

3.3.

SERVIÇOS

08

3.4.

IMPLANTAÇÃO E LOCALIZAÇÃO 10

4.

PARQUE DO IBIRAPUERA 11

4.1.

ESTUDO DE CASO A NÍVEL NACIONAL 11

4.2.

SERVIÇOS 16

4.3.

IMPLANTAÇÃO E LOCALIZAÇÃO 17

4.4.

HISTÓRIA DO PROJETO 18

4.5. ANÁLISE E CONCLUSÃO 21

5.

PARQUE CULTURAL ESPORTE E LAZER PONTA NEGRA 22

5.1. ESTUDO DE CASO A NÍVEL LOCAL 22

5.2. CONSIDERAÇÕES PROJETUAIS 23

4

CENTRO SOCIAL URBANO

INTRODUÇÃO

Um Centro Social Urbano é um equipamento urbano público que tem por objetivo integrar atividades de lazer, esporte, informação, formação e qualificação profissional, visando maior organização e integração das comunidades.

Atua como um espaço de diálogo e desenvolvimento de ações coletivas, em parceria com órgãos governamentais, setores privados e organizações da sociedade civil.

Nesses espaços, as comunidades participam de ações socioeducativas e projetos de

fortalecimento da cidadania e desenvolvimento social. Os locais devem contar com ampla

estrutura física, com pavilhões, áreas livres e outras destinadas aos esportes.

5

CENTRO SOCIAL URBANO

HISTÓRIA DOS CENTRO SOCIAIS URBANOS NO BRASIL

Projeto criado em 1975 e proposto inicialmente como base física para a prestação de serviços públicos de relevância social à população de baixa renda concentrada em áreas urbanas carentes de infraestrutura e equipamentos similares, ao CSU foi atribuído um papel de catalisador de certo tipo de relações sociaisas chamadas "relações comunitárias"tidas como desejáveis e necessárias à solução dos problemas dessas áreas. A preservação dessas relações e o seu incremento, em um processo de "desenvolvimento

comunitário", constituíram o principal objetivo estratégico do Projeto Nacional de Centros

Sociais Urbanos, sendo consideradas também como condição para que fossem alcançados os demais objetivos explícitos e imediatos do Programa: a elevação dos rendimentos e a melhoria das condições de vida da população beneficiária.

Os agentes institucionais que encabeçaram o surgimento do Programa Nacional de Centros

Sociais Urbanos foram o Conselho de Desenvolvimento Social (CDS) e a Comissão Nacional de

Regiões Metropolitanas e Política Urbana (CNPU). Sua justificativa baseou-se em um diagnóstico dos problemas gerados pela urbanização acelerada em curso no País, o qual identificava uma acentuada carência de infraestrutura e equipamentos em áreas específicas dos núcleos urbanos mais desenvolvidos, onde se concentrava a população de baixos rendimentos os "bolsões de pobreza". Tal situação, afirmava-se, contribuía para o agravamento da desagregação das relações sociais primárias nessas áreas, aumentando seu potencial conflitivo.

CLAYTON COMMUNITY CENTRE

ESTUDO DE CASO A NÍVEL INTERNACIONAL

CLAYTON COMMUNITY CENTRE ESTUDO DE CASO A NÍVEL INTERNACIONAL
CLAYTON COMMUNITY CENTRE ESTUDO DE CASO A NÍVEL INTERNACIONAL
CLAYTON COMMUNITY CENTRE ESTUDO DE CASO A NÍVEL INTERNACIONAL
CLAYTON COMMUNITY CENTRE ESTUDO DE CASO A NÍVEL INTERNACIONAL
CLAYTON COMMUNITY CENTRE ESTUDO DE CASO A NÍVEL INTERNACIONAL

6

CLAYTON COMMUNITY CENTRE

ESTUDO DE CASO A NÍVEL INTERNACIONAL

Localização:

9-15

(corner of Centre Road and Cooke Street).

Valor:

Cooke

Street,

Clayton

Victoria

Entrada Gratuita. Data da Inauguração:

2009.

3168

Área:

4300m² de Implantação e 6650m² Construída.

Como Chegar ao Local:

Pegar avião para Melbourne na australia,

Saindo de Carro/taxi: pegar as rodovias m2 e m1, pegar a saída da estrada Warrigal, depois estrada Haughton,em seguida da estrada Huntingdalee enfim a estrada Centree à RuaCooke. Não foi possível calcular a rota de ônibus. Autor da Obra:

Escritório Jackson Architecture

Centree à RuaCooke. Não foi possível calcular a rota de ônibus. Autor da Obra: Escritório Jackson
Centree à RuaCooke. Não foi possível calcular a rota de ônibus. Autor da Obra: Escritório Jackson

7

CLAYTON COMMUNITY CENTRE

CONSIDERAÇÕES PROJETUAIS

O partido arquitetônico contrasta intencionalmente com o entorno do Centro usando uma fachada em tom avermelhado e unificado junto de paredes inclinadas de vidro, para

proporcionar um grande grau de transparência. Os grandes volumes envidraçados da Zona

Aquática (para o norte) e da zona da Livraria (para a Rua do Centro) foram projetados com paredes e teto curvos para dar uma ideia de início e fim ao prédio.

De fácil acesso, comodidade e segurança foram prioridades. Uma proeminente Entrada

Pública Principal fornece acesso à livraria e ao Centro Aquático através de um hall com um

Café. Adjacente a ele está um Teatro interno. Mais adentro, a Sala de Artes Clayton e o Serviço à Juventude e à Família se unem a um grande pátio ajardinado, acessado através de uma varanda coberta, que conduz para a Creche e Clinica Médica.

O pátio que vai de leste à oeste é um ponto chave da planta, já que separa a área Aquática e

Fitness do resto das instalações. A Creche esta localizada no braço traseiro do terreno com sua

discreta área para deixar e buscar as crianças e um playground seguro rodeando o estacionamento oeste. Uma entrada dedicada também e fornecida aqui com acesso por elevador e escada ao Centro Medico do primeiro andar.

8

CLAYTON COMMUNITY CENTRE

SERVIÇOS

1.Centro Aquático e de Saúde 2.Servico Comunitário de Saude

3.Praça

4.Café

5.Sala de Artes 6.Serviços à Juventude e à Família

7.Creche

8.Instalação de Saúde Materna e Infantil

9.Banheiros

10.Teatro

11.Salas de Reuniões 12.Centro Fitness

13.Biblioteca

I. Mesa de informações

Materna e Infantil 9.Banheiros 10.Teatro 11.Salas de Reuniões 12.Centro Fitness 13.Biblioteca I. Mesa de informações

9

CLAYTON COMMUNITY CENTRE

SERVIÇOS

9 CLAYTON COMMUNITY CENTRE SERVIÇOS
9 CLAYTON COMMUNITY CENTRE SERVIÇOS
9 CLAYTON COMMUNITY CENTRE SERVIÇOS
9 CLAYTON COMMUNITY CENTRE SERVIÇOS

10

CLAYTON COMMUNITY CENTRE

IMPLANTAÇÃO E LOCALIZAÇÃO

10 CLAYTON COMMUNITY CENTRE IMPLANTAÇÃO E LOCALIZAÇÃO
10 CLAYTON COMMUNITY CENTRE IMPLANTAÇÃO E LOCALIZAÇÃO

PARQUE DO IBIRAPUERA

ESTUDO DE CASO A NÍVEL NACIONAL

PARQUE DO IBIRAPUERA ESTUDO DE CASO A NÍVEL NACIONAL
PARQUE DO IBIRAPUERA ESTUDO DE CASO A NÍVEL NACIONAL
PARQUE DO IBIRAPUERA ESTUDO DE CASO A NÍVEL NACIONAL
PARQUE DO IBIRAPUERA ESTUDO DE CASO A NÍVEL NACIONAL
PARQUE DO IBIRAPUERA ESTUDO DE CASO A NÍVEL NACIONAL
PARQUE DO IBIRAPUERA ESTUDO DE CASO A NÍVEL NACIONAL

11

PARQUE DO IBIRAPUERA

ESTUDO DE CASO A NÍVEL NACIONAL

Localização:

Avenida Pedro Álvares Cabral, s/nº, Vila Mariana -São Paulo. Horário de Funcionamento:

das 6:00 às 22:00h. Valor:

Entrada Gratuita. Data da Inauguração:

21 de agosto de 1954, projeto de 1951.

Área:

1 milhão e 584 mil m². Os três lagos artificiais, interligados ocupam 157 mil m². Estacionamento:

Interno.

Estimativa do Número de Visitantes:

200 mil pessoas por fim de semana. Autor da Obra:

Arquiteto Oscar Niemeyer e Paisagista Burle Marx durante o governo do Prefeito Pires do Rio.

de semana. Autor da Obra: Arquiteto Oscar Niemeyer e Paisagista Burle Marx durante o governo do
de semana. Autor da Obra: Arquiteto Oscar Niemeyer e Paisagista Burle Marx durante o governo do

12

PARQUE DO IBIRAPUERA

Tombamento:

o Instituto do Patrimônio Histórico e

Artístico Nacional (IPHAN), o Conselho de Defesa do Patrimônio Histórico, Arqueológico, Artístico e Turístico do

Estado de São Paulo (CONDEOPHAAT)

e o Conselho Municipal de Tombamento e Preservação do Patrimônio Histórico, Cultural e Ambiental da Cidade de São Paulo (CONPRESP).

Administração:

Secretaria do Meio Ambiente do Governo do Estado de São Paulo.

da Cidade de São Paulo (CONPRESP). Administração: Secretaria do Meio Ambiente do Governo do Estado de
da Cidade de São Paulo (CONPRESP). Administração: Secretaria do Meio Ambiente do Governo do Estado de

13

PARQUE DO IBIRAPUERA

Fauna e Flora:

Árvores ornamentais, nativas e exóticas. Figueiras-benjamim, chichás, carvalhos brasileiros, ipês-rosas, bosque de jaqueira, guapuruvus, conjuntos de sete-

capotes, araribás, pau-ferro, banyan-da-

Índia, paineiras e tamareira-das- canárias. Mais de cem espécies de aves catalogadas. Biguá, coruja orelhuda, tuim, beija-flor de garganta roxa,

risadinha, etc.

Durante o inverno, o lago abriga aves migratórias como irerês, garças-brancas, socós-dorminhocos e Martins- pescadores, bem como um grande

número de tilápiase carpas. Com

funções ornamentais, os cisnes negros, gansos, patos, marrecos, galinhas dangola e pavões.

d ’ a n g o l a e p a v õ e s .

Hymenaea courbaril

g o l a e p a v õ e s . Hymenaea courbaril Eucalipto Australiano

Eucalipto Australiano

a e p a v õ e s . Hymenaea courbaril Eucalipto Australiano Ficus microcarpa João-de-barro

Ficus microcarpa

a e p a v õ e s . Hymenaea courbaril Eucalipto Australiano Ficus microcarpa João-de-barro

João-de-barro

a e p a v õ e s . Hymenaea courbaril Eucalipto Australiano Ficus microcarpa João-de-barro

Ficus benghalensis

14

PARQUE DO IBIRAPUERA

Infra-estrutura:

Sanitários, sanitários com fraldário, sanitários para cadeirantes, enfermaria, área

para piquenique, serviço de

alimentação. Quatro lagos, pistas

de cooper, quadras poli esportivas, pista para bicicletas, 13 quadras iluminadas, campo de

adestramento de cães, pistas de

passeio e descanso, viveiro de plantas (Viveiro Manequinho Lopes) lanchonetes e áreas de recreação infantis.

pistas de passeio e descanso, viveiro de plantas (Viveiro Manequinho Lopes) lanchonetes e áreas de recreação
pistas de passeio e descanso, viveiro de plantas (Viveiro Manequinho Lopes) lanchonetes e áreas de recreação
pistas de passeio e descanso, viveiro de plantas (Viveiro Manequinho Lopes) lanchonetes e áreas de recreação

15

PARQUE DO IBIRAPUERA

Funcionamento: 5h às 0h

Pedestres: Portões 2, 3, 4, 6, 7A e 10

Metrô:

AsestaçõesdeMetrôpróximassãoSantaCruz,Vil

aMariana,AnaRosa,Paraíso,Brigadeiro,quefun

cionamdesegundaadomingodas6hàs0h.

Ônibus:

Consultar lista em anexo.

Veículos:

Portões3e7A(bolsões

Zona Azul)

de

estacionamento

Mobilidade Reduzida: Estacionamento Zona

Azul, R$3,00 por 2h. Dias úteis das 10h às

20h, sábados, domingos e feriados das 8h às

18h.

Estacionamento Zona Azul, R$3,00 por 2h. Dias úteis das 10h às 20h, sábados, domingos e feriados

16

PARQUE DO IBIRAPUERA

SERVIÇOS

FUNDAÇÃO BIENAL

16 PARQUE DO IBIRAPUERA SERVIÇOS FUNDAÇÃO BIENAL AUDITÓRIO PAVILHÃO JAPONÊS PAVILHÃO DAS CULTURAS BRASILEIRAS

AUDITÓRIO

PARQUE DO IBIRAPUERA SERVIÇOS FUNDAÇÃO BIENAL AUDITÓRIO PAVILHÃO JAPONÊS PAVILHÃO DAS CULTURAS BRASILEIRAS

PAVILHÃO JAPONÊS

SERVIÇOS FUNDAÇÃO BIENAL AUDITÓRIO PAVILHÃO JAPONÊS PAVILHÃO DAS CULTURAS BRASILEIRAS PLANETÁRIO BOSQUE DA

PAVILHÃO DAS CULTURAS BRASILEIRAS

PAVILHÃO JAPONÊS PAVILHÃO DAS CULTURAS BRASILEIRAS PLANETÁRIO BOSQUE DA LEITURA MUSEU AFROBRASIL MUSEU DE ARTE

PLANETÁRIO

JAPONÊS PAVILHÃO DAS CULTURAS BRASILEIRAS PLANETÁRIO BOSQUE DA LEITURA MUSEU AFROBRASIL MUSEU DE ARTE

BOSQUE DA LEITURA

DAS CULTURAS BRASILEIRAS PLANETÁRIO BOSQUE DA LEITURA MUSEU AFROBRASIL MUSEU DE ARTE CONTEMPORÂNEA MARQUISE

MUSEU AFROBRASIL

BRASILEIRAS PLANETÁRIO BOSQUE DA LEITURA MUSEU AFROBRASIL MUSEU DE ARTE CONTEMPORÂNEA MARQUISE JARDIM DAS ESCULTURAS

MUSEU DE ARTE CONTEMPORÂNEA

DA LEITURA MUSEU AFROBRASIL MUSEU DE ARTE CONTEMPORÂNEA MARQUISE JARDIM DAS ESCULTURAS MONUMENTO ÀS BANDEIRAS OCA

MARQUISE

MUSEU AFROBRASIL MUSEU DE ARTE CONTEMPORÂNEA MARQUISE JARDIM DAS ESCULTURAS MONUMENTO ÀS BANDEIRAS OCA (PAVILHÃO

JARDIM DAS ESCULTURAS

MUSEU DE ARTE CONTEMPORÂNEA MARQUISE JARDIM DAS ESCULTURAS MONUMENTO ÀS BANDEIRAS OCA (PAVILHÃO LUCAS NOGUEIRA

MONUMENTO ÀS BANDEIRAS

MARQUISE JARDIM DAS ESCULTURAS MONUMENTO ÀS BANDEIRAS OCA (PAVILHÃO LUCAS NOGUEIRA GARCEZ) OBELISCO MUSEU DE ARTE

OCA (PAVILHÃO LUCAS NOGUEIRA

GARCEZ)

JARDIM DAS ESCULTURAS MONUMENTO ÀS BANDEIRAS OCA (PAVILHÃO LUCAS NOGUEIRA GARCEZ) OBELISCO MUSEU DE ARTE MODERNA

OBELISCO

JARDIM DAS ESCULTURAS MONUMENTO ÀS BANDEIRAS OCA (PAVILHÃO LUCAS NOGUEIRA GARCEZ) OBELISCO MUSEU DE ARTE MODERNA

MUSEU DE ARTE MODERNA

JARDIM DAS ESCULTURAS MONUMENTO ÀS BANDEIRAS OCA (PAVILHÃO LUCAS NOGUEIRA GARCEZ) OBELISCO MUSEU DE ARTE MODERNA

17

PARQUE DO IBIRAPUERA

IMPLANTAÇÃO E ACESSOS

17 PARQUE DO IBIRAPUERA IMPLANTAÇÃO E ACESSOS

18

PARQUE DO IBIRAPUERA

18 PARQUE DO IBIRAPUERA HISTÓRIA DO PROJETO Foi idealizado pela equipe de arquitetos liderada por Oscar

HISTÓRIA DO PROJETO

Foi idealizado pela equipe de arquitetos liderada por Oscar Niemeyer a partir do convite que o arquiteto recebeu de Cicillo Matarazzo, então presidente da Comissão do IV Centenário (autarquia municipal responsável pelo evento de comemoração do aniversário de São Paulo).

A proposta era centralizar todas as manifestações comemorativas dos 400 anos da cidade num conjunto que

representasse a grandiosidade e posição de vanguarda da cidade perante a nação. O projeto concebido por Oscar Niemeyer é composto de cinco edifícios, então nomeados Palácios, tamanha imponência que era agregada à imagem dos edifícios.

Cada um deles estava destinado a abrigar exposições específicas a uma determinada atividade de destaque da cultura e economia paulistanas.

Assim, compunha o Conjunto o Palácio das Indústrias, o Palácio das Exposições, o Palácio das Nações, o Palácio dos Estados e o Palácio da Agricultura. O projeto previa ainda um Auditório que centralizaria congressos, seminários e

exibições artísticas.

Nesse momento o conjunto ocupava maior espaço no Parque e a arquitetura era mais arrojada, o que afetava a exequibilidade da construção e o orçamento final da obra.

19

1954

PARQUE DO IBIRAPUERA

19 1954 PARQUE DO IBIRAPUERA A equipe apresentou uma nova disposição dos edifícios e uma arquitetura

A equipe apresentou uma nova disposição dos edifícios e uma arquitetura modernista de traços mais leves. No entanto, ao ser executado sofreu mais uma alteração pois não foram construídos um Auditório e um subconjunto situado em face lindeira ao lago composto por um restaurante, danceteria e píer para barcos e pedalinhos.

O Parque deveria ter recebido um auditório para realizações de congressos, apresentações teatrais e musicais. No

entanto, alguns documentos históricos mostram que em agosto de 1953 as negociações para a construção do Auditório haviam sido encerradas e o prédio não seria erguido para o IV Centenário de São Paulo. É interessante apontar que o arquiteto Le Corbusier, um dos maiores representantes da arquitetura moderna internacional, foi convidado a elaborar duas pinturas que estariam nas laterais do Auditório do Ibirapuera. Uma correspondência que a Comissão do IV Centenário enviou a Le Corbusier sobre a não construção do auditório e, consecutivamente, a não execução de suas

pinturas, marcou o final da possibilidade de executar o projeto para a construção do Auditório no Ibirapuera.

O conjunto formado pelo Auditório e a atual Oca do Ibirapuera sempre foi enfatizado pelo arquiteto Oscar Niemeyer

como o elemento de maior importância arquitetônica e plástica para o Parque. Ambos edifícios, interligados por uma

extensão da marquise, apresentam um “desenho simples e puro”. Esta integração era pretendida visando garantir a unidade arquitetônica do conjunto. A discussão sobre a construção do Auditório foi mantida ao longo dos 50 anos de existência do Parque, ora se aproximando da efetiva construção, ora se afastando de qualquer possibilidade para a implantação do edifício.

20

PARQUE DO IBIRAPUERA

20 PARQUE DO IBIRAPUERA O Auditório só veio a ser implantado após longo processo político de

O Auditório só veio a ser implantado após longo processo político de interesses e, ainda, sob um novo desenho proposto por Niemeyer. O projeto final aprovado para a construção do Conjunto Arquitetônico do Ibirapuera é resultado de alterações nos anteprojetos anteriores. Foram dois momentos de definição no projeto anteriormente à sua finalização e execução.

Na gestão da prefeita Marta Suplicy, em 2002, o assunto voltou à tona. Durante o ano de 2003, longas discussões entre órgãos competentes aconteceram porque tal construção diminuiria a quantidade de área permeável no Parque

e alteraria o conjunto arquitetônico de Niemeyer tombado pelo CONDEPHAAT. De um lado, a prefeitura defendia que

a obra era legal, já que foi examinada e aprovada pelo CONDEPHAAT, além de representar mais uma função de cultura

e lazer para a população. De outro lado, o Ministério Público afirmava que a obra não poderia ser executada por desrespeitar o terceiro artigo da mesma resolução do tombamento do Parque, que proíbe o acréscimo de áreas construídas no parque, a fim de preservar a permeabilidade e meio ambiente do local.

Felizmente, o projeto foi aprovado e no início de 2005 a obra foi entregue à população completando o conjunto

arquitetônico original do Parque do Ibirapuera e garantindo a unidade plástica de ilustre beleza concebida por um dos

maiores arquitetos do mundo, Oscar Niemeyer

21

CENTRO SOCIAL URBANO

ANÁLISE A pesquisa que fizemos demonstrou que o Parque possui aprovação da maioria do público e que em poucos casos existem críticas. Uma das reclamações que encontramos foi acerca do estacionamento, que frequentemente está lotado, e também em relação à segurança.

Encontrou-se também um equilíbrio entre o número de homens e mulheres que frequentam o

Parque. A média de idade costuma ser de 16 a 25 anos, ou seja, jovens. Em muitas perguntas,

percebemos a frequência da palavra lazer como resposta, o que mostra a busca do cidadão paulistano por uma área que ofereça espaços com diversas opções de entretenimento.

ofereça espaços com diversas opções de entretenimento. C O N C L U S Ã O
ofereça espaços com diversas opções de entretenimento. C O N C L U S Ã O
ofereça espaços com diversas opções de entretenimento. C O N C L U S Ã O
ofereça espaços com diversas opções de entretenimento. C O N C L U S Ã O

CONCLUSÃO

Oferecer um local onde as pessoas possam se divertir é dever de todo governo. Todo cidadão tem o direito de usufruir do espaço onde reside segundo o Estatuto da Cidade. Embora a cidade de São Paulo seja uma das mais populosas do mundo e com inúmeros problemas sociais, podemos citar o Parque do Ibirapuera como um local que se caracteriza pelo aproveitamento do espaço público de forma a servir a população.

Agregando lazer, cultura e esporte, permite a todo cidadão a oportunidade de aproveitar este espaço destinado ao convívio social.

PARQUE CULTURAL ESPORTE E LAZER PONTA NEGRA ESTUDO DE CASO A NÍVEL LOCAL

PARQUE CULTURAL ESPORTE E LAZER PONTA NEGRA ESTUDO DE CASO A NÍVEL LOCAL
PARQUE CULTURAL ESPORTE E LAZER PONTA NEGRA ESTUDO DE CASO A NÍVEL LOCAL
PARQUE CULTURAL ESPORTE E LAZER PONTA NEGRA ESTUDO DE CASO A NÍVEL LOCAL

22

PARQUE CULTURAL ESPORTE E LAZER PONTA NEGRA

ESTUDO DE CASO A NÍVEL LOCAL

Localização:

Bairro Ponta Negra, Manaus

A NÍVEL LOCAL Localização: Bairro Ponta Negra, Manaus Autor: 1ªIntervenção – Severiano Mário Porto (1993)
A NÍVEL LOCAL Localização: Bairro Ponta Negra, Manaus Autor: 1ªIntervenção – Severiano Mário Porto (1993)

Autor:

1ªIntervenção Severiano Mário

Porto (1993) 2ªIntervenção M P Arquitetos

(2010)

Área:

33.750m²

Capacidade:

Aproximadamente 81 mil pessoas

Acessos: Av. Cel. Texeira (antiga

Estradada Ponta Negra) à Av. Do Turismo (antiga Estrada do Tarumã).

• Em uma cidade que cresceu de costas para o Rio Negro, a Ponta Negra

Em uma cidade que cresceu de costas para o Rio Negro, a Ponta Negra é um dos poucos locais onde é possível admirar a beleza da orla fluvial de Manaus. Nesse ponto, o rio possui impressionantes 10 km de largura. Do outro lado, margeando o rio, o paredão verde da

floresta se ergue, enquanto a modernidade aparece representada à esquerda pela

imponente Ponte Rio Negro, que à noite exibe uma bela iluminação cênica. A vista, não importa a hora do dia, é sempre de tirar o fôlego.

Programa de necessidades do projeto de Severiano

Programa de necessidades do projeto de Severiano
Programa de necessidades do projeto de Severiano
Chafariz e espelho d’água , com fonte que funciona com música e iluminação de LED.

Chafariz e espelho d’água, com fonte que funciona com música e iluminação de LED. É um atrativo interessante tanto visualmente quanto para interação com o público, porém em 2016 não está funcionando, talvez pela falta de manutenção ou recursos, deixando um objeto a menos na praça em geral.

Pistas de Skate e quadras em geral: o incentivo

a prática de esportes é um quesito necessário

a população, e garantir espaço para os mesmos é um avanço. Outro fator interessante que observamos no parque é a ´´personalização´´ dos espaços, como as grafites na pista de skate, dando uma característica a mais ao local.

é a ´´personalização´´ dos espaços, como as grafites na pista de skate, dando uma característica a
Anfiteatro Ideal para shows em geral, e a fato de ser aberto cria uma relação

Anfiteatro Ideal para shows em geral, e a fato de ser aberto cria uma relação entre todas as pessoas presentes do local, além de fazer uso da própria topografia.

do local, além de fazer uso da própria topografia. Observatórios Uso da topografia a favor do

Observatórios Uso da topografia a favor do produto final, criando uma visão para a paisagem natural sem interferir diretamente na mesma.

da topografia a favor do produto final, criando uma visão para a paisagem natural sem interferir
Pista Liberada Com a pista liberada em certos dias e horários da semana, ficou mais

Pista Liberada Com a pista liberada em certos dias e horários da semana, ficou mais seguro o uso da bicicleta, patins e outros equipamentos de lazer em geral,

criando assim mais um fator

importante de envolvimento social e saudável entre cidade e população.

Praia artificial Com a expansão da praia da ponta negra, tornou-se possível o aproveitamento maior do espaço, onde antes a água chegava até o calçadão na época da cheia do Rio Negro.

possível o aproveitamento maior do espaço, onde antes a água chegava até o calçadão na época

23

PARQUE CULTURAL ESPORTE E LAZER PONTA NEGRA

CONSIDERAÇÕES PROJETUAIS

Construído na década de 90, o complexo de lazer da Ponta Negra modernizou cerca de 2 km da orla do Rio Negro, no extremo oeste da cidade, dotando este espaço com quadras de

esportes, bares e diversos outros serviços. Porém, sem receber qualquer tipo de manutenção

durante os anos seguintes, o local foi se deteriorando pouco a pouco até ficar quase que completamente abandonado. Um contraste gritante quando pensamos que o complexo está localizado no bairro mais nobre de Manaus, com seus luxuosos edifícios residenciais

No projeto de revitalização o espaço ganhou novo calçadão com pedras portuguesas, três mirantes com vista para o Rio Negro na Praça da Marinha, anfiteatro com marquise em concreto para melhorar a acústica do local, escadaria, passarela, praça com chafariz e espelhod’água, com fonte que funciona com música e iluminação de LED.

Foram construídos ainda novos estacionamentos e jardins, além de um aterro que garante um

trecho de praia durante todo o ano. Além disso, há planos de se construir um moderno Teatro

Municipal às margens do rio, com capacidade para 1.400 pessoas, e também atrair investimentos privados para instalar restaurantes de marcas renomadas no local, devolvendo à Ponta Negra o status de cartão postal da cidade.

Novo projeto

Novo projeto Um mirante criando uma hierarquia no local e proporcinando uma visão privilegiada sem denegrir

Um mirante criando uma hierarquia no local e proporcinando uma visão privilegiada sem denegrir a natureza de maneira abusiva.

criando uma hierarquia no local e proporcinando uma visão privilegiada sem denegrir a natureza de maneira

24

PARQUE CULTURAL ESPORTE E LAZER PONTA NEGRA

24 PARQUE CULTURAL ESPORTE E LAZER PONTA NEGRA
24 PARQUE CULTURAL ESPORTE E LAZER PONTA NEGRA
24 PARQUE CULTURAL ESPORTE E LAZER PONTA NEGRA
24 PARQUE CULTURAL ESPORTE E LAZER PONTA NEGRA

Conclusão

Com o crescimento desordenado das cidades, o Estatuto da Cidade, assim como os planos diretores, aparecem como uma importante ferramenta na luta contra as mazelas citadinas.

natureza teórica dos instrumentos urbanísticos, assim como o seu papel e objetivos, é de importância inegável. Contudo, diversas são as dificuldades encontradas na aplicação e efetivação desses instrumentos.

A

A

implementação de um Centro Social Urbano trabalha a favor do bem estar da sociedade

em geral, proporcionando uma fuga do cotidiano e promovendo a interação social.

Concluímos que a arquitetura tem um papel fundamental nesse processo disponibilizando ferramentas e técnicas para desenvolver esse tipo de equipamento urbano.

Bibliografia

PARQUE IBIRAPUERA

http : //pt. wikipedia .org/wiki/Parque_do_Ibirapuera#Conjunto_Arquitet. C3.B4nico

http: //www. sampa . art. br/saopaulo/Ibira. htm

http : //sp450anos. terra. com. br/interna/ 0,,OI 236671- EI2551, 00.html

http : //revistaturismo .cidadeinternet.com.br/passeios/ibirapuera. http : //www. vitruvius . com. br/minhacidade/mc125/mc 125. asp http : //www. arcoweb . com. br/debate/debate 84.asp http : //www. br 360. com.br/panos.htm#

html

http : //gowheresp.

terra. com. br/41/ibirapuera.htm

http : //www. ufscar.br/simpgeu/Relatos/Mesa 02.doc http : //ns .rc .unesp .br/igce/planejamento/carta %20de%20atenas

.pdf

http : //www. pdturismo .ufsj .edu.br/legislacao/cartas/atenas. shtml Livros :

BRUAND, Yves . Arquitetura Contemporânea no Brasil . São Paulo: Perspectiva, 1981, p. 162. KLIASS, Rose Grená, Parques Urbanos de SP, Pini .

PONTA NEGRA http : //www. copa 2014.gov. br/pt -br/noticia/palcos-da-fan-fest -parque-ponta-negra- em- manaus- mistura- belezas -naturais -e-modernidade http : //descobrindooamazonas.webs .com/pontanegra .htm http : //oeldoradoeaqui .blogspot .com.br/2010/07/ponta- negra- manaus .html http : //oeldoradoeaqui .blogspot .com.br/2011/03/nova- ponta- negra- projeto.html http : //blogdoclaudemirandrade.blogspot .com.br/2010/06/nova - ponta-negra. html CENTRO COMUNITÁRIO CLAYTON

Interesses relacionados