Você está na página 1de 6

6/12/16


CITAÇÕES
 NBR
10520
(2002)
 Profa.
Me
Virginia
Leyla
Santos
Costa
UrGga

CITAÇÕES

NBR
10520
(2002)

Profa.
Me
Virginia
Leyla
Santos
Costa
UrGga

CITAÇÕES
 



 Sempre
 que 
 o 
 pensamento
de
um
 autor
for
 mencionado 
 é

CITAÇÕES





 Sempre
 que 
 o 
 pensamento
de
um
 autor
for
 mencionado 
 é

necessário
 colocar
 seu
 sobrenome 
 e
 ano 
 da
 obra
 no

momento
 da 
 citação,
 em
 respeito
 aos 
 direitos
 autorais.
A

referência
 completa
 da 
 obra
 citada
 também
 deve
 constar

nas 
referências.


 
 
 
 As
 chamadas 
 pelo 
 sobrenome
 do
 autor
 devem
 vir
 em

letras
 maiúscula,
 quando 
 optar
 por 
 colocar
 dentro
 do

parêntese,
 e
 minúscula,
 quando 
 optar
 por 
 colocar
 fora
do

parêntese

CITAÇÕES
DIRETAS

CITAÇÕES
DIRETAS

CITAÇÕES
 
 
 
 


 São
 Informações
 re/radas 
 de
 outras 
 fontes
 mencionadas

CITAÇÕES


 




 São
 Informações
 re/radas 
 de
 outras 
 fontes

mencionadas
 no
 texto
 para
 complementar
 as

idéias 
 do
 autor
 da 
 pesquisa ,
 embasando 
 o 

assunto
 abordado ,
 dando 
 respaldo 
 à 
 sua

interpretação.


 

TIPOS
DE
CITAÇÕES
 •  CITAÇÃO
DIRETA.
 •  CITAÇÃO
INDIRETA.
 • 
TIPOS
DE
CITAÇÕES

•  CITAÇÃO
DIRETA.

•  CITAÇÃO
INDIRETA.

•  CITAÇÃO
DE
CITAÇÃO.

CITAÇÕES
DIRETAS
 São
 transcrições
 literais
de
um
 texto
 ou 
parte
dele,
 ou 
 seja,

CITAÇÕES
DIRETAS

São
 transcrições
 literais
de
um
 texto
 ou 
parte
dele,
 ou 
 seja,

quando 
um
 texto
 citado
for
 transcrito
 fielmente
 obedecendo 

às 
 caracterísGcas
 originais 
 quanto
 à 
 redação,
 ortografia
 e

pontuação.

As
 citações
 diretas
 podem
ser
 transcritas
de
 duas 
 formas:

• Com
até
 três
 linhas

• Com
mais
de
 três
 linhas


6/12/16


CITAÇÕES
DIRETAS
 Citações
com
até
três
linhas:
 São
 apresentadas
dentro
do

CITAÇÕES
DIRETAS

Citações
com
até
três
linhas:

São
 apresentadas
dentro
do
 texto
destacadas
entre
aspas
duplas.

Por
 se
 tratar
 de
 uma
 citação
 direta,
 a
 indicação
 da 
 paginação
 é

obrigatória.

Exemplo:


 “Camélias 
 são 
 flores
 lindas 
 –
 tão
 perfeitas,
 algumas 
 brancas,
 outras 

vermelhas”
(ALVES,
2003,
p .
58).

Segundo
 Alves
(2003,
 p .
58),
 “Camélias 
 são 
 flores
 lindas 
–
 tão
 perfeitas,

algumas 
brancas,
outras 
vermelhas”.

Atenção!
 •  A
citação
direta,
no
texto,
de
até
três
linhas,

Atenção!

•  A
citação
direta,
no
texto,
de
até
três
linhas,

deve
estar
conHda
entre
aspas.


•  As
aspas
simples
são
uHlizadas
para
indicar

citação
no
interior
da
citação.


CITAÇÕES
INDIRETAS
OU
PARÁFRASE
 Trata‐se
 de
 um
 texto
 baseado
 em
 uma
 obra

CITAÇÕES
INDIRETAS
OU
PARÁFRASE

Trata‐se
 de
 um
 texto
 baseado
 em
 uma
 obra
 consultada.

Nas
 citações
 indiretas
 reproduz‐se
 fielmente
 as
 idéias 

conGdas
 no
 texto
 consultado,
 embora
 seja
 escrito
 com

outras
palavras.


• Não
dispensa
a
indicação
de
 autoria.

Exemplo:


Segundo
 Alves
 (2003),
 os 
 poetas 
 são 
 criaturas
 que 

aprendem
 a
 brincar
 com
 as
 palavras
 e
 delas 
 fazer
 belas 

frases.


CITAÇÕES
DIRETAS
 Citações
com
mais
de
três
linhas:
 Devem
 obedecer
 ao 
 recuo 
de

CITAÇÕES
DIRETAS

Citações
com
mais
de
três
linhas:

Devem
 obedecer
 ao 
 recuo 
de
 quatro 
 cenDmetros
 da
 margem

esquerda ,
 sem
 aspas,
 com
 fonte
 menor 
 que 
 a
 do
 texto
 e 

espacejamento
simples
entre
linhas,
jus/ficado .


Exemplo:






Margem

4cm

Há 
 quatro
 insGtuições 
 básicas
 que 
 não 
 podem 
 ser

esquecidas ,
 quando 
 se
 pretende
 entender
 o 
 que 
 foi 
 o 

século 
 XIX,
 e
 suas
 conseqüência 
 para
 o 
 século 

imediatamente
posterior.
 Dessas 
 insGtuições 
 duas 
 são 
de

natureza
 econômica
 e
 duas 
de
 natureza
 políGca .
(MOTTA,

1986,
p .
49).

CITAÇÕES
INDIRETAS
OU
 PARÁFRASE

CITAÇÕES
INDIRETAS
OU

PARÁFRASE

a) Leia e releia o texto original até que seja capaz de reescrevê-lo com suas
a) Leia e releia o texto original até que seja
capaz de reescrevê-lo com suas próprias
palavras;
b)
Não
use
aspas
nas
citações
indiretas/
paráfrases;
c) Anote
os
dados
referentes
a
fonte:
sobrenome do autor seguido do ano de
publicação da obra;
d) Faça a referência no final do trabalho.


6/12/16


CITAÇÃO
DE
CITAÇÃO

CITAÇÃO
DE
CITAÇÃO

apud
(quando
um
 autor
cita
outro
 autor)

 



 “[ ]
um
 trabalhador 
que 
não
apud
(quando
um
 autor
cita
outro

autor)






 “[
]
um

trabalhador 
que 
não 
seja
mais 
aquele 
Gpo 
de

indivíduo 
que 
baGa 
o 
relógio 
de
ponto
[ ].”(TEIXEIRA

apud 
CANÔAS;
LARA,
2003,
p .
121)


•Ou







 Segundo
 Teixeira:
“[
]
um

trabalhador 
que 
não 
seja

mais 
aquele 
Gpo 
de
indivíduo 
que 
baGa 
o 
relógio 
de

ponto
[
].”
(
apud 
CANÔAS;
LARA,
2003,
p .
121)
 

SISTEMA
DE
CHAMADA
 É a padronização das indicações das fontes citadas no texto, que, de acordo com
SISTEMA
DE
CHAMADA

É a padronização das indicações das fontes
citadas no texto, que, de acordo com a ABNT
– NBR 10520
Pode ser: numérico ou autor-data.
Qualquer que seja o método adotado, este deve
ser seguido durante todo o trabalho, permitindo
sua correlação com a lista de referências ou as
notas de rodapé.
CITAÇÃO
DE
CITAÇÃO
 É
 a
 menção
 de
 parte
 de
 um
 texto
 do
 qual
 não 
 se

CITAÇÃO
DE
CITAÇÃO

É
 a
 menção
 de
 parte
 de
 um
 texto
 do
 qual
 não 
 se
 teve
 acesso
 ao 

documento
 original
 e 
 se
 tomou
 conhecimento
 através
 de
 uma
 outra 

fonte.
 


Deve‐se
 usar 
 primeiramente
 o 
 nome 
 do
 autor
 ao 
 qual
 não 
 se
 teve

acesso,
 e
 o 
 ano 
 dessa 
 referida
 obra,
 se
 houver,
 seguido 
 da 
 expressão

laGna 
 “ apud” ou 
 “ citado
 por ” .
 Logo
 após ,
 deverá
 vir
 autor
 da
 obra 

consultada,
 ano 
 e 
 número 
 da
 página.


Exemplo:

Segundo
 Cesarine
 (1990
 apud 
SOUZA,
 1994,
 p .
 482)
 “ da 
 mesma
 forma

que 
a
 Universidade
 é
 o 
 retrato
 da 
 sociedade ,
um
 currículo 
 é
 também
a

cara
 da 
 insGtuição ” .


SISTEMA
DE
CHAMADA

SISTEMA
DE
CHAMADA

TIPOS
DE
SISTEMA
DE
CHAMADA
 SISTEMA
AUTOR‐DATA
 No
 sistema
 autor‐data,
 a
 indicação

TIPOS
DE
SISTEMA
DE
CHAMADA

SISTEMA
AUTOR‐DATA

No
 sistema
 autor‐data,
 a
 indicação
 da 
 fonte
 é
 feita

pelo
 sobrenome
 do
 autor ,
 enGdade
 ou 
 utulo,

seguido 
 da 
 data
 de
 publicação
 do
 documento
 e
 da 

paginação. 


Os
 dados
 completos
 sobre
a
 obra
 constarão
 na 
 lista

de
 referências.


6/12/16


TIPOS
DE
SISTEMA
DE
CHAMADA
 SISTEMA
AUTOR‐DATA
 Exemplo:
 No
texto:

 “A
 habilidade 

TIPOS
DE
SISTEMA
DE
CHAMADA

SISTEMA
AUTOR‐DATA

Exemplo:

No
texto:


“A
 habilidade 
 humana 
 é
 a
 qualidade 
 que 
 o 
 administrador
 deve

ter
para
poder 
trabalhar
“(VICO
MAÑAS,
1993,
p .
51).

Na
lista
de
 referências:


VICO
MAÑAS,
Antônio.
 Gestão
de
 tecnologia.
São
Paulo:
 Érica,

1993,
p .
51.

TIPOS
DE
SISTEMA
DE
CHAMADA
 SISTEMA
AUTOR‐DATA
 As indicações de autoria (entre parênteses) devem
TIPOS
DE
SISTEMA
DE
CHAMADA

SISTEMA
AUTOR‐DATA

As indicações de autoria (entre parênteses) devem vir em
letras maiúsculas seguidas da data e páginas.
Um autor: (MCGREGOR, 1999, p. 1).
Dois autores: (MORAES; SOUZA, 1997)
Três autores: (DUDZIAK; GABRIEL; VILLELA, 2000)
Mais de três autores: (BELKIN et al., 2002)
Entrada pelo título: (O DESENVOLVIMENTO
,
2002)
Entidades: (COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPÉIAS,
2002).

TIPOS
DE
SISTEMA
DE
CHAMADA
 SISTEMA
NUMÉRICO
 Exemplo:
 
 
 
 Diz 
Severino:
“o
TIPOS
DE
SISTEMA
DE
CHAMADA

SISTEMA
NUMÉRICO

Exemplo:

Diz

Severino:
“o

discurso
cienufico
é
fundamentalmente
raciocínio
”.
(10)




Diz

Severino:
“o

discurso
cienufico
é
fundamentalmente
raciocínio
”.
 10


Nas
referências:


10.
SEVERINO,
Antônio
Joaquim .
 Metodologia
do
trabalho
cienZfico.
21.
ed.


São
Paulo:
Cortez,
2001.

TIPOS
DE
SISTEMA
DE
CHAMADA
 SISTEMA
AUTOR‐DATA

TIPOS
DE
SISTEMA
DE
CHAMADA

SISTEMA
AUTOR‐DATA

TIPOS
DE
SISTEMA
DE
CHAMADA
 SISTEMA
NUMÉRICO
 No
 sistema
 numérico,
a
 indicação
 da 

TIPOS
DE
SISTEMA
DE
CHAMADA

SISTEMA
NUMÉRICO

No
 sistema
 numérico,
a
 indicação
 da 
 fonte
 é
 feita
 por 
 algarismos 

arábicos
 em
 ordem
 crescente,
 alinhada 
 ao 
 texto,
entre
 parêntese

ou 
 situado 
 pouco 
 acima 
 da 
 linha 
 do
 texto
 após 
a
 pontuação
 que 

fecha
a
 citação.


Este
 sistema
 numérico
 remete
 para
a
 lista
de
 referência
 ao 
final
do

trabalho,
 que 
 deve
 obedecer
 à
 mesma
 ordem 
 numérica
 que 

aparece
no
 texto.

O
 sistema
 numérico
 não 
 deve
ser
 u/lizado
 quando,
no
 trabalho,

há 
 notas
de
 rodapé .

NOTAS
DE
RODAPÉ

NOTAS
DE
RODAPÉ


6/12/16


NOTAS
DE
RODAPÉ
 São
 notas
 que 
 aparecem
 no
 pé
 da
 página
 e
 servem
 para

NOTAS
DE
RODAPÉ

São
 notas
 que 
 aparecem
 no
 pé
 da
 página
 e
 servem
 para

referenciar
 citações,
 tecer
 comentários
 ou 
 observações
 pessoais 

do
 autor,
e
ainda 
abordar
pontos
que 
não 
aparecem
no
 texto.

As
 notas
de
 rodapé
 podem 
ser
 notas
de
 referência,
 quando 
 fazem

referência
 a
 alguma 
 citação
 no
 texto,
 ou 
 notas
 explica/vas,
 que 

servem
 para
 explicar
 algum
 conteúdo
 do
 trabalho 
 que 
 não 
 pode 

ser
colocado
no
 corpo
do
 texto.

A
 numeração
 das
 notas
 deve
 ser
 feita
 em
 algarismos
 arábicos,

com
numeração
única
e
consecuGva.

NOTAS
DE
RODAPÉ
 NOTA
EXPLICATIVA
 •  Exemplo:

 •  “[ ]
Weber 1 

acrescentou
o
NOTAS
DE
RODAPÉ

NOTA
EXPLICATIVA

•  Exemplo:


•  “[
]
Weber
1 

acrescentou
o 
presugio,
ou 
seja,
os 
juízos 
de

valor
que 
as
 pessoas 
fazem
umas 
das
 outras,
[ ].”

2
NOTA
REFERENCIAL











1 
 Intelectual
 alemão,
 jurista,
 economista
 e
 considerado
 um
 dos

fundadores 
da 
Sociologia .



 2 
 SILVA,
 Airton
 José
 da .
 O
 discurso
 sócio‐antropológico:
 origem
 e

desenvolvimento .
 Disponível
 em :
 <h}p://www.airtonjo.com/
socio_antropologico.htm#O%20Discurso%20Sócio‐
 Antropológico:
%20Origem%20e%20Desenvolvimento>.
 Acesso
 em:
17
 maio 
2007.

Nota
explicaGva
Nota
referencial


NOTAS
EXPLICATIVAS
 Exemplo:
 No
texto:
 Vimos 
 as
 principais 
 caracterísGcas
 do

NOTAS
EXPLICATIVAS

Exemplo:

No
texto:

Vimos 
 as
 principais 
 caracterísGcas
 do
 pensamento
 filosófico 
 e

quando 
a
 filosofia 
 nasce
 na 
 Grécia.
 Vimos 
 também
 os 
 traços
 que 

consGtuem
o 
ideal
cienufico. 1




No
rodapé
da
página:

1
 
Veja‐se
sobretudo 
a
 unidade 
4,
capítulos 
5
e
6.

NOTAS
DE
RODAPÉ
 •   Dentro
das
margens,
ficando
 separadas
do
 texto
 por
um

NOTAS
DE
RODAPÉ

•   Dentro
das
margens,
ficando
 separadas
do

texto
 por
um
 espaço
simples
e 
 por
um
 filete

de
5
cm,
a
 parHr 
 da
 margem
 esquerda
(fonte

menor 
 que
 o
 texto).


Notas
de
Referências
 Exemplo:
 
 8 RUIZ,
 J.
 A.
 Metodologia
 cienZfica :
 guia
 para

Notas
de
Referências

Exemplo:

8 RUIZ,
 J.
 A.
 Metodologia
 cienZfica :
 guia
 para

eficiência
 nos 
 estudos.
4.
ed.
São
Paulo:
Atlas,
1996.

SUPRESSÕES,
INTERPOLAÇÕES,
 COMENTÁRIOS,
ACRÉSCIMOS,
ÊNFASE
 E
DESTAQUES.

 •  
SUPRESSÕES,
INTERPOLAÇÕES,

COMENTÁRIOS,
ACRÉSCIMOS,
ÊNFASE

E
DESTAQUES.


•   Deverão
ser
 indicados
 dentro
de
 colchetes,
estejam
 eles 

no
início,
no
meio 
 ou
no
fim

do
parágrafo
 e/ou
 frase:

•   SUPRESSÕES:
indicadas
 por
 reHcências 
 dentro
dos

colchetes
=
[ ]

EX:






Segundo
 Bo}omore 
(1987,
p .
72)
 assinala 
“[ ]
a

Sociologia ,
embora
 não 
 pretenda
ser
mais 
a
 ciência 
 capaz

de
 incluir 
 toda
a
 sociedade 
[ pretende
ser
sinópGca .”



]


6/12/16


SUPRESSÕES,
INTERPOLAÇÕES,
 COMENTÁRIOS,
ACRÉSCIMOS,
ÊNFASE
 E
DESTAQUES.

 • 
SUPRESSÕES,
INTERPOLAÇÕES,

COMENTÁRIOS,
ACRÉSCIMOS,
ÊNFASE

E
DESTAQUES.


•  INTERPOLAÇÕES,
COMENTÁRIOS,
ACRÉSCIMOS:
indicadas

dentro
dos
colchetes
[
]

Ex:





 Weber
vê
como
objeGvo 
primordial
 da 
sociologia 
a
 captação

da 
relação
de
senGdo 
da
sociologia 
de
Marx
pode

ação
humana ,
[Um
resumo
da 


ser
encontrado
no
 célebre

"Prefácio"
da 
Contribuição
à
Crí?ca
da 
Economia
Polí?ca,

escrito
em
janeiro 
de
1859.]
ou 
seja,
chegamos 
a
 conhecer

um
 fenômeno
social
 quando 
o
compreendemos
como
fato

carregado
de
sen?do 
que
aponta
para
outros 
fatos

significa?vos .
 


fatos
 significa?vos .
 
 1 

JARDIM,
Laura.
Estudos
1 

JARDIM,
Laura.
Estudos 
sobre
centros
de
cultura.
2003.
93f.
 Trabalho
de
Conclusão
1 

JARDIM,
Laura.
Estudos 
sobre
centros
de
cultura.
2003.
93f.

Trabalho
de
Conclusão 
de
Curso
( Graduação
em
Biblioteconomia 
e

Ciência 
da 
Informação)
–
 Biblioteconomia 
e
Ciência 
da 
Informação,

Universidade
Federal
de
São
Carlos,
São
Carlos,
2003.


2 

Ibid.,
 p .
38.


3 
BUENO,
Francisco
da 
Silveira.
 Minidicionário 
da 
língua 
portuguesa .

São
Paulo:
FDT,
1996.
p .
350.


4 
JARDIM,
op.
cit.,
(conceito
baseado 
neste
intervalo
de
páginas )


5 

CANÔAS,
José
Walter;
LARA,
Ricardo.
A
precarização
do
 trabalho :


o 

caso
dos
 desempregados
e
subempregados
acima
de
40
anos 
do

setor
calçadista
de
Franca
–
SP.
In:


(Org.).
AGtudes

operárias
no
 processo
de
reestruturação
produGva
do
capital.

Franca:
Ed.
Unesp/FHDSS,
2003.
( conceito
baseado 
na 
obra).
 

SUPRESSÕES,
INTERPOLAÇÕES,
 COMENTÁRIOS,
ACRÉSCIMOS,
ÊNFASE
 E
DESTAQUES.

 •   •  
SUPRESSÕES,
INTERPOLAÇÕES,

COMENTÁRIOS,
ACRÉSCIMOS,
ÊNFASE

E
DESTAQUES.


ÊNFASE
E
DESTAQUES:
deverão
ser
 indicados
 em 
 grifo
/
negrito
/
itálico


Na
citação,
indicar
( grifo
 nosso)
( grifo
do
autor)
entre
parênteses
logo

após
data/página

•  
Ex:


“Se
 existe
 alguém
de
 quem 
 não 
 aceitamos
 um
 não,
é
 porque ,
na 
 verdade,

entregamos
 o 
 controle
de
 nossa 
 vida 
a
 essa
 pessoa .”
(CLOUD,
1999,
p .
129,

grifo
 nosso ).

Considerando 
 as
 dificuldades 
 enfrentadas
 pelos 

iniciantes
 no
 campo
 da 
 pesquisa ,
 este
 trabalho 
 foi 

elaborado 
 uGlizando 
 uma 
 linguagem
 simples
 e 

objeHva,
 fugindo 
 do
 tratamento
 técnico
 apresentado

pelos 
 vários
 autores.
 (PARRA
 FILHO,
 1997,
 p .
 45,

grifo
do
 autor).

 

[
]

vários
 autores.
 (PARRA
 FILHO,
 1997,
 p .
 45,
 grifo
do
 autor).

 
 [ ]
 Obrigada! 6

Obrigada!
Obrigada!