Você está na página 1de 3

A SEMANA: Primeiro diário cabo-verdiano em linha

Recordando Padre Moniz de Calheta 17 Maio 2014

A Paróquia de São Miguel Arcanjo baseada na Calheta (Interior de Santiago) construiu um


monumento histórico em memória aos missionários da Congregação do Espírito Santo,
falecidos naquela freguesia no ano de 1989, padre João Eduardo Moniz e padre Cyr
Crettaz. Estes dois missionários foram os grandes obreiros desta paróquia e porque não
dizer, do nascimento de Calheta São Miguel.

Por: Nataniel Vicente Barbosa e Silva

No próximo dia 18 de Abril de 2014, completar-se-ão exactamente 25 anos sobre a


data do falecimento do reverendo padre Moniz, como era carinhosamente tratado.
Recorde-se que este missionário chegara a Cabo Verde a 18 de Dezembro de 1953
com 25 anos de idade. Era oriundo dos Açores-Portugal mas considerava-se um
cidadão cabo-verdiano e dominava o crioulo fluentemente e as suas mensagens eram
transmitidas normalmente nesta língua.

Trabalhou na maior parte das paróquias da ilha de Santiago e Maio deixando atrás de
si, em toda a parte, a saudade e amizade, a confiança e o respeito de toda a gente.

Alegre, simples, brincalhão, franco e leal. Franzino de corpo, pequeno de estatura mas
a sua dedicação pela causa dos outros era gigante.

Aparentemente tímido mas não recuava perante as dificuldades não só no campo


religioso mas também no da promoção humana, tanto antes como depois da
independência nacional. Era exigente e forte nos direitos do Senhor e na condução das
suas ovelhas. Amante da língua cabo-verdiana dedicava-se muito à sua aprendizagem
em que tornou-se mestre segundo o testemunho de muitos, eu próprio o autor destas
linhas muito aprendi com ele nesse domínio e não só na altura em que de internet nem
se falava e ninguém fazia a mínima ideia do seu aparecimento.

Uma figura na verdade como padre Moniz jamais poderá ser esquecida. Depois de
quase 25 anos sobre a data da sua morte, a sua memória ainda continua viva e fresca
entre os paroquianos de São Miguel. Os seus confrades homens alegres e divertidos
“baptizaram-no” de “anjo da Guarda” de Padre Crettaz. Com a sua já frágil saúde,
dedicava incansavelmente toda a sua vida ao povo de São Miguel. Inesperadamente
viria a falecer a 18 de Abril de 1989 quando todos pensavam que tinha sido a morte do
Pe. Crettaz. Ainda a Paróquia de S. Miguel chorava a morte repentina do seu Pároco,
Pe. Moniz, quando passados sete meses, falecia o Pe. Crettaz a 27 de Novembro,
deixando a Paróquia numa profunda tristeza pois no mesmo ano faleciam as duas
pedras angulares deste povo e desta comunidade cristã.

A pedido do povo e em sinal de gratidão e de reconhecimento, quiseram que os seus


restos mortais ficassem à frente da Igreja Paroquial a fim de serem venerados as vidas
e testemunhos destes dois grandes missionários espiritanos.

Quase toda uma vida dedicada a Cabo Verde, 43 anos de vida missionária.

PE. JOÃO EDUARDO MONIZ

O nome do Pe. Moniz ficou, sem dúvida, associado à Paróquia de S. Miguel Arcanjo
nos seus 16 anos que a serviu com toda a dedicação e entrega. Um Açoriano vindo
de ilhas, chegava ao arquipélago de Cabo Verde a 18 de Dezembro de 1953 onde
permaneceu até ao dia da sua morte a 18 de Abril de 1989, vivendo 36 anos de
missionário passando por várias Paróquias, Nª Sr.ª da Graça, Santíssimo Nome de
Jesus, S. João Baptista, S.to Amaro Abade, Santa Catarina e finalmente S. Miguel
onde, com mais afinco, se entregou de alma e coração.

Nesta paróquia, o Pe Moniz desempenhou um papel fundamental que a memória do


povo não deixou apagar. Desde a atenção aos mais pobres e doentes, a todos visitava,
passando pelos jovens com quem mantinha encontros regulares de formação, até
ao mundo da educação, Foi com a construção da actual Igreja paroquial pelo Pe.
Crettaz que se começou a desenvolver na actual Calheta o que hoje nela existe. E
depois mais tarde, o Pe. Moniz consolidou a Paróquia e alargou a sua preocupação ao
mundo da Educação, pela criação duma Escola Secundária que hoje tem o seu nome,
Escola Secundária Padre Moniz.

Recorde-se que o Padre Crettaz foi já por mim evocado num outro artigo por ocasião
do centésimo segundo aniversário do seu nascimento que suscitou por parte dos
micaelenses e não só uma imensa satisfação (Ver o jornal online “ASemana” de
16.02.14).

Honra e glória aos Padres João Eduardo Moniz e Cyr Crettaz unidos na vida e na
morte. “Ab aeterno”.

Incrivelmente, até parece que o número 8 se associa em várias etapas da vida deste
sempre lembrado “pater” (padre) pai de todos: João Eduardo Moniz.

Nasceu a 28.09.28

Chegou a Cabo Verde em 18.12.1953

Faleceu a 18.04.1989