Você está na página 1de 56

Instalações Elétricas

Prof.: Jobson de Araújo Nascimento


Período: 2018.1
Curso: Engenharia Civil

Fevereiro-2018 1
Sumário

 Instalações Elétricas;

 Critérios para Dimensionamento;

2
Aterramento
➢Então, como a potencia e o produto da ação da tensão e da corrente, a sua
unidade de medida e o volt-ampere (VA).

➢A potencia aparente
e composta por duas
parcelas:
Potência Ativa;
Potência Reativa.

Potência Aparente.

3
Potência Ativa

➢Potência Mecânica

A unidade de medida da
potência ativa é o watt (W).
➢Potência Térmica

➢Potência Luminosa

4
Potência Reativa
➢A potência reativa e a parcela transformada em campo magnético.

➢A unidade de medida da potência reativa é o volt-ampère reativo (VAr).

5
Dimensionamento
➢Nos projetos elétricos residenciais, desejando-se saber o quanto da potência
aparente foi transformada em potência ativa, aplica-se os seguintes valores de fator
de potência:

Corrigido para 0,92*

6
Dimensionamento
➢Condições para se estabelecer a quantidade mínima de pontos de luz.

➢A carga de iluminação e feita em função da área do cômodo da residência.

7
Dimensionamento
➢Condições para se estabelecer a quantidade mínima de pontos de tomadas. Ponto
de tomada é o ponto onde a conexão do equipamento à instalação elétrica é feita
através de tomada corrente. Um ponto de tomada pode ter uma ou mais tomadas de
corrente.

8
Dimensionamento

9
Dimensionamento
➢Pontos de Tomadas de Uso Geral (PTUG’s):

➢Não se destinam a ligação de equipamentos específicos e nelas são sempre


ligados: aparelhos moveis ou aparelhos portáteis.

10
Dimensionamento
➢Condições para se estabelecer a quantidade de pontos de tomadas de uso
específico (PTUE’s).

➢A quantidade de PTUE’s e estabelecida de acordo com o numero de aparelhos


de utilização que sabidamente vão estar fixos em uma dada posição no ambiente.

➢São destinadas a ligação de equipamentos fixos e estacionários, como e o


caso de:
Atribuir a potência nominal do
equipamento
a ser alimentado.

11
Dimensionamento
➢Ponto de Entrega: É o ponto até o qual a concessionária se obriga a fornecer
energia elétrica, com participação nos investimentos necessários, bem como,
responsabilizando-se pela execução dos serviços de operação e de manutenção do
sistema, não sendo necessariamente o ponto de medição.

➢Entrada de Serviço: É o conjunto constituído pelos condutores, equipamentos e


acessórios instalados entre o ponto de derivação da rede secundária e a medição,
inclusive. A entrada de serviço abrange, portanto, o ramal de ligação e o padrão de
entrada da unidade consumidora.

➢Ramal de Ligação: É o conjunto de condutores e acessórios instalados pela


concessionária entre o ponto de derivação da rede secundária e o ponto de entrega.

12
Dimensionamento

➢Padrão de Entrada: É a instalação compreendendo o ramal de entrada, poste ou


no pontalete particular, caixas, dispositivo de proteção, aterramento e ferragens, de
responsabilidade do consumidor, preparada de forma a permitir a ligação da
unidade consumidora à rede da concessionária.

➢Ramal de Entrada: É o conjunto de condutores e acessórios instalados pelo


consumidor entre o ponto de entrega e a medição ou proteção.

➢Ramal Interno do Consumidor: É o conjunto de condutores e acessórios


instalados internamente na unidade consumidora, a partir da medição ou proteção
do padrão de entrada.

➢Carga ou Potência Instalada (kW): É o somatório das potências nominais dos


equipamentos elétricos de uma unidade consumidora.

13
Dimensionamento
Demanda (kVA): É a potência elétrica realmente absorvida em um determinado
instante por um equipamento ou sistema. A demanda média é potência elétrica
absorvida durante um intervalo de tempo determinado, usualmente 15 minutos. A
demanda máxima é a maior de todas as demandas ocorridas em um intervalo de
tempo. A demanda provável (ou potência de alimentação ou potência de demanda
ou simplesmente demanda) é a demanda máxima da instalação. Este é o valor que
será utilizado para o dimensionamento dos condutores alimentadores e dos
respectivos dispositivos de proteção.
O fator de demanda é a razão entre a demanda máxima e a potência instalada:

Dmax
FD 
Pinst

14
Dimensionamento

15
Dimensionamento

➢Padrão de entrada
nada mais e do que o
poste com isolador de
roldana, bengala, caixa
de medição e haste de
terra, que devem estar
instalados, atendendo
as especificações da
norma técnica da
concessionária para o
tipo de fornecimento.

16
Dimensionamento

17
Dimensionamento
➢Quadro de distribuição é o centro de distribuição de toda a instalação elétrica de
uma residência.

18
Dimensionamento

19
Dimensionamento

d1(kVA) = Demanda de iluminação e tomadas, calculada conforme fatores


de demanda da tabela 2.
d2(kVA) = Demanda dos aparelhos para aquecimento de água (chuveiros,
aquecedores, torneiras etc.) calculada conforme tabela 3.
d3(kVA) = Demanda secador de roupa, forno de microondas máquina de
lavar louça e hidro massagem calculada conforme tabela 4.

20
Dimensionamento
d4(kVA) = Demanda de fogão e forno elétrico calculada conforme tabela 5.
d5(kVA) = Demanda dos aparelhos de ar-condicionado tipo janela ou
centrais individuais, calculada conforme tabelas 6, 7 e 8, respectivamente, para
as residências e não residências; Demanda das unidades centrais de ar-
condicionado, calculadas a partir das respectivas correntes máximas totais , valores
a serem fornecidos pelos fabricantes e considerando-se o fator de demanda de
100%.
d6(kVA) = Demanda dos motores elétricos e máquinas de solda tipo motor
gerador, conforme tabelas 9 e 10. Não serão permitidos, motores com potência
maior que 30CV, os métodos de partidas dos motores trifásicos, conforme tabela
12.
d7(kVA) = Demanda de máquinas de solda a transformador e aparelhos de
raios-X, calculadas conforme tabela 11.

21
Dimensionamento

22
Dimensionamento

23
Dimensionamento

24
Dimensionamento
D1 = f x a
➢ demanda por apartamento em função de sua área útil;

➢ f = fator de multiplicação de demanda;

25
Dimensionamento

FATORES DE DEMANDA PARA


SECADORES DE ROUPAS, MAQUINA
DE LAVAR LOUÇA, FORNO DE
MICROONDAS, E HIDROMASSAGEM

FATORES DE DEMANDA PARA


APARELHOS DE
AQUECIMENTO DE
ÁGUA
26
Dimensionamento

FATORES DE DEMANDA PARA


FOGÕES ELÉTRICOS E FORNOS
ELÉTRICOS

FATORES DE DEMANDA PARA


APARELHOS DE ARCONDICIONADO
TIPO JANELA – RESIDENCIAL

27
Dimensionamento

CARACTERÍSTICAS E DEMANDA DE MOTORES MONOFÁSICOS

28
Dimensionamento

29
Dimensionamento

30
Dimensionamento

➢O ramal de saída deverá possuir a mesma seção do ramal de entrada.


➢Quando ocorrer o caso do dimensionamento da proteção geral ser menor ou
igual que a proteção de alguma unidade de consumo dentro de um agrupamento
de unidades consumidoras, a mesma deverá ser redimensionada a um valor
imediatamente superior a da unidade, o mesmo critério deverá ser adotado para
os condutores.

31
Dimensionamento

32
Dimensionamento

➢Tipos de Condutores
✓Condutores isolados
✓Condutores unipolar
✓Condutores multipolar
➢Critérios para dimensionamento:
✓Capacidade de condução de corrente;
✓Queda de Tensão;
✓Seção mínima;
✓Sobrecarga;
✓Curto-circuito;
✓Choques elétricos.
33
Dimensionamento

➢Condutor Isolado: possui condutor metálico e isolação.


➢Cabo Unipolar: possui condutor, isolação e uma camada de revestimento,
chamada cobertura, para proteção mecânica
➢Cabo Multipolar: possuem sob a mesma cobertura, dois ou mais condutores
isolados, denominados veias.

34
Dimensionamento

35
Dimensionamento

PVC XLPE
EPR

36
Dimensionamento

37
Dimensionamento

38
Dimensionamento

39
Dimensionamento
➢A queda de tensão não deve ser superior aos limites máximos estabelecidos pela
norma NBR 5410, a fim de não prejudicar o funcionamento dos equipamentos de
utilização conectados aos circuitos terminais ou de utilização.
➢A queda de tensão de uma instalação elétrica, desde a origem até o ponto mais
afastado de utilização de qualquer circuito de utilização, não deve ser superior aos
valores prescritos pela norma, dados em relação ao valor da tensão nominal da
instalação
➢A queda de tensão nos circuitos alimentadores e terminais (pontos de utilização)
de uma instalação elétrica produz efeitos que podem levar os equipamentos desde
à redução da sua vida útil até a sua queima (falha).
➢Essa queda de tensão faz com que os equipamentos recebam em seus terminais
uma tensão inferior aos valores nominais, prejudicando o seu desempenho.
40
Dimensionamento

Tipo de isolação do condutor ;


Método de instalação;
Material do eletroduto;
Tipo do circuito (monofásico ou trifásico);
Tensão do circuito ( V );
Corrente de projeto ( IP) e potência (S);
Fator de potência;
Comprimento do circuito em km ( l );
Queda de tensão admissível “e(% )”;
Cálculo da queda de tensão unitária;
Escolha do condutor.

41
Dimensionamento

42
Dimensionamento

43
Dimensionamento

44
Dimensionamento

45
Dimensionamento

IP
It 
FCT .FCA

Fator de Correção de Temperatura FCT: Aplicável para temperaturas ambientes


diferentes de 30 ºC para cabos não enterrados e diferentes de 20 ºC
(temperatura do solo) para cabos enterrados.

46
Dimensionamento

Fatores de correção para agrupamento (FCA) de mais de um circuito ou mais


de um cabo multipolar instalados em eletroduto ou calha ou bloco alveolado ou
agrupados sobre uma superfície.
47
Dimensionamento

48
Dimensionamento

49
Dimensionamento

50
Dimensionamento
e(%).V
Vunit 
I p .l

l: comprimento do circuito;


V: Tensão do circuito;
e(%): queda de tensão admissível;
Ip = corrente elétrica do projeto;
∆V= Queda de tensão unitária;

51
Dimensionamento

52
Dimensionamento
➢Cálculo da Queda de Tensão pelo Método dos Watts . metros

200   Pxl 
V (%) 
V2

Soma dos produtos potências (Watts) x distâncias (metros) para


circuitos a 2 condutores em 220 V
53
Dimensionamento

Soma dos produtos potências (Watts) x distâncias (metros) para


circuitos a 2 condutores em 127V

54
Dimensionamento

➢Exemplo: Dimensionar o circuito terminal de um apartamento, cujas cargas estão


representadas na figura a seguir. A instalação é em eletroduto de PVC embutido em
alvenaria; temperatura ambiente de 30 ºC; isolação de PVC; tensão de 220 V.

55
OBRIGADO PELA
ATENÇÃO

56