Você está na página 1de 24

CURSO DE

REFRIGERAÇÃO E AR CONDICIONADO

CURSO DE REFRIGERAÇÃO E AR CONDICIONADO 10 ENVIO 10 PROIBIDA A REPRODUÇAO, TOTAL OU PARCIAL DESTA

10

ENVIO 10

CURSO DE REFRIGERAÇÃO E AR CONDICIONADO 10 ENVIO 10 PROIBIDA A REPRODUÇAO, TOTAL OU PARCIAL DESTA

PROIBIDA A REPRODUÇAO, TOTAL OU PARCIAL DESTA OBRA, POR QUALQUER MEIO OU METODO SEM AUTORIZAÇÃO POR ESCRITO DO EDITOR © TODOS OS DIREITOS FICAM RESERVADOS.

CURSOCURSOCURSOCURSOCURSO DEDEDEDEDE REFRIGERAÇÃOREFRIGERAÇÃOREFRIGERAÇÃOREFRIGERAÇÃOREFRIGERAÇÃO EEEEE ARARARARAR CONDICIONADOCONDICIONADOCONDICIONADOCONDICIONADOCONDICIONADO

LOCALIZAÇÃO E PREVENÇÃO DE FALHAS EM CIRCUITOS DE REFRIGERAÇÃO COM COMPRESSORES HERMÉTICOS

OCOMPRESSOROUOSISTEMANÃO FUNCIONA (NÃOARRANCA)

Disparo do interruptor principal

Fusível queimado Curto-circuito com o chassi Defeito do motor Arrancada defeituosa Equipamento elétrico

Compressor

Motor do compressor/protetor do motor mecanicamente bloqueados Sobrecarga Tensão/freqüência Pressão irregular Tipo de refrigerante Equilíbrio de pressões Falha do ventilador

Pressostatos de alta e de baixa

Defeito mecânico Conexão incorreta Valor diferencial incorreto Valor de corte incorreto Pressão irregular

Termostato

Defeito mecânico Conexão incorreta Valor demasiado pequeno Valor de corte incorreto

2
2

CURSOCURSOCURSOCURSOCURSO DEDEDEDEDE REFRIGERAÇÃOREFRIGERAÇÃOREFRIGERAÇÃOREFRIGERAÇÃOREFRIGERAÇÃO EEEEE ARARARARAR CONDICIONADOCONDICIONADOCONDICIONADOCONDICIONADOCONDICIONADO

Se o fusível principal queima, deverá averiguar-se a causa. Normal- mente se trata de um defeito nos bobinados ou protetor do motor, um curto-circuito com o chassi ou um fio de arranque queimado o que, a sua vez, provoca a falha do fusível principal. Se o motor do compressor não arranca, testar sempre em primeiro lugar os valores das resistênci- as. Todos os compressores levam o bobinado principa l e o de arranque dispostos como indica o esquema.

principa l e o de arranque dispostos como indica o esquema. Normalmente os motores de todos

Normalmente os motores de todos os compressores levam incorporado um dispositivo de proteção interno. Se o protetor dos bobinados desconecta o motor devido ao calor acumulado neste, o período de corte pode ser relativamente longo (até 45 minutos). Se o motor não volta a funcionar, medindo as resistências se poderá testar se abriu a proteção ou um dos bobinados é que está defeituoso. O trava- mento mecânico do compressor se manifesta por tentativas repetidas de arrancada, acompanhados de um elevado consumo de corrente e altas temperaturas dos bobinados que podem provocar o dispa- ro da proteção do motor.

um elevado consumo de corrente e altas temperaturas dos bobinados que podem provocar o dispa- ro
3
3

CURSOCURSOCURSOCURSOCURSO DEDEDEDEDE REFRIGERAÇÃOREFRIGERAÇÃOREFRIGERAÇÃOREFRIGERAÇÃOREFRIGERAÇÃO EEEEE ARARARARAR CONDICIONADOCONDICIONADOCONDICIONADOCONDICIONADOCONDICIONADO

A sobrecarga do compressor se manifesta porque este se nega a arrancar o arranca e pára de novo em muito pouco tempo (por intervenção do protetor do motor). Se o compressor se utiliza fora de seus limites de funcionamento admissivel o resultado é normalmente uma sobrecarga. Os limites de funcio- namento, tais como tolerâncias de tensão, freqüências, valores de temperatura e pressão, e tipo de refrigerante se indicam nas especificações técnicas de cada compressor. Em sistemas não protegidos por um pressostato de alta no lado de descarga, um defeito do motor do ventilador ou sua desconexão por ação do protetor do motor podem provocar igualmente a sobrecarga do compressor. Em geral é necessário determinar com precisão a quantidade de refrigerante. Nos sistemas de tubo capilar o método mais seguro para isto é tomar leituras de temperatura no evaporador e no conduto de sucção.

de temperatura no evaporador e no conduto de sucção. Nos sistemas com válvula de expansão termostática

Nos sistemas com válvula de expansão termostática a operação de carga deve testar-se utilizando um visor. Em ambos sistemas a quantidade de refrigerante há de ser inferior à que cabe no volume livre do lado de descarga, condensador e recipiente.

de refrigerante há de ser inferior à que cabe no volume livre do lado de descarga,
4
4

CURSOCURSOCURSOCURSOCURSO DEDEDEDEDE REFRIGERAÇÃOREFRIGERAÇÃOREFRIGERAÇÃOREFRIGERAÇÃOREFRIGERAÇÃO EEEEE ARARARARAR CONDICIONADOCONDICIONADOCONDICIONADOCONDICIONADOCONDICIONADO

Os compressores para sistemas de tubo capilar costumam vir equipados com um dispositivo de arranque PTC LST. Para o arranque através de uma PTC é necessário que as pressões do lado de alta e de baixa sejam exatamente iguais. Além disso, para que o PTC possa funcionar é preciso que o sistema permaneça parado 5 minutos aproximadamente para que se esfrie o PTC a fim de conseguir o máximo arranque.

Quando um compressor se liga “a frio” e se corta a corrente pouco depois, podem surgir problemas entre o PT C e o dispositivo de proteção do motor. Como o motor retém calor podem transcorrer até 20 minutos para que se produza uma marcha normal.

até 20 minutos para que se produza uma marcha normal. Nos sistemas em que não é

Nos sistemas em que não é certo conseguir o equilíbrio de pressões no momento da marcha, o compressor deve estar equipado com um dispositivo de arranque HST. Isto também é válido para os sistemas de tubo capilar com um tempo de parada entre arranques sucessivos, inferior a cinco minu- tos. Os relés e os condensadores de arranque defeituosos ou incorretos podem provocar problemas de arrancada ou a desconexão do compressor por ação da proteção do motor. Ter em conta os dados do compressor facilitados pelo fabricante. Se suspeitamos que o dispositivo de arranque é defeituoso se deverá substituir o equipamento completo, incluindo o rel é e o condensador de arranque.

de arranque é defeituoso se deverá substituir o equipamento completo, incluindo o rel é e o
5
5

CURSOCURSOCURSOCURSOCURSO DEDEDEDEDE REFRIGERAÇÃOREFRIGERAÇÃOREFRIGERAÇÃOREFRIGERAÇÃOREFRIGERAÇÃO EEEEE ARARARARAR CONDICIONADOCONDICIONADOCONDICIONADOCONDICIONADOCONDICIONADO

O PTC (25 Ù para redes de alimentação de 220 V. e 6,5 Ù para redes de 127 V) pode testar-se com

um ohmímetro.

Ù para redes de 127 V) pode testar-se com um ohmímetro. O relé de arranque pode

O relé de arranque pode ser testado com uma lâmpada como indica o desenho. O relé funciona bem

se a lâmpada não ligar quando ele está virado para cima, ou se ligar, quando está virado para baixo.

para cima, ou se ligar, quando está virado para baixo. O teste do condensador de arranque

O teste do condensador de arranque pode efetuar-se aplicando a tensão nominal da rede durante uns

segundos e curto-circuitando os fios ao cabo ao mesmo tempo. Se saltam faíscas, o condensador funciona corretamente.

6
6

CURSOCURSOCURSOCURSOCURSO DEDEDEDEDE REFRIGERAÇÃOREFRIGERAÇÃOREFRIGERAÇÃOREFRIGERAÇÃOREFRIGERAÇÃO EEEEE ARARARARAR CONDICIONADOCONDICIONADOCONDICIONADOCONDICIONADOCONDICIONADO

Também existem unidades condensadoras com pres- sostatos combinados de alta e de baixa, que prote- gem o compressor contra uma pressão excessiva no lado de descarga e pressões demasiado baixas no lado de sucção. Se o pressostato de alta desconecta o sistema, deverá efetuar-se uma comprovação para averiguar a causa da anomalia.

Se a desconexão é produzida pelo pressostato de baixa, a causa pode ser uma quantidade de refrige- rante insuficiente, fugas, formação de gelo no evapo- rador e/ou bloqueio parcial do dispositivo de expan- são. Se não há irregularidades de pressão no lado de alta nem no de baixa, se deverá testar o pressostato.

O sistema também pode desconectar-se por causa de termostato defeituoso ou incorretamente ajustado. Se o termostato perde carga ou o ajuste de tempera- tura é demasiado alto, o sistema não se colocará em marcha. Se o diferencial de temperatura se ajusta a um valor demasiado baixo, os períodos de parada do compressor serão muito curtos e haverá problemas na arrancada se utilizamos um dispositivo de arranque LST. Se o dispositivo de arranque utilizado é um HST se encurtará a vida útil do compressor . A norma quan- to ao tempo de equilíbrio de pressões quando se utili- za um dispositivo LST é de5a8 minutos nos congela- dores.

Quando se utiliza um dispositivo de arranque HST o número de religações por hora deverá ser o menor possível. Em nenhum caso deverão produzir-se mais de dez arranques por hora.

religações por hora deverá ser o menor possível. Em nenhum caso deverão produzir-se mais de dez
religações por hora deverá ser o menor possível. Em nenhum caso deverão produzir-se mais de dez
religações por hora deverá ser o menor possível. Em nenhum caso deverão produzir-se mais de dez
7
7

CURSOCURSOCURSOCURSOCURSO DEDEDEDEDE REFRIGERAÇÃOREFRIGERAÇÃOREFRIGERAÇÃOREFRIGERAÇÃOREFRIGERAÇÃO EEEEE ARARARARAR CONDICIONADOCONDICIONADOCONDICIONADOCONDICIONADOCONDICIONADO

O COMPRESSOR OU O SISTEMA FUNCIONA, MAS COM CAPACIDADE FRIGORÍFICA REDUZIDA

Compressor

Fugas

Carbonização

Irregularidade de pressões

Obstrução Gases incondensáveis Umidade Sujidade Defeito de ventilador Perda de refrigerante Carga excessiva de refrigerante Formação de gelo

Estrangulador Tubo capilar / válvula de expansão termostática

Ajuste do reaquecimento estático Tamanho / diâmetro do orifício

8
8

CURSOCURSOCURSOCURSOCURSO DEDEDEDEDE REFRIGERAÇÃOREFRIGERAÇÃOREFRIGERAÇÃOREFRIGERAÇÃOREFRIGERAÇÃO EEEEE ARARARARAR CONDICIONADOCONDICIONADOCONDICIONADOCONDICIONADOCONDICIONADO

São causas freqüentes de redução da capacidade frigorífica a carbonizaçã o e o cobreado galvânico que encurtam a vida útil do compressor, assim como a quebra de juntas no sistema de válvulas deste. A carbonização se produz principalmente devido à presença de umidade no sistema de refrigeração. A altas temperaturas, a presença de umidade produz também cobreado galvânico nos assentos das válvulas. A quebra de juntas se deve a uma pressão de condensação excessiv a e a picos de pressão de curta duração excessivamente altos, >60 bar (golpes de líquido).

excessivamente altos, >60 bar (golpes de líquido). Recomendamos instalar filtros secadores de boa qualidade. Se

Recomendamos instalar filtros secadores de boa qualidade. Se o material do filtro é de má qualidade se produzirá desgaste, o que além de provocar a obstrução parcial do tubo capila r e o filtro de válvula de expansão termostática, causará danos no compressor (principalmente por engripamento).

r e o filtro de válvula de expansão termostática, causará danos no compressor (principalmente por engripamento).
9
9

CURSOCURSOCURSOCURSOCURSO DEDEDEDEDE REFRIGERAÇÃOREFRIGERAÇÃOREFRIGERAÇÃOREFRIGERAÇÃOREFRIGERAÇÃO EEEEE ARARARARAR CONDICIONADOCONDICIONADOCONDICIONADOCONDICIONADOCONDICIONADO

Em geral os sistemas frigoríficos para usos comerciais devem vir equipados com filtros de núcleo sólido. O filtro secador deverá ser substituido depois de cada reparação. Ao trocar um “filtro secador mole- cular sieves” (tipo freqüentemente utilizado em frigoríficos) se deverá ter a precaução de testar que o material do filtro utilizado é adequado para o refrigerante do sistema e que, a quantidade de material é suficiente para as necessidades da aplicação.

material é suficiente para as necessidades da aplicação. Também as juntas mal soldadas podem obstruir o

Também as juntas mal soldadas podem obstruir o sistema. Para soldar devidamente as juntas é preciso utilizar o metal de solda correto com a porcentagem de prata adequada. O uso de fluxo deverá limitar-se ao mínimo possível.

O uso de fluxo deverá limitar-se ao mínimo possível. As juntas mal soldadas também podem provocar

As juntas mal soldadas também podem provocar fugas e portanto carbonização. Num circuito frigorí- fico a proporção de gases incondensáveis deve ser sempre inferior a 2%, de outro modo aumentará o nível de pressão. A operação de vácuo tem como principal finalidade eliminar os gases incondensá- veis antes de efetuar a carga do refrigerante. Isto produz também um efeito de secagem no sistema frigorífico. Pode provocar-se o vácuo pelo lado de sucção e pelo de descarga ou só pelo de sucção.

10
10

CURSOCURSOCURSOCURSOCURSO DEDEDEDEDE REFRIGERAÇÃOREFRIGERAÇÃOREFRIGERAÇÃOREFRIGERAÇÃOREFRIGERAÇÃO EEEEE ARARARARAR CONDICIONADOCONDICIONADOCONDICIONADOCONDICIONADOCONDICIONADO

O melhor vácuo se consegue fazendo-o por ambos os lados. O vácuo apenas pelo lado de sucção dificulta a obtenção de um grau de vácuo ideal no lado de descarga. Portanto, se o vácuo se realiza por um só lado, se recomenda efetuar uma limpeza interna com o refrigerante a utilizar no sistema até que se consiga igualar as pressões.

no sistema até que se consiga igualar as pressões. O acumulo de sujeira no condensador ou

O acumulo de sujeira no condensador ou um defeito no motor do ventilador, podem causar uma pressão de condensação excessiva e com isto reduzir a capacidade frigorífica. Em tais casos o pres- sostato de alta incorporado, proporciona a necessária proteção contra sobrecargas no lado do con- densador.

Nota: O protetor interno incorporado para proteger o motor, não proporcionará a proteção ideal ao compressor se a pressão de condensação aumentar, devido a uma falha do motor do ventilador. A temperatura da proteção do motor não aumenta com suficiente rapidez para assegurar a desconexão. O mesmo sucede quando a quantidade de refrigerante é maior que a que cabe no volume livre no lado de descarga.

O mesmo sucede quando a quantidade de refrigerante é maior que a que cabe no volume
11
11

CURSOCURSOCURSOCURSOCURSO DEDEDEDEDE REFRIGERAÇÃOREFRIGERAÇÃOREFRIGERAÇÃOREFRIGERAÇÃOREFRIGERAÇÃO EEEEE ARARARARAR CONDICIONADOCONDICIONADOCONDICIONADOCONDICIONADOCONDICIONADO

É importante determinar com precisão a quantidade correta de

refrigerante, sobretudo nos sistemas de tubo capilar. A temperatura na entrada do evaporador há de ser a mais parecida possível à temperatura de saída do mesmo. Devemos obter o maior superaquecimento possível entre a saída e a entrada do compressor (a temperatura de entrada do compres- sor deverá ser aproximadamente 10ºK inferior à temperatura de con- densação).

10ºK inferior à temperatura de con- densação). A carga de uma quantidade excessiva de refrigerante num

A carga de uma quantidade excessiva de refrigerante num

sistema frigorífico equipado com uma válvula de expansão termostática, origina um problema crítico. Quando a quantidade de refrigerante carregado em esta- do líquido é maior do que a que cabe no volume do conden- sador, se reduz a área de condensação e aumenta a pres- são de alta.

a área de condensação e aumenta a pres- são de alta. É pouco freqüente que a

É pouco freqüente que a quantidade de refrigerante num sistema seja escassa, a menos que haja uma fuga.

A formação irregular de gelo no evaporador costuma ser

indício de que a quantidade de refrigerante é insuficiente. Esta irregularidade não só reduz a potência frigorífica, como também pode causar problemas no degelo do evaporador, devido a que o termostato não registra a presença de gelo. Portanto, se aconselha determinar com precisão a carga de refrigerante necessária, a fim de garantir a distribuição uniforme de gelo no evaporador.

com precisão a carga de refrigerante necessária, a fim de garantir a distribuição uniforme de gelo
12
12

CURSOCURSOCURSOCURSOCURSO DEDEDEDEDE REFRIGERAÇÃOREFRIGERAÇÃOREFRIGERAÇÃOREFRIGERAÇÃOREFRIGERAÇÃO EEEEE ARARARARAR CONDICIONADOCONDICIONADOCONDICIONADOCONDICIONADOCONDICIONADO

A eficiência ideal do sistema se consegue equi- pando-o com um trocador de calor que assegu- re o sub-resfriamento correto: aproximadamente 5ºK em sistemas com válvula de expansão ter- mostática e ao redor de 3ºK em sistemas com tubo capilar. Nos sistemas com válvula de ex- pansão termostática os condutos de sucção e de líquido devem soldar-se juntos num tramo de 0,5 a 1,0m. Nos sistemas de tubo capilar, este e o conduto de sucção devem soldar-se juntos num tramo de 1,5 a 2,0m.

de sucção devem soldar-se juntos num tramo de 1,5 a 2,0m. CONSUMO ELÉTRICO EXCESSIVO Compressor Sinais

CONSUMO ELÉTRICO EXCESSIVO

Compressor

Sinais de desgaste do compressor Defeito do motor Reduzida capacidade frigorífica Refrigeração do compressor

Irregularidade de pressões

Obstrução Gases incondensáveis Umidade Sujidade Defeito do ventilador

Sobrecarga

Limites da aplicação ultrapassados Tensão / freqüência Irregularidade de pressão Temperatura Tipo de refrigerante

13
13

CURSOCURSOCURSOCURSOCURSO DEDEDEDEDE REFRIGERAÇÃOREFRIGERAÇÃOREFRIGERAÇÃOREFRIGERAÇÃOREFRIGERAÇÃO EEEEE ARARARARAR CONDICIONADOCONDICIONADOCONDICIONADOCONDICIONADOCONDICIONADO

Com freqüência a irregularidade de pressão e as sobrecargas ocasionam defeitos no compressor que se manifestam em forma de um maior consumo de energia elétrica. Para mais informações sobre os problemas relacionados com a irregularidade de pressã o e a sobrecarga do compressor no sistema, consultar as páginas anteriores.

As pressões excessivas de evaporação e condensação sobrecarregam o motor do compressor e isto produz um maior consumo de energia. Também surge este problema se o compressor não está suficien- temente refrigerado ou se produzem tensões extremas.

temente refrigerado ou se produzem tensões extremas. Uma sobrecarga constante produz sinais de desgaste nos

Uma sobrecarga constante produz sinais de desgaste nos mancais do compressor e nos sistemas de válvulas.

As sobrecargas que provocam disparos freqüentes do dispositivo de proteção dos bobinados podem produzir também um número anormalmente elevado de desconexões elétricas.

Quando se sobrepassam os limites previstos para a aplicação é preciso adaptar o sistema, por exem- plo, utilizando uma válvula de expansão termostática com um MOP que limite a pressão de evapora- ção, um regulador de pressão de sucção ou um regulador de condensação.

um MOP que limite a pressão de evapora- ção, um regulador de pressão de sucção ou
14
14

CURSOCURSOCURSOCURSOCURSO DEDEDEDEDE REFRIGERAÇÃOREFRIGERAÇÃOREFRIGERAÇÃOREFRIGERAÇÃOREFRIGERAÇÃO EEEEE ARARARARAR CONDICIONADOCONDICIONADOCONDICIONADOCONDICIONADOCONDICIONADO

Na maioria dos aparelhos frigoríficos de uso doméstico, para refrigerar o compressor é suficiente um sistema de refrigeração estática (em alguns casos refrigeração de óleo), sempre que seja respeitada a mínima separação da parede especificada pelo fabricante.

mínima separação da parede especificada pelo fabricante. Os equipamentos de uso comercial devem ventilar-se por meio

Os equipamentos de uso comercial devem ventilar-se por meio de um forçador. A velocidade normal recomendada de passagem do ar pelo condensado r e o compressor é de 3 m/s.

meio de um forçador. A velocidade normal recomendada de passagem do ar pelo condensado r e
15
15

CURSOCURSOCURSOCURSOCURSO DEDEDEDEDE REFRIGERAÇÃOREFRIGERAÇÃOREFRIGERAÇÃOREFRIGERAÇÃOREFRIGERAÇÃO EEEEE ARARARARAR CONDICIONADOCONDICIONADOCONDICIONADOCONDICIONADOCONDICIONADO

Outra recomendaçã o é a manutenção periódica do sistema frigorífico, incluindo a limpeza do conden- sador.

sistema frigorífico, incluindo a limpeza do conden- sador. RUÍDO Compressor Circuito de pressão Nível de óleo

RUÍDO

Compressor

Circuito de pressão Nível de óleo Folga entre pistão e cilindro Sistema de válvulas

Ventilador

Hastes do ventilador deformadas Desgaste dos mancais Placa base

Válvulas

“Assobio” produzido pelas válvulas de expansão termostáticas. “Barulho” das válvulas solenóide e de retenção

Ruído do sistema

Ruído de líquido (principalmente no evaporador)

Instalação

Tubulações Suportes do compressor, ventilador e condensador

16
16

CURSOCURSOCURSOCURSOCURSO DEDEDEDEDE REFRIGERAÇÃOREFRIGERAÇÃOREFRIGERAÇÃOREFRIGERAÇÃOREFRIGERAÇÃO EEEEE ARARARARAR CONDICIONADOCONDICIONADOCONDICIONADOCONDICIONADOCONDICIONADO

Normalmente os compressores e unidades condensadoras não originam reclamações por causa do ruído. O nível de ruído dos componentes e, sobretudo dos ventiladores cumpre perfeitamente as exi- gências do mercado. Se recebemos alguma reclamação sempre é de forma isolada e geralmente obe- dece a um erro de instalação ou do sistema.

obe- dece a um erro de instalação ou do sistema. Os escassos problemas de ruído que

Os escassos problemas de ruído que se produzem, se devem quase sempre a falhas de produção, por exemplo, contato entre o conduto de descarg a e a carcaça do compressor, nível de óleo demasiado alto ou baixo, excessiva folga entre pistão e cilindro, montagem defeituosa do sistema de válvulas. Tais ruídos são fáceis de diagnosticar utilizando uma chave de fenda como “estetoscópio”.

sistema de válvulas. Tais ruídos são fáceis de diagnosticar utilizando uma chave de fenda como “estetoscópio”.
17
17

CURSOCURSOCURSOCURSOCURSO DEDEDEDEDE REFRIGERAÇÃOREFRIGERAÇÃOREFRIGERAÇÃOREFRIGERAÇÃOREFRIGERAÇÃO EEEEE ARARARARAR CONDICIONADOCONDICIONADOCONDICIONADOCONDICIONADOCONDICIONADO

O ruído do sistema é um fator crítico nos eletrodomésticos. Nestes aparelhos é característico o ruído de líquido à entrada do evaporador.

No circuito é difícil remediar este inconveniente por tratar-se de equipamento fabricado em série, a grande escala. Se o filtro está montado verticalmente poderia minimizar-se o problema montando-o em posição horizontal. Porém, há que ter presente que o ruído pode ser amplificado pela estrutura, por exemplo, num aparelho chumbado. Em tais situações deveremos contatar com o fabricante.

Em tais situações deveremos contatar com o fabricante. Para evitar a transferência de ruídos, se deverá

Para evitar a transferência de ruídos, se deverá impedir que as tubulações toquem o compressor, o trocador de calor ou as paredes laterais.

Ao instalar um compressor deverão utilizar-se os acessórios e buchas fornecidos, para evitar que os tacos de borracha se comprimam tanto que percam suas propriedades isolantes.

e buchas fornecidos, para evitar que os tacos de borracha se comprimam tanto que percam suas
18
18

CURSOCURSOCURSOCURSOCURSO DEDEDEDEDE REFRIGERAÇÃOREFRIGERAÇÃOREFRIGERAÇÃOREFRIGERAÇÃOREFRIGERAÇÃO EEEEE ARARARARAR CONDICIONADOCONDICIONADOCONDICIONADOCONDICIONADOCONDICIONADO

Os ventiladores se utilizam principalmente em sistemas de refrigeração comerciais. Se produzirá ruídos se as hastes do ventilador se deformam ou entram em contato com as aletas do trocador de calor. Também produzem muito ruído os mancais desgastados. Além disso, a unidade do ventilador deverá estar firmemente fixada para que não se mova em relação à base. Normalmente, os ventilado- res têm um nível de ruído mais alto que os compressores. Em algumas circunstâncias é possível reduzir o nível de ruído instalando um motor de ventilador menor, mas isto só se pode recomendar quando a área do condensador está superdimensionada.

quando a área do condensador está superdimensionada. Se o ruído procede da válvulas, a causa pode

Se o ruído procede da válvulas, a causa pode residir num dimensionamento incorreto das mesmas. As válvulas solenóide e as de retenção não devem dimensionar-se nunca em função das conexões das tubulações, senão de acordo com o valor kv. Isto garante a perda de carga mínima necessária para abrir a válvula e mantê-la aberta sem que produza barulho. Outro fenômen o é o “assobio” das válvulas de expansão termostáticas. Neste caso deverá testar-se que o tamanho do orifício é adequado para as características do sistema e sobretudo que há suficiente sub-resfriamento de líquido antes da válvula de expansão (5 k aproximadamente).

e sobretudo que há suficiente sub-resfriamento de líquido antes da válvula de expansão (5 k aproximadamente).
19
19

CURSOCURSOCURSOCURSOCURSO DEDEDEDEDE REFRIGERAÇÃOREFRIGERAÇÃOREFRIGERAÇÃOREFRIGERAÇÃOREFRIGERAÇÃO EEEEE ARARARARAR CONDICIONADOCONDICIONADOCONDICIONADOCONDICIONADOCONDICIONADO

EXEMPLOSDECONDIÇÕESDE FUNCIONAMENTOSQUESOBREPASSAM OS LIMITESDOCOMPRESSOR

Num sistema de refrigeração, todos os componentes interagem entre si e com o meio, estabelecendo as condições de funcionamento do compressor.

Se estas condições se encontram dentro dos limites do compressor, se pode esperar que este compo- nente tenha uma vida útil prolongada e que o sistema proporcione o melhor rendimento esperado.

Mas, quando estas condições de funcionamento sobrepassam os limites do compressor, o mesmo pode falhar.

Algumas conseqüências sobre os componentes dos compressores quando são submetidos a condi- ções de operação inadequadas podem ser observadas a seguir:

ˇ˛˝˛ ˚

ˇ˛˝˛

ˇ˛˝˛ ˚ ˇ˛˝˛

Esta é uma placa de válvulas nova. Se pode observar na figura A, a lâmina de sucção, e na figura B,

a lâmina de descarga e seu limitador. O compressor deve operar em condições adequadas de tempe- ratura e pressão para que não haja a carbonização do óleo nestas regiões.

Esta é uma placa de válvulas de um compressor que operou num sistema com pressão de descarga

muito elevada. Esta pressão fez com que se elevasse a temperatura nesta região, causando a carboni- zação do óleo. Esta carbonização obstrui o funcionamento da válvula, não permitindo que esta se abra

e se feche normalmente.

20
20

CURSOCURSOCURSOCURSOCURSO DEDEDEDEDE REFRIGERAÇÃOREFRIGERAÇÃOREFRIGERAÇÃOREFRIGERAÇÃOREFRIGERAÇÃO EEEEE ARARARARAR CONDICIONADOCONDICIONADOCONDICIONADOCONDICIONADOCONDICIONADO

Neste caso o compressor perde compressão.

Neste caso o compressor perde compressão. Este compressor operou por alguns minutos e depois parou de

Este compressor operou por alguns minutos e depois parou de comprimir. Ao abri-lo, encontraram-se impurezas (resíduos sólidos) abaixo da lâmina de descarga que a mantém aberta. Estes resíduos são provenientes de sujidade deixada no sistema, que viajou por seu interior até instalar-se nesse local.

resíduos são provenientes de sujidade deixada no sistema, que viajou por seu interior até instalar-se nesse
21
21

CURSOCURSOCURSOCURSOCURSO DEDEDEDEDE REFRIGERAÇÃOREFRIGERAÇÃOREFRIGERAÇÃOREFRIGERAÇÃOREFRIGERAÇÃO EEEEE ARARARARAR CONDICIONADOCONDICIONADOCONDICIONADOCONDICIONADOCONDICIONADO

Outro caso de altas temperaturas devido a pressões elevadas e conseqüente carbonização do óleo.

a pressões elevadas e conseqüente carbonização do óleo. Neste compressor, o isolamento do motor derreteu-s e

Neste compressor, o isolamento do motor derreteu-s e e o motor se queimou. Podemos observar sinais de carbonização na tampa de cilindro do pistão. Se pode concluir então que, este compressor trabalhou em condições severas de temperatura e pressão, que aumentaram o esforço do motor e seu aquecimento.

trabalhou em condições severas de temperatura e pressão, que aumentaram o esforço do motor e seu
22
22

CURSOCURSOCURSOCURSOCURSO DEDEDEDEDE REFRIGERAÇÃOREFRIGERAÇÃOREFRIGERAÇÃOREFRIGERAÇÃOREFRIGERAÇÃO EEEEE ARARARARAR CONDICIONADOCONDICIONADOCONDICIONADOCONDICIONADOCONDICIONADO

O compressor da figura A permaneceu 6 meses armazenado, com os batoques de borracha e com pressão positiva de Nitrogênio. Podemos observar que não há nenhum sinal de oxidação.

O compressor da figura B passou 3 meses sem os batoques e apresenta alto grau de oxidação.

ˇ˛˝˛ ˚ ˇ˛˝˛
ˇ˛˝˛ ˚
ˇ˛˝˛

Na figura A, num compressor novo, podemos observar o isolamento entre as bobina s e o estator. Na figura B, o compressor trabalhou em condições severas de temperatura. O isolamento se derreteu e a bobina entrou em contato com o estator, causando o defeito mais conhecido como “massa”.

23
23

CURSOCURSOCURSOCURSOCURSO DEDEDEDEDE REFRIGERAÇÃOREFRIGERAÇÃOREFRIGERAÇÃOREFRIGERAÇÃOREFRIGERAÇÃO EEEEE ARARARARAR CONDICIONADOCONDICIONADOCONDICIONADOCONDICIONADOCONDICIONADO

ˇ˛˝˛ ˚ ˇ˛˝˛
ˇ˛˝˛ ˚
ˇ˛˝˛

Se o circuito de refrigeração onde o compressor está instalado não proporciona um bom retorno de óleo ao compressor, ou se o fluido refrigerante utilizado não se mistura, a quantidade de óleo no compressor diminuirá com o tempo, causando desgastes mecânicos prematuros, como se pode obser- var nos eixos destas figuras.

diminuirá com o tempo, causando desgastes mecânicos prematuros, como se pode obser- var nos eixos destas
24
24