Você está na página 1de 15
Caderno de aula 01 Disciplina: Economia Tema: Oferta e Demanda A economia macroeconomia está dividida
Caderno de aula 01 Disciplina: Economia Tema: Oferta e Demanda A economia macroeconomia está dividida

Caderno de aula 01 Disciplina: Economia Tema: Oferta e Demanda

A economia

macroeconomia

está

dividida

em

duas

grandes

áreas:

microeconomia

e

Microeconomia: estuda a economia no âmbito individual, analisando como os agentes econômicos tomam as suas decisões.

Macroeconomia:

somatório das decisões individuais de todos os agentes econômicos.

estuda

a

economia

no

âmbito

agregado,

analisando

Conceitos iniciais:

o

Escassez: Seres humanos possuem desejo ilimitados e recursos/fatores de produção limitados. Isso significa que alguns bens serão produzidos e outros não. Também significa que alguns grupos terão mais acesso a bens do que outros. A economia estuda as leis que regem o equacionamento do problema

da escassez.

Escolhas: Dada a escassez, o que move a economia no sentido de um ou outro bem e/ou recurso é um conjunto de escolhas racionais, seja no âmbito micro, seja no âmbito macro.

Custo de oportunidade: é o custo de abrir mão de oportunidades alternativas. Qualquer decisão tem custo de oportunidade.

“Ceteris paribus”: expressão que significa “tudo mais constante”. É um princípio básico da economia para isolar os efeitos isolados da variação de uma variável sobre a outra.

Fronteira de possibilidades de produção (FPP): é uma forma analítica de levar em consideração todos
Fronteira de possibilidades de produção (FPP): é uma forma analítica de levar em consideração todos

Fronteira de possibilidades de produção (FPP): é uma forma analítica de levar em consideração todos os princípios previamente apresentados. Delimita o

possíveis combinações de produção para um país com os

recursos que ele tem disponíveis (mão de obra, capital, recursos naturais, tecnologia, poupança).

conjunto das

recursos naturais, tecnologia, poupança). conjunto das Os pontos A e B são os extremos, onde todos

Os pontos A e B são os extremos, onde todos os recursos são usados na produção de um único bem. O país pode optar por qualquer combinação ao longo da curva que une A e B, utilizando todos os recursos em uma combinação entre armas e alimentos, como é o caso do ponto C. O ponto D também pode ser produzido, mas ele deixa ociosos recursos do país, já que está abaixo da FPP, ou seja, é uma combinação que produz menos do que o país é capaz. O ponto E, que indica uma produção de 600 alimentos e 900 armas, está acima da FPP. Isso significa que não há recursos para a produção de todos esses bens.

O formato da FPP deixa claro que o aumento da produção de determinados bens exige a diminuição da produção de outros. Assim, o conjunto da produção representa uma escolha entre diferentes produtos. A FPP só se expande se aumentam os recursos disponíveis para uma determinada economia.

Oferta e demanda

Demanda: trata de uma relação de preferência entre preço e quantidade de um determinado bem.
Demanda: trata de uma relação de preferência entre preço e quantidade de um determinado bem.

Demanda: trata de uma relação de preferência entre preço e quantidade de um determinado bem. Os consumidores relacionam o preço dos bens com a sua intenção de comprar mais ou menos bens.

Comportamento da demanda:

Exemplo da demanda de um consumidor por laranjas:

Se o preço da laranja é R$2,00, o consumidor compra 4 laranjas.

Se o preço da laranja é R$3,00, o consumidor compra 3 laranjas.

Se o preço da laranja é R$4,00, o consumidor compra 2 laranjas. Graficamente:

é R$4,00, o consumidor compra 2 laranjas. Graficamente: Ao longo da curva de demanda, observa-se que,

Ao longo da curva de demanda, observa-se que, em geral, quando o preço de um bem aumenta (+), a quantidade demandada diminui (-). Da mesma maneira, quando o preço diminui (-), a quantidade demandada aumenta (+).

Lei da demanda de um bem normal: quando cai o preço, aumenta a quantidade demandada.

Como + (positivo) com – (negativo) dá – (negativo), diz-se que a relação de demanda entre preço e quantidade é negativa, ou que a curva de demanda é negativamente inclinada.

A demanda também pode ser representada por uma fórmula. Exemplo (sem relação com o gráfico):
A demanda também pode ser representada por uma fórmula. Exemplo (sem relação com o gráfico):

A demanda também pode ser representada por uma fórmula. Exemplo (sem relação com o gráfico): P = -2q + 10 Nesse exemplo, o '- 2' é o coeficiente angular da demanda e o '10' é o coeficiente linear, que representa o ponto em que a curva de demanda intercepta o eixo vertical.

OBS: Sempre que o exercício não mencionar nada diferente, ele está se referindo a essa relação normal de demanda.

exceções para essa regra:

Bens de luxo: bens associados ao status → se o preço aumenta, a quantidade demandada também aumenta. Ex: Classe A da Mercedes- Benz.

Bens de giffen: caso extremo para situações em que um bem é essencial para a vida das pessoas, possui poucos substitutos e ocupa um espaço muito grande em seus orçamentos. Ex: batatas para povoados pobres. O aumento do preço da batata inviabiliza o consumo de feijão, forçando a família a comprar mais batata para amenizar a fome.

Fatores que interferem na demanda de um bem:

Renda

Preço dos bens substitutos

Preço dos bens complementares

Gostos e preferências

Expectativas

CUIDADO: Os fatores acima relacionados alteram a curva de demanda como um todo. Às vezes, os exercícios mencionam deslocamentos ao longo da curva de demanda. Nesse caso, significa que ocorreu uma

variação da quantidade demandada, mas a curva de demanda em si continua a mesma. 1)
variação da quantidade demandada, mas a curva de demanda em si continua a mesma. 1)

variação da quantidade demandada, mas a curva de demanda em si continua a mesma.

1) Renda*:

*Não confundir renda com riqueza. A riqueza é o que a pessoa tem estocado, a renda é o que ela recebe frequentemente, podendo ser expressa por juros, lucro, salário ou aluguéis.

Bem normal: se a renda aumenta, as quantidades demandadas aumentam, aos mesmos níveis de preço. Isso ocorre porque o consumidor tem mais condições de comprar do que antes, logo, pode comprar mais aos mesmos preços. No exemplo do gráfico, se antes ao preço de R$2,00 o consumidor comprava apenas 2 laranjas, agora ele comprará 3. Se ante ao preço de R$3,00, ele comprava 3 laranjas, agora ele comprará 4. Do mesmo modo, se a renda diminui, as quantidades demandadas diminuem, aos mesmos níveis de preço. Se ao preço de R$3,00 ele comprava 3 laranjas, com a renda mais baixa ele comprará apenas 2 laranjas. Se o preço for de R$2,00, ele comprará apenas 3 laranjas, e não mais 4. Assim, variações na renda deslocam a curva de demanda, criam uma nova curva, mais a direita (se a renda aumentou) ou mais a esquerda (se a renda

direita (se a renda aumentou) ou mais a esquerda (se a renda diminuiu). Bem inferior: se

diminuiu).

Bem inferior: se a renda aumenta, as quantidades demandadas diminuem, ao mesmos níveis de preço. Isso ocorre porque os bens inferiores são produtos que o consumidor gostaria de substituir por outros mais caros, que não tem

condições de comprar a níveis de renda mais baixos. Para esses bens, de maneira análoga,
condições de comprar a níveis de renda mais baixos. Para esses bens, de maneira análoga,

condições de comprar a níveis de renda mais baixos. Para esses bens, de maneira análoga, quando a renda diminui, as quantidades demandadas aumentam. Assim, variações na renda também deslocam a curva de demanda de bens inferiores, criando uma nova curva de demanda, que será mais a esquerda (se a renda aumentou) ou mais a direita (se a renda diminuiu).

2) Preço dos bens substitutos:

Dois bens são substitutos quando o consumo de um bem substitui o consumo de outro. Variações nos preços de certos bens interferem na curva de demanda de outros bens que lhe são substitutos.

Quando o preço do bem A aumenta, a curva de demanda do bem B, seu substituto, se desloca para a direita. Ou seja, os consumidores aumentam a quantidade demandada de B a qualquer nível de preço porque seu “concorrente” no consumo, o bem A, ficou mais caro. Do mesmo modo, se o preço do bem A diminui, a curva de demanda do bem B se deslocará para a esquerda, já que seu substituto está mais barato. Exemplo: O gráfico abaixo representa o que acontece com a demanda por carne vermelha quando o preço da carne de frango é alterado.

vermelha quando o preço da carne de frango é alterado. 3) Preços dos bens complementares: Dois

3) Preços dos bens complementares:

Dois bens complementares quando seu consumo se realiza em conjunto. Variações nos preços de certos bens interferem na curva de demanda de outros bens que lhe são complementares.

Quando o preço do bem A aumenta, a curva de demanda do bem B, que
Quando o preço do bem A aumenta, a curva de demanda do bem B, que

Quando o preço do bem A aumenta, a curva de demanda do bem B, que lhe é complementar, se desloca para a esquerda. Ou seja, os consumidores diminuem a quantidade demandada de B a qualquer nível de preço porque seu complemento de consumo, o bem A, ficou mais caro. Do mesmo modo, se o preço do bem A diminui, a curva de demanda do bem B se deslocará para a direita, já que seu complemento está mais barato.

Exemplo: O gráfico abaixo representa o que acontece com a demanda por arroz vermelha quando o preço do feijão se altera.

por arroz vermelha quando o preço do feijão se altera. 4) Gostos e preferências Informações sobre

4) Gostos e preferências Informações sobre um determinado bem pode alterar a lógica de consumo desse bem. Assim, quando um produto recebe avaliações positivas do ponto de vista de seu consumo – seu efeito sobre a saúde, por exemplo – sua curva de demanda se desloca para a direita. Do mesmo modo, informações negativas sobre um bem podem deslocar sua demanda para a esquerda.

Exemplo: demanda por abacate antes e depois de notícias sobre as propriedades do bem. Uma notícia positiva pode ser alguma descoberta sobre suas propriedades para a saúde. Uma notícia negativa pode ser alguma ampliação da quantidade de calorias presentes em um abacate.

5) Expectativas Há fatores que um consumidor espera que aconteça e que interferem em suas
5) Expectativas Há fatores que um consumidor espera que aconteça e que interferem em suas
5) Expectativas Há fatores que um consumidor espera que aconteça e que interferem em suas

5) Expectativas Há fatores que um consumidor espera que aconteça e que interferem em suas escolhas presentes. A confirmação ou não do evento esperado não influencia no movimento esperado, que acontece independentemente do evento. Exemplo: se os consumidores esperam que o preço da gasolina vá subir, eles compram mais gasolina hoje, deslocando a demanda para a direita. O contrário também é verdadeiro. Se os consumidores esperam que o preço da gasolina vá cair, eles compram menos gasolina hoje, deslocando a demanda para a esquerda.

menos gasolina hoje, deslocando a demanda para a esquerda. Oferta: dependendo do preço de mercado que

Oferta:

dependendo do preço de mercado que ele assume.

descreve

quantas

unidades

são

ofertadas

Comportamento da oferta

de

determinado

bem

Exemplo de um ofertante de chocolates: − Se o preço de venda do chocolate é
Exemplo de um ofertante de chocolates: − Se o preço de venda do chocolate é

Exemplo de um ofertante de chocolates:

Se o preço de venda do chocolate é R$2,00, ele produz 2 milhões de unidades.

Se o preço de venda do chocolate é R$3,00, ele produz 3 milhões de unidades.

Se o preço de venda do chocolate é R$4,00, ele produz 4 milhões de unidades. Graficamente:

é R$4,00, ele produz 4 milhões de unidades. Graficamente: Lei da oferta de um bem normal:

Lei da oferta de um bem normal: quando o preço aumenta (+), aumenta a quantidade ofertada desse bem (+). Isso porque o produtor é incentivado a produzir mais quanto maior o retorno que a venda desse bem lhe produz. Do mesmo modo, quando o preço diminui (-), diminui a quantidade demandada (-).

Como a relação se dá entre movimentos + (positivos) ou - (negativos), diz-se que a relação de demanda entre preço e quantidade é positiva, ou que a curva de demanda é positivamente inclinada.

A oferta, como a demanda, também pode ser representada por uma fórmula. Exemplo (sem relação com o gráfico): P = +2q + 2

Nesse exemplo, o '+ 2' é o coeficiente angular da oferta e o '+2' é
Nesse exemplo, o '+ 2' é o coeficiente angular da oferta e o '+2' é

Nesse exemplo, o '+ 2' é o coeficiente angular da oferta e o '+2' é o coeficiente linear, que representa o ponto em que a curva de oferta intercepta o eixo vertical.

Fatores que interferem na determinação da oferta individual (empresas):

A mudança de um dos determinantes da curva de oferta altera as quantidades ofertadas aos mesmo níveis de preço.

Custos de produção (preço dos insumos)

Tecnologia

Expectativas

CUIDADO: Os fatores acima relacionados alteram a curva de oferta como um todo. Às vezes, os exercícios mencionam deslocamentos ao longo da curva de oferta. Nesse caso, significa que ocorreu uma variação da quantidade ofertada, mas a curva de oferta em si continua a mesma.

1) Aumento dos custos de produção Quando os custos de produção aumentam, o produtor é obrigado a exigir um preço maior para a venda das mesmas quantidades anteriores. No exemplo dos chocolates, para que possa produzir as 2 milhões de unidades, com custos mais altos, ele precisa que o preço seja de R$3,00. Para produzir 3 milhões de unidades, agora o preço tem que ser de R$4,00, e assim sucessivamente. Ou seja, custos mais altos provocam deslocamentos da oferta para a esquerda. Do mesmo modo, quando os custos diminuem, os preços mínimos que os produtores precisam exigir para produzir determinadas quantidades diminui, ou seja, a oferta se desloca para a direita.

2) Tecnologia A tecnologia interfere nos custos de produção e, portanto, tem um efeito análogo
2) Tecnologia A tecnologia interfere nos custos de produção e, portanto, tem um efeito análogo
2) Tecnologia A tecnologia interfere nos custos de produção e, portanto, tem um efeito análogo

2) Tecnologia

A tecnologia interfere nos custos de produção e, portanto, tem um efeito

análogo ao visto no item 1. Vale ressaltar que toda mudança tecnológica tem impacto nos custos de produção, mas nem toda alteração nos custos de produção é resultante de uma mudança tecnológica.

O desenvolvimento de uma nova tecnologia, mais eficiente, permite que com

os mesmos custos anteriores os produtores sejam capazes de oferecer mais unidades dos bens, ou seja, há uma capacidade de ofertar uma mesma quantidade de bens a preços inferiores. A curva de oferta se desloca para a direita. O contrário também é válido. Assim, se há um problema tecnológico (que é um caso mais raro), com os mesmos insumos anteriores os produtores passam a produzir menos. Isso interfere na produção da mesma forma que um aumento de custos, ou seja, a curva de oferta se desloca para a esquerda.

interfere na produção da mesma forma que um aumento de custos, ou seja, a curva de
3) Expectativas Quando os produtores esperam que suas vendas irão aumentar, eles passam a cobrar
3) Expectativas Quando os produtores esperam que suas vendas irão aumentar, eles passam a cobrar

3) Expectativas Quando os produtores esperam que suas vendas irão aumentar, eles passam a cobrar mais por seus produtos. Isso significa que a curva de oferta se desloca para a esquerda, ou seja, os preços para as mesmas quantidades de antes estão agora mais altas. O inverso também é verdadeiro. Quando os produtores tem a expectativa de que não irão vender um determinado produto, eles podem diminuir os preços para todas as quantidades, isto é, a curva de oferta se desloca para a direita.

isto é, a curva de oferta se desloca para a direita. Equilíbrio entre oferta e demanda

Equilíbrio entre oferta e demanda

O equilíbrio de mercado é o equilíbrio entre oferta e demanda, ou seja o preço e quantidades que igualam as curvas de oferta e a demanda

Exemplo:

Oferta: P = + 2q + 2 Demanda: P = - 2q + 10

Equilíbrio:

+2q + 2 = - 2q + 10 +2q +2q = +10 – 2 4q = 8

q = 2 Substituindo a quantidade encontrada em qualquer uma das equações iniciais, encontramos o
q = 2 Substituindo a quantidade encontrada em qualquer uma das equações iniciais, encontramos o

q = 2

Substituindo a quantidade encontrada em qualquer uma das equações iniciais, encontramos o preço de equilíbrio:

na oferta: P = +2 (2) + 2 = 6 na demanda: P = -2(2) + 10 = 6

na oferta: P = +2 (2) + 2 = 6 na demanda: P = -2(2) +

Qualquer preço praticado fora do equilíbrio tende a provocar alterações, por parte dos consumidores e/ou dos produtores que levarão o preço de volta ao seu ponto de equilíbrio.

Se o preço é maior do que o equilíbrio, a quantidade oferta é maior do que a quantidade demandada (no gráfico, é o caso quando o preço é igual a 8). Esse excesso de oferta representa “produtos encalhados”. Os produtores, ao não conseguir vender seus bens, tendem a baixar o preço até que a quantidade ofertada se iguale a quantidade demandada.

Se o preço é menor do que o equilíbrio, a quantidade demanda é maior do que

a quantidade ofertada (no gráfico, é o caso quando o preço é igual a 4). Ou

seja, mais pessoas querem comprar do que existem bens disponíveis. Nesse cenário, os consumidores tendem a oferecer preços mais altos para conseguir adquirir os bens. Os preços sobem até que o preço volte ao ponto de equilíbrio.

Assim, qualquer situação fora do equilíbrio é instável e não se sustenta no tempo. Deslocamentos
Assim, qualquer situação fora do equilíbrio é instável e não se sustenta no tempo. Deslocamentos

Assim, qualquer situação fora do equilíbrio é instável e não se sustenta no tempo.

Deslocamentos do equilíbrio:

Quando as curvas de oferta ou de demanda sofrem deslocamentos, em função de quaisquer dos fatores anteriormente indicados, o equilíbrio se altera.

Mudanças no equilíbrio em função de uma alteração na demanda:

→ Expansão da demanda:

pode ser provocada por: renda, aumento do preço de bens substitutos, redução do preço de bens complementares, alteração das preferências ou das expectativas.

Resultado: o preço e a quantidade de equilíbrio aumentam

→ Contração da demanda:

pode ser provocada por: renda, redução do preço de bens substitutos, aumento do preço de bens complementares, alteração das preferências ou das expectativas.

Resultado: o preço e a quantidade de equilíbrio se reduzem

Resultado: o preço e a quantidade de equilíbrio se reduzem Mudanças no equilíbrio em função de

Mudanças no equilíbrio em função de uma alteração na oferta:

→ Expansão da oferta: − pode ser provocada por: redução do custo de produção, inovação
→ Expansão da oferta: − pode ser provocada por: redução do custo de produção, inovação

→ Expansão da oferta:

pode ser provocada por: redução do custo de produção, inovação tecnológica, alteração das expectativas

Resultado: a quantidade de equilíbrio é maior e o preço de equilíbrio é mais baixo

→ Contração da oferta:

pode ser provocada por: aumento do custo de produção, deterioração tecnológica, alteração das expectativas

Resultado: a quantidade de equilíbrio é menor e o preço de equilíbrio é mais alto

alteração das expectativas − Resultado: a quantidade de equilíbrio é menor e o preço de equilíbrio