Você está na página 1de 12

2. PROCESSOS DE SOLDAGEM

A ARCO ELÉTRICO

Centro Universitário da FEI Soldagem - Processo eletrodo revestido

Centro Universitário da FEI – Soldagem - Processo eletrodo revestido
da FEI – Soldagem - Processo eletrodo revestido 2.0. Física do arco elétric o (+) Figura:

2.0. Física do arco elétrico

(+) Figura: Representação esquemática dos fenômenos do arco elétrico
(+)
Figura: Representação
esquemática dos
fenômenos do arco
elétrico

Centro Universitário da FEI Soldagem - Processo eletrodo revestido

Centro Universitário da FEI – Soldagem - Processo eletrodo revestido
da FEI – Soldagem - Processo eletrodo revestido 2.1. PROCESSO ELETRODO REVESTIDO – SMAW (S hielded

2.1. PROCESSO ELETRODO REVESTIDO SMAW (Shielded Metal Arc Welding)

2.1.1. Principio:

2.1.2. Materiais e equipamentos

Equipamentos básicos + EPI + acessórios de limpeza

Materiais consumíveis: eletrodo revestido.

+ EPI + acessórios de limpeza  Materiais consumíveis: eletrodo revestido. Fig.:Principio de funcionamento - SMAW
+ EPI + acessórios de limpeza  Materiais consumíveis: eletrodo revestido. Fig.:Principio de funcionamento - SMAW

Fig.:Principio de funcionamento - SMAW

Centro Universitário da FEI Soldagem - Processo eletrodo revestido

Centro Universitário da FEI – Soldagem - Processo eletrodo revestido
da FEI – Soldagem - Processo eletrodo revestido (a) (b) (b) (c) Figuras: Representação esquatica: (a)
(a) (b)
(a)
(b)
da FEI – Soldagem - Processo eletrodo revestido (a) (b) (b) (c) Figuras: Representação esquatica: (a)

(b)

(c)
(c)

Figuras: Representação esquatica: (a) princípio de funcionamento , (b) esquema de ligação e (c) eletrodo revestido

Centro Universitário da FEI Soldagem - Processo eletrodo revestido

Centro Universitário da FEI – Soldagem - Processo eletrodo revestido
da FEI – Soldagem - Processo eletrodo revestido 2.1.3. Finalidade e tipos de revestimento - Finalidades:

2.1.3. Finalidade e tipos de revestimento

- Finalidades: estabilizar o arco, formar gases protetores além de escória para proteger a poça de fusão

- Revestimentos: celulósico (celulose >20% + Fe liga + silicatos), rutílicos (TiO2+

Fe-liga+silicatos), óxidos (Fe2 O3+MnO+silicatos) e básicos

(CaCO3 + Fe-liga).

2.1.4. Manuseio e estocagem

- cuidados com umidade no revestimento armazenar em estufas

com umidade no revestimento  armazenar em estufas 2.1.5. Classificação dos eletrodos - aço carbono: XX

2.1.5. Classificação dos eletrodos

- aço carbono:

XX= < resistência à tração [psi.10 3 ], Y= posição de soldagem(1) todas posições, (2) 1G e 2G, (3) 1G e Z= revestimento e corrente

AWS 5.1-81

EXXYZ

e 2G, (3) 1G e Z = revestimento e corrente AWS 5.1-81 EXXYZ - aço baixa

- aço baixa liga: AWS 5.5-81-EXXXYZ-W, XXX=70-120 [psi.10 3 ] e W=metal depositado

- aços inoxidáveis:

- ligas de alumínio: AWS 5.3-80, ex.

AWS 5.4-81

E1100(Al),

Centro Universitário da FEI Soldagem - Processo eletrodo revestido

Centro Universitário da FEI – Soldagem - Processo eletrodo revestido
da FEI – Soldagem - Processo eletrodo revestido 2.1.6.Projeto de junta (ver item de juntas e

2.1.6.Projeto de junta (ver item de juntas e chanfros em nomenclatura)

2.1.7. Preparação da junta

- limpeza química e/ou mecânica do MB

- fixação dos materiais de base (ponteamento ou elementos mecânicos)

2.1.8. Metodologia de soldagem(condições operatórias)

- abertura de arco por atrito

- cuidadosexecutar soldagens com parâmetros corretos e constantes, além de preencher as crateras (vazios gerados pela extinção do arco).

2.1.9. Análise do efeito dos parâmetros de soldagem

- corrente de soldagem: proporcional a penetração da solda, largura do cordão, reforço do cordão e taxa de deposição

-

velocidade de soldagem: inversamente proporcional à penetração, largura

e

reforço do cordão

- comprimento de arco e tensão de solda: diretamente proporcional a largura do cordão e inversamente a profundidade de penetração

Centro Universitário da FEI Soldagem - Processo eletrodo revestido

Centro Universitário da FEI – Soldagem - Processo eletrodo revestido
da FEI – Soldagem - Processo eletrodo revestido - diâmetro do eletrodo: limita o intervalo da

- diâmetro do eletrodo: limita o intervalo da corrente de soldagem densidade de

corrente ( ) =corrente ( I ) / área de seção transversal (As) . = I / As ( . 2 /4)

- ângulo eletrodo/peça: controle do balanço de calor e de metal líquido

2.1.10. Controle da operação de soldagem

- envolve a utilização de uma Especificação de Procedimento de Soldagem

(EPS) processo e soldador qualificados

2.1.11. Aplicações principais

- processo de soldagem mais utilizado desde simples ponteamentos até soldas com rígido controle de fabricação, em metais ferrosos e não ferrosos. Usado em campo e em manutenção.

Centro Universitário da FEI Soldagem - Processo eletrodo revestido

Centro Universitário da FEI – Soldagem - Processo eletrodo revestido
Centro Universitário da FEI – Soldagem - Processo eletrodo revestido
Centro Universitário da FEI – Soldagem - Processo eletrodo revestido

Centro Universitário da FEI Soldagem - Processo eletrodo revestido

Centro Universitário da FEI – Soldagem - Processo eletrodo revestido
Centro Universitário da FEI – Soldagem - Processo eletrodo revestido
Centro Universitário da FEI – Soldagem - Processo eletrodo revestido
Centro Universitário da FEI – Soldagem - Processo eletrodo revestido
Centro Universitário da FEI – Soldagem - Processo eletrodo revestido
Centro Universitário da FEI – Soldagem - Processo eletrodo revestido

Centro Universitário da FEI Soldagem - Processo eletrodo revestido

Centro Universitário da FEI – Soldagem - Processo eletrodo revestido
da FEI – Soldagem - Processo eletrodo revestido Tanque de armazenamento de derivados de petróleo
da FEI – Soldagem - Processo eletrodo revestido Tanque de armazenamento de derivados de petróleo

Tanque de armazenamento de

derivados de petróleo

construído em AISI 316 LN com eletrodo E316 LN (cortesia Bohler Thyssen)

de armazenamento de derivados de petróleo construído em AISI 316 LN com eletrodo E316 LN (cortesia

Centro Universitário da FEI Soldagem - Processo eletrodo revestido

da FEI – Soldagem - Processo eletrodo revestido 2.2.12. HIGIENE E SEGURANÇA NA SOLDAGEM (Processos a

2.2.12. HIGIENE E SEGURANÇA NA SOLDAGEM (Processos a arco elétrico)

- elétricosligações elétricas efetuadas por técnico qualificado, aterramento da fonte, regulagem da tensão em vazio, evitar superaquecimento durante a utilização, cabos dimensionados sem danificação e com emendas apenas se forem necessárias

- fumosgerados pela decomposição de MB, eletrodos e de

revestimentos e fluxos

- ventilação forçada para minimizar a absorção de fumos

(V<350m3 e h<5m), em ambientes confinados empregar máscaras com

suprimento de ar

- equipamentos de proteção individualcapacete com filtro de

proteção (1,6 eletrdo 4,0mm utilizar filtro 10, 4,0eletrdo 6,4 filtro

12 e 6,4eletrdo 9,5 usar filtro 14), roupas para proteção, sapatos industriais e proteção auricular SMAW (150A, =3,25mm86db a

400mm da fonte) e GMAW 300A, =1,2mm

97db a 400mm da fonte

Centro Universitário da FEI Soldagem - Processo eletrodo revestido

Centro Universitário da FEI – Soldagem - Processo eletrodo revestido
Centro Universitário da FEI – Soldagem - Processo eletrodo revestido
Centro Universitário da FEI – Soldagem - Processo eletrodo revestido
Centro Universitário da FEI – Soldagem - Processo eletrodo revestido