Você está na página 1de 7

Know How, Aprender a Brincar, Associação de Solidariedade Social

CRC Lisboa N.º 508515440  NIPC 508515440

R. David Sousa, Nº. 13-A e B


1000 – 105 Lisboa
Telefone: 217 812 750
Fax: 217 812 759
E-mail: marionobre.knowhow@gmail.com
2
Know How, Aprender a Brincar, Associação de Solidariedade Social

1 Descrição do Plano de Estudo da Atividade da Expressão Plástica


O planeamento anual para o desenvolvimento da Atividade da Expressão Plástica, no
ano letivo 2015/2016, foi definido de acordo com as orientações programáticas
definidas pelo Ministério de Educação e Ciência, para o 1º Ciclo do Ensino Básico.

i. Objetivos Gerais
Promover no aluno hábitos e oportunidades de:
 Práticas de Investigação;
 Promover projetos de pesquisa em artes. Explorar um determinado
tema/situação/problema com significado para o aluno, baseando a recolha e
tratamento da informação num processo que vise a proteção do património
artístico, num quadro de rigor ético;
 Produção e realização de espetáculos, oficinas, mostras, instalações e outros;
 Participar em realizações artísticas que propiciem o desenvolvimento de
atividades individuais e em grupo e de trabalho interdisciplinar;
 Utilização das tecnologias da informação e comunicação;
 Assistência a diferentes espetáculos/exposições/instalações e outros eventos
artísticos;
 Assistir a espetáculos de natureza e orientações estéticas diversificadas;
 Práticas interdisciplinares;
 Desenvolver projetos com outras disciplinas e áreas disciplinares, permitindo a
transferência de saberes;
 Contacto com diferentes tipos de culturas artísticas;
 Contactar com diferentes culturas artísticas de diferentes povos e em
CRC Lisboa N.º 508515440  NIPC 508515440

diferentes épocas, ampliando as referências culturais e estéticas e contribuindo


para o desenvolvimento de uma consciência multicultural;
 Conhecimento do património artístico nacional;

R. David Sousa, Nº. 13-A e B


1000 – 105 Lisboa
Telefone: 217 812 750
Fax: 217 812 759
E-mail: marionobre.knowhow@gmail.com
3
Know How, Aprender a Brincar, Associação de Solidariedade Social

 Promover a valorização do património artístico e cultural nacional, regional e


local de uma forma ativa e interventiva. Contemplar trabalhos de investigação;
 Intercâmbios entre escolas e outras instituições;
 Desenvolver intercâmbios com estudantes de outras escolas a possibilitar o
conhecimento recíproco, a troca de experiências, a valorização das diferenças
(culturais, religiosas, étnicas…) e dos respetivos patrimónios artístico-culturais;
 Exploração de diferentes formas e técnicas de criação e de processos
comunicacionais;
 Compreender as formas como os diferentes elementos artísticos interagem e
desenvolver a capacidade de seleção e aplicação de técnicas no processo de
criação artística. Incentivar formas personalizadas de expressão e comunicação.
 Apropriação das linguagens elementares das artes;
 Desenvolvimento da capacidade de expressão e comunicação;
 Desenvolvimento da criatividade;
 Compreensão das artes no contexto.

ii. Objetivos Específicos de Aprendizagem


Apropriação das linguagens elementares das artes:
 Adquirir conceitos;
 Identificar conceitos em obras artísticas;
 Aplicar os conhecimentos em novas situações;
 Descodificar diferentes linguagens e códigos das artes;
 Identificar técnicas e instrumentos e ser capaz de os aplicar com correção e
oportunidade;
CRC Lisboa N.º 508515440  NIPC 508515440

 Compreender o fenómeno artístico numa perspetiva científica;


 Mobilizar todos os sentidos na perceção do mundo envolvente;
 Aplicar adequadamente vocabulário específico.

R. David Sousa, Nº. 13-A e B


1000 – 105 Lisboa
Telefone: 217 812 750
Fax: 217 812 759
E-mail: marionobre.knowhow@gmail.com
4
Know How, Aprender a Brincar, Associação de Solidariedade Social

Desenvolvimento da capacidade de expressão e comunicação:


 Aplicar as linguagens e código de comunicação de ontem e de hoje;
 Ser capaz de interagir com os outros sem perder a individualidade e a
autenticidade;
 Relacionar-se emotivamente com a obra de arte, manifestando preferências
para além dos aspetos técnicos e conceptuais;
 Desenvolver a motricidade na utilização de diferentes técnicas artísticas;
 Utilizar as tecnologias de informação e comunicação na prática artística;
 Intervir em iniciativas para a defesa do ambiente, do património cultural e do
consumidor no sentido da melhoria da qualidade de vida;
 Participar ativamente no processo de produção artística;
 Compreender os estereótipos como elementos facilitadores, mas também
empobrecedores da comunicação;
 Ter em conta a opinião dos outros, quando justificada, numa atitude de
construção de consensos como forma de aprendizagem em comum;
 Cumprir normas democraticamente estabelecidas para o trabalho de grupo,
gerir materiais e equipamentos coletivos, partilhar espaços de trabalho e ser
capaz de avaliar esses procedimentos.

Desenvolvimento da criatividade:
 Valorizar a expressão espontânea;
 Procurar soluções originais, diversificadas, alternativas para os problemas;
 Selecionar a informação em função do problema;
 Escolher técnicas e instrumentos com intenção expressiva;
CRC Lisboa N.º 508515440  NIPC 508515440

 Inventar símbolos/códigos para representar o material artístico;


 Participar em momentos de improvisação no processo de criação artística.

R. David Sousa, Nº. 13-A e B


1000 – 105 Lisboa
Telefone: 217 812 750
Fax: 217 812 759
E-mail: marionobre.knowhow@gmail.com
5
Know How, Aprender a Brincar, Associação de Solidariedade Social

Compreensão das artes no contexto:


 Identificar características da arte portuguesa;
 Identificar características da arte de diferentes povos, culturas e épocas;
 Comparar diferentes formas de expressão artística;
 Valorizar o património artístico;
 Desenvolver projetos de pesquisa em artes;
 Perceber a evolução das artes em consequência do avanço tecnológico;
 Perceber o valor das artes nas várias culturas e sociedades e no dia-a-dia das
pessoas;
 Vivenciar acontecimentos artísticos em contacto direto (espetáculos,
exposições…);
 Conhecer ambientes de trabalho relacionados com atividades artísticas
(oficinas de artistas, artesãos, estúdios de gravação, oficinas de construção de
instrumentos, salas de ensaio…) e suas problemáticas/especificidades (valores,
atitudes, vocabulário específico).

iii. Programação das Atividades


A programação das atividades deverá dividir-se em 3 Blocos:
1. Bloco 1 – Descoberta e organização progressiva de volumes
Modelagem e Escultura
As atividades de manipulação e exploração de diferentes materiais moldáveis, tal
como amassar, separar, esticar, alisar, de forma a proporcionar explorações sensoriais
importantes, a libertação das tensões e o desenvolvimento da motricidade fina.
CRC Lisboa N.º 508515440  NIPC 508515440

Deverá ser explorada e tirar partido da resistência e plasticidade de terra, areia, barro,
massa de cores.

R. David Sousa, Nº. 13-A e B


1000 – 105 Lisboa
Telefone: 217 812 750
Fax: 217 812 759
E-mail: marionobre.knowhow@gmail.com
6
Know How, Aprender a Brincar, Associação de Solidariedade Social

Construções
Dado que as crianças necessitam de explorar sensorialmente diferentes materiais e
objetos, deverá ser promovida a elaboração de construções, que permita a exploração
da tridimensionalidade. As construções ajudam a desenvolver a destreza manual e
constitui um desafio à capacidade de transformação e criação de novos objetos. O
carácter lúdico, geralmente associado a estas atividades, garante o gosto e o empenho
dos alunos na resolução de problemas com que são confrontados.

2. Bloco 2 – Descoberta e organização progressiva de superfícies


Desenho
O desenho infantil é uma atividade espontânea. O prazer proporcionado pelo
desenrolar do traço é um jogo pessoal que suscita a representação de sensações,
experiências e vivências.

Sendo uma das atividades fundamentais de expressão, deve ocorrer com bastante
frequência e de uma forma livre, permitindo que a criança desenvolva a sua
singularidade expressiva.

Através da introdução de diferentes materiais/suportes e de atividades sugeridas,


nomeadamente ligadas a experiências ocorridas noutras áreas, as crianças deverão
aprofundar as suas capacidades de expressão e representação gráficas.

Deverá ser explorado o desenho de expressão livre em areia, em terra molhada, no


quadro da sala, bem como explorar as possibilidades técnicas de: dedos, paus, giz, lápis
CRC Lisboa N.º 508515440  NIPC 508515440

de cor, lápis de cera, feltros, tintas, pincéis, utilizando suportes de diferentes


tamanhos, espessuras, texturas e cores;

R. David Sousa, Nº. 13-A e B


1000 – 105 Lisboa
Telefone: 217 812 750
Fax: 217 812 759
E-mail: marionobre.knowhow@gmail.com
7
Know How, Aprender a Brincar, Associação de Solidariedade Social

Pintura
Pintar exige um clima de disponibilidade e de liberdade, pelo que deverá ser explorada
igualmente a pintura de expressão livre em suportes neutros, bem como explorar as
possibilidades técnicas de: mão, esponjas, trincha, pincéis, com pigmentos naturais,
guache, anilinas entre outras.

3. Bloco 3 – Exploração de técnicas diversas de expressão

Deverão ser desenvolvidas as capacidades expressivas das crianças através da


utilização de diferentes materiais e técnicas, alargando o campo de experiências e o
domínio de outras linguagens expressivas, tais como:
a) Exploração de técnicas de recorte, colagem, dobragem, através do trabalho com
diferentes materiais: elementos naturais, lãs, cortiça, tecidos, objetos recuperados,
jornal, papel colorido, ilustrações…, rasgando, desfiando, recortando, amassando,
dobrando… procurando formas, cores, texturas, espessuras. Deverão ser efetuadas
composições colando diferentes materiais rasgados, desfiados, cortados bem como
fazer dobragens;
b) Exploração de diferentes técnicas de impressão, tal como estampar a mão, o pé,
elementos naturais, fazer monotipias, utilizar moldes - positivo e negativo - feitos em
cartão, plástico e imprimir com carimbos.
c) Tecelagem e costura, através da utilização técnicas em tapeçarias com diferentes
materiais (tecidos, tiras de pano, lãs, botões, cordas, elementos naturais), desfazer
diferentes texturas (tecidos, malhas, cordas, elementos naturais), entrançar, tecer em
teares de cartão, colaborar em tapeçarias de elementos cosidos, elaborados a partir de
desenhos imaginados pelas crianças.
CRC Lisboa N.º 508515440  NIPC 508515440

R. David Sousa, Nº. 13-A e B


1000 – 105 Lisboa
Telefone: 217 812 750
Fax: 217 812 759
E-mail: marionobre.knowhow@gmail.com