Você está na página 1de 5
UNIVERSIDADE FEDERAL DE OURO PRETO ESCOLA DE MINAS - EM PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENG. CIVIL

UNIVERSIDADE FEDERAL DE OURO PRETO ESCOLA DE MINAS - EM PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENG. CIVIL PROPEC Disciplina: Conforto Humano

UNIVERSIDADE FEDERAL DE OURO PRETO ESCOLA DE MINAS - EM PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENG. CIVIL

TESTE 3 - CAPÍTULO 8

Aluna:

Pablyne Sant'Ana Cristeli

Professor:

Henor Artur de Souza

Ouro Preto, Maio de 2016

1) Quais os principais cuidados que devem ser tomados na medição de temperatura do ar?

A temperatura do ar é a que envolve o corpo humano. As principais precauções são: garantir que não haja radiação térmica (redução e barreira radiante) para que não interfira e mascare; que não tenha convecção forçada e conhecer a inércia do sensor que é dada pelo fabricante.

2) Quais os principais cuidados que devem ser tomados na medição de velocidade do ar?

Para medir a velocidade do ar são utilizados anemômetros. É necessário garante que a temperatura não esteja muito elevada já que a convecção natural pode interferir. Além disso, se o sensor estiver aquecido precisa-se compensar na temperatura.

3) Quais são as formas de se determinar a temperatura radiante média em ambiente? Comente.

A temperatura radiante média é a temperatura uniforme de um ambiente imaginário no qual a troca de calor por radiação do corpo humano é igual a troca de calor por radiação num ambiente real não uniforme. Ela pode ser medida através do termômetro de globo (D=0,15m), do radiômetro de 2 esferas ou do sensor com temperatura constante.

O termômetro de globo consiste de um globo negro, em cujo centro é colocado um sensor de temperatura do tipo bulbo de mercúrio, termopar ou resistor. Quanto menor for o diâmetro do globo, maior seria o efeito da temperatura e velocidade do ar, levando a imprecisões nos resultados, um globo de 15 cm é recomendado. O globo situado em um ambiente, tende a um balanço térmico sob os efeitos das trocas térmicas devidas a radiação vindas de diferentes fontes do ambiente e devidas aos efeitos da convecção. A temperatura do globo em situação de balanço térmico, permite que a temperatura radiante média seja determinada.

No método do radiômetro de 2 esferas, são utilizadas duas esfera com emissividades diferentes (uma negra e uma polida). Pela diferença de calor armazenado pelas duas esferas, a radiação é medida.

Finalmente, no método do sensor de temperatura de ar constante, um sensor (esférico ou elipsoidal) é mantido à mesma temperatura que o ar ao redor, não havendo assim ganhos ou perdas por convecção. O fornecimento de calor ou refrigeração para que se mantenham constantes as temperaturas (sensor e ar), é igual ao ganho ou perda de calor por radiação.

4) a - Determine a temperatura radiante média em um ambiente com temperatura de globo igual a 26ºC, temperatura e velocidade do ar de 24ºC e 0,2m/s, respectivamente.

1º - Determinação do coeficiente de convecção:

Para convecção natural:

h cg = 1,4.(T/D) 1/4 = 1,4.[(26-24)/0,15] 1/4 = 2,68 W/m 2 .K

Para convecção forçada:

h cg = 6,3.(v a 0,6 /D 0,4 ) = 6,3.[0,2 0,6 /0,15 0,4 ] = 5,12 W/m 2 .K

Nesse caso será usado o coeficiente de convecção forçada, por ser o maior.

2º - Determinação da temperatura radiante média T r = [(t g + 273) 4 + 2,5*10 8 .v a 0,6 .(t g - t a )] 1/4 - 273 T r = [(26 + 273) 4 + 2,5*10 8 .0,2 0,6 .(26 - 24)] 1/4 - 273 T r = 27,76ºC b - Determine a temperatura operativa

T o =

Mas,

h c = 12,1

= 12,1

= 5,41 W/m 2 .K

h r = 4,7.Ɛ = 4,7.0,95 = 4,47 W/m 2 .K Logo,

T o =

= 25,7ºC

5) Qual a diferença entre temperatura de bulbo úmido e temperatura de bulbo úmido natural?

A temperatura de bulbo úmido natural (t bun ), é a temperatura fornecida por um sensor de temperatura coberto por um pavio molhado, o qual é ventilado naturalmente. É portanto, diferente da temperatura termodinâmica ou de bulbo úmido (t bu ), que é a temperatura mais baixa que pode ser alcançada apenas pela evaporação da água, determinada com psicrômetro e utilizada para a obtenção da umidade relativa do ar.

6) Por que para cada local com diferentes altitudes são "construídas" cartas psicrométricas específicas?

As propriedades termodinâmicas da mistura ar seco – vapor d’água que constituem o ar atmosférico podem ser convenientemente apresentadas em forma de diagramas, denominados Cartas Psicrométricas. Estes são construídos para determinada pressão atmosférica, embora, às vezes, hajam curvas de correção disponível para outras pressões.

A

temperatura

e

a

pressão

barométrica

do

ar

atmosférico

varia

consideravelmente tanto com a altitude como com as condições climáticas e geográficas do local. A atmosfera padrão é uma referência para estimar as

propriedades do ar úmido a várias altitudes. Assume-se que a temperatura

decresce linearmente com o aumento da altitude por toda a troposfera (baixa atmosfera) e é constante em distâncias menores da estratosfera. A baixa atmosfera é assumida como ar seco, portando-se como um gás perfeito. Por estas razões são necessárias cartas psicrométricas distintas para diferentes altitudes.

7) Quais são as características que os instrumentos de medição de grandezas físicas devem satisfazer segundo a norma ISO 7726?

As especificações e métodos contidos nessa norma, estão subdivididos em dois tipos, conforme a situação a ser analisada. Especificações e métodos do tipo C, referem-se à medições executadas em ambientes moderados, próximos do conforto. Especificações e métodos do tipo S, referem-se à medições executadas em ambientes sujeitos a estresse térmico.

As faixas e precisões das medições e o tempo de resposta dos sensores para cada tipo de parâmetro físico básico e derivado, encontram-se na Tabela 1 abaixo, a qual apresenta as faixas de medição, acuracidade (requerida e desejada) e tempo de resposta para os instrumentos de medição das variáveis físicas. Estes são os valores mínimos recomendados.

Como a constante de tempo e também o tempo de resposta dos sensores não dependem exclusivamente do sensor, mas também do ambiente e das condições sob as quais são executadas as medições, é necessário indicar as condições sob as quais os tempos de resposta foram obtidos. As condições ambientais padronizadas para a determinação do tempo de resposta encontram- se na Tabela 2.

TABELA 1 - CARACTERÍSTICAS DOS INSTRUMENTOS (ISO 7726, 1985)

Variáveis

Faixa para conforto

Precisão para conforto

Temperatura do ar

  • 10 - 30°C

Requerida: ± 0,5°C Desejada: ± 0,2°C

Temperatura

- 40°C

  • 10 Requerida: ± 2°C

radiante média

Desejada: ± 0,2°C

Assimetria de

 

Requerida: ± 1 K

radiante

0 - 20K

Desejada: ± 0,5 K

Velocidade do ar

0,05 - 1 m/s

Requerida: ± [0,05+0,05V] Desejada: ± [0,02+0,07V]

ângulo sólido = 3∏

Umidade absoluta

0,5 - 2,5kPa

± 0,15kPa

TABELA 2 - CONDIÇÕES AMBIENTAIS PADRÃO PARA A DETERMINAÇÃO DAS CONSTANTES DE TEMPO DOS SENSORES DE MEDIÇÃO (ISO 7726, 1985)

Medição do tempo de resposta dos sensores para

Tar

Tr

par

var

Temperatura do ar

X

≈ Tar

qualquer

< 0,25m/s

Temperatura radiante média

≈ Tr

X

qualquer

< 0,25m/s

       

f(método de

Umidade absoluta

≈ 20°C

≈ Tar

X

medição)

Velocidade do ar

≈ 20°C

≈ Tar

qualquer

X

8) Determine as propriedades do ar em São Paulo, considerando TBS = 30ºC e TBU = 25ºC

Pela Carta Psicrométrica de São Paulo encontra-se:

p = 695,1 mmHg = 92,68 KPa

ω a = 19,90 g/Kg

ϕ = 68%

ρ s = 4,246 KPa

ρ w = 3,169 KPa

Sabe-se que:

ω a = 0,61298

TABELA 2 - CONDIÇÕES AMBIENTAIS PADRÃO PARA A DETERMINAÇÃO DAS CONSTANTES DE TEMPO DOS SENSORES DE

0,0199 = 0,61298

Portanto,

p v = 2,914 KPa