Você está na página 1de 37

20 15 20

3.00 4.00
20

20
1,20 x 1,00 / 1,20
3.20

COZINHA

Desenho Assistido
A = 9,60m²
80 x 2,10

por Computador
ESTAR/JANTAR

6.60

7.00
15

A = 26,40 m²

1.85 1.00
15
15
CIRCULAÇÃO
80x60/1,60

A = 1,95 m²
1.95

p/ Engª Civil Vol. 2


70/2,10
20

BANHO
1.10

A=3,6075 m²

90 x 2,20

- Modelagem 3D -
20
20

2,00 x 1,20 / 1,00

2.95 4.00
20 20 20
7.55

Ana Laura Felkl Cassiminho


Depto de Expressão Gráfica
Centro de Tecnologia - UFSM
Outubro / 2004
Cap. 1

INTRODUÇÃO
AO AutoCAD 3D
Cap.1 - Introdução ao AutoCAD 3D

1.1 Introdução

A utilização do software AutoCAD para o trabalho em 3D supõe o


conhecimento de várias ferramentas: comandos de desenho e edição
em 3D, comandos de visualização, sistemas de coordenadas, Model
Space e Paper Space.Todavia, este trabalho não pretende apresentar
todas essas ferramentas, mas sim aquelas mais utilizadas na execução
de um projeto arquitetônico em 3 dimensões, passando pela
modelagem dos sólidos em 3D (por sólidos entenda-se o prédio, com
todos os seus detalhes), pela execução das diversas vistas e cortes e pela
montagem final das pranchas de desenho, com margens e selo,
trazendo ainda algumas noções de impressão.
Primeiramente serão apresentados alguns conceitos e noções
importantes, após será detalhada a seqüência de trabalho passo-a-
passo para o projeto arquitetônico.

1.2 Sistemas de Coordenadas (WCS e UCS)

O AutoCAD permite que se trabalhe com “n” sistemas de


coordenadas diferentes, todos a critério do usuário, com exceção de
um: o Sistema Global de Coordenadas (WCS).
O sistema WCS (World Coordinate System) é o sistema padrão do
AutoCAD, possuindo a configuração mostrada a seguir, onde o plano xy é
o plano de trabalho em 2D e o eixo z é o eixo das alturas.

Outros sistemas de coordenadas, denominados UCS (User


Coordinate System) poderão ser criados, a critério do usuário, através do
comando UCS:
TOOLS
......
......
NEW UCS 3 Points
......

02 DEG - CT - UFSM
Desenho Assistido por Computador p/ Engª Civil - Vol. 2

Este comando possibilita várias maneiras de se criar um Sistema de


Coordenadas do Usuário, sendo muito utilizada a definição de um UCS
por 3 pontos, na seqüência:

1º) 1º Ponto: Origem do novo Sistema de Coordenadas;


2º) 2º Ponto: Um ponto qualquer sobre a porção positiva do
novo eixo x;
3º) 3º Ponto: Um ponto qualquer sobre a porção positiva do novo
eixo y.

Cabe ressaltar que o 2º e o 3º pontos podem ser informados com o


auxílio do OSNAP ou com coordenadas relativas em relação ao primeiro
ponto, sendo essas coordenadas referidas ao sistema que estiver
vigorando no momento, seja ele o sistema WCS ou qualquer outro UCS.

Exemplo: Deseja-se construir um novo sistema de coordenadas


(UCS), onde o plano de trabalho xy seja o plano inclinado do sólido
mostrado na figura:

1º) Chamar o comando UCS e escolher a opção 3 Points;


2º) Marcar a nova origem, com ENDPOINT, no ponto 1;
3º) Também com o ENDPOINT, marcar os pontos 2 e 3, definindo
o novo UCS.

Obs.: Note-se que o ponto de vista não será mudado. Maneiras de mudar
o ponto de vista serão discutidas adiante.

Ana L. F. Cassiminho 03
Cap.1 - Introdução ao AutoCAD 3D

1.3 Formas de Visualização

Quando se inicia um novo arquivo de trabalho, o desenho é


mostrado em uma vista plana, paralela ao plano xy do sistema WCS (Plan
View World UCS).
O comando 3D VIEWS permite que se mude o ponto de vista,
podendo-se visualizar o trabalho em 3D sob vários ângulos.
As maneiras de visualização mais comuns são as 6 vistas ortográficas e
as 4 isométricas, todas referidas ao WCS, independente de qual seja o
sistema corrente.
VIEW TOP
BOTTOM
......
3D VIEWS
SW ISO
SE ISO
......

1.3.1 Vistas Ortográficas

As vistas ortográficas
criadas pelo AutoCAD são as
vistas ortográficas usuais do
desenho técnico (Vistas
Frontal e Posterior, Superior e
Inferior, Lateral Esquerda e
Lateral Direita), designadas
em Inglês:

1.3.2 Vistas isométricas

As vistas isométricas são


designadas pelos pontos
colaterais Sudoeste (SW),
Sudeste (SE), Noroeste (NW) e
Nordeste (NE):

04 DEG - CT - UFSM
Desenho Assistido por Computador p/ Engª Civil - Vol. 2

1.4 Hide e Shade

É interessante comentar que todas as formas de visualização


discutidas mostram o objeto tridimensional no modo “estrutura de arame”
(WIREFRAME), ou seja, como se ele fosse completamente transparente,
visualizando-se todas as suas arestas, mesmo as que deveriam ficar
ocultas.
Para visualizar o objeto como um sólido sem muito trabalho, pode-se
utilizar o comando HIDE (Menu VIEW), que simplesmente esconde as
arestas ocultas, ou o comando SHADE (também do Menu VIEW), um
pouco mais requintado, que “pinta” as superfícies do objeto.
O comando SHADE apresenta várias opções, diferentes para o
AutoCAD 14 e para os AutoCAD seguintes:

1º) No AutoCAD 14, a opção mais interessante é:

VIEW

SHADE 256 Colors - Edge Highlights

2º) Para o AutoCAD 2000 e seguintes, uma opção que propicia


um bom resultado é:
VIEW

SHADE Gourad Shaded

No AutoCAD 14, as opções HIDE ou SHADE só funcionam


momentaneamente, não sendo possível a realização de nenhuma
operação enquanto esses comandos estiverem ativos. Qualquer opção
do comando ZOON (ou PAN) retorna ao modo "estrutura de arame”, bem
como o pressionar da tecla ESC.
No AutoCAD 2000, a opção SHADE pode ficar sempre ativada.
Qualquer trabalho pode ser realizado nessa situação. Para voltar ao
modo estrutura de arame deve-se escolher:

VIEW

SHADE 2D Wireframe

Ana L. F. Cassiminho 05
Cap. 2

NOÇÕES BÁSICAS
DE MODELAGEM 3D
Cap.2 - Noções Básicas de Modelagem 3D

Basicamente, a construção de um objeto em 3 dimensões pode


ser feita de duas maneiras distintas:

1º) Através de Superfícies, planas ou curvas;


2º) Através de Sólidos.

Em certos aspectos, trabalhar com superfícies (SURFACES) pode ser


mais fácil ou mais rápido do que trabalhar com sólidos (SOLIDS), mas o
trabalho com sólidos traz mais vantagens, pois:
Superfícies somente servem para estudo de forma e volumetria, ou
ainda para aplicação de texturas (RENDER), não se prestando bem à
criação de vistas planas, como fachadas, ou cortes (neste grupo
incluem-se as plantas baixas, que nada mais são do que cortes à altura
das janelas).
Sólidos, como são maciços, prestam-se bem a qualquer tipo de
serviço, incluindo renderização e estudo de volumetria.
De acordo com as justificativas apresentadas, a única forma de
modelagem 3D aqui apresentada será o trabalho com os sólidos.

2.1 Construção de Sólidos

2.2.1 Sólidos Básicos

O AutoCAD traz 6 sólidos considerados básicos, que podem ser


construídos facilmente:

BOX SPHERE CYLINDER

CONE WEDGE TORUS

14 DEG - CT - UFSM
Desenho Assistido por Computador p/ Engª Civil - Vol. 2

Deve-se lembrar que as bases desses sólidos são assentadas no


plano xy do sistema corrente ou em plano paralelo a este, e as alturas
são, por opção DEFAULT, medidas segundo o eixo z do sistema corrente.
Para construir sólidos assentados em planos diferentes do plano xy do UCS
corrente, é possível mudar o sistema UCS.
Serão discutidas, a seguir, as formas mais simples de criar cada
sólido básico, não sendo abordadas outras opções mais complexas
para cada um deles. Os sólidos básicos são obtidos do menu DRAW:
DRAW BOX
SPHERE
CYLINDER
SOLIDS CONE
WEDGE
TORUS

Exemplo: BOX (Paralelepípedo Retângulo)

É sempre desenhado com as arestas da base paralelas aos eixos


x e y. Caso seja necessário desenhá-lo com as arestas não paralelas
aos eixos x e y, primeiro deve-se desenhar o BOX e depois rotacioná-lo
(comandos ROTATE ou 3D ROTATE). Maneiras de construir um BOX:

1ª Maneira:
1. Informar um vértice da base (Ponto 1);
2. Informar o vértice da base oposto ao primeiro
(Ponto 2);
3. Informar a altura.

2ª Maneira:
1. Informar um vértice da base (Ponto 1)
2. Informar o vértice oposto segundo a diagonal
do sólido (Ponto 2).

3ª Maneira:
1. Informar um vértice da base (Ponto 1);
2. Teclar a letra "c" para criar um cubo;
3. Informar a medida da aresta do cubo.

Obs.: Para a criação dos outros sólidos básicos, basta seguir a seqüência
proposta pelo AutoCAD na Janela de Comandos.

Ana L. F. Cassiminho 15
Cap. 3

COMANDOS BÁSICOS
DE EDIÇÃO EM 3D
Cap.4 - Comandos Básicos de Desenho e Edição

22 DEG - CT - UFSM
Desenho Assistido por Computador p/ Engª Civil - Vol. 1

Ana L. F. Cassiminho 23
Cap.4 - Comandos Básicos de Desenho e Edição

24 DEG - CT - UFSM
Desenho Assistido por Computador p/ Engª Civil - Vol. 1

Ana L. F. Cassiminho 25
Cap.4 - Comandos Básicos de Desenho e Edição

25 DEG - CT - UFSM
Desenho Assistido por Computador p/ Engª Civil - Vol. 1

Ana L. F. Cassiminho 27
Cap. 4

PROJETO
ARQUITETÔNICO - 3D
Cap.5 - Projeto Arquitetônico - 3D

4.1 Escolha dos Layers

LAYER CONTEÚDO
0 Reserva, para ser usado quando necessário
Paredes1 Modelagem 3D das paredes do térreo
Paredes2 Modelagem 3D das paredes do segundo pavimento
Laje1 Laje de piso do pavimento térreo
Laje2 Laje intermediária (piso do segundo pavimento)
Laje3 Laje de forro do segundo pavimento
Escadas Modelagem 3D das escadas
Telhado Modelagem 3D do telhado

Obs.: Cores dos layers a critério do usuário, uma vez que não precisam
corresponder às cores associadas à impressão.

4.2 Início do Trabalho

A modelagem 3D de um projeto arquitetônico inicia pelas plantas


baixas simplificadas de todos os pavimentos que compõem a
edificação, em Layers diferentes mas dispostos lado a lado, com os
cortes nas paredes para a colocação das esquadrias:

Paredes1

30 DEG - CT - UFSM
Desenho Assistido por Computador p/ Engª Civil - Vol. 2

4.3 Modelagem das Paredes

4.3.1 Criação das Regiões


A planta baixa desenhada em 2D, usando objetos de desenho do
tipo LINE, deverá ser transformada em regiões, ou seja, em porções
limitadas (fechadas) do plano, de modo que se possa fazer a sua
extrusão. As regiões são objetos bidimensionais que possuem todas as
propriedades dos sólidos, podendo ser somadas e subtraídas, bem
como ter calculadas a suas Propriedades de Massa, como CG,
Momentos de Inércia, Produtos de Inércia, etc.
Se a opção SHADE estiver ativa, as regiões aparecem “pintadas”.
Para criar regiões:

1. DRAW - REGION
2. Selecionar todos os objetos <E>

Deverá aparecer como resposta na janela de comandos:


“n” loops extracted.
“n” regions criated

Obs.: “n” é o número de regiões que se deseja criar. As regiões somente


serão criadas se os contornos forem fechados com ENDPOINT.

Ana L. F. Cassiminho 31
Cap.4 - Projeto Arquitetônico - 3D

4.3.2 Extrusão das Regiões

1. DRAW - SOLIDS - EXTRUDE


2. Selecionar todos as regiões <E>
3. Digitar a altura de extrusão: 260 <E>
4. Digitar o ângulo de extrusão: 0 <E>

Obs.: A altura de extrusão é igual ao pé-direito (260 cm). O ângulo de


extrusão é sempre igual a zero para faces verticais. Essa operação já
deve ser feita em Vista Isométrica:

4.3.3 Vergas

As vergas (porção de parede acima das portas e das janelas) são


feitos com a criação de BOXES, marcando-se os dois cantos na parte
superior das paredes com o ENDPOINT e digitando-se a altura das vergas
com sinal negativo. Vergas Internas: 50 cm, vergas externas, 40 cm. Em
média, vergas externas são consideradas com altura igual a 1/7 do Pé-
Direito.

32 DEG - CT - UFSM
Desenho Assistido por Computador p/ Engª Civil - Vol. 2

4.3.4 Peitoris

Os peitoris (porção de parede abaixo das janelas) são feitos com a


criação de BOXES, marcando-se os dois cantos na parte inferior das
paredes com o ENDPOINT e digitando-se a altura do peitoril com sinal
positivo, conforme projeto.

Ana L. F. Cassiminho 33
Cap.4 - Projeto Arquitetônico - 3D

4.3.5 União de todos os Objetos

Após a colocação de todas as vergas e peitoris, deve-se fazer a


união de todos os objetos (1 Pavimento de cada vez), com o comando
UNION:

1. MODIFY - SOLIDS EDITING - UNION


2. Selecionar todos os objetos <E>

34 DEG - CT - UFSM
Desenho Assistido por Computador p/ Engª Civil - Vol. 2

OBS.: COMANDO 3D ORBIT - Para facilitar a visualização do modelo


arquitetônico sob todos os ângulos, pode-se usar o comando 3D Orbit,
disponível no Menu VIEW, bastando clicar em uma das “alças” sobre a
órbita e girar.

Ana L. F. Cassiminho 35
Cap.4 - Projeto Arquitetônico - 3D

4.4 Lajes

4.4.1 Laje de Piso do Térreo


A Laje de Piso é construída através da extrusão de uma polyline
traçada sob as paredes do térreo, contornando a casa. Layer: LAJE1.
Espessura da laje: 15 cm (como a extrusão deve ser feita para baixo, a
altura de extrusão é negativa.

4.4.2 Laje Intermediária


A Laje Intermediária serve de forro para o pavimento térreo e de piso
para o segundo pavimento. Segue a mesma metodologia da laje de
piso do térreo, mas deverá ser feita na parte superior das paredes do
térreo e a sua extrusão tem altura positiva (15 cm, também). Layer: LAJE2.
Observação importante: essa laje é construída somente uma vez, sobre
as paredes do térreo. Não é necessário construí-la também na parte
inferior das paredes do segundo pavimento.

36 DEG - CT - UFSM
Desenho Assistido por Computador p/ Engª Civil - Vol. 2

4.4.3 Laje de Forro do Segundo Pavimento


Construída a partir de uma polyline traçada sobre as paredes do
segundo pavimento. Deve-se, antes de fazer a extrusão dessa polyline,
verificar a existência de Beiral (aba). Caso exista beiral, deve-se criar um
offset da polyline que foi traçada, com distância de offset igual à largura
do beiral. A polyline original deve ser apagada e a extrusão será feita a
partir do offset. Altura de extrusão: 15 cm. Layer: Laje3.

Ana L. F. Cassiminho 37
Cap.4 - Projeto Arquitetônico - 3D

4.5 Telhado

4.5.1 Planejamento do Telhado


Antes de iniciar a modelagem 3D do telhado, é necessário planejar
o telhado da forma tradicional, determinando seu traçado e as alturas de
cada uma das partes. Ex.:

A H B

l1

G
F E
R R

D C
l2

Um bom método é dividir o telhado em retângulos, calculando a


altura de cada um deles através da fórmula:
l × i%
h=
2
Deve-se notar que a altura é calculada em função do lado menor
do retângulo, e que cada retângulo terá uma altura. A inclinação (i%)
pode ser dada em porcentagem (40% = 0,40) ou através da tangente
do ângulo de inclinação da face.

4.5.2 Construção do Telhado


Obs.: Ligar somente os Layers Laje 3 e Telhado.

1. Para cada retângulo, construir um box sobre a laje de forro com a


altura calculada. Para facilitar o trabalho, pode-se fazer a
seqüência com um retângulo de cada vez.
2. Na face superior do box, traçar o telhado, usando o comando
Line, e os comandos Fillet, Trim ou Extend para a concordância
das linhas. Para linhas a 45 graus, usar coordenadas iguais e x e y.

38 DEG - CT - UFSM
Desenho Assistido por Computador p/ Engª Civil - Vol. 2

1)

2)

3. Conformar cada um dos telhados com o comando SLICE:


DRAW - SOLIDS - SLICE
1. Selecionar o sólido (box) <E>
2. Marcar 3 pontos do plano de corte (”Água” do telhado);
3. Marcar 1 ponto do sólido sobre o lado que não será
cortado (Endpoint ou Midpoint)

Repetir o processo
uma vez para cada
“Água”

1
3

Plano de Corte (1-2-3)


2

Ana L. F. Cassiminho 39
Cap.4 - Projeto Arquitetônico - 3D

4. Após conformados todos os telhados, uni-los com o comando


UNION:

4.6 Escada

4.6.1 Traçado em 2D
Antes de iniciar a modelagem 3D da escada, é necessário traçar os
degraus da escada em 2D, no pavto térreo, preferencialmente no Layer
0.

4.6.2 Mudança do Sistema de Coordenadas


Após o traçado da escada em 2D, deve-se desligar todos os layers,
ficando somente com o Layer ESCADA e o Layer 0, estando em uso o
Layer Escada.
Deve-se escolher a Vista Isométrica que melhor mostre a lateral do
primeiro lance, para que se possa criar um novo sistema de
coordenadas, onde o plano xy seja o plano da lateral da escada.
Seqüência:

1. TOOLS - NEW UCS - 3 POINTS


2. Marcar o 1° Ponto, definindo a origem do novo sistema;
3. Marcar o 2° Ponto, definindo a direção x positiva;
4. Digitar as coordenadas do 3° Ponto, definindo a direção y
positiva: @ 0, 0, Z. (”Z” refere-se a um valor qualquer da
coordenada z, desde que positivo)

40 DEG - CT - UFSM
Desenho Assistido por Computador p/ Engª Civil - Vol. 2

Traçado da
Escada em 2D:

Escolha da
Isométrica:

Criação do
Novo Sistema:

Ana L. F. Cassiminho 41
Cap.4 - Projeto Arquitetônico - 3D

4.6.3 Traçado do Perfil Lateral da Escada


Usando os comandos LINE, FILLET, TRIM, EXTEND, COPY, OFFSET ...,
traçar o perfil lateral do primeiro lance da escada:

Traçado dos
degraus:

Traçado da
Laje
Inclinada:

42 DEG - CT - UFSM
Desenho Assistido por Computador p/ Engª Civil - Vol. 1

Perfil
Completo:

4.6.4 Criação da Região a partir do Perfil Lateral


Antes de usar o comando REGION, desligar o Layer 0, onde foi feito o
traçado da escada em 2D, ficando somente com o Layer Escada ligado
e ativo.
DRAW - REGION
Selecionar todo o perfil lateral <E>

Ana L. F. Cassiminho 43
Cap.4 - Projeto Arquitetônico - 3D

4.6.5 Extrusão do Perfil Lateral


Após transformar o perfil lateral em REGIÃO, deve-se fazer a sua
extrusão, usando como altura de extrusão a largura do degrau. Observar
o sinal dessa extrusão: se o sentido for contrário ao sentido positivo do eixo
z, a altura de extrusão deverá ser negativa. No exemplo, foi utilizado um
degrau de largura 100 cm, em sentido contrário ao eixo z.

DRAW - SOLIDS - EXTRUDE


Selecionar a região (Perfil Lateral) <E>
Digitar o valor da altura de extrusão: - 100 <E>
Digitar o valor do ângulo de extrusão: 0 <E>

4.6.6 Criação do Segundo Lance


O Segundo Lance de escada deverá ser feito de forma semelhante
ao primeiro, porém deve-se iniciá-lo pelo patamar, traçar todos os
degraus, e terminar com um pequeno patamar de aproximadamente
100 cm, para fazer o encaixe da escada na laje:

44 DEG - CT - UFSM
Desenho Assistido por Computador p/ Engª Civil - Vol. 2

4.6.7 União dos Dois Lances


O Segundo Lance da escada deverá ser movido (Comando MOVE)
para junto do primeiro, para que possam ser então unidos pelo Comando
UNION:

4.6.8 Voltar ao Sistema de Coordenadas Original (WCS)

TOOLS - UCS - WORLD

Ana L. F. Cassiminho 45
Cap.4 - Projeto Arquitetônico - 3D

4.6.9 Abertura da Laje para Passagem da Escada


A pós otérmino da escada, é necessário criar uma abertura na laje
intermediária (LAJE 2) a fim de permitir o acesso ao segundo pavimento
através da escada. Procedimento:
1. Ligar somente Laje2 e Escada;
2. Colocar o desenho na Vista Superior e em Modo Wireframe:
VIEW - 3D VIEWS - TOP
VIEW - SHADE - 2D WIREFRAME
3. Traçar uma POLYLINE contornando a escada: Layer Laje2;

4. Fazer a extrusão dessa Polyline, usando uma altura que permita


ultrapassar a face superior da laje, criando um sólido com a forma
da abertura que se deseja fazer.
5. Voltar para a Vista Isométrica:
VIEW - 3D VIEWS - SW ISOMETRIC

46 DEG - CT - UFSM
Desenho Assistido por Computador p/ Engª Civil - Vol. 2

6. Fazer a subtração LAJE - SÓLIDO:


MODIFY - SOLIDS EDITING - SUBTRACT
Selecionar a Laje <E>
Selecionar o Sólido <E>

7. Unir Laje e Escada - Comando UNION. Layer Escada ou Laje2.

Ana L. F. Cassiminho 47