Você está na página 1de 32

CETEC.

612
TREINAMENTO TÉCNICO
1 32

AC-2 ST - 5100 ( ANTIGO / REPADRONIZADO) 01/12/96 0

AC - 2 ST 5100

ANTIGO /
REPADRONIZADO

DECA / CETEC

CETEC - Cláudio CONTEÚDO


DISE
Paulo Manfroi
DECA - Marino CETEC612.DOC
CETEC.612
TREINAMENTO TÉCNICO
2 32

AC-2 ST - 5100 ( ANTIGO / REPADRONIZADO) 01/12/96 0

SIMBOLOGIA DOS COMANDOS AC-2 ST-5100

Chave trifásica

Contato de Chave Magnética


Normalmente aberto (Ex. Chave 1)

Contato de Contactora Normalmente


Fechado (Ex. Chave 21)

Relé Térmico (Elemento)

Contato do Relé Térmico

Motor de Indução (Baixa Velocidade)

Motor de Indução (Alta Velocidade)

CETEC - Cláudio CONTEÚDO


DISE
Paulo Manfroi
DECA - Marino CETEC612.DOC
CETEC.612
TREINAMENTO TÉCNICO
3 32

AC-2 ST - 5100 ( ANTIGO / REPADRONIZADO) 01/12/96 0

Fusível

Transformador Trifásico

Transformador Monofásico

Retificadora

Resistência

Bobina da Mini-contatora
(Ex. Chave 21)

Bobina da Chave de Força


(Ex. Chave 1)

Capacitor

ContatoSobre-velocidadedoRegulador
Progressivo de Velocidade

CETEC - Cláudio CONTEÚDO


DISE
Paulo Manfroi
DECA - Marino CETEC612.DOC
CETEC.612
TREINAMENTO TÉCNICO
4 32

AC-2 ST - 5100 ( ANTIGO / REPADRONIZADO) 01/12/96 0

Limite Normalmente Fechado (Superior)

Limite Normalmente Aberto (Inferior)

Contato Normalmente Fechado Operado


Mecanicamente (Ex. Contato da Porta de Emergência)

Botão Normalmente Fechado

Botão Normalmente Aberto

Bulbo Térmico (BT1 ou BT2)

Diodo

Contato de Porta (KS ou DS ou GS)

Transistor

Chave com Duas Posições

CETEC - Cláudio CONTEÚDO


DISE
Paulo Manfroi
DECA - Marino CETEC612.DOC
CETEC.612
TREINAMENTO TÉCNICO
5 32

AC-2 ST - 5100 ( ANTIGO / REPADRONIZADO) 01/12/96 0

Chave Liga-desliga

Chave de Indução

Contato do Relé da MCP1 (Ex. 36U)

Emenda de Fio

Tomada

Lâmpada

Cigarra

Linha do Q. C.

Linha Fora do Q. C. (Ex. Cabo de Manobra)

CETEC - Cláudio CONTEÚDO


DISE
Paulo Manfroi
DECA - Marino CETEC612.DOC
CETEC.612
TREINAMENTO TÉCNICO
6 32

AC-2 ST - 5100 ( ANTIGO / REPADRONIZADO) 01/12/96 0

NOMENCLATURA DOS COMANDOS ST-5100

GOV Contato elétrico do regulador de velocidade

FUL Limite final de subida

FDL Limite final de descida

EFP Emergência fundo do poço

GCE Chave geral em cima da cabina

CPS Contato elétrico da porta de emergência

GRS Contato elétrico do aparelho de segurança

CPF Contato de proteção do freio

BT1/2 Contato do bulbo térmico

NPR Relé de reversão de fase

10CR Relé térmico do motor de baixa velocidade

20CR Relé térmico do motor de alta velocidade

MAN Chave seletora de manutenção/automático

EM Botão de emergência dentro da cabina

KS Contato de confirmação de fechamento de porta de pavimento (palheta)

GS Contato de confirmação de fechamento de porta de cabina

DS Contato de confirmação de engate de trinco

# 41 Mini contactora de confirmação de porta de cabina e pavimento fechada

1 Chave contactora de comando de subida

#2 Chave contactora de comando de descida

#3 Chave contactora de comando de baixa velocidade (manutenção)

#4 Chave contactora de comando de alta velocidade (automático)

SDLU/ Limite de parada subida/descida


SDLD

CETEC - Cláudio CONTEÚDO


DISE
Paulo Manfroi
DECA - Marino CETEC612.DOC
CETEC.612
TREINAMENTO TÉCNICO
7 32

AC-2 ST - 5100 ( ANTIGO / REPADRONIZADO) 01/12/96 0

SD1U/ Limite de redução de subida/descida


SD1D

1IRU/ Chave de indução de redução de velocidade subida/descida


1IRD para o AC-2

FM Freio magnético do operador de porta

FAP Contatora de abertura e fechamento de porta

RM Bobina de redução magnética do motor operador

CRA Contato de redução de velocidade do motor operador na abertura

CRF Contato de redução de velocidade do motor do operador no fechamento

#11 Chave de curto-circuito do banco de resistores em baixa velocidade

OTL Contato de fim de curso da abertura de porta (caixa de cames)

21 Contactora do operador para abrir porta

22 Contactora do operador para fechar porta

BOMB Chave bombeiro

FP Botão fecha porta

SDE Contato elétrico da régua de segurança

AP Botão abre porta

CFE Contato elétrico da fotocélula

4SWA/B Contato elétrico do dispositivo de lotado (80%)

4SCA/B Contato elétrico de excesso de carga (110%)

AUTO Chave cabineiro

S Botão sobe

D Botão desce

L Botão Lotado

SWA Chave geral no quadro de comando


DESCRIÇÃO DOS COMPONENTES ST-5100

CETEC - Cláudio CONTEÚDO


DISE
Paulo Manfroi
DECA - Marino CETEC612.DOC
CETEC.612
TREINAMENTO TÉCNICO
8 32

AC-2 ST - 5100 ( ANTIGO / REPADRONIZADO) 01/12/96 0

GOV - Contato elétrico do regulador de velocidade progressivo:

Localização : Casa de Máquinas (junto ao regulador).


Ligação : entre as linhas A+ e P1.
Atuação : aproximadamente com 15% de excesso da velocidade nominal.
Observação : quando o regulador for instantâneo pontear A+ com P1.

FUL, FDL e EFP - Limite Final Subida/Descida e Chave de Emergência Fundo de Poço:

Localização : Caixa de Corrida (fiação de poço).


Ligação : ligados em série. P1 em FUL saindo P3 de EFP.
Atuação: FUL e FDL atuam quando acionados pela rampa, e desligam eletricamente o circuito. EFP é
acionado manualmente e também desliga o sistema.

GCE, CPS, GRS e GERAL - Chave Geral em cima da cabina, Contato Elétrico da porta de Segurança, Contato
Elétrico do Aparelho de Segurança e Chave Geral:

Localização : GCE, CPS e GRS em cima da cabina. GERAL se houver, dentro.


Ligação : ligados em série. P3 em GCE saindo P6 de GRS. GERAL é ligado entre P6 e P7, se houver,
caso contrário pontear essas linhas.
Atuação : desligam eletricamente o circuito. GCE é acionado manualmente. CPS é acionado quando a
porta de emergência é aberta. GRS é acionado com a atuação do aparelho de segurança.

BT1 e BT2 - Bulbo Térmico Alta/Baixa:

Localização : Motor de Tração.


Ligação : em série com as bobinas do motor. P7A em BT1 saindo P8. P8 em BT2 saindo P8A no borne
do NPR.
Atuação : atua por elevação de temperatura no motor.

NPR - Relé de Reversão de Fase:


Localização : Quadro de Comando.

CETEC - Cláudio CONTEÚDO


DISE
Paulo Manfroi
DECA - Marino CETEC612.DOC
CETEC.612
TREINAMENTO TÉCNICO
9 32

AC-2 ST - 5100 ( ANTIGO / REPADRONIZADO) 01/12/96 0

Função : Indica inversão de fase (led). Quando o led estiver apagado inverter uma fase de entrada por
outra permanecendo a terceira imóvel.

10 CR, 20 CR - Relés térmicos Alta/Baixa

Localização : Quadro de Comando


Atuação : 10 CR e 20 CR atuam junto ao motor nos enrolamentos de baixa e alta respectivamente.

CHAVE MAN - Chave MAN/AUTO

Localização : em cima da cabina


Ligação : vide esquema abaixo

na posição1- teremos tensão em P14 = 115 Vcc, indicando MANUT.


- quando "SO" estiver pressionado teremos tensão A3+ habilitando movimento.

na posição 2 - teremos P14 = 0 Vcc indicando AUTO.


- teremos tensão em A3+ habilitando movimento.

EM - Botão de Emergência:

Localização : dentro da cabina


Ligação : entre as linhas A3+ e A4+ . Caso não houver pontea-las

KS - Contato de Confirmação de Fechamento de Porta de Pavimento "Palhetas" :

CETEC - Cláudio CONTEÚDO


DISE
Paulo Manfroi
DECA - Marino CETEC612.DOC
CETEC.612
TREINAMENTO TÉCNICO
10 32

AC-2 ST - 5100 ( ANTIGO / REPADRONIZADO) 01/12/96 0

Ligação : entre as linhas A4+ e P26. Quando AC ou AL pontear estas linhas. Em EV os contatos estão
em série. Se uma porta estiver aberta ocorre interrupção de alimentação em P26, ocasionando a parada
do elevador com porta de cabina aberta, mesmo existindo chamada.
A alimentação do ponto P26 é essencial para a operação do relé "20" da MCP2, isto é,
fechamento de porta, considerando que os outros pontos estão perfeitos.
Para AC e AL a porta de pavimento permanece fechada com o elevador parado,
bastando acionar a botoeira de pavimento para abrir a porta.

GS - Contato de Confirmação de Fechamento de Porta de Cabina:

Ligação : entre P26 e P27


Atuação : É normalmente aberto, quando a contato fecha, indica fechamento de porta.

DS - Contato de Confirmação de Engate de Trinco:

Ligação : são ligados em série entre P27 e P28 em EV. No caso de falhar um dos contatos "DS" a porta
de cabina fica abrindo e fechando.

CIRCUITO DE SEGURANÇA

RELÉ NPR ( AC-2 Antigo)

Após ligar a entrada de força, verificar o relé NPR se encontra operado (led acesso). Caso
contrário inverter uma fase de entrada pela outra deixando a terceira fase na mesma posição.

Com o relé NPR operado, temos tensão no ponto P8 = 115 Vcc.

GOV

Se houver contato elétrico do regulador, o mesmo deverá estar ligado da seguinte maneira:
Entre A+ e P1A para o AC-2
Entre A1+ e P1A para o ÔMI e SDN.

Caso contrário fazer ponte quando regulador instantâneo entre os pontos citados acima.

BT1 e BT2 ( BULBO TÉRMICO ALTA E BAIXA )

CETEC - Cláudio CONTEÚDO


DISE
Paulo Manfroi
DECA - Marino CETEC612.DOC
CETEC.612
TREINAMENTO TÉCNICO
11 32

AC-2 ST - 5100 ( ANTIGO / REPADRONIZADO) 01/12/96 0

Identificar as 4(quatro) pontas dos bulbos térmicos de alta e baixa e ligar uma das pontas de um
bulbo com uma das pontas do outro bulbo formando a linha P18. Ligamos as pontas que sobraram uma em P1A
e a outra em P1C.

CONTATO DE PROTEÇÃO DO FREIO (CPF)

O contato deverá estar ajustado para que acione quando houver desgaste excessivo das lonas do
freio da máquina de tração.Ligar P1C no contato CPF retirando P1.
Obs.: O contato CPF nas máquinas EM-22 e EM-25 não será usado até uma definição pelo
DEEM( Departamento de Engenharia).

FUL, FDL e EFP (FIAÇÃO DE POÇO)

Ligamos P1 no contato do limite FUL, saindo P2 que é ligado no limite FDL saindo P2A que é
ligado a chave EFP saindo P3 que retorna ao quadro de comando.

GCE, CPS, GRS, GERAL

Ligamos P3 na chave geral em cima da cabina (GCE) e retiramos P4. Ligamos P4 no contato
elétrico da porta de emergência (CPS) e retiramos P5, se não houver porta de emergência fazer ponte entre P4 e
P5. Ligamos P5 no contato elétrico do aparelho de segurança (GRS) e retiramos P6. Ligamos P6 na chave geral
(GERAL) do painel de cabina e retiramos P7, sendo que P7 retorna ao quadro de comando.

RELÉ NPR

Após ligar a entrada de força, verificar o relé NPR se encontra operado (led acesso). Caso
contrário inverter uma fase de entrada pela outra deixando a terceira fase na mesma posição.

Com o relé NPR operado, temos tensão no ponto A1+ = 115 Vcc.

Obs.: Foi criado o contato da chave # 41 em paralelo com o contato do NPR (AC-2 e ÔMI) e o
40CR (SDN) , para que quando da falha desses contatos o elevador não vá parar no meio do percurso( entre
paredes da caixa de corrida), possibilitando que o usuário saia do elevador. Desta feita o circuito de segurança
permanecerá aberto até que se retire o defeito.
O circuito de segurança é completado com a ligação do P7 . A partir de P7, a ligação é feita
pela fábrica, onde é ligado os relés térmicos 10CR e 20CR e 40CR . Após os relés térmicos cria-se A1+.

Entre A1+ e A2+ encontra-se um fusível denominado FD de 1 A. Sendo expressamente


proibido alterar o valor do mesmo.

Chave MAN em Cima da Cabina

CETEC - Cláudio CONTEÚDO


DISE
Paulo Manfroi
DECA - Marino CETEC612.DOC
CETEC.612
TREINAMENTO TÉCNICO
12 32

AC-2 ST - 5100 ( ANTIGO / REPADRONIZADO) 01/12/96 0

Quando a chave MAN estiver posicionada em 1, teremos fornecendo tensão no ponto P14, isto
é P14 = 115 Vcc. O ponto P14 alimentado indica que o elevador deve estar em comando manutenção. Em
manutenção usamos o botão SO para obtermos tensão A3+.

Quando a chave MAN estiver posicionada em 2, não teremos fornecendo tensão no ponto P14,
isto é, P14 = 0 Vcc. O ponto P14 não alimentado indica que o elevador deve estar em comando AUTOMÁTICO.
Em automático o botão SO é curto circuitado pela chave, assim o botão não é mais utilizado. Na posição 2 o
ponto A3+ terá que ter 115 Vcc.

BOTÃO DE EMERGÊNCIA (EM)

Botão de emergência é ligado entre A3+ e A4+. Quando não houver botão de emergência
(EM), fazer ponte para curto circuitar A3+ com A4+.

CONTATO DE CONFIRMAÇÃO DE FECHAMENTO DE PORTA DE PAVIMENTO


PALHETAS KS

Quando o elevador for com porta abertura central (AC ou AL) fazer ponte para curto-circuitar a
linha A4+ com a linha P26.

No elevador com abertura de porta eixo vertical, as palhetas de todas as portas são ligadas em
série. Quando uma porta ficar aberta vai ocorrer uma interrupção na alimentação do ponto P26, deixando o
elevador parado com a porta de cabina aberta, mesmo que exista chamada.

A alimentação no ponto P26 é essencial para a operação do relé 20 da MCP1, isto é,


fechamento de porta, considerando que os outros pontos estão perfeitos.

Para fechar a porta de cabina no eixo vertical, teremos que ter as seguintes condições:

1) Fazer uma chamada;


2) Ponto P26 = 115 Vcc;
3) Ponto P21 = 115 Vcc (Quando a chamada for para subir);
4) Ponto P22 = 115 Vcc (Quando a chamada for para descer);
5) Verificar todos os pontos opcionais como: BOMB, P29A, P31, FOT, P38, P56 e P15.

Para fechar a porta de cabina no elevador abertura central, teremos que ter todas as condições
citadas acima exceto fazer uma chamada.

CETEC - Cláudio CONTEÚDO


DISE
Paulo Manfroi
DECA - Marino CETEC612.DOC
CETEC.612
TREINAMENTO TÉCNICO
13 32

AC-2 ST - 5100 ( ANTIGO / REPADRONIZADO) 01/12/96 0

FECHAMENTO DE PORTA

Em EV com o carro parado, a porta de cabina sempre se encontra aberta, para fecha-la devemos ter as seguintes condições:

- fazer uma chamada


- P26 = 115 Vcc
- opções: BOMB, P29A, P31, FOT, P38, P56 e P15 devem estar OK
- BK = 0 Vcc (BK = 115 V - a porta fecha e abre para o ÔMI e SDN)
- 0S = 115 Vcc (0S = 0 V - a porta fecha e abre para o ÔMI e SDN)

Após satisfeita as condições necessárias para o fechamento o microprocessador envia


informações para operar o relé 20 e DT da placa MCP1.

Com os relés 20 e DT operados teremos condições de ligarmos a chave contactora 22.

A chave 22 faz operar a chave contactora FAP que por sua vez libera o freio do motor operador
de porta. O motor gira no sentido de fechamento da porta.

O relé DT é temporizado por software (programa). Em funcionamento normal, quando o relé


DT esgota seu tempo, o mesmo desopera. Quando isto acontece a porta está completamente fechada, que é
indicada quando temos tensão de 115 Vcc no ponto P28 . O relé DT desopera 1 seg. após o ponto P28= 115
Vcc.

Se por algum motivo a porta de cabina não completar o fechamento no tempo de 6 (seis)
segundos, teremos as seguintes condições:

- Nesta situação o microprocessador faz desoperar o relé 20. O relé 20 desoperado faz operar a
chave contactora 21 invertendo duas fases para o motor operador. Agora o sentido de giro é
de abertura. Quando a porta abrir completamente, o contato OTL abre, fazendo desoperar a
chave contactora 21 que por sua vez desopera a chave contactora FAP. Quando ambas as
chaves desoperadas desenergizamos o motor operador, e com as chaves 21 e 22
desoperadas, fazemos operar o freio do motor do operador deixando a porta freada.

-Em elevadores AC ou AL, não é preciso fazer chamada para fechar a porta. Podemos analisar
o fechamento de porta do AC e AL a partir do ponto P24 igual a zero (P24 = 0V), isto ocorre quando o contato
OTL abre. Nesta condição a porta terminou de abrir. Imediatamente após esta condição é carregado um primeiro
tempo de 4 (quatro) segundos que a porta permanecerá aberta.

Se a porta começar a fechar e voltar a abrir será carregado um segundo tempo que a porta permanecerá
aberta de 0,5 segundos. Manterá sempre este tempo até o elevador conseguir partir para outro pavimento. A
partir de uma viagem começa novamente o primeiro tempo de permanência de porta aberta.
Para abri-la devemos satisfazer as seguintes condições:

- pressionar a botoeira de pavimento no mesmo andar que se encontra o carro parado; ou


- pressionar o botão AP no painel de operação de cabina. Ao pressionar o botão o ponto P31
perde alimentação.

CETEC - Cláudio CONTEÚDO


DISE
Paulo Manfroi
DECA - Marino CETEC612.DOC
CETEC.612
TREINAMENTO TÉCNICO
14 32

AC-2 ST - 5100 ( ANTIGO / REPADRONIZADO) 01/12/96 0

ABERTURA DE PORTA AC e AL

Em AC ou AL a porta de cabina está sempre fechada, para abri-la devemos satisfazer as seguintes
condições:

- pressionar a botoeira de pavimento no mesmo andar que se encontra o carro parado; ou


- pressionar o botão AP no painel de operação de cabina. Ao pressionar o botão o ponto P31 perde alimentação.

CONTATO GS

O contato GS é normalmente aberto. Quando a porta estiver completamente fechada, o contato


do GS deve fechar confirmando que a porta da cabina está fechada.

CONTATOS DS EM EV

Quando a porta da cabina fechar completamente a rampa se recolherá fazendo o travamento


mecânico e elétrico da porta de pavimento. Os contatos elétricos dos trincos estão ligados em série. No caso de
falhar um trinco DS a porta fica abrindo e fechando. Em funcionamento normal após fechar os trincos DS
teremos tensão em P28.

RELÉS DE COMANDO 36U E 36D

Quando a tensão em P28 for de 115 Vcc e houver uma chamada, o microprocessador faz operar
o relé 36U ou 36D da MCP3. Quando a chamada for para subir o relé 36U opera e para descer operamos o relé
36D.

CHAVE DE FORÇA #1, #2, #4

Considerando o limite de parada SDLU fechado e o relé 36U operado, teremos condições de
operar a chave de força #1, que pelo contato da chave #1 vai operar a chave de força #4 através do contato de
repouso do relé 54 (AC-2) e relé 60 (SDN) .

Considerando o limite de parada SDLD fechado e o relé 36D operado, teremos condições de
operar a chave de força #2, que pelo contato da chave #2 vai operar a chave de força #4 através do contato de
repouso do relé 54 (AC-2) e relé 60 (SDN).

+36U # +1 # +4 Elevador sobe em alta velocidade

+36D # +2 # +4 Elevador desce em alta velocidade

FREIO DA MÁQUINA DE TRAÇÃO

Para operarmos a bobina do freio da tração, teremos que ter as seguintes combinações de
chaves operadas:

CETEC - Cláudio CONTEÚDO


DISE
Paulo Manfroi
DECA - Marino CETEC612.DOC
CETEC.612
TREINAMENTO TÉCNICO
15 32

AC-2 ST - 5100 ( ANTIGO / REPADRONIZADO) 01/12/96 0

Chave #1 e Chave #4
Chave #1 e Chave #3
Chave #2 e Chave #4
Chave #2 e Chave #3

Utilizamos um banco de capacitores sobre a bobina do freio. Este banco de capacitores tem a
finalidade de eliminar o arco-voltaico sobre os contatos das chaves no momento de desoperação do freio.

OBS.:
-Também utilizamos um diodo que é necessário quando houver troca da chave 4 pela 3
(redução) no caso do AC-2. Existirá um instante na troca das chaves em que os contatos, tanto da chave 4 como
da chave 3 estarão abertos, neste momento, o freio da máquina de tração ficará mantido pela energia da própria
bobina do freio. Esta energia circulará através do diodo e do contato da chave 1 ou chave 2. Com isto, teremos
um retardo na desoperação e consecutivamente tempo suficiente para o contato da chave 3 fechar, não deixando
o freio desoperar.

O freio é desoperado quando o contato da chave 1 ou 2 combinado com o contato da chave 3


abrirem. neste caso, não temos mais retardo na desoperação do freio, porque o contato da chave 1 ou 2 abre, não
existindo mais o caminho através do diodo.

ENROLAMENTO DE BAIXA DO MOTOR DE TRAÇÃO


Ligar os terminais U1, V1 e W1 do motor de tração, aos terminais do relé térmico 10CR.
Para verificar o sentido de giro do enrolamento de baixa velocidade, devemos tomar como base
a direção da seta, do indicador de posição do quadro de comando e as chaves.

Seta de Subida
Chave 1 Elevador deve subir em baixa velocidade

Seta de Descida
Elevador deve descer em baixa
Chave 2
velocidade

Quando ocorrer os seguintes casos,


proceder as devidas inversões no relé térmico 10CR.

Chave 1 e Seta de Subida ↑ ⇒ Elevador Desce ⇒ Inverter U1 por W1

Chave 2 e Seta de descida ↓ ⇒ Elevador Sobe ⇒ Inverter U1 por W1

ENROLAMENTO DE ALTA DO MOTOR DE TRAÇÃO

Ligar os terminais U2, V2 e W2 do motor de tração aos terminais do relé térmico 20CR.

Para verificar o sentido de giro do enrolamento de alta velocidade, devemos tomar como base a
direção da seta do indicador de posição do quadro de comando.

Elevador desce em alta velocidade

Elevador sobe em alta velocidade


CETEC - Cláudio CONTEÚDO
DISE
Paulo Manfroi
DECA - Marino CETEC612.DOC
CETEC.612
TREINAMENTO TÉCNICO
16 32

AC-2 ST - 5100 ( ANTIGO / REPADRONIZADO) 01/12/96 0

Seta de Subida
Chave 1

Seta de Descida
Chave 2

Quando ocorrer os seguintes casos, proceder as devidas inversões no relé térmico 20CR.

Seta de Subida
Chave 1 Elevador desce → Inverter U2 por W2

Seta de Descida
Elevador sobe → Inverter U2 por W2
Chave 2

OBS.: A inversão deverá ser feita na fiação que sai do relé térmico e vai para o motor de tração.
Invertendo uma fase por outra, inverte o sentido de giro do motor de tração.

LIMITES DE REDUÇÃO E PARADA

Dispositivo de segurança localizado no poço, sendo que um no extremo inferior, e outro no


extremo superior. Seu acionamento é mecânico, através da rampa presa no elevador. Contém um contato elétrico
que informa o momento em que o elevador deve reduzir no caso de necessidade.

O limite de redução tanto serve para reduzir de alta para baixa velocidade, como para atualizar
o seletor cada vez em que o elevador alcance um dos extremos.

Quando o elevador ultrapassas 50 mm da placa de parada do primeiro ou do último pavimento,


deverá acionar o limite de parada, fazendo a desoperação das chaves. O freio do motor de tração aciona, fazendo
parar o elevador.

TRANSFORMADOR MONOFÁSICO ( Elevadores Antigos )

L4 com A- ⇒ É usado apenas para alimentar o microprocessador do módulo ID2. Tensão utilizada é 17 V.

L5 com L6 ⇒ Esta tensão de 6,3 Vca é retificada para ser utilizada na alimentação dos transistores do módulo
ID1 ou ID2.

L7 com L8 ⇒ Não é usado no AC-2 ST-5100.

L9 com L10 ⇒ Esta tensão de 20 Vca é retificada para ser utilizada na alimentação do auto-iluminado e
microprocessador da MCP1 (T2+).
TRANSFORMADOR MONOFÁSICO ( Elevadores Repadronizados)

L10 com A- ⇒ É usado apenas para alimentar o microprocessador do módulo ID3. Tensão utilizada é 9 V.

L9 com L8 ⇒ Esta tensão de 6,3 Vca é retificada para ser utilizada na alimentação dos transistores do módulo
ID3.

L14 com L12 ⇒ Usado na alimentação da TDC do ÔMI e SDN .

CETEC - Cláudio CONTEÚDO


DISE
Paulo Manfroi
DECA - Marino CETEC612.DOC
CETEC.612
TREINAMENTO TÉCNICO
17 32

AC-2 ST - 5100 ( ANTIGO / REPADRONIZADO) 01/12/96 0

L16 com L15 ⇒ Esta tensão de 20 Vca é retificada para ser utilizada na alimentação do auto-iluminado e
microprocessador da MCP3 (T4+).

MÓDULO INDICADOR DIGITAL

O responsável pela geração da numeração é o microprocessador da MCP1, MCP2 e MCP3.

Os módulos ID1, ID2 ou ID3 recebem a informação do microprocessador das MCPs e


transforma em sinais para os indicadores digitais.

O módulo ID1 só é utilizado quando as informações recebidas forem para gerar apenas
números (0, 1, 2, 3, 4, 5, 6, 7, 8, 9).

O módulo ID2 é utilizado quando as informações recebidas forem para gerar números e letras
pré-determinadas. As letras pré-determinadas são: S1, S2, SL, C, E, F, SS, L, P, O, G, 2G, A, C1, C2, G1, G2,
G3, 3S e PG; 1 a 32; -1, -2, -3, -4, -5.
Exemplos:

1) Trocar números por letras pré-determinadas:

Trocar microprocessador da MCP1 e trocar ID1 por ID2.

2) Trocar número por número:

Trocar microprocessador da MCP1 mantendo o mesmo ID1 ou ID2.

3) Trocar letra pré-determinada por outras letra pré-determinada:

Trocar microprocessador da MCP1 mantendo o mesmo ID2.

O módulo ID3 faz o indicador ST99 normal ( Display).Executa o ST99 Plus ( Matriz de Leds )
com comunicação serial. É intercambiável para outras obras sem nos preocuparmos com a gravação da Eprom da
ID3, pois a mesma é padrão. A indicação da MCP3 para a ID3 é direta.
A linha que alimenta a fonte dos módulos ID1 e ID2 é a linha L4.
A linha que alimenta a fonte do módulo ID3 é a L11 e L10 de 9Vca.

Linhas de saída para os display são alimentadas por T3+ e possuem a seguinte nomenclatura:

TDA, TDB, TDC, TDD, TDE, TDF e TDG ⇒ 1° Dígito

TDK, TDL, TDM, TDN, TDP, TDH e TDQ ⇒ 2° Dígito

CETEC - Cláudio CONTEÚDO


DISE
Paulo Manfroi
DECA - Marino CETEC612.DOC
CETEC.612
TREINAMENTO TÉCNICO
18 32

AC-2 ST - 5100 ( ANTIGO / REPADRONIZADO) 01/12/96 0

H A

P K F B

Q G

N L E C
M D

Ex.: Número 12 é composto dos seguintes seguimentos:

TDA, TDB, TDG, TDE, TDD, TDK e TDL.

K B

L E
D

AUTO-ILUMINADO DE CABINA E PAVIMENTO ( MCP1,MCP2,MCP3)

A informação é enviada pelo microprocessador da MCP1, MCP2 ou da MCP3 a base do


transístor que entra em condução. Em condução teremos :

-T2+ na linha UT,DT,CT de acordo com a chamada ( Elev. Antigo).


-T8+ na linha CT, de acordo com a chamada ( Elev. Repadronizado).
-T7+ na linha DT, de acordo com a chamada( Elev. Repadronizado).
-T6+ na linha UT, de acordo com a chamada ( Elev. Repadronizado).

ALIMENTAÇÃO DA MCP 3 E DO MÓDULO DE EXPANSÃO ME

A alimentação da placa MCP 3 teremos a linha T4+ e a alimentação da placa “ME” a linha
T2+.

CETEC - Cláudio CONTEÚDO


DISE
Paulo Manfroi
DECA - Marino CETEC612.DOC
CETEC.612
TREINAMENTO TÉCNICO
19 32

AC-2 ST - 5100 ( ANTIGO / REPADRONIZADO) 01/12/96 0

NOMENCLATURA DOS RELÉS NA MCP1 , MCP2 E MCP3 PARA AC-2 ST-5100

SU Relé da seta de subida

SD Relé da seta de descida

36U Relé para comando de subida

36D Relé para comando de descida

20 Relé de abertura e fechamento de porta

15T Relé de tempo do banco de resistores da baixa ( AC-2 )

DT Relé de tempo de fechamento de porta

54 Relé de redução de velocidade (AC-2 e ÔMI)

ZUM Relé para campainha (BZ)

AUX Relé auxiliar (MCP2 e MCP3)

AUX Relé auxiliar (MCP3)

AUX Relé auxiliar (MCP3)

Para se usar a tabela observar a seguinte legenda:

N°°DO RELÉ FAMÍLIA DE ELEVADOR USADO


NOME DO RELÉ
LINHA LINHA LINHA
NU ME RO DO CON TA TO

CETEC - Cláudio CONTEÚDO


DISE
Paulo Manfroi
DECA - Marino CETEC612.DOC
CETEC.612
TREINAMENTO TÉCNICO
20 32

AC-2 ST - 5100 ( ANTIGO / REPADRONIZADO) 01/12/96 0

DISPOSIÇÃO DOS RELÉS NA MCP-3

N°°DORELÉ AC2 ÔMI SDN


1 SU SU SU
T30 T30 T30
80 79 78 80 79 78 80 79 78

2 SD SD SD
T40 T40 T40
77 76 75 77 76 75 77 76 75

3 36U 36U 36U


109 211 509
74 73 72 73 74 72 73 74 72

4 36D 36D 36D


111 210 511
71 70 69 70 71 69 70 71 69

5 20 20 20
120 209 309
68 67 66 68 67 66 68 67 66

6 15T 60 60
119 304 514
65 64 63 65 64 63 65 64 63

7 DT DT DT
104 208 308
62 61 60 62 61 60 62 61 60

8 54 54 D39
114 110 g18
59 58 57 59 58 57 59 58 57

9 ZUM ZUM ZUM


BZ BZ BZ
56 55 54 56 55 54 56 55 54

10 AUX D32 10
NC 2VL 523
53 52 51 53 52 51 53 52 51

11 AUX AUX AUX


NC NC NC
50 49 48 50 49 48 50 49 48

12 AUX AUX AUX


NC NC NC
47 46 45 47 46 45 47 46 45

CETEC - Cláudio CONTEÚDO


DISE
Paulo Manfroi
DECA - Marino CETEC612.DOC
CETEC.612
TREINAMENTO TÉCNICO
21 32

AC-2 ST - 5100 ( ANTIGO / REPADRONIZADO) 01/12/96 0

SEQUÊNCIA BÁSICA DE PARTIDA PARA O AC-2 ST-5100

Considerações para seqüência básica:

- Elevador com porta eixo vertical;


- Elevador no primeiro pavimento;
- Painel de força ligado;
- Chave SWA ligada.

Antes de fazer a seqüência básica de operação de partida, devemos proceder as leituras nos
pontos indicados na tabela abaixo, a fim de assegurar os valores encontrados são correspondente, caso contrário
verificar as causas prováveis.

Leitura Correta Leitura Incorreta - Verificar Causas Prováveis

A+ = 115 Vcc Retificadora trifásica ou fusível FC


A2+ = 115 Vcc Circuito de segurança e fusível FD com problemas
A3+ = 115 Vcc Chave sobre a cabina em manutenção
A4+ = 115 Vcc Botão de emergência aberto
P26 = 115 Vcc No eixo vertical, porta de pavimento (palhetas) aberta
T2+ = 17 Vcc Fusíveis FE e FF com problemas. Led da MCP1 deverá estar
apagado

Limite Fechado (Elevador no 1° pav.) Limite SD1U deve estar aberto


P21 = 115 Vcc indevidamente

Limite Aberto (Elevador no 1° pav.) Limite SD1D não deve estar abrindo
P22 = 0 Vcc

P14= 0VccAutomático Verificar chave automático/ manutenção

P9,P10= 115 Vcc Verificar chave de indução de subida e descida


FOT = 115 Vcc Fotocélula com problema ou falhando ponte
P29A =0 Vcc Botão FP colocado indevidamente
BOMB = 0 Vcc Chave BOMB fechada indevidamente
P38 =0 Vcc Contato 4SWA ou 4SWB fechado indevidamente
P31 = 115 Vcc Contato da régua de segurança ou botão AP aberto indevidamente
P56 =0 Vcc Contato 4WCA ou 4WCB fechado indevidamente
P15 =0 Vcc Verificar chave automático/cabineiro
P15 = 115 Vcc Verificar chave automático/cabineiro
Cabineiro

CETEC - Cláudio CONTEÚDO


DISE
Paulo Manfroi
DECA - Marino CETEC612.DOC
CETEC.612
TREINAMENTO TÉCNICO
22 32

AC-2 ST - 5100 ( ANTIGO / REPADRONIZADO) 01/12/96 0

PARTIDA ( AC-2 Antigo)

Elevador no 1° pavimento.

Porta EV.

2C+ → 2CT+

KS+

P26+

MCP Habilita

+20, +DT

+ Chave 22 → +FAP → -FM
↓ ↓
Energiza M.O.P.C.

+CRF → +RM

+GS (Porta cab. fechada)

+DS

+P28 (Porta pav. fechada e travada)

MCP Habilita → -DT (Após 1 seg. de
↓ ↓ confirmado P28)
+36U - Chave 22
↓ ↓ ↓
+ CHAVE 1 - M.O.P.C. ← -FAP
↓ ↓
+ CHAVE 4 + FM

+Bobina Freio M.T., Energiza Motor M.T.

CETEC - Cláudio CONTEÚDO


DISE
Paulo Manfroi
DECA - Marino CETEC612.DOC
CETEC.612
TREINAMENTO TÉCNICO
23 32

AC-2 ST - 5100 ( ANTIGO / REPADRONIZADO) 01/12/96 0

REDUÇÃO ( AC-2 Antigo)

Chave de indução 1IRU passa na placa de redução do 2° pavimento.

Entrada da Placa

1IRU (Abre)

-P9 (P9 = 0 Vcc)

MCP Habilita

+54, 15T (Retardo na operação, começa
a contar tempo para +,
ajustado pela TB)

- Chave 4, + Chave 3

MCP Habilita

+15T

+ Chave 11 (Fecha o banco de
resistores, aplicar maior
tensão M.T.)

CETEC - Cláudio CONTEÚDO


DISE
Paulo Manfroi
DECA - Marino CETEC612.DOC
CETEC.612
TREINAMENTO TÉCNICO
24 32

AC-2 ST - 5100 ( ANTIGO / REPADRONIZADO) 01/12/96 0

PARADA ( AC-2 Antigo)

Chave de indução 2IRU entra na placa de parada.

2IRU- (Abre)

P11- (P11 = 0 Vcc)

MCP Desabilita
___________________________________
↓ ↓ ↓ ↓
-15T, -36U, -54, - 20
↓ ↓ ↓
- Chave 11 - Chave 1 + Chave 21
↓ ↓
Chave 3 + FAP
↓ ↓
- Bobina Freio M.T. - FM

Abertura de Porta : + #21, + FAP


Energiza M.O.P.C.
_________________
↓ ↓
+ CRA -P28
↓ ↓
+ RM -2C

- OTL

- Chave 21

- RM, - FAP, + FM

Desenergiza M.O.P.C.

CETEC - Cláudio CONTEÚDO


DISE
Paulo Manfroi
DECA - Marino CETEC612.DOC
CETEC.612
TREINAMENTO TÉCNICO
25 32

AC-2 ST - 5100 ( ANTIGO / REPADRONIZADO) 01/12/96 0

AC-2 REPADRONIZADO - PARTIDA

Elevador no 1° pavimento, porta EV.

2C+

KS+

+P26

MCP Habilita

+DT, +20
↓ ↓
+ Chave 22 
↓ ↓
+FAP → Energiza M.O.P.C.
↓ ↓
-FM +CRF

+RM

+GS

+DS

+P28

+ Chave 41

(Após 1 seg da confirmação da P28+) -DT ← MCP Habilita → +36U
↓ ↓
- Chave 22 + Chave 1
↓ ↓
-FAP, -RM + Chave 4
↓ ↓
+FM Energiza +Bobina
Motor de Freio
Tração M.T.

CETEC - Cláudio CONTEÚDO


DISE
Paulo Manfroi
DECA - Marino CETEC612.DOC
CETEC.612
TREINAMENTO TÉCNICO
26 32

AC-2 ST - 5100 ( ANTIGO / REPADRONIZADO) 01/12/96 0

REDUÇÃO

Chave indução 1IRU passa na placa, reduz 2° pavimento.

1IRU (Abre)

P9- (P9 = 0 Vcc)

MCP Habilita

54+, 15T (Começa contar tempo p/ operar)

- Chave 4, + Chave 3

MCP Habilita

15T+

+ Chave 11 (Fecha banco de resisrores)

Ajuste do Conforto na Redução

CETEC - Cláudio CONTEÚDO


DISE
Paulo Manfroi
DECA - Marino CETEC612.DOC
CETEC.612
TREINAMENTO TÉCNICO
27 32

AC-2 ST - 5100 ( ANTIGO / REPADRONIZADO) 01/12/96 0

Para efetuar o ajuste proceder da seguinte maneira:

1) Conferir meticulosamente as distâncias de placa.

2) Confirmar que o balanceamento da cabina e o tensionamento dos cabos de tração foram feitos.

3) Posicionar no módulo IVS (localizado na parte frontal superior do quadro de comando) o cursor 2,
3, 4 da chave TC na posição ON, conforme FIG. 1.

RL1

7
6
ON OFF 5
IVS 4
4
3
3
TC 2
2
1
1

R1 JR

FIG. 1

Com a chave TC nesta posição o elevador pemanecerá com o banco de resistores da redução até a
parada, isto significa que a chave # 11 não vai interferir no ajuste do banco ( o ajuste da chave TC encontra-se no
tempo máximo ).

4) Fazer viagens com percurso longo e ajustar o banco de resitores na descida, quando 100% de
carga, ou na subida quando a cabina estiver sem carga 0%, através do anel cursor do banco de resistores,
localizado sobre o quadro de comando, devendo posicionar valores de resistores, afim de obtermos valores que
possibilitem maior conforto, quando ocorrer a troca da chave 4 pela chave 3,confortavelmente estabilize na
velocidade de baixa aproximadamente a 150 mm.Consultar a Tabela de Aplicação de Resistores (FIG. 4 ).

OBS.:* Fazer o ajuste no banco de resistores com elevador parado e desligado.

* Caso os resistores estejam com resistência total, em série com o motor, e mesmo assim
persistir um soco forte no início da redução, poderá ser liberado a colocação de outro conjunto de
resistores com autorização da fábrica.

5) Após ajustado o conforto, proceder o ajuste na chave TC posicionando o cursor 2, 3 e 4


conforme tabela de tempo (FIG. 3) afim de obtermos a operação da chave 11 na metade do percurso em que o
elevador estabilizou em baixa velocidade (verificar FIG. 2).
A) Os elevadores devem estabilizar em baixa, no máximo a 300 mm e no mínimo a 200 mm da
parada.
B) Para o ajuste da chave 11, diminuir o tempo ponto a ponto (tabela) até atingir o objetivo .

CETEC - Cláudio CONTEÚDO


DISE
Paulo Manfroi
DECA - Marino CETEC612.DOC
CETEC.612
TREINAMENTO TÉCNICO
28 32

AC-2 ST - 5100 ( ANTIGO / REPADRONIZADO) 01/12/96 0

FIG. 2
.
TABELA P/ PROGRAMAR A OPERAÇÃO DO RELÉ 15T ( CHAVE 11 )
CHAVE TC

2 3 4 TEMPO
OFF OFF OFF 0,4
OFF OFF ON 0,8
OFF ON OFF 1,2
OFF ON ON 1,6
ON OFF OFF 2,0
ON OFF ON 2,4
ON ON OFF 2,8
ON ON ON 3,0

FIG. 3

TABELA DE APLICAÇÃO DE RESISTORES

CETEC - Cláudio CONTEÚDO


DISE
Paulo Manfroi
DECA - Marino CETEC612.DOC
CETEC.612
TREINAMENTO TÉCNICO
29 32

AC-2 ST - 5100 ( ANTIGO / REPADRONIZADO) 01/12/96 0

Máquina de Potência do N° Polos Tensão (V) e Resistência - Códigos Ω)


Resistência (Ω
Tração Motor (kw) Freq. (Hz) SUR SERVISUR A B C
220 50 3Y.0852.K3 04398-4 2,0 2,5 3,0
EM-22 3,7 / 0,9 6 X 24 60
380 50 3Y.0852.K4 04397-6 5,0 7,0 9,0
60
220 50 3Y.0852.K1 01991-9 3,0 3,5 4,0
EM-25 3,7 / 0,9 4 X 16 60
380 50 3Y.0852.K2 01992-3 8,0 10,0 12,0
60
3,7 / 0,92 220 50 3Y.0852.K1 01991-9 3,0 3,5 4,0
5,5 / 1,37 4 X 16 60
7,5 / 1,87 380 50 3Y.0852.K2 01992-3 8,0 10,0 12,0
EM-33 60
220 50 3Y.0852.K3 04398-4 2,0 2,5 3,0
5,5 / 0,9 4 X 24 60
7,5 / 1,25 380 50 3Y.0852.K4 04397-6 5,0 7,0 9,0
60

FIG. 4

Obs: Quanto AC-2 Antigo proceder da mesma maneira . Utilizar tabela de tempo para o tabulador TB
localizado na parte inferior da MCP1. O ajuste é feito através das chaves 1,2,3 e 4 conforme tabela de tempo.

CETEC - Cláudio CONTEÚDO


DISE
Paulo Manfroi
DECA - Marino CETEC612.DOC
CETEC.612
TREINAMENTO TÉCNICO
30 32

AC-2 ST - 5100 ( ANTIGO / REPADRONIZADO) 01/12/96 0

TABELA DA CHAVE "TB" (AC-2 Antigo)

1 2 3 4

TEMPO (seg.) 1 2 3 4
3,0 1 1 1 1
2,8 0 1 1 1
2,6 1 0 1 1
2,4 0 0 1 1
2,2 1 1 0 1
2,0 0 1 0 1
1,8 1 0 0 1
1,6 0 0 0 1
1,4 1 1 1 0
1,2 0 1 1 0
1,0 1 0 1 0
0,8 0 0 1 0
0,6 1 1 0 0
0,4 0 1 0 0
0,2 1 0 0 0
0,0 0 0 0 0

CETEC - Cláudio CONTEÚDO


DISE
Paulo Manfroi
DECA - Marino CETEC612.DOC
CETEC.612
TREINAMENTO TÉCNICO
31 32

AC-2 ST - 5100 ( ANTIGO / REPADRONIZADO) 01/12/96 0

PARADA REPADRONIZADO

Chave indução 2IRU entra na placa de parada 2° pavimento.

2IRU (Abre)

-P11 (P11 = 0 V)

-RL1

+P11A (P11A = 115 Vcc)

MCP Desabilita
________________________
↓ ↓ ↓ ↓
-15T, -36U, -54, -20
↓ ↓ ↓
-11 - Chave 1 + Chave 21
↓ ↓
- Chave 3 +FAP → -FM

Bobina
Freio M.T.

Abertura de porta:
______________________
↓ ↓ ↓
#21+, FAP+ -P28
↓ ↓ ↓
Energiza M.O.P.C. -41,-2C

CRA+

RM+

OTL-

#21-

RM- ← FAP- → FM+

Desnergiza M.O.P.C.

CETEC - Cláudio CONTEÚDO


DISE
Paulo Manfroi
DECA - Marino CETEC612.DOC
CETEC.612
TREINAMENTO TÉCNICO
32 32

AC-2 ST - 5100 ( ANTIGO / REPADRONIZADO) 01/12/96 0

DIFERENÇAS ENTRE O AC-2 REPADRONIZADO E O AC-2 ANTIGO

DENOMINAÇÃO DESCRIÇÃO
- Ver contato 13 e 14 no circuito de segurança o
qual fica monitorando a falha provável do contato
3 e5 do NPR.

- Ver contato 31 e 34 no circuito das chaves de


CHAVE # 41 força do elevador, que só vão aperar com a
confirmação da porta de pavimento fechada.

- O tabulador TC está neste módulo, sendo que a


chave 1 não é utilizada.

- O relé RLI e o resistor RL serão utilizados para


MÓDULO IVS melhorar o sinal de parada.

- Este sinal de parada foi invertido de


P11=0V(AC-2 Antigo) para P11A=115V(AC-2
Reduzido).
- Este micro controlador será compatível para
todos os elevadores:AC-2,OM e SDN.

MCP-3 - Para não trocar o Software (programa) a leitura


externa de P11A=115V é invertida pelo Hardware
da MCP-3, para que a leitura interna do micro
controlador seja a mesma em relação ao AC-2
antigo.

CETEC - Cláudio CONTEÚDO


DISE
Paulo Manfroi
DECA - Marino CETEC612.DOC