Você está na página 1de 64

A Sabedoria da Cabalá I /1 1

Ministrador: Rabino Yossef Salton

Este curso está destinado a dar os conceitos básicos da


Cabalá, com um método simples e claro, desenvolvido e
organizado pelo Rabino Phillip S. Berg e baseado no Zohar e
outros livros sobre Cabalá.

1º aula: O que é Cabalá? Como a Cabalá nos ajuda nos


dias de Hoje? A Psicologia e a Parapsicologia; a mente
consciente e o subconsciente; o ritual e o espiritual, o físico
e o metafísico; ilusão e realidade. A limitação dos nossos
cinco sentidos.

Iremos, nesta primeira aula, falar genericamente sobre


Cabalá, para fazer relação com outros assuntos que conhecemos,
tais como Ciência, Psicologia, Parapsicologia, e com a nossa
vida, porque realmente queremos utilizá-la para melhoria de
nosso dia a dia.

O que é Cabalá?
É a mais antiga sabedoria espiritual que existe sobre a
Terra. Como começou? Como se relaciona com a religião?
O primeiro cabalista de que se ouviu falar foi o
Patriarca Abrahão. Todos sabemos que ele foi um judeu, mas além
de judeu também foi fundador de todas as religiões que
acreditam em um único Deus, e é evidente que este é um título
muito importante! Podemos dizer a respeito da Abrahão que ele
era um homem muito simples, e fazia perguntas muito simples,
mas muito profundas. Todos temos perguntas sobre nós mesmos,
sobre nossos problemas, sobre a nossa vida, e também sobre
Deus. Assim, Abrahão tinha o mesmo tipo de pergunta que todo
ser humano tem.
Quem é Deus? Onde Ele está?...
Abrahão tinha essas perguntas. A diferença é que ele
não desistiu até que recebeu a resposta correta. Ele sabia que
as respostas verdadeiras não estavam no mundo físico, mas
também na sua mente, sabia que tinha que transcender sua forma
física, deste mundo físico, para receber as respostas às suas
perguntas.
Quando obteve sucesso, ele passou a contatar o nível
que podemos chamar agora de Consciência Cósmica. É bonita essa
palavra. Usar a palavra Deus é problemático, porque fomos
educados a temer a Deus, obedecer suas leis, que Ele estava
muito longe daqui, e a não fazer muitas perguntas a Seu
respeito.
Normalmente ocorre que alguns acreditam que Ele exista,
outros que não exista. Mas os que acreditam, será que O viram?
E os que dizem que não existe Deus, será que O mataram, para
agora dizer que Ele não existe? A Cabalá não trata disto.
Consciência Cósmica é um termo útil; mas na verdade ele
apenas descreve Deus de outra forma, com outras palavras. O que
Abrahão viu, ou se conectou em nível espiritual, foi com essa
Consciência Cósmica; é um conhecimento universal que conecta
todos os seres humanos num mesmo Ser Essencial. Porque neste
A Sabedoria da Cabalá I/ 1 2

mundo físico somos todos diferentes e separados uns dos outros,


e podemos até roubar, lutar e matar-nos. Porque? Porque nos
sentimos diferentes uns dos outros. Mas se avançarmos numa
certa sabedoria cósmica e compreendermos que somos um ser
universal, isso logicamente não acontecerá mais.
Essa é a unidade que Abrahão sentiu e revelou durante
sua vida. Obviamente que essa unidade não existe na nossa forma
física; somente numa dimensão espiritual.
A Cabalá fala de uma dimensão espiritual onde todos os
seres são um: isso é chamado Consciência Cósmica. Segundo a
Cabalá, esse é o Deus invisível, que viemos buscando há eras.
Quando Abrahão tentou explicar esse conceito a seu pai, foi
difícil aceitar: seu pai era idólatra: pessoa que se curva
diante de figuras de ídolos de madeira, metal ou outro
material. O que ele lhe disse? ‘Você espera que eu acredite num
Deus que não posso ver? que não posso sentir? que não posso
vender?’ (porque a casa de Abrahão era repleta de ídolos, pois
seu pai era mercador de ídolos, sendo assim, muito lucrativo
ser idólatra!) Hoje mesmo acontece algo assim quando nos
aproximamos das pessoas e começamos a falar sobre
espiritualidade e ouvimos ‘por favor não fale de
espiritualidade para mim pois sou uma pessoa racional e só
acredito nas coisas que eu posso ver, sentir ou que posso
vender’. Da mesma maneira, pode-se encontrar que a idolatria
seria o que hoje chamamos materialismo. Há muita gente que diz:
‘eu acredito no poder do dinheiro’, sim, ele tem um grande
poder!
Porém a Cabalá vem e fala de algo que existe além do
mundo material. Após 4 mil anos depois de Abrahão chegou um
tempo que nós seres humanos precisamos libertar-nos do mundo
material, desse materialismo e aceitarmos a espiritualidade. A
consciência humana mudou pouco nesse tempo. Há progresso na
ciência e tecnologia, mas será que nos desenvolvemos sob o
ponto de vista espiritual? Será que somos seres humanos
melhores do que as gerações anteriores? Não, não somos nem
melhores nem piores que outras gerações.
Mas, será que a Cabalá contradiz a ciência e a
tecnologia?
Não, logicamente a Cabalá não é contra a tecnologia e
nem contradiz a ciência.
A ciência agora fala de metafísica, que significa “além
da física”. Agora a ciência está chegando ao ponto, ao nível,
do qual Abrahão já falava há 4 mil anos. A ciência fala a
respeito de um mundo de energias; estamos começando a conhecer
através da ciência esse novo mundo. No entanto pode-se chamar
na maneira física de energia ou espiritualidade, que se trata
da mesma coisa. O mundo da metafísica é semelhante à
espiritualidade. Então podemos nos dar conta que o ciclo entre
Cabalá e ciência está finalmente se fechando!
E a religião? A Cabalá é baseada na religião?
Esta é uma questão delicada. Definitivamente a Cabalá
se relaciona com a Bíblia, com o Velho, com o Novo Testamento,
e com textos sagrados de todas religiões: é uma sabedoria
A Sabedoria da Cabalá I/ 1 3

cósmica e pertence a todas as nações, sem diferença de


religião, raça, nacionalidade ou qualquer outra separação.
A pura Cabalá é universal e pertence a todos os seres
humanos. O problema com a religião não é a religião... mas sim
com as pessoas que a usam erradamente, que a explicam baseados
na fé cega, no medo, usam o nome de Deus, Alá ou Jesus para se
matarem, utilizam-na para justificar atos de fanatismo,
atentados ou suicídio coletivo em nome de Jesus ou Alá.
O que se vê através da história é que os cabalistas
eram pessoas diferenciadas. Eram ligadas com o espiritual, com
a mensagem Bíblica; transcenderam sua forma física e
conectaram-se com a sabedoria cósmica universal. Mas para
alcançar essa consciência cósmica tiveram que se purificar de
todas as doenças dos seres humanos, não das doenças físicas,
mas das “mentais”: ódio, inveja, autodestruição e a destruição
dos outros. Avançaram no preceito que todos nós aceitamos e
respeitamos que é “amarás ao teu próximo como a ti mesmo”.
Todos nós aceitamos essa frase como um título. Mas pôr em
prática no dia a dia não é fácil.
Esta é a principal e a única condição que toda pessoa
deve passar para poder aprender Cabalá. Isto não se alcança de
repente; mas, no momento que se aceita esse preceito e se passa
a usar diariamente, os portões da Cabalá se abrirão.
Pode-se ler livros e livros sobre Cabalá e ser uma
pessoa culta, até um professor no assunto, mas sem a prática
diária não se alcança a sabedoria. Nosso propósito no Centro de
Cabalá é aprender a teoria da Cabalá e também a cada pessoa se
estimula praticar esse preceito.
Ser espiritualizado não significa ser pobre e sem
dinheiro; não significa que não se trabalhe, que não tenha
família e não possa ter uma vida boa. Ser uma pessoa
espiritualizada significa ser capaz de transformar a grande
sabedoria, de trazer a grande sabedoria para o nosso dia a dia
e, às vezes até, atravessar uma mudança espiritual.
Retornando ao Patriarca Abrahão. Depois de revelar a
Cabalá, escreveu um livro, chamado o Livro da Formação, que
contém todos os segredos do universo em apenas três páginas.
Foi escrito em hebraico. Todos os segredos do universo em
apenas três páginas, como isso é possível? Todas demais páginas
do livro são explicações e explicações sobre estas três
páginas. O exemplo é muito simples: é o exemplo, a explicação
da semente.
A Cabalá é a semente de toda sabedoria do universo.
Dentro da Cabalá está tudo aquilo que queremos saber: contém a
Ciência, a Medicina, a Psicologia, a Parapsicologia,
Metafísica, Astrofísica e, existe uma outra dimensão, que trata
de Reencarnação, Meditação e Astrologia. Portanto você tem tudo
sobre a vida de uma só vez.

Dessa semente : surgiram árvore e galhos, que são:


história
ciência
psicologia
geografia etc.
A Sabedoria da Cabalá I/ 1 4

Existem pessoas que se conectam com os galhos e têm uma


visão de mundo de um modo separado. A Cabalá dá uma visão
holística da vida. Ensina algo importante: que em vez de
resolver o problema pelo galho, vamos à semente, que inclui
tudo.
O Livro da Formação é a semente; todo o conhecimento
em 3 páginas. Demorou para que fosse compreendido, porque seu
conhecimento está em código, tal como na semente há o DNA. Até
que há 2.000 anos o Rabino Shimon Bar Yochai, sábio talmúdico,
além de escrever comentários sobre o Talmude, também recebeu o
Zohar, o Livro do Esplendor. O Zohar é a chave para compreender
a semente: o Livro da Formação. O Zohar está contido em 24
volumes, escritos em aramaico. A tradução em hebraico foi feita
pelo fundador do Centro de Cabalá, há 80 anos. Seguiu a
profecia do próprio Rabino que escreveu o Zohar, que previa que
viria uma era, numa nova geração, em que todos iriam procurar
por esta sabedoria.
A quem é permitido estudar Cabalá?
Muito já se ouviu a respeito: às mulheres seria vedado
o conhecimento, este deveria ser restrito a uns poucos etc.
Existem dois níveis de Cabalá: em caracteres latinos
temos:
1º nível: TÁ AMEI TORAH
TÁ significa sabor - gosto, e o gosto explica o porque
que está por trás das coisas. Porque Deus trabalha 6 dias e
descansa no 7º? Se Ele tudo pode, porque não fez em alguns
segundos apenas; e ainda, porque se ‘cansou’? Porque criou um
mundo com tanta maldade? Se nós fôssemos criar um planeta, cada
um criaria bem diferente, não? Sem ódio, mais paz, mais
dinheiro para todos, sem doenças ou sem morte, quem sabe. A
Cabalá responde a todas as perguntas que estão dentro de nosso
coração.
O problema não é receber respostas. A Cabalá diz que
elas já estão em nós. O problema são as barreiras para alcançá-
las. A Cabalá ajudará a abrir os portões para chegar às
respostas; não se trata de fé cega, pois se baseia no
conhecimento.

O que é o conhecimento?
Na Bíblia, lê-se no Gênesis que Adão conheceu Eva e ela
engravidou de Caim e depois de Abel. Como pode ser? Adão
conheceu Eva e ela já engravidou? Como, engravidou? Portanto
vê-se que a Bíblia é um código cósmico e sem a ajuda da Cabalá
não se entende uma palavra. Quem leu a Bíblia de maneira
simples, comum, não conheceu o sabor e o gosto da Torah (que
significa Bíblia).
Esse primeiro nível é importante para todos. Zohar
explica que o conhecimento ou sabedoria é uma conexão íntima.
Todos sabemos que morar em cidades grandes como São
Paulo não é saudável, mas ainda assim as cidades continuam
crescendo, acumulando ainda mais poluição. O saber no mundo
A Sabedoria da Cabalá I/ 1 5

físico não é a verdadeira sabedoria. A Cabalá ajuda a conhecer


Deus, não a acreditar em um Deus, mas alcançar conexão íntima
com a sabedoria cósmica universal, porque nessa conexão Deus
está dentro de nós. No momento que fizermos a conexão com o
Deus Uno teremos as respostas.
2º nível: SITREI TORAH
São segredos da Bíblia: não existem livros escritos
sobre os segredos do Torah. Somente quando o indivíduo está
pronto, o mestre lhe passa telepaticamente, não por livros, mas
por conexão espiritual. As pessoas confundem, mas esclarecemos
que o 1º nível está aberto a todos os interessados, já o 2º
nível não está aberto, mas para apenas aqueles que se encontram
preparados.
Não somente não existe perigo em estudar Cabalá, como
falam alguns, mas é importante que todos a aprendam, o que lhes
possibilitará evolução.

A Árvore da Vida citada na Bíblia, tem semelhança com a


Cabalá?
Sim, tenho certeza de que você deve ter conhecimento da
Árvore da Vida, a estrutura em Sefirot você já deve ter visto,
a Cabalá fala muito a respeito da Árvore da Vida, e iremos
abordar neste curso, aprofundar nos detalhes desta estrutura.

Comente Ilusão e Realidade


Temos a dimensão espiritual e a realidade física. O
mundo das separações, nosso materialismo, isto a Cabalá chama
de mundo das ilusões. Falamos sobre a realidade. Onde está a
verdadeira realidade? Está na dimensão espiritual. Porque?
Porque a realidade física é temporária, e a dimensão espiritual
é eterna. O que chamamos ilusão contra realidade.
Alguns detalhes sobre cronologia da Cabalá:
Surgiu há mais ou menos 3.800 anos. Depois de Abrahão,
o conhecimento foi para Isaac, deste para Jacó, e depois para
seus 12 filhos, que formaram as 12 tribos de Israel e o
conhecimento se perdeu no Egito, até que surgiu Moisés. Ele
queria libertar os judeus não só da escravidão física como
também da espiritual. Mas, devido ao pecado cometido com o
bezerro de ouro não conseguiu completar com sucesso sua missão,
só a metade foi revelada. Todos os 5 livros de Moisés explicam
o como e quando das coisas. Mas o porque não está escrito.
Somente 1.500 anos depois de Moisés, quando foi revelado o
Zohar é que se fica sabendo o porque.
Até a era dourada na Espanha, com a expulsão dos judeus
é que se volta a ter conhecimento de cabalistas quando estes se
dirigiram para o Oriente indo para a Turquia e alguns para
Israel. Há 500 anos ressurgiu nova era dourada com novos nomes
de Rabinos, verdadeiros ‘gigantes’ na Cabalá. Um deles, embora
jovem, Ari tinha muita sabedoria e apresentou um novo modo de
se estudar a Cabalá e permitir a todos o acesso ao estudo
baseado num pensamento lógico, passos e método racional,
adequado à nossa geração intelectual, mas também voltada para o
A Sabedoria da Cabalá I/ 1 6

espiritual. O Centro de Cabalá ensina de acordo com esse


método. Todos nossos cursos se baseiam nos escritos de Ari, no
Zohar e, claro, nos ensinamentos do Rabino Berg, que fala de
maneira bastante moderna e aceitável pelo público, o que é
importante para que se possa a Cabalá em nossa vida moderna.

Qual a diferença entre Ritual e Espiritual?


A palavra Espiritual já contém a palavra Ritual :
ESPIRITUAL
O problema com a religião é que as pessoas fazem o
ritual sem espírito. O espírito é que nos dá o porque. Não
somos portanto mais simples robôs: aprendemos o propósito de
cada ritual.

O ritual tem também a função da disciplina?


Lidamos com as 2 dimensões diferentes: consciente e
inconsciente, Psicologia e Parapsicologia, Física e Metafísica.
Eu posso treinar, disciplinar alguém de maneira bastante
robótica: a soldados no exército, a padres para um certa
cerimônia, por exemplo, você pode dar instruções e disciplina.
Mas se a disciplina não vem de dentro é algo compulsivo. A
disciplina ou vem de dentro ou é algo compulsivo. A Cabalá
através da espiritualidade não aceita a compulsão, porque a
compulsão destrói outros objetivos. Assim, ela ajuda a
encontrar a disciplina interior e esta é eterna, sem auto-
destruição, sem auto-negação ou outro efeito negativo.
Temos então que o ritual é espiritual. O ritual sem o
espírito da pessoa fica compulsivo.

Os ortodoxos seguem a Cabalá?


Existem inúmeros grupos ou segmentos dentro dos
‘ortodoxos’ e não se pode falar genericamente. Existem os que
estudam mais, outros menos, tanto entre os judeus, não judeus,
ortodoxos, não ortodoxos, quanto entre outras nações. O que se
vê de modo geral, é que o número de pessoas que estão estudando
Cabalá está crescendo. Também o Profeta Jeremias dizia: ‘era
virá onde o mundo estará repleto de conhecimento; haverá tanto
conhecimento que um não ensinará outro porque Me (Conhecimento
Cósmico) conhecerão: do mais jovem ao mais velho’.

A Cabalá tem relação com os Upanishads da Índia?


Está escrito na Bíblia que Abrahão tinha concubinas e
servas e que as mandou ao Oriente com presentes. O Zohar
explica que os presentes devemos entender não como presentes
físicos: eram partes da sabedoria da Cabalá, que foram enviados
ao Oriente, leia-se Índia. Podemos observar a similitude que há
entre ABRAHAM e BRAHMA. Estamos falando de uma consciência
cósmica eterna, à qual Abrahão teve acesso, e todas as pessoas
que conseguem alcançar ‘Brahma’, podem também alcançar
‘Abrahão’, que não é mais um ser físico, mas um ser eterno de
conhecimento cósmico.

05.05.98
A Sabedoria da Cabalá / 2 1

Ministrador: Rabino Yossef Salton

2º aula: Os mistérios da Criação: O propósito da


humanidade. Qual é a causa da dor e do sofrimento, da doença
e da morte? Será que podemos ser uma raça feliz? Onde se
oculta nosso inimigo?

Iremos retomar nossa última aula relembrando que o


Centro de Cabalá foi fundado há 70 anos, com o propósito de
ensinar Cabalá a todas as pessoas. Após 70 anos podemos
perceber que estamos praticamente alcançando este propósito
inicial. O rabino Berg e sua esposa são os que no momento
dirigem o Centro e têm milhares de professores ensinando no
mundo inteiro. O rabino Yossef é um dos alunos e também
professor do Centro de Cabalá. Nos últimos 20 anos podemos
perceber uma boa mudança na consciência das pessoas do ponto
de vista cabalístico.
A consciência cabalística está se tornando cada vez
mais popular no mundo inteiro e as pessoas estão aprendendo
a usar seus benefícios na vida diária. Nosso cotidiano é
muito tenso, muito cheio de tensão, e tensão é energia. A
Cabalá ensina como usar essa energia de modo positivo e
construtivo.
Além dos cursos e livros tratando sobre esse
assunto, também fazemos conexões espirituais especiais. Há
dias especiais durante o ano, onde os Portões da
Espiritualidade estão abertos e, amanhã à noite (13.05.98) é
um desses dias (ou noites). Vamos nos encontrar no Centro de
Cabalá, todos os alunos, na R. Pereira Leite, 161 (Travessa
da Heitor Penteado), onde temos um salão grande de reuniões
e sinagoga. Às 22 horas haverá uma palestra explicando a
importância desta data.
Hoje em dia temos prazer em estudar Cabalá, mas há 2
mil anos as pessoas não gostavam que o conhecimento fosse
aberto para todos... isto porque o Zohar ainda não tinha
sido revelado. Amanhã estaremos celebrando o aniversário do
rabino Shimon Bar Yochai o qual escreveu o Zohar por
inspiração divina. Teve a possibilidade de revelar para si
mesmo e para todos os seres, os segredos do universo. Ele
escreveu uma profecia que dizia que aquela não era a época
correta para se estudar Cabalá, mas que viria era (a nossa)
em que todos iriam procurar pela sabedoria do Zohar,
tornando-se este um livro muito popular.
O estudo amanhã do Zohar será à meia noite. Existe
uma importância espiritual, segundo a Cabalá, para a meia
noite. Mas de maneira geral podemos dizer que estamos
falando de um determinado dia de uma determinada época, onde
os portões do paraíso estão abertos. Aqueles que souberem
abrir os portões e entrar, terão o prazer de estar lá.
Aqueles que ainda não, espero que aprendam rapidamente. Que
A Sabedoria da Cabalá /2 2

os portões do paraíso, os portões da sabedoria da Cabalá


possam melhorar nossas vidas no mundo inteiro. Este era o
verdadeiro desejo do rabino Shimon Bar Yochai há 2.000 anos
e está se tornando realidade em nossa era.

Na última aula falamos sobre Cabalá de maneira


geral, também falamos sobre outras coisas que estão
acontecendo na nossa era: a nossa exposição a novas
filosofias, a novas revelações da ciência, que agora fala de
metafísica e novas dimensões de realidade. Existem conceitos
muitos difíceis de compreender na ciência: ela fala de
mundos paralelos, por exemplo; estamos entrando numa nova
era da ciência que é a física quântica. E para os leigos
isso não diz muito. Somente ao estudar Cabalá poderemos
aprender a ciência, porque a Cabalá há milhares de anos vem
falando sobre os mesmos conceitos que hoje a ciência aborda.
Qual é o sentido, o propósito da ciência?
O sentido da ciência é ajudar a viver com mais
conforto, com os recursos da tecnologia, com a ajuda da
medicina etc. A ciência quer descobrir as fontes do universo
e para isso gasta bilhões de dólares em colocar satélites em
órbita, dirigidos à Lua, a Marte etc., para trazer um
pedacinho de rocha destes lugares.
A Cabalá também começou quando um homem simples
(Abrahão), que fez perguntas também simples e queria
conhecer a fonte da vida, a fonte do universo. Quando se
conhece a fonte se compreende o propósito. Quando se conhece
o passado, pode-se conhecer o futuro. A Cabalá fala de uma
dimensão espiritual que está além do tempo, espaço e ação.
A ciência está atualmente falando a respeito destas
novas dimensões. Não é somente a ciência que fala sobre
isso, mas também a Parapsicologia trata disso, explicando
que muitas de nossas atitudes biológicas são decorrentes do
nosso estado mental. E aí chegamos à conclusão que muitas de
nossas atitudes físicas são governadas pelo nosso ser
espiritual. O mundo das energias é a fonte do mundo físico.
Há 4 mil anos quando Abrahão quis explicar isto a
seu pai, que era um homem prático, muito racional e que
acreditava no mundo material, encontrou muita dificuldade...
Naquela época esse mundo material era chamado de idolatria,
hoje de materialismo: é a mesma coisa.
Graças às revelações da ciência estamos hoje mais
abertos às revelações da Cabalá. A Cabalá termina o conflito
entre ciência e religião; explica que a essência da religião
e a idéia da ciência são as mesmas.

Ao buscar as fontes do universo estamos adentrando


aos mistérios da Criação.
Todo nós conhecemos as histórias da Bíblia onde
vemos que a Criação foi feita em 6 dias e depois Deus
A Sabedoria da Cabalá /2 3

descansou no 7º. Todos temos dificuldade em aceitar essa


história, mas está na Bíblia!
A ciência foi buscar uma outra história. Depois de
muito pesquisar chegou à teoria do Big Bang. De acordo com
essa teoria, o universo inteiro era uma bola que por algum
motivo explodiu, uma explosão tão tremenda que provocou a
criação das galáxias, estrelas, planetas, etc.
Como a ciência chegou nessa teoria? Podemos observar
que todas galáxias se movem numa única direção, para fora,
como estivessem se expandindo. Tal como um bolo cheio de
passas: quando o bolo cresce no forno, expande e as passas
se separam, afastam-se umas das outras. É o que ocorre no
universo.
Então é lógico que houve uma época em que as
galáxias estiveram concentradas numa grande bola. Quando
ocorreu essa explosão (uma explosão muito difícil de medir
em nossa mente) é que se criou o universo e o formato físico
do nosso universo. É uma grande teoria.
A ciência prova que esta teoria é correta. Quantos
de nós conhecemos o Big Bang? Muitos, não é? Vivemos numa
era onde tudo está claro. A Ciência finalmente descobriu
como e quando o universo nasceu. Mas, porque?
Aí vemos que apesar de tudo estar claro, nada está
claro! Porque posso construir a teoria mais fantástica,
porém se não trouxer respostas ao meu dia a dia, de nada
serve.
Se ela souber porque o universo foi criado, esta
teoria pode até ser fantástica. Mas não responde as
verdadeiras questões que temos no coração: qual é o
propósito da vida? porque há vida? porque há o mal? por que
fomos criados como seres humanos? o que ou a quem servimos?
qual o sentido de trabalharmos dia e noite e desaparecer,
como se nunca tivéssemos estado aqui? São perguntas
difíceis.
Também temos perguntas a respeito de Deus. Se Ele
estava envolvido nessa Criação, porque criou a morte,
doenças, guerra? Se existe um Deus lá em cima no céu, onde
está a justiça, pois vemos muita gente boa sofrendo e,
diríamos, maus com uma ótima vida! (Obviamente somos os bons
que sofrem e o inimigos são os maus com boa vida). Mesmo
assim dá para se fazer esse tipo de pergunta. Porque tantas
raças, tantas diferenças na terra etc? Será que Deus
realmente prefere uma nação a outra?
Essas questões nos levam à busca da fonte do mal.
Porque existe a morte no mundo? Quando Abrahão se fez essas
mesmas perguntas, ele percebeu que a verdadeira resposta não
poderia ser encontrada no mundo físico (nem num pedaço de
rocha de Marte). Por isso então ele começou a buscar essas
respostas numa outra dimensão, além do mundo físico.
A Sabedoria da Cabalá /2 4

Vamos fazer esse processo de pesquisa, agora, em


nossa mente para que a gente possa encontrar a resposta para
a pergunta porque. Porque vivemos? O que é a vida?
Como a ciência define vida?
Pelo “metabolismo”: quando existe um ser com
metabolismo este é um ser vivo; metabolismo é a troca de
matéria: a planta está viva porque tem metabolismo: recebe
água da terra, e depois compartilha, troca esse material
com a terra.
Pensava-se que as plantas fossem mortas, sem vida, e
há apenas algumas centenas de anos é que se descobriu que
tinham vida; antes disso os seres humanos e mesmo os
cientistas, 400 anos atrás, achavam que as plantas não
tinham vida. Por milhares de anos convivemos com seres vivos
que pensávamos que estavam mortos e até que um dia nos demos
conta que era o contrário. Ainda não acreditamos que as
plantas tenham inteligência (talvez leve mais 2 mil anos até
que se perceba isso).
As plantas têm inteligência? Uma pergunta desta,
feita a um cientista convencional será imediatamente negada.
Mas, mesmo se vivermos milhares de anos ao lado de
seres vivos, negando sua vida, não significa que estejam
mortos! O mesmo ocorre com a inteligência. É tudo questão de
meu desenvolvimento mental, da minha compreensão da
inteligência, em entender a vida e a inteligência numa outra
forma. É importante saber o que é a vida e também o que é
inteligência.
Como a Cabalá pode nos ajudar a compreender a vida?
Não é fácil responder essa pergunta. Comecemos
então, com o propósito da vida. Porque vivemos? Será só
porque temos o metabolismo e trocamos matéria?
Vejamos esta palestra. Podemos saber por que vocês
vieram a este curso?
‘Pela curiosidade’. Significa que são pessoas que
gostam de adquirir novos conhecimentos;
‘Viemos em busca da evolução; conhecer os segredos
da Criação; melhorar nossas vidas; em busca de
desenvolvimento; auto-conhecimento; trabalho espiritual;
buscar respostas.’
Vieram aqui para sofrer? Se eu lhes dissesse:
‘Venham sofrer!’, vocês viriam?
Escolhemos coisas que gostamos, que nos dão prazer.
Espero que todos venham aqui para receber algo que
acrescente o nosso prazer de viver. ‘Eu quero o conhecimento
por que eu sou curioso e esse conhecimento vai acrescentar o
prazer à minha curiosidade’. Se eu vier aqui e a palestra
for chata, amanhã eu não volto, não é assim?
Quando se diz que o motivo é por uma ‘vida melhor’
diz-se de forma genérica, mas na nossa vida individual
‘tornar nossa vida melhor’ significa ‘ter mais prazer’.
A Sabedoria da Cabalá /2 5

Se quero fazer um trabalho espiritual com o meu ego:


qual é o sentido desse trabalho espiritual? é sofrer? o
propósito é tornar a vida mais fácil e aproveitar mais a
minha vida.
Se busco respostas ‘de onde venho e para onde vou’,
talvez seja porque o caminho que estou trilhando está muito
difícil, está obscuro e sem prazer, portanto quero respostas
para que possa sentir que este caminho seja mais prazeiroso
e me leve à auto-satisfação.
Se eu disser que o propósito de todos os nossos
desejos é o prazer, temos uma resposta, um propósito
importante e comum a todos.
Todos vivemos com o propósito de ter prazer (mesmo
os masoquistas: têm prazer na dor). Cada um recebe sua
alegria de diferentes meios: lendo livros, fazendo um
trabalho espiritual, tomando um cafezinho.. não importa que
caminho seguimos, todos buscamos o prazer. Trabalhamos 10-12
horas por dia para termos um fim de semana bom, morar numa
boa casa etc.
O propósito da vida para os seres vivos é o prazer.
Só que tem um problema, e o rabino Yossef mesmo teve uma
experiência pessoal que lhe mostrou isso: ‘estava numa
montanha diante de uma linda vista e fiquei extasiado. A
visão era tão prazeirosa que tinha a impressão que poderia
ficar lá para sempre; não queria mais voltar para casa, nem
para o trabalho. E aí, após 3 minutos, parei de ter prazer:
era sempre a mesma vista. Por que não podia ter mais prazer
com essa vista? Queria ficar 10 horas ali e ter prazer com a
vista, mas ele desapareceu. Voltei-me de costas por um tempo
e ao olhar novamente, o prazer retornou... passado um tempo,
foi-se embora outra vez.’ Esse acontecimento o fez começar a
pensar... o mesmo ocorre com aqueles que ao comprar um
apartamento são seduzidos pela linda vista, inclusive
pagando até um pouco mais caro! Porém, quando compram o
apartamento, em pouco tempo se esquecem da vista, ficam
entretidos com a TV, com os afazeres.
O que aconteceu com o prazer? Esse exemplo se repete
a cada um de nós em sua própria vida: a compra de um novo
carro... por isso se troca de carro com tanta freqüência.
Há também o exemplo ruim do fumante: no começo há o
prazer de fumar para restar apenas o hábito, difícil de se
tirar.
No momento em que se acostuma com algo (criando o
hábito), perdemos o prazer.
Nós podemos dizer que encontramos uma resposta para
o propósito da vida. Uma pergunta muito difícil que recebeu
uma resposta muito simples. Isso é a Cabalá, muito
simples... tão simples, que é difícil acreditar que seja
verdadeira; porque quando volto a perguntar o que é a vida,
A Sabedoria da Cabalá /2 6

como posso definir Vida, a Cabalá dá uma resposta muito


simples: VIDA é DESEJO.
Tudo aquilo que tiver desejo está vivo. O que não
tem desejo não está vivo. Quando o bebê nasce, suas mãos
estão fechadas, expressam seu desejo. Quando uma pessoa se
vai deste mundo (morre) suas mãos estão abertas, expressando
que não há mais desejos.
A natureza nos ensina muito. A planta está viva não
só porque tem metabolismo, está viva porque tem desejo.
Posso não considerar esse desejo quando quero cortá-la, por
exemplo; também existem indivíduos que não consideram os
desejos de outros seres humanos. O fato de não considerar
não significa que não exista desejo.
De acordo com a Cabalá tudo tem desejo.

Existem 4 níveis de formas de vida:


x a dos seres humanos,
x o nível animal,
x o nível vegetal, o mundo vegetal e
x o mundo material.
Sabemos que os animais e os homens estão vivos. Já o
mundo vegetal era considerado sem vida até algumas centenas
de anos atrás. Até que foram ‘ressuscitados’.
Mas e o mundo material? É a mesma coisa. Para a
maioria das pessoas é um mundo morto. Não se leva em
consideração os desejos da cadeira para se sentar nela, ou
mudar sua posição para o nosso conforto; não pergunto ao
carro de manhã cedo: ‘como se sente e onde quer ir hoje’. Ao
contrário, ligamos o motor e vamos determinando a direção.
Mas às vezes (raramente) ocorre que o carro vai onde ele
quer: eu queria ir para casa e de repente vejo que estou em
outro caminho, como cheguei lá? e o carro me leva por São
Paulo inteira, eu me dou conta, e descubro o caminho para
casa; você se pergunta ‘como cheguei aqui nesse caminho?’ É
um exemplo que pode acontecer de vez em quando!
Existe também o exemplo negativo: estou com pressa
para chegar no trabalho e o carro não quer ir e diz ‘não,
hoje é meu dia de folga’ e se o forço a ir, o que acontece?
a máquina quebra. Obviamente amaldiçôo o que ou quem eu
quero amaldiçoar, mas se fosse mais considerativo do desejo
do carro, ou da porta, cadeira, ou qualquer outro objeto
material, talvez a vida fosse mais confortável. Porque na
verdade o mundo material existe para nosso próprio conforto.
O que ocorre atualmente é que a maioria das pessoas
sofrem devido às suas necessidades materiais, é o que
chamamos sufocamento material, materialista. Porque de
acordo com a Cabalá, a matéria também tem vida e desejo.
Todo universo está cheio de vida, não tem morte. Mas
nós temos que mudar nosso conceito de mundo material, para
A Sabedoria da Cabalá /2 7

que a gente possa viver num universo vivo, porque 99% do


universo no qual vivemos é material. Se fosse ao contrário,
então, 99% de nossa vida estaria morta!
Se houver uma ressurreição desse mundo material aí
estará se revelando um bom universo. Um universo sem matéria
morta. Um mundo de energia espiritual. É a respeito desse
novo universo que a Cabalá vem falando há muitos anos.
Porque é importante viver nesse universo?
Voltemos ao exemplo da vista da montanha e o prazer.
Quando vi a vista (mundo material) será que o formato físico
da vista é a fonte do nosso prazer? Sabemos que não! Há algo
além da forma física que é a fonte do meu prazer.
Assim também uma maçã: perde o prazer depois da
primeira mordida. Não é a maçã (físico) que é a fonte do
prazer. Existe algo além da maçã que esta aí me dando
prazer. Esta ‘entidade’, além do mundo físico, que é a fonte
do nosso prazer, a Cabalá chama de A LUZ; não é físico, mas
é uma fonte espiritual de prazer infinito.
O único problema quando recebo esse prazer, é que
este é finito e preciso de outro pedaço de maçã para manter
este prazer na minha vida.

O estado de nirvana é um estado que o indivíduo


atinge quando chega ao prazer infinito: conecta-se com a Luz
infinitamente.

A luz é o momento em 99% do mundo físico tem


ressurreição; isso acontece quando disse anteriormente ‘vida
é energia’ e estamos muito próximos desse momento, mas o
mundo material tem que criar vida. E agora finalmente a
ciência diz que a matéria é uma ilusão. Até agora diziam que
quem estudava Cabalá enlouquecia, mas agora as pessoas que
estudam Ciência também estão um pouco ‘enlouquecidas’, pois
o comum das pessoas se pergunta: ‘Esta mesa é ilusão (?!),
mas eu estou vendo!’
A ciência nos explica isso de maneira muito simples.
Nós estamos vendo uma forma física que não está se movendo.
Dizemos sobre a forma física que não se move (mesa) mas, na
essência há o incomensurável número de movimentos nesta
madeira e que não percebo pelos meus sentidos: vejo só um
pedaço de madeira morta.
Somente quando conseguirmos transcender a limitação
dos 5 sentidos é que veremos e viveremos num universo de
vida e energia, e não de morte.

Morte, significa o mesmo que fim, morte é a falta da


habilidade de receber prazer. Quando há vida há o desejo
infinito de receber prazer. Isso é a vida. Porque quando não
tenho mais prazer, não estou mais vivo.
A Sabedoria da Cabalá /2 8

Existe a morte física e a morte espiritual. Há


pessoas aparentemente que têm vida física mas estão mortas
espiritualmente; e existem outras que aparentemente tiveram
a morte física mas não a espiritual, estão vivendo
eternamente. Este é o exemplo do rabino Shimon Bar Yochai
com quem faremos conexão amanhã à noite. A intenção não é
relembrar o aniversário do rabino: nós mal conseguimos
lembrar a do nosso avô, quanto mais de alguém que morreu há
2.000 anos atrás! Queremos receber dele os ensinamentos.
Como ele conseguiu alcançar esse nível? Seu ser eterno virá
amanhã à noite, estará conosco durante todo o dia; existirão
pessoas que tentarão conectar-se com ele e receber deste
canal o conhecimento da eternidade. Mas existem outros que,
por ainda não conseguirem, tentarão no próximo ano.
Chegará o momento em que todos terão que dar crédito
a algo que mudará toda nossa vida. Se a ciência está
descrevendo nossa vida física como sendo uma ilusão, o que
se tem a perder?
Nossa habilidade de receber o prazer que vem da LUZ
é chamada de o recipiente. É nossa habilidade de receber a
Luz.

Voltemos aos segredos da Criação..


A Cabalá aceita a teoria do Big Bang?
Não somente aceita, como houve um cabalista chamado
Ari, o Santo, que já há 500 anos explicava a grande explosão
do ponto de vista físico e espiritual, que explicou porque
aconteceu a grande explosão:

No início da Criação a luz e o recipiente conviviam


numa total harmonia - isso de acordo com a Cabalá é chamado
Infinito.
Porque é chamado de infinito: é uma instância
infinita, é um tempo infinito? Não, é prazer infinito, onde
o recipiente recebia o prazer da luz infinitamente. Não nos
referimos a nenhuma forma material, estamos falando de
recipiente que é o desejo ou inteligência; e estamos falando
da Luz que é a energia. Podemos chamar o recipiente de
inteligência cósmica, e a luz de energia cósmica.
Para nós neste momento a inteligência cósmica é algo
bastante claro.
A inteligência cósmica é nossa habilidade de
completar nosso desejo de ter prazer com a luz. A energia
cósmica (luz) é a fonte desse prazer.
A diferença entre recipiente e a luz:
O recipiente tem o desejo de receber esse prazer.
A luz tem o desejo de compartilhar.
A Sabedoria da Cabalá /2 9

O que aconteceu no infinito, antes do Big Bang?


O recipiente recebia muito prazer. Também o chamamos
como Ser Criado; a Luz chamamos de Criador.
O Ser Criado, o recipiente, recebe o prazer da luz.
Mas também receberia algo da Luz: o desejo de compartilhar
que a luz tem. O recipiente também queria compartilhar essa
luz. Mas a luz não tem o desejo de receber! A essência da
Luz é só compartilhar. Por isso a luz é o Criador e o
recipiente é o Criado.
Sabemos atualmente, de acordo com as filosofias
esotéricas, que existem duas forças trabalhando no universo:
podemos chamá-las Yin e Yang, ou como na eletricidade:
Positivo e Negativo; o átomo também tem o elétron e o
próton. Então o microcosmo e o macrocosmo são o mesmo.
Se existe harmonia existe a Luz
Se existe desarmonia existe escuridão.
Os mundos espiritual e material são iguais e seguem
as mesmas leis cósmicas.
Havia harmonia no Infinito por isso o recipiente
estava cheio de luz e ao querer compartilhar, não tendo a
luz a habilidade de receber, o recipiente sentiu-se
inferiorizado. Da mesma forma se alguém nos presenteia
sempre, também queremos retribuir, para ter o equilíbrio de
forças. Mas luz não pode, não é capaz de receber. Então, na
Cabalá houve o que se chama de ‘pão da vergonha’. Nos termos
psicológicos chamamos de complexo de inferioridade, o que
causou a grande explosão.
Porque quando o recipiente sentiu o pão da vergonha
(recebia sem compartilhar), era tão forte que não conseguiu
mais receber e disse à luz “chega, não quero mais luz de
você enquanto sentir o pão da vergonha: preciso
compartilhar”.

Esse pedido à luz para que parasse, em termos


cabalísticos, é a restrição. Significa que o recipiente
restringiu o seu desejo de receber o prazer da luz. Diz-se
em hebraico: TZIMTZUM.

Esta restrição do recipiente (no nível espiritual)


causou o Big Bang físico e a aparição do universo. A
restrição não foi repentina: foi gradualmente surgindo, o
recipiente foi ficando cada vez menor, e também
aparentemente a luz foi diminuindo, até que chegamos ao ser
humano.
Este tem seu corpo físico que é uma evolução do
recipiente vindo do infinito, e também tem uma alma, que é
evolução da luz vinda do infinito.
Concluímos que o homem é bastante importante. Não
somos evolução do macaco; somos o resultado da evolução da
A Sabedoria da Cabalá /2 10

inteligência cósmica e energia cósmica combinadas numa única


entidade, a qual chamamos o ser humano.
Qual o propósito dessa entidade nova? Como podemos
ajudar neste universo de seres cósmicos? O que viemos fazer
num universo de seres cósmicos? O motivo, a intenção da
restrição foi permitir ao recipiente livrar-se do pão da
vergonha. Como pode o universo ajudar ao novo recipiente a
se livrar do pão da vergonha? Como pode o ser humano ajudar
nessa situação...veremos na próxima aula.

Esse prazer em receber luz podemos chamar de


contentamento?
Sim.

Onde se encaixa o dinheiro?


Imagino que o dinheiro esteja na mente de todos nós.
Definitivamente o dinheiro tem um poder muito forte em nossa
vida, é muito poderoso em nossa vida. A Cabalá considera sua
expressão em cheque, notas, moedas como sendo energia. Temos
que aprender a lidar com a energia do dinheiro, que é muito
mais perigosa do que a parte física do dinheiro. E iremos
aprender como lidar com ela.

A restrição da Luz criou a alma. A restrição do


recipiente criou o corpo. E os animais? A restrição criou
todo tipo de alma?
De modo geral sim. Qual a diferença entre a alma
humana e a animal? A resposta está na quantidade de energia:
para ser alma de ser humano precisa de uma quantidade
determinada de energia. Se for menor será uma animal ou
vegetal.

Nesse movimento para chegar até a criação do homem,


ficando a luz e o recipiente menores, pergunto: existe um
movimento de involução na Cabalá?
Para mim novamente estamos falando numa evolução de
alguma coisa. Existe uma segunda fase que é transformação.
(A ciência fala a respeito de evolução de uma maneira
progressiva, mas isso é realmente regressão). É por isso que
você, na sua mente, só reconhece essa evolução com sendo uma
regressão. O que é verdade! Mas essa regressão também é uma
progressão: alguma coisa está progredindo mesmo que
estejamos avançando e ao mesmo estamos ficando menores
(regressão), mas a próxima fase é transformação, que está
livre da evolução ou involução. É um novo conceito:
transformação!
A Sabedoria da Cabalá /2 11

11.05.98
A Sabedoria da Cabalá / 3 1

Ministrador: Rabino Yossef Salton


3º aula : O jogo da vida: Como nos libertar da escravidão da
terrível consciência robótica e explorar a consciência cósmica (“A Luz”)

Começaremos hoje com um aviso a respeito de Shavuot, porque a


prática faz parte da Cabalá.
Dentre as comemorações (Feriados judaicos) temos Shavuot em
que celebramos o dia da doação da Torah. Obviamente que a Cabalá dá
outra dimensão a essa explicação. Falaremos mais sobre isso na próxima
2º feira quando celebraremos o início da lua Nova em nosso Centro, à rua
Pereira Lima, 161, às 20:30h.
A Cabalá nos explica que na festa do Shavuot temos a
oportunidade de receber um ‘seguro de vida’. O poder que foi revelado
no Monte Sinai quando Moisés nos deu a Torah foi o poder de ressurreição
dos mortos: o que nós também chamamos ‘os dias do Messias’. Mas com o
pecado do bezerro de ouro essa tremenda energia desapareceu de alguma
maneira e vai sendo revelada a cada ano uma quantidade pequena.
É uma grande oportunidade participar desta festa: no sábado
30/5 às 20:30h iremos nos encontrar para fazermos a conexão especial e
podermos receber a festa de Shavuot; teremos um jantar e depois uma
leitura mais profunda sobre o significado desta festa. Inscrições na 2º
feira 25/5 ou na 3º feira próxima. Após a palestra, à meia noite, nós
começaremos o que chamamos de a correção (Tikune) feita durante a noite
de Shavuot, ficando acordados a noite toda até o amanhecer, com estudo
da Torah e Zohar e todos nossos livros sagrados. Pela manhã teremos uma
prece especial, com a leitura dos velhos mandamentos e, durante a
meditação, a nossa mente nos transportará ao momento exato no Sinai onde
a Torah nos foi dada, para recebermos a energia de ressurgir dos mortos.
No domingo às 8 horas haverá um café especial chamado de café branco -
só com produtos brancos:porque a Luz é branca e branco representa
compartilhar, dar. Assim nos conectamos com a energia de doação da
Torah. O preço por adulto será de R$60,00 incluindo a palestra, jantar,
estudo e meditação da noite, café branco e também o livro de orações de
Shavuot.

Na última palestra começamos a explicar os segredos da


Criação. Perguntamos também sobre a origem, a fonte do mal.
Resumindo:
Nós fizemos um paralelo com a teoria do Big Bang. A ciência
alega que houve um momento em que o universo era uma grande bola que
explodiu, criando as infinitas galáxias, planetas etc.
Ari (que há 500 anos foi um cabalista no Norte de Israel)
também explica sobre essa explosão, sob o aspecto espiritual: a Cabalá
sempre pergunta porque. Se houve explosão qual foi a causa? Abrahão diz
que o único lugar onde existem respostas verdadeiras é no mundo
espiritual, além da realidade física, além de tempo, espaço e movimento.
Essa dimensão é chamada de O INFINITO.
Estamos falando de uma dimensão espiritual. Chegamos a
compreender pela nossa vida diária, quando perguntamos: qual o propósito
da vida? O motivo aceitável e conhecido para o propósito da vida é para
termos prazer com ela. Ninguém gosta de sofrer, nem tem prazer com a
dor.
Nós também concluímos que existe uma certa força espiritual
que nos supre de prazer. Essa força está além dos nossos sentidos: na
Cabalá é chamada de A LUZ.
Os recebedores da Luz são chamados de Recipientes.
A Sabedoria da Cabalá / 3 2

A palavra Recipiente define nossa habilidade de receber


prazer. No mundo infinito a Luz deu e compartilhou com o Recipiente o
prazer infinito. E o Recipiente recebia a Luz infinitamente. Havia
harmonia entre a Luz e o Recipiente.
Mas a inteligência do Recipiente também queria compartilhar a
Luz. Mas a Luz não tem desejo de receber, somente quer compartilhar; e a
inteligência do Recipiente é de receber.
A Luz é o Criador e o Recipiente é a Criatura (o Criado).
Podemos dizer que a Luz é a causa, o Recipiente é o efeito.
Porque a Luz infinita não tinha capacidade de receber do
Recipiente, este se sentiu com o ‘pão da vergonha’ (pão da vergonha é um
conceito cabalístico). Veremos como esses conceitos nos afetam
diariamente.
Então ele não tinha mais capacidade de receber mais Luz. O
resultado é o que chamamos restrição, onde o Recipiente diminuiu,
restringiu seu desejo de receber, e aí, o Recipiente deixou o Infinito.
Não se deve pensar que o Infinito seja algo que existiu ou
está lá atrás na História, mas sim que está aqui, a todo momento. Não
estamos nos referindo a lugares físicos no universo, estamos falamos de
estados mentais.
O nosso estado mental é que decide se estamos felizes ou não;
se tivermos a capacidade de mudar nosso estado de ânimo, de controlar a
nossa mente, facilmente poderemos mudar de tristes para alegres e
felizes, sem ter necessidade de mudar, ir para longe, ou fugir dos
problemas. Na realidade está tudo na mente: tanto a tristeza, como a
felicidade: depende da nossa escolha.

O fato da restrição vem para nos ensinar algumas coisas, que


são regras de ouro:
1. Não há coação na espiritualidade: é a livre escolha. Porque
quando o Recipiente disse à Luz ‘eu não quero receber mais a Luz’, a Luz
não forçou a si mesma para ser recebida. A Luz permitiu ao Recipiente
fazer o que quisesse e este decidiu pela restrição; e foi isso que criou
o universo.
2. O Recipiente foi quem criou o mundo físico. Até agora vimos
o universo ou a realidade como sendo preto ou branco: “Estamos aqui em
baixo, Deus está lá em cima; Ele criou tudo, nós não sabemos nada, a
gente tem que obedecer e não se deve fazer perguntas”. A Cabalá tenta
mudar esse tipo de atitude. Explica um conceito muito importante: “nós
somos responsáveis por essa criação”.
O Criador (Luz) criou o mundo Infinito onde o Recipiente
recebia somente o bem Mas, devido ao pão da vergonha, nós (Recipiente)
criamos um novo mundo.
3. O objetivo dessa criação é eliminar o pão da vergonha.
Daqui por diante não se pode mais ficar se queixando a Deus, porque
somos os responsáveis pelo que criamos. Podemos até ter esquecido porque
estamos aqui ou porque criamos este mundo físico, mesmo assim, o motivo
continua sendo o mesmo e temos que recordar. Se não nos recordarmos,
continuaremos vivendo constantemente na escuridão, o que não se quer.
A palavra hebraica para restrição é Tzimtzum. O que aconteceu
quando foi feita a restrição? Ela aconteceu de modo gradual. Um
Recipiente foi aparecendo após o outro, até que chegou ao ser humano.
Obviamente estamos falando de inúmeros Recipientes no universo.
Cada Recipiente é um inteligência extra terrestre, com uma
expressão física: pode ser um sol, uma galáxia etc. Mas são apenas
expressões físicas dos Recipientes. Estes são também acompanhados pela
Luz. A Luz também foi diminuindo, mas devemos compreender que apesar de
diminuir não mudou. Posso tampar meus olhos e a Luz desaparece apenas
para mim; para os outros não e a Luz continua exatamente igual: tudo é
relativo.
A Sabedoria da Cabalá / 3 3

4. Tudo é relativo; Einstein esteve muito próximo de revelar


muitos segredos da Cabalá, por isso falava na teoria da relatividade.
Acabou com a física clássica Newtoniana e abriu novas dimensões de
pensamento. E mesmo 50 anos após sua morte ainda estamos tentando
compreender o que ele disse. Mas a Cabalá já vem falando em relatividade
milhares de anos atrás.

Tudo é relativo e tudo é subjetivo. O único mundo objetivo


está no Infinito, onde a Luz é o Criador e o Recipiente é o Criado. Isso
é objetivo, não muda, é definitivo.
Mas quando deixamos o Infinito, passamos a uma dimensão onde
tudo é relativo e tudo muda. Tudo!

Luz Recipiente

A Alma é evolução da Luz O homem tem um corpo:


evolução do Recipiente

Neste exemplo temos a Luz e vários Recipientes. Estamos


falando de níveis que estão evoluindo gradualmente até chegar ao ser
humano, que tem um corpo e uma alma. O corpo é uma evolução do
Recipiente e a alma é uma evolução da Luz.

Para onde devemos ir desse ponto em diante?


A intenção é que devemos voltar para casa e ai chegamos à
palavra TIKUNE, que é correção.
O que acontece no mundo da correção, do tikune?
É quando nos voltamos à escalada de retorno para alcançar o
Infinito, agora sem o pão da vergonha; quando devemos lembrar que o
único motivo de estarmos aqui é o pão da vergonha.
Explicando um pouco melhor o que é o Pão da vergonha: todos
nós já tivemos a experiência em que alguém estaria nos dando em demasia
e não queríamos ficar em dívida com essa pessoa. Queríamos devolver para
ficar em nível de igualdade, pois ficando em igualdade podemos receber e
dar novamente.
É o mesmo fenômeno entre pais e filhos. Os pais querem dar em
demasia e os filhos em vez de amar mais os pais, rebelam-se e chegam
até a odiar. Os pais não entendem, mas é por causa do pão da vergonha;
foi exatamente isso que aconteceu lá no Infinito. O Recipiente somente
recebia e não podia compartilhar. É isso que nos impede de voltar ao
Infinito.
Assim, se permitirmos que os filhos dêem algo, estaremos
ajudando para que recebamos nossa ajuda sem vergonha. Mas há muitos pais
que ficam ofendidos se os filhos lhes dão alguma coisa: ‘deve ser o
contrário’. Mas sem compartilhar não se pode receber! Esta é uma regra
dourada muito esquecida.
A Sabedoria da Cabalá / 3 4

No nosso mundo tudo é relativo: os pais e seus filhos são


comparados relativamente à Luz e ao Recipiente. Neste ponto de vista
onde os filhos são o Recipiente e onde os pais são a Luz, também vemos
que existe o pão da vergonha: os pais naturalmente dão, mas os filhos
(que são os Recipientes) se só receberem constantemente, chegará um
momento em que vão sentir o pão da vergonha. Os pais devem dar aos seus
filhos uma oportunidade de compartilhar.

Se nós recipientes tivéssemos a capacidade de compartilhar com


a Luz não teríamos feito a restrição. Isto não está escrito, mas quando
o Recipiente fez a restrição houve um momento em que a Luz desapareceu e
veio a escuridão. Não nos referimos a uma escuridão física, mas a uma
escuridão espiritual.

A Luz é expressão de toda bondade. E a escuridão é a expressão


de tudo que é mau. Vamos prestar atenção nesta escuridão. Usamos chamar
a ESCURIDÃO no palavreado diário de MAL.

O que ou quem criou a escuridão?


Foi o próprio Recipiente, que diminuiu, restringiu o seu
desejo, fechou seus olhos. E agora relativamente o Recipiente está
vivendo na escuridão. Temos uma realidade subjetiva porque a Luz nunca
parou de compartilhar; somente o Recipiente criou uma nova realidade,
que nós chamamos de ilusão. Porque ilusão? Porque é somente temporário.
Porque o Infinito é a verdadeira realidade, porque é eterno.
Essa realidade física é apenas o caminho, pelo qual caminhamos
com a intenção de eliminarmos o pão da vergonha e voltarmos ao Infinito;
mas aí já sem o pão de vergonha.
É por isso que temos a escuridão: para que pudéssemos
compartilhar. Compartilhar o quê? Compartilhar a Luz. Porque? Voltemos
ao exemplo anterior: o único modo de receber mais presentes de outro é
quando me sinto no mesmo nível que ele. Se eu me sentir inferior não
poderei receber esse presente. Referimo-nos a ‘inferior’ como o estado
emocional a ser mudado. O Recipiente tem que se sentir no mesmo nível
que a Luz; somente aí que vai ter a capacidade de receber a Luz.
O principal processo de correção está na Terra, onde há mais
escuridão. Portanto, é onde podemos dar mais Luz e assim ficarmos mais
equiparados com a Luz.
Assim, mesmo sendo o ser humano o nível mais baixo dos
Recipientes, sua posição é muito importante: todos os outros Recipientes
dependem dele, porque quando compartilha e ao compartilhar revela a Luz,
todos os outros Recipientes também recebem a Luz. E é aí que ele começa
a escalada de volta ao Infinito.

O que significa compartilhar a Luz?


Seria bom dizer que quer compartilhar a Luz com todos. Mas
devemos lembrar que vivemos num mundo físico. Seria fácil dizer ‘eu amo
o mundo todo!’. Não é fácil sair dessa sala e praticar o amor. Vivemos
entre dois extremos: amor e ódio. Todos gostamos de amar e se amados mas
a maioria odeia e é odiado. Qual é o segredo do amor, qual o segredo do
ódio? Às vezes quero compreender uma pessoa, convivemos dias, semanas,
meses inteiros, tudo em vão. Os pais desejam ficar com seus filhos, amá-
los, e ano após ano sofrem porque não conseguem compreender porque seus
filhos os odeiam!
A Cabalá explica que no momento em que o ser humano não
trabalha com a Luz, isto significa que quando não há afinidade de formas
entre Recipiente e a Luz, então existe o ódio.
A Sabedoria da Cabalá / 3 5

O ódio é uma palavra muito pesada, mas a fonte do ódio é a


desarmonia, a não afinidade de formas entre Recipiente e Luz. Todas as
guerras na terra, todas as guerras entre as nações: a fonte de todo ódio
é a não afinidade de formas entre os seres humanos e a Luz. A única
maneira de se livrar do ódio é alcançar uma afinidade de formas com a
Luz e aí chegamos ao amor.
O amor é afinidade de formas com a Luz. Tanto faz que seja
amor e ódio entre pais e filhos, marido e esposa, entre nações ou
qualquer outra coisa. No momento que existe o ódio, a razão deste ódio
recíproco, é que ambos estão muito distantes da Luz. No momento que
existe amor significa que existe afinidade de formas com a Luz.
Existe outro tipo de amor, o amor mais físico, mais
temporário, que pode atrair os jovens ao casamento, mas depois algum
tempo brigam entre si e se divorciam. Perguntamos, para onde foi o amor?
Não era amor verdadeiro, porque o amor verdadeiro é afinidade de forma
com a Luz.

Como se consegue a afinidade? Esse é o único motivo de


estarmos vivos. No momento que compreendermos isto, compreenderemos
tudo. Tentemos compreender como a Luz física é revelada. Devemos
compreender que na Cabalá o mundo físico e o mundo espiritual são o
mesmo.

A Luz compartilha, então o Recipiente


recebe o sinal ⊕ recebe o
sinal Θ
a coluna central é o filamento
que une, exatamente como na lâmpada

O que acontece se unirmos o sinal + com o -? Dá-se uma


explosão, um curto circuito, um ‘pequeno Big Bang’. É assim que a Cabalá
nos ensina a restrição, ou o que podemos chamar de coluna central.
Exatamente como na lâmpada: como é que sua luz física é
revelada? A eletricidade já existia antes de T. Edson. Ele não revelou a
eletricidade; ele revelou a restrição, a restrição física da lâmpada que
capacita a Luz física de ser revelada. Isto é que foi a grande revelação
de Thomaz Edson.
Obviamente isto é uma lâmpada física.
Os cabalistas revelaram sua restrição interior.
Normalmente movemo-nos num momento sendo reativos ou em outro
momento sendo proativos. Qual a diferença? Se uma pessoa me agride eu
imediatamente reajo: isso é o sinal de -, imediatamente expresso
meu desejo em receber. Eu recebo Luz, mas aí
existe o curto circuito. Existem outras vezes em
que tem alguém muito zangado, está quase
explodindo e as pessoas olham para ele, afastam-
no para um canto e pedem para respirar, relaxar.
Porque fazem isso? Para estabelecer dentro desta
pessoa novamente a restrição, para trazer de
volta o equilíbrio; mas às vezes não funciona e
explodimos.
A Sabedoria da Cabalá / 3 6

A Cabalá nos ensina como implantar dentro


do nosso recipiente o princípio da restrição
para que nos tornemos proativos e não reagir à
raiva, à provocação, às notícias à nossa volta,
imediatamente.
O problema é nosso próprio ego. Podemos
compreender isso e achar muito bom, mas numa
discussão, o ego diz: ‘você tem que mostrar que
você tem razão’ e será difícil lembrar da aula.
É por isso então que devemos nos preparar,
porque na realidade o nosso maior inimigo está
dentro de nós.
Para isso temos práticas espirituais onde
estamos fortalecendo nosso sistema proativo.
Muitas pessoas, centenas de milhares de pessoas
já ouviram e dizem ‘Desde que comecei a estudar
Cabalá mudei, tenho ficado menos zangado com as
pessoas, vejo que as coisas que me incomodavam
terrivelmente meses atrás hoje mal são notadas,
sinto-me mais confortável’. Estamos fortalecendo
nosso sistema proativo. Essa é a única maneira
de revelar a Luz e em seguida receber essa mesma
Luz sem o pão da vergonha.
O que acontece quando reagimos ou quando
queremos receber sem restrição? Nós abrimos uma
porta para o mal, nós causamos o desaparecimento
da Luz; é esta a fonte do mal: nosso próprio
desejo egoísta de receber. Nós criamos o mal.
A cada momento que reajo a qualquer
coisa, crio o mal e aí(Deus nos livre) existe
mais escuridão no mundo.
O único ser que pode revelar a Luz e o
único responsável pelo mal é o homem. Por isso
temos o Livre Arbítrio. Então, decidam o que
vocês querem.

Como pais devemos receber não somente o


doce, ou biscoito (exemplo de uma criança
A Sabedoria da Cabalá / 3 7

pequena), mas também a energia que os filhos


querem dar. Aí pode-se sentir fluir a troca de
energias, que é o que chamamos de amor.
Subconscientemente a criança percebe o
pão da vergonha? Definitivamente, sim!

Reagir não pode ser construtivo?


Quando falo reativo, digo reagir de forma
negativa. Reagir de forma positiva é ser
proativo. Ex.: Usualmente comportamo-nos assim:
cumprimento a uma outra pessoa e nem espero que
responda, nem ouço o final da sentença e já
estou reagindo. Isso é a consciência robótica
que não me permite escutar o outro: todos
concordamos, nos queixamos, por duas horas,
despedimo-nos e no dia seguinte acontece a mesma
coisa; é o sistema reativo. Se tentarmos não
falar por 2 a 3 segundos, já ficamos
desconfortáveis; precisamos dizer alguma coisa.
‘Mas o que estou dizendo? estou falando a mesma
fofoca de ontem, o que disse no último ano: as
mesmas queixas, as mesmas fofocas, nada de
novo!’ Mas se eu parar e pensar: porque
encontrei essa pessoa agora? o que eu tenho que
posso dar a essa pessoa, e, ao dar no que posso
realmente ajudá-la? Eu posso me ajudar a
eliminar o pão da vergonha! Porque ‘também quero
receber alguma coisa e pelo fato de que não
recebo não compartilho’, estamos constantemente
repetindo sempre a mesma coisa, constantemente,
sem parar, sem nenhuma mudança. Mas depois de
talvez 5 segundos, eu vou mudar completamente
aquilo que me vem de impulso falar, e talvez
venha na minha mente um novo pensamento e vou
compartilhar com ela algo que venha realmente
ajudá-la na sua vida; nesse momento sou
proativo. Estou fazendo restrição, estou mudando
meu desejo de receber para o de compartilhar -
estou me tornando proativo.
A Sabedoria da Cabalá / 3 8

Posso entender que quando fala de


comportamento reativo como um comportamento
mecânico, e o proativo como um comportamento
mais consciente?

A Cabalá chama a consciência robótica de


Satã. Satanás não é algo com chifres ou rabo,
mas um sistema robótico ao qual servimos como
escravos. E às vezes damo-nos conta de estar
fazendo os mesmos erros e não conseguimos mudar.
É como se alguém estivesse rindo às nossas
custas. Nossa própria consciência robótica não
nos permite libertar a alma e energia desses
erros. Por isso precisamos de práticas
espirituais. Para que se possa gradualmente,
passo a passo, libertar dessa consciência
robótica, Satã. Porque Deus não criou Satã e sim
nós, e somente nós podemos de-criá-lo (não
existe esta palavra, mas define bem).

Se uma pessoa é atacada não pode reagir?


É relativo. Deve-se ver caso a caso. Há o
limite ao perigo de vida. Mas se uma pessoa me
ataca, ‘passe o dinheiro’, qual é minha reação?
Pego uma arma e mato essa pessoa? ‘Eu reagi,
estava protegendo minha vida!’ Existem outros
tipos de reação: posso também fugir ou dar o
dinheiro! O que significa ser proativo?
Vejamos o exemplo do que aconteceu com
dois alunos do Centro de Cabalá em Nova York.
Foram assaltados na rua. Um negro pediu
dinheiro, jóias, a carteira, tudo. O marido
teria entregado tudo, mas a esposa de repente
gritou com o assaltante: ‘você não pode pegar
isto tudo (jóias, dinheiro), não é seu! você
devia ter vergonha de estar fazendo isso’. O
A Sabedoria da Cabalá / 3 9

homem mudou sua atitude dizendo ‘eu não quero


tudo isso, só quero o bastante para comer’.
Dizendo isso tirou o que lhe bastava e foi-se
embora. Nesse caso ela foi proativa, pois viu
que o outro mudou de atitude. Ela não planejou
essa ação; foi algo que se acumulou dentro dela
através das palestras, atividades espirituais
etc. Naquele momento foi proativa, não reagiu ao
seu medo ou ao medo do seu marido e a Luz veio
através dela. Aí a pessoa de repente mudou,
ficou mais gentil, mais humana... porque no
final das contas, todos nós somos seres humanos.

Se temos o livre arbítrio e se o povo


judeu tem um pouco mais de estudo da Cabalá,
porque não se consegue teoricamente ter períodos
de paz?
Podemos dizer que enquanto judeus não
estamos estudando suficientemente a Cabalá. Há
20 anos era totalmente proibido o seu ensino.
Hoje temos mais e mais rabinos ensinando e isto
é o resultado de muita proatividade. Espero que
o próximo resultado seja que quanto mais exista
estudo da Cabalá no mundo, haja também mais paz.
Nesse momento não existe ainda gente
suficiente estudando Cabalá. Darei nas próximas
aulas exemplos em que muitos estudavam, e eram
períodos muito pacíficos na História.

18.05.98
A Sabedoria da Cabalá / 3 10
A Sabedoria da Cabalá / 4 1

Ministrador: Rabino Yossef Salton


4º aula :
26.05.98

Hoje falaremos sobre o poder das letras hebraicas e ao final


participaremos de uma meditação. Vamos usar letras hebraicas durante
essa meditação, além d emantras hebraicos. Antee de começar gostaria de
dar uma explicação sobre as línguas em geral e também sobre o
desenvolvimento e evolução das línguas no mundo inteiro.
Vamos voltar na história e podemos fazer uma conexão com a
Bíblia. Ela nos conta sobre uma certa geração, chamada a geração da
Babilônia. Todos conhecem a história dessa geração. A Bíblia conta que
pessoas como nós, que viviam em algum lugar no Oriente, pode ser na área
chamada a Mesopotâmia. Lá construíram uma torre. É descrita como
começando na terra e seu topo chegava aos céus (segundo a Bíblia). A
Bíblia não é a única que descreve a torre de forma pitoresca. Está na
realidade nos contar alguma coisa.Quer isso dizer algo. O Zohar diz que
não se tratava apenas uma torre física, mas também uma torre espiritual.
Ou podemos dizer que era uma torre que tinha poderes espirituais. A
expressão na Bíblia ‘que o topo alcançava os céus’ esse era o propósito
segundo o Zohar. Aqueles que construiriam a torre queriam alcançar o que
conversamos ontem à noite: uma comunicação intergalática. Obviamente
vivemos numa era em que podemos falar coisas novas hoje sem estranhar,
pois a ciência tem aberto novos modos de pensar, e também a ciência faz
pesquisas e abre novos horizontes: por isso que ela manda mensagens de
rádio ao universo, para que talvez daqui a 100...500 anos recebamos
resposta de algum lugar. Eiremos saber ou talvez descobrir que existem
formas de vida, em outras galáxias, constelaçòes ou planetas. Através
desta pesquisa da ciência nos possibilita compreender melhor o Zohar.
Não eram primitivos os indivíduos que construíram a torre de
Babel. Também tentaram mandar mensagens ao universo, para que
conseguissem receber mensagens de inteligências superiores que vivem no
espaço. A Bíblia continua essa descriçào dizendo que Deus desceu para
olhar o que essa pessoas estavam fazendo, como se Deus estivesse de
férias, ocupado no paraíso e se esqueceu de nós. E então nós como
crianças ficamos peraltas na ausência do pai. Assim foi como a
humanidade entendeu a Bíblia por milhares de anos. O que significa ’Deus
desceu para olhar’? Será que Deus não sabe o que está acontecendo o
tempo inteiro? Também diz a Bíblia que Deus estava zangado e puniu essa
geração da Torre de Babel: na expressão hebraica significa que Ele
embaralhou suas línguas e espalhou os seres humanos nos 4 cantos da
Terra.
A tradição nos conta que foi desa maneira que surgiram as
línguas. Os homens da ciência, os arqueólogos acham isso um conto de
fadas. Arqueólogos provam que muito antes da construção da Torre de
Babel já existiam outras línguas e esta história não prova nada.
Obviamente que o Zohar diz que tudo que está na Bíblia é um
código. parei aqui
Deus desceu: implica que seres de inteligência superior
desceram, visitaram a Terra, porque a diferença entre ciência e
espiritualidade é que a ciência leva mais 500 anos até desenvolver uma
teoria e a espiritualidade diz q eu tudo é aqui e agora. No mundo das
energias não existe tempo, espaço, está além da ilusão do tempo e
movimento. Quando falamos comunicação intergalática imaginamos algo a
milhões de milhas longe, Não é verdade.
A Sabedoria da Cabalá / 3 2

Seres de inteligência superior estão entre nós o tempo todo. O


propósito da Torre era conectar constantemente com esses seres, para que
o seres humanos como nós terem constantemente contato com esses seres.
Isso significa Deus desceu para ver o que os homens faziam.
Deus segundo a Cabalá ;e a consciência universal combinada numa só
consciência e também tem vários níveis de consciência que conhecemos com
sendo os nomes de Deus. Então o que aconteceu?
Zohar a língua falada era hebraico. Não o hebraico que
conhecemos hoje, nem o da Bíblia. Essa língua era chamada a língua
sagrada. Porque língua sagrada e não linguagem sagrada?
Sagrada em hebraico é KADOSH.
o que significa uma pessoa sagrada, um lugar sagrado ou uma
língua sagrada?
Falamos de luz e escuridão. Explicar: vivemos num mundo de
escuridão espiritual para poder receber a oportunidade do livre arbítrio
e compartilhar a luz, ou seja, felicidade, amor, conhecimento, tempo,
paciência. Tudo vêm da luz. Compartilhando nos libertarmos do pão da
vergonha, para receber da luz o que queremos, esse é o sistema de
santidade. Explicamos que luz era sinal + (positivo) e o recipiente -
(negativo). Na coluna central é a restrição tal como a lâmpada que tem
um filamento que restringe a natureza do receber e causa o fluir da
energia. Se juntasse o + com o - teríamos o curto circuito. Podemos ver
que nesse caso, a lâmpada fica preta (no físico, a expressão da
escuridão espiritual). Escuridão espiritual ou sistema não sagrado.

- +

Qualquer sistema como sistema central é ....

Sagrada em inglês é HOLY; brincando com essa palavra, se


colocarmos um W antes fica WHOLY todo, totalmente, completo.
O sistema sagrado é algo completo. Não existe nada mais
completo que o ... onde luz fluir eternamente. Isso é completo. Se
dizemos que um indivíduo é sagrado, tem o livre fluir da energia.

a lâmpada rejeita a luz ...


Nos homens também somos assim.
Quando trabalho em harmonia conectado com sistema sagrado
revelando a luz existe um constante fluir de energia sem fim. Mas se os
dois pólos se encontram o choque queima: nós explodimos de raiva,
ficamos cruéis. É a expressão da conexão com sistema não sagrado.
Língua sagrada? Porque não linguagem sagrada? Simples: Holly
tongue: estamos nos referindo à língua que á sagrada. Posso pegar
qualquer coisa física e usá-la para o bem ou para o mal. Pode ser amor,
dinheiro, conhecimento e com a linguagem do mundo. Ela não me faz
sagrado. Se falo a língua sagrada não fico sagrado.
A expressão significa a língua: que o indivíduo deve
transformar sua língua e libertar sua consciência para receber
egoisticamente em usar sua consciência para compartilhar e aí então
sua língua física que torna sagrada porque sua mente também fica
sagrada: ou seja, livre fluir de energia ...
Ao contrário: posso usar o que é ‘sagrado’ mas minha língua
sagrada...
Torre de Babel: foi uma geração específica que conheceu como
usar a língua sagrada. Por isso também falavam uma única língua sagrada.
A Sabedoria da Cabalá / 3 3

Essa uma linguagem cósmica. Essa língua cósmica permitiu às pessoas


encontrarem esses seres de inteligência superior.
Aconteceu que depois de um tempo - continuavam a linguagem
cósmica, mas sem a língua sagrada e pararam de se compreender (monólogos
paralelos)

Porque sempre perguntamos: ‘você me entendeu?” Porque sabemos


que mesmo com mesma linguagem se não tiver conectado com mesma
consciência não nos entendemos.
A confusão prevaleceu. Acontece atualmente. A Bíblia .... a
Torre de Babel somos nós.
Quando uma pessoa fala com língua sagrada, a linguagem sagrada
recebe a comunicação em consciência intergalática, onde podemos injetar
nossos próprios pensamentos e receber respostas , o que precisamos
desses seres de inteligência superior. Mesmo que a consciência dos seres
humanos ficou em confusão em Babel, as letras sagradas não mudaram.
Alfabeto hebraico.

Fizeram experiência: computador ouvindo som de vozes,


desenhava os sons. Dizendo A o computador fez o desenho bem parecido
com a letra A; vibração do som conecta-se com o formato das letras
hebraicas; Por isso as letras hebraicas são consideradas os tijolos que
constróem a linguagem cósmica.
Mas temos que tornar nossa lingua sagrada. Como? Ouvimos: a
vida e a morte dependem da lingua: más linguas e agora aprendemos a
sagrada pois tudo depende de nossa mente.
Maus pensamentos sobre algúem ,falou e tem aí a lingua má. Não
existe conexão entre o que se pensa que se compreende e a própria
verdade. Na nossa compreensão robótica lingua sagrada é falar hebraico,
mas não é.
Portanto, significa mudar nossa consciência.
O que houve após a ocnfusão com a lingua cósmica: foi divida
em várias linguaguens, sendo 2 principais: o aramaico e o hebraico.
Zohar foi escrito em aramaico e traduzido ao hebraico, tal
como uma moeda com 2 faces. Duas linguagens mais uma só língua = o
total.
Quando revelaremos a lingua sagrada, total, cósmica? Quando
todos estivermos falando com nossa lingua sagrada!
Grupos de seres com consicência maior pode usar a linguagem
sagrada? Sim.
O Zohar revela a semente dos segredos dessa linguagem sagrada,
de cmo purificar nossos pensamentos.
nesse quadro revela-se a smeente da mudança. Existem 72 nomes
porque cada palavra é o nome de certo ser de inteligência supeiror ou
72 nomes de Deus. O que é? São os nomes de Deus que desceram até a torre
de Babel. Nós estaremos usando e aprendendo mais ou mantra: som que não
tem significado lógico, mas repetindo na meditação nós estaremos hábeis
em mudar nosso processo de pensamento,
Todo mantra é sequência de 3 letras, criando uma nova
cosnciência na nossa mente.

...
Não escolheram ao acaso, mas para se conectar com seres
supeirores.
Por acso ... formam Moshe - Moisés. donde Zohar tirar esses
nomes = Bíblia.
A Sabedoria da Cabalá / 3 4

Agrupou 3 versículos da Bíblia no capítulo Beshaha qu fala da


abertura do mar Vermelho e Shimon creiou os oooo72 nomes numa sequência
específica. Cada verso também tem 72 letras!
Para isso faremos um exercício de meditação: Visualizemos
letras de imprensa

em letra manuscrita:

Pronucia-se:

AYIN, LAMED, MEM

Este mantra (em letra de imprensa)deve ser apenas visualizado,


se quisermos, podemos repetir com o coração: seu propósito é PURIFICAR
OS PENSAMENTOS
A escrita é feita da direita para a esquerda e também a
visualização.

Relaxa, respira, traz letras à mente, luz branca nas letras,


depois traz à cabeça.

No próximo sábado , no calendário corresponde a quando Moisés


trouxe os mandamentos do Sinai.
Moisés queria fazer um Tikune (correção cármica) da Torre de
Babel, mas não completou.
A cada ano fazemos conexão espiritual parcial para voltar no
tempo da revelção no Sinai e receber a energia que não recebemos naquela
época.
Sábado às 17:30h haverá Seuda Shlishit - conexão especial com
a Terceira Refeição do Shabat. Cancelar a guerra de Armagedon - que é a
batalha final antes da redenção.
Às 19:30 Havdalá - atividade espiritual para continuae pela
semana toda com a energia positiva.
Às 20:00 Acendimento das velas de Shavuot , conexão
Às 20:15 Palestra “Tikune da Noite de Shavuot e Seguro de
Vida’ onde explicará mais sobre o ‘Seguro de vida’ que queremos receber
à noite.
Às 21:30 Jantar de Shavuot

À meia noite - Tikune Leil Shavuot - Tikune para mudança.


A Sabedoria da Cabalá / 3 5

Até as 5 horas da manhã de domingo, com Reza da Manhã -


Shacharit - Leitura da Torá - conexão com os mandamentos para receber
energia do 10 mandamentos no Sinai
Às 8 horas - Kidush - Bufê de Leite
Recebimento do Machzor de Shavuot, livro de orações de
Shavuot.
A Sabedoria da Cabalá I/ 5 1

Ministrador: Rabino Yossef Salton

5º aula : A “Magen David”; a caridade espiritual para a


elevação da nossa consciência.

Hoje falaremos sobre Magen David, a Proteção de David -


normalmente chamada de a Estrela de David. A tradução correta
de Magen é a proteção ou protetor.
Todos conhecemos como ornamento, talvez simbolize nossa
conexão com o judaísmo, e também há os que não são judeus mas
usam porque gostam do desenho ou sintam que o desenho lhes faz
sentirem-se bem.
A pergunta que fazemos na Cabalá é qual o sentido dessa
estrela, desse protetor de David? Qual o sentido destas 6
pontas da estrela de David? Se formos explicar a forma física
veremos que o Magen David é composto por dois triângulos
contrários ∇ ∆ interpostos: @ é um símbolo religioso. Mas
existem outros símbolos religiosos que conhecemos à nossa
volta. Por exemplo, no Egito antigo as pirâmides que também são
triângulos, mas em três dimensões e continuam sendo até
hoje um grande mistério. Há os que conhecem as maldições dos
Faraós, e outros que fazem pesquisas sobre seus efeitos
energéticos. Sabe-se que cada forma tem um campo energético à
sua volta e também dentro. É por isso que as pessoas copiam as
mesmas proporções da pirâmide e colocam dentro dela meia maçã,
que permanece fresca, sem estragar por muito tempo; ou põem mel
num pote com uma pirâmide dentro e as formigas não entram. Por
aí podemos perceber que as pirâmides não são só monumentos do
passado, mas algo que os Faraós construíram baseados em grande
sabedoria. Talvez para se sobreporem a poderes físicos
naturais; existe até uma teoria de que construíram sobrepondo-
se inclusive ao poder da gravidade, com o poder da mente, a fim
de elevar aquelas pedras que pesavam toneladas. Eles teriam
capacidade de conectar com aquilo que conhecemos como o poder
da antigravidade.
Se também formos a Meca, que é cidade sagrada dos
muçulmanos, veremos o Kaba: é novamente uma construção de
pedra, quadrada, à qual os muçulmanos fazem peregrinações, e
dão voltas ao seu redor. Teorias falam sobre a santidade da
Kaba. Alguns dizem que há uma pedra, quem sabe um meteorito,
com muita energia dentro dela.
Assim, podemos observar que as religiões se relacionam
com formas físicas, como as pirâmides. Após os Faraós, as
pessoas esqueceram a respeito desta sabedoria das pirâmides, e
sobrou somente o formato físico. Mas agora estamos revelando
uma parte dessa sabedoria.

A mesma coisa pode ser aplicada ao MAGEN DAVID: é um


formato físico e depois de muitos anos nos esquecemos do seu
sentido espiritual, o que iremos recordar.

Nas primeiras aulas falamos da Luz e do Recipiente.


Fizemos uma referência entre mundo infinito e o mundo no qual
vivemos. O que fez a separação das duas dimensões foi a
A Sabedoria da Cabalá I/ 5 2

restrição. O Recipiente foi ficando cada vez menor e criando


vários níveis de inteligência. Quantos níveis existem? Podemos
dizer que são inúmeros, incontáveis.

Mas iremos relacionar 10 principais: cada nível é


chamado de SEFIRÁ (hebraico)

A SEFIRÁ tem dois significados:

1. Um vem da palavra contar 1.2.3.4.....


2. O outro é colocar limites. O que fazemos ao contar?
Separamos, colocamos limites.
Por exemplo: Quando pergunto quantas cadeiras há nesta
sala? se respondo “muitas”, a minha mente não separou as
cadeiras. Mas, para saber exatamente, tenho que começar a
separar e contar as unidades.
Aqui é a mesma coisa: o recipiente no Infinito não
tinha separação ou limite, mas depois da restrição (Tzimtzum) o
recipiente tornou-se limitado e cada recipiente é como se
estivesse sendo contado, separado dos outros recipientes. Este
é o outro significado de SEFIRÁ : LIMITE ou FRONTEIRA.

Os 10 níveis da SEFIRÁ ou os 10 SEFIROT (plural) são:

1. KETER (lê-se =Coroa. Esta foi primeira


kéter) SEFIRÁ, primeiro recipiente,
que apareceu logo após a
restrição
2. CHOCHMA (hohmá) = Sabedoria
3. BINA (biná) = Compreensão, Inteligência
4. CHESED (héced) = Gentileza (melhor tradução)
ou Misericórdia
5. GEVURAH (guevurah) = Grandeza
6. TIFERET (tiféret) = Beleza
7. NETZACH (netzah) = Vitória ou Eternidade
8. HOD (hod) = Glória
9. YESOD (iessod) = Fundamento, Fundação
10 MALCHUT (mal-hut) = Reino (Este é o Reino da
Coroa)

Essas palavras foram tiradas de nossa linguagem diária,


mas a ordem não está de acordo com nosso pensamento lógico.
Gradualmente iremos aprendendo mais sobre as Sefirot.

As SEFIROT dividem-se em 2 partes:


• 3 superiores e
• 7 inferiores

As três superiores estão além da nossa realidade


física. Relacionamo-nos com as 7 inferiores. O nº 7 é conhecido
como um número místico: repete-se nos 7 continentes, nos 7
oceanos, 7 firmamentos, 7 dias da semana. Isto significa que
A Sabedoria da Cabalá I/ 5 3

nós nos relacionamos com o ciclo dos 7 que, é claro, se


relaciona com as 7 SEFIROT. O mesmo acontece com o MAGEN DAVID.

Apesar do MAGEN DAVID ter um formato físico, a Cabalá


nos explica que tem também importância espiritual. Ele
manifesta as formas das 7 Sefirot inferiores na nossa dimensão.
Desta maneira a Sefirá CHESED se conecta com o lado
direito do MAGEN DAVID, a Sefirá GEVURAH com o lado esquerdo e
a TIFERET com a coluna central. Este é o triângulo ou tríade
superior.
De acordo com a Cabalá as Sefirot representam o caminho
pelo qual a Luz flutua até a terra. De um nível para o outro a
Luz vem descendo, o recipiente vai ficando mais denso, mais
escuro e a Luz gradualmente vai ficando mais fina, até alcançar
MALCHUT, que é o nosso mundo e a maior escuridão.
Mas lembrem-se que pelo fato do nosso mundo ser o mais
denso e mais escuro de todas as outras Sefirot, temos maior
Livre Arbítrio, para que possamos revelar muito mais Luz.
Quando falamos sobre MAGEN DAVID estamos falando do
estado de consciência do recipiente:
A tríade superior é o estado potencial e
a tríade inferior é o estado da manifestação.
É por isso que as Sefirot inferiores são as mais
conectadas com nosso mundo. À direita (NETZACH), à esquerda
(HOD) e no centro (YESOD)
A 7º fica no centro (MALCHUT) recebe toda energia do
Magen David para dentro de si.
TIFERET

GEVURAH CHESED

MALCHUT

HOD NETZACH

YESOD

Podemos observar que estes dois triângulos têm,


respectivamente, um a base para baixo e outro para cima.
Significa que o propósito da Cabalá, o objetivo, é alcançar o
equilíbrio entre o mundo espiritual e o físico.
As pirâmides têm uma só base em baixo, que representa a
entrada da luz de cima para baixo . Já o MAGEN DAVID tem
também o sentido contrário, que manda de volta para cima; não
somente recebendo, mas retornando.
Isto também vem nos explicar o mundo da correção
(Tikune), onde começamos a escalada de volta, ajudando as
inteligências e as Sefirot para que elas possam receber mais
Luz, e juntos, possamos escalar de volta para o Infinito.

Essas Sefirot são inteligências muito elevadas; nós


somos muito físicos, como conectar com elas?
A Sabedoria da Cabalá I/ 5 4

Precisamos de maneiras que possam fazer a conexão entre


nós e as Sefirot. Da mesma maneira que sabemos que existe
eletricidade na tomada, precisamos de instrumentos entre nós e
a eletricidade para que se possa revelar essa energia. A essa
maneira chamamos CARRUAGENS.
O que é CARRUAGEM: é um recipiente que carrega a pessoa
de um nível para outro. Nossos Profetas e Patriarcas são as
carruagens para as Sefirot. Apesar de terem sido seres humanos
como nós, eram muito elevados espiritualmente, tanto que usavam
o corpo, somente, como canal para revelar a Luz. Ex.:

1. Abrahão é a carruagem para Sefirá de CHESED -


Abrahão foi o canal que manifestou a inteligência de
CHESED neste mundo ao abrir sua tenda para os 4
cantos do mundo, mostrando gentileza com todas as
pessoas; isto trouxe a energia de CHESED (Gentileza)
para o mundo. De acordo com a Cabalá mesmo que o
corpo físico de Abrahão não esteja mais entre nós,
mesmo assim a energia de Chesed está conosco para
sempre e ao pronunciarmos o nome de Abrahão,
conectamos com a energia que foi por ele revelada.
2. Yitzchak (Isaac) é a carruagem para a Sefirá de
GEVURAH (Grandeza ou Bravura). Quem é corajoso
sobrepõe-se à sua inclinação ao mal. Quando Abrahão
cumprindo ordens do Senhor quis sacrificar seu filho
Yitzchak (Isaac), ele aceitou, mesmo tendo 37 anos,
não sendo o ato de uma criança submissa tal como
geralmente é retratado - como criança ou um jovem.
(Abrahão contava 137 anos). Ele aceitou o desejo de
seu pai e se sobrepôs ao seu próprio desejo. É por
isso que ele é a carruagem da Sefirá de Gevurah que
significa Bravura ou Grandeza.
3. Ya’cov (Jacó) é a carruagem para a Sefirá de TIFERET
(Beleza), que combina a direita e a esquerda, e
juntas formam a tríade superior.

Tríade inferior:

4. Moshe (Moisés) é a carruagem para a Sefirá de


NETZACH (Vitória ou Eternidade) - porque trouxe vida
eterna para o universo; por isso que ele é a
carruagem, a manifestação da energia de Netzach no
mundo.
5. O sacerdote Aharon Ha-Cohen (Aarão) é a carruagem
para a Sefirá HOD (Glória) - quando costumava servir
no Tabernáculo sua presença mostrava a glória de
Deus, em sua beleza, roupas, e apresentação.
6. A carruagem Yossef (José) o Santo, para a Sefirá
YESOD (Fundamento). Quando José sobrepôs-se à
sedução da esposa de Potifar, ajudante do Faraó,
isto lhe propiciou ser a carruagem do fundamento e
da base do mundo, pois o mais difícil é sobrepor-se
à sedução.
A Sabedoria da Cabalá I/ 5 5

7. David é a carruagem da MALCHUT - apesar de não ser o


primeiro rei de Israel, o destino de Israel se
firmou com ele.

Jacó - Ya’cov
(Beleza)
Isaac - Yitzchak TIFERET Abrahão - Abraham
(Grandeza) (Gentileza)
GEVURAH CHESED

MALCHUT David (Reino)


Aarão - Aharon Moisés - Moshe
(Glória) (Vitória ou Eternidade)
HOD NETZACH

YESOD
(Fundamento)
José - Yossef

Estamos falando não só no formato físico MAGEN DAVID,


mas também da estrutura espiritual que é eterna, e nossos
Patriarcas na realidade não morreram: a energia deles no
formato do MAGEN DAVID está sempre conosco.
Pode-se observar que em cada oração, em cada meditação
existe sempre elemento de MAGEN DAVID.

Vamos à palavra MAGEN - Proteção ou Protetor que


transfere a energia dos Patriarcas para nós; em hebraico, é
formada por Men, Ginem (guinem) e Num, as iniciais dos anjos.
As letras Men, Ginem e Num representam 3 palavras e
cada letra vai formar uma palavra que se conecta com os anjos
Miguel, Gabriel e Nuriel:

Men ou seja, Miguel

Ginem ...... Gabriel

Num ........ Nuriel

sendo Miguel (+) formando a direita, Gabriel (-)


formando a esquerda, e Nuriel a coluna central.

Para a Cabalá os anjos não têm asas, nem saem voando à


nossa volta: são também canais de energias; e nós também
criamos anjos. É dito que cada vez que uma pessoa faz uma boa
ação, cria um anjo e o anjo transfere a energia dessa boa ação
para onde deve chegar.
A Sabedoria da Cabalá I/ 5 6

Pelo fato do anjos serem somente canais, eles não têm


livre arbítrio e não tem inclinação para o mal. Somente
transferem energia de um lugar para outro. É dito que cada anjo
tem somente uma única missão. Nós seres humanos temos
inclinação para o mal, e por isso temos o livre arbítrio e
várias missões.
Em cada nível em que nos encontramos temos outra missão
a completar. Por isso vamos de um nível a outro, nós
escalamos, os anjos não têm capacidade de escalar mas também
não descem. Nós podemos descer, para subir outra vez: são os
altos e baixos da vida.
Temos 3 anjos que são responsáveis pela nossa proteção.
Por isso MAGEN = Proteção. O Rei David sabia como formar um
escudo protetor à sua volta antes de guerrear, porque sabia que
suas batalhas não eram somente no campo físico, eram
espirituais e o inimigo também não era somente físico. É como
se fosse uma guerra entre inteligências, e através do poder da
mente e da meditação recebia a energia dos Patriarcas e
Profetas.
Nós também temos batalhas na vida para sobrevivência.
Temos que compreender que o gerente não é nosso inimigo, nem
determinadas coisas. O nosso inimigo está dentro de nós. Se
quisermos livrar-nos dele e não quisermos que volte, esse
escudo protetor impede que energia ou consciência satânica
retorne a nós; assim funciona o Magen David.
A maioria das pessoas pergunta como e onde usá-lo?
Veremos nas próximas aulas e cursos que o Magen David é
a mais poderosa ferramenta na meditação. Se alguém já quiser
meditar, deve sentar-se, pensar no formato do Magen David $ e
pronunciar o nome dos Patriarcas: Moisés, Abrahão, Jacó, David,
Isaac etc. Compreendendo que nós somos o reino, que nós somos
David, temos capacidade de trazer sua presença, sua energia
para nós.

Comentários e perguntas:

A letra HAI
De acordo com a numerologia é 18 - significa VIDA

No Yoga Tântrico, Pratic é o símbolo principal de


meditação com a estrela de David, dentro de um círculo com uma
suástica ao contrário (bem pequena) em baixo. Significa
Espiritual, Material e Transcendente.

Observa-se que os hebreus falam muito nos Patriarcas, e


as Matriarcas, não têm expressão relavante?
A Sabedoria da Cabalá I/ 5 7

- Temos a palavra Israel. É também um outro nome para o


Patriarca Jacó - que é a carruagem Tiferet (Beleza). Israel é
também Jacó, quando ele alcança o nível mais elevado.
Em seguida, o rabino Yossef faz uma relação entre as
letras de Israel e os nomes dos patriarcas e matriarcas (Israh,
Sarah, Lea...), pois foi com a ajuda delas que Jacó conseguiu
escalar para um nível mais alto.

02.06.98
A Sabedoria da Cabalá I/ 6 1

Ministrador: Rabino Yossef Salton

6º aula : O corpo do homem - o corpo é o templo da


alma. A poluição da mente e como fazer para nos purificarmos;
MEDITAÇÃO.

Após termos conhecimento das 10 Sefirot e do Magen


David, iremos estudar a respeito do corpo humano e no final da
aula faremos uma meditação.
O corpo não é somente uma entidade física. Segundo a
Cabalá podemos dizer que nosso corpo é o templo da alma. É como
um recipiente que pode conter diferentes energias, ou seja, às
vezes (+) positivas e às vezes (-) negativas. Por isso é
importante ter controle das energias que entram na nossa mente
e no nosso corpo.
De acordo com a Cabalá a estrutura espiritual do corpo
físico seria exatamente como o microcosmo e como o macrocosmo:
o macrocosmo é tudo que existe fora de nós e o microcosmo é o
que está dentro de nós.
Na Bíblia há um verso que diz ‘Deus criou o homem à sua
própria imagem’. O que significa que Deus tem uma imagem e o
que nós temos de Sua imagem?
Pela Cabalá, Deus não é algo que tenha uma figura ou
estrutura. Nós O compreendemos como sendo uma energia infinita
de compartilhar e quando está na Bíblia que o ‘homem foi criado
à imagem de Deus’ significa que nossa essência espiritual
também é energia. A única diferença é que Deus é o macrocosmo,
e o homem é o microcosmo, tal como a gota que contêm os mesmos
elementos do vasto oceano; a única diferença é que esses
elementos estão numa proporção menor.

Veremos agora a estrutura espiritual, a estrutura


energética do nosso corpo e como se relaciona com as 10
Sefirot.
O que são essas 10 Sefirot? São os 10 níveis de
energias, como se houvessem 10 canais de energia que revelam a
Luz infinita. Elas também se encontram dentro de nós.

Relembremos as 10 Sefirot: Falamos que do Infinito o


recipiente restringiu o seu desejo de receber e gradualmente
evoluiu ou desceu até este mundo. O primeiro recipiente que
apareceu foi o KETER (coroa), depois CHOCHMA (sabedoria), BINA
(compreensão), CHESED (gentileza/misericórdia), GEVURAH
(grandeza), TIFERET (beleza), NETZACH (vitória/eternidade),
HOD(glória), YESOD (fundamento/fundação) e por último MALCHUT
(reino).
Com nossa mente lógica podemos perguntar: qual a
conexão entre coroa e a sabedoria, entre gentileza e a
misericórdia e todas essas Sefirot?
Para que pudéssemos compreender, os chasidim explicaram
que as Sefirot são atributos; como se Deus, a Luz, tivesse os
atributos como o homem; mas devemos compreender que a Luz no
infinito não tem atributos.
A Sabedoria da Cabalá I/ 6 2

Podemos dizer que as Sefirot são como filtros: se


pusermos um filtro preto ou azul não muda a Luz do sol; a Luz
não muda nunca, o que muda é o recipiente que recebe a Luz.
Detalhando um pouco mais diremos que o primeiro
recipiente que recebe a Luz, e também a revela, tem o poder da
coroa.
Keter - é o primeiro que recebe.
O que é a coroa?
A coroa normalmente está na cabeça do rei, mas não
pertence ao corpo do rei: pertence ao reino. Por isso dizemos
que para cada ação existe um pensamento pré-ação, um pensamento
antes da ação. Keter, a coroa é a manifestação, ela é a semente
das manifestações que vão acontecer em Malchut. É o potencial
de manifestação.

O recipiente que vem depois da coroa expressa a


sabedoria do universo, a sabedoria cósmica. Nós também, quando
começamos a aprender algo, antes de compreender há um estágio
em que estamos ficando sábios. Aí vem os estágios: intelectual,
o lógico e o racional, que juntos são a compreensão (Bina).
Por exemplo: Para construir uma casa:
• Dizemos ‘queremos uma casa’ é o estágio de Keter e
Chochma.
• Depois na mente conseguimos visualizar ‘a casa’, é o
estágio da compreensão (Bina), onde estamos
estruturando a sabedoria.
• A seguir vem os próximos 6 estágios, que são os 6
passos para o desenvolvimento, onde a pessoa atravessa
estágios de Chesed onde ela é
misericordiosa(gentileza);
• para construir a casa precisamos ter grandeza,
força(Gevurah);
• expressar a beleza dos nossos pensamentos, da nossa
mente (Tiferet);
• essa é a vitória (Netzach) de se sobrepor aos
obstáculos, para que se possa expressar o pensamento
eternamente.
• Temos a glória (Hod), que podemos dizer que é expressão
física da beleza de nossa idéia.
• Depois temos a fundação (Yesod) que é a expressão
física da nossa idéia,
• e aí temos Malchut que é a manifestação completa da
nossa idéia: a casa está totalmente construída e o
reino inteiramente revelado.

Veremos como essas 10 Sefirot também se encontram no


nosso corpo:
Keter - coroa - está na cabeça. Não falamos de coroa
física mas de um canal espiritual. De acordo com o yoga ouvimos
também falar dos chakras, que são pontos energéticos no corpo,
e o mais alto deles está no topo de nossa cabeça.
A Sabedoria da Cabalá I/ 6 3

Chochma e Bina cada uma delas representa um lado


(hemisfério) do cérebro: lado Direito e lado Esquerdo.
O cérebro direito é Chochma; também conhecido como a
parte do cérebro que pensa e vê as coisas de modo abstrato.
O cérebro esquerdo é Bina: mais prático, mais
manifesto.

Na estrutura do corpo:
O braço Direito tem a energia de Chesed que significa
gentileza: por isso é bom ao se fazer atos de compartilhar,
fazer caridade, dar um presente, usar o braço ou mão direita -
para se revelar essa energia.
Quando nos damos as mãos usamos a direita para revelar
a energia da gentileza. Há lugares no mundo em que se
cumprimenta com a esquerda ou onde está se começando a usar a
esquerda: é uma nova ‘onda’: quando isso começa, vem em ondas e
se torna uma ação automática quase mecânica, é bom prestar
atenção, estar atento. Apenas mostra nosso comportamento e seu
significado. Posso escrever com a mão esquerda - isso não tem
importância, pois mesmo os canhotos cumprimentam-se com a
direita. Se eu quiser compartilhar algo usarei a direita.
Quando estamos dando o braço direito expressamos desejo
de compartilhar e se a sociedade ou as pessoas começarem a
mudar isso, usando a esquerda ela expressa o desejo de receber.
Por isso Gevurah significa força, grandeza.
Nosso corpo superior é Tiferet - a Beleza;
Temos a perna direita que é Netzach -
Vitória/Eternidade
A perna esquerda é Hod - Glória
Os órgãos sexuais são o Fundamento - Yesod
Os pés são Malchut - o Reino, apesar de separados
fisicamente, espiritualmente estão conectados.
Este é o ser humano de acordo com a Cabalá:
Keter

Esquerdo = Bina Direito = Chochma

Tiferet

Yesod
Hod Netzach

Malchut

Nossa face também está construída com as 10 Sefirot:


Na testa é o KETER;
Os olhos são CHOCHMA - que traz a sabedoria para a
pessoa;
Os ouvidos são BINA - traz não somente compreensão, mas
também o equilíbrio. Por isso esse sistema está dentro do
A Sabedoria da Cabalá I/ 6 4

ouvido: tem 3 partes, que equivalem novamente às 3 colunas: a


da Direita, a da Esquerda e a coluna central.
O nariz é a Sefirá de ZEIR ANPIN que inclui as 6
Sefirot juntas e por isso recebe esse nome (em aramaico
significa ‘pequeno nariz’ ou ‘pequena face’): CHESED, GEVURAH,
TIFERET, NETZACH, HOD E YESOD.
A boca é MALCHUT.

Keter
Chesed
Chochma Zeir Gevurah
Bina Anpin Tiferet
Netzach
Hod
Malchut Yesod

O que queremos dizer é que cada parte do nosso corpo


tem uma energia diferente e precisamos enriquecê-lo com essa
energia através da meditação; devemos trazer a Luz do infinito
para dentro do nosso corpo. Assim é que fazemos de nosso corpo
o templo da nossa alma. A alma é parte pequena dessa energia
infinita que está buscando o recipiente.

Se ele estiver cheio de energia negativa, a alma não


consegue descansar, portanto, é importante purificar interna e
externamente o corpo. A purificação externa pode ser feita por
rituais ou métodos físicos: a água purifica fisicamente o
corpo. Mas para purificar o corpo internamente precisa usar o
poder da mente. Nossa mente, nosso cérebro, deve usar a
capacidade que tem para entrar no corpo e conhecê-lo por
dentro.
Por exemplo, se falarmos de cura, o que é isso?
Imaginemos que o corpo tem canais que conectam cada
parte do corpo com a alma, como se fossem canos. Nossa alma
injeta energia para que o corpo continue vivo e em
funcionamento.

Se uma pessoa faz uma má ação, ex.: rouba - por que não
é bom roubar? A maioria das pessoas que rouba se dão bem.
Alguns são pegos. Mas sabemos que na era moderna o crime
compensa.
Vejamos um fato real: um indivíduo roubou 50 milhões de
dólares; não era bandido e sim pessoa importante na sociedade.
Foi a julgamento, saiu nos jornais e pegou 10 anos de prisão.
Por ser idoso, respeitável, ter bom comportamento na prisão,
saiu em 4-5 anos. Trabalhar 4-5 anos por essa soma vale a pena!
Se devolveu, no máximo foram 10 milhões; vê-se que mesmo se for
A Sabedoria da Cabalá I/ 6 5

pego, o crime compensa. Se o crime não compensasse, não seria


‘profissão’ tão popular.
Ao dizermos “Roubar é ruim” vemos que nossos valores
morais não nos ajudam a construir uma sociedade melhor. Somente
ao estudarmos as leis espirituais do universo sabemos o que
ocorre quando uma pessoa rouba: imediatamente começa um
processo de bloqueio de energia do seu braço, direito ou
esquerdo. Pode ser que depois de 10 anos roubando, ela tenha um
acidente e venha até perder o braço ou a mão. Dizemos ‘foi um
acidente’ mas foi um processo! Aconteceu que suas más ações
cortaram completamente o fluxo de energia da alma para o braço.
Este é um exemplo de roubo. Mas temos também outros
tipos de comportamento: o ciúme, a raiva, inveja. São emoções
que temos em nós. A pessoa pode ser boa, honesta, mas por
dentro é frustrada, guarda rancor. Depois de algum tempo essa
energia negativa bloqueia algum outro canal, provocando um
problema maior, por ex.: úlcera.
Portanto ao estudarmos meditação e até aprendermos como
manter o corpo funcionando espiritualmente, também estamos
aprendendo a continuar tendo saúde. Isso é purificação.
Não se faz a purificação para o bem de Deus. Quando um
pessoa está mais purificada, ela sente a abundância divina mais
fortemente dentro de si. Nós fazemos isso para poder receber
essa energia.

Todos já ouvimos falar nos 72 nomes sagrados ou 72


mantras. Eles aparecem no calendário cabalístico. Cada nome tem
um propósito diferente.
Vamos por em prática a meditação sobre o nome proposto:
Ayin, Lamed, Mem

É importante se fixar no formato das letras.

COMO MEDITAR:

Faremos um exercício simples de relaxamento:


• um processo de respiração

• visualizamos as letras à frente dos olhos


• trazemos uma Luz branca de cima

• que atravessa as letras e

• penetra no corpo começando pela cabeça (que é a parte

mais importante: cérebro)


• passa pelo lado direito, pelo lado esquerdo,

• traz para a parte frontal do cérebro (a parte frontal

é a parte consciente)
• para a parte traseira (a traseira é o inconsciente)-
queremos purificar as duas partes
A Sabedoria da Cabalá I/ 6 6

• continuamos no nosso corpo trazendo a Luz para olhos,

ouvidos, nariz, boca, limpando de todas energias


negativas
• descemos para nosso peito, para os braços, coração,
limpando-o também de emoções negativas e
• continuamos pelo resto do corpo, seguindo até os pés.

Vamos ficar com postura relaxada, mas com a coluna


reta.
Faremos a meditação com os olhos fechados, mas se não
nos lembrarmos do formato da letra poderemos abrir para olhá-
los e pegar a imagem e depois continuar com os olhos fechados.

Fechando os olhos... vamos concentrar a mente em nosso


ser interior .... começar a respirar pelo nariz, lentamente....
puxando o ar para dentro do pulmão... e aí, exalando para
fora.......... nossa mente se concentra somente na
respiração.... tente sentir o ar entrando no corpo.... fluindo
até os pulmões... em seguida, fluindo para fora através do
nariz...........
Agora vamos respirar mais profundamente....nosso corpo
fica mais pesado..... os músculos relaxam......a nossa mente se
concentra somente na respiração......................
Vamos desenhar diante dos olhos as letras Ayin, Lamed,
Mem.......... agora a Luz branca desce lá de cima.....atravessa
as letras e entra pelo nosso corpo....começando pela
cabeça......vamos sentindo a Luz branca entrando no nosso
cérebro.... tirando e livrando de toda escuridão...
Começamos na parte frontal do cérebro......... depois
na parte traseira do cérebro... direita... e esquerda
................ a Luz branca vai descer para os olhos,
ouvidos, nariz, boca.... até que toda a cabeça esteja cheia de
Luz branca ............................. a Luz continua a
descer pelo nosso corpo, no coração, limpando e purificando
nosso coração de todas emoções negativas.....................
a Luz continua a descer em todas as partes do corpo: da
ponta dos dedos das mãos descendo até os dedos dos
pés..........
estamos numa bolha de Luz branca que nos rodeia, e
protege de todas energias negativas.................. agora as
letras desaparecem e a Luz volta a subir................ vou
contar até 3 e podem abrir os olhos: 1...2...3

Pode-se meditar todo dia 15 minutos e, se tiver prazer,


pode fazer duas vezes: pela manhã e à noite, no máximo até 22
horas, por causa do cansaço, para não dormir e, sim, receber a
energia positiva.

Para cura há um mantra no quadro dos 72 nomes, está na


primeira linha, 5º quadrado (da direita para esquerda):
MEM,HEH,SHIN - não é importante saber pronunciar e sim
concentrar-se na letra.
A Sabedoria da Cabalá I/ 6 7

Há antes dele no 4º quadrado da 1º linha o AYIN, LAMED,


MEM que pode ser usado associado a ele. A seqüência: AYIN,
LAMED, MEM ajuda-nos a purificar nossos pensamentos e nossas
emoções.
Podemos começar com Ayin, Lamed, Mem, e depois passar
para Mem, Heh, Shin tal como na meditação feita agora, passando
a Luz pelas letras. Saúde para o corpo e para a mente.
É normal esquentar os pés na meditação?
- Durante a meditação podemos ter sensações diferentes,
por ex. sentir o corpo pesado, outros sentem estar flutuando,
pode acontecer de parte dele ficar muito quente ou muito fria.
Quando parte do corpo fica muito quente é porque estamos usando
em demasia aquela parte, com acúmulo de energia. É por isso que
devemos soltar a energia dessas partes, permitindo que ela saia
e entre uma nova energia. Existe uma técnica de como fazer
através de respiração, porque ao tirarmos os ar dos pulmões
estamos tirando de todo o corpo e aí respiramos e trazemos nova
energia. O processo de respiração é muito importante na
meditação.

Quando o corpo fica frio é ausência de energia?


- Nem sempre, ou por que a pessoa está usando métodos
de cura ou aquela parte do corpo não está recebendo energia
suficiente e temos que meditar para regular. Quando está usando
métodos de cura para outras pessoas pode sentir seu corpo muito
frio - porque é normal nesses processos ficar frio. Não é
normal se não estiver usando processo de cura.

Estar usando o processo de cura para outra pessoa seria


visualizar esse símbolo projetando nela?
- Em essência seria isso, mas se não tiver experiência,
se não aprendeu como fazer isso, sugiro que use somente em você
mesmo por enquanto. Faremos um seminário específico de cura no
mês que vem em data a ser marcada.

As Sefirot coincidem com os chakras, mas são


independentes?
- As Sefirot são algo mais geral, e os chakras mais
espefícos. Há 7 chakras principais e estamos falando sobre 10
Sefirot. Existem também niveis e pontos de energia em nosso
corpo. Como dissemos: na face temos as 10 Sefirot e no corpo
também. Se formos ver, em cada uma dessas partes há coisas
diferentes. Esta é uma maneira muito geral de falar das Sefirot
e o corpo humano. No próximo curso e em outras meditações
estaremos detalhando um pouco mais.

Agora alguns avisos sobre o nosso curso e a continuação


dele.
O objetivo de estudar Cabalá é continuar estudando,
tendo em vista nossa evolução e desenvolvimento como ser
humano.
Estudar, fazer o curso básico é muito importante, mas é
só o básico. Ao fim do curso teremos um workshop com palestra,
meditação e terapia de grupo. A continuação de Cabalá 2 será no
A Sabedoria da Cabalá I/ 6 8

nosso Centro no Sumaré e estaremos contentes de tê-los conosco.


Poderá ter um grupo à tarde desde que tenha pelo menos 10-12
pessoas. O ideal seria continuar em seguida a este, mas depende
das férias; continuaremos direto. Depende das viagens de férias
dos membros do grupo.

09.06.98
A Sabedoria da Cabalá I/ 7 1

Ministrador: Rabino Yossef Salton

7º aula : Homem e Mulher - Porque somos diferentes um


do outro? Qual é a função espiritual do Homem? Qual é a função
espiritual da mulher?

Hoje veremos a relação homem - mulher; o relacionamento


dos sexos segundo a Cabalá.
Não usaremos abordagem psicológica do comportamento, na
realidade estamos mais interessados em compreender as
diferenças espirituais existentes, e tentar resolver alguns
desses problemas psicológicos e sociais que existem entre
homens e mulheres.
Nos últimos 100-80 anos podemos notar uma mudança na
situação social das mulheres. Essa mudança social é resultado
de um processo que vem há milhares de anos. Também é decorrente
direto da opressão que a mulher vem sofrendo nos últimos 2.000
anos, e o que nós chamamos a Idade Média ou Idade das Trevas,
onde o ponto mais alto dessa opressão ocorreu com as mulheres
morrendo em fogueiras acusadas de serem bruxas. Na nossa era já
ouvimos falar em mulheres que teriam uma intuição espiritual,
ou um 6º sentido - podemos dizer que a vida da mulher aqui na
Terra não tem sido fácil. Até hoje em muitas culturas são
consideradas cidadãs de segunda classe. Mesmo assim, nos
últimos 100-80 anos houve uma grande mudança no seu status,
através da liberação feminina e também devido a mudança de
consciência relativa às habilidades e consciência femininas.
Mesmo assim podemos perceber que, apesar de termos
aceito seu novo status, ainda está difícil para que as mulheres
sejam equiparadas ao mesmo nível dos homens.
Isso é um problema social bastante grave. Há religiões
em que mulheres não podem tomar parte em cerimônias religiosas.
Por outro lado, outros grupos religiosos estão tentando dar
nova vida à mulher, tentando sanar esse problema. Até os dias
de hoje, Deus é considerado um homem de barba branca; nunca
pensaram nEle como Mulher. Só por aí vemos que existe um
complexo psicológico na mente humana. Tentaremos expor este
problema e resolvê-lo com ajuda da Cabalá.

De acordo com a Cabalá a solução do problema feminino


não ocorrerá se misturarmos as coisas. Explico porque:
Pela Cabalá o homem e a mulher não são iguais. Não me
refiro aos seus direitos ou à justiça. Definitivamente o homem
e a mulher devem ser julgados e devem ser dadas oportunidades
iguais. O ponto que quero me referir é: qual é a diferença
espiritual existente entre eles. Porque existe homens e
mulheres no mundo? Porque nascemos como homem ou como mulher?

Voltemos às Sefirot.
Temos as 10 Sefirot que na essência são 5: Keter,
Chochma, Bina, Zeir Anpin (que inclui 6 SEFIROT) e Malchut.
Que significam essas Sefirot? São inteligências
cósmicas e nós somos a manifestação delas. Agimos e nos
comportamos de acordo com as Sefirot. Mesmo que tenhamos a
A Sabedoria da Cabalá I/7 2

impressão que somos nós que fazemos, que somos nós que
decidimos, somos somente o resultado do que foi resolvido lá em
cima pelas Sefirot.

Como funcionam as Sefirot?


Já explicamos que as 3 superiores são somente
espirituais.
Zeir Anpin e Malchut relacionam-se mais com a nossa
existência.
Malchut é o mundo físico, o mundo da manifestação.

Colocamos:
(-) para explicar o desejo de receber que
existe em Malchut;
Zeir Anpin é o canal que traz a Luz das 3
Sefirot superiores;
(+) que são Keter, Chochma e Bina.

Quando eu digo sinal (+) significa que as 3 Sefirot


superiores constantemente geram energia pelo cosmos, mas essa
energia deve passar por Zeir Anpin para que possa chegar em
Malchut.

Segundo a Cabalá:
As mulheres se relacionam com a consciência de Malchut
Os homens são conectados com a consciência de Zeir
Anpin.
Por aí já podemos ver a grande diferença existente
entre homens e mulheres. O sinal (-) pode ser mal interpretado
como algo negativo, como algo mau, não é isso que quero dizer:
ele apenas mostra o desejo de receber. Não quer dizer que só as
mulheres tenham esse desejo, porque elas também têm o desejo de
compartilhar.

Como funciona esse sistema?


Existe uma bênção no livro de oração onde as mulheres
dizem: “Bendito sejas Tu Senhor meu Deus, que me fizeste
conforme o Teu desejo”. Novamente essa bênção foi muito mal
interpretada, devido ao nosso complexo psicológico: onde as
mulheres, imagina-se, devam sucumbir às leis do homem, como
também ser submissas a Deus e humildemente agradecer por tê-las
feito conforme Seu próprio desejo. Essa é uma interpretação
errada.
Pior é a bênção dos homens: “Bendito sejas Tu Senhor,
que não me fizeste mulher!” Se estou feliz por ser homem, eu
diria ‘obrigado Criador, por ter-me feito homem’. Por quê então
agradeço não ter-me feito mulher? É como se agradecêssemos por
não nos ter feito retardados ou doentes ou coisa assim!
Atualmente este é um dos maiores problemas da religião,
onde as sociedades se opõem a esse conceito de homem e mulher.
Muitas sociedades têm tentado dar à mulher autoridade legal
para se tornarem até rabinos. Mas o problema dos extremos
indica que estão ambos em desequilíbrio. Existe de um lado o
fanatismo conservador com relação às mulheres, e do outro temos
uma mistura de atitudes onde não eles não sabem o que estão
A Sabedoria da Cabalá I/7 3

fazendo, porque partem do ponto de partida da culpa: pensam que


por tê-las oprimido pelos últimos 2.000 anos, agora darão tudo
o que elas querem. São dois extremos, são comportamentos em
desequilíbrio. Existem até os mais extremados que apagam essa
bênção do livro de orações para não ferir as mulheres.
O que a Cabalá pensa a respeito do homem e mulher e de
toda essa controvérsia?
Vamos começar pelo início, onde está dito que um judeu
(uma pessoa) deve seguir 613 ações chamadas mitzvot
(preceitos). Essa palavra mitzvot ou mitzvat (singular) difere
de Pecudah, que é mais impositiva, sendo traduzida como ordem
ou comando.
Não é que se queira apagar esta ‘lavagem cerebral’ pela
qual temos passado, como se não tivéssemos nada mais a fazer do
que ser um ditador dizendo ‘faça, eu ordeno!’ Quero esclarecer
que somos o resultado de milhares de anos de corrupção, de má
formação, somos o resultado disso. Porque a palavra hebraica
Mitzvot não é mandamento ou comando. Para isso existe pecudah.

O que significa mitzvat?


O problema com nosso ego é que ele não agüenta viver
uma situação que não compreende: nosso ego não gosta nem de
saber que ele não sabe. Isso é impossível. É por isso que a
pessoa ou é totalmente ignorante ou pensa que sabe tudo e se
acha o mais sábio; obviamente em ambos os casos a pessoa é
ignorante. Esse é o problema do nosso ego.
Quando encontramos a palavra miztvat escrita na Bíblia
não sabemos como traduzi-la - até em hebraico temos esse
problema. Mitzvot: se é uma ordem, comando, um conselho, não
sabemos de onde vem essa palavra. Sua tradução não é muito
definida.
O Rabino Phillip Berg nos deu uma explicação muito
bonita a respeito dessa palavra: a raiz da palavra mitzvat
significa união. Quando uma pessoa está fazendo uma miztvat
está se conectando com essa união; por isso oramos juntos,
festejamos juntos para nos conectar com essa energia de união;
isso é uma mitzvat.
Existem 613 mitzvot, que foram divididas em duas partes
não iguais: 248 e 365, sendo:
248 (+) são para os homens e
365 (-) para as mulheres.
As 365 mitzvot (-) começam dizendo Não : não faça..,
não mate...
AS 248 (+) dos homens dizem : Faça!
Novamente não parece justo, não é?: menos preceitos aos
homens que às mulheres. Estou brincando: só para alertar vocês
de como existe um grande mal entendido sobre a essência de
nossa vida.
Mitzvot não são ordens que devemos cumprir. De acordo
com a Cabalá são ferramentas que existem para nos ajudar a
conectar com a Luz. Nesse caso, mudando a compreensão do
sentido da mitzvat, podemos agora dizer que as mulheres têm,
então, muito mais instrumentos para revelar a Luz do que os
homens!! Vocês acham bom ou ruim fazer muitas mitzvot? Depende
A Sabedoria da Cabalá I/7 4

muito de como compreendemos a mitzvat. Se a compreendermos como


ordens às quais devemos obedecer, então achamos que a vida da
mulher é muito mais difícil, porque tem mais ordens a cumprir.
Mas se a vemos como instrumento de conexão com a Luz, então
quanto mais melhor. A Cabalá, é claro, escolhe a segunda opção.

Porque a mulher se relaciona com as mitzvot negativas :


não faça, e o homem se relaciona com as mitzvot positivas:faça?
Segundo a Cabalá, quando a mulher nasce ela tem seu
recipiente espiritual completo, por isso é suficiente para ela
não trazer riscos para ela, basta não fazer.
O homem, ao contrário, nasce espiritualmente
incompleto, por isso tem que fazer 248 mitzvot de ações ativas
e também seguir as inativas: não faça, para que não machuque,
não arranhe seu recipiente espiritual enquanto está sendo
construído.
No mundo físico o homem é considerado o sexo forte e a
mulher o frágil, mas espiritualmente é exatamente o contrário.
O homem é considerado a parte fraca, por isso deve ser ativo
para que possa se fortalecer espiritualmente, enquanto a mulher
é considerada a forte ou o recipiente mais completo.
Aqui então, ao estudarmos a Cabalá podemos compreender
qual a diferença entre homem e mulher. Nós não somos iguais. O
homem é mais fraco espiritualmente que a mulher.
O homem não nasce tão completo como as mulheres -
completo espiritualmente significa que é mais fácil para a
mulher compartilhar do que para o homem.
O compartilhar faz parte da natureza do recipiente
feminino. Por isso ela dá à luz (*) aos filhos.
(*)Rabino Yossef faz um comentário de que esta
expressão que usamos no Brasil é uma das mais bonitas que ele
já viu para expressar o nascimento, pois ela realmente traduz a
essência do fato que é ‘trazer à Luz’ uma vida, expressando
algo espiritual.
A mulher também amamenta o seu bebê e novamente
compartilha sua própria essência através do leite. Isso mostra-
nos que não somos iguais. A nossa correção (tikune), nosso
propósito na vida não é o mesmo. A tarefa no escritório pode
ser igual, mas o propósito espiritual é diferente. Somos
diferentes, mas complementares: um complementa o outro.

Na bênção da mulher: “Bendito sejas Tu Senhor que me


fizeste de acordo com a Tua vontade”, ou seja, de acordo com o
desejo da Luz - significa que o desejo da Luz é compartilhar e
para isso precisa do recipiente que queira receber. Esse é o
sentido espiritual, o propósito da mulher: receber a abundância
e benevolência do Criador.

O propósito do homem é ser canal: permitir o fluir da


energia das 3 Sefirot superiores, que passa por ele e chega à
mulher. Por isso que a semente vem do homem, mas todo o
processo de criar, de fazer crescer, e finalmente a
manifestação, está dentro da mulher.
A Sabedoria da Cabalá I/7 5

Se Deus criou Adão e Eva (dois seres diferentes) estava


na mente divina criar 2 desejos opostos, para que esses dois
seres que são completamente opostos, pudessem criar a coluna
central. A Luz somente flui pela coluna central.
Foi uma decisão sábia.

Se a mulher já nasce perfeita, o homem tem que receber


Luz para passar à mulher. Porque?
R.: Preste atenção como nossa mente funciona. A
pergunta é apresentada como se o homem tivesse que dar a Luz
para a mulher, porque aí então a mulher estaria incompleta. Mas
não estamos falando de canos e roscas, estamos falando de
inteligências. Para que o homem possa alcançar ser completo,
ele deve compartilhar ativamente a Luz com a mulher. Ela
permite ao seu companheiro que lhe transfira essa Luz, com a
finalidade de ajudá-lo a ter sucesso e completar sua missão.
Então quem está completo? Se o homem não compartilhar,
ele continuará vazio. Se a luz não atravessar o canal ele vai
ficar vazio. A mulher ao permitir ao homem que deixe fluir a
Luz através dele, está ajudando ao homem tornar-se completo.
Nossa mente funciona de modo estranho. Por ex.:
Imaginamos que nosso coração seja uma bomba. Por isso as
pessoas ‘jogam’ seu coração de uma pessoa para outra: se não
preciso dela passarei para outro. O que falamos na Cabalá não é
uma troca de equações e sim numa troca de consciência. As
pessoas autorizam transferência, doação de órgãos entre as
pessoas, porque a maneira de pensar industrial levou-nos a
pensar nas pessoas como máquinas. Por isso pensam que tem duas
máquinas trabalhando aqui. Quando falo em recipiente não me
refiro a algo onde as coisas simplesmente caem lá dentro, e
sim, como sendo um termo espiritual.
Precisamos mudar a consciência.

Este recipiente feminino, pelo menos até agora, não tem


estado funcionando corretamente, por isso querem atuar como
homens: não sabem o por quê delas serem mulheres. Lógico, o
corpo é diferente do corpo do homem, mas falamos de sua
consciência. É aí então, quando entendemos isso, que começamos
compreender a Cabalá.
Se pensamos que são dois corpos diferentes fisicamente,
mas se os dois estiverem trabalhando de acordo com a mesma
consciência, serão dois seres diferenciados mas complementares.
O problema é que as mulheres estão trabalhando com a
consciência masculina.

A mulher é perfeita; sob o ponto de vista que quando


ela quer imitar o homem, se ela sabe o que é perfeição, ela
precisa da energia do homem como canal para alcançar a
perfeição?
R.: Se você mudar a palavra perfeita para completa você
vai conseguir entender mais facilmente. É isso que temos que
fazer: mudar a consciência.
A mulher nasce completa. Quando ela diz: ‘Bendito
sejas .... por ter-me feito de acordo com Teu desejo’, ela está
consciente do seu recipiente ser completo.
A Sabedoria da Cabalá I/7 6

O homem diz: ‘Bendito ... por não ter-me feito mulher’:


não está agradecendo a Deus por não tê-lo criado mulher - em
hebraico a palavra não significa restrição: o propósito do
homem é fazer restrição aos desejos de sua esposa para que
possa criar a coluna central e aí combinar o (+)e o(-).
Exemplo: Casar é uma mitzvat dos homens e não das
mulheres. Deus tem que mandar que eu me case? Se Deus não
tivesse escrito na Bíblia multipliquem-se, nós não estaríamos
nos multiplicando? Obviamente o que ocorre com a mitzvat do
casamento é num nível mais elevado de consciência. Porque o
homem deve casar e a mulher não precisa se casar com o homem?
Não parece absurdo? Ela é não e ele é faça!, ele é ativo.
Na nossa vida diária sabemos que são as mulheres mais
interessadas em casar que os homens. Se assim é, porque Deus
não deixa a natureza seguir seu rumo? Qual o sentido de
escrever um comando? Se o homem está incompleto e recebe um
preceito para se tornar ativo essa ação irá permitir que se
complete no casamento. No momento que ele sabe o por quê de seu
mandamento, por quê está se casando, só aí é que é considerado
uma mitzvat: uma ação que traz consciência elevada. De outro
modo seria mais uma combinação de biológica natural, ou um ato
mecânico, instintivo.

Comentário: O homem pode fazer um casamento mas sem


estar casado - inclusive desfazendo facilmente o casamento!
R.: Nós fazemos muitos atos mecânicos, inclusive casar:
ato sem haver o casamento espiritual, sem usar a ferramenta do
casamento para elevar a consciência.
Porque o homem deve perseguir a mulher para casar?
Porque ele está incompleto. Ele precisa da mulher e ela não
precisa dele. Apenas para ter filhos. O ato espiritual do
casamento significa que o homem deve aprender a fazer restrição
perante sua companheira para poder elevar sua consciência. O
homem precisa casar, mas só se souber por quê.
Há homens que fogem do casamento porque não querem
fazer o tikune, não querem fazer sua restrição, porque não têm
consciência.

Abrimos uma nova maneira de pensar hoje à noite,


abrindo a discussão.
Precisamos nos libertar de alguns instintos obsessivos
de comportamento e na maneira de compreendermos as coisas.
‘Temos que libertar as mulheres da opressão!’
‘Temos que manter as mulheres longe dos negócios!’
Porque? Às vezes elas são melhores que os próprios
homens. Esta batalha constante entre os sexos não está levando
a resultados positivos. Ela nos traz muitos problemas
emocionais e psicológicos e estamos tentando resolver esse
problemas de uma maneira diferente.
Primeiro precisamos compreender que existe um missão
espiritual para o homem e uma missão espiritual para a mulher.
Portanto cada um tem uma missão espiritual diferente, que,
finalmente, uma irá complementar a outra. O homem nasce num
estado espiritual mais fraco e com isso deve ter ações,
atitudes espirituais ativas e também fazer as restrições: não
A Sabedoria da Cabalá I/7 7

faça, para não destruir o que está construindo. Pelo fato da


mulher nascer num recipiente espiritual completo, ela segue
somente os não faça: não mate, não roube etc.

Homens e mulheres têm missões diferentes. O que


determina que uma pessoa nasça mulher ou homem?
R.: Falaremos a respeito da alma:
Alma: A Alma é uma só, com duas partes: (+) e (-)

- +

Μ Ν

Quando a alma chega, ela encarna em dois corpos, isto é


expressado através de um corpo masculino e de um corpo
feminino. É nossa alma que determina.

- Porque ela determina? Porque determina que eu venha


para o lado feminino e não o masculino, por ex. Tem algo a ver
com outras vidas?
R.: Isso tem a ver com que tipo de energia você tem
dentro de você. Mas isso também não é problema; o problema é a
frustração de ter nascido mulher. Porque se estivesse
completamente feliz por ter nascido mulher não estaria
perguntando porque, quem decidiu? Eu decidi! Se estivesse
completamente feliz em ter nascido mulher, eu saberia que eu
mesma decidi nascer mulher.

- Estava pensando que estaria relacionado com a missão,


ou até por desígnios de vidas passadas!
R.: Sim. Está também relacionado com a missão: podemos
dizer que a mulher traz para si o aspecto feminino da correção
da alma; e o homem traz para si o aspecto masculino da
correção.

É a alma que faz o corpo ou é o corpo que faz a alma?


R.:Nossa maneira de pensar é muito complexa; quanto
menos complexa, mais perto estaremos da verdade. Estamos
falando de uma única alma que tem dois aspectos: o feminino e o
masculino. Esta alma única se divide em duas partes. De acordo
com a Cabalá esses dois corpos são chamados de almas gêmeas.

Almas gêmeas não são duas pessoas, de dois sexos


diferentes, mas que se completam? Então são dois espíritos
diferentes!
R.: Não. Estou falando de um única alma que foi
dividida em dois corpos: o aspecto masculino da alma e o
aspecto feminino da alma.

-Então numa encarnação ela vem dividida?


R.: É.
A Sabedoria da Cabalá I/7 8

Se uma pessoa fica solteira até a morte, a sua alma


gêmea como fica?
R.: Temos muito o que aprender a respeito de
reencarnação e alma gêmea. Tem um curso sobre esse tema.
Temos uma alma gêmea ou várias?
R.: Para cada pessoa existe uma alma gêmea.

Quando a alma atinge um nível muito alto de evolução é


que ela reencarna como alma gêmea?
R.: Não. Farei um comentário para explicar a respeito
de reencarnação:
O problema da maioria das pessoas que estuda
reencarnação, é que traduzem como sendo a reencarnação de
corpos e não de almas. Por favor prestem atenção nisso: porque
somente depois de estarmos estudando reencarnação por um certo
tempo (meses), é que se conseguirá começar a entender o que
significa o nível da alma; então veremos reencarnação do ponto
de vista da alma e não do ponto de vista do corpo. Não entramos
neste assunto das almas gêmeas somente para explicar de onde
vinha o aspecto masculino e feminino da mesma alma, mas também
para compreendermos que existe um processo mútuo de tikune, de
correção.
Nem todos os casais são almas gêmeas e a Cabalá também
fala a respeito disso.

Voltando ao assunto desta noite


Homem e mulher:
O problema da nossa sociedade é que nem os homens agem
como homens, nem as mulheres como mulheres. Tem homens que
acham que deveriam agir mais como as mulheres porque acham que
seria melhor. Em contrapartida há muitas mulheres que agem como
homens porque acham que assim lhes fica melhor. O mesmo
aconteceu na religião: grupos religiosos onde vemos que as
mulheres querem fazer as coisas no lugar dos homens. Porque
isso acontece? De acordo com a Cabalá, isto está acontecendo
porque os homens estão praticando as mitzvot sem consciência.
Por isso então a mulher que quer a Luz, ela diz ‘chega para lá
porque vou fazer o trabalho para conseguir a Luz para mim
mesma’. A única diferença entre o homem e a mulher é que ela
pode fazer a mitzvat se ela quiser, não tem problema algum, mas
não pode fazer em vez do homem.
Se o homem faz a mitzvat ativa, ele pode estar fazendo
isso por ele e também pela mulher. Mas se ela fizer no lugar do
homem ele permanece vazio. É isso que acontece em grupos
religiosos que não tem conhecimento disso.

Se o homem não tivesse oprimido a mulher, não


estaríamos agora precisando fazer a correção?
R.: Estamos explicando essa confusão. Estamos tentando
lentamente resolver, mas isso só vai acontecer após um longo
processo de educação, educação espiritual, até que se possa
mudar os nossos conceitos, o nosso comportamento. Esta nossa
palestra foi só para abrir esse assunto.
A Sabedoria da Cabalá I/7 9

Isso é só o começo.Em Cabalá 2 aprofundamos mais em


todos conceitos vistos no curso de Cabalá 1; faremos durante
Cabala 2 também um pouco de meditação para que se possa
compreender melhor esse conceito de reencarnação, e daí
seguiremos para o curso de meditação e os cursos que vêm a
seguir. 16.06.98
A Sabedoria da Cabalá I/ 8 1

Ministrador: Rabino Yossef Salton

8º aula : Religião e Cabalá; qual é o propósito das


Mitzvot? D_us e fé; Ame ao próximo como a você mesmo.

Chegamos à última aula do curso e nesta aula chamaremos


a atenção para a relação que há entre Religião e Cabalá. Temos
certeza que existem muitas perguntas ainda não respondidas a
respeito de religião de uma maneira geral e também a respeito
da Cabalá.

A Cabalá para a maioria de nós é uma nova idéia. Até o


presente momento estamos acostumados às maneiras comuns das
leis religiosas. O conceito divino, o conceito de Deus é
bastante claro até agora: Deus está no céu, o homem está aqui
em baixo etc...
Cerimoniais e rituais eram atos conectados com a
tradição. Tradição é algo que tem a ver com história, com o
passado, incidentes relacionados com eventos emocionais tais
como casamentos etc...
Alguns de nós são mais crentes, acreditam mais do que
outros. Outros são mais revoltados contra essa maneira
convencional de comportamento, outros são mais tímidos, aceitam
mais. A Cabalá nos um mostra novo caminho de vida. Ela se
conecta não com a maneira convencional como é ditada a
religião, mas com os princípios fundamentais da religião, que
na sua essência são espirituais.
Como já dissemos devido ao tempo, à história, o homem
vem esquecendo a essência espiritual das religiões; e estamos
numa religião muito restritiva. A Cabalá tenta reviver esse
conhecimento espiritual de todas religiões. Todo os conceitos
de espiritualidade explicam qual a relação das festividades e
acontecimentos que fazemos, e a relação deles com a religião,
para poder explicar o verdadeiro propósito a cada nação. Cada
nação tem seus próprios preceitos.

Sim, podemos afirmar que Deus é único. O que é isso? Se


existe um só Deus, porque existem tantas religiões? Essa
pergunta abre muitas dúvidas, várias perguntas em nós. Por isso
as pessoas na atualidade não querem nem ouvir falar em
religião.
Mesmo assim, na Cabalá, não se fala em ‘um Deus e
muitos indivíduos’, mas falamos na unicidade do recipiente. É
assim que a Cabalá enxerga o monoteísmo: a unicidade do
recipiente nos permite a revelação da Luz. Não existe outra
maneira.
Se duas pessoas se encontram: um é judeu e outro
budista - na essência os dois querem alcançar a Luz. Podem se
encontrar numa viagem de negócios, ou de lazer, mas quando se
encontram os dois querem revelar a Luz.
Porém se existir uma barreira entre eles (psicológica
ou de línguas, ou de falta de confiança etc.) isso impedirá que
revelem a Luz. Portanto o monoteísmo significa a habilidade de
dois ou mais indivíduos livrarem-se da barreira que os separa e
alcançar a unicidade. E aí só então, podem revelar a Luz.
A Sabedoria da Cabalá I/ 8 2

Sabemos que cada pessoa é diferente de outra: O que


pode ser boa ação para um, pode não significar nada para outro.
Pela Cabalá cada indivíduo tem seu próprio modo, seu próprio
caminho de fazer boas ações. Por ex.: um grande padre, um
grande rabino ou um grande budista todos tem modos diferentes
de revelar a Luz.
Tem uma história que explica isso: Existia um judeu que
tinha uma pousada. Recebia as pessoas, dava um jantar
quentinho, uma boa comida, cama limpa, conforto: fez isso a
vida inteira. Um dia cansou-se de fazer esse trabalho e
resolveu ser um grande estudioso (rabino); foi ao rabino local
e relatou-lhe o que queria. Este disse-lhe que estava bem, e
que lesse o que quisesse, colocando-lhe a biblioteca à
disposição. O homem tentou por semanas, apesar da dificuldade
que era concentrar-se naqueles textos, mas sem sucesso.
Enquanto isso a esposa e seus filhos estavam zangados com ele,
pois havia abandonado suas obrigações, passavam dificuldades.
Assim, ele ficou dividido não sabendo o que fazer e resolveu
tornar ao rabino pedindo que o ajudasse a resolver seu
problema. Perguntou ao rabino: ‘Será que todos nós não
deveríamos ser grandes homens de letras? Não é isso o que Deus
quer de nós?’ ‘Não!’ - disse o rabino, ‘você nasceu com uma
missão, você não nasceu para ser rabino, ser um homem letrado
e, sim, para fazer o que esteve fazendo até agora: receber as
pessoas, dar-lhes conforto e refeição, atender a sua família’.
Aí o homem se assustou: ‘Mas e os preceitos e as mitzvot, não
teria que rezar o dia todo e ficar cumprindo os preceitos?’
perguntou. ‘Sim, mas você já as executa (as mitzvot): não rouba
os hóspedes, dá-lhes comida saudável, não os engana nos
negócios, com o dinheiro alimenta a sua esposa e filhos. Isso
tudo são mitzvot’.

Essa história vem nos mostrar como nós nos enganamos


quando achamos que para servir a Deus devemos rezar somente,
seria servi-Lo de maneira muito restrita. Há casos extremos que
se fecham em monastérios, não falam com pessoas por anos, não
se casam, não tem filhos.
Para a Cabalá esta não é a maneira. Pode ser para uns,
mas não para todos. Segundo a Cabalá, a Luz está em todo lugar.
E em qualquer lugar ou momento que encontre outro indivíduo,
esta é oportunidade para que a Luz seja revelada. Não apenas
sendo religiosos ou fanáticos religiosos é que servimos a Deus.

Agora voltemos ao que demos na aula passada quando


falamos das Mitzvot: Dissemos que existem 613. Porque tantas?
Apliquemos a numerologia: 6+1+3=10=1
É desse um que estamos falando.
Todo propósito das mitzvot é nos livrar das barreiras
psicológicas que existem entre os homens. A maior diferença
entre o que acontece com a religião e aquilo que a Cabalá quer
revelar, é que a Cabalá vê as mitzvot como ferramentas para
alcançar a Luz. O aconteceu na religião é que as pessoas
fizeram das mitzvot o propósito, esquecendo do seu verdadeiro
propósito.
A Sabedoria da Cabalá I/ 8 3

A palavra hebraica para UM é ‘Ehad’ (grafado conforme


pronúncia)

4 + 8 + 1 = 13 = 4 UM
aleph = o valor numérico é 1
‘cheth’ a 8º letra do alfabeto tem valor numérico de 8
‘daleth’ a 4º letra tem valor numérico de 4
somadas dá 13 - que tem o mesmo valor numérico de 13 da
palavra AMOR: ‘ahavah’

5 + 2 + 5 + 1 = 13 = 4 AMOR
aleph = tem valor de 1
heh = a 5º letra tem valor = 5
beth = 2º tem valor de 2
heh = novamente = 5
- Se somados dá 13

Sei que parece uma brincadeira de números. Não é um


simples jogo de números, mas existe um motivo, um propósito
para esse valor numérico: O valor numérico da palavra ‘ehad’ e
o valor numérico da palavra ‘ahavah’.
Nas primeiras aulas que tivemos, falamos de amor e de
ódio.
Aprendemos que o amor não é somente uma emoção afetiva,
porque na realidade falamos na conexão com a Luz. Quando duas
pessoas se encontram como disse anteriormente, por qualquer
motivo, se os dois estiverem conectados com a luz, veremos que
o Amor se revelará entre eles. Porque, segundo a Cabalá, o Amor
é afinidade de forma com a Luz, ser uno com ela. E só então a
Luz se revela.
Se não estiverem conectados com a Luz, mesmo parecendo
externamente amigáveis, eles por dentro estão em estado do
ódio. Porque? Porque estão não afinizados com a forma da Luz.
Esse ódio, essa falta de entendimento aparecerá talvez em 1 ou
20 anos, mas aparecerá. As pessoas casam-se baseados no afeto,
no amor emocional e após 6 meses ou 7 anos, acaba tudo. Porque
quando se casaram, o amor emocional era sincero, mas não eram
espiritualizados. Nenhum dos dois se conectou com a Luz; e
quando isso ocorre, existe o ódio entre nós.
Portanto a única maneira de alcançar essa afinidade de
forma com a Luz, que traz o Amor para o mundo, é através das
mitzvot.

Para quem perguntou, sim há uma publicação com todas as


mitzvot.

Será que se consegue praticar as 613 mitzvot? E depois,


teremos a certeza de finalmente revelar a Luz?
- Não sei, mas a Cabalá explica de modo prático e
simples.
A Sabedoria da Cabalá I/ 8 4

Voltando à história do homem (hospedeiro) que pensava


que somente com orações todos os dias, somente assim revelaria
a Luz. Quem sabe ele seria um idealista que iria cumprir as 613
mitzvot!? O rabino, que era um homem espiritualizado, mostrou o
caminho correto. A pessoa pode cumprir somente uma mitzvat
durante o dia, mas ela a faz de forma completa, de todo
coração, pode até acontecer de revelar toda Luz. Porque na
realidade as 613 se somadas, são somente uma = AMOR.
Se uma pessoa faz muitas mitzvot, todos os rituais e
cerimoniais, mas sem o coração cheio de amor, não irá receber
nenhuma Luz, ao contrário; muitas vezes quando fazem muitas
mitzvot, mas sem consciência, trazem mais escuridão a elas e
aos que as rodeiam. O propósito não é a mitzvat: ela é a
ferramenta. Ex.: qualquer coisa em nossa vida, por ex. um
carro: ele é bom ou é mau? Depende da mente de quem o dirige.
Uma faca é boa ou má? Depende da mente da pessoa que quer usar
a faca: para ferir uma pessoa ou para cortar comida.
Se uma pessoa realiza um ritual sem purificar o coração
e seus pensamentos antes de iniciar o ritual, pode estar
zangado com alguém que o insultou, o que acontece? A mitzvat é
uma ferramenta que revela a energia, a Luz, mas a pessoa nesse
momento está em estado de ódio; portanto, a energia da Luz para
ele é ruim, causando mais raiva, mais escuridão, mais ódio.
Voltemos ao carro. Ele tem energia, gasolina, muito
poder dentro do carro. A pessoa pode usar a energia do carro de
uma maneira equilibrada por ele estar equilibrado, e outra
pessoa cheia de ódio, entra no carro, você já sabe o que
acontece. O mesmo acontece com as cerimônias, rituais e
mitzvot. Ao fazermos uma mitzvat imediatamente se revela a luz,
mas depende do recipiente que está fazendo a mitzvat. Se ele
estiver em afinidade de forma com a Luz, ou seja,
compartilhando, aí a Luz é revelada de maneira equilibrada: a
palavra hebraica é AMOR.
Mas ao contrário, se a pessoa está fazendo um preceito,
e seu recipiente não está aberto para compartilhar com os
outros, a Luz continua sendo revelada, mas o recipiente não
está no ponto e acontece o curto circuito. Nós não sentimos
esse curto circuito imediatamente, pode acontecer somente após
10 anos. Exatamente como o casal que somente após 10 anos deu-
se conta que se odeia. Como é possível, eles se casaram!? Após
o divórcio não querem nem se ver pela frente!
Estamos acostumados a esses fenômenos de mudança, mas a
Cabalá se baseia na consciência eterna: se existe AMOR, este
deverá ser eterno. E não o amor que vai desaparecendo no
decorrer dos anos. Isso não é amor.

Para se aprender as 613 tem que se preparar primeiro?


- Sim, mas não falamos das 613, e sim das mitzvot que
cada um é capaz de fazer e de como as mitzvot podem ajudar a
pessoa.
No caso do hospedeiro: queria estudar (uma mitzvat),
mas não servia a ele, não era seu propósito.

Como podemos encontrar nossa Mitzvat?


A Sabedoria da Cabalá I/ 8 5

- Existe um método: nossa alma conhece a resposta; a


sua alma sabe melhor que qualquer pessoa. O que a Cabalá pode
ajudar a todas as pessoas é a fazer a conexão com a alma e daí
em diante somos independentes. O propósito de estudarmos a
Cabalá. Seu propósito não é tornar as pessoas religiosas, mas
de acordo com sua experiência, ela vem fortalecendo a fé das
pessoas nas sua própria religião. Fortalece o cristianismo nos
cristãos, a fé dos budistas em Buda e assim por diante,
permitindo que as pessoas compreendam melhor sua própria
religião.

Poderíamos conhecer alguns tipos de mitzvot?


- Darei o exemplo de uma menos convencional: uma das
mitzvot é ensinar nosso filhos a nadar. O que acham dessa
mitzvat? É bom? Para quê? Para não se afogarem. Bom.
Porque o exemplo começou por essa? É que pensamos
normalmente que religião e mitzvot sejam algo inalcançável. Mas
os propósitos delas é que todos aprendam a viver todos os dias
de uma maneira melhor.
Concluímos que qualquer ação que a pessoa faça em
afinidade de forma com o Amor é considerado uma mitzvat.
Uma das mitzvat é comer: estamos cumprindo uma mitzvat.
Todos comem comida, mas existem alguns que sofrem depois: acham
que a comida é que é ruim. A Cabalá diz: não é a comida que é
ruim. Sua intenção e os pensamentos enquanto comia é que eram
ruins. Isso é que faz a diferença entre uma atitude que não é
uma mitzvat e outra que é considerada uma mitzvat. As duas
pessoas estão comendo: para uma essa comida é uma mitzvat e
para outra essa mesma comida é um pecado.
Esse pecado é contra Deus? Não, é contra ele mesmo.

Uma pessoa tem que se alimentar mas não com gula?


- Cada um tem suas próprias necessidades: Uma pessoa
pode dizer ‘preciso comer 5 quilos de carne todo dia’ e para
outro isso talvez não seja necessário. Cada pessoa sabe sua
própria medida. Concluímos que qualquer atitude que pratiquemos
que venha do nosso desejo de receber para si mesmo, é
considerado pecado.
Chamamos de pecado porque é um curto circuito, estamos
destruindo a nós mesmos. E toda ação que fizermos com a
intenção de compartilhar a Luz (no exemplo: comer com a
consciência de estarmos beneficiando o nosso corpo e nossa
alma), isso é mitzvat.
O propósito da Criação é receber prazer. O problema de
receber esse prazer é o pão da vergonha. Toda vez que a pessoa
receber para si mesma, existe um curto circuito e este curto
circuito é que é o pecado: receber a Luz sem compartilhar.
Quando uma pessoa está comendo existe o prazer. E que
lugar ela reserva para colocar a consciência do propósito de
seu ato? Não se pode nem discutir porque que ela estava fazendo
isso naquele momento. Mas depois de 10-20 anos aquela pessoa
pode ficar doente devido aos seus hábitos alimentares. O médico
pode dizer-lhe ‘você não pode mais comer galinha frita, o óleo
lhe faz mal, olhe o colesterol’. O problema não é o sal, o
A Sabedoria da Cabalá I/ 8 6

óleo, nem o pão: o problema está na mente. Todos nós sabemos


que os carros não são os responsáveis pelos acidentes, mas
acreditamos que é o óleo o responsável pelo colesterol alto.
Como é possível?
Eu estava seguindo todas as pesquisas a respeito do
azeite de oliva, porque gosto de azeite de oliva. Há 20 anos
atrás era como comer veneno! Todos os dietistas diziam para não
encostar em azeite de oliva, somente margarina e apenas
vegetal. Durante estes 20 anos tivemos altos e baixos, a cada
hora temos uma nova pesquisa e novas teorias a respeito de
margarina, azeite de oliva, pão branco, pão preto. Descobri que
as grandes indústrias quando querem um novo produto, de repente
todos os outros produtos não são saudáveis. Agora as grandes
indústrias estão se voltando para o azeite de oliva e nos
supermercados aumentou consideravelmente a quantidade de novas
marcas deste produto ao nosso dispor. A cada semana tem uma
marca nova. Há seis meses quando vim para o Brasil não era
assim. De acordo com a Cabalá a energia do azeite de oliva é
muito, muito, muito positiva. O óleo virgem, a primeira
extração do azeite.
Perceberam o truque das indústrias? O mesmo acontece
com os remédios.
As pessoas são afetadas por efeitos externos. Nosso ego
se deixa afetar pelas mudanças exteriores. Nossa alma não, ela
sabe o que é bom eternamente.

Seria a consciência robótica?


- A consciência robótica das pessoas (são afetadas pela
publicidade)

Antes de existirem os robôs como era chamada?


- Consciência mecânica. Existe um termo novo:
inteligência artificial - é a nossa consciência robótica, que é
a nossa inteligência artificial. Novamente a Cabalá está à
frente.

Agora alguns avisos:


Na próxima semana: haverá um workshop na Hebraica.
Constará de duas partes: a primeira falará sobre
reencarnação e todo o conceito do nosso processo de correção,
de tikune.
A segunda parte será uma terapia de grupo e uma
meditação: faremos duas: uma antes da terapia de grupo e outra
depois, ao encerrar.
Não existe nada amedrontador nessa atividade. É tudo
uma questão de nossa habilidade em nos expormos um pouco; se a
pessoa não se expuser não será capaz de se revelar a si mesma.
Este é o motivo da terapia de grupo, que vai nos ajudar através
da segunda meditação, para que possamos revelar, quem sabe um
pouco ou bastante, a respeito de vidas passadas. Não é fácil
fazer esse processo de regressão e os resultados nem sempre são
imediatos. Mas de qualquer maneira estaremos fazendo uma
abertura onde podemos continuar se quisermos em casa ou quem
sabe, mais tarde, no Centro de Cabalá.
A Sabedoria da Cabalá I/ 8 7

Amanhã às 20h no Centro de Cabalá nos encontraremos


para que possamos fazer a conexão espiritual com a lua nova do
mês de Tamuz, a oportunidade de implantar na nossa consciência
uma vacina espiritual contra o câncer. Faremos uma conexão que
existe entre o signo de Câncer e a doença de câncer. E as
letras hebraicas e a meditação, nos ajudarão a receber essa
vacina. Será uma palestra seguida de refeição.
Também temos um workshop de cura daqui a duas semanas;
existe um capitulo especial na Bíblia e no Zohar que será lido,
não neste sábado mas no próximo, que tem a ver com a cura.
Será dia 19 de julho - domingo.

23.06.98
A Sabedoria da Cabalá I/ 8 8

Indagado de dá atendimento, explica:


O rabino Yossef recebe as pessoas em particular: pode
ajudá-las de várias maneiras: há os que o consultam para saber
onde a Cabalá pode ajudar, outros querem aulas particulares,
que acabam virando terapia. Obviamente cada pessoa tem seu
próprio caminho.