Você está na página 1de 16
A SAÚDE NO ESTADO MATÉRIAS JORNALÍSTICAS - DESTAQUES NOS PRINCIPAIS JORNAIS E WEBSITES DATA: 21/11/2016

A SAÚDE NO ESTADO

MATÉRIAS JORNALÍSTICAS - DESTAQUES NOS PRINCIPAIS JORNAIS E WEBSITES

A SAÚDE NO ESTADO MATÉRIAS JORNALÍSTICAS - DESTAQUES NOS PRINCIPAIS JORNAIS E WEBSITES DATA: 21/11/2016
A SAÚDE NO ESTADO MATÉRIAS JORNALÍSTICAS - DESTAQUES NOS PRINCIPAIS JORNAIS E WEBSITES DATA: 21/11/2016

DATA: 21/11/2016

A SAÚDE NO ESTADO MATÉRIAS JORNALÍSTICAS - DESTAQUES NOS PRINCIPAIS JORNAIS E WEBSITES DATA: 21/11/2016
A SAÚDE NO ESTADO MATÉRIAS JORNALÍSTICAS - DESTAQUES NOS PRINCIPAIS JORNAIS E WEBSITES DATA: 21/11/2016
A SAÚDE NO ESTADO MATÉRIAS JORNALÍSTICAS - DESTAQUES NOS PRINCIPAIS JORNAIS E WEBSITES DATA: 21/11/2016
A SAÚDE NO ESTADO MATÉRIAS JORNALÍSTICAS - DESTAQUES NOS PRINCIPAIS JORNAIS E WEBSITES DATA: 21/11/2016
A SAÚDE NO ESTADO MATÉRIAS JORNALÍSTICAS - DESTAQUES NOS PRINCIPAIS JORNAIS E WEBSITES DATA: 21/11/2016
Indígenas voltam a bloquear a rodovia BR-316 O grupo cobra melhorias na área da saúde

Indígenas voltam a bloquear a rodovia BR-316 O grupo cobra melhorias na área da saúde Por: Redação ORM News Em 18 DE NOVEMBRO, 2016 - 16H06 - PARÁ

Facebook9TwitterGoogle+EmailCompartilhar

Cerca de 300 indígenas das etnias Tembé, Assurini, Timbira, Kaapo, Gavião, Kaxuiana e Waiwai, voltaram a interditar o quilômetro 104 na rodovia BR-316, na tarde desta sexta-feira (18), em protesto para pedir a melhoria no atendimento à saúde indígena no Estado. O grupo já havia liberado a via após negociação com a PRF, durante a manhã. Eles denunciam as péssimas condições dos programas de saúde indígena. Os indígenas também são contra a PEC 241, que prevê a municipalização dos atendimentos e Eles pedem ainda que um indígena assuma a coordenação do distrito do Guamá- Tocantins.

A Polícia Rodoviária Federal (PRF) está no local acompanhando a situação.

Oncológico Infantil é um dos que mais aprovaram trabalhos Congresso possibilita a troca de conhecimento e das distintas realidades vivenciadas pelos profissionais do Brasil e exterior Em 19 DE NOVEMBRO, 2016 - 10H27 - SAÚDE

Uma pequena amostra do que é realizado no dia a dia do Hospital Oncológico Infantil Octávio Lobo, em Belém (PA), pode ser vista nos sete trabalhos científicos apresentados no XV Congresso Brasileiro de Oncologia Pediátrica. O encontro acontece na cidade do Rio de Janeiro e encerra neste sábado (19).

O Hospital Oncológico Infantil está entre as instituições que mais aprovaram trabalhos científicos no Congresso. Esse ano, a Sociedade

Brasileira de Oncologia Pediátrica (SOBOPE) recebe o American Society of Pediatric Hematology and Oncology (ASPHO Essentials). E, também, o Encontro Anual do Grupo Latino Americano em Oncologia Pediátrica (GALOP). Além da oportunidade de mostrar o trabalho desenvolvido na unidade de referência no tratamento e cuidado de crianças e adolescentes com câncer no Norte do país, o congresso possibilita a troca de conhecimento e das distintas realidades vivenciadas pelos profissionais do Brasil e exterior. 'A assistência à criança e ao adolescente com câncer envolve muitos profissionais de diferentes áreas. Então, esses trabalhos que trouxemos retrata essa equipe multidisciplinar e as adequações que fizemos para a oncologia pediátrica, como é o caso da assistência sistematizada em Enfermagem. No Oncológico Infantil, focamos também na grande importância da situação socioeconômica das famílias e o reflexo disso na cura dos pacientes. O mundo todo fala disso e nós estamos trabalhando no nosso dia a dia essas situações', descreve a diretora Geral, Alba Muniz. Um dos temas abordados no Congresso é a grande dificuldade na adesão ao tratamento. 'O tratamento é longo e os pacientes, e, quem acompanha ficam muito tempo afastados da sua família, do lar. Infelizmente a maioria da nossa população têm uma condição socioeconômica limitada. E o nosso pequeno paciente que tem um tratamento de muitos meses, contínuo, acaba não completando e essa baixa adesão implica em recaída, em aumento da mortalidade, em uma série de dificuldades. A palestra nos deu possibilidade de confrontar essas diferentes realidades e buscar olhar um caminho para melhorar esse quadro', disse a médica oncopediatra, Alayde Vieira. Para a especialista, o diagnóstico precoce, na atenção básica à saúde, é uma das ações que podem reverter essas baixas no tratamento.

Unidade

O Hospital Oncológico Infantil Octávio Lobo é público e gratuito, sendo administrado pela Pró-Saúde Associação Beneficente de Assistência

Social e Hospitalar sob contrato de gestão com a Secretaria de Estado de Saúde Pública (Sespa). O Oncológico Infantil é o primeiro hospital especializado no tratamento de câncer infantojuvenil da região Norte do Brasil. A unidade cuida de crianças, adolescentes e jovens de até 19 anos. Sua inauguração ocorreu em 12/10 de 2015.

Hospital Galileu conquista o 1º lugar em duas categorias Com a conquista Hospital foi automaticamente classificado para concorrer em âmbito nacional, ao “Prêmio Ser Humano” edição 2017 Em 18 DE NOVEMBRO, 2016 - 21H06 - SAÚDE

Dois projetos desenvolvidos no Hospital Público Estadual Galileu (HPEG), em Belém (PA), ganharam destaque na noite desta quinta-feira (17) com a conquista dos primeiros lugares do Prêmio Ser Humano 2016, da Associação Brasileira de Recursos Humanos – Pará (ABRH), em duas categorias. Na modalidade Responsabilidade Social – Organizacional, o vencedor foi o projeto “Visita Virtual aos pacientes”, e na modalidade Gestão de Pessoas, o trabalho “Pesquisa de Clima Organizacional como ferramenta para melhoria contínua na prática de gestão de pessoas” levou o troféu. A premiação ocorreu durante o XIII Congresso de Gestão de Pessoas da ABRH, que teve início no dia 17/11 e segue até o dia

19/11.

Com o objetivo de reconhecer e incentivar aqueles que buscam o aperfeiçoamento holístico do ser humano, o Prêmio Ser Humano, estimula a pesquisa, estudo e aperfeiçoamento de práticas voltadas ao desenvolvimento de pessoas. Segundo o diretor Geral do hospital, Saulo Mengarda, a premiação é fruto de um trabalho que vem sendo desenvolvido na unidade de forma responsável e com foco no atendimento de excelência aos seus usuários e colaboradores. “Esta premiação traz uma grande alegria, pois enaltece dois trabalhos que foram realizados com foco nos colaboradores, pacientes e acompanhantes” comemora. Ganhador na modalidade Responsabilidade Social, o projeto “Visita Virtual aos Pacientes”, existente na unidade desde setembro de 2015, de autoria do coordenador de Tecnologia da Informação da unidade, Vlamir Garcia, proporciona aos pacientes internados a aproximação com seus familiares, visto que a maioria dos usuários atendidos pelo Galileu são de fora da Região Metropolitana de Belém, por isso, nem sempre contam com acompanhantes ou recebem visita. Para Vlamir Garcia a premiação foi uma surpresa muito boa, e ao mesmo tempo um reconhecimento do trabalho desenvolvido. “Quando pensamos na elaboração do projeto, nós visamos o paciente, pensando em trazer para perto dele os familiares, amenizando a saudade durante a internação”, relata. Além de seus usuários, o Hospital Galileu também tem como prioridade o cuidado com seus colaboradores, prova disso, veio com a premiação do projeto “Pesquisa de Clima Organizacional como ferramenta para melhoria contínua na prática de gestão de pessoas”, de responsabilidade da coordenadora de Gestão de Pessoas da unidade, Edilciléa Azevedo. Desenvolvida anualmente, a pesquisa foi pensada justamente para nortear as ações organizacionais dentro da instituição, com base no que o colaborador aponta. “Com a pesquisa é possível construir um plano de trabalho mais direcionado para a satisfação dos nossos colaboradores, bem como, enxergar

o que já estamos desenvolvendo de bom e o que ainda precisamos melhorar” relata a coordenadora. Edilciléa também falou sobre a emoção

em receber o prêmio. “Foi muito emocionante porque é o reconhecimento de um trabalho em equipe, então esse prêmio representa para mim,

a união de esforços, da coordenação em parceria com a direção, que sempre nos deu espaço e nos incentivou a realizar um trabalho de excelência na unidade”, comemora.

Com a conquista dos prêmios, o Hospital Galileu já foi automaticamente classificado para concorrer no ano que vem, em âmbito nacional, ao “Prêmio Ser Humano” edição 2017.

Unidade

Hospital Público Estadual Galileu é uma unidade de retaguarda que realiza atendimento médico de baixa e de média complexidades em cardiologia, traumato-ortopedia e clínica médica. É mantido pelo Governo do Estado e gerenciado pela Pró-Saúde Associação Beneficente de Assistência Social e Hospitalar, sob contrato de gestão com a Secretaria de Estado de Saúde Pública (Sespa). A unidade tem o certificado da Organização Nacional de Acreditação ONA 1 – Acreditado.

20/11/2016 09h47

20/11/2016 09h47 Belém recebe o V Encontro de Auxiliares e Técnico de Enfermagem O encontro é
20/11/2016 09h47 Belém recebe o V Encontro de Auxiliares e Técnico de Enfermagem O encontro é

Belém recebe o V Encontro de Auxiliares e Técnico de Enfermagem

O

encontro é promovido pelo Conselho Regional de Enfermagem do Pará.

O

evento acontece segunda, 21, e terça-feira, 22, de 8h às 17.

Empresas buscam profissionais na área da saúde

Cerca de 500 participantes, entre profissionais e alunos de enfermagem, participarão do evento.

O Conselho Regional de Enfermagem do Pará promove nesta segunda-feira (21) o V Encontro de Auxiliares e Técnicos de Enfermagem

do Pará. O evento será realizado até terça-feira (22), das 8h às 17h, no Hotel Sagres, no bairro de São Brás, em Belém. Cerca de 500 participantes, entre profissionais e estudantes de enfermagem, discutirão os métodos atuais de procedimentos hospitalares e também sobre a proteção e segurança dos pacientes. O objetivo do encontro também é possibilitar a atualização de conhecimentos fundamentais aos profissionais de enfermagem que possam garantir a eficácia de suas atividades técnicas e auxiliares, visando assim, uma assistência segura e de boa qualidade aos pacientes. Durante o evento serão feitas palestras sobre temas como Proteção e Segurança do Paciente; Situações de Choque; Cuidados Domiciliares; Aposentadoria Especial para os profissionais, Desafios éticos da enfermagem; Rede de frio e Sala de Vacinas; Comunicação entre equipe de enfermagem e a família do paciente.

19/11/2016 10h46 Ophir Loyola realiza mutirão para o diagnóstico de câncer de próstata Médicos irão realizar 150 exames de PSA na manhã deste sábado, 19. Doença é a principal causa de morte por câncer nos homens paraenses.

Novembro Azul' conscientiza homens sobre doenças e tratamentos

Em Belém, campanha 'Novembro Azul' alerta homens para a prevenção de doenças como o câncer de próstata.

O Hospital Ophir Loyola promove na manhã deste sábado (19), em Belém, um mutirão para a realização de 150 exames do Antígeno

Prostático Específico (PSA), que ajuda a detectar o câncer de próstata. Os atendimentos serão feitos até as 13h e os interessados

deverão ter idade a partir de 40 anos, manter jejum de 8 horas, não realizar esforços físicos nem manter relações sexuais, apresentar identidade e carteirinha do SUS.

A campanha mundial "Novembro Azul" alerta sobre a importância do diagnóstico precoce do câncer de próstata e estimula o homem a

mudar os hábitos com a saúde. De acordo com o Instituto Nacional do Câncer (Inca), este é o segundo tipo da doença que mais acomete homens no Pará, atrás somente do câncer de estômago, e é a principal causa de mortes por câncer nos homens paraenses. “O toque retal e a dosagem do PSA devem ser feitos em todo homem a partir dos 45 anos. Caso haja histórico na família, é

recomendável fazer os exames preventivos a partir dos 35 anos. A maioria desses tumores cresce de forma lenta, um centímetro a cada 15 anos, sem ameaças à saúde, então é essencial passar por consultas periódicas com o especialista”, afirmou chefe do serviço de Urologia do hospital, Ricardo Tuma.

Incidência

O câncer de próstata é mais frequente a partir dos 70 anos. A doença é o sexto tipo de câncer mais comum no mundo e o segundo mais

comum em homens. A Organização das Nações Unidas (ONU), prevê que em quatro décadas a população com mais de 60 anos deve triplicar. Haverá 893 milhões de idosos no mundo e 20,6 milhões no Brasil. Com a idade aumenta também o número de doenças, e esse avanço também eleva a incidência e mortalidade por câncer de próstata. Até o fim do ano, o Inca estima 1010 casos novos no Estado – uma taxa bruta estimada de 24,70 casos a cada 100 mil habitantes – e 340 casos somente em Belém. O hospital assistiu 289 casos novos em 2013, 277 em 2014, 308 em 2015 e 151 até julho deste ano. “Mais de 50% dos homens chegam ao Ophir Loyola com o PSA acima de 10. Ou seja, quanto maior o valor do PSA, maior o risco de câncer, mas essa alteração também pode indicar a presença de prostatites. Esse exame dever ser feito anualmente em homens que já atingiram o limite de idade”, reforçou Tuma. No próximo domingo (20), das 9h ao meio-dia, o hospital participará de uma ação educativa em parceria com a Sociedade Brasileira de Urologia, alunos de quatro faculdades de medicina que farão orientação e distribuição de material informativo na Praça Batista Campos, Praça Brasil e Praça da República.

19/11/2016 09h55 Pará ganha reforço de R$ 2,8 milhões para hospitais universitários Recurso deve ser aplicado em pesquisas e para melhorar o atendimento. Valores serão pagos em parcela única pelo Ministério da Saúde.

Comando Local de Greve dos técnico-administrativos da UFPA organiza protesto contra as demissões no Hospital Universitário Bettina Ferro de Souza (HUBFS) (Foto: Divulgação/ Sindtifes-PA) Hospital Universitário Bettina Ferro de Souza (HUBFS) recebeu recursos de R$ 957.821,97 do Ministério da Saúde. (Foto: Divulgação/ Sindtifes-PA) Os Hospitais Universitários João de Barros Barreto e Bettina Ferro de Souza, em Belém, no Pará, irão receber um reforço para a

qualificação dos atendimentos oferecidos por meio do Sistema Único de Saúde (SUS), por conta do repasse de R$ 2,8 milhões feito pelo Ministério da Saúde.

A verba foi liberada por meio do Programa Nacional de Reestruturação dos Hospitais Universitários Federais (REHUF), executado desde

2010 em parceria com o Ministério da Educação e com a Empresa Brasileira de Serviços Hospitalares (EBSERH). Aprovados em lei orçamentária, os valores são pagos pelo Ministério da Saúde, em parcela única, para as instituições universitárias que comprovaram o cumprimento das metas de qualidade relacionadas ao porte e perfil de atendimento, capacidade de gestão, desenvolvimento de pesquisa e ensino e integração à rede do SUS. Os pagamentos são efetuados pelo Fundo Nacional de Saúde conforme comprovação dos gastos. Além de ser aplicado em pesquisas e na melhoria da qualidade da gestão e do atendimento, o REHUF também pode ser utilizado para reformas e aquisição de materiais médico-hospitalares, entre outras ações, conforme a necessidade e o planejamento da instituição.

Detran faz caminhada e culto ecumênico para lembrar vítimas de acidentes de trânsito A caminhada

Detran faz caminhada e culto ecumênico para lembrar vítimas de acidentes de trânsito

A caminhada que percorreu a orla da praia do Cruzeiro e seguiu para a praça da Matriz, no distrito de Icoaraci, onde foi celebrado culto ecumênico Baixar Foto Foto: ASCOM DETRAN Após a celebração, a programação seguiu com ações educativas promovidas por agentes do Detran Baixar Foto Foto: ASCOM DETRAN PreviousNext 20/11/2016 14:56h

Na manhã deste domingo, 20, o Departamento de Trânsito do Estado (Detran) e demais parceiros promoveram uma caminhada que percorreu a orla da praia do Cruzeiro e seguiu para a praça da Matriz, no distrito de Icoaraci, onde foi celebrado culto ecumênico. A programação faz alusão ao Dia Mundial em Memória às Vítimas de Trânsito, evento que faz parte do calendário mundial desde o ano de 2005, quando a data foi instituída pela Assembleia Geral das Nações Unidas. Após a celebração, a programação seguiu com ações educativas promovidas por agentes do Detran, em parceria com os artes educadores da Fundação Propaz e Semob, voltada principalmente ao público infantil, com pinturas corporais, além de outras brincadeiras. Por ano, no Brasil, aproximadamente 50 mil pessoas morrem e 450 mil ficam com sequelas permanentes ou temporárias. No Pará, nos quatro primeiros meses de 2016, foram registrados 8.628 acidentes, que deixaram um saldo de 547 mortos e 5.611 feridos. “Nossa

mobilização tem a intenção de alertar e sensibilizar o cidadão da responsabilidade de todos nessa missão de frear a violência no trânsito. Todos precisamos estar envolvidos nessa missão de diminuir os índices de acidentes em nossas ruas. Somente a adoção de medidas de prevenção, que consiste tão somente em obedecer as normas de trânsito, repensar nossas atitudes, poderá mudar esta realidade”, destaca

o

coordenador de educação do Detran, Valdemir Monteiro.

A

e

dona de casa Beatriz Teixeira, que perdeu o irmão em um atropelamento quando se dirigia ao trabalho de bicicleta, acredita que educação

informação sobre trânsito precisam ser abordados desde os primeiros anos da criança na escola. "É preciso discutir o trânsito na escola

desde muito cedo, ensinando para as crianças como se comportar e incentivando-as a chamarem a atenção do adulto quando cometerem

algum erro, como exemplo, não colocar o cinto ou capacete, não beber se for dirigir. É preciso investir cada vez mais em educação", frisa. “O comportamento dos motoristas, em especial sobre motocicletas, o excesso de velocidade e a direção sob efeito de álcool são grandes problemas. Se observa que as maiores causas de acidentes de trânsito está relacionada ao mau comportamento do condutor, ou seja, a maioria dessas ocorrências poderiam ser evitadas”, ressalta Monteiro.

Doação

No sábado, 19, o Detran esteve junto com o Hemopa na abertura da campanha referente a Semana Nacional do Doador Voluntário de

Sangue. A Coordenadoria de Educação realizou ações educativas para o público presente e doações juntamente com os demais parceiros e servidores voluntários. O evento também contemplou exposição para divulgação das ações da educação de trânsito.

Data

O Dia Mundial em Memória das Vítimas de Trânsito foi criado em 1993, pela Road Peace, uma organização do Reino Unido, em prol das vítimas de acidentes rodoviários. Desde então, a Road Peace, a Federação Europeia e as organizações parceiras, realizam essa mobilização em todo o mundo.

A celebração deste dia é uma oportunidade para aumentar a consciência pública em relação ao custo dos acidentes rodoviários para as

comunidades, e enfatizar a necessidade de intensificar os esforços para controlar este importante problema de saúde e desenvolvimento de apoio às vítimas.

A Assembleia-Geral da ONU instituiu o terceiro domingo de novembro como o Dia Mundial em Memória das Vítimas de Trânsito e em 2 de

março de 2010, a ONU proclamou oficialmente o período de 2011 a 2020 como a Década Mundial de Ação pela Segurança no Trânsito, a fim

de estimular os países a iniciarem processos para conter e reverter a tendência crescente de graves acidentes no trânsito causando fatalidades e deixando sequelas.

O comportamento dos indivíduos é o principal ingrediente para os acidentes trânsito. Todos os focos para o grande risco como bebidas

alcoólicas, desatenção, dispositivos móveis, falta de uso do cinto de segurança, de capacetes e a falta de equipamentos adequados para retenção de crianças, refletem diretamente na atitude de cada uma das pessoas que fazem parte do trânsito.

Por Aldirene Gama

Hospitais regionais apoiam campanha de conscientização no trânsito 20/11/2016 12:01h “Sei que meu acidente poderia

Hospitais regionais apoiam campanha de conscientização no trânsito

20/11/2016 12:01h

“Sei que meu acidente poderia ter sido evitado, principalmente porque eu estava alcoolizado”, lamenta Lucival Monteiro da Silva, de 58 anos.

“E ainda estava sem capacete. Foi por muito pouco que não perdi a vida. Agora luto para recuperar a minha perna, que quebrou em cinco

partes”. O relato de um morador de Igarapé-Açu, município do nordeste paraense, vítima de acidente de moto, mostra que um momento de distração ou imprudência pode ter consequências graves.

O acidente de Lucival foi há quatro meses. Hoje, ele está internado no Hospital Público Estadual Galileu (HPEG), em Belém. Na mesma

unidade de saúde, há vítimas de acidente de trânsito cujo tratamento prossegue há mais de três anos. É o caso de Eduardo Sandres Sarmento, 31 anos, morador do distrito de Outeiro. “Bebida, festa, diversão, que eu gostava muito de ir, não posso mais. Agora tudo mudou

na minha vida. Mas, sei que vou melhorar, só me resta esperar”, resigna-se outro condutor de moto. A exemplo de Lucival, Eduardo também havia ingerido álcool e estava sem capacete.

O impacto dos acidentes de trânsito na sociedade, bem como o combate à insegurança no trânsito, movem o projeto “Direção Viva: você

consciente, trânsito mais seguro”, promovido pelos hospitais públicos do Pará, administrados pela Pró-Saúde Associação Beneficente de Assistência Social e Hospitalar sob contrato de gestão com a Secretaria de Estado de Saúde Pública (Sespa). Palestras, rodas de conversa, além de um memorial para lembrar as vítimas fazem parte da programação que vai até o final de novembro. Atendimentos - Nos últimos três anos, mais de 35 mil vítimas foram atendidas em quatro hospitais públicos do Pará. No Hospital Metropolitano de Urgência e Emergência, que atende média e alta complexidades em traumas, são 4.940 atendimentos a vítimas de acidente de trânsito, sendo 2.413 a motociclistas, no período de janeiro a outubro de 2016. O restante são colisões (1.527), atropelamentos (778) e acidentes de bicicleta (222). No ano passado, a unidade, localizada em Ananindeua, registrou 7.499 atendimentos a vítimas de acidente de trânsito, sendo que 3.315 a acidentes de moto. Já no Hospital Galileu, unidade que atua como retaguarda ao Metropolitano e que atende em sua maioria vítimas de algum trauma ortopédico, os registros chegam a 1.417 internações em 2014 na clínica de ortopedia; em 2015, o número de internações chegou a 3.499. Este ano, até outubro, já se registra 3.078. Em Marabá, o Hospital Regional do Sudeste do Pará Dr. Geraldo Veloso (HRSP) já realizou 1.742 internações até outubro deste ano, número já superior ao ano de 2014 (1.620) e inferior ao ano de 2015 (1.955). Em Altamira, o Hospital Regional Público da Transamazônica (HRPT) realizou 663 internações de pacientes vítimas de acidentes de trânsito até outubro deste ano. Se comparado a 2014 (603 internações) e 2015 (637 internações), as estatísticas apontam para um número crescente. Custos - Em média, um paciente vítima de acidente de moto gera custo de internação na ordem de R$7,2 mil no Hospital Metropolitano. Considerando os últimos três anos, a unidade de saúde estima que o impacto foi de cerca de R$80 milhões aos cofres públicos específicos ao tratamento destinado a vítima de acidentes de moto. Recursos públicos que poderiam ser investidos em patologias naturais, como acidente vascular cerebral, clínica médica e saúde do idoso. Há casos em que a imprudência do condutor ou mesmo do passageiro gera um impacto de cunho social. Gerson Martins dos Santos, 64 anos, foi vítima de atropelamento de motocicleta. O acidente ocorreu em agosto de 2016, no município de Marituba, região metropolitana de Belém. “Meu maior desejo é voltar a andar. A minha perna não é só para eu caminhar, é para eu voltar a trabalhar, a produzir, a sustentar a minha família”, relata. Para Gerson, além da recuperação física, também há uma carga psicológica. “Quando acontece, nós temos que aceitar com respeito e moral, temos que encarar com a realidade e a finalidade de ter certeza de que vamos melhorar”, complementa. Os óbitos também são casos rotineiros. O pedreiro Raimundo Prestes da Silva, 48 anos, perdeu um amigo. “Meu amigo que estava comigo na moto morreu na hora. Por isso digo que nasci de novo. É muito difícil estar nessa situação, internado. Eu estava começando a construir a minha casa e precisou parar a obra”, lembra. Já Romecilda Sousa Santos, 35 anos, era nora de Martim Saraiva de Souza, de 67 anos, que faleceu no início deste mês. “A responsabilidade no trânsito é de todos: pedestres, ciclistas e motoristas. Meu sogro faleceu ao tentar atravessar a rua. Ficou o vazio pela perda que poderia ter sido evitada”. Segundo o diretor Operacional da Pró-Saúde no Pará, Paulo Czrnhak, é primordial que a população saiba quantos leitos são ocupados nos hospitais públicos em situações que poderiam ser evitadas. “Se cada condutor agir com prudência no trânsito, vidas serão salvas e assim, a segurança do cidadão, será ampliada. Mas, principalmente, teremos menos dores nas famílias e a redução de perdas na sociedade. Precisamos resgatar o valor à vida”, explicou o diretor.

Por Nilson Cortinhas

Projeto implantado em hospitais do Pará ganha reconhecimento em Congresso Regional O diretor de Operações

Projeto implantado em hospitais do Pará ganha reconhecimento em Congresso Regional O diretor de Operações do INDSH, Adriano Flávio de Lima, parabenizou a equipe pela conquista em reconhecimento ao trabalho desenvolvido nas unidades de saúde Baixar Foto Foto: ASCOM PreviousNext 19/11/2016 15:27h

O projeto de “Implantação de Relatórios de Emissão de GEE (Gases do Efeito Estufa) nos Hospitais Públicos do Pará”, do Instituto Nacional

de Desenvolvimento Social e Humano (INDSH), que administra hospitais públicos no Pará, foi o segundo colocado no Prêmio Ser Humano ABRH-PA 2016, durante o XIII Congresso de Gestão de Pessoas, promovido pela Associação Brasileira de Recursos Humanos/ Seccional do Pará, nos dias 17, 18 e 19.

O desenvolvimento do projeto do INDSH foi implantado nos Hospitais Regional Público do Marajó (HRPM), em Breves, Regional Público do

Leste (HRPL), em Paragominas, e no Geral de Tailândia (HGT), que foram os únicos da área pública do Pará, este ano, a receberem o Selo

Ouro, em agosto, pela divulgação de relatórios anuais de emissão de gases de efeito estufa.

O selo é outorgado pelo Centro de Estudos de Sustentabilidade da Fundação Getúlio Vargas (FGV), com base no GHG, protocolo

internacional administrado no Brasil pela FGV.

O resultado da premiação foi anunciado na noite de sexta-feira, 18, no Hotel Princesa Louçã, na capital paraense. O certificado em

reconhecimento à importância do projeto, na categoria inovação, foi recebido pelo diretor executivo do Centro Hospital Jean Bitar, Giovani Merenda, que esteve acompanhado do diretor Administrativo e Financeiro, Alexandre Mezzei. De acordo com o regulamento, o Prêmio Ser Humano tem como principal objetivo estimular a pesquisa, estudo e aperfeiçoamento de práticas voltadas ao desenvolvimento de pessoas, de forma a identificar e valorizar por meio de premiação, aqueles que apresentem contribuições relevantes para a área de recursos humanos.

A partir desse ponto de vista, o diretor de Operações do INDSH, Adriano Flávio de Lima, parabenizou a equipe pela conquista em

reconhecimento ao trabalho desenvolvido em suas unidades de saúde. “A mudança climática é provavelmente o desafio mais significativo do século XXI. Na medida em que as questões relacionadas ao aquecimento global estão mais presentes na sociedade, as organizações disponibilizam publicamente dados sobre os seus desempenhos em termos de emissões para atender aos requisitos legais”, ressaltou.

A verificação de inventários de GEE trata-se de uma avaliação objetiva da exatidão e integridade das informações reportadas e da

conformidade destas informações com princípios de contabilização e elaboração de relatórios de GEE pré estabelecidos, que fornece dados importantes para a redução de GEE. “A elaboração do inventário é o primeiro passo para que uma empresa possa contribuir para o combate às mudanças climáticas”, definiu Adriano de Lima. Os hospitais citados são do governo do Estado, administrados pelo INDSH, em parceria

com a Secretaria de Estado de Saúde Pública (Sespa). Por Vera Rojas

Hospital de Conceição do Araguaia realiza caminhada alusiva à Campanha Novembro Azul Na quinta-feira, 17, aconteceu a “Caminhada pela Saúde – Todos juntos contra o câncer de próstata”, que reuniu centenas de pessoas Baixar Foto Foto: Ascom HRPA PreviousNext 19/11/2016 08:33h

A Secretaria Estadual de Saúde Pública (Sespa) por meio do Hospital Regional Público do Araguaia realiza diversas programações desde o

início de novembro alusivas a Campanha Novembro Azul. Na sexta-feira, 18, o Hospital realizou a palestra sobre “A importância da prevenção do câncer de próstata”, com a presença do médico Marcelo Vidigal. Na quinta-feira, 17, aconteceu a “Caminhada pela Saúde –

Todos juntos contra o câncer de próstata”. Desde o início do mês, foram abertas consultas de enfermagem, coleta de material para exames laboratoriais e palestras pelo Hospital. No Brasil, o câncer de próstata é o segundo mais comum entre os homens, atrás apenas do câncer de pele. Em valores absolutos, é o sexto tipo mais comum no mundo e o mais prevalente em homens, representando cerca de 10% do total de canceres. Ao longo do mês, profissionais que compõem a Coordenação Estadual de Saúde do Homem da Sespa estão atendendo convites de instituições públicas e privadas para ministrar oficinas sobre a Política Nacional de Atenção Integral à Saúde do Homem, criada e estimulada pelo Ministério da Saúde, e palestras sobre câncer de próstata, câncer de pênis, HPV, hipertensão arterial e diabetes.

A Política de Saúde do Homem ainda é recente e os profissionais de Saúde, sobretudo das unidades básicas, ainda estão sendo

capacitados para receber a população masculina da mesma forma que sempre receberam mulheres e crianças. O coordenador estadual de Saúde do Homem, Carlos Sales Júnior, recomenda que as redes municipais de saúde precisam se estruturar para atender as demandas da população masculina e sensibilizar para o autocuidado, para que busque com mais frequência a assistência médica e não só quando já se encontrem doentes. Desde que foi criada, em 2010, por recomendação do Ministério da Saúde a todos os Estados, a Coordenação tem atuado com campanhas de prevenção com foco nos municípios, dentro do possível, sobretudo com palestras e capacitação de profissionais das unidades básicas de saúde. Um dos resultados disso é que em Belém, especificamente, o Programa de Saúde do Homem foi implantado em maio de 2013 pela Secretaria de Saúde do município (Sesma) para funcionar na Unidade Municipal de Saúde da Tavares Bastos, no bairro da Marambaia. Campanha - Em si, a campanha “Novembro Azul” é um resgate desse conjunto de esforços que acontece ao longo do ano, com enfoque na mudança do estilo de vida, contra o sedentarismo e a obesidade. Pelas estatísticas da Sespa, os homens morrem mais cedo que as mulheres por falta de cuidado, sendo as maiores vítimas de doenças crônicas, como hipertensão e diabetes e de causas externas como violência no trânsito. Pelos dados, a principal causa de internação masculina no Estado é por causas externas, devido a esfaqueamentos, traumatismo e envenenamento. Lançamento - No dia 30 de novembro, profissionais que compõem a Coordenação Estadual de Saúde do Homem da Sespa irão lançar o programa “Pré-Natal do Parceiro”, como parte das estratégias do guia homônimo apresentado em agosto deste ano pelo Ministério da Saúde. O objetivo é orientar o homem a exercer a paternidade desde o planejamento reprodutivo do casal, passando pela fase do pré-natal, parto e atenção às crianças, por meio da realização de exames de rotina, de testes rápidos, da atualização da carteira vacinal e da participação nas atividades educativas nos serviços de saúde. Dados - Segundo a Coordenação Estadual de Oncologia, o câncer de próstata é o primeiro tipo de câncer que mais acomete homens no Pará. Dados do Sistema de Informações sobre Mortalidade (SIM) e do Departamento de Informática do Sistema Único de Saúde (Datasus) apontaram que 121 indivíduos do sexo masculino morreram devido à doença em 2014, enquanto no período entre 2000 e 2013 foram à óbito 2.557 homens, a maior parte acima dos 40 anos. Ainda de acordo com as estatísticas do sistema de saúde, os homens vivem, em média, sete anos a menos que as mulheres, que chegam a alcançar a idade de 77,4 anos, contra 70,2 deles.

Por Carla Fischer

Seaster promove evento alusivo à campanha Novembro Azul Outro serviço oferecido foi o corte de

Seaster promove evento alusivo à campanha Novembro Azul

Outro serviço oferecido foi o corte de cabelo gratuito. Evento alertou homens para a importância de se prevenir contra doenças. Baixar Foto Foto: ASCOM / SEASTER PreviousNext 18/11/2016 15:56h

A Secretaria de Estado de Assistência Social, Trabalho, Emprego e Renda (Seaster) fez nesta sexta feira (18) evento alusivo à campanha

nacional Novembro Azul, de promoção à saúde do homem, conscientização e prevenção às doenças ligadas ao gênero, principalmente ao câncer de próstata. Além de palestras com temas relacionados à saúde e os testes de hepatite B e C, que foram feitos no local, também

foram abordados assuntos como empreendedorismo e preparação para entrevista de emprego. Outro serviço oferecido aos usuários foi corte de cabelo gratuito.

O titular da Seaster, Heitor Pinheiro, falou da importância de oferecer formação e informação para os usuários do Sistema Nacional de

Emprego (Sine). “O que chamamos de acolhimento institucional é o que vivenciamos hoje. Fazer com que as pessoas que buscam os nossos serviços possam também ter um espaço de formação e informação, seja na questão da saúde, do empreendedorismo ou outras

experiências, e acreditar que é possível. A ideia é essa: que os nossos acolhimentos possam ser mais proativos, que tragam para as pessoas, independentemente da situação em que estão vivendo, oportunidades”, pontuou.

O médico Andrei Porpino abriu a programação e ministrou palestra acerca da saúde preventiva do homem e seus desafios. “Um dos maiores

desafios é sensibilizar, tanto a população masculina, quanto os profissionais da área, a aumentar e expandir o ingresso desse homem no serviço de saúde. Essa é uma tarefa muito árdua, pois muitos ainda oferecem resistência, por terem medo; medo de mostrar fragilidade ou de descobrir alguma doença, mas acho que um dia alcançaremos esse objetivo”, ponderou. “Achei a palestra muito boa, porque aborda a saúde do homem, que ainda tem aquele tabu. A maioria não se preocupa com a saúde. Como foi dito na palestra, o homem só procura mesmo um médico quando ele já está com o problema. Mas aprendi muito, pois não se falou só de uma doença, mas de vários problemas relacionados à saúde masculina”, disse o zelador de condomínio Denis Carvalho. Em seguida, o palestrante Roosevelt Alves incentivou os participantes a buscar novos mercados ao discursar sobre o tema empreendedorismo. Segundo ele, para ser um empreendedor de sucesso, não é necessário ter muito dinheiro, somente força de vontade. “Empreender é agregar valor, identificar as necessidades e, por fim, transformá-las em algo lucrativo. Por isso, para ser um bom empreendedor, você precisa ter atitude e força de vontade”, explicou.

Por Inara Soares

http://uruatapera.blogspot.com.br/

http://uruatapera.blogspot.com.br/
http://uruatapera.blogspot.com.br/
Médicos demitidos fazem protesto19/11/2016 - 09:59 Médicos e demais profissionais de saúde demitidos na última
Médicos demitidos fazem protesto19/11/2016 - 09:59 Médicos e demais profissionais de saúde demitidos na última

Médicos demitidos fazem protesto19/11/2016 - 09:59 Médicos e demais profissionais de saúde demitidos na última quinta-feira (17) pela Prefeitura Municipal de Parauapebas realizaram manifestação nesta sexta-feira (18) em frente ao prédio da Secretaria Municipal de Saúde contra a decisão do governo. Ao todo, foram demitidos 36 médicos, 16 dentistas, 11 fisioterapeutas, dois terapeutas ocupacional, dois biomédicos e seis farmacêuticos.

As demissões atingiram em cheio a Unidade de Pronto Atendimento (UPA), a Policlínica e do Hospital Municipal. Os profissionais exonerados faziam parte da folha de pagamento do município, que já somaria mais de R$ 43 milhões.

A maioria dos profissionais teria se revoltado com o fato de que as demissões foram comunicadas via aplicativo de mensagens do

WhatsApp. Por conta das demissões, a UPA do município corre o risco de ser fechada.

Os únicos que ficaram dando suporte na casa de saúde foram duas enfermeiras e dois médicos, que são concursados. Segundo o médico Makaxon Dennys Feitosa de Sousa, a demissão deles aconteceu de forma arbitrária, sem que houvesse qualquer comunicado da parte do secretário de Saúde, Juranduyir Soares ou pelo prefeito Valmir Queiroz Mariano.

“O que nós queremos saber é o motivo de termos sido demitidos; ninguém nos deu qualquer explicação até agora. Isso é mais uma arbitrariedade que esse governo comete contra os servidores da saúde, deixando o setor ainda mais a beira do caos”, disse, reforçando que sem esses profissionais, o setor vai entrar em colapso.

Makaxon destaca que não sabe o que o governo fez com o recurso da saúde, orçado em R$ 176 milhões este ano. “No mês de outubro, já não tinha mais orçamento. Nós vínhamos trabalhando de forma precária. Para se ter uma ideia, falta de papel higiênico a medicamentos”, denunciou.

Sem tratamento

Na manifestação dos médicos e demais profissionais também se juntaram as mães de crianças com necessidades especiais, que antes eram atendidos pela Apae e depois passaram a fazer o tratamento no recém-criado Setor de Fisioterapia Adulto e de reabilitação Precoce, que funcionam na Policlínica. É que com a demissão dos fisioterapeutas e terapeutas, esses setores também foram fechados.

Segundo a terapeuta ocupacional, Helkeline Rezende, que trabalhava na Policlínica, na tarde de quinta-feira eles ficaram por várias horas esperando na Secretaria Municipal de Saúde para tentar falar com o titular da pasta, mas não foram atendidos. Ela conta que eles chegaram pela manhã para trabalhar e, quando foi no início da tarde, chegou um documento informando que todos estavam demitidos.

“Depois ficamos sabendo que a demissão foi geral no centro médico, incluindo dentistas e demais profissionais de apoio que trabalhavam ali. Isso é o cúmulo do absurdo”, protestou. Ainda de acordo com ela, o difícil foi avisar as mães das crianças que o serviço estava encerrado. “Foi dolorido e elas estão revoltadas”, ressalta, observando que o setor começou a funcionar em julho deste ano, após a Apae deixar de fazer esse atendimento. “Para essas crianças, é o fim da esperança para elas”, resumiu Helkeline.

Para a técnica de enfermagem Lidiane Garcia, que tem um filho que depende de fisioterapia, a decisão do governo deixou todo mundo sem chão. “Essas crianças precisam desse acompanhamento, que é vital para o desenvolvimento delas”, diz ela, que faz um apelo ao Juizado da Infância e juventude, ao Conselho Tutelar e ao Ministério Público para que tome alguma medida a fim de reverter essa decisão do governo.

A Reportagem do CORREIO tentou por todos os meios que a prefeitura se pronunciasse sobre o caso, mas até o encerramento desta edição

não houve nenhum retorno.

HGP está de portas fechadas por falta de pagamento de funcionários

O Hospital Geral de Parauapebas (HGP) amanheceu nesta sexta-feira (18) atendendo apenas os casos de extrema urgência. A casa de

saúde está funcionando com menos da metade da sua capacidade devido à paralisação dos servidores, que decidiram cruzar os braços porque estão sem receber salário há três meses.

Os funcionários temem fica sem os salários correspondentes aos meses de novembro e dezembro porque o pagamento dependeria de suplementação de verbas por parte da prefeitura. Enfermeiros e técnicos de enfermagem contratados pela empresa Gamp, que gerencia o Hospital Geral, afirmam que já estão passando por necessidades.

Médicos da maternidade, por sua vez, ameaçam entregar plantões por falta de contrato de trabalho. Os funcionários estão contando com o apoio do Sindicato dos Médicos do Pará (Sindmepa), que há muito vem denunciando o estado crítico da saúde em Parauapebas e as irregularidades na contratação da empresa para administrar o HGP.

Em nota, a empresa Gamp diz estar solidária com os seus funcionários e que ainda não efetuou o pagamento dos salários porque não ter recebido o repasse da Secretaria Municipal de Saúde. Ainda segundo a nota, até agora o hospital só vinha funcionando devido ao esforço dos médicos, enfermeiros, pessoal técnico, administrativo e de apoio.

Segundo a Gamp, por medida de economia, o sistema de ar refrigerado foi desligado e a alimentação só será fornecida para os pacientes e funcionários, ficando suspensa para os acompanhantes. As cirurgias urgentes também estão suspensas e a maternidade só atenderá casos de urgência. A empresa observa que tão logo receba o repasse da prefeitura, vai quitar o salário dos funcionários.

( Tina Santos com informações de Ronaldo Modesto)