Você está na página 1de 107

XXVII Curso de Certificação Fitossanitária de Origem - CFO

Barreiras (BA), 11 a 14/12/2012

Pragas do mamoeiro - com


ênfase em viroses
Paulo Ernesto Meissner Filho
Importância econômica das viroses

Perdas diretas
# produção e qualidade

Perdas indiretas
# Produção de sementes, mudas e material
propagativo livre de vírus
# Intercâmbio de germoplasma (trânsito mudas e
sementes)
# Fiscalização
# Erradicação (monitoramento e plantas)

2
vírus da mancha anelar do mamoeiro

plantas erradicadas
2001- 1,4 milhões
2002 - 3,0 milhões
(Adab, 2004)

3
Tristeza dos citros
Detecção de viroses
Sintomas
Ciat
8
9
Torres (2000)

31
40
CIAT
Infecção latente Infecção mista mais de uma doença
presente

13
Indexação
Transmissão por enxertia

sintomas

Sadia infectada

Stevens (1983)
15
Inoculação mecânica

Planta teste Preparo inóculo inóculo abrasivo


78
Indexação (testar) por inoculação mecânica

Fricção/ferimento

Planta abrasivo
Planta indicadora Inóculo + com
tampão vírus
Plantas indicadoras de vírus

Fonte: guiame.com.br Fonte: cpact.embrapa.br

Fonte: saudesemgluten.blogspot.com Fonte: pt.dreamstime.com


Sintomas nas plantas indicadoras
Microscópio eletrônico de transmissão

Aumentos 20-40
mil vezes

20
ELISA

sensibilidade
rapidez
automatizar
muitas amostras

21
PCR (Reação de polimerase em cadeia)

termociclador
DNA/RNA (amostra)

Reagentes
primers
específicos

Ciclos do PCR
amplificação
do DNA/RNA

gel eletroforese
22
Transmissão viroses
Agrios (2005) 24
Vetores

pulgões

cochonilha
Tripes

mosca branca

fungo
besouro

nematoide
25
Transmissão de viroses por insetos (importância)
Vetor
# ponto vista experimental (pesquisa)

# formas transmissão x controle

# interações vírus x vetor (científico e controle)

# é o principal meio de disseminação de viroses

Regra geral: cada virose é transmitida por apenas


um tipo de vetor.

26
Transmissão de viroses por insetos

Fases de transmissão do vírus:

# Período de aquisição

# Período de inoculação

# Período latência

# Período de retenção

27
Propagação vegetativa ferramentas
Mudas x vírus

Muda, semente ou
borbulha infectada

Longas distâncias

29
Transmissão de viroses pelas sementes

# introdução vírus no cultivo

# vírus dispersado dentro do cultivo ao acaso – eficiência


x importância

# vírus persistir na semente

30
Plantas daninhas

Manter vírus na
entresafra
(fonte de
inóculo/vírus)

31
Restos culturais (Amarelo letal do
Restos culturais
mamoeiro e TMV em fumo e tomat
Controle
Controle de viroses

# Conhecer o vírus (disseminação, vetor, hospedeiros)

# Medidas semelhantes (resistência/mudas sadias)

# Medidas regionais

# Prevenção

34
Como controlar viroses?

# Viricidas

# Resistência obtida por melhoramento

# plantas transgênicas

# roguing

# eliminação hospedeiros alternativos

35
Como controlar viroses?
# Certificação (mudas sadias)

# Quarentena

# cultura tecidos/termoterapia

# MIP, práticas culturais, barreiras

# Prevenção, telados

# Escape

# Ferramentas
36
Pré-imunização (proteção cruzada)

# isolado fraco

# exemplos: CTV e PRSV-w

# risco de tornar-se forte

# algum prejuízo

# custo sua manutenção

37
Cultura de tecidos

Gema 1 Gema 4

Gema 2 Gema 5
Cultura de tecidos ou de
Gema 3 Gema 6
meristemas para eliminação de
vírus x eficiência
Planta 2

Gema 1 gema 2 gema 3 gema 1 gema 1 gema 2


gema 1 gema 1gema 3 gema 5 gema 4 gema 5 gema 1
gema 4 gema 5 gema 6 gema 3 gema 4 gema 1 gema 5
gema 1 gema 5 gema 6 gema 2
Enxertia/ferramentas

desinfestação
39
Barreira vegetal

Santos et al. (2004) 40


Superfícies refletivas

41
Inseticidas x vírus não-circulativo

100 % virus
Lavagem mãos e controle vírus
Efeito do tratamento de lâminas contaminadas com TMV
com diferentes produtos antes do seu uso
Tratamento % incidência mosaico fumo
Água 46,5
Água sanitária (0,6 % NaOCl) 1,8
Leite em pó desnatado 20% + 1,7
Tween 20 0,1 %
Leite em pó desnatado 20% 1,0

Lewandowski et al. (2010) modificado


hospedeiros alternativos e consórcio
Viroses do mamoeiro
Vírus da Mancha Anelar
Mosaico ?
1) Mancha Anelar do Mamoeiro

Vírus da mancha anelar do mamoeiro (Papaya ringspot virus,


PRSV)

Família: Potyviridae - Gen: Potyvirus

2 estirpes:
P: Mamoeiro, chenopodiáceas e cucurbitáceas
W: chenopodiáceas e cucurbitáceas

2) Mosaico

Família: Potyviridae - Gen: Potexvirus


vírus da mancha anelar do mamoeiro

29
vírus da mancha anelar do mamoeiro

30
vírus da mancha anelar

47
Fotos: Paulo Meissner
Ácaro branco

47
ácaro Deformação foliar (“Fio de
sapato”) e bolhas

Vírus da mancha anelar


PRSV

48
57
Vírus da mancha anelar
padrões variáveis
Disseminação

Mudas infectadas

Vetor: Afídeos (Pulgões de várias espécies)

Forma de transmissão não-circulativa

Transmissão sementes (não)


Voar + vento (Km)
Pulgões vetores
Vetores
Dificuldades de manejo devido a:

- Altas populações
(1 único pulgão alado pode gerar 4.400
pulgões em 3 semanas)
- Probabilidade de transmissão do CTV
é alta

1 pulgão →1-25%

+ de 20 pulgões → 80-90%

Fonte: Waldir Cintra de Jesus Junior/Fundecitrus


Controle

Resistencia genetica

62
Mudas x vírus

Muda,
semente

Longas
distâncias
Roguing (erradicação plantas infectadas)

# 20% plantas eliminadas durante vida útil da cultura (2-3


anos)

# Vistoriando as plantas uma vez por semana (01 pragueiro/25


hectares)
Roguing e Disseminação Mancha anelar
mamoeiro/mamoeiro
afídeo (pulgão)/não-circulativa
Não coloniza mamoeiro
sementes (não)

66
REGIÃO PRODUTORA MAMÃO

X
67
PRSV x erradicação

30 %

0,5 %
Evolução do índice de PRSV no Espírito Santo

MA/DFA/ES

68
Não transgênico Transgênico Não transgênico Transgênico

Não transgênico Transgênico


Vírus da mancha anelar
Fotos: Dennis Gonsalves
Agente Causal : Papaya “meleira” vírus – PMV

Papaya sticky disease virus - PSDV


meleira

72
Diagnóstico da meleira x Phoma

Queima de Phoma: pequenas necroses no Meleira na folha: somente


limbo foliar e nas extremidades do folíolo, nos bordos e pontas das
com anéis concêntricos e pontuações
negras
folhas novas
Mancha de Phoma Meleira
Queima bordos das
folhas novas
Meleira
meleira

Semi-árido
76
meleira

sadio

Látex normal Látex aquoso


Meleira
Meleira

sadio

Bolsas de goma endurecidas no interior da polpa


meleira

80
Deficiência boro
Disseminação

- Vetor: Mosca Branca


Bemisia tabaci Biótipo B

- Transmissão Mecânica
•Homem (ferramentas corte)
- Sementes (??)
- Outros hospedeiros (??)
Transmissão ferimentos

83
Transmissão meleira

Mosca branca
vetor da
meleira

84
Controle

- Planta resistente / planta transgenica


Plantas daninhas, outros plantios e
outras culturas

Manter vírus na
entresafra (fonte de
inóculo/vírus)

86
Mudas x vírus

Muda,
semente

Longas
distâncias

87
Mudas x vírus

Muda,
semente
ou
borbulha
infectada

Longas
distâncias

88
Enxertia/ferramentas

desinfestar
89
Roguing

Fonte: fito-esalq.blogspot.com

90
Virus do Amarelo Letal
(Papaya lethal yellowing virus, PLYV)
Virus do Amarelo Letal
Virus do Amarelo Letal

Manchas circulares nos frutos, maturação retardada, polpa empedrada


Virus do Amarelo Letal

SOBREVIVÊNCIA

 Solo;

 Água de rega;

 Superfície das sementes


Virus do Amarelo Letal

TRANSMISSÃO

 Mecânica

 Instrumentos de corte

 Solos de mudas

 Água de irrigação
Características do vírus do amarelo letal

• Dispersão ineficiente

• Vetor desconhecido

• Sobrevivência no solo e sementes

• Não transmitido por sementes


Resumindo e Revisando
vírus do amarelo letal do mamoeiro solo

Fonte: Rezende & Costa (1993)


98
ácaro

Mancha anelar Vírus amarelo letal


Fonte: Rezende & Costa (1993)
100
Fitoplasma
“Vira-cabeça”

Amarelecimento, necrose das folhas, morte da planta (dentro de 2 a 3


semanas)
Encurtamento pecíolos e entrenós da região apical
Estádios mais avançados da doença - plantas sem
folhas, necrose apical e finalmente morrem
Controle

- roguing plantas doentes;


- corte da planta a 80 cm de altura, nos primeiros sintomas
pode recuperar a planta;
- erradicar plantios no final do ciclo econômico de produção
Manejo Integrado das Viroses do Mamoeiro
• plantas resistentes

• Usar sementes obtidas de plantas sadias para a formação


de mudas

• mudas sadias na implantação do pomar

• viveiros distantes de plantios de mamoeiro (telado)

• Pragueiros treinados identificação precoce viroses

• Vistoriar o plantio semanalmente, eliminando as plantas


com viroses.
Manejo Integrado das Viroses do Mamoeiro
• manter pomar limpo de plantas daninhas (vetores).

• Mergulhar os instrumentos de corte utilizados nos tratos


culturais e colheita em solução de água sanitária (NaOCl a
0,5%)

• Antes de instalar o viveiro e plantio, erradicar das


imediações abóbora, pepino, melancia e solanáceas.

• Erradicar as plantações velhas de mamoeiros e plantas


isoladas.
Castro et al. (2004)
Paulo Ernesto Meissner Filho
Embrapa Mandioca e Fruticultura
Caixa Postal 7
Cruz das Almas – BA
CEP.: 44.380-000
Fone (75) 3312-8056
email: Paulo.Meissner@embrapa.br
Agradecimento: Hermes Peixoto Santos Filho – empréstimo de
alguns slides usados nesta apresentação