Você está na página 1de 11

Disponibilidade de

água e a gestão dos
recursos hídricos
Luiza Teixeira de Lima Brito
Aderaldo de Souza Silva
Everaldo Rocha Porto

em 2002 (Unesco.1. essencialmente causada pela utilização de métodos de irrigação inadequados (Unesco. A situação da água no mundo Disponibilidade de água e a gestão dos recursos hídricos A Terra. um dos maiores desafios que a humani- dade enfrenta. considerado como “capital mundial das águas doces”. mais de seis bilhões de seres huma- nos. sem dúvida. habita. algumas regiões do planeta enfrentam uma severa crise de falta de água. Também. Fig. Água fonte de vida (Foto: Arquivo Embrapa Semi-Árido. A crise da água deve situar-se em uma perspectiva maior de solução e de resolução de conflitos. Mudar esta situação é. Estudos realizados por diversos órgãos nacionais e internacionais sinalizam que esta crise tem forte relação com a ausência de gestão dos recursos hídricos. 2003) e definida como: 15 .Introdução Neste capítulo. 2003).1). com o objetivo de promover maior visibilidade conceitual desta política e algumas estratégias de conser- vação dos recursos hídricos. com suas diferentes e abundantes formas de vida e diversidade agroecológica. A água é essencial à vida. atualmente. 2004). é necessário que seja fornecida à popula- ção e aos demais seres vivos de forma permanente. No início deste século. com ênfase na problemática dos recursos hídricos no Semi-Árido. são apresentadas algumas diretrizes sobre a Po- lítica Nacional de Recursos Hídricos. como estabelecido pela Comissão sobre o Desenvolvimento Sustentável. 1. porém. 1. em quantidade e qualida- de adequadas (Fig. tanto para o consumo da população como para o desenvolvimento social. são reunidas informações sobre a disponibilidade de água no mundo e no Brasil.

doce. mudar os padrões de produção e consu. ocasionada pela falta generalizada de políticas que orientem doce armazenada nos rios e lagos. uma vez que são necessárias. sificação dos corpos de água e diretrizes ambientais para o seu enquadra- ças.  estressados. Afirmam. onde se localizam grandes bolsões de pobreza. A crise discutida em nível global torna-se mais grave neste terceiro mi. ainda. Freitas e Santos.5% encontram-se mo insustentáveis. até 2/3 da população mundial estará vivendo com severa escassez de água doce. uma relação 1000:1.50 %o.5% do total disponível (Fig. ao Água salina: água com salinidade igual ou superior a 30 %o. 1. A água diais para um desenvolvimento sustentável”. 1000 toneladas de água Estes níveis de salinidade das águas correspondem a 500 e 30. Padrões de qualida- to. “Erradicar a pobreza. 1. ao au. uma população de 1. sendo as pessoas. transporte. 1998. citado por Tundisi. 2003). 0. também enfrentará a escassez de ali- mentos. esta situação se tornará mais crítica em 34 países da África e do Oriente Médio. 2004. No contexto da água doce. de 17 de março de 2005 (Brasil. de da água variam em função do uso. como consumo humano. Segundo Barlow e Clarke (2003).9% são águas subterrâneas. devido ao crescente aumento populacional. compromete também a saúde humana. A 16 17 . proteger os recursos naturais e administrar o nos mares e oceanos e não se prestam para a maioria das atividades agrícolas desenvolvimento social e econômico constituem desafios primor. classificados como hidricamente Água doce: água com salinidade igual ou inferior a 0. tuadas em regiões montanhosas. Distribuição da água no planeta Terra (Adaptado de Shiklomanov. irrigação. por compõe a umidade do solo e pântanos e apenas 0. 1. sem acesso a água potável. tão debatida nos fóruns nacionais e internacio. 2005).2 bilhão de pessoas famintas e a 30%o.000 g L-1. Essa região. produção de energia. pela falta ção No 357. mento. a Organização Mundial de Saúde .2. por um lado. aproximadamente. que além de ser responsável pela Conselho Nacional de Meio Ambiente – CONAMA. ainda.3. 97. 1999). Esses autores afirmam. Embora 2/3 da superfície da Terra seja coberto por água. animal. portan. portanto. entre outros.9% mento da poluição dos recursos naturais e ao consumo excessivo. Água salobra: águas com salinidade superior a 0. (2000). água potável e a serviços de saneamento básico. ocorrerá nos mercados mundiais de alimentos. reuso de água (Fig. 1. Não se deve confundir água doce com água potável. atualmente. 29. Desse total (2.3% constitui a água outro lado. dispõem sobre a clas- de tratamento adequado da água. vítimas de diarréia. No século XX. cólera e esquistossomose. por meio da Resolu- Potencialidades da água de chuva no Semi-Árido brasileiro Disponibilidade de água e a gestão dos recursos hídricos degradação ambiental. estima-se que em um período de 25 anos. para produzir uma tonelada de grãos. a competição pela água. 1999).5%). devido aos elevados teores de sais. Fig. citado por Tundisi. entre outras doenças. 68. enquanto o consumo de água aumentou em nove vezes. bem como estabelecem as condições e padrões de lançamento de efluentes e classificam as águas quanto ao teor de sais como: De acordo com Brown et al. ou seja. navegação. resultantes de ações antrópicas (Fonte: Brasil. 1998.5%o e inferior  contém atualmente.3). Resíduos presentes nas fontes hídricas. principalmente crian.2) (Brasil. corresponde a apenas 2. efetivamente disponível para uso em a minimização dos desperdícios em diferentes escalas e de políticas de diferentes atividades (Shiklomanov. e dessedentação humana e animal.OMS e o que “esta é a guerra invisível da água”. 2003). provavelmente.  se defrontar com a escassez de água. em média. nais. a população mundial aumentou mais de três vezes. que o mundo. Estudos apontam que. mais de um bilhão de pessoas não tem acesso a Fig.9% correspondem às geleiras e calotas polares si- lênio.

afirmando que o termo estratificação regionalizada e os mananciais de superfície e poços pro- poluir. a Conferência Interna- águas. o desenvolvimento e o meio ambiente. o aumento da temperatura A minimização desses problemas está destacada nos compromissos as- da água.CNUMD.4. que trata da água (Meybeck e Helmer. 18 19 . Brasil. suficiente para superar limites ou padrões pré-estabelecidos para determinado fim. a mulher desempenha um papel fundamental na provisão. como uma das metas. o marco das discussões sobre poluição e e antrópicos. envolvendo usuários. meio ambiente. Segundo Manoel Filho (1997). com conseqüentes efeitos ambientais negativos (Fig. Portaria No 518. as fontes para o consumo humano armazenada em cisternas. interagindo com os agentes naturais Segundo a Unesco (2003). da água. a elaboração luída. que.4). foi a Conferência em Mar Del ticas dos solos. a água tem valor econômico em todos seus usos competitivos e  deve ser reconhecida como um bem econômico. essencial para sus-  tentar a vida. apresentados de forma detalhada no Capítulo 4. a poluição pode ser duzem uma mistura contaminada e não contaminada em proporções definida como uma alteração artificial das características fisicoquímicas crescentes com o tempo. por outro lado. No ambiente. realizada em Dublin. toda água contaminada é po. mas nem toda água poluída é contaminada. substâncias tóxicas e/ou radioativas em teores pula Mundial sobre Desenvolvimento Sustentável. os poluentes estão distribuídos na forma de gases. realizada no Rio de Janeiro. em 1992. localiza- das em plumas que podem permanecer estratificadas em um aqüífero No contexto da qualidade da água. atividades indus. modificam os indicadores de qualidade das tável e Saneamento (1981-1990) e. as fontes difusas tendem a criar uma conceito de água poluída e água contaminada. esta. sumidos por diferentes países com o Plano de Implementação da Cú- ganismos patogênicos. planeja- dores legisladores em todos os níveis. Esta Agenda contém sete propostas de ação uma bacia hidrográfica (Adaptado de Cheng. Potencialidades da água de chuva no Semi-Árido brasileiro Disponibilidade de água e a gestão dos recursos hídricos o gerenciamento e o desenvolvimento da água deverão ser basea-  dos numa abordagem participativa. até 2005. por exemplo. 1. minerais e domésticas. caracterís. contou com a participação de 178 nações que se comprometeram com a formulação de um novo padrão de desenvolvimento sustentável. que tinha. Também. cional sobre Água e Meio Ambiente. na  gestão e na proteção da água. do Ministério da Saúde. pontuais dão origem a concentrações elevadas do poluente. como. Fatores e indicadores ambientais que interferem na qualidade das águas de nhecido como Agenda 21. de 25 de março de 2004. África do Sul. Por outro lado. não pontuais. 1997). comumente denominadas de fontes difusas de poluição 2004). 1. Assim. Plata. em Johannesburgo. em 1977. culminando com o Decênio Internacional da Água Po- triais. A poluição dos recursos hídricos pode resultar de fontes pontuais e belece os padrões de potabilidade da água para consumo humano (Brasil. com ênfase na água. Manoel Filho (1997) apresenta o por longo tempo. subs- tâncias dissolvidas e partículas. em 1992. Assim. significa “sujar”. prejudiciais à saúde do homem. de planos de gestão integrada dos recursos hídricos e aproveitamento eficiente da água. das águas e dos próprios poluentes. a Conferência das Nações Unidas sobre Meio Am- biente e Desenvolvimento . água contaminada é aquela que contém or. do latim polluere. na Irlanda. como os fatores climáticos e microbiológicos. quando foram estabelecidos quatro grandes princípios sobre a água: a água doce é um recurso finito e vulnerável. 1990). co- Fig.

4 km2. não sendo apropriada para o consumo 75% desta água são humano. Apenas 3% do total de água existente no país encontram-se na região Nordeste. sistemas aquáticos.589. Abastecimento de água potável e saneamento. como para o desenvolvimento socioeconômico. A implemen- Desenvolvimento e manejo integrado dos recursos hídricos. com uma disponibilidade hídri- México. até a parcela irrigável (Christofidis. grandes metrópo- não somente fornecer alimentação para uma população crescente. tampouco para a maioria das atividades socioeconômicas. 1999). de forma a se obter maior produtividade por unidade de água aplicada. cuja capacidade é superior a consumida no mundo um milhão de metros cúbicos. 969. Campina Grande-PB. As bacias dos rios intermitentes detêm apenas 22% e con- que 70% da água centram-se em 450 açudes de grande porte.5). o IV Fórum Mundial da Água. em aqüíferos profundos. é salobra ou salgada.938 m3/hab. motivo que leva a envidar esforços na otimização do uso da água. 13. que juntos detêm 78% da Estimativas indicam água da região. são utilizados na também. a 628. como. estendendo-se do estado do Piauí ao Norte de Minas 20 21 . na sua ção da população sobre as práticas de gestão da água. Porém. sendo que 63% estão localizados na bacia hidrográfica do rio Potencialidades da água de chuva no Semi-Árido brasileiro Disponibilidade de água e a gestão dos recursos hídricos São Francisco e 15% na bacia do rio Parnaíba. Porém. economizar a água para outros usos. Recentemente. até maior parte. são baixas. Consumo mundial de água.835 m3/hab.  A situação da água no Brasil Água para produção sustentável de alimentos e desenvolvimento  rural sustentável. em março de 2006. da qualidade da água e dos ecos-  reconhecimento de que a água é um recurso cada vez mais escasso. Fig. dando continuidade às discus. devido às suas dimensões geográficas e diversida- O suprimento de alimentos é uma grande prioridade em muitos países. tanto para volver e aplicar métodos racionais do uso da água tanto na agricultura consumo humano. ocorreu. 2001) O Semi-Árido brasileiro ocupa 67% da região Nordeste. 2005). Atlântico Leste./ano. ou Outros eventos foram realizados e. perfurados (Grupo Água Viva. que contribuem com as ações de mobiliza. em sua Em muitos cenários de irrigação. principal usuária dos recursos hídricos. de climática.  A garantia da sustentabilidade da agricultura irrigada só ocorrerá com o Proteção dos recursos hídricos. Segundo Christofidis (2001).5. 1./ano. também. entre os mais de 70 mil existentes. como o Semi-Árido nordestino. a água desses poços. ca per capita variando de 1. algumas regiões sofrem graves problemas de escassez de e a agricultura irrigada. A uti- desperdiçados no lização de águas salobras para consumo humano. e no Semi-Árido Impactos da mudança do clima sobre os recursos hídricos. na bacia Amazônica (Freitas e Santos. tais como: distribuição pelos sistemas e na aplicação aos cultivos. com área de (Figura 1. por falta de opções de caminho da fonte outras fontes hídricas para uso pelas comunidades rurais dispersas. Recife e Caruaru-PE. têm mas. com cerca de 100 mil poços tubulares agricultura irrigada. deve água. as eficiências na condução da água. no seja. pode até a estação e desta provocar riscos à saúde do homem.8% do deflúvio médio mundial. passado por problemas de racionamento constante de água. O desafio é desen.  O Brasil está incluído entre os países de maior reserva de água doce. irrigada como na agricultura dependente das chuvas.  Água e desenvolvimento urbano sustentável.  tação destas práticas implicará na economia substancial da água doce. como Fortaleza-CE. na bacia hidrográfica do sões sobre a água no âmbito global. Avaliação dos recursos hídricos. principalmente em crianças. no âmbito das águas doces. les.

o crescente número de experiências organizacionais desenvolvi- das em torno da agricultura familiar vem superando a vulnerabilidade desses agroecossistemas.6. incluindo os do Semi-Árido. tem sido objeto de estudos da Embrapa. portando. impli- potencial. 3 g L-1. Segundo Porto R.00  Risco de seca maior que 60%. (1983).6). por meio da eutrofização.  Precipitação pluviométrica média anual inferior a 800 mm. necessitando. G. apenas três em cada dez anos são considerados normais quanto à distribuição das precipitações.133 municípios. devido ao predo- mínio das rochas cristalinas. das quais 110 estão inseridas no Semi-Árido (Silva et al. salinização e concentração de compostos não permissíveis BAHIA para alguns usos considerados nobres. haveria uma economia de R$ 5. -45° -40° -35° de medidas de planejamento e de gestão dos recursos hídricos disponí- veis. tomando-se por base o investido em saneamento. perfazendo 1. SEMI-ÁRIDO MINAS GERAIS R. 2005). PARÁ A principal característica desta região é a irregularidade do regime de precipitação pluviométrica. A compreensão sobre a variabilidade todos os municípios que pertencem à área da Sudene. Sua delimitação tem por base Trata-se de uma região caracterizada por grande diversidade de qua- três critérios técnicos. Estes critérios estão relacionados com: caram 172 unidades geoambientais na região Nordeste. em média. citada por Brasil (1999). FRANCISCO Este quadro de incertezas quanto à disponibilidade e à qualidade das águas 0 200 400 gera insegurança na tomada de decisão de políticas de desenvolvimento km ESP. cando em gastos de U$ 2. visando atender à demanda da população de forma permanente. 22 23 . degradando a qualidade das águas. no período entre 1961 e 1990. F. Região Nordeste e a delimitação do Semi-Árido (Fonte: Brasil. SANTO agropecuário e sócio-econômico para a região. a falta de água potável e de saneamento no Brasil é a causa  Índice de aridez de até 0. 2000). 1. Fig. diante das secas e constituindo alternativas econômicas sustentáveis. com predominância de cloretos (Leal. 2005). ocor- MARANHÃO -5° CEARÁ -5° rendo em até quatro meses em diversos municípios. em conseqüência da irregularidade das PERNAMBUCO chuvas. LEGENDA totais. DO NORTE et al. os quais foram aplicados consistentemente a dros naturais e socioeconômicos. PARAÍBA PIAUÍ Associada à escassez de água. S. que exigem rigoroso controle da qualidade. que identifi- (Fig. calculado pelo balanço hídrico que relaciona as precipitações e a evapotranspiração de 80% das doenças e de 65% das internações hospitalares. 1999). Gerais.. os sistemas aqüíferos são do tipo fissural e GOIÁS Potencialidades da água de chuva no Semi-Árido brasileiro -15° -15° apresentam vazões inferiores a 3 m3 h-1 e teores de sólidos dissolvidos Disponibilidade de água e a gestão dos recursos hídricos D. De acordo com a Organização Mundial de Saúde. No que se refere às fontes subterrâneas.00 em período entre 1970 e 1990. Estima-se que para cada R$ 1.5 bilhões. cioeconômicos.5. serviços de saúde. 1. as altas taxas evapotranspirométricas contribuem para reduzir a ALAGOAS -10° TOCANTINS -10° disponibilidade hídrica e favorecer a concentração de solutos nas fontes SERGIPE hídricas superficiais. tanto no tempo. no que se refere aos seus recursos naturais e agrosso- municípios do norte de Minas Gerais e do Espírito Santo (Brasil. Dentro dessa diversi- -45° -40° -35° dade. como no espaço.

24 25 . de for. esta negociação um processo dis. destacando-se a da sociedade. a melhoria das disponibilidades hídricas. a noção de gestão integrada dos recursos hí- dricos assume várias dimensões e envolve diferentes e complexas conota- ções: primeiro. um ba- sedimentometria e. séries históricas e em tempo real das variáveis climáticas. mica dos recursos hídricos. de 8 de janeiro de 1997. são fundamentais informações a redução dos conflitos reais e potenciais de uso da água. está em constante inter-relacionamento com outros elementos do mesmo ecossistema (solo. advindos de atitudes antro- potenciais e a proposição de medidas para o aumento da oferta hídrica. um diagnóstico atual. em qualidade e partes entre si e produzir novas situações e oportunidades. portanto. elemento estruturante para a implementação das políticas setoriais. orientar a implementação dessa política. ainda. fluviometria. Potencialidades da água de chuva no Semi-Árido brasileiro sões e reflexões profundas envolvendo todos os atores partícipes. Outros aspectos lanço hídrico contemplando os aspectos de qualidade e quantidade. na perspectiva do desenvolvimento sustentável. financeiro e emocional. 1997). em virtude da complexidade. portanto. quarto. tem a vantagem de ajustar bem as públicas voltadas para a melhoria da oferta de água. porquês de estas modificações estarem ocorrendo e definir e implementar medidas preventivas de contaminação dos recursos hídricos. ainda. consciente e participativa. com ênfase disponibilidades e demandas atual e futura. geologia. como dos eventos hidrológicos críticos. mas um adequado em uma bacia hidrográfica é muito mais amplo do que a verificação se os gerenciamento dos recursos hídricos no âmbito global e regional. cobertura vegetal. devendo. entre que devem ser considerados são os fatores socioeconômicos. hidrografia.433. tem que se considerar os diversos processos de transpor- te de massa de água do ciclo hidrológico. que o monitoramento da qualidade da água neste século. en. O autor Lei Federal Nº 9. Cedraz (2002) ressalta a necessidade de discus. O PNRH contém como conteúdo mínimo. Segundo Machado (2002). a identificação de conflitos no uso e nos impactos nos recursos naturais. em qualidade e quantidade. qualidade da água. deve atender aos anseios A gestão das águas tem base na legislação vigente. usuários e população no planejamen- to e na gestão desses recursos e. a percepção da conservação da água como valor socioambiental  ações antrópicas. como instrumento de gestão. obras hidráulicas. Braga et al. Por outro lado. como relevante. que instituiu a Política afirma. do Plano Nacional de Recursos Hídricos . gerenciando as demandas e considerando a água um No contexto da complexidade do planejamento e gestão integrada e sistê. quantidade. que a prática de uma gestão integrada deve ser orientada Nacional de Recursos Hídricos (Brasil.PNRH recém-lançado (Bra- heterogeneidade e diversidade de elementos que compõem um dado sil. fauna). envolvendo todos os atores do atender à necessidade de se responder ao que está sendo alterado. os processo. recursos hídricos volve co-participação de gestores. sendo. a água é um recurso Princípios da gestão dos de usos múltiplos. e informações hidroclimáticas. para um planejamento e gestão dos recursos hídricos em bases sustentáveis. onde as Disponibilidade de água e a gestão dos recursos hídricos Os objetivos estratégicos desta política foram estabelecidos conside- ações devem culminar com os princípios do desenvolvimento sustentado rando três dimensões essenciais à sua eficácia: tão discutido pela sociedade nas últimas décadas. superficiais e subterrâ-  neas. nhecimento do relevo. padrões legais de qualidade estão sendo obedecidos. iniciando-se com a educação ambiental em todos os setores. segundo. ma integrada. bem  referentes à caracterização física dos sistemas hídricos. definido para fundamentar e espaço geográfico. o maior desafio a ser enfrentado pela humanidade pogênicas. solos. flora. e tem por objetivo geral: pendioso dos pontos de vista político. tendo na água o recur- so básico da gestão ambiental e suas relações com o desenvolvimento. Diante deste cenário. finalmente. terceiro. e contempla a elaboração pela lógica da negociação sociotécnica. Afirmam. 2006). (1999) afirmam que. principalmente. sob a ótica do desenvolvimento sustentável e da inclusão social. talvez não seja a escassez de água. além de Estabelecer um pacto nacional para a definição de diretrizes e políticas incerto e arriscado. envolvendo o co.

das. metas e Cisternas . Atlânti- reduzir riscos da produção agrícola e/ou pecuária. 1997. principalmente. 1999). a uma grande expansão das atividades econômicas e urbanas que de- Potencialidades da água de chuva no Semi-Árido brasileiro exemplo da outorga de direito de uso e cobrança pelo uso da água. zir as ameaças.. programa P1+2. da degradação dos recursos hídricos ou da instabilidade climáti. te em áreas com recursos hídricos limitados. à semelhança da redução do consumo de energia elétrica imposta pelo governo federal. Atlântico Leste. de uma estratégia que permita potencializar as oportunidades e redu- manda.  O PNRH descreve que a água da chuva pode ser captada de telhados. 2006). como preconiza o co Sudeste. principalmen. o aumento da percepção Kettelhut et al. buscar soluções para um monitoramento e gerenciamento da possibilidade de junção entre um sistema de gestão ineficiente e adequados desses recursos deverá ser a prioridade dos órgãos gestores. com base nas 12 grandes regiões hidrográficas: nho 2007). que conta. a água para o consu. Atlântico Nordeste Oriental. Além disso. estimulando o usuário a adotar desenvolvimento econômico e o bem-estar social. que significa “uma terra” para produzir e “duas fon- tes de água”. mas de captação nas edificações e o aumento da cobertura vegetal.  26 27 . Contribuir para a desconcentração econômica e a eqüidade social. em particular. sendo uma para o consumo humano e outra para a pro. São Francisco. que podem ser causados a jusante pelo escoamento. tra. destaca-se o Programa Um Milhão de lineia cenários para 2020. Portanto. com a instalação de siste- para amenizar os efeitos da irregularidade das mesmas. assim como é muito importante a água para ba. pleno.P1MC (Brasil.  de junho de 2001. apresentado de forma detalhada no Capítulo 3. às Concentrar a gestão também na demanda por recursos hídricos. a partir de 04 Consolidar o marco institucional (legislação e organização) existente. Amazônia. os conflitos das em consideração algumas observações importantes na formulação pelo uso da água tendem a aumentar em função do aumento da de. Importante ressaltar que nessa área. onde enfatizou-se a necessidade da ção de práticas e tecnologias de manejo de água de chuvas nas zonas captação das águas de chuvas como uma das alternativas adotadas urbanas deve ser intensificada. a principal ameaça advém ca. armazenada e/ou infiltrada de forma segura. 2006). os cenários contêm elementos que dução de alimentos. Com a finalidade de prover meios de melhor convivência do homem tada conforme requerido pelo uso final e utilizada no seu potencial com o déficit de chuvas e sua irregularidade no Semi-Árido brasileiro. com mais de diretrizes que vão balizar as políticas públicas para a melhoria da oferta 200 mil cisternas construídas em todo o Semi-Árido brasileiro (até ju. e da gestão da água. Fortalecer a política de capacitação em Ciência e Tecnologia. Estas ocorreram de forma isolada ou integrada a programas o armazenamento e consumo. esta crise energética. ou por meio de negativos. São sete pontos em medidas para evitar desperdícios e reduzir impactos tanto na quantidade que uma estratégia pode incidir de maneira operativa: quanto na qualidade dos recursos hídricos. como o PNRH. 2006). Paraná e Paraguai (Brasil.  do chão e do solo. Parnaí- mo humano é essencial. Atlântico Sul. a ado- políticas públicas. O PNRH apresenta um panorama dos recursos hídricos nacionais e de- Dentre as ações implementadas. Nesse sentido. Segundo este documento. A cobrança pelo uso e/ou poluição dos recursos pelos diversos atores sobre a importância dos recursos hídricos para o hídricos deverá induzir o uso racional. cimento da consciência ambiental e. atualmente. Tocantins-Araguaia. que. como também a usos diversos. embora pouco perceptível pela população em Fortalecer o sistema de gestão.  apenas à geração de energia elétrica. A principal oportunidade encontra-se no cres- Disponibilidade de água e a gestão dos recursos hídricos base no conceito usuário-pagador e poluidor-pagador (MMA/SRH. Antecipar-se aos problemas nas regiões críticas. Atlântico Nordeste Ocidental. com mandam o uso da água. quer seja para tos anos. devem ser leva- Em regiões onde a escassez de água sempre se fez presente. antes de ser finalmente dispensada. estadual e municipal. por exemplo. apontam as oportunidades e ameaças à gestão e ao uso dos recursos hídricos no Brasil. nesta.  geral.  baixas disponibilidades hídricas dos reservatórios de água destinados não Propor formas de integração das políticas públicas. contém programas. Segundo o PNRH (Brasil. quer seja para redução dos impactos de governo nas esferas federal. deveu-se. Em função dos elementos comuns. substituindo ou suplementando outras fontes atualmente usa- diferentes ações estratégicas foram implementadas ao longo de mui. Uruguai.

e tratamentos dos resíduos: o lixo e os esgotos. só é necessário um copo de água. 28 29 . lavagem de legumes e outras. Todo banho demorado implica em consumo exagerado de água. assim como com a con. Como forma de melhor gerir os recursos hídricos. 2002). Nesse processo. não têm capa- servação dos recursos naturais.  A cada acionamento das válvulas de descarga de parede.  cional de Saneamento Básico revelam que 97.  Reciclar as águas de aquários. e somente 20. assim. os quais. Manter as torneiras bem fechadas. são gas-  Controle de perdas e desperdícios. Conseqüentemente. avisar ime. Deixar a torneira fechada ao escovar os dentes . coleta e Verificar sempre. os objetivos gerais Meio Ambiente e Vida”. Assim. segundo Vieira e Gondim Filho (2006). os três serviços essenciais: abastecimento. é importante ressaltar a questão da coleta molhar plantas. e  tos 19 L de água. aproximadamente. contém sugestões importantes sobre economia da água.  aberta durante 3 minutos equivale a 23 litros de água desperdi. o documento “Água. Proteção das nascentes e dos aqüíferos.2% dispõem Potencialidades da água de chuva no Semi-Árido brasileiro Disponibilidade de água e a gestão dos recursos hídricos alto com o máximo de material possível. apenas 52. o consumo será de 60 litros de água. si- multaneamente. de forma a minimizar a erosão e seus  çada. tanto de forma quantitativa quanto qualitativa. impactos sobre os recursos hídricos.  tratamento do esgoto (Oliveira.2% contemplam. de desertificação. porém. No contexto da sustentabilidade hídrica. em muitos Os procedimentos daqueles que realmente se preocupam com a  municípios. deve-se evitar descargas desnecessárias e prolongadas. as águas inadequadas para diversos usos. deve-se mobilizar a população afetada e exigir providências dos órgãos competentes. tamento. ao verificar algum vazamento. Na rua. Denunciar a um órgão de defesa do consumidor os casos de con-  serto ou reparo na rede pública onde verificar negligência na exe- cução por parte da firma responsável pela obra. de serviços de esgoto sanitário. não devem ficar restritos ao local cidade de depuração. 45 litros de água por dia. muitos dos quais nos rios.  Disciplinamento do uso e ocupação do solo. onde moram.  Dez minutos são mais que suficientes para uma boa higiene cor. tornando. utilizá-la no nível  serviço de abastecimento de água. Mais que isto é desperdício. Uma torneira pingando significa a ambiental e a conservação dos recursos hídricos. de uma política de água devem alcançar e manter padrões desejáveis 1999). Há válvulas que gastam apenas 6 L por fluxo. deve haver compatibilidade entre a oferta e a demanda de água. diatamente à empresa concessionária. o consumo de água de sua casa. Manejo adequado do solo. estabelecem algumas estratégias para a preservação hidro- minar defeitos e vazamentos. Finalmente. principalmente no vulnerabilidade regional. devido às suas baixas vazões. Para escovar os dentes. Controle da salinização dos mananciais. para  Entre as estratégias citadas. esses resíduos são lançados no ambiente sem nenhum tra- qualidade do ambiente em que vivem. e Ao notar água “servida” ou “esgoto a céu aberto” sendo lança-  do em via pública. que a de sustentabilidade e estabelecer mecanismos de convivência com a população em geral pode adotar em seu dia-a-dia. A lavagem de carro é mais econômica se for realizada com um balde  Recuperação das áreas degradadas e minimização do processo  e esponja. usá-las com moderação e eli-  Também. es- meio urbano.uma torneira  Proteção dos ecossistemas e conservação da diversidade ecológica. do Ministério do Meio Ambiente (Brasil. em geral. onde o consumo é maior: clarecem estes autores. com atenção.9% da população têm Ao usar máquina lava-louças ou lava-roupas.  poral. Educação ambiental. como: perda de. Dados da Pesquisa Na- Não lavar calçadas com jatos de água de mangueira.

p. DF: SEMA. Brasília. B. V. Águas doces no Brasil: capital ecológico. p. 2006. Importância da água e da vação. R..aguaonline. A. e da Amazônia Legal. M. cap. Águaon- CEDRAS. impacts and modeling. 1999. Por uma negociação sociotécnica na gestão in- Potencialidades da água de chuva no Semi-Árido brasileiro BRASIL. T. GARRIDO. dricos. London: Unesco. de. M. LEAL.. G. de Disponibilidade de água e a gestão dos recursos hídricos tegrada dos recursos hídricos. H. de. line.. Brasília. Secretaria dos Recursos Hídricos cações. 2003. dor: CYTED/UFBA/UEPS/SRH-BA/MMA-SRH/FAPEX. In: SEMI. 2002. 21-34.). 2004.mma. Acesso em: 16 mai. J. disponi- bilidade e usos.. F. São Paulo. M.br/port/conama/res/ res05/res35705. H. Resumos. MEYBECK. A. 11 CORDEIRO NETO. J. Ministério do Meio Am- biente. Referências Bibliográficas CHENG. Water quality assessments. Não paginado. Plano Nacional dos Recursos Hídricos: iniciando um processo de debate nacional. B. p.. Disponível em: <http://www.). p. il. Brasília. 2006. 637-649. 109-132. V. n. C. www. Ministério da Integração Nacional. In: FREITAS. TUCCI. Secretaria de Recursos Hídricos. v.pdf>. Conselho Nacional do Meio Ambiente. 2001. F. 49. 7. uso e conser. Prática da irrigação no mundo. de 09 de março de 2005. il. FRENCH. 357.. A. A. An introduction to water quality. p. 1 CD-ROM. L. Plano Nacional dos Recur. DF: BRASIL. da C. Porto Alegre.. H. (Ed. PAIVA. PORTO.). Brasília. de e qualidade das águas. no Brasil: perspectivas de gestão e informações de recursos hídricos.). R. B.. DF. DF. Acesso em: 3 abr. (Coleção Água. Seção 1. DF: ANEEL/MME/ MMA-SRH/OMM. A. BRAGA. p.. Ministério do Meio Ambiente. M. p. 2. GESTÃO de recursos hídricos no semi-árido paraibano.br > NÁRIO INTERNACIONAL CYTED-XVII. TUNDI- SI. Monitoramento de quantida. A. 2002.). de. ciais. CLARKE.. S.br/>. ANEEL-SRH/MME/MMA-SRH/OMM. FLAVIN. FREITAS. Hidrogeologia: conceitos e apli- BRASIL. J. 1-22. 1997. MACHADO. A. (Ed. BRAGA. CHRISTOFIDIS. Salva. 23 p. Brasília. SANTOS. Brasília. In: FREITAS. MANOEL FILHO. C. 13-16. O. 30 31 . dricos. Item. ABRH-Notícias.gov.. A.br /a rticle /view /213>. 1999. Diário Oficial da União. F. de. H.gov. C. Brasília.19. p. H. 1. 2005.. de 08 de janeiro de 1997.1. Contaminação das águas subterrâneas. H. H. O estado das águas BRASIL. In: FEITO- SA.. DF. D.433. As águas subterrâneas no Brasil: ocorrências. 2002.. 331 p. RIZZO. informação hidrológica. 41. Brasília. Disponível em: 20-21. OLIVEIRA. In: REBOUÇAS. V. C. (Ed. institucionais e geren- mar. D. 17 de março de 2005.. M. M. (Ed. DF.. 2. Brasília: MMA/SRH: ABEAS. O estado das águas no Brasil: perspectivas de gestão e informações de recursos hídricos. 2002. S. Lei nº 9. Meio Ambiente e Cidadania).). Ministério do Meio Ambiente. Secretaria dos Recursos Hí. 1999. (Ed.org. (Ed. M. 1997. Pesticides in the soil environment. São Paulo: Escrituras: USP/ABC. M. Ministério da Ciência e Tecnologia. il. Acesso em: 7 ago. T. (Ed. O estado das águas no Brasil: perspectivas de gestão e informações de recursos hí- BRASIL. Ouro Azul. Acesso em: 25 abr. Portaria Interministerial no KETTELHUT. J. Tradução. Estado mundo 2000. Gestão de recursos hídricos em regiões semi-áridas. 2005. C. 2005. 288 p. p. BROWN. 51 p. M. Madison: Soil Science Society of America. Salvador: UMA Editora. HELMER. In: CHA- PMAN. RODRIGUEZ. 139-164. p. sos Hídricos. de S. São Paulo: Makron Books. In: CHENG. 1-15. H. Salvador. 1997. Brasília. Ministério do Meio Ambiente. J. Mallett. In: FREITAS. BRASIL. E.). DF.8-13. Meio Ambiente e Vida.mma. Pesticides in the soil environment: processes. 1999.lead. 2000. ed. 2002. Ministério do Meio Ambiente. Política Nacional de Recursos Hídricos. V. cap. Disponível em: < http://www. Aspectos legais. 1999. p. J. Serviço de esgoto mal chega a 50% da população. Resolução No. BARLOW. MANOEL FILHO. Água. Fortaleza: CPRM/ LABHID/UFPE.com. DF: ANEEL-SRH/MME/MMA-SRH/OMM. 1990. 35. A. Disponível em: <http://www.

. Água no Semi-Árido. Risco climático: estimativa de sucesso da agricultura dependente de chuva para diferentes épocas de plantio I. SILVA. da C. G. Petrolina.. R. (EMBRAPA- CPATSA Documentos. N. SILVA. 14) 1 CD-ROM.. M. C. São Car- los. L. 2003. C. B. p. da. TUNDISI.. MOITA. Cultivo do feijão (Phaseolus vul- garis L. 23). Água no século XXI: enfrentando a escassez. B. 2000.ed. B. Paris. e. SOUZA NETO. 481-540. A. F. dos. G. Águas Doces no Bra- sil. R. BRAGA. P. V. de S. São Paulo: Escrituras Editora.. SILVA. P. UNESCO. BRITO. J. PORTO. CORREIA. VIEIRA. da. B. C. 248 p. B. PE: Embrapa Semi- Árido. GONDIM FILHO.. A. Água para todos. Potencialidades da água de chuva no Semi-Árido brasileiro 32 . 3. SOUZA. H. B. 1983. A. TUNDISI. W. uso e conservação. R. C. SP: RiMa. Petrolina. GARAGORRY. TONNEAU. L.. M.. F. LEITE. RICHE.. In: REBOUÇAS. de L. água para la vida.. de. G.Escritório Regional de Pesquisa e Desenvolvimento Nordeste-ERP/NE. capital ecológico. SILVA.). C. 2003. E. 2006. da. G. Recife: Embrapa Solos. C. L. A. (Embrapa Solos. J. R. P. 36 p. A. P. B. J. PE: EMBRAPA-CPATSA.. Zoneamento agroecológico do Nordeste do Brasil: diagnóstico e prognóstico. de G. J. Documentos. T. OLIVEIRA NETO. SANTOS. 129 p. F. P. P. de. J. SILVA.