Você está na página 1de 28

Interbits – SuperPro ® Web

1. (Ime 2017)

A figura acima apresenta uma estrutura em equilíbrio, formada por uma barra horizontal CE e
duas barras verticais rotuladas AC e BD. Todas as barras possuem material uniforme e
homogêneo e as barras AC e BD têm peso desprezível, enquanto a barra CE tem densidade
linear de massa μ. Na extremidade da barra CE, há uma carga concentrada vertical, de cima
para baixo, de 1,8 kN. Para que a força de tração na barra BD seja 8,1kN, a densidade linear
de massa μ da barra CE, em kg m, e a força em módulo na barra AC, em kN, devem ser
iguais a:

Dado: aceleração da gravidade: g = 10 m s2 .


a) 40 e 3,6
b) 40 e 4,5
c) 60 e 3,6
d) 400 e 4,5
e) 600 e 3,5

2. (Ime 2017)

O sistema apresentado na figura encontra-se em equilíbrio estático, sendo composto por quatro
corpos homogêneos, com seção reta na forma “+ I M E”. O corpo “+ ” está totalmente imerso
em um líquido e sustentado pela extremidade A de um fio flexível ABC, de peso desprezível,

Página 1 de 28
Interbits – SuperPro ® Web

que passa sem atrito por polias fixas ideais. Sabe-se que, no ponto B, o fio forma um ângulo
de 90�e sustenta parcialmente o peso do corpo “M”. Finalmente, na extremidade C, o fio é
fixado a uma plataforma rígida de peso desprezível e ponto de apoio O, onde os corpos “I M E”
estão apoiados.

Diante do exposto, determine:

a) a intensidade da força de tração no fio BD;


b) a intensidade da força de cada base do corpo “M” sobre a plataforma.

Observação:
- dimensão das cotas dos corpos “+ I M E” na figura em unidade de comprimento (u.c.);
- considere fios e polias ideais; e
- existem dois meios cubos compondo a letra “M”

Dados:
- aceleração da gravidade: g;
- massa específica dos corpos “+ I M E” : ρ;
- massa específica do líquido: ρL = ρ 9;
- espessura dos corpos “+ I M E” : 1u.c.; e
- comprimento dos fios DE = DF.

3. (Ime 2016)

Um corpo rígido e homogêneo apresenta seção reta com dimensões representadas na figura
acima. Considere que uma força horizontal F, paralela ao eixo x, é aplicada sobre o corpo a
uma distância de 1,5 u.c. do solo e que o corpo desliza sem atrito pelo solo plano horizontal.
Para que as duas reações do solo sobre a base do corpo sejam iguais, a distância y, em u.c.,
deverá ser

Consideração:
- u.c. – unidade de comprimento.
a) cos( p 3)
b) sen( p 3)
c) 2cos( p 3)
d) 2sen( p 3)

Página 2 de 28
Interbits – SuperPro ® Web

e) 3sen( p 3)

4. (Ime 2016)

A figura acima, cujas cotas estão em metros, exibe uma estrutura em equilíbrio formada por
três barras rotuladas AB, BC e CD. Nos pontos B e C existem cargas concentradas
verticais. A maior força de tração que ocorre em uma barra, em kN, e a altura h, em metros, da
estrutura são

Consideração:
- as barras são rígidas, homogêneas, inextensíveis e de pesos desprezíveis.
a) 50,0 e 2,50
b) 31,6 e 1,67
c) 58,3 e 3,33
d) 50,0 e 1,67
e) 58,3 e 2,50

5. (Ime 2016)

Página 3 de 28
Interbits – SuperPro ® Web

A figura acima mostra uma estrutura em equilíbrio, formada por nove barras AB, AC, AD,
AE, BC, BE, CD, CE, e DE conectadas por articulações e apoiadas nos pontos A, B e C.
O apoio A impede as translações nas direções dos eixos x , y e z, enquanto o apoio B
impede as translações nas direções x e y. No ponto C, há um cabo CF que só restringe a
translação da estrutura na direção do eixo y. Todas as barras possuem material uniforme e
homogêneo e peso desprezível. No ponto E há uma carga concentrada, paralela ao eixo z, de
cima para baixo, de 60 kN. Determine, em kN :

a) as componentes da reação do apoio B.


b) as componentes da reação do apoio A.
c) o módulo da força do cabo CF.
d) os módulos das forças das barras BE, BC, AB e AC.

6. (Ime 2015)

Quatro corpos rígidos e homogêneos (I, II, III e IV) de massa específica μ0 , todos com
espessura a (profundidade em relação à figura), encontram-se em equilíbrio estático, com
dimensões de seção reta representadas na figura. Os corpos I, II e IV apresentam seção reta
quadrada, sendo: o corpo I apoiado em um plano inclinado sem atrito e sustentado por um fio
ideal; o corpo II apoiado no êmbolo menor de diâmetro 2a de uma prensa hidráulica que
contém um líquido ideal; e o corpo IV imerso em um tanque contendo dois líquidos de massa
específica μ1 e μ 2 . O corpo III apresenta seção reta em forma de H e encontra-se pivotado
exatamente no ponto correspondente ao seu centro de gravidade. Um sistema de molas ideais,
comprimido de x, atua sobre o corpo III. O sistema de molas é composto por três molas
idênticas de constante elástica K1 associadas a outra mola de constante elástica K 2 . No
vértice superior direito do corpo III encontra-se uma força proveniente de um cabo ideal
associado a um conjunto de polias ideais que sustentam o corpo imerso em dois líquidos
imiscíveis. A parte inferior direita do corpo III se encontra imersa em um dos líquidos e a parte
inferior esquerda está totalmente apoiada sobre o êmbolo maior de diâmetro 3 a da prensa
hidráulica. Determine o ângulo β do plano inclinado em função das variáveis enunciadas,
assumindo a condição de equilíbrio estático na geometria apresentada e a aceleração da
gravidade como g.

7. (Ime 2015)

Página 4 de 28
Interbits – SuperPro ® Web

A figura mostra uma estrutura em equilíbrio, formada por barras fixadas por pinos. As barras
AE e DE são feitas de um material uniforme e homogêneo. Cada uma das barras restantes
tem massa desprezível e seção transversal circular de 16mm de diâmetro. O apoio B,
deformável, é elástico e só apresenta força de reação na horizontal. No ponto D, duas cargas
são aplicadas, sendo uma delas conhecida e igual a 10kN e outra na direção vertical,
conforme indicadas na figura. Sabendo que a estrutura no ponto B apresenta um
deslocamento horizontal para a esquerda de 2cm, determine:

a) a magnitude e o sentido da reação do apoio B;


b) as reações horizontal e vertical no apoio A da estrutura, indicando seu sentido;
c) a magnitude e o sentido da carga vertical concentrada no ponto B;
d) o esforço normal (força) por unidade de área da barra BC, indicando sua magnitude e seu
tipo (tração ou compressão).

Dados:
- aceleração da gravidade: g = 10m s2 ;
- densidade linear de massa: μ = 100kg m;
- constante elástica do apoio B : k = 1600kN m.

8. (Ime 2014)

A figura acima mostra uma viga em equilíbrio. Essa viga mede 4 m e seu peso é desprezível.
Sobre ela, há duas cargas concentradas, sendo uma fixa e outra variável. A carga fixa de
20 kN está posicionada a 1 m do apoio A , enquanto a carga variável só pode se posicionar
entre a carga fixa e o apoio B. Para que as reações verticais (de baixo para cima) dos apoios
A e B sejam iguais a 25 kN e 35 kN, respectivamente, a posição da carga variável, em
relação ao apoio B, e o seu módulo devem ser
a) 1,0 m e 50 kN
b) 1,0 m e 40 kN
c) 1,5 m e 40 kN
d) 1,5 m e 50 kN

Página 5 de 28
Interbits – SuperPro ® Web

e) 2,0 m e 40 kN

9. (Ime 2013)

A figura acima apresenta uma barra ABC apoiada sem atrito em B. Na extremidade A, um
corpo de massa MA é preso por um fio. Na extremidade C existe um corpo com carga elétrica
negativa Q e massa desprezível. Abaixo desse corpo se encontram três cargas elétricas
positivas, Q1, Q2 e Q3, em um mesmo plano horizontal, formando um triângulo isósceles, onde o
lado formado pelas cargas Q1 e Q3 é igual ao formado pelas cargas Q2 e Q3. Sabe-se, ainda,
3
que o triângulo formado pelas cargas Q, Q1 e Q2 é equilátero de lado igual a 2 m.
3
Determine a distância EF para que o sistema possa ficar em equilíbrio.
Dados: massa específica linear do segmento AB da barra: 1,0 g/cm; massa específica linear do
segmento BC da barra: 1,5 g/cm; segmento AB barra: 50 cm; segmento BC barra: 100 cm;
segmento DE: 60 cm; MA = 150 g; Q = Q1 = Q2 = 31/ 4 �10-6 C; aceleração da gravidade: 10
m/s2; constante de Coulomb: 9 �109 N �m2 /C2 .
Observação: As cargas Q1 e Q2 são fixas e a carga Q3, após o seu posicionamento, também
permanecerá fixa.

10. (Ime 2013)

Página 6 de 28
Interbits – SuperPro ® Web

A figura acima mostra uma estrutura em equilíbrio, formada por uma barra vertical AC e um
cabo CD, de pesos desprezíveis, e por uma barra horizontal BD. A barra vertical é fixada em A
e apoia a barra horizontal BD. O cabo de seção transversal de 100 mm2 de área é inextensível
e está preso nos pontos C e D. A barra horizontal é composta por dois materiais de densidades
lineares de massa μ1 e μ 2 . Diante do exposto, a força normal por unidade de área, em MPa,
no cabo CD é:
Dados: aceleração da gravidade: 10 m/s2; densidades lineares de massa: μ1 = 600 kg/m e
μ 2 = 800 kg/m.
a) 100
b) 125
c) 150
d) 175
e) 200

11. (Ime 2012)

A figura acima mostra um corpo cúbico de 50 cm de aresta suspenso por dois cabos AB e AC
em equilíbrio. Sabe-se que o peso específico volumétrico do material do corpo cúbico, a rigidez
da mola do cabo AC e o comprimento do cabo AC antes da colocação do corpo cúbico são

Página 7 de 28
Interbits – SuperPro ® Web

iguais a 22,4 kN/m3, 10,0 kN/m e 0,5 m. O valor do comprimento do cabo AB, em metros, após
a colocação do corpo cúbico é
Adote: 3 = 1,73 e 2 = 1,41.
a) 1,0
b) 1,5
c) 2,0
d) 2,5
e) 3,0

12. (Ime 2010) Uma mola com constante elástica k, que está presa a uma parede vertical,
encontra-se inicialmente comprimida de Δx por um pequeno bloco de massa m, conforme
mostra a figura. Após liberado do repouso, o bloco desloca-se ao longo da superfície horizontal
lisa EG, com atrito desprezível, e passa a percorrer um trecho rugoso DE até atingir o repouso
na estrutura (que permanece em equilíbrio), formada por barras articuladas com peso
desprezível. Determine os valores das reações horizontal e vertical no apoio A e da reação
vertical no apoio B, além das reações horizontal e vertical nas ligações em C, D e F.

Dados:
• constante elástica: k = 100 kN/m;
• compressão da mola: Δx = 2 cm;
• massa do bloco: m = 10 kg;
• coeficiente de atrito cinético do trecho DE: μc = 0,20 ;
• aceleração gravitacional: g = 10 m/s2

13. (Ime 2010)

A figura mostra duas barras AC e BC que suportam, em equilíbrio, uma força F aplicada no
ponto C. Para que os esforços nas barras AC e BC sejam, respectivamente, 36 N

Página 8 de 28
Interbits – SuperPro ® Web

(compressão) e 160 N (tração), o valor e o sentido das componentes vertical e horizontal da


força F devem ser:

Observação:
Despreze os pesos das barras e adote 3 = 1,7.
a) 80 N (�), 100 N ( �).
b) 100 N (�), 80 N ( �).
c) 80 N (�), 100 N ( �).
d) 100 N (�), 80 N ( �).
e) 100 N (�), 80 N ( �).

Página 9 de 28
Interbits – SuperPro ® Web

Gabarito:

Resposta da questão 1:
[B]

Dados:
TBD = 8,1kN
μ = ? [kg m]
TAC = ? [kN]

Como a barra CE possui massa não desprezível, e sua distribuição de massa é uniforme,
uur
acrescentou-se à figura da questão a força peso W, aplicada no centro de massa -CM - da
barra.

Partindo-se do equilíbrio de momentos em relação ao ponto C, tem-se que:


647W 48

� MC = 0 \ TBD �1,5 - μ1� 3


2 3 �g �2,25 - 1,8 �10 �4,5 = 0
4,5
mCE

TBD �1,5 - 1,8 �103 �4,5


�μ =
4,5 �g �2,25

Como TBD = 8,1�103 N, então:


8,1�103 �1,5 - 1,8 �103 �4,5
μ= = 40 kg m
4,5 �10 �2,25

sendo μ a densidade linear da barra CE.

Partindo-se do equilíbrio das forças na direção yy, tem-se que:


�Fy = 0 \ - TAC - W - 1,8 �103 + 8,1�103 = 0

TAC = 8,1�103 - 1,8 �103 - μ �4,5 �g


= 6,3 �103 - 40 �4,5 �10
TAC = 4,5 �103 N = 4,5 kN

Página 10 de 28
Interbits – SuperPro ® Web

Resposta da questão 2:
a) Como o sistema encontra-se em equilíbrio estático, a plataforma deve estar submetida a
um torque resultante nulo em seu ponto de apoio O. Por simetria, o torque resultante se
deverá apenas às cotas do corpo E que não pertençam a sua coluna vertical. Podemos
considerar as duas barras de três cotas como sendo uma de peso 6ρg, cujo centro de
massa dista 8 u.c. horizontalmente do eixo vertical que passa por O, e a barra de duas
cotas de peso 2ρg com centro de massa distante 7,5 u.c. do mesmo eixo vertical.

Sendo assim, podemos equacionar:


8 + 2ρg �
6ρg � 7,5 = TBC �
10,5 � TBC = 6ρg

Como o corpo “+” também deve estar em equilíbrio, e sabendo que seu peso é igual a 9ρg e
que está submetido a um empuxo de ρL 9g (com ρL = ρ 9), temos que:
ρ
9g + TAB = 9ρg � TAB = 8ρg

9

Logo, para o ponto B, devemos ter:

TBD2 = (8ρg)2 + (6ρg)2


\ TBD = 10ρg

b) Devido à simetria, ambas as bases do corpo "M" de peso 22ρg aplicam a mesma força de
intensidade N sobre a plataforma. Para respeitar as condições de equilíbrio, devemos ter:
TBD + 2N = 22ρg � 10ρg + 2N = 22ρg
\ N = 6ρg

Resposta da questão 3:
[D]

Página 11 de 28
Interbits – SuperPro ® Web

Como o sistema está acelerado, com aceleração horizontal na direção da força F, partindo-se
do referencial do corpo, é conveniente escolher o centro de massa - CM - como ponto de
referência para geração das equações de equilíbrio, uma vez que se procedendo dessa forma,
elimina-se o momento gerado pela força fictícia do referencial não inercial.
Considerou-se também Wr = mr g como o peso das partes do corpo com seção retangular, e
Wt = mt g como o peso da parte do corpo com seção triangular.
Nota-se pela figura que o triângulo é equilátero.
Calculando-se a altura do CM com relação ao eixo x, tem-se que:
y� �y � � 1 3�
( 2Ar + A t ) yCM = Ar �
�2 �+ A r �2 �+ A t �

y+ y �

�� �� � 3 2 �

2 2
Sendo A r = y a área da seção retangular e A t = y 3 a área da seção triangular.
4 4
Substituindo as expressões das áreas das seções na equação de y CM, obtém-se o seguinte
resultado:
9+6 3
yCM =
12 + 6 3

Simplificando a expressão:
9 + 6 3 12 - 6 3 108 - 54 3 + 72 3 - 108 3
yCM = y � =y =y
12 + 6 3 12 - 6 3 36 2

Sejam R1 e R2 as reações sobre a base da seção transversal, e d1 e d2 respectivamente os


braços das forças de reação, em relação ao centro de massa.
Escrevendo-se a equação de equilíbrio de momentos sobre o corpo, tem-se que:
� 3�
-d1R1 + d2R2 - �1,5 - y F=0

� 2 �
� �

Por hipótese R1 = R2 = R. Então:


� 3�
( d 2 -d1 ) R = �
1,5 - y

F

� 2 �

3 �π �
Conclui-se que y depende de F, a não ser que 1,5 - y = 0 � y = 3 = 2 sen � �. A
2 �3 �
resposta correta é a alternativa [D].

Resposta da questão 4:
[C]

Devido às reações dos rótulos A e D sobre as barras AB e CD, respectivamente, e ao


equilíbrio da estrutura, pode-se afirmar que:

NA = ND
(1)
RD + R A = 90

Considerando o equilíbrio do nó D, tem-se que:

ND = TCD sen θ� ND 1,5 3


�� = tg θ = = (2)
RD = TCD cos θ� RD 2 4

Página 12 de 28
Interbits – SuperPro ® Web

Considerando o equilíbrio do nó A, tem-se que:

Considerando o equilíbrio do nó B, tem-se que:

TBC cos α = TAB sen φ = NA � TBC sen α = R A - 40 � R A - 40 4 -h h


�� �� = tg α = = 2-
40 + TBC sen α = TAB cos φ = R A � TBC cos α = NA � NA 2 2

R A - 40 h
= 2- (4)
NA 2

Combinando-se as equações (3) e (4) tem-se que:

h RA �
= �
2 NA � R A - 40 R
�� = 2 - A � R A - NA = 20
R A - 40 h� NA NA
= 2-
NA �
2�

R A - NA = 20 (5)

Isolando-se, nas equações (1) RD em função de R A , então:

3 3
ND = RD � NA = ( 90 - RA )
4 4

chegando-se no seguinte resultado:

Página 13 de 28
Interbits – SuperPro ® Web

3R A + 4NA = 270 (6)

Do sistema formado pelas equações (5) e (6), chega-se então aos valores de NA = 30 kN e
R A = 50 kN.

Substituindo-se os valores de NA e R A nas equações (1), obtém-se:

ND = 30
RD = 90 - R A = 40

Substituindo os valores de NA e R A nas equações (3), obtém-se o valor de h :

h RA 50
= � h = 2 � = 3,33 m
2 NA 30

As forças de tração em cada barra podem ser obtidas como segue:

TAB = N2A + R2A = 302 + 502 = 10 34 @ 58,3 kN


2
TBC = N2A + ( R A - 40 ) = 302 + 102 = 10 10 @ 33,3 kN
2 2
TCD = ND + RD = 302 + 402 = 50 kN

Como TAB @ 58,3 kN é a maior força de tração e h = 3,33 m, conclui-se que a alternativa
correta é a [C].

Resposta da questão 5:
A ideia da resolução da questão é partir do equilíbrio de cada nó da estrutura.

Algumas considerações prévias são importantes:


1. Nos pontos dotados de restrições devem ser inclusas as forças de reação correspondente a
cada restrição.
2. A parte mais complicada da questão é o volume de equações e variáveis com que se
trabalha. Por isso, é importante definir um algoritmo de abordagem do problema. Como
exemplo, o ponto A possui três restrições de translação, representadas pelas forças de
reação A x , A y e A z . Ambas foram dispostas no diagrama de equilíbrio do nó A como
orientadas conforme o sentido positivo dos eixos coordenados.
3. As forças ao longo das barras foram representadas utilizando-se os nós das extremidades de
uuur
cada barra. Exemplo: a força da barra AB sobre o nó A foi representada como AB, vetor
com origem em A, apontando para o nó B. Da mesma forma, a força da barra AB sobre o nó
uuur
B foi representada como BA, vetor com origem em B, apontando para o nó A.
uuur uuur
Naturalmente BA = - AB.
4. O índice x, y ou z indicam o módulo da respectiva componente do referido vetor. Ex:
AB x , AB y e ABz .
uuur
5. Quando se suprime a seta, indica-se que se trata do módulo do vetor. Ex: AB = AB .
6. O ângulo α referenciado na resolução a seguir corresponde ao ângulo agudo entre a barra
4 2 5
AE e o eixo y, e é tal que cos ( α ) = = . Já β corresponde ao ângulo agudo entre
20 5
2
as barras AE e BE, de modo que sen ( β ) = .
3

Página 14 de 28
Interbits – SuperPro ® Web

Com essas considerações, partimos para a resolução.

Do equilíbrio do nó A, tem-se que:


�A x - AD - AEx - ACx = 0 �A x - AD - AE sen ( α ) - ACcos ( 45 ) = 0
� �

�- A y + AE y = 0 �� - A y + AE cos ( α ) = 0
� �
�AB + A z + ACz = 0 �AB + A z + ACsen ( 45 ) = 0

Do equilíbrio do nó B, tem-se que:


�B x - BC - BEx = 0 �B x - BC - BE cos ( β ) sen ( α ) = 0
� �

�B y + BE y = 0 �� B y + BEcos ( β ) cos ( α ) = 0
� �
�-BA - BE z = 0 �AB - BE sen ( β ) = 0

Do equilíbrio do nó C, tem-se que:


�CB + CA x + CE x = 0 �-BC - ACcos ( 45 ) + CE cos ( β ) sen ( α ) = 0
� �

�-CF + CE y = 0 �� -CF + CE cos ( β ) cos ( α ) = 0
� �
�-CD - CA z - CE z = 0 �-CD + ACcos ( 45 ) - CE sen ( β ) = 0

Do equilíbrio do nó D, tem-se que:


DA + DE x = 0
� �AD = 0
� �
DE y = 0
� ��DE = 0
� �CD = 0
DC = 0
� �

Do equilíbrio do nó E, tem-se que:


� 60
�-CE - BE =
�-60 + ECsen ( β ) + EB sen ( β ) = 0 sen [ β]
� �
� �
�-EBcos ( β ) cos ( α ) - ECcos ( β ) cos ( α ) - EA cos ( α ) = 0 � �
( BE + CE ) cos ( β ) + AE = 0
� �
�EA sen ( α ) + EB cos ( β ) cos ( α ) - ECcos ( β ) sen ( α ) = 0 �- AE - BEcos ( β ) + CEcos ( β ) = 0

A seguir, a relação das equações obtidas:


1. A x - AD - AE sen ( α ) - ACcos ( 45 ) = 0
2. - A y + AE cos ( α ) = 0
3. AB + A z + ACsen ( 45 ) = 0
4. B x - BC - BE cos ( β ) sen ( α ) = 0
5. B y + BEcos ( β ) cos ( α ) = 0
6. AB - BE sen ( β ) = 0
7. -BC - ACcos ( 45 ) + CE cos ( β ) sen ( α ) = 0
8. -CF + CEcos ( β ) cos ( α ) = 0
9. -CD + ACcos ( 45 ) - CE sen ( β ) = 0
10. AD = 0
11. DE = 0
12. CD = 0
60
13. -CE - BE =
sen ( β )
14. ( BE + CE ) cos ( β ) + AE = 0

Página 15 de 28
Interbits – SuperPro ® Web

15. - AE - BEcos ( β ) + CEcos ( β ) = 0

Das equações 10, 11 e 12: AD = 0, DE = 0 e CD = 0.


Somando-se as equações 14 e 15 chega-se a CE = 0.
Da equação 8: CF = 0.
Das equações 9 e 12: AC = 0.
60
Da equação 13: BE = - .
sen ( β )
Da equação 7: BC = 0.
60
Da equação 14: AE = -BEcos ( β ) = cos ( β ) .
sen ( β )
60
Da equação 4: B x = BE cos ( β ) sen ( α ) = - cos ( β ) sen ( α ) .
sen ( β )
60
Da equação 5: B y = -BEcos ( β ) cos ( α ) = cos ( β ) cos ( α ) .
sen ( β )
60
Da equação 6: AB = BE sen ( β ) = - sen ( β ) = -60
sen ( β )
Da equação 3: A z = - AB = 60
60
Da equação 2: A y = AEcos ( α ) = cos ( β ) cos ( α )
sen ( β )
60
Da equação 1: A x = AE sen ( α ) = cos ( β ) sen ( α )
sen ( β )

Respostas:
60 60 5 1
Bx = - cos ( β ) sen ( α ) = - � � = -45kN
a) sen ( β ) �2 � 2 5
�3 �
��
60 60 5 2
By = cos ( β ) cos ( α ) = � � = 90kN
sen ( β ) �2 � 2 5
�3 �
��

60 60 5 1
Ax = cos ( β ) sen ( α ) = � � = 45 kN
b) sen ( β ) �2 � 2 5
�3 �
��
60 60 5 2
Ay = cos ( β ) cos ( α ) = � � = 90kN
sen ( β ) �2 � 2 5
�3 �
��
A z = 60 kN

c) CF = 0

60 60
BE = = = 90 kN
d) sen ( β ) �2 �
�3 �
��
BC = 0
AC = 0
AB = 60 kN

Página 16 de 28
Interbits – SuperPro ® Web

Resposta da questão 6:
Na figura a seguir, são mostradas apenas as forças relevantes e as distâncias (braços)
usadas no cálculo dos momentos.
As dimensões usadas no cálculo de volumes foram obtidas da própria figura e do enunciado.

O equilíbrio de translação garante que as forças atuantes em cada corpo estão equilibradas.
- Corpo I
T1 = PIx � T1 = m 1 gsen β � T 1 = μ0 VI gsen β = μ 0 ( 2a ) a gsen β �
2

T1 = 4 a3 μ 0 gsen β.

- Corpo II
A intensidade da força exercida no êmbolo esquerdo (menor) da prensa é igual à do peso do
corpo II (PII ). Sendo FIII a intensidade das forças trocadas entre o êmbolo direito (maior) e a
base inferior direita do corpo III, tem-se:
PII FIII μ 0 V II g FIII μ 0 a3 g FIII μ 0 a3 g FIII
= � = � = � =
Aesq Adir 2
π Desq 2
π Ddir ( 2a ) 2 ( 3 a ) 2 4 a2 9a2
4 4

9
FIII = μ a3 g.
4 0

- Corpo III
- Lado esquerdo: O conjunto de molas está comprimido de x. Então esse conjunto exerce na
base superior do ramo esquerdo do corpo III força elástica para baixo de intensidade Fe .
� 3K1 K 2
k eq =
� 3K1 K 2
� 3K 1 + K2 � Fe = x.
� 3K1 + K 2
Fe = K eq x

- Lado direito: O empuxo (EIII ) recebido do líquido 1 é:


E III = μ 1 V im g = μ 1 ( 4 a ) a g � E III = 4 μ 1 a3g.
2

- Corpo IV

Página 17 de 28
Interbits – SuperPro ® Web

TIV + E IV = PIV � TIV = μ0 ( 4a ) a g - E 1 + E 2


2
( ) � T IV = μ0 4a3 g - ( μ1 + μ 2 ) 2a2a g �

TIV = 4 μ0 a3 g - ( μ1 + μ 2 ) 2a3 g.

Devido à polia móvel:


TIV 4 μ0 a3 g - ( μ1 + μ 2 ) 2a3 g
TIII = = � TIII = 2 μ0 a3 g - ( μ1 + μ 2 ) a3 g.
2 2

O equilíbrio de rotação garante que, no corpo IV, o somatório dos momentos no sentido
horário é igual ao somatório dos momentos no sentido anti-horário.
� �
M hor = M A-hor � TIII ( 4 a ) + FIII ( 2 a ) = T I ( a ) + Fe ( 2 a ) + EIII ( 2 a )

9 3K K
2 μ a3g - ( μ1 + μ 2 ) a3 g�
� ( 4 ) + 4 μ0 a3 g ( 2 ) = 4 a3 μ0 gsen β + 3K 1+ K2 x ( 2 ) + 4 μ 1 a3g ( 2 )
� 0 � 1 2

9 6K1 K 2
8 μ 0 a3g - 4 ( μ1 + μ 2 ) a3 g + μ 0 a3 g = 4 a3 μ 0 gsen β + x + 8 μ 1 a3 g �
2 3K1 + K 2

25 6K1 K 2
μ 0 a3g - 12 μ1 a3 g - 4 μ 2 a3 - x = 4 a3μ 0 gsen β �
2 3K1 + K 2

�25 3 3 3 6K1 K 2 � 1
� μ 0 a g - 12μ1 a g - 4 μ 2 a - x� = sen β �
�2 3K1 + K 2 �4 a3μ 0 g

�25 3 μ μ 3K1 K 2 �
β = arc sen � - 1 - 2 - x�
�8 μ0 μ 0 2a μ 0 g ( 3K1 + K 2 )
3

� �

�25 3 ( μ1 + μ 2 ) 3K1 K 2 �
β = arc sen � - - x�
.


8 μ0 2a μ 0 g ( 3K1 + K 2 )
3

Resposta da questão 7:
a) Se a estrutura está deslocada 2cm para a esquerda, é porque ela puxa o apoio para
esse sentido. Então há uma reação do apoio tracionando a barra para a direita. Assim:
– Força de ação da barra no apoio: para esquerda;
– Força de reação do apoio na barra: para a direita.
A intensidade dessas forças é dada pela lei de Hooke:

FB = k x = 1.600 �2 �10 -2 � FB = 32 kN.

b) Calculando os pesos das barras:


P = 100 �10 �2 = 2.000 N � PDE = 2 kN.

P = μ g L �DE
PAE = 3 �100 �10 �2 = 6.000 N � PDE = 2 kN.

A figura mostra as forças externas atuando sobre a estrutura.

Página 18 de 28
Interbits – SuperPro ® Web

Do equilíbrio de translação na direção horizontal, vem:

FAx = FB + FDx � FAx = 32 + 10 � FAx = 42 kN.

Do equilíbrio de translação, adotando polo em D tem-se:


�MDA-hor =�M hor
D
� FAy ( 4 ) = FB ( 1,5 ) + PDE ( 1) + PAE ( 3 ) �

68
4 FAy = 32 ( 1,5 ) + 2 ( 1) + 6 ( 3 ) � FAy = � FAy = 17 kN.
4

c) Do equilíbrio de translação na direção vertical, vem:


FDy + FAy = PDE + PAE � FDy + 17 = 2 + 6 � FDy = - 9 kN �
|� em sentido oposto ao indicado na figura

FDy = 9 kN, para baixo.

d) Como já justificado no item a), a barra BC está sujeita a uma força de tração.
Sendo σ a intensidade da tensão nessa barra, vem:
F FB 4 FB 4 �32 128
σ= B = = � σ= = �
( )
A π D2 2 2 -6
πD π 16 �10 -3 256 π �10
4

5
σ= �105 kN/m2.
π

Resposta da questão 8:
[B]

Sendo Q a carga desconhecida, do equilíbrio de translação, temos:

Página 19 de 28
Interbits – SuperPro ® Web

Q + 20 = NA + NB � Q + 20 = 25 + 35 � Q = 40 kN.

Em relação ao ponto B, o equilíbrio de rotação nos dá:


Q d + R ( 3 ) = NA ( 4 ) � 40 d + 20 ( 3 ) = 25 ( 4 ) � 40 d = 40 �

d = 1 m.

Resposta da questão 9:
Calculando as massas dos segmentos AB e BC.
Dados: LAB = 50 cm; LBC = 100 cm; s AB = 1g / cm e sBC = 1,5g / cm; g = 10 m/s2.

�MAB = 1� 50 = 50 g = 0,05 kg � PAB = MAB g � PAB = 0,5 N
m=sL�
�MBC = 1,5 �100 = 150 g = 0,15 kg � PBC = MBC g � PBC = 1,5 N.

A Fig. 1 mostra as forças agindo na barra, bem como as distâncias, em cm, até o ponto B,
tomado como referência (polo).

Dados: MA = 150g = 0,15kg � PA = 1,5N.


Para que a barra esteja em equilíbrio o somatório dos momentos horários deve ser igual ao
somatório dos momentos anti-horários.

�Mhor = �Manti-hor � F ( 100 ) + PBC ( 50 ) = PA ( 50 ) + PAB ( 25 ) �


F ( 4 ) + 1,5 ( 2 ) = 1,5 ( 2 ) + 0,5 ( 1)
F = 125 �10-3 N.

v v
A Fig. 2 mostra o triângulo equilátero GHC visto de frente, e as forças F1 e F2 exercidas por Q1
v
e Q2 sobre Q, bem como a resultante F12 dessas forças.

Página 20 de 28
Interbits – SuperPro ® Web

3
Sendo Q1 = Q2 = Q = 31 4 �10-6 e l = 2 m. As intensidades dessas forças são:
3

( 31/4 )
2
k Q2 109
9 ‫�״‬ 10-6 109
9 ‫�״‬ 3 10-12 27 3
F1 = F2 = = = = 10-3
� �
l2 �2 3 �
2 4� 3 4

�3 � � 9
� �
‫״‬ F=1 F=2 6,75 3 10-3 N.

3
F12 �‫�״‬ =�+�F
F1 cos30 =2 cos30 2 6,75 3 10 -3
2
F12 = 20,25 �10 -3 N.

Calculando a altura h do triângulo equilátero CGH:


3 � 3� �3�
h=l =� 2 �� � h = 1 m.
2 � ��2 ��
� 3 � � �
v v v
No triângulo CDF da Fig. 3, as em Q são F12 e F3 , sendo F a resultante dessas duas forças.

Dado DE = 0,6 m, aplicando Pitágoras no triângulo CDE:


L2 + 0,62 = 12 � L2 = 1 - 0,36 = 0,64 � L = 0,8 m.

Página 21 de 28
Interbits – SuperPro ® Web

v v
A Fig. 4 mostra a as componentes horizontais e verticais de F12 e de F3 .

� DE 0,6
sena =
� = = 0,6.
� DC 1
No triângulo CDE �
� CE 0,8
cos a = = = 0,8.
� DC 1
v
Calculando as componentes de F3 .
F3y + F12y = F � F3y = F - F12cosa �

F3y = 125 �10-3 - 20,25 �10 -3 ( 0,8 ) = 125 �10 -3 - 16,2 �10 -3 �

F3y = 108,8 �10-3 N.

F3x = F 12x � F3x = F12 sena = 20,25 �10 -3 ( 0,6 ) �

F3x = 12,15 �10-3 N.

Ainda na Fig. 4, os triângulos da direita são semelhantes:

d F d 12,15 �10 -3
= 3x � = �
CE F3y 0,8 108,8 �10 -3

d = 0,89 m.

Resposta da questão 10:


[B]

Dados: μ1= 600 kg/m; μ2 = 800 kg/m; A = 100 mm2 = 10–4 m2; L1 = 1 m; L2 = 1 m; g = 10 m/s2.

A figura mostra as forças atuantes nas barras.

Página 22 de 28
Interbits – SuperPro ® Web

Calculando os pesos das barras:

P = 600 ��
� 1 10 = 6.000 N.
P1 = μ L g � �1
P2 = 800 ��
� 1 10 = 8.000 N.

Calculando o comprimento do cabo CD.


Pitágoras:

CD2 = CB2 + BD2 � CD2 = 1,52 + 22 = 6,25 � CD = 2,5 m.

Na figura:

� CB 1,5
senθ =
� = � senθ = 0,6.
� CD 2,5

� BD 2,0
cos θ = = � cos θ = 0,8.

� CD 2,5

Como as barras estão em equilíbrio de rotação, o movimento resultante das forças que nelas
atuam é nulo.
Fazendo o somatório em relação ao ponto B, calculamos a intensidade da força de tração no
fio (T):

�MB = 0 � Ty ( 2 ) = P2 ( 1,5 ) + P1 ( 1,5 ) � 2 T sen θ = 8.000 �


1,5 + 6.000 �
0,5 �

15.000
2�
T�0,6 = 15.000 � 1,2 T = 15.000 � T = �
1,2
T = 12.500 N.

Página 23 de 28
Interbits – SuperPro ® Web

A tensão ( σ ) no cabo é a razão entre a tração (T) e a área da secção transversal (A).

T 12.500
σ= = = 12.500 �104 = 125 �106 N/m2 �
A -4
10
σ = 125 MPa.

Resposta da questão 11:


[C]

Dados: r = 22,4 kN / m3 ; a = 50 cm = 0,5 m, k = 10 kN/m; L0= 0,5 m; 3 = 1,73 e 2 = 1,41.

O peso do corpo cúbico é:


3
( 0,5 ) = 22,4 �0,125 � P = 2,8 kN.
P = r V = 22,4 �

A figura abaixo mostra as forças e as respectivas componentes horizontais e verticais:

Analisando o equilíbrio nos eixos x e y:


� 3 2 1,41
Tx ==F=
� x �=�=
� T cos30 Fcos 45 T F T F
Eixo x: � 2 2 1,73

T = 0,82 F. ( I)

�Ty +==F+y�=P� T sen 30 F sen 45 P



Eixo y: � 1 2
�T + F = 2,8 ( II)
� 2 2

Substituindo (I) em (II):


1 2,8
0,82 ��
F + 0,71�F = 2,8 � 0,41�
F + 0,71 �
F = 2,8 � F = �
2 1,12
F = 2,5 kN.

Mas:
F 2,5
F=k x � x= = � x = 0,25 m.
k 10

O comprimento do cabo AC é:
L = L0 + x = 0,5 + 0,25 = 0,75 m.

Página 24 de 28
Interbits – SuperPro ® Web

Para o cabo AB, temos:


3 2
L AB cos30�+ L AC cos 45�= 2,3 � L AB + 0,75 = 2,3 �
2 2
1,77
L AB ( 0,87 ) + 0,53 = 2,3 � L AB = �
0,87

L AB = 2 m.

Resposta da questão 12:


Dados: m = 10 kg; k = 10 kN/m = 105 N/m; x = 2 cm = 210–2 m; µC = 0,2; g = 10 m/s2.

Aplicando o Teorema da Energia Cinética para calcular a distância percorrida pelo pequeno
bloco até parar:
k ( x ) k ( x )
2 2

WRe s = Ecin � W v +W
v =0 � - mmgS = 0 � S = �
Fel Fat
2 2mmg

( )
2
105 2 �10-2
S = � S = 1 m.
2 ( 0,2 ) ( 100 )

O esquema mostra as forças (ou componentes) horizontais (eixo x) e verticais (eixo y) atuantes
em cada uma das barras, de pesos desprezíveis.

Vamos impor a cada uma das barras as duas condições de equilíbrio:


1ª) Equilíbrio de Translação: a resultante das forças é nula ( R x = 0 e Ry = 0 ) ;
2ª) Equilíbrio de Rotação: O momento resultante é nulo � O somatório dos momentos no
sentido anti-horário é igual ao somatório dos momentos no sentido horário. ( �M AH )
= �MH .
– Barra CDE:
R x = 0 � C x = D x ( I)


1ª ) �
Ry = 0 � Dy = Cy + P
� ( II)



2ª ) Polo em C �
�MCAH = �MHC � Dy (2,5) = P(3,5) � 2,5D y = 100(3,5) �
� D y = 140 N.

Voltando em (II)
140 = Cy + 100 � Cy = 40 N.

– Barra FDB:

Página 25 de 28
Interbits – SuperPro ® Web

R x = 0 � Fx = Dx ( III)


1ª ) �
R y = 0 � Fy + By = Dy �
� Fy + B y = 140 ( IV )



2ª ) Polo em F �
�MFAH = �MHF � By (5) = Dx (3) + Dy (2,5) � 5By - 3D x = 140(2,5) �
5B y - 3D x = 350 (V)

– Barra FCA:
R x = 0 � C x = A x + Fx

� ( VI)
1ª ) �
R y = 0 � A y + Cy = Fy
� ( VII)


��MF = �MHF � Cx (3) = A x (6) �
2ª ) Polo em F � AH
Cx = 2A x (VIII)

(I) e (III) em (VI):


Dx = A x + D x � A x = 0.
Em (VIII):
Cx = 2 ( 0 ) � C x = 0.
Em (I):
Dx = 0.
Em (V):
5B y - 3(0) = 350 � B y = 70 N.
Em (IV):
Fy + 70 = 140 � Fy = 70 N.
Em (VII):
A y + 40 = 70 � A y = 30 N.

Concluindo:
Todas as reações horizontais são nulas:
A x = C x = Dx = Fx = 0;
Para as componentes verticais:
A y = 30 N; By = 70 N; Cy = 40 N e Dy = 140 N.

Resposta da questão 13:


[A]

A figura abaixo mostra as forças externas que agem na estrutura:

Página 26 de 28
Interbits – SuperPro ® Web

r r
Para haver equilíbrio é preciso que �F = 0 e �MFO(qualquer) = 0.
Calculando a resultante vertical das forças, temos:
Fy -=T‫װ‬2-=�=�+ 0 Fy
sen30 T2 sen30 80 N

Calculando a resultante horizontal das forças, temos:


FX + C1 - T2 cos30�= 0 � FX + 36 - 160 �1,7 2 = 0 � FX = 100 N

Página 27 de 28
Interbits – SuperPro ® Web

Resumo das questões selecionadas nesta atividade

Data de elaboração: 30/07/2017 às 23:10


Nome do arquivo: estática IME

Legenda:
Q/Prova = número da questão na prova
Q/DB = número da questão no banco de dados do SuperPro®

Q/prova Q/DB Grau/Dif. Matéria Fonte Tipo

1.............164267.....Baixa.............Física.............Ime/2017..............................Múltipla escolha

2.............164856.....Elevada.........Física.............Ime/2017..............................Analítica

3.............149099.....Média.............Física.............Ime/2016..............................Múltipla escolha

4.............149095.....Média.............Física.............Ime/2016..............................Múltipla escolha

5.............149476.....Elevada.........Física.............Ime/2016..............................Analítica

6.............141297.....Elevada.........Física.............Ime/2015..............................Analítica

7.............141292.....Elevada.........Física.............Ime/2015..............................Analítica

8.............135068.....Baixa.............Física.............Ime/2014..............................Múltipla escolha

9.............124238.....Elevada.........Física.............Ime/2013..............................Analítica

10...........124223.....Média.............Física.............Ime/2013..............................Múltipla escolha

11...........124292.....Média.............Física.............Ime/2012..............................Múltipla escolha

12...........106787.....Elevada.........Física.............Ime/2010..............................Analítica

13...........106917.....Média.............Física.............Ime/2010..............................Múltipla escolha

Página 28 de 28