Você está na página 1de 8

BACTÉRIAS (cont.

)
Universidade Tecnológica Federal do Paraná
Departamento Acadêmico de Química e Biologia Formas latentes de microrganismos procarióticos
Endósporos
-Estruturas de dormência de bactérias Gram +;
-Formados em ambiente pobre em nutrientes;
Disciplina: Biologia Celular e Microbiologia -Apresentam parede espessa, são bastante resistentes;
-Ex.: espécies de Clostridium e Bacillus

Esporulação (esporogênese):
Bactérias

Profa. Lucia Regina R. Martins

novembro/2009

Endósporos:

Não realizam reações metabólicas (citoplasma desidratado);


Contém DNA, RNA, ribossomos, enzimas, ácido dipicolínico e íons cálcio
Podem permanecer em dormência por anos
São resistentes a processos de controle microbiológico (temperatura, radiação,
substâncias químicas); ex.: C. botulinum
Coloração especial (usa calor): método de Schaeffer-Fulton (verde malaquita)
Germinação = retorno ao estado vegetativo (ativado por estímulo físico ou
químico)

Bacillus cereus
Conídeos CLASSIFICAÇÃO DAS BACTÉRIAS

Esporos de Actinomicetos Referência: Manual de Sistemática Bacteriana de Bergey


É considerado uma forma de reprodução: cada organismos forma vários conídeos
Proteção ao dessecamento (não ao calor)  2 grupos principais: Eubactérias e Arqueobactérias (Woese)

Eubactéria Arqueobactéria*
Parede celular peptidoglicano Proteínas e polissacarídeos
Membrana fosfolipídeos Álcoois de cadeia longa (fitanóis)
Síntese proteica Formilmetionina (início) metionina
Cistos
* hábitats e metabolismo incomuns
Parede celular resistente, espessa
Estrutura e composição diferente do esdósporo
Ex.: Azotobacter

EUBACTÉRIAS: 3 grupos (parede celular):


1.Gram-negativas
2.Gram-positivas
3.Micoplasmas

Eubactérias I. Eubactérias Gram-negativas


Parede celular presente Parede celular ausente
•coram-se de vermelho (coloração de Gram)
Gram-negativos: Micoplasmas •subgrupos: características morfofisiológicas (motilidade, necessidade O2)
-Espiroquetas
-Bacilos encurvados aeróbios e microaerófilos
-Bacilos e cocos aeróbios 1.1 – Espiroquetas
-Bacilos anaeróbios facultativos
-Bactérias anaeróbias
-Riquétsias e clamídias
 helicoidais; flexíveis
-Fototróficos anoxigênicos  fibras axiais (“flagelos periplasmáticos”)
-Fototróficos oxigênicos  membrana externa = “bainha externa”
-Bactérias deslizantes  podem ser saprófitas (ex.; Spirochaeta) ou parasitas (ex.: Treponema, Borrelia,
-Bactérias com bainha
-Bactérias gemulantes e/ou apendiculadas Leptospira)
-Quimiolitotróficas
Gram-positivas:
-Cocos
-Bactérias esporuladas
-Bacilos com forma regular
-Bacilos com forma irregular
-Micobactérias
-Actinomicetos
Arqueobactérias
-Produtores de metano
-Halofílicas extremas
-Dependentes de enxofre
-Termoplasmas
I. Eubactérias Gram-negativas I. Eubactérias Gram-negativas

1.2 – Bacilos encurvados aeróbios ou microaerófilos 1.3 – Cocos e Bacilos aeróbios

-Espirilos (rígidos) Bacilos: muitos no solo/água


-mobilidade: flagelos; ex.: Aquaspirillum → comum em água doce Ex.: Pseudomonas, Azotobacter (fixa N2 solo), Rhizobium (fixa N2 raízes
-vibriões: ex.: Azospirillum (fixa N2 atmosférico, raízes) leguminosas), Zooglea (E.T.E.), Acetobacter (produção vinagre)
Campylobacter (microaerófilo patogênico: diarréia)

Campylobacter
Pseudomonas
Aquaspirillum
Zooglea

Bdellovibrio (parasita de bactérias) Acetobacter

I. Eubactérias Gram-negativas I. Eubactérias Gram-negativas

1.3 – Cocos e Bacilos aeróbios 1.4 – Bacilos facultativos


Bacilos patogênicos: Brucella (aborto em animais); Pseudomonas Retos ou encurvados
(imunodeprimidos, infecções de feridas); Xanthomonas Ex.: família Enterobacteriaceae (T.G.I.) → Escherichia coli
(cancro cítrico); Agrobacterium (tumor em plantas) Não são diferenciáveis ao M.O.: testes bioquímicos e
sorológicos
Muitas espécies patogênicas:
Ex.: Salmonella (febre tifóide e gastroenterite)
Cocos patogênicos: ex.: Neisseria (N. gonorrhoeae, N. meningitidis) Shigella (disenteria bacilar)
Yersinia pestis (praga)

Infecções urinárias: Escherichia, Proteus, Klebsiella,


Enterobacter
Escherichia coli Outras espécies patogênicas:
Vibrio cholerae (cólera);
Haemophilus influenza (meningite infantil)

N. gonorrhoeae
Brucella abortus Vibrio cholerae
I. Eubactérias Gram-negativas I. Eubactérias Gram-negativas
1.5 – Anaeróbios 1.6 – Riquétsias e clamídias
•bacilos retos, encurvados, cocos parasitas intracelulares obrigatórios
•2 grupos (necessidade de enxofre)
Riquétsias: - células ovais/bastões; parasitam células de artrópodos ou vertebrados;
Anaeróbios que necessitam de enxofre: (redução para gás H2S) - transmissão = piolhos, pulgas, carrapatos
Ex.: Desulfovibrio (lodo, brejo) Ex.: Tifo epidérmico (Rickettsia prowazekii)

Clamídias: - cocos com ciclo de vida bastante distinto;


- não apresentam peptidoglicano na parede celular
- espécies patogênicas: C. psittaci (psitacose em pássaros);
C. trachomatis (tracoma, linfogranuloma venéreo e uretrite)
Anaeróbios que não necessitam de enxofre: produzem ácidos orgânicos;
-presentes no rúmen
-Espécies patogênicas, ex.: Bacteroides fragilis

I. Eubactérias Gram-negativas I. Eubactérias Gram-negativas


1.7 – Bactérias fototróficas anoxigênicas 1.8 – Bactérias fototróficas oxigênicas
fotossintetizantes, mas não produzem O2; fotossintetizantes que produzem O2;
apresentam bacterioclorofila (absorve radiação IR) e carotenóides apresentam clorofila a e o pigmento ficobilina (normalmente de cor azul)
 coloração de pigmentos divide em bactérias púrpuras ou verdes são comumento denominadas cianobactérias
são anaeróbios formas e arranjos variados (cocos, bacilos, filamentos multicelulares)
habitat: água estagnada, pântanos e fundos de lagos não apresentam flagelos
podem ser bastoneste, espirilos ou cocos habitat: solo, água doce/mar
reprodução por fissão binária ou brotamento algumas espécies são termofílicas
Ex.: Rhodomicrobium (formam prosteca) e Rhodopseudomonas Espécies filamentosas podem apresentar heterócitos (células diferenciadas)

Cylindrospermum

brotamento sem prosteca

Chroococcus
Oscillatoria
I. Eubactérias Gram-negativas I. Eubactérias Gram-negativas
1.9 – Bactérias deslizantes 1.9 – Bactérias deslizantes
2 tipos: - formadoras de esporos (“corpos de frutificação”) Não-formadoras de esporos:
- não-formadoras de esporos • forma de bastonetes ou filamentosas;
Formadoras de esporos: • não formam mixósporos
• bastonetes curtos e flexíveis • aeróbios/microaerófilos
• não apresentam flagelos • habitat: solo, água
• movimento por deslizamento em superfícies úmidas • degradam polímeros naturais: celulose, quitina, pectina, queratina
• denominadas myxobactérias (“limosas”) • ex.: Flexibacter
• corpos de frutificação: conjunto de esporos (mixósporos) resistentes à
dessecação, podem se organizar em pedúnculos limosos contendo estruturas
globosas contendo os mixósporos
• habitat: superfície do solo, matéria orgânica em
decomposição

Chondromyces
Stigmatella

I. Eubactérias Gram-negativas I. Eubactérias Gram-negativas


1.10 – Bactérias com bainha 1.11 – Bactérias gemulantes e/ou apendiculadas

bastonetes envolvidos por estrutura tubular de composição orgânica  comum em solo e água
habitat: água doce/mar, ambientes poluídos (problemas nas E.T.E.)  podem ser aeróbias, microaerófilas ou facultativas
Ex.: Sphaerotilus natans  não fotossintetizantes
 alguns apresentam prosteca (fixação), outras pedúnculo (apêndices tubulares)
 reprodução por fissão binária ou brotamento
Ex.: Caulobacter (não-gemulante prostecada)
Blastocaulis (gemulantes apendiculadas)
I. Eubactérias Gram-negativas
1.11 – Bactérias gemulantes e/ou apendiculadas
1.12 – Bactérias quimiolitotróficas
Blastocaulis (gemulantes apendiculadas) - obtém energia da oxidação de compostos inorgânicos
- quando autotróficas utilizam CO2 como fonte de carbono
- diferenciação: tipo de composto inorgânico que utilizam
1. Nitrobacter, Nitrococcus (oxidação de nitrito a nitrato)
2. Nitrosolobus (oxidação de amônia a nitrito)
3. Thiospira, Thiobacillus (espécies reduzidas de enxofre a sulfato)
4. Siderococcus (espécies de Fe ou Mn)
- distribuição: solo, água
- importância: reciclagem de nutrientes (ciclos biogeoquímicos)

Nitrosomonas

II. Eubactérias Gram-positivas II. Eubactérias Gram-positivas


 parede celular com espessa camada de peptidoglicana, 2.2. Bactérias esporuladas
 não apresentam membrana externa
formam endósporo resistente
 divisão: características morfológicas e bioquímicas
normalmente são bastonetes
2.1. Cocos
 dividem-se em subgrupos, conforme o arranjo e tipo de metabolismo Ex.: Bacillus (podem ser aeróbios ou facultativos)
Clostridium (anaeróbios)
•Micrococcus: aeróbios; disposição irregular das células; saprófitas (solo/água)
 muitas espécies são saprófitas (solo, água doce/mar)
ex.: Deinococcus (alta resistência UV)
Patogênicas – ex.: B. anthracis (carbúnculo ou antrax)
•Facultativos: ausência ou presença de O2; C. perfrigens (gangrena gasosa, intoxicação alimentar)
tipos: - Staphylococcus (arranjo irregular; habitat: pele e mucosas humana e de C. botulinum (botulismo, neurotoxina)
outros animais) ex.: S. aureus (infecções operatórias, choque tóxico, C. tetani (tétano)
intoxicações alimentares)
- Streptococcus (cadeias de células); ex.: S. pyogenes (angina
estreptocócica, escarlatina e febre reumática); S. pneumoniae

•Anaeróbios: flora normal humana e outros animais; C. perfrigens


C. botulinum
ex.: Peptococcus, Coprococcus
II. Eubactérias Gram-positivas II. Eubactérias Gram-positivas
2.3. Bacilos regulares 2.4. Bacilos irregulares
 bastonetes não-esporulados, aparência uniforme (sem saliências, ramificações) Não-esporulados;
 podem ser aeróbios, facultativos ou anaeróbios Bastonetes retos ou encurvados, apresentam saliências
Ex.: Lactobacillus (saprófitas fermentadores, normalmente não-patogênicos) Ex.: Arthrobacter (pleomórfica, saprófita do solo)
Listeria monocytogenes (leite/queijo; aborto espontâneo/natimorto) Corynebacterium (saprófitas ou patogênicas: C. diphteriae)

Listeria monocytogenes
Lactobacillus

C. diphteriae
Arthrobacter

II. Eubactérias Gram-positivas II. Eubactérias Gram-positivas


2.5. Micobactérias 2.6. Actinomicetos
gênero: Mycobacterium – grupo grande e variado;
–caracterítica: formação de micélio (emaranhado de hifas)
 carcaterística: bacilos álcool-ácido resistentes (após coloração com
– podem se reproduzir pela fragmentação de hifas ou formação de esporos
fucsina), devido a lipídeos de alto PM (ácidos micólicos) na parede celular
(esporangiósporos ou conidiósporos);
 algumas espécies saprófitas
– os esporos são resistentes à dessecação (não ao calor)
 patogênicas: M. tuberculosis; M. leprae
– são saprófitas do solo (degradação de matéria orgânica)
– ex.: Streptomyces (produção de antibióticos: tetraciclina, estreptomicina)

M. leprae

S. acrymicini S. coelicolor

M. tuberculosis
III. Micoplasmas

 não apresentam parede celular;


 coram-se como Gram-negativas (têm apenas membrana celular)
 características: - plasticidade (várias formas)
- sensíveis a variações osmóticas
- resistentes a penicilinas, sensíveis a outros antibióticos
 muitas apresentam colesterol na membrana (cultura com soro)
 habitat: mucosas
 muitas são patogênicas: Mycoplasma pneumoniae
Ureaplasma urealyticum

Mycoplasma pneumoniae