Você está na página 1de 12

Já sabemos o que é o gráfico de uma ação. Mas como nós vamos inserir as informações dentro desse gráfico?

Os candles tem por objetivo registrar o máximo de informações possível dos preços, da forma mais simples e intuitiva
que a gente consegue
Para que assim a gente possa usar essas informações para identificar o lado mais forte dentro dessa guerra entre
compradores e vendedores e nos alinhar a ele.
Cada candle vai representar a movimentação dos preços de mercado em um determinado período de tempo. Eles
podem então representar 1 dia, 1 semana, 1 mês, 1 ano ou mesmo 1 hora. Isso vai depender da periodicidade do
gráfico.
Dentro das nossas estratégias, para as oportunidades de Curto Prazo, nós vamos utilizar o gráfico de periodicidade
diária, ou seja, nele os candles representam um dia de movimentação do mercado.
Já para as operações de Day-Trade, nós vamos utilizar os candles de 60 minutos e de 15 minutos.
Pra gente poder aprender como funciona o candle, eu vou utilizar a periodicidade diária, mas é importante deixar
claro que o funcionamento do candle e a lógica é a mesma, independente se o candle é de 1 minuto ou de um ano.
Bom, existem 2 tipos de candle, o candle de alta e o candle de baixa.
O Candle de alta, vai representar um dia onde o preço de abertura do mercado, ou seja, o primeiro negócio que
ocorreu naquele dia, ocorreu abaixo do preço de fechamento, que é o último negócio que ocorreu naquele dia.
Então por exemplo, o mercado abriu lá às 10 da manhã e a ação trocou de mãos pela primeira vez no preço de R$
10,00, ela negociou durante todo o dia, e próximo do fechamento, que hoje ocorre às 17 horas ela fez seu último
negócio no preço de R$ 11,00. Nesse caso tivemos um candle de alta.
Já no candle de baixa é o contrário, o preço de abertura do mercado foi maior do que o preço de fechamento, ou seja,
o primeiro negócio feito com a ação no dia foi realizado à um preço mais alto do que o preço de fechamento. No caso
seria como se o primeiro negócio tivesse ocorrido por exemplo à 20 e o último no preço de 19.
No candle de alta, que vocês vão ver em verde dentro do gráfico do Toro Radar, o Preço de Abertura do Mercado fica
na base do retângulo e o preço de fechamento no topo do retângulo.
Já no candle de baixa, é o contrário, o preço de abertura do mercado fica no topo do retângulo, e o preço de
fechamento na base do Retângulo.
Agora o que são essas linhazinhas em cima e embaixo dos candles? Elas representam as mínimas e as máximas
daquele dia. No mercado a gente chama essas linhazinhas de "Sombras".
O topo da "Sombra" superior representa a máxima daquele dia e a sombra inferior a mínima. Isso tanto no candle de
alta como no de baixa.
Bom então vamos fixar isso olhando esse candle de alta. Vamos supor que ele representa um dia em que o mercado
abriu a R$ 10,00, fez mínima em R$ 9,50, depois chegou à máxima em R$ 11,50 e depois fechou em R$ 11,00.
Conseguiram entender? Então na base do retângulo eu tenho a abertura em R$ 10,00. No topo do retângulo eu tenho
o fechamento em R$ 11,00. Na sombra superior eu tenho a máxima em R$ 11,50 e na sombra inferior a mínima em
R$ 9,50.
Já no candle de baixa, as coisas são bem parecidas, com a única diferença é que a abertura fica no topo do retângulo
e o fechamento na base do retângulo. Assim como no candle de alta a máxima fica na sombra superior e a mínima na
sombra inferior. Vamos fazer um exemplo, o mercado abriu o dia no preço de R$ 11,00, fez a máxima no preço de R$
11,50, fez mínima em R$ 9,50 e fechou o dia no preço de R$ 10,00.
Durante o nosso curso, a gente vai aprender a como utilizar essas informações para nos ajudar a encontrar o lado
mais forte, e nos alinhar ao cenário de maior probabilidade de forma a tomar as melhores decisões.
Vamos ver agora como que os candles ficam dentro do gráfico?
Vejam que na tela de vocês, vocês estão vendo um gráfico, com eixo tempo e um eixo preço, onde os candles estão
inseridos, nesse gráfico cada candle representa um dia, então a abertura, fechamento, máxima e mínima se referem
à aquele dia, conforme novos dias vão surgindo novos candles vão aparecendo dentro do gráfico.
Observe, no entanto, que se eu mudar o gráfico para a periodicidade de 60 minutos, os candles vão deixar de
representar cada um um dia e passar a representar cada um uma hora. Então o preço de abertura e fechamento,
assim como a máxima e a mínima não vão ser mais do dia, mas daquela hora, e ao invés de um candle novo surgir a
cada novo dia ele vai surgir a cada nova hora.
Durante o dia, se vocês abrirem o gráfico do Toro Radar, você vai ver os candles sendo formados em tempo real, ou
seja, durante o dia, ele vai sendo criado, e os preços vão mudando, até que o dia fecha, aquele candle fica registrado
e no dia seguinte surge um novo, que mais uma vez vai sendo criado durante o dia em tempo real como você pode
ver de dentro do Toro Radar.
É em cima desse gráfico que nós vamos fazer a análise técnica das ações.
Agora que a gente já sabe que o que forma o preço das ações é uma grande guerra entre compradores e vendedores
e já sabemos olhar uma foto dessa guerra através do gráfico preenchido de candles, nós vamos aprender agora a
identificar as trincheiras dentro dessa guerra.
identificar onde eu tenho uma trincheira do exercito comprador, ou seja em quais patamares existe muita gente
querendo comprar aquela ação, pra que dessa maneira a gente consiga cumprir com o nosso objetivo que é estar do
lado mais forte e consequentemente do lado do cenário de maior probabilidade.
As trincheiras compradoras são chamadas de suportes, eles são patamares de preço onde existem muitas pessoas
dispostas a comprar uma ação, como vocês já sabem, quando nós temos muitas pessoas querendo comprar uma
ação o que acontece com os preços? Eles voltam a subir.
Então saber em qual preço existem muitos compradores interessados em adquirir aquela ação, vai nos ajudar a saber
em qual patamar de preço que a ação tende a parar de cair e voltar a se valorizar.
Como que eu vou identificar um patamar onde tem muita gente querendo comprar uma ação? Eu vou fazer isso
identificando fundos de preços anteriores.
Vamos pensa na lógica do mercado. Vamos supor que muita gente considera R$ 10,00 um preço bom para a ação Y,
sempre que a ação se aproximar desse preço, aquelas pessoas vão entrar comprando a ação, aumentando a
demanda em relação a oferta o que faz os preços subirem. Dentro da analise técnica não nos interessa o porquê elas
querem comprar por aquele preço, mas apenas saber que por aquele preço muita gente quer comprar a ação, e por
isso naquele patamar de preço a força compradora se torna predominante, a procura pela ação aumenta e os preços
voltam a subir.
E vocês vão ver que normalmente, onde a gente tem um suporte, que é o nome que a gente dá para essas zonas de
pressão compradora, o mercado normalmente forma vários fundos, porque sempre que o mercado cai até aquele
patamar, a força compradora volta a entrar forte e faz com que os preços se valorizem.
E aí a gente já começa a enxergar possíveis pontos de compra interessantes.
Será que não é interessante eu comprar a ação quando ela se aproxima de um suporte? É como se eu tivesse
entrando na guerra, sabendo que eu tenho um exercito gigantesco de compradores atrás de mim, que vão entrar na
briga comprando ações, aumentando a demanda em relação à oferta e fazendo com que os preços voltem a subir,.
Qual uma maneira inteligente deu me aproveitar disso? Montando uma compra na proximidade do suporte.
Neste curso, você vai aprender a identificar resistências e encontre excelentes pontos para se vender uma ação.
Assim como os suportes, são trincheiras compradoras, onde muita gente está disposta a comprar ações, as
resistências são trincheiras vendedoras, onde muitas pessoas vão estar querendo vender aquela ação.
Portanto, é bastante intuitivo imaginar que ao se aproximar dos patamares de resistência os preços tendem a cair, já
que a oferta de ações aumenta em relação à demanda nestes patamares.
Sendo assim, as resistências representam patamares interessantes para se realizar os lucros ou explorar
oportunidades na ponta vendida.
Para identificar uma resistência é muito fácil, basta traçar uma linha horizontal em regiões de topos anteriores para os
preços, já que essas regiões normalmente demarcam patamares de forte pressão vendedora.
Entenda os candles de reversão e identifique o momento exato em que o mercado "quica" e pode voltar a subir.
Como a gente havia comentado quando aprendemos o que eram os candles, o objetivo deles era nos fornecer
informações importantes sobre aquela grande briga entre compradores e vendedores, nos ajudando a entender qual
o lado mais forte e qual a tendência mais provável para os preços.
Assim ele vai ser uma ferramenta poderosíssima para nos apontar o instante ideal para podermos comprar ou vender
uma ação e identificar as tendências de curto prazo para os seus preços.
Exatamente como se fosse uma foto do momento exato em que uma bola de tênis esta quicando, ou seja, aquele
instante em que ela interrompe a queda e volta a subir.
Dentro disso, o primeiro tipo de candle que vamos estudar são os candles de reversão. Esses candles, vão nos
mostrar que uma ação cujos preços estavam caindo pode voltar a subir. Ou que uma empresa que tinha os seus
preços subindo pode em determinado momento voltar a cair.
Essas informações, quando combinadas com o que já sabemos sobre suportes e resistência, já vai nos dar insights
muito interessantes sobre bons pontos para comprar ou vender uma ação.
Bom, primeiro vamos ver o candle de reversão para alta. Esse candle, vai mostrar pra gente que uma ação que
estava caindo, pode, naquele momento, reverter as quedas e voltar a subir. É como se ele fosse a foto de uma
bolinha de tênis que está quicando no chão, no ponto exato em que ela vai mudar sua trajetória de queda e voltar a
subir.
Agora como eu identifico esse candle? Bom o candle de reversão para alta, tem como característica principal uma
sombra inferior longa do candle. Vocês se lembram o que essa sombra significa? Ela mostra pra gente aonde foi a
mínima para a ação no dia.
Então se uma ação formou um candle com sombra inferior longa, isso mostra pra gente que antes de fechar o candle,
a ação se valorizou bastante em relação à sua mínima, concorda? Então por exemplo, se a mínima da ação naquele
candle foi em R$ 10,00, e ela fechou em R$ 10,30.
Agora mais uma vez, vamos pensar o que isso pode significar pra gente dentro da lógica de mercado. Se o ativo se
valorizou muito em relação à sua mínima, isso mostra que, em algum momento, a força compradora voltou a se
tornar preponderante, e fez com que os preços se recuperassem em relação à mínima.
Se isso aconteceu próximo de um suporte, o que esse candle estaria mostrando pra gente, é que realmente existe
muita gente querendo comprar a ação naquele patamar de preços, e por isso, quando os preços chegaram lá, o ativo
não conseguiu continuar caindo, formou uma mínima e depois voltou a subir em seguida.
Por isso, um candle de reversão para alta, é um padrão muito mais poderoso se ocorrer em cima de um suporte.
Então se o mercado forma um candle de reversão para alta em cima de um suporte, temos um sinal forte de que o
mercado realmente pode estar quicando naquele patamar, e que a partir de agora, com a reentrada da pressão
compradora, os preços possam voltar a se valorizar.
Pensando assim, não poderia ser uma boa oportunidade quando uma ação faz um candle de reversão para alta em
cima de um suporte?
Vou mostrar um exemplo prático para vocês.
(exemplo no vídeo)
Já o candle de reversão para baixa é exatamente o contrário do candle de reversão para alta. Ele mostra pra gente
que uma ação cujos preços estavam subindo, agora pode voltar a cair no curto prazo devido à reentrada da pressão
vendedora.
Para identificar esse momento a lógica é a mesma do candle de reversão para alta. Nesse caso, a característica
principal do candle de reversão para baixa é uma sombra superior longa. Porque isso?
Porque a sombra superior longa vai mostrar que, depois de formada a máxima para os preços, a força vendedora
naquele patamar fez com que os preços voltassem a cair.
Se isso aconteceu próximo de uma resistência, o que esse candle estaria mostrando pra gente, é que realmente
existe muita gente querendo vender a ação naquele patamar de preços, e por isso, quando os preços chegaram lá, o
ativo não conseguiu continuar subindo, formou uma máxima e depois voltou a cair em seguida.
Então é um sinal forte de que o mercado realmente pode estar prestes a
voltar a cair devido a reentrada da pressão compradora, os preços possam voltar a se valorizar.
Pensando assim, não poderia ser uma boa oportunidade para vender uma ação e realizar os lucros quando uma ação
faz um candle de reversão para baixa em cima de uma resistência?
O Candle de força, ao contrário do candle de reversão, ele não vai mostrar a reversão do movimento prévio,
mas sim a força, o vigor, a continuidade da movimentação que já está acontecendo.
Vamos estudar primeiro o candle de força de alta. Ele vai demonstrar pra gente, que uma ação que estava
subindo e forma um candle de força, tem grandes possibilidades de continuar subindo.
Então ele vai ser um sinal da predominância da força compradora.
Como identificar esse candle?
Bom a primeira característica é um fechamento próximo da máxima. O fechamento próximo da máxima
mostra a confiança, a convicção do mercado de que aquela ação vai continuar subindo.
Uma segunda característica que queremos observar é um corpo de grande amplitude, ou seja, uma boa
distância em relação ao preço de abertura e o preço de fechamento.
Ou seja, uma ação que abriu em um determinado preço, subiu forte durante a formação do candle e fechou
aquele candle próximo da máxima. Isso mostra realmente a força, a convicção da pressão compradora.
Vamos montar um exemplo, vamos supor uma empresa que abriu a R$ 10,00, chegou a R$ 10,52 e fechou a
R$ 10,50.
Essa ação não fechou na máxima, que seria o ideal, mas fechou muito próximo da máxima, o que já é o
suficiente para mostrar pra gente que a força compradora é muito predominante naquele momento.
Agora em que tipo de situação que seria mais interessante eu observar um candle de força de alta? Vocês
lembram que o rompimento de uma resistência mostra a predominância compradora e a possibilidade de que
os preços possam continuar subindo?
Não seria interessante então, eu identificar uma empresa que além de estar rompendo uma resistência, o que
demonstraria força compradora, está fazendo isso com um candle de força? Eu teria o rompimento da
trincheira de força vendedora ocorrendo com força, com convicção da predominância compradora. Isso ia
aumentar bastante as chances de que os preços realmente continuem subindo.
EXEMPLOS PRÁTICOS.
Já o candle de força negativo vai mostrar o contrário para gente. Ele vai mostrar que um mercado que estava
caindo tem grandes chances de continuar se desvalorizando.
Tanto o seu significado quanto as suas características são exatamente o inverso do candle de força de alta.
Então no candle de baixa, eu vou ter um fechamento próximo da mínima, e um corpo de grande amplitude,
ou seja uma boa distância em relação ao preço de abertura e o preço de fechamento.
Vamos supor uma situação hipotética, pense em uma ação que iniciou o dia em R$ 10,00 e fechou em 9,70
na mínima. Isso mostra a predominância vendedora e a possibilidade de que os preços continuem caindo.
Esse sinal que aponta queda para os preços, é ainda mais forte se ocorrer no rompimento de um suporte,
exatamente pelo mesmo motivo que comentamos antes para o candle de força de alta.
Nessa aula nós vamos aprender a identificar o fôlego do Mercado.
Porque pessoal, vocês tem que entender que o preço das ações na bolsa de valores nunca sobem reto, sem parar, é
claro que durante um determinado período de tempo ela pode sim subir reto, mas até o momento que o fôlego acaba,
e aí o mercado precisa corrigir um pouco, cair um pouco, nem que seja para descansar um pouco, retomar o fôlego e
voltar a subir
Voltando para a analogia que estamos fazendo de uma grande guerra entre compradores e vendedores, é como se o
exercito comprador estivesse ganhando a guerra, avançando cada vez mais, mas que em determinado momento ele
estivesse já a 3 dias caminhando sem parar, sem comida, muito cansado, e isso fragiliza o exercito comprador a
ponto dele ter de recuar para as suas trincheiras, descansar um pouco, retomar o fôlego, para que possa voltar a
avançar assim que esteja fortalecido.
A mesma coisa acontece quando uma ação está caindo, ela não consegue cair pra sempre reto, mesmo que ela
esteja em tendência de baixa, em um determinado momento o fôlego da força vendedora se esgota, e a ação precisa
subir um pouco pra retomar o ar, pra que a força vendedora possa descansar um pouco, ganhar força, pra que depois
o mercado possa continuar a cair.
Nenhuma sobe sem parar e nenhuma ação cai sem parar, porque uma hora ou outra é como se o mercado ficasse
sem fôlego e precisasse de uma pausa, antes de continuar seguindo na mesma direção.
Então não seria interessante, a gente poder saber medir qual o fôlego que o mercado tem? Porque se o fôlego da
força vendedora está acabando para uma ação que está caindo, isso pode ser um bom sinal de que o mercado pode
vir a retomar as altas, o que nos ajudaria a encontrar um bom momento para comprar a ação.
Ao mesmo tempo, saber que uma ação que está subindo está perdendo o fôlego, também poderia nos ajudar a achar
momentos em que seria interessante realizar os lucros e esperar uma queda da ação para compra-la de novo.
E é exatamente o que vamos aprender a fazer agora, nós vamos aprender a medir o folego do mercado.
E para isso nós vamos usar um indicador chamado IFR ou Índice de Força Relativa, ele vai nos ajudar a mensurar
esse fôlego do mercado.
Esse indicador é nada mais do que uma linhazinha que varia entre 0 e 100. Ela sobe e desce como se fosse um
termômetro do cansaço do mercado. Se essa linha está acima de 97, isso mostra que a força compradora, que é
quem faz o mercado subir, está perdendo o fôlego e que por isso o mercado pode cair no curto prazo antes de
continuar subindo. Esse momento, em que o mercado já subiu muito e a força compradora está cansada, nós
chamamos de sobre-compra. Ou seja um mercado que está sobre-comprado.
Ao mesmo tempo, se essa linha chega abaixo de 3, isso mostra que a força vendedora, que é quem faz os preços
caírem, está perdendo o fôlego, está enfraquecendo, e que por isso é muito provável uma alta dos preços no curto
prazo. Esse momento em que a força vendedora está cansada e a ação já caiu muito a gente chama de sobre-venda,
então seria um mercado que está sobre-vendido.
Então quando o IFR está acima de 97, isso mostra que existe uma grande chance de que os preços caiam no curto
prazo, para aliviar o nível de sobre-compra, antes de continuar subindo.
Quando o IFR está abaixo de 3, isso mostra que existe uma grande chance de que os preços subam no curto prazo,
diminuindo o estado de sobre-venda mesmo que depois ele va retomar as quedas.
Veja no exemplo que tá na tela de vocês, como isso fica bastante claro. Nesse exemplo eu coloquei um gráfico dos
preços e embaixo o indicador IFR. Veja que quando o IFR desce abaixo de 3, normalmente o mercado forma um
fundo e volta a subir, e isso ocorre nem uma nem duas nem 3 vezes, isso acontece muitas vezes. O mercado vem
caindo, o IFR chega abaixo de 3, que é um estado de sobre-venda e então o mercado volta a subir. E isso se repete
várias vezes observem só.
Vejam que quando os preços sobem, o IFR volta para patamares mais altos, que é como se o mercado estivesse
recuperando aquele fôlego. Pensem no IFR como se fosse a oscilação de um pulmão, que contrai e dilata, contrai e
dilata. O mercado respira, sai daquela situação em que ele se encontrava e depois volta a se contrair.
A mesma coisa acontece com os movimentos de queda, veja que quando o IFR chega acima de 97, que é um estado
de sobre-compra, a força compradora perde o seu fôlego e os preços voltam a cair. Isso também se repete várias e
várias vezes.
A calibragem de IFR que utilizamos para a máxima performance tem a periodicidade de 2 dias. Complicou? hehe
você deve estar se perguntando onde e como achar e usar esse indicador. Boa notícia. Dentro do Toro Radar, você
já consegue usar esse indicador pronto. É só abrir seu gráfico. Escolher uma ação, depois clicar naquela setinha no
canto superior esquerdo. Aí você clica em "Aplicar Modelo" e Indicadores Toro. O IFR vai ser a linhazinha dourada
que apareceu para você, ela já está calibrada igualzinha a minha e a que toda nossa Equipe utiliza. Os outros
indicadores que apareceram aí são todos os que iremos aprender ainda ao longo do nosso curso.
Por isso que a gente tem um gráfico aí dentro do Toro Radar, para que vocês não tenha que se preocupar em achar
um gráfico, assinar o gráfico, configurar seus indicadores, não. Eu quero que você se concentre em aprender e em
aproveitar as melhores oportunidades e tomar as melhores decisões. Por isso que a gente descomplica todo o resto
para vocês.
Agora como combinar o IFR ao que a gente já aprendeu para identificar boas oportunidades.
Vamos pensar em como usar isso para encontrar um bom ponto de compra.
Vocês lembram que quando o mercado testa um suporte e forma um candle de reversão para alta isso mostra uma
enorme chance de que os preços subam no curto prazo? Agora imagina se além disso, o mercado fizesse isso já em
estado sobre-vendido, ou seja em uma situação que a força vendedora já está cansada, já está fragilizada.
É como se dentro daquela grande guerra, os preços estivessem se aproximando de uma trincheira do exercíto
comprador, onde tem muita gente disposta a comprar a ação, que é o suporte, e além disso a força vendedora já
estivesse muito enfraquecida, o que é mostrado pelo IFR em estado de sobre-venda, e além disso tudo, já
tivéssemos um sinal claro de que a briga realmente está virando a favor dos compradores, que é o que vemos com o
candle de reversão.
Não haveria então uma enorme probabilidade de alta para o preço das ações no curto prazo? Então não seria um
excelente ponto para pensar em comprar aquela ação?
Conseguem ver como cada vez mais vamos sofisticando nossa análise e ganhando qualidade na tomada de
decisão?

O preço das ações, quase sempre respeitam um certo limite de movimentação e isso vai ser essencial para nos
ajudar a achar excelentes oportunidades para comprar e vender ações.
Antes eu quero fazer uma analogia para que vocês entendam melhor isso.
Qual a temperatura da sua cidade agora? Se você estiver aqui na região Sudeste do Brasil, é bem provável que
esteja por volta de 26,27 graus, que é a temperatura média.
Agora qual o mínimo que a temperatura costuma chegar na sua cidade? Continuando no exemplo da região Sudeste,
eu diria que muito dificilmente a temperatura chegaria abaixo de 12, 13 graus. Ao mesmo tempo, ela não passaria
também de 38,39 graus, correto?
Agora vamos supor que você mora na região sudeste e que a temperatura da sua cidade fosse o preço de uma ação.
Se a temperatura da sua cidade tivesse em R$ 13,00, você acha que a maior chance seria dela subir ou cair? Se
você já sabe que ela quase nunca chega abaixo de 13, é muito obvio que a enorme probabilidade é a de que a
temperatura volte a subir, e por isso poderia ser uma excelente oportunidade de compra. Vamos supor então que
você comprou a 13. E nos 2 dias seguintes você teve um lucro enorme e a temperatura finalmente chegou a 38
graus. A partir daí você sabe que a chance de que a temperatura continue subindo é muito pequena não é? Então
não seria uma boa oportunidade de você realizar os lucros?
É exatamente isso que vamos aprender a fazer com as Ações, delimitar qual a faixa de preço mais provável para
aquela ação e aonde ficam os limites inferiores e superiores. Assim, quando a ação estiver próxima do limite inferior
pode ser um bom ponto de compra, enquanto quando estiver próxima do limite superior pode ser um bom ponto de
venda.
Agora qual a melhor maneira de determinar essa faixa?
Quando estávamos falando da sua cidade, a temperatura variava entre 13 e 38 graus certo? Isso dá uma variação
máxima em relação à temperatura média de por volta de 13 graus perfeito?
Agora pensa que você está no deserto do Saara. Lá a temperatura média pode ser por volta de 30 graus, entretanto,
ela vai de -5 graus à noite a 55 graus de dia. Então aqueles 13 graus de variação em relação à média que consegue
determinar uma faixa segura de movimentação da sua cidade não funcionaria para o deserto do Saara certo? Lá você
precisaria de uma faixa muito maior para conseguir predizer até onde a temperatura pode chegar, quem sabe uma
variação de 30, 35 graus em relação à média. Porque isso? Porque a temperatura no deserto do Saara possui uma
maior volatilidade.
Pensando nisso, para determinar os limites de movimentação para os preços das ações vamos utilizar duas
informações importantes: a média dos preços daquela ação e a volatilidade da oscilação de preços que ela
apresenta, para quem já estudou estatística, sabe que isso nada mais é do que o famoso Desvio Padrão.
Com isso, a gente constrói o que a gente chama de Bandas de Bollinger, que são essas duas linhas cinzas que você
vê se movimentando em volta dos preços da ação. As linha cinza de baixo, é como se fosse os 13 graus de mínima
que a gente comentava para uma cidade do sudeste, e a linha cinza de cima os 38 graus de máxima. Assim como a
temperatura da nossa cidade exemplo, 95% do tempo o preço das ações vai estar entre essas duas linhas.
Agora vocês podem ver que essas linhas se movimentam bastante em volta dos preços da ação. Porque isso
acontece? Porque diferente da média de temperatura da sua cidade, a média do preço das ações varia muito
conforme o tempo passa. Isso faz com que a faixa mais provável de preço para as ações oscila bastante. Nós
utilizamos uma média do preço nos últimos 20 dias para construir as nossas Bandas de Bollinger.
Agora você pode observar também que além dela subir e descer muito, a distância das linhas em relação à média
também muda muito, tem hora que elas estão próximas da média como se fosse uma cidade do sudeste onde a
variação em relação à média é no máximo de 13 e tem hora que ela mais parece a do deserto do Saara, que varia
até 35 graus em relação à média. Isso é muito fácil de perceber quando você vê que existem momentos em que as
bandas estão estreitinhas e momentos em que elas estão distantes. Porque isso acontece? Porque diferente da sua
cidade e do deserto do Saara, a volatilidade das ações não é fixa, ela muda ao longo do tempo. Existem épocas em
que a variabilidade do preço das ações é muito alta e momentos em que a variabilidade do preço das ações é muito
pequeno, e as Bandas de Bollinger se ajustam a isso, nos ajudando a sempre manter uma faixa confiável de preços.
Vamos agora aprender a usar as Bandas de Bollinger para encontrar boas oportunidades.
Vejam o gráfico que tem na tela de vocês.
Observem como na enorme maioria das vezes os preços se encontram dentro da área delimitada pelas Bandas de
Bollinger.
E vejam outra coisa, como que, quando os preços se aproximam da extremidade inferior das Bandas, né daquela
linha que marca o limite inferior, os preços tendem a voltar a subir. olha como isso é um padrão que se repete
também várias e várias vezes. Os preços se aproximam da linha inferior e voltam a subir, assim como se fosse um
gráfico da temperatura da sua cidade com uma linha inferior em 13 graus. Quase sempre que a temperatura chega ali
volta a subir.
Da mesma maneira, veja que sempre que os preços se aproximam da extremidade superior das Bandas, que é
demarcada por uma linha superior, os preços tendem a voltar a cair.
Se eu combinar isso com o IFR, vocês vão ver que esse padrão fica ainda mais confiável. Quando os preços chegam
próximos da extremidade inferior das Bandas de Bollinger, e além disso o IFR está abaixo de 3, a chance de que os
preços voltem a subir é altíssima. Então quando isso acontece poderíamos ter boas oportunidades de compra
daquela ação.
Da mesma maneira, quando o IFR chega acima de 97 e os preços se aproximam da extremidade superior das
Bandas de Bollinger, os preços voltam a cair. Portanto quando isso acontece, teríamos boas oportunidades de vender
aquela ação.
Agora vamos juntar o que a gente já aprendeu até agora para pensar como estamos evoluindo.
Imagina que os preços da ação se aproximam de uma zona de suporte, que é onde muita gente está disposta a
comprar a ação, faz isso já em elevado nível de sobre-venda, o que mostra que a força vendedora já está sem fôlego,
além disso com os preços próximos da extremidade inferior das Bandas de Bollinger, que demonstra que existe uma
enorme chance de que os preços voltem a se valorizar e por último eu ainda tenho a formação de um candle de
reversão para alta, que me mostra que o jogo já está virando a favor dos compradores?
Veja que quando eu combino os vários indicadores que a gente aprendeu, eu começo a enxergar cenários de
altíssima probabilidade de que os preços venham a subir quando ocorre a convergência entre esses vários
indicadores.
Saiba quando o mercado está acumulando forças para acelerar as altas.
Vocês já ouviram falar, que os terremotos mais fortes ocorrem naqueles lugares aonde não ocorrem tremores há
séculos?
Isso acontece porque quando não há tremores, a energia não é dissipada, mas sim acumulada e aí quando ocorre
um estopim, bum! Toda essa força é liberada na forma de um tremor gigantesco de terra.
Essa lógica também se aplica à natureza do Mercado de Ações, e nessa aula vamos aprender a explorar isso para
encontrar excelentes oportunidades.
No mercado de ações, esse acumulo de forças ocorre quando observamos uma queda na volatilidade na oscilação
dos preços da ações, nós chamamos isso de congestões. Ou seja, quando as ações começam a oscilar menos do
que o normal, exatamente como acontece antes dos grandes terremotos. Esse comportamento mostra que a briga
entre compradores e vendedores está extremamente acirrada, o que está fazendo com que os preços não se
movimentem muito.
É como uma super queda de braço que está extremamente equilibrada.
Esse tipo de situação dura até que ocorra algum desequilíbrio a favor de algum dos lados, e quando esse
desequilíbrio acontece, bum, o mercado explode para cima ou para baixo.
Sabendo disso, se nós conseguirmos encontrar empresas que estão em processo de congestão, aonde o mercado
está acumulando forças e aprender a identificar o momento exato daquele desequilíbrio que vai ser o estopim para o
mercado explodir, nós conseguimos capturar altas maravilhosas para o mercado. E é isso que vamos aprender aqui.
Uma congestão pode ser identificada, quando os preços da ação começam a oscilar entre zonas de suporte e
resistência próximas. Ou seja, pensa que nós temos uma trincheira compradora, um suporte, em R$ 10,00. E uma
trincheira vendedora, uma resistência, em R$ 10,40. E os preços começam a oscilar dentro da região delimitada por
esse suporte e essa resistência.
Agora como medir a intensidade do acumulo de forças que está ocorrendo? Como nós conversamos agora, o sinal
mais forte de acumulo de forças é a queda na volatilidade, é assim tanto para as placas tectônicas que formam os
terremotos como para o preço das ações. Para isso nós temos uma ferramenta muito eficaz. Quando nós estudamos
as Bandas de Bollinger, aprendemos que elas se ajustam ao aumento ou diminuição da volatilidade das ações.
Quando a volatilidade aumenta a distância das linhas das Bandas em relação à média aumentam e quando a
volatilidade diminui essa distancia também diminui. Quando a volatilidade diminui, a distância entre a extremidade
superior e inferior das Bandas fica menor, ou seja, as Bandas de Bollinger se estreitam. Esse estreitamento, essa
contração das Bandas de Bollinger, vai mostrar pra gente que a volatilidade está caindo, e que portanto o processo
de acumulo de forças está se intensificando e que aquela ação está acumulando forças para, em breve, se
movimentar de maneira muito intensa.
Agora quando que ocorre o desequilíbrio na briga entre compradores e vendedores que libera aquela força, aquela
energia represada?
Vocês lembram que quando ocorre o rompimento de uma resistência de uma trincheira vendedora, isso demonstra a
força compradora tomando conta do mercado?
Então não seria intuitivo, pensar que após uma longa congestão, um longo processo de acumulo de forças do
mercado, o rompimento de uma resistência, poderia ser o estopim para a liberação da força acumulada durante o
processo de congestão e dessa forma para a aceleração das altas?
Sendo assim, seria interessante eu monitorar uma congestão e buscar por oportunidades de compra quando, após a
congestão, o mercado rompe uma resistência. E isso seria melhor ainda se isso ocorresse com um candle de força
de alta, que mostraria como a força compradora realmente está desequilibrando a briga.
Deixa eu mostrar um exemplo real para vocês entenderem isso melhor.
Da mesma forma, se eu tiver uma congestão, e depois o rompimento do suporte, que é a estrutura inferior da
congestão, eu vou ter grandes chances de que o mercado acelere as quedas. Principalmente se isso ocorrer com um
candle de força de baixa.
Dentro de uma guerra, qual exercito tem maiores chances de vencer as trincheiras inimigas?
O que tem 1 milhão de soldados ou o que tem mil?
Com certeza, o exercito com 1 milhão de soldados tem muito mais chances de vencer as trincheiras inimigas e
continuar avançando.
Dentro do mercado de ações, conforme vocês aprenderam, a lógica se assemelha muito com a de uma grande
guerra entre compradores e vendedores, cujo resultado final é o preço das ações.
Nessa analogia, quando temos um candle de força de alta, qual teria maior significado, o que vence a trincheira
vendedora com 1 milhão de soldados do exercito comprador ou um candle identico mas que vence a trincheira com
apenas mil soldados?
No mercado de ações, o número de soldados é representado pelo Volume Financeiro. Quanto maior o volume
financeiro, maior a consistência daquele sinal.
E O volume financeiro nada mais é do que a quantidade em dinheiro que foi negociado daquela ação em um
determinado período.
Quer ver, deixa eu dar um exemplo. Pense em um dia que, no fim das contas, 10 milhões de ações da Vale do Rio
Doce trocaram de mãos. Ou seja, 10 milhões de ações foram vendidas, e portanto 10 milhões de ações foram
compradas. Se cada ação vale R$ 27, multiplicando o valor da ação pela quantidade de negócios saberíamos que as
ações da Vale tiveram volume financeiro de R$ 270 milhões de reais naquele dia.
Dentro do gráfico, o volume financeiro é essa barra cinza que vocês estão vendo. Cada candle tem uma barrinha de
volume financeiro correspondente que aponta qual foi o volume financeiro na formação daquele candle.
Como que eu vou utilizar essa informação? Se eu estou vendo um mercado romper uma resistência com um candle
de força de alta, que é aquele candle com corpo de grande amplitude e um fechamento próximo da máxima, mas que
está ocorrendo com um volume financeiro muito baixo, isso pode ser um indicio de que aquele sinal pode não ser tão
consistente.
Agora ao mesmo tempo, se eu vejo um candle idêntico, rompendo uma resistência, porém com um volume muito alto,
isso é um sinal de que a chance daquela tendência de alta para os preços se confirmar é muito maior.
Agora como que eu sei se o volume financeiro é foi alto ou baixo?
Você tá vendo uma linhazinha verde correndo sobre as barrinhas do volume financeiro? Essa linha é uma média do
volume nos últimos 21 dias. Então se o volume financeiro estiver acima da linha, isso quer dizer que o volume
financeiro naquele candle foi acima da média.
Por outro lado, se a barrinha de volume estiver abaixo da linha, isso aponta que o volume financeiro daquele dia está
abaixo da média.
Vamos ver alguns exemplos reais de como nós usamos isso para explorar boas oportunidades?
Uma coisa importante é que o mesmo vale para um candle de força para baixa. Se ele ocorre com volume financeiro
acima da média, o sinal gerado é muito mais consistente, ou seja, a chance de continuação das quedas é muito maior
do que se o volume financeiro fosse abaixo da média.
Você já tentou medir se você está engordando ou emagrecendo? Não, você não entrou no curso errado, já já você
vai entender como essa comparação vai te ajudar a investir em ações.
Qual será a melhor forma de você entender o quanto antes se você está emagrecendo, engordando ou ficando na
mesma?
Muita gente vai falar que é só subir na balança todo dia que você vai conseguir ver isso.
Entretanto, se você subir todo dia na balança, você vai ver que um dia parece que você está um pouco mais pesado,
outro dia está um pouco mais leve, outro dia parece que você está na mesma, mas vai ser muito difícil ter uma visão
clara da tendência real para o seu peso. Isso porque existe uma volatilidade natural do seu peso independente de
você estar no caminho certo ou errado para emagrecer.
Aí alguém vai falar, não é muito fácil, é só eu subir de 1 em 1 mês na balança e ver o que está acontecendo. Perfeito,
entretanto, quando o assunto é o mercado de ações, se você tiver que esperar tanto para saber qual a tendência
normalmente vai ser tarde demais para encontrar uma oportunidade.
E a solução para isso se chama Média Móvel.
Imagina que você anotasse todo o dia o seu peso mas, ao invés de analisar esses números voláteis de cada dia,
usasse eles para calcular a média do seu peso nos últimos 5 dias. A cada novo dia, o peso de 5 dias atrás sai do
cálculo da média e o seu peso naquele dia entra no calculo.
Se você começasse a fazer isso e anotasse a média dos últimos 5 dias a cada novo dia, você veria que aquela
volatilidade do dia a dia desapareceria, e surgiria uma tendência clara para o que está acontecendo com o seu peso.
Se ele está realmente ta tendendo para continuar caindo ou subindo.
E porque que isso acontece? Porque apesar de no dia a dia seu peso poder oscilar, um dia você suou mais, outro dia
você bebeu mais água, existe sempre um peso de equilíbrio escondido. E a média dos últimos dias te mostra esse
peso de equilíbrio, e ao entender a tendência para esse peso de equilíbrio você vai descobrir se você está
engordando ou emagrecendo.
Então, ao suavizar as oscilações do dia a dia, as médias móveis conseguem te ajudar a encontrar as tendências para
o preço das ações, mostrando como o preço de equilíbrio daquela ação está evoluindo. E ela consegue te mostrar
isso cedo o suficiente para que você possa se antecipar e encontrar boas oportunidades.
As médias móveis mostram pra gente o equilíbrio em movimento.
Se você anotar a cada dia a média dos preços da ação nos últimos dias e marcar um pontinho para cada dia e depois
traçar uma linha, você vai ter o seguinte: se aquela linha está ascendente, isso mostra que o preço de equilíbrio para
aquela ação está subindo, e por isso a tendência para aquela ação pode ser de alta. Ao mesmo tempo, se você ligar
os pontinhos e ver que a linha está descendente, isso pode mostrar que a tendência para os preços é de baixa.
Para fazer a análise das ações, a gente usa duas médias móveis, uma de 9 dias (ou seja, calculada considerando os
últimos 9 dias) e outra de 21 duas (que é calculada considerando a média dos últimos 21 dias).
Para encontrar um papel em tendência de alta, o ideal é ver as duas médias ascendentes e preferencialmente a
média móvel de 9 dias acima da média móvel de 21 dias.
Agora como eu faço para calcular essas médias? Tenho que ficar fazendo conta e marcando pontinho? Se você
tivesse nascido nos anos 80 sim, mas hoje a gente faz esse cálculo automático e em tempo real para você. Veja que
no Gráfico do Toro Radar, ao você aplicar o Modelo de Indicadores Toro, já irão aparecer as duas médias. A de 9
dias aparece em verde e a de 21 dias em Vermelho.
Antes de eu mostrar um exemplo real de mercado para o uso das médias móveis, eu queria falar o seguinte, as
médias móveis que nós utilizamos são exponenciais, o que isso quer dizer, quer dizer que dentro do calculo delas é
dado maior peso para os dias mais recentes do que para os dias mais antigos. Isso ajuda a gente a conseguir ter
maior agilidade para tomar decisões.
Agora vamos ver essas médias funcionando na prática para mostrar as tendências?
Quando vocês aprenderam sobre o IFR, que mostrava pra gente o Fôlego do Mercado, eu falei com você que o
mercado não sobe nem cai reto certo? Por mais que ele possa durante um período subir ou cair sem parar, uma hora
ou outra ele precisa voltar para literalmente retomar o fôlego.
Portanto, mesmo que uma ação esteja em uma tendência de alta, ela sobe formando um zigue zague ascendente.
Da mesma maneira, mesmo em uma tendência de baixa, ela cai dentro de um zigue zague descendente.
E todo zigue zague tem uma coisa em comum, a formação de topos e fundos. E ao estudarmos esses topos e
fundos, isso vai nos ajudar a identificar a tendência para uma ação.
Quando uma ação está em tendência de alta, ela forma topos e fundos para os preços cada vez em patamares mais
altos.
Quando uma ação está em tendência de baixa, ela forma topos e fundos para os preços cada vez em patamares
mais baixos.
Então uma boa forma de descobrir qual é a tendência de uma ação é marcando os topos e fundos para os preços
dela.
Veja só. Para determinar uma tendência de alta eu preciso ver pelo menos 2 topos e 2 fundos consecutivos que
estejam ascendentes.
Veja só esse exemplo, eu tenho um fundo, depois um topo, depois um fundo em um preço mais alto que o anterior e
depois um topo mais alto do que o anterior. Isso mostra para mim uma ação que pode estar em tendência de alta
para os seus preços.
Da mesma maneira, se eu tenho um fundo, depois um topo, depois um fundo em um preço mais baixo do que o
anterior e depois um topo mais alto do que o anterior, isso mostra para mim que uma ação pode estar em tendência
de baixa para os seus preços.
Agora porque que o preço das ações se movem em tendências? Isso é algo que estudamos lá no comecinho, quando
aprendemos que o que forma os preços da ação é simplesmente a interação entre compradores e vendedores. E
esses compradores e vendedores nada mais são do que seres humanos, e seres humanos tem por natureza se
comportarem dentro de tendências.
Uma forma de você ter ainda mais segurança para definir uma tendência, é acrescentar a isso o que nós aprendemos
sobre as médias móveis. Se além de os preços de uma ação estarem formando topos e fundos ascendentes eu tiver
as médias móveis positivamente inclinadas, isso reforça a perspectiva positiva para a ação.
Da mesma forma, se uma ação está formando topos e fundos descendentes e apresenta as médias móveis
negativamente inclinadas, isso mostra para mim que a tendência para aquela ação pode ser de baixa.
Uma das coisas que nós aprendemos com a Análise Técnica, é que o Mercado de Ações se parece com uma grande
guerra lutada por 2 exércitos, o exercito comprador e o exercito vendedor e cujo resultado é o preço das ações.
Quando o exercito comprador está avançando os preços estão subindo e quando o exercito vendedor está
avançando os preços estão caindo.
Agora uma coisa interessante de se pensar, é que se eu estou avançando com 1 milhão de soldados e com esse
número crescendo, isso é muito diferente de eu estar avançando com mil soldados e com esse número caindo.
Agora como que eu consigo medir o número de soldados?
Como a gente aprendeu, o Volume Financeiro de negociação, é a representação desses soldados dentro do mercado
de ações.
Então em uma tendência de alta, eu quero ver o mercado subindo com volume financeiro alto e caindo com o volume
financeiro baixo.
Ou seja, o exercito comprador atacando com muitos soldados e o exercito vendedor com poucos.
Com essa informação, eu consigo saber uma informação muito importante: Nós conseguimos descobrir aonde os
grandes investidores estão investindo. Porque essa diferença no número de soldados normalmente é causada pelo
posicionamento de grandes investidores, grandes players do mercado que respondem por grande parte do volume da
bolsa.
Agora porque a gente quer saber de que lado os grandes investidores estão lutando?
Por causa de 3 motivos:
1 - Por que eles são melhor informados.
2 - Porque eles tem muito dinheiro para investir. E se eles tem muito dinheiro eles afetam muito o rumo da guerra
entre compradores e vendedores. Se tem alguém querendo comprar 300 milhões de reais de uma ação que negocia
50 milhões por dia isso vai fazer com que os preços subam muito.
3 - Porque somos pequenos. A possibilidade de seguir os grandes é uma vantagem exclusiva dos pequenos e nós
temos que aproveitar isso. Um grande investidor não consegue seguir outro grande, porque não existe espaço para
os dois, eles são grandes demais para passar na mesma porta. Eles podem até estar apostando na mesma direção,
agora um não consegue surfar na onda do outro. Simplesmente porque quando eu to
comprando muito dinheiro em ações, e aí eu falo de algumas dezenas de milhões até bilhões, eu não consigo ficar
entrando e saindo do mercado, porque se não eu acabo me ferrando. Porque quando eu quero vender os preços
caem e quando eu quero comprar os preços sobem. Existe um custo grande de entrada e saída para esse pessoal.Já
para nós, que estamos investindo, milhares de reais, ou dezenas de milhares de reais ou centenas de milhares de
reais ou quem sabe até alguns milhões, nós não temos esse custo. A gente consegue ser pequeno o suficiente para
entrar e sair rápido do mercado sem causar estragos e sem ter um custo grande de entrada e saída.
Agora como que eu consigo saber se o volume financeiro está sendo maior nas altas ou nas baixas?
Existe um indicador que chama Acumulação/Distribuição que pondera o volume financeiro com as oscilações de
mercado e assim nos mostra se, na média o volume está sendo maior nas altas ou nas baixas.
Se o indicador de Acumulação/Distribuição está ascendente, isso mostra que o volume financeiro está entrando
apostando na alta da ação, e que o exercito comprador está em vantagem no número de soldados.Isso normalmente
demonstra que os grandes investidores estão apostando na alta daquela ação e por isso estão comprando
Se além disso, eu tenho a formação de topos e fundos ascendentes e as médias móveis positivamente inclinadas,
isso me mostra uma tendência de alta para os preços.
Da mesma forma, se o Indicador de Acumulação/Distribuição está descendente, isso mostra que o volume financeiro
está apostando na queda da ação, e que o exercito vendedor está ficando mais forte. Muitas vezes isso mostra que
grandes investidores estão se desfazendo de suas ações ou apostando na baixa.
Quando começamos o Curso sobre Analise Técnica, eu falei com vocês que a análise Técnica é excelente para
definir as tendências de curto e médio prazo para as ações, enquanto a Análise Fundamentalista é a mais indicada
para definição das tendências de Longo prazo.
Agora que vocês já conhecem os indicadores, eu queria esclarecer para vocês o que é curto e médio prazo e como
vocês vão definir a tendência de cada um deles.
A tendência de curto prazo, mostra qual o cenário mais provável para acontecer com os preços no período de 1 a 5
dias.
Para definir as tendências de curto prazo, as ferramentas que vocês aprenderam mais indicadas são os suportes e
resistências, os Candles, o IFR, as Bandas de Bollinger e o Volume financeiro.
Se você não se lembra bem como elas funcionam ou como saber através delas se a tendência é de alta ou de baixa,
eu recomendo que você reveja os cursos sobre essas ferramentas.
Já a tendência de Médio prazo, aponta o cenário mais provável para acontecer com os preços no prazo de 5 a 90
dias.
Para definir a tendência de Médio prazo, as ferramentas indicadas são as médias móveis, os topos e fundos e o
indicador de Acumulação/Distribuição.
Se tiver dado um branco sobre algum deles, eu recomendo também rever os cursos sobre eles.
Agora como ganhar sensibilidade prática para saber usar esses indicadores para definir tendências dentro de
cenários reais?
Pra isso eu recomendo fortemente que vocês acompanhem as análises enviadas pela nossa Equipe. Lá vocês
sempre conseguem ver as tendências de curto e médio prazo, conseguem ver um texto explicando o que nossa
equipe acha da ação, além de ter um gráfico já analisado, as zonas de suporte e resistência mais próximas e os
possíveis pontos interessantes para se comprar ou vender o papel.
Outra dica é utilizar o chat para tirar dúvidas em tempo real sempre que elas surjam. A ideia aqui é que você possa
consolidar na prática o que foi aprendido e possa contar com a ajuda da nossa Equipe para tomar as melhores
decisões.
No próximo módulo de cursos, nós vamos aprender a combinar esses indicadores dentro de estratégias objetivas,
que vão nos ajudar a saber o momento exato para se comprar ou vender uma ação.