Você está na página 1de 3

Aula 08 – Embargos de Terceiro

Arts. 674 -681

Objeto => fazer cessar constrição indevida (esbulho judicial);

Ex.: execução de “A” contra “B”. O devedor “B” indicou um bem à penhora que não é dele.
Logo, o devedor “B” deu causa à constrição indevida. Destarte, os Embargos de Terceiros
devem ser opostos contra o devedor “B”.

A sentença vai reconhecer a ação e declarar nula a constrição;

Diferente da oposição => quer o reconhecimento do domínio, enquanto no embargo de


terceiro há um processo onde houve uma constrição e quer fazer cessar a constrição, mas ela
não é uma demanda que visa conhecer a propriedade no dispositivo; ainda o objeto do
embargos de terceiro é diferente da ação principal, naquela se visa executar um bem, nessa
visa cessar o esbulho judicial, enquanto a oposição visa o reconhecimento do domínio, o que
se busca é o mesmo que se discute no processo primitivo.

Competência => distribuído na mesma vara que a ação primitiva, distribuída por dependência
e ficará em apenso (art. 676, CPC);

Exceção: quando há carta precatória e a constrição foi praticada pelo juízo deprecado e a carta
já tiver retornado ao juízo de origem, é lá que deve ser ajuizado.

Petição Inicial => art. 677, CPC;

Legitimação Ativa => art. 674, CPC 2015 => não é exaustivo;

Legitimação passiva => é quem se aproveita daquela constrição indevida (ex.: devedor que
indicou bens que não eram seus) => art. 677, §4º;

OBS.: se o ato é determinado em razão de requerimento da parte contrária da ação principal,


este é litisconsorte necessário nos embargos de terceiro (art. 6777, §4º, CPC), sob pena de
nulidade da decisão e extinção do processo (art. 115, I e parágrado único, CPC);

Prazo => art. 675, CPC 2015;

Valor da causa => consiste no valor do bem constrito, exceto se superior ao valor da execução,
caso em que corresponde ao valor desta (STJ).

Ainda: se por meio dos embargos procurar-se proteger apenas parcela do bem constrito, o
valor da causa coincide com o valor que se pretende resguardar pela tutela jurisdicional;

Suspensão do processo primitivo => total ou parcial;

CPC => só se concedida a tutela (art. 678, CPC);

Jurisprudência => assim que houver a oposição de embargos de terceiro;


Ex.: 10 bens penhorados e o embargo de terceiro só se refere a um => suspensão em relação a
este.

Dura até ser prolatada a sentença nos embargos de terceiro;

Citação do réu => na pessoa do advogado (regra).

Exceção: art. 677, §3º, CPC;

Para contestar em 15 dias (art. 679, CPC).

Obs: embargos oferecidos pelo credor com garantia real => hipóteses de defesa limitadas ao
art. 680, CPC.

Depois segue o procedimento comum

Sentença => sumula 303 STJ: quem deu causa a constrição é que vai arcar com a sucumbência.

Ex.: quem deu causa pq n fez a averbação do título aquisitivo.

Obs: como o procedimento comum é subsidiário, o réu quem arca.

Oposição

Arts. 682 – 686

A e B discutem o domínio de determinado bem e chega C (opoente) e diz que na verdade


aquele bem lhe pertence, no todo ou em parte => art. 682, CPC .

Diferente da oposição => quer o reconhecimento do domínio, enquanto no embargo de


terceiro há um processo onde houve uma constrição e quer fazer cessar a constrição, mas ela
não é uma demanda que visa conhecer a propriedade no dispositivo; ainda o objeto do
embargos de terceiro é diferente da ação principal, naquela se visa executar um bem, nessa
visa cessar o esbulho judicial, enquanto a oposição visa o reconhecimento do domínio, o que
se busca é o mesmo que se discute no processo primitivo.

Pólo passivo => obrigatoriamente autor e réu da ação primitiva => diferença com os embargos
de terceiro;

Dois pedidos: um contra o demandante e outro contra o demandado => duas ações.

Presuposto => que haja controvérsia sobre a titularidade da coisa ou do direito deduzido em
juízo.

Obs.: não cabe oposição na fase de cumprimento de sentença, no processo de execução e no


processo de desapropriação.

Prazo => até a prolação da sentença de primeiro grau no processo original (lembrar que o que
justifica a demanda é a existência de conexão entre a demanda do terceiro e a demanda
originária, depois de prolatada a sentença, não há que se falar);
Petição inicial = art. 319 e 320, CPC (art. 683, CPC);

Distribuição por dependência ao juízo perante o qual tramita o processo originário;

Citação => na pessoa do advogado (art. 683, parágrafo único);

Resposta => os opostos tem 15 dias para responder a oposição;

Obs.: o reconhecimento do pedido por um não impede o prosseguimento em relação aos


demais;

Trâmite e julgamento => art. 685, CPC => preferencialmente simultaneamente à ação
primitiva/originária/principal, sendo ambas julgadas pela mesma sentença;

Se oferecida antes da audiência de instrução e julgamento (dessa fase), será apensada aos
autos e seguirá simultaneamente => tem que ser decidida conjuntamente com a ação orginária
na mesma sentença;

Se oferecida depois da audiência de instrução e julgamento => o juiz colehrá todas as provas
desta e só então vai suspender a ação principal para que depois a oposição se iguale; OU se
decidir que a instrução conjunta da principal e da oposição é favorável, então determinará a
suspensão da principal para que a oposição chegue ao mesmo patamar e que elas possam ser
instruídas conjuntamente e julgadas em conjunto.

Obs.: cabendo ao juiz decidir entre uma e outra, a oposição será julgada em primeiro lugar,
devido à relação de prejudicialidade;