Você está na página 1de 25
Opa! Voltei ... Curso de Direito Administrativo para a Receita Federal Profº Cyonil Borges Teste de

Opa! Voltei ...

Curso de Direito Administrativo para a Receita Federal Profº Cyonil Borges Teste de Fogo

Alguns amigos do forum requereram algumas questões de FCC, algo

do tipo “arremate final”.

Como hoje, no Faustão, não teve dança dos famosos, consegui selecionar 54 questões.

Gostaria que todos acertassem mais de 70%! Se isso acontecer, prometo a vocês que acertarão mais de 80% na prova de ESAF. Há questões bem complicadinhas.

Ah! E quem acertar menos de 70%, professor?! Excelente! Como o teste é bem anterior à sua prova, há tempo suficiente para aparar as arestas.

Só um detalhe, que, por vezes, passa despercebido. Terminamos um teste e com um alto nível de acertos. Mas será mesmo que sabíamos tudo? Nem sempre. Então uma dica. Se tiver dúvida, coloca um asterisco e retoma o tópica da aula. Vai por mim.

Uma dica final. Quando achar que a questão está na cara, leia de novo! Se fizer a leitura e não souber, pode pular!

Forte abraço a todos, Espero ter sido útil. Cyonil Borges.

Observação: as questões 51 a 54 estão fora do Edital de Analista [bens públicos e intervenção na propriedade].

Curso de Direito Administrativo para a Receita Federal Profº Cyonil Borges Teste de Fogo 1) (2011/FCC

Curso de Direito Administrativo para a Receita Federal Profº Cyonil Borges Teste de Fogo

1) (2011/FCC TRE-PE Analista/Judiciária) No que concerne às fontes do Direito Administrativo, é correto afirmar que:

  • a) o costume não é considerado fonte do Direito Administrativo.

  • b) uma das características da jurisprudência é o seu universalismo,

ou seja, enquanto a doutrina tende a nacionalizar-se, a jurisprudência

tende a universalizar-se.

  • c) embora não influa na elaboração das leis, a doutrina exerce papel

fundamental apenas nas decisões contenciosas, ordenando, assim, o próprio Direito Administrativo.

  • d) tanto a Constituição Federal como a lei em sentido estrito

constituem fontes primárias do Direito Administrativo.

  • e) tendo em vista a relevância jurídica da jurisprudência, ela sempre

obriga a Administração Pública. 1

2) (2010/FCC ALESP Procurador) NÃO se inclui, dentre as expressões da supremacia do interesse público, como princípio constitucional do Direito Administrativo:

(A)

A exigibilidade, significando a

previsão legal de

sanções ou

providências indiretas que induzem o administrado a acatá-los.

(B)

A

constituição

de

terceiros em obrigações mediante atos

unilaterais.

 

(C)

Dentro de certos limites, a revogação dos atos inconvenientes e

inoportunos.

 

(D)

O dever

de

anular ou convalidar os atos inválidos

que haja

praticado.

 

(E)

A

ideia

de

que

a Administração

tem

que

tratar todos os

administrados sem distinção. 2

3) (2006/FCC TCE/CE). A Assembleia Legislativa, no exercício de sua atípica função administrativa, ao aplicar, de

ofício, “resolução” por ela anteriormente editada, atua em

conformidade com:

  • (A) o princípio da reserva legal.

  • (B) o princípio da legalidade.

  • (C) seu poder de revisão.

  • (D) seu poder regulamentar.

  • (E) o princípio da autotutela. 3

  • 1 Se você marcou alternativa “C”, parabéns, é errando que se aprende! A doutrina é fonte secundária. É útil no Direito Administrativo, independentemente de as decisões serem ou não contenciosas. A

resposta é letra “D”. Só são fontes primárias a CF e as leis em sentido estrito. As normas infralegais são

fontes, porém secundárias, por lhes faltar o atributo da originariedade ou novidade.

  • 2 Letra E. Tratar a todos sem distinção é uma restrição ou sujeição e não uma prerrogativa, e, portanto, expressão da supremacia.

Curso de Direito Administrativo para a Receita Federal Profº Cyonil Borges Teste de Fogo 4) (2010/FCC

Curso de Direito Administrativo para a Receita Federal Profº Cyonil Borges Teste de Fogo

4) (2010/FCC PGE/AM Procurador) NÃO é situação que configura nepotismo, a sofrer a incidência da Súmula

Vinculante 13, editada nomeação de

pelo

Supremo

Tribunal

Federal,

a

  • (A) cunhado de Presidente da Assembleia Legislativa para cargo de

assessor da Presidência do Tribunal de Justiça.

  • (B) irmão adotivo de Secretário de Estado para cargo de diretor na

respectiva Secretaria.

  • (C) cônjuge de Governador para cargo de Secretário de Estado.

  • (D) sogro de Deputado Estadual, para cargo de assessor em gabinete

de outro Deputado Estadual.

  • (E) sobrinho de

Secretário de

autarquia estadual. 4

Estado

para

cargo de

dirigente de

5) (2010/FCC TRF/4R EXECUTOR DE MANDADOS) No que se refere aos órgãos públicos, é INCORRETO afirmar ser característica destes (algumas não presentes em todos), dentre outras, o fato de que:

(A)

não

possuem

desconcentração.

personalidade jurídica e são resultado da

  • (B) podem firmar, por meio de seus administradores, contratos de

gestão com outros órgãos.

  • (C) alguns possuem autonomia gerencial, orçamentária e financeira.

  • (D) não possuem patrimônio próprio, mas integram a estrutura da

pessoa jurídica.

  • (E) têm capacidade para representar em juízo a pessoa jurídica que

integram. 5

6) (2006/FCC impróprio é:

 

Defensoria/SP) Recurso hierárquico

a) aquele

que

é

dirigido à autoridade superior

na organização

federativa.

b) o pedido de reconsideração apresentado à autoridade máxima de uma estrutura administrativa.

3 Letra B. Duvido se alguém não marcou letra D [poder regulamentar]. Acontece que o poder regulamentar é privativo do chefe do Executivo, e esse expede decretos. E também não é reserva legal, pois esta se restringe à edição de leis. 4 Letra C. Excelente questão. Vimos que a Súmula Vinculante 13 não se aplica à nomeação para cargos políticos. O cargo de Secretário é auxiliar do chefe do Executivo e de natureza política. 5 LETRA E. Excelente questão. Como estudamos, os órgãos são unidades administrativas despersonalizadas, e, bem por isso, não podem assumir diretamente direitos e obrigações. E, por tal razão, não gozam de capacidade postulatória ou judiciária. Acontece que essa é regra com exceção. Estudamos que, na visão do STF, alguns podem exercer, como é o caso dos independentes e autônomos.

Curso de Direito Administrativo para a Receita Federal Profº Cyonil Borges Teste de Fogo c) pedido

Curso de Direito Administrativo para a Receita Federal Profº Cyonil Borges Teste de Fogo

  • c) pedido

o

de

revisão

das decisões

proferidas em processos

disciplinares, para a própria autoridade sancionadora.

 

a avocação

  • d) do recurso administrativo pela chefia

do

órgão

administrativo.

  • e) o recurso interposto contra a decisão de dirigente de entidade da

Administração Indireta, para a autoridade a que está vinculada, na

Administração Direta. 6 7) (2008/FCC

TCE/Amazonas)

Na

estrutura

da

Administração Pública brasileira, há distinção

entre

a

Administração direta e a indireta. Dentre as entidades da

Administração indireta incluem-se as:

I. sociedades de economia mista.

II. organizações sociais. III. empresas públicas. IV. fundações públicas. V. agências executivas.

Está correto o que se afirma APENAS em

  • a) I, II e III.

  • b) I e III.

  • c) I, III e IV.

  • d) II, III e V.

  • e) III, IV e V. 7

8) (2011/FCC Nossa Caixa Advogado) No que concerne às agências executivas, é correto afirmar que:

(A) tais agências não possuem autonomia de gestão, porém a lei assegura a disponibilidade de recursos orçamentários e financeiros para que possam cumprir suas metas e objetivos institucionais.

(B) trata-se de entidade preexistente, que receberá a qualificação de agência executiva através de ato do Ministro de Estado a que estiver vinculada.

(C) agência executiva é a qualificação dada somente às autarquias, desde que cumpridas as exigências legais para tanto.

  • 6 LETRA E. Esse é um antigo sonho. Todas as bancas já pediram em suas provas, menos a ESAF! Não há hierarquia entre a Administração Direta e Indireta, por isso eventual recurso é IMPRÓPRIO. E, no caso, só será admissível se a lei for expressa nesse sentido. Cuidado!

  • 7 LETRA C. Questão resolvida na atenção! As organizações sociais não integram a Administração Indireta do Estado. São paraestatais e, por isso, localizadas no Terceiro Setor. Legal. Assim o aluno marcaria I, III, IV e V. Acontece que não há essa resposta. Que bom, né? Assim, por exclusão, consegue encontrar a resposta. Cuidado! As agências executivas não são pessoas jurídicas. É um título conferido à pessoa jurídica. Cuidado ...

Curso de Direito Administrativo para a Receita Federal Profº Cyonil Borges Teste de Fogo (D) a

Curso de Direito Administrativo para a Receita Federal Profº Cyonil Borges Teste de Fogo

  • (D) a qualificação da entidade como agência executiva permite que

ela usufrua de determinadas vantagens previstas em lei, como, por exemplo, o aumento dos percentuais de dispensa de licitação, previsto na Lei no 8666/93.

  • (E) para a qualificação em agência executiva, é necessário o

cumprimento de apenas um desses requisitos: ter plano estratégico de reestruturação e de desenvolvimento institucional em andamento ou ter celebrado contrato de gestão com o respectivo Ministério

supervisor. 8

9) (2010/FCC TCE/AP Procurador de Contas) Os Serviços Sociais Autônomos

  • (A) podem ter natureza jurídica de direito público ou privado.

  • (B) podem se revestir da forma de fundações ou empresas estatais.

  • (C) prestam serviço público sob a modalidade de permissão, não se

submetendo, no entanto, ao regime de concessões.

  • (D) prestam atividade de cooperação e fomento, revestindo-se da

forma de entes de natureza privada.

  • (E) atuam exclusivamente nos setores de

forma de organizações sociais. 9

saúde e cultura, sob a

10) (2010/FCC TJ/PI Assessor) No que diz respeito às Organizações Sociais, assinale a alternativa INCORRETA.

  • (A) As Organizações Sociais podem

atuar

nas

áreas de

ensino,

pesquisa científica, desenvolvimento tecnológico, proteção e preservação do meio ambiente, cultura e saúde.

  • (B) O Poder Executivo poderá qualificar como “organizações sociais”

pessoas jurídicas de direito privado, sem fins lucrativos, para o desempenho de determinadas atividades de caráter social.

  • (C) As Organizações Sociais devem realizar licitação, na modalidade

concorrência, para aquisição de bens ou serviços de interesse

comum, adquiridos em decorrência de recursos repassados pela União.

  • (D) O órgão de deliberação superior das Organizações Sociais precisa

ter representantes do Poder Público e de membros da comunidade, de notória capacidade profissional e idoneidade moral.

8 Letra D. Como quero essa questão na prova! Mistura organização administrativa e licitações. Seria ideal uma questão envolvendo valores, como, por exemplo, uma obra orçada em 25 mil reais pode ser dispensada, em razão do valor, por uma agência reguladora, ops., por uma AGÊNCIA EXECUTIVA. Verdade, a lei não fala agência reguladora. Cuidado .... 9 Letra D.

Curso de Direito Administrativo para a Receita Federal Profº Cyonil Borges Teste de Fogo (E) O

Curso de Direito Administrativo para a Receita Federal Profº Cyonil Borges Teste de Fogo

  • (E) O Poder Público poderá destinar às Organizações Sociais recursos

orçamentários e bens públicos necessários ao cumprimento do contrato de gestão; a destinação dos bens públicos dar-se-á com dispensa de licitação e mediante permissão de uso. 10

11)

(2009/FCC MP-SED Cargo

8) As organizações da

sociedade civil de interesse público (OSCIPs) são entidades:

  • (A) criadas pelo Poder Público em parceria com entes particulares,

visando à celebração de Contratos de Gestão nas respectivas áreas de atuação, podendo integrar ou não as respectivas administrações indiretas.

  • (B) qualificadas como tal por

ato

do

Ministério

da

Justiça e

que

podem celebrar termos de parceria com órgãos de qualquer ente da federação, para o exercício de atividades definidas na lei como de interesse público.

  • (C) integrantes da administração indireta da União, dos Estados ou

dos Municípios e que podem exercer, por ato de delegação, atividades de interesse público definidos na lei de sua instituição.

  • (D) registradas no Registro Civil das Pessoas Jurídicas e cadastradas

perante o Ministério da Justiça ou órgão equivalente nos Estados e Municípios, para exercício das atividades de relevante interesse público previstas nos seus estatutos.

  • (E) autorizadas pelo Poder Executivo da União, dos Estados ou dos

Municípios, mas não integrante da respectiva administração indireta, para exercício de atividades públicas sem sujeição ao regime jurídico da Administração. 11

12) (2011/FCC PGE-RO - Procurador) Organizações Sociais, Organizações da Sociedade Civil de Interesse Público e Serviços Sociais Autônomos são espécies do gênero denominado entidades de colaboração com a Administração Pública. É característica comum dessas três espécies, conforme legislação federal,

  • (A) estarem sujeitas ao controle dos Tribunais de Contas, embora

tenham personalidade jurídica de direito privado.

  • (B) serem beneficiárias de prerrogativas processuais semelhantes às

das entidades de direito público, quando houver questionamento dos

  • 10 Letra C. Com a edição do Decreto Federal 5.504, de 2005, tornou-se obrigatório o uso do pregão para as entidades de direito privado que recebam recursos públicos voluntários da União. Referida obrigatoriedade, inclusive, foi repetida na LDO 2012.

  • 11 Letra B.

Curso de Direito Administrativo para a Receita Federal Profº Cyonil Borges Teste de Fogo atos praticados

Curso de Direito Administrativo para a Receita Federal Profº Cyonil Borges Teste de Fogo

atos praticados no exercício de atividades consideradas de interesse público.

(C)

contarem obrigatoriamente com a participação de representantes

do Poder Público em seus órgãos internos de deliberação superior.

 

(D)

serem beneficiárias de contribuições parafiscais, estabelecidas

para custeio de suas atividades de interesse público.

 

(E)

celebrarem

obrigatoriamente

contrato

de

gestão,

com

a

Administração Pública, para desempenho de suas atividades. 12

 

13) (2010/FCC - TRF/4ª - Técnico Judiciário - Área Administrativa) A desapropriação, pelo Município, de imóvel pertencente a inimigo do respectivo Prefeito Municipal, com o objeto de causar prejuízo ao desapropriado, constitui ofensa ao elemento do ato administrativo referente:

(A)

à competência.

 

(B)

à finalidade.

(C)

ao objeto.

(D)

à vinculação.

 

(E)

à forma. 13

14)

(2010/FCC TRE/AL Técnico Jud./Adm) Sobre o

motivo, como requisito do ato administrativo, é INCORRETO afirmar que:

(A)

motivo

e

motivação

do

ato

administrativo

são

expressões

equivalentes.

 

(B)

motivo e móvel do ato administrativo são expressões que não se

equivalem.

 

(C)

motivo é

o pressuposto de

fato

e

de direito que serve de

fundamento ao ato administrativo.

(D)

a sua ausência invalida o ato administrativo.

 

(E)

motivo é a causa imediata do ato administrativo. 14

 
  • 12 Letra A. Só reforço que eventuais irregularidades não comunicadas acarretam responsabilidade SOLIDÁRIA.

  • 13 Letra B. A competência existe, mas praticou o ato visando à finalidade diversa. Incorreu, na espécie, em desvio de poder ou finalidade.

  • 14 Letra A. Motivação é a exteriorização dos motivos, portanto são conceitos inconfundíveis. Ah! Cuidado com o conceito de móvel. É a parte psicológica do agente, antecede a prática do ato, mas não se confunde com o motivo. Está na cabeça do agente. Cuidado.

Curso de Direito Administrativo para a Receita Federal Profº Cyonil Borges Teste de Fogo 15) (2010/FCC

Curso de Direito Administrativo para a Receita Federal Profº Cyonil Borges Teste de Fogo

15) (2010/FCC TRT/8R Analista/Judiciária) Sobre os requisitos dos atos administrativos, é correto afirmar:

(A)

Em

relação

discricionário.

ao

objeto,

o

ato

administrativo

será

sempre

  • (B) O objeto do ato administrativo apenas será natural, não podendo

ser acidental, diferentemente do que ocorre no negócio jurídico de

direito privado.

  • (C) O silêncio pode significar forma de manifestação da vontade da

Administração quando a lei assim o prevê.

  • (D) Se a lei exige processo disciplinar para demissão de um

funcionário, a falta ou o vício naquele procedimento são hipóteses de revogação da demissão.

  • (E) O objeto é o efeito jurídico mediato que o ato produz, enquanto a

finalidade é o efeito imediato. 15

16)

(2010/FCC

TRT/8R

Técnico)

Dentre

 

os

atos

administrativos, imperatividade é:

aquele

que

traz

em

si

o

requisito

da

  • (A) a licença.

 
  • (B) o atestado.

  • (C) a autorização.

  • (D) o decreto.

  • (E) o parecer. 16

17)

(2010/FCC

-

ALESP-

Ag.

Téc.

Legislativo

M13)

A

convalidação dos atos administrativos é:

  • (A) sempre possível, independentemente do vício de origem.

  • (B) obrigatória quando a nulidade é sanável, operando seus efeitos

apenas a partir da prática do ato saneador.

  • (C) possível em relação a atos praticados com vício de conteúdo,

porém não com vício de motivação.

  • (D) possível apenas em relação a atos praticados com vício de

finalidade ou motivação.

  • 15 Letra C. É um antigo sonho. Gostaria tanto que a ESAF cobrasse o tal silêncio administrativo. Para a doutrina, o silêncio não é ato administrativo, mas fato, porém pode repercutir no mundo administrativo, e por isso chamado de fato administrativo.

  • 16 Letra D. Os atos enunciativos não são dotados de imperatividade. São eles: apostila, visto, pareceres, atestados e certidões. Os atos negociais idem, como, por exemplo, licenças, autorizações e permissões, e protocolo de intenções.

Curso de Direito Administrativo para a Receita Federal Profº Cyonil Borges Teste de Fogo (E) possível

Curso de Direito Administrativo para a Receita Federal Profº Cyonil Borges Teste de Fogo

(E)

possível em relação a atos praticados com vício de competência,

exceto quando o ato for de competência privativa de autoridade diversa da que o praticou. 17

18)

(2010/FCC TJ/PI Assessor) Analise as seguintes

assertivas a respeito dos atos administrativos.

I. Ocorre desvio de poder quando a autoridade usa do poder discricionário para atingir finalidade alheia ao interesse público. II. Se a Administração concedeu afastamento, por dois meses, a determinado funcionário, a revogação do ato será possível mesmo se já tiver transcorrido o aludido período. III. Na hipótese de dispensa de servidor exonerável ad nutum, se forem dados os motivos para tanto, ficará a autoridade que os deu sujeita à comprovação de sua real existência. IV. O vício de incompetência admite convalidação, que nesse caso

recebe o nome de ratificação, desde que não se trate de competência outorgada com exclusividade. Está correto o que se afirma APENAS em

(A)

I, III e IV.

(B)

I, II e III.

(C)

III e IV.

(D)

II e IV.

(E)

I e III. 18

19) (2010/FCC TCE/AP

Procurador de Contas) A

convalidação “é o ato administrativo pelo qual é suprido o

vício existente em um ato ilegal, com efeitos retroativos à

data em que este foi praticado” (cf. Maria Sylvia Zanella di

Pietro, Direito Administrativo, 23a edição, 2010). Admite-se a convalidação quando se tratar de vício:

(A)

de incompetência em razão da matéria.

 

(B)

de incompetência, desde que não se trate de competência

exclusiva.

 

(C)

quanto ao motivo, retificando-se a motivação com efeito

retroativo.

 

(D)

de finalidade, passando-se a indicar a finalidade decorrente da lei

para a prática do ato.

  • 17 Letra E. Perceba que os Professores de Direito Administrativo simplesmente ignoram a distinção entre competência privativa e exclusiva.

  • 18 Letra A. O erro do item II é que atos exauridos são irrevogáveis.

Curso de Direito Administrativo para a Receita Federal Profº Cyonil Borges Teste de Fogo (E) quanto

Curso de Direito Administrativo para a Receita Federal Profº Cyonil Borges Teste de Fogo

  • (E) quanto ao motivo, desde que se trate de ato vinculado, passando-

se a explicitar a motivação necessária para a prática do ato. 19

20) (2010/FCC TCM/PA Técnico) Sobre o controle administrativo da Administração Pública é INCORRETO afirmar que

  • (A) os recursos administrativos podem ter efeito suspensivo ou

devolutivo, sendo que ambos são independentes de previsão legal.

  • (B) a Administração pode anular seus próprios atos, quando eivados

de vícios que os tornem ilegais.

  • (C) o direito de petição é uma forma de controle administrativo.

  • (D) o recurso hierárquico impróprio é o recurso dirigido a autoridade

de outro órgão não integrado na mesma hierarquia daquele que

proferiu o ato recorrido.

  • (E) a expressão coisa julgada administrativa significa que a decisão

tornou-se irretratável pela própria Administração, não impedindo que seja apreciada pelo Poder Judiciário se causar lesão ou ameaça de lesão. 20

21)

(2010/FCC TCM/PA Técnico) Dentre as finalidades do

Sistema de Controle Interno definidas na Constituição Federal, figura a de

  • (A) assinar prazo para que o órgão ou entidade adote as providências

necessárias ao exato cumprimento da lei, se verificada ilegalidade.

  • (B) exercer o controle das operações de crédito, avais e garantias,

bem como dos direitos e haveres da União.

  • (C) apreciar, para fins de registro, a legalidade dos atos de admissão

de pessoal, a qualquer título, na administração direta, incluídas as

fundações instituídas e mantidas pelo Poder Público.

  • (D) fiscalizar a aplicação de quaisquer recursos repassados pela União

mediante convênio ao Distrito Federal ou a Município.

  • (E) receber petições, reclamações ou queixas de qualquer pessoa

contra atos ou omissões das autoridades ou entidades públicas. 21

22) (2011/FCC PGE-RO - Procurador) NÃO é hipótese legal de dispensa de licitação:

  • 19 Letra B. Veja que agora a ilustre organizadora usou o termo “exclusiva”. O uso é indistinto.

  • 20 Letra A. O efeito devolutivo é automático. Já o suspensivo a lei deve ser expressa.

  • 21 Letra B. Por favor, guarda o art. 74 da CF, de 1988. Isso não é um pedido, viu! É uma ordem.

Curso de Direito Administrativo para a Receita Federal Profº Cyonil Borges Teste de Fogo (A) A

Curso de Direito Administrativo para a Receita Federal Profº Cyonil Borges Teste de Fogo

  • (A) A alienação gratuita ou onerosa, aforamento, concessão de direito

real de uso, locação ou permissão de uso de bens imóveis residenciais construídos, destinados ou efetivamente utilizados no âmbito de programas habitacionais ou de regularização fundiária de interesse social desenvolvidos por órgãos ou entidades da administração pública.

  • (B) A contratação de remanescente de obra, serviço ou fornecimento,

em consequência de rescisão contratual, desde que atendida a ordem

de classificação da licitação anterior e aceitas as mesmas condições oferecidas pelo licitante vencedor, inclusive quanto ao preço, devidamente corrigido.

  • (C) A contratação da coleta, processamento e comercialização de

resíduos sólidos urbanos recicláveis ou reutilizáveis, em áreas com sistema de coleta seletiva de lixo, efetuados por associações ou cooperativas formadas exclusivamente por pessoas físicas de baixa renda reconhecidas pelo poder público como catadores de materiais recicláveis, com o uso de equipamentos compatíveis com as normas técnicas, ambientais e de saúde pública.

  • (D) A contratação de associação de portadores de deficiência física,

sem fins lucrativos e de comprovada idoneidade, por órgãos ou entidades da Administração Pública, para a prestação de serviços ou fornecimento de mão de obra, desde que o preço contratado seja compatível com o praticado no mercado.

  • (E) O credenciamento de número indeterminado de profissionais de

saúde para atendimento de saúde complementar aos servidores públicos, garantindo-se a publicidade do procedimento, a objetividade dos requisitos, a regulamentação da prestação dos serviços e a fixação criteriosa da tabela de remuneração dos serviços prestados. 22

23) (2011/FCC PGE-RO - Procurador) A Lei de Licitações e Contratos Lei Federal no 8.666/93 exige que seja feita audiência pública com antecedência mínima de 15 (quinze) dias úteis da data prevista para a publicação do edital quando:

  • (A) se tratar de obra ou prestação de serviço decorrente de contrato

de programa celebrado com ente da Federação ou com entidade de sua administração indireta, para a prestação de serviços públicos de forma associada, em virtude de contrato de consórcio público ou em convênio de cooperação.

  • (B) o valor estimado para uma licitação ou para um conjunto de

licitações simultâneas ou sucessivas for superior a 100 (cem) vezes o

valor referente à dispensa de licitação, em contratação de obras ou serviços de engenharia.

22 Letra E. O credenciamento é dito pela doutrina como forma de INEXIGIBILIDADE.

Curso de Direito Administrativo para a Receita Federal Profº Cyonil Borges Teste de Fogo (C) a

Curso de Direito Administrativo para a Receita Federal Profº Cyonil Borges Teste de Fogo

  • (C) a obra ou a prestação de serviços forem realizados no envoltório

de 100 (cem) quilômetros do perímetro de unidade de conservação de proteção integral.

(D)

o

valor

estimado para uma

licitação

ou

para

um

conjunto

de

licitações simultâneas ou sucessivas for superior a 100 (cem) vezes o valor estipulado como limite para a adoção da modalidade concorrência, em contratação de obras e serviços de engenharia.

(E) se tratar

da alienação ou concessão de direito real

de

uso de

terras públicas rurais da União na Amazônia

Legal superiores ao

limite de 15 (quinze) módulos fiscais ou 1.500 ha (mil e quinhentos

hectares). 23

24)

(2011/FCC TRE-TO Analista Judiciário) Nos contratos

administrativos,

  • (A) o instrumento de contrato é obrigatório nos casos de concorrência

e tomada de preços, sendo dispensável nas hipóteses de

inexigibilidade e dispensa de licitação.

  • (B) é permitida a qualquer interessado a obtenção gratuita de cópia

autenticada de contrato administrativo.

  • (C) a minuta do futuro contrato

convocatório da licitação.

integrará sempre o edital

ou ato

  • (D) decorridos cinquenta dias da data da entrega das propostas, sem

convocação para a contratação, ficam os licitantes liberados dos

compromissos assumidos.

  • (E) nenhum contrato com a Administração Pública pode ser de forma

verbal. 24

25) (2011/FCC TJUPE Juiz-substituto) É regra estranha ao tratamento legal da modalidade de licitação dita pregão, em termos de normas gerais, a que determina que:

  • (A) no curso da sessão, o autor da oferta de valor mais baixo e os

das ofertas com preços até 20% superiores àquela poderão fazer novos lances verbais e sucessivos, até a proclamação do vencedor.

  • (B) o prazo fixado

para a apresentação das propostas, contado a

partir da publicação do aviso, não será inferior a 8 dias úteis.

  • (C) para julgamento e classificação das propostas, será adotado o

critério de menor preço, observados os prazos máximos para fornecimento, as especificações técnicas e parâmetros mínimos de

desempenho e qualidade definidos no edital.

  • 23 Letra D. Leitura do art. 39 da Lei de Licitações.

  • 24 Letra C.

Curso de Direito Administrativo para a Receita Federal Profº Cyonil Borges Teste de Fogo (D) examinada

Curso de Direito Administrativo para a Receita Federal Profº Cyonil Borges Teste de Fogo

(D)

examinada a proposta classificada em primeiro lugar, quanto ao

objeto e valor, caberá ao pregoeiro decidir motivadamente a respeito da sua aceitabilidade.

(E)

encerrada a etapa competitiva e ordenadas as ofertas, o

pregoeiro procederá à abertura do invólucro contendo os documentos de habilitação do licitante que apresentou a melhor proposta, para verificação do atendimento das condições fixadas no edital. 25

26) (2011/FCC Nossa Caixa Advogado) A empresa X, após sagrar-se vencedora de procedimento licitatório, celebrou contrato administrativo com o Poder Público para o fornecimento de determinado produto. Após a celebração do contrato, adveio uma greve de trabalhadores que paralisou, indefinidamente, a fabricação do produto, impedindo a execução contratual. Conforme previsto na Lei de Licitações e Contratos Administrativos (Lei no 8666/93), o fato narrado:

(A)

constitui evento absolutamente previsível, que não traz qualquer

consequência ao mencionado contrato administrativo.

 

(B)

caracteriza hipótese de fato da Administração, que não é causa

impeditiva da execução contratual, mas apenas criadora de maior dificuldade.

(C)

constitui motivo para a rescisão do contrato administrativo.

 

(D)

caracteriza hipótese de fato do

príncipe, sendo necessária a

revisão contratual.

 

(E)

constitui motivo para o reajustamento contratual. 26

 

27) (2011/FCC TCE-PR Analista Contábil) Em contratos administrativos regidos pela Lei no 8.666/93,

(A)

a alteração qualitativa, não é admitida mas apenas a quantitativa,

para acréscimos ou supressões do objeto contratado, até o limite de 50% do valor inicial atualizado do contrato.

(B)

a alteração qualitativa é admitida, quando houver modificação do

projeto ou das especificações, vedadas alterações quantitativas.

 

(C)

a

alteração qualitativa ou quantitativa do seu objeto,

não

é

admitida

em

face

do

princípio

da

vinculação

ao

instrumento

convocatório.

 

(D)

admitem-se acréscimos quantitativos, no limite de 25% do valor

inicial atualizado do contrato, podendo chegar a 50% no caso de

reforma de edifício ou equipamento.

25 Letra A. Percentual de 10%. 26 Letra C. O erro da letra E é que a teoria da imprevisão acarreta a revisão e não reajuste. Cuidado!

Curso de Direito Administrativo para a Receita Federal Profº Cyonil Borges Teste de Fogo (E) a

Curso de Direito Administrativo para a Receita Federal Profº Cyonil Borges Teste de Fogo

  • (E) a supressão de obras, serviços ou compras contratados, não é

admitida exceto com a expressa concordância do contratado. 27

28) (2011/FCC TRE-PE Analista/Judiciária) Nos termos da Lei no 8.666/93, no que concerne ao sistema de registro de preços, está correto asseverar:

  • a) Deve haver estipulação prévia do sistema de controle e atualização

dos preços registrados.

  • b) O registro

de preços

não

pesquisa de mercado.

necessita ser

precedido de ampla

  • c) Os preços registrados serão publicados semestralmente para

orientação da Administração, na imprensa oficial.

d)

O

sistema de

registro

de preços será regulamentado por

Lei

Complementar, atendidas as peculiaridades regionais.

  • e) A validade do registro de preços deve ser superior a dois anos. 28

29)

(2011/FCC

TCE-SE

Jurídico)

Segundo

a

Lei

no

10.520/02,

 
  • (A) as compras de bens comuns, quando efetuadas pelo sistema de

registro de preços, poderão adotar a modalidade pregão.

  • (B) o prazo de validade das propostas no pregão é de 90 (noventa)

dias, se outro não tiver sido fixado em edital.

  • (C) o pregão é a modalidade licitatória empregada para aquisição de

bens e serviços de baixo valor, sendo assim definidas em lei as aquisições de até R$ 8.000,00 (oito mil reais).

  • (D) o prazo para apresentação das propostas no pregão não será

inferior a 15 (quinze) dias úteis, contados a partir da publicação do

aviso.

  • (E) o pregoeiro designado por autoridade competente deverá ser

pessoa que não integre o quadro de servidores do órgão ou entidade promotora da licitação. 29

30) (2011/FCC MPE-CE

Promotor de Justiça) É admissível,

em editais de licitação, a fixação de cláusula que estabeleça:

  • a) isenção tributária aos produtos e serviços produzidos no território

do ente licitante.

  • 27 Letra D.

  • 28 Letra A.

  • 29 Letra A.

Curso de Direito Administrativo para a Receita Federal Profº Cyonil Borges Teste de Fogo b) margem

Curso de Direito Administrativo para a Receita Federal Profº Cyonil Borges Teste de Fogo

  • b) margem de preferência para produtos manufaturados e para

serviços nacionais que atendam a normas técnicas brasileiras.

  • c) como critério de

desempate a preferência por bens e serviços

produzidos por empresa de capital nacional.

  • d) exigência, nos contratos de

compra

para entrega futura

e

na

execução de obras e serviços, de que os licitantes ostentem capital

mínimo de 20% do valor estimado da contratação.

  • e) preferência em favor da produção de bens em âmbito local, de

maneira a favorecer

a criação

de

empregos na região

do órgão

contratante

e

diminuir

o

custo ambiental da

produção

dos bens

contratados. 30

31) (2011/FCC TRE-AP Técnico) A ação ou omissão do Poder Público que, incidindo direta e especificamente sobre o contrato, retarda ou impede sua execução, como por exemplo, quando a Administração deixa de entregar o local da obra ou serviço, denomina-se:

  • a) estado de perigo.

  • b) fato do príncipe.

  • c) caso fortuito.

  • d) força maior.

  • e) fato da Administração. 31

32) (2005/FCC TCE/MA Anal-Controle-Externo) O Estado firmou contrato de concessão de rodovias, o qual prevê, como obrigação da concessionária, obras de duplicação das pistas para as quais se faz necessária a desapropriação de áreas particulares. A competência para expedir a declaração expropriatória é

  • a) da concessionária ou do Estado, conforme previsto no contrato,

tendo

o

Estado

desapropriação.

competência

exclusiva

para

promover

a

  • b) do Estado, exclusivamente, o qual também tem competência

exclusiva para promover a desapropriação.

  • c) do Estado, exclusivamente, tendo a concessionária competência

para promover a desapropriação, desde que previsto no contrato.

  • d) da concessionária ou do Estado, conforme previsto no contrato,

devendo o contrato definir também quem terá competência para a desapropriação.

  • 30 Letra B.

  • 31 Letra E. Incidência direta fato da Administração. Incidência Indireta Fato do Príncipe. Cuidado.

Curso de Direito Administrativo para a Receita Federal Profº Cyonil Borges Teste de Fogo e) da

Curso de Direito Administrativo para a Receita Federal Profº Cyonil Borges Teste de Fogo

e) da concessionária, exclusivamente, a

qual

também

tem

competência exclusiva para promover a desapropriação. 32

33) (2010/FCC MPE/SE Direito) Considere as seguintes assertivas em relação à Lei que dispõe sobre os regimes de concessão e de permissão da prestação de serviços públicos:

I. É permitida a concessão a pessoas físicas ou jurídicas, sendo vedada a consórcio de empresas.

II. As concessões, obrigatoriamente, devem ser precedidas de licitação na modalidade concorrência.

III. As permissões devem ser formalizadas em contrato de adesão, sendo caracterizadas pela precariedade e revogabilidade unilateral.

IV. As permissões, obrigatoriamente, devem ser precedidas de licitação na modalidade de tomada de preços.

V. Nas licitações para concessão e permissão de serviços públicos, os autores ou responsáveis economicamente pelos projetos básico ou executivo podem participar, direta ou indiretamente, da licitação ou da execução de obras ou serviços.

Está correto o que consta APENAS em

  • (A) I, III e V.

  • (B) I, II e IV.

  • (C) II, III e V.

  • (D) II, III e IV.

  • (E) III, IV e V. 33

34) (2010/FCC TCM/PA

Técnico)

Sobre

a

parceria

público-privada prevista na Lei no 11.079/2004, é correto

afirmar que:

  • (A) concessão administrativa é o contrato de prestação de serviços de

que a Administração Pública seja a usuária direta ou indireta, salvo se envolver execução de obra ou fornecimento e instalação de bens.

(B)

parceria

público-privada

é

o

contrato

administrativo

de

concessão, na modalidade patrocinada ou administrativa.

  • (C) é vedada a celebração de contrato de parceria público-privada

cujo valor do contrato seja superior a R$ 50.000.000,00 (cinquenta milhões de reais).

  • (D) é permitida a celebração de contrato de parceria público-privada

que tenha como objeto único o fornecimento de mão de obra e o

  • 32 Letra C. A declaração é pelo Estado. A promoção pode ser pela concessionária, isso se houver previsão no contrato.

  • 33 Letra C. Item I. Não pode com pessoas físicas. Item IV Depende do valor.

Curso de Direito Administrativo para a Receita Federal Profº Cyonil Borges Teste de Fogo fornecimento e

Curso de Direito Administrativo para a Receita Federal Profº Cyonil Borges Teste de Fogo

fornecimento e instalação de equipamentos ou a execução de obra pública.

(E)

dentre as diretrizes a serem observadas na contratação de

parceria público-privada, nada consta sobre responsabilidade fiscal na

celebração e execução das parcerias. 34

 

35) (2010/FCC PGE/AM Procurador) O modelo das parcerias público-privadas estabelecido pela Lei Federal no 11.079/2004 criou várias regras especiais para licitação e contratação das PPPs, criando situações inovadoras em comparação com as leis já existentes sobre licitações, contratos e concessões de serviço público.

Porém, dentre as disposições dessa lei, NÃO pode ser considerada novidade a possibilidade de:

(A)

inversão de fases no processo licitatório.

 

(B)

estipulação

de

cláusula

arbitral

para

dirimir

os conflitos

contratuais.

 

(C)

aplicação de penalidade à Administração, pelo inadimplemento

contratual.

 

(D)

instituição de pessoa jurídica de direito privado, cujo patrimônio

serve

como

garantia

para

as

obrigações

contratuais

da

Administração.

 

(E)

emissão de empenho em nome dos financiadores do projeto em

relação às obrigações pecuniárias da Administração Pública. 35

 

36) (2010/FCC TCM/PA Técnico) De conformidade com o que dispõe a Lei no 11.107/2005, os consórcios públicos:

(A)

podem, nos termos do contrato de consórcio de direito público,

promover desapropriações e instituir servidões nos termos de declaração de utilidade ou necessidade pública, ou interesse social, realizada pelo Poder Público.

(B)

não podem firmar convênios, contratos, acordos de qualquer

natureza, receber auxílios, contribuições e subvenções sociais ou econômicas de outras entidades e órgãos do governo, mesmo que

seja para cumprimento de seus objetivos.

 

(C)

não podem ser contratados sem licitação pela administração

direta ou indireta dos entes da Federação consorciados.

 

(D)

não

poderão,

em

qualquer

hipótese,

outorgar

concessão,

permissão ou autorização de obras ou serviços públicos.

34 Letra B. 35 Letra A. A inversão de fases já estava prevista na Lei do Pregão, datada de 2002.

Curso de Direito Administrativo para a Receita Federal Profº Cyonil Borges Teste de Fogo (E) na

Curso de Direito Administrativo para a Receita Federal Profº Cyonil Borges Teste de Fogo

  • (E) na área de saúde não precisam obedecer as diretrizes e normas

que regulam o Sistema Único de Saúde SUS. 36

37) (2011/FCC TCE/SP Procurador) De acordo com a Lei Federal no 11.107/2005, que disciplina os consórcios públicos, estes são dotados do seguinte privilégio:

  • (A) promover desapropriações e instituir servidões, desde que

possuam natureza jurídica de direito público.

  • (B) serem contratados com dispensa de licitação, desde que possuam

natureza jurídica de direito público.

  • (C) possibilidade de contratarem com dispensa de licitação com

limites de valores mais elevados.

  • (D) prerrogativa de serem contratados com inexigibilidade de

licitação com limites de valores mais elevados, independentemente

de sua natureza jurídica.

  • (E) prerrogativa de serem contratados com inexigibilidade de licitação

em razão de valores mais elevados, desde que possuam natureza jurídica de direito privado. 37

38) (2011/FCC TCE/SP Procurador) Em relação aos contratos de parcerias público-privadas disciplinados pela Lei Federal no 11.079/2004, é correto afirmar:

  • (A) É imprescindível ao Poder Público comprovar a prévia reserva de

recursos financeiros em montante suficiente para cobrir as despesas decorrentes do contrato.

  • (B) É obrigatório ao Poder Público o cumprimento da Lei de

Responsabilidade Fiscal, inclusive para a abertura da licitação.

  • (C) Cabe ao Poder Público assumir integralmente os riscos nos

contratos em que haja financiamento por parte do parceiro privado.

  • (D) É facultativa para o licitante vencedor do certame a constituição

de uma sociedade de propósitos específicos, exceto se se tratar de

consórcio, quando é expressamente dispensada essa exigência.

  • (E) Não há garantia da manutenção do equilíbrio financeiro tal como

na Lei de Concessões, visto que não há tal previsão expressa na Lei

no 11.079/2004. 38

39)

(2010/FCC

TRE/AM

 

Analista

Judiciário) A

administração

pública

direta

e

indireta

de

qualquer

dos

União, dos Estados, do

Distrito Federal e dos

Poderes da Municípios

obedecerá

aos

princípios

de

legalidade,

  • 36 Letra A.

  • 37 Letra C. Sonho para prova. Envolve consórcios e a lei de Licitações. Leitura do parágrafo único do art.

  • 24 da Lei 8.666, de 1993.

  • 38 Letra B.

Curso de Direito Administrativo para a Receita Federal Profº Cyonil Borges Teste de Fogo impessoalidade, moralidade,

Curso de Direito Administrativo para a Receita Federal Profº Cyonil Borges Teste de Fogo

impessoalidade, moralidade, publicidade e eficiência, sendo INCORRETO afirmar que

  • (A) durante o prazo improrrogável previsto no edital de convocação,

aquele aprovado em concurso público de provas ou de provas e

títulos, será convocado concorrendo em igualdade de condições com novos concursados para assumir cargo ou emprego, na carreira.

  • (B) as funções de confiança, exercidas exclusivamente por servidores

ocupantes de cargo efetivo, e os cargos em comissão, a serem

preenchidos por servidores de carreira nos casos, condições e percentuais mínimos previstos em lei, destinam-se apenas às atribuições de direção, chefia e assessoramento.

  • (C) é vedada a vinculação ou equiparação de quaisquer espécies

remuneratórias para o efeito de remuneração de pessoal do serviço público.

  • (D) os acréscimos pecuniários percebidos por servidor público não

serão computados nem acumulados para fins de concessão de

acréscimos ulteriores.

  • (E) a administração fazendária e seus servidores fiscais terão, dentro

de suas áreas de competência e jurisdição, precedência sobre os

demais setores administrativos, na forma da lei. 39

40) (2010/FCC - TRF/4ª - Técnico Judiciário - Área Administrativa) Os servidores públicos titulares de cargos efetivos, aos quais é assegurado regime de previdência de caráter contributivo e solidário, serão aposentados:

  • (A) compulsoriamente, aos setenta e cinco anos de idade.

  • (B) compulsoriamente, aos setenta anos de idade.

  • (C) voluntariamente, aos sessenta e cinco anos, independentemente

do sexo.

  • (D) voluntariamente, aos sessenta e cinco anos de idade e trinta e

cinco de contribuição, se homem.

  • (E) voluntariamente,

aos

sessenta

contribuição, se mulher. 40

anos

de

idade

e

trinta

de

41) (2010/FCC - MPA - Agente Administrativo) Kenzo, servidor público do Ministério da Pesca e Aquicultura, quer se candidatar às próximas eleições, mas leu a constituição vigente e viu o que esta dispõe sobre o assunto: ao servidor público da administração direta, autárquica, fundacional, no exercício de mandato eletivo, é correto afirmar que:

  • 39 Letra A.

  • 40 Letra B.

Curso de Direito Administrativo para a Receita Federal Profº Cyonil Borges Teste de Fogo A) para

Curso de Direito Administrativo para a Receita Federal Profº Cyonil Borges Teste de Fogo

  • A) para efeito de benefício previdenciário, no caso de afastamento, os

valores serão determinados como se no exercício estivesse.

B) investido

no

mandato de

Vereador, será afastado do cargo,

emprego ou função, sendo-lhe facultado optar pela sua remuneração.

  • C) investido no mandato de Prefeito, havendo compatibilidade de

horários, perceberá as vantagens de seu cargo, emprego ou função,

sem prejuízo da remuneração do cargo eletivo.

  • D) em qualquer caso que exija o afastamento para o exercício de

mandato eletivo, seu tempo de serviço será contado para todos os efeitos legais, inclusive para promoção por merecimento.

  • E) tratando-se de mandato eletivo federal, estadual ou distrital, não

ficará afastado de seu cargo, emprego ou função. 41

42) (2010/FCC DPE/SP Defensor) De acordo com a Súmula Vinculante no 5 do Supremo Tribunal Federal, no processo administrativo disciplinar

  • (A) o acusado

deve ser defendido

por advogado regularmente

constituído, caso não possua capacidade postulatória.

  • (B) a demissão imposta a bem do serviço público deve ser submetida

a prévio controle de legalidade pelo Poder Judiciário.

  • (C) a falta de defesa técnica por advogado não ofende a Constituição

Federal.

(D)

a

presença de

advogado

em todas

as

fases

de

processo

administrativo disciplinar é obrigatória.

  • (E) a ausência de defesa por advogado acarreta a nulidade absoluta,

se não for sanada antes da fase de julgamento. 42

43) (2008/FCC TCE-SP/Auditor)

É

regra

estranha ao

regime da Lei Federal no 8.429/92, dita Lei da Improbidade

Administrativa, a

  • a) possibilidade de determinação da indisponibilidade de bens do

indiciado em inquérito para apuração de ato de improbidade administrativa, quando esse ato causar lesão ao patrimônio público ou ensejar enriquecimento ilícito.

  • b) sujeição do sucessor daquele que causar lesão ao patrimônio

público ou se enriquecer ilicitamente, às cominações da Lei, até o

limite do valor da herança.

  • 41 Letra A.

  • 42 Letra C.

Curso de Direito Administrativo para a Receita Federal Profº Cyonil Borges Teste de Fogo c) inclusão,

Curso de Direito Administrativo para a Receita Federal Profº Cyonil Borges Teste de Fogo

c) inclusão, no conceito de agente público, para os efeitos da Lei, daqueles que exercem, transitoriamente ou sem remuneração, função nas entidades da administração direta ou indireta.

d) impossibilidade

de

cumulação

de

sanções

penais,

civis

e

administrativas, com as cominações previstas na Lei.

e) sujeição às penalidades da Lei dos atos de improbidade praticados contra o patrimônio de entidade que receba subvenção de órgão público, limitada a sanção patrimonial à repercussão do ilícito sobre a contribuição dos cofres públicos. 43

44) (2010/FCC TRE/AM Analista Judiciário) Pela prática de ato de improbidade administrativa que atenta contra os princípios da Administração Pública, conforme previsto na Lei no 8.429/92, o agente está sujeito, dentre outras penalidades, à suspensão dos direitos políticos de

  • (A) três a cinco anos e pagamento de multa civil de até cem vezes o

valor da remuneração percebida pelo agente.

  • (B) cinco a oito anos e pagamento de multa civil de até duas vezes o

valor do dano.

  • (C) cinco a dez anos e pagamento de multa civil de até cinquenta e

três vezes o valor da remuneração percebida pelo agente.

  • (D) oito a doze anos e pagamento de multa civil de até duzentas

vezes o valor da remuneração percebida pelo agente.

  • (E) de quatro a dez anos e pagamento de multa civil de até cem

vezes o valor da remuneração percebida pelo agente. 44

45) (2010/FCC TCE/RO Procurador) O poder normativo conferido à Administração Pública compreende a

  • (A) edição de decretos autônomos para criação e extinção de órgãos

públicos, na medida em que são tradução de seu poder de auto- organização.

  • (B) edição de atos normativos de competência exclusiva do Chefe do

Executivo, tais como, decretos regulamentares, resoluções, portarias,

deliberações e instruções.

  • (C) promulgação de atos normativos originários e derivados, sendo os

primeiros os regulamentos executivos e os segundos, os

regulamentos autônomos.

  • (D) promulgação de atos legislativos de efeitos concretos, desde que

se refiram a objeto passível de ser disposto por meio de decreto regulamentar.

  • 43 Letra D. Princípio da independência entre as instâncias.

  • 44 Letra A.

Curso de Direito Administrativo para a Receita Federal Profº Cyonil Borges Teste de Fogo (E) edição

Curso de Direito Administrativo para a Receita Federal Profº Cyonil Borges Teste de Fogo

  • (E) edição de decretos autônomos, restringindo-se estes às hipóteses

decorrentes de exercício de competência própria, outorgada diretamente pela Constituição. 45

46) (2011/FCC TRT/14R Analista Judiciário) A Constituição Federal define as matérias de competência privativa do Presidente da República e permite que ele delegue algumas dessas atribuições aos Ministros de Estado, ao Procurador-Geral da República ou ao Advogado Geral da União. Se estas autoridades praticarem um desses atos, sem que haja a necessária delegação,

a) não haverá qualquer vício nos atos administrativos praticados. b) haverá vício de formalidade, que não admite ser sanado. c) haverá vício de incompetência que, na hipótese, admite convalidação. d) o Presidente da República poderá revogá-los, tendo em vista o vício existente em tais atos. e) haverá vício de conteúdo, portanto, os atos praticados devem obrigatoriamente ser anulados. 46

47) (2011/FCC TCE/SP Procurador) O poder de polícia expressa-se, em sentido amplo, por meio de:

  • (A) medidas repressivas, não compreendendo medidas preventivas.

  • (B) medidas gerais preventivas de limitação de direitos, podendo ser

discricionárias quando não previstas em lei.

  • (C) atos administrativos concretos limitadores do exercício de direitos

e atividades individuais em caráter geral e abstrato.

  • (D) atos administrativos normativos gerais e atos administrativos de

aplicação da lei ao caso concreto.

  • (E) medidas preventivas abstratas, tais como vistorias e licenças. 47

48) (2010/FCC TJ/PI Assessor) No que diz respeito à responsabilidade civil da Administração é INCORRETO afirmar:

  • (A) A ação regressiva da Administração contra o agente causador

direto do dano transmite-se aos herdeiros e sucessores do servidor culpado, podendo ser instaurada mesmo após a cessação do exercício no cargo ou na função.

  • (B) A teoria da irresponsabilidade do Estado, adotada na época dos

Estados absolutos, repousava fundamentalmente na ideia de soberania, tendo os Estados Unidos e a Inglaterra abandonado tal teoria respectivamente em 1946 e 1947.

  • 45 Letra E. Não pode criar ou extinguir órgãos. E cargos só vagos podem ser extintos.

  • 46 Letra C. Excelente questão. A matéria como pode ser delegada pode ser convalidada. Peço a leitura do parágrafo único do art. 84 da CF, de 1988.

  • 47 Letra D.

Curso de Direito Administrativo para a Receita Federal Profº Cyonil Borges Teste de Fogo (C) Às

Curso de Direito Administrativo para a Receita Federal Profº Cyonil Borges Teste de Fogo

(C) Às sociedades de economia mista e empresas públicas não se aplicará a regra constitucional atinente à responsabilidade do Estado, mas sim a responsabilidade disciplinada pelo direito privado, quando não desempenharem serviço público. (D) Para que a Administração indenize prejuízos causados a particulares por atos predatórios de terceiros ou por fenômenos naturais, faz-se necessária a prova da culpa da Administração. (E) No Brasil, a Constituição Federal de 1934 acolheu o princípio da responsabilidade solidária entre Estado e funcionário. Já a Constituição de 1946 adotou a teoria da responsabilidade subjetiva do Estado.48

49) (2008/FCC DPE-SP Oficial de Defensoria) Durante tentativa de resgate de refém, o atirador de elite da Polícia Militar do Estado terminou por causar a morte da mesma, não obstante tenha possibilitado a prisão do sequestrador. A família da refém falecida

a) poderá pleitear indenização do Estado, desde que comprove a culpa do atirador, servidor do Estado. b) poderá pleitear indenização do Estado argumentando responsabilidade objetiva. c) poderá pleitear indenização diretamente do sequestrador, visto que o Estado não pode ser responsabilizado por conduta criminosa. d) não poderá pleitear indenização do Estado, tendo em vista que o atirador, servidor do Estado, agiu no estrito cumprimento de dever legal. e) não poderá pleitear indenização do Estado nem do sequestrador, visto que o falecimento decorreu de caso fortuito.49

50) (2011/FGV SEFAZ-RJ Auditor Fiscal) Antônia ajuizou ação de rito ordinário em face de empresa concessionária de serviço de transporte coletivo urbano visando à reparação dos danos por ela suportados ao ser atropelada em acidente de trânsito causado pelo motorista da empresa. Considerando a situação hipotética narrada, a responsabilidade civil da empresa concessionária de serviço público será:

(A) subjetiva e, por tratar-se de pessoa jurídica de direito privado prestadora de serviço público, haverá presunção de culpa do agente causador do dano.

  • 48 Letra E. Com a CF, de 1946, inauguramos, em termos constitucionais, a responsabilidade objetiva.

  • 49 Gabarito: letra B. A responsabilidade do Estado é objetiva para atos comissivos, lícitos ou ilícitos.

Curso de Direito Administrativo para a Receita Federal Profº Cyonil Borges Teste de Fogo (B) subjetiva,

Curso de Direito Administrativo para a Receita Federal Profº Cyonil Borges Teste de Fogo

  • (B) subjetiva, pois a vítima do dano é terceiro não usuário do serviço

público, afastando, assim, a incidência da responsabilidade objetiva fundada na teoria do risco administrativo.

  • (C) objetiva, uma vez que o dano foi causado por agente de pessoa

jurídica de direito privado prestadora de serviço público, sendo indiferente ser a vítima usuária ou não usuária do serviço público.

  • (D) subsidiária em relação à responsabilidade objetiva do Poder

Concedente, a quem compete o dever de fiscalização na execução do

serviço público concedido.

  • (E) solidária em relação à responsabilidade objetiva do Poder

Concedente e subjetiva do próprio agente causador do dano.50

51)

(2012/FCC TRE-CE Analista Judiciário) O bem público

de uso especial:

  • (A) pode ser utilizado pelos indivíduos, mas essa utilização deverá

observar as condições previamente estabelecidas pela pessoa jurídica

interessada.

  • (B) é destinado a fins públicos, sendo essa destinação inerente à

própria natureza desse bem, como ocorre, por exemplo, com as

estradas e praças.

  • (C) possui regime jurídico de direito público, aplicando-se, a essa

modalidade de bem, institutos regidos pelo direito privado.

  • (D) possui regime jurídico de direito privado, portanto, passível de

alienação.

  • (E) está fora do comércio jurídico do direito privado, ainda que não

mantenha essa afetação. 51 52) (2011/FCC - TJU/AP

-

Cartório)

Com

base

no

ordenamento jurídico pátrio, são bens da União

  • (A) os terrenos da marinha e seus acrescidos, admitido o seu uso por

particulares por meio do regime da enfiteuse.

  • (B) as terras que estiverem situadas na faixa de fronteira, eis que

necessárias à segurança nacional.

  • (C) as terras devolutas em geral, exceto as indispensáveis à

preservação ambiental, que serão de titularidade do Estado-membro respectivo.

  • (D) as ilhas oceânicas e costeiras, independentemente de nelas estar

localizada a sede de algum Município.

  • (E) os bens materiais ou imateriais de relevância histórica, artística

ou paisagística nacional. 52

  • 50 Letra C. A responsabilidade das concessionárias é objetiva inclusive perante aqueles que não ostentam a qualidade de usuários.

  • 51 Letra A.

  • 52 Letra A.

Curso de Direito Administrativo para a Receita Federal Profº Cyonil Borges Teste de Fogo 53) (2011/FCC

Curso de Direito Administrativo para a Receita Federal Profº Cyonil Borges Teste de Fogo

53) (2011/FCC TCE/SP Procurador) A desapropriação realizada pelos entes públicos legalmente habilitados a fazê-lo possui traço característico, qual seja:

  • (A) pertinência temática com as competências materiais que lhes são

constitucional e legalmente atribuídas.

  • (B) possibilidade

inservíveis.

de

expropriação

de

quaisquer

bens

públicos

  • (C) necessidade de observância do direito de reversão dos

expropriados caso não seja dado ao bem desapropriado nenhuma finalidade pública.

  • (D) obrigatoriedade da eleição da

via

judicial

sempre

que

o

pagamento da indenização ultrapasse um exercício fiscal.

 
  • (E) obrigatoriedade de celebração de escritura pública

para

as

desapropriações em que os expropriados concordam com o preço. 53

54) (2011/FCC TCE/SP Procurador) A União Federal pretende implantar um gasoduto subterrâneo para transporte da produção de gás de uma região para outra. O trajeto do gasoduto atinge parcialmente imóveis particulares e imóveis públicos. Para materialização da obra pretendida, que acarretará restrição parcial do aproveitamento dos imóveis, a União deverá:

  • (A) desapropriar os imóveis de particulares e requisitar

temporariamente os imóveis públicos.

  • (B) instituir servidão administrativa sobre as áreas, observadas as

formalidades legais, inclusive para os imóveis públicos.

  • (C) instituir servidão administrativa sobre os imóveis particulares e

desapropriar os imóveis públicos, que não podem ser objeto de servidão administrativa.

  • (D) requisitar administrativamente os imóveis públicos e desapropriar

os imóveis particulares.

  • (E) adquirir as parcelas dos imóveis públicos atingidas pela obra e

desapropriar o perímetro necessário dos imóveis particulares. 54

  • 53 Letra A.

  • 54 Letra B.