Você está na página 1de 7

[1]

1 Samuel 2: 1–10 (A Canção de Ana)


Perspectiva Teológica
A figura de Samuel é uma das figuras mais significativas de toda a história do povo de
Israel. Ele foi um líder político, moral e religioso fundamental quando uma
confederação de tribos e líderes tribais, cercada por poderosos vizinhos, se tornou uma
nação com um estado organizado e capital (Jerusalém), um reinado (David) e, com o
tempo , o templo, a morada terrena de Deus. O mundo mudou e, com ele, a maneira
como o povo de Israel entendia sua relação com Deus, a terra e um ao outro.
Quando Ana leva seu filho ao sacerdote em Shiloh para ser criado como um nazirita,
ela não fala das enormes mudanças que virão. Ela louva a Deus, o Senhor, que
transforma as coisas erradas no lado correto, quem julga justamente, quem entrega os
necessitados e derruba o opressor, quem sustenta o mundo, quem traz a morte e torna
vivo, e quem abençoa o estéril com o número completo de crianças. Sua voz se une à do
profeta Míriam e Maria de Nazaré em louvor a Deus que opera a libertação através de
circunstâncias extraordinárias. "Não por força prevalece", canta Ana, pois ela tem
conhecimento pessoal do poder divino para trabalhar além do alcance das expectativas
humanas comuns. Deus exaltou seu poder de prevalecer, embora ela fosse estéril.
Na Bíblia e no ensino cristão, a palavra "Deus" é uma palavra de poder. Desde as
primeiras histórias dos antepassados até as últimas visões de João em Apocalipse, Deus
está ativamente presente e poderoso no mundo. As confissões cristãs falam de Deus
como o Todo Poderoso, Criador do céu e da terra , fonte e renovador de tudo o que
existe. Eles falam de Deus como o todo-poderoso governante do universo e da história
humana dentro dele, cuja glória preenche toda a Terra e cujos propósitos salvadores
triunfam em última instância na consumação divina de todas as coisas. Em qualquer
situação imaginável, o poder de Deus é o poder transcendente pelo qual o curso da
história é decidido: “Eu trabalho e quem pode impedi-lo?” ( Is 43:13).). Aqueles
conscientes dos limites de seu próprio poder se confortam no pensamento de que não
estão finalmente sujeitos aos caprichos ou tolices dos predadores ou opressores. Eles
são criados e renovados por Deus, o Senhor, que os redime em meio aos traumas e
bênçãos da vida.
O poder de Deus nunca é arbitrário. As criaturas têm o poder de ser e fazer o que
são em relação a Deus e umas às outras. Mas o poder de Deus é finalmente
decisivo. Este é o significado básico do termo “onipotente”, comumente definido como
“ter poder ilimitado”. Seria um erro tomar a onipotência divina de um modo abstrato,
como se Deus pudesse, faria ou deveria fazer qualquer coisa sem levar em conta as
criaturas. e suas ações. Uma leitura cuidadosa da oração de Ana, declarando que o poder
de Deus para redimir a vida humana não apóia as especulações sobre o poder ilimitado,
sobre a bondade absoluta ou sobre o mal indefinido. Ela vê o poder de Deus em tudo o
que acontece: na morte e nascimento, na sepultura e no triunfo (v. 6 ), na pobreza e
riqueza (v. 7 ), e na desonra e honra (v. 8)). Os atos têm conseqüências, pois o juiz da
terra busca a eqüidade. Aqueles que resistem não terão sucesso (v. 10 ). Não é que Deus
[2]

possa fazer qualquer coisa, mas que Deus trabalhe poderosamente e com sucesso pela
justiça na vida humana.
A compreensão teológica cristã do poder de Deus nasce nas lutas da história através
das quais vivemos e agimos. A ação criativa de Deus é sempre apropriada ao ambiente
em que Deus age, um mundo de causas e conseqüências de criaturas. Nesse sentido, o
poder de Deus sempre foi entendido como “limitado”, levando em consideração cada
contexto particular. Criando este mundo e não outro, criando coisas interconectadas
entre si com propósitos que freqüentemente entram em conflito, e criando pessoas
morais cujas intenções e ações expressam suas próprias escolhas, Deus é
autodeterminado para ser Deus em relação às criaturas, não a Deus. no resumo. Nós não
somos fantoches a serem manipulados, mas pessoas sensíveis devem ser tratadas.
Em todas as situações, o poder de Deus é especificamente guiado pela sabedoria
graciosa de Deus e pelos propósitos criativos de Deus. Deus age poderosamente em
relação a toda criatura de acordo com sua natureza e circunstâncias. Com relação às
lutas da história, isso significa que Deus age no poder para estabelecer a liberdade
humana e nutrir a responsabilidade moral, bem como para manter a responsabilidade
por nosso uso do poder.
O poder de Deus não é força bruta, nem é laissez-faire. Os teólogos do processo nos
lembram que a poderosa atividade de Deus é geradora e atraente, chamando um mundo
complexo e atraindo-o para o seu melhor destino. Os teólogos mais antigos falavam de
criação contínua ou da ação acompanhante de Deus na história. Mesmo nos momentos
dramáticos da história de Israel, como o êxodo do Egito, o poder de Deus estava oculto
nos eventos, nas ações de seus líderes e nas pessoas que arriscaram tudo. Foi a ação
libertadora de Deus, embora as “pegadas de Deus não fossem vistas” ( Sl. 77:19 ).
É mais fácil confiar no poder de Deus para criar e renovar, para julgar e abençoar,
após um resgate ou recuperação inesperada de uma perda ou destruição ameaçada. É
mais difícil discernir o poder de Deus operando em eventos que mascaram ou zombam
da própria idéia do poder transcendental de Deus para o bem em todas as coisas. Os
seguidores de Cristo abraçam esse paradoxo em sua forma mais intensa quando
abraçam sua vida e sua morte sangrenta como a poderosa justiça e amor de Deus
transformando o mundo que o crucificou do lado certo. Mesmo que eles não percebam a
realização final de suas esperanças, eles vêem Jesus vivo e bem no mundo a caminho
dessa consumação ( Hb 2: 8–9 , 18 ).
O poder criador e redentor de Deus atua nas decisões, ações e resultados de todos os
eventos de nossas vidas, com e sob as circunstâncias. Ana fala por pessoas de fé na
sinagoga e na igreja quando ela reconhece isso, celebra e aguarda um futuro em que
Deus completará o estabelecimento da regra de justiça até os confins da terra.
THOMAS D. PARKER

Perspectiva Pastoral
Qualquer pessoa que tenha tido uma gravidez e depois tenha dado à luz um bebê
saudável ou tenha adotado um filho e venha a amar essa criança como sua, sabe que
todo o processo é um milagre. Da mesma forma, observar as crianças envelhecerem e
crescerem em si mesmas é milagroso. De fato, trazer e nutrir uma nova vida no mundo
tem tudo a ver com o trabalho sagrado de Deus. Esses sentimentos de admiração devem
ter sido ampliados exponencialmente para Ana, pois há muito tempo aceitara que nunca
teria filhos. Em sua mente, Ana estava destinada a uma vida sem filhos, o que
significava que, aos olhos da comunidade, ela era considerada menos que
[3]

completa. Então, quando Ana engravidou e deu à luz Samuel, foi realmente
milagroso. A mulher que tinha sido rotulada de "estéril" agora tinha um filho.
Sua primeira resposta foi louvar a Deus. Para Ana, Deus deve ser a fonte de algo
quase impossível. Deus deve ser a fonte de algo tão inesperado, algo que desafia a
explicação. O que mais havia para fazer além de cantar? Ana começou sua canção com
sua própria celebração: “Meu coração exulta”; “Minha força é exaltada”; “Minha boca
ridiculariza meus inimigos”; “Alegro-me na minha vitória” (v. 1 ). Após essa primeira
exultação, ela passou rapidamente de expressar sua própria alegria para afirmar a
grandeza de Deus. A canção de Ana é de fato uma canção de louvor para um Deus que
faz milagres.
A linguagem da canção de Ana soa estranhamente como uma canção que celebra a
vitória após a batalha: “Minha boca zomba de meus inimigos, porque me regozijo em
minha vitória” (v. 1 ); “O SENHOR ! Seus adversários serão despedaçados; o Altíssimo
troveja no céu ”(v. 10)). Os estudiosos concordam que essa linguagem de batalha entrou
na música de Ana porque a música "provavelmente foi tirada do repertório de hinos
públicos de Israel". Mesmo sabendo de suas origens, a linguagem da batalha parece
perdida em uma canção que celebra o milagroso. nascimento de um filho. Mas este não
é um nascimento comum, e talvez a linguagem da vitória pretenda ampliar sua
importância. Não é apenas um nascimento que Ana celebra em sua música; é um
nascimento que aconteceu contra todas as probabilidades, um nascimento que
transformou os costumes sociais em sua cabeça, um nascimento que trouxe Ana de
volta ao relacionamento total com seu marido e sua família. Isso, por si só, vale a pena
cantar.
Mas a linguagem da vitória também pode servir a um propósito maior. Pode
celebrar e ampliar o significado desse nascimento para toda a comunidade: Deus
representa aqueles que são excluídos e oprimidos. A vitória, na canção de Ana, não vai
para aquele com o maior poderio militar. A vitória vai para Deus, que se posiciona e
eleva as pessoas mais marginalizadas e excluídas da sociedade. O presente de Deus de
um filho para Ana não é apenas uma causa para a celebração pessoal de Ana. O
nascimento de Samuel tornou-se uma causa para todo Israel celebrar, porque, como
escreve o estudioso do Velho Testamento Walter Brueggemann, "o nascimento não é
uma maravilha privada, mas um dom de possibilidade para todo Israel". O Deus que
pode trazer uma criança uma mulher incapaz de conceber também “levanta os pobres do
pó; ele levanta o necessitado do monte de cinzas,8 ). De fato, Samuel irá nomear o
primeiro rei de Israel, Saul. Israel se tornará grande e seu grande rei, Davi, se levantará
de um humilde pastor para se tornar seu líder. Usando a linguagem de batalha, o escritor
desta música se apropria de uma linguagem familiar tipicamente reservada à conquista
militar e a usa para celebrar um Deus que rompe hierarquias de riqueza, poder militar e
poder social.
Dependendo do contexto de uma determinada congregação, a posição de Deus para
aqueles que são oprimidos e marginalizados pode ser uma boa notícia ou uma notícia
ameaçadora. Em uma nação onde o poderio militar, a riqueza e o status social
prevalecem, a canção de Ana proclamando a vitória para os pobres e famintos
certamente soa profética. Também levanta questões importantes: O que a posição de
Deus para o oprimido significa para aqueles de nós em uma nação percebida por muitas
outras nações como o opressor? O que a posição de Deus para os pobres significa para
as congregações em comunidades marginalizadas? O que significa para congregações
abastadas?
Neste texto, a história muito pessoal de uma mulher que nunca teve filhos e que
nunca teve filhos torna-se um símbolo de esperança para toda a comunidade. Nas
[4]

congregações também, o pessoal rotineiramente se torna uma questão de interesse


público. O luto após a morte de uma criança ou a morte inesperada de um adulto pode
se transformar em um chamado à congregação para agir na comunidade (combater o
câncer, erradicar a violência de gangues, apoiar e tratar toxicodependentes, etc.). Os
nascimentos são rotineiramente celebrados em congregações e podem se tornar
símbolos de uma nova vida para toda a comunidade. O desafio - e a oportunidade - para
as igrejas é encontrar formas na vida litúrgica da congregação para honrar o pessoal e
nomear as maneiras como as experiências pessoais das pessoas na congregação se
tornam simbólicas para toda a comunidade.
Enquanto ela começa a cantar, Ana conecta o milagre pessoal de levar uma criança
contra todas as probabilidades à promessa de Deus para toda a comunidade. Ana
proclama o reino inclusivo de Deus, o rei vindouro, e um reordenamento da hierarquia
social. Raramente na vida de adoração de uma congregação é uma mulher bíblica dada
tal lugar de importância. A canção de Ana, ecoada por Maria em seu Magnificat
celebrando o nascimento de Jesus ( Lucas 1: 46-56 ), dá aos planejadores de adoração
uma oportunidade de elevar e celebrar o poder das palavras de uma mulher para formar
uma visão convincente de esperança para a comunidade.
KATE FOSTER CONNORS

Perspectiva Exegetical
A canção de celebração de Ana em 1 Samuel 2: 1–10 dá voz ao louvor e surpresa que
qualquer um de nós pode sentir depois de uma dramática reviravolta da fortuna. Ele está
situado tanto nas Escrituras quanto no lecionário após a história da vitória de Ana sobre
seu rival, Penina ( 1 Sam. 1: 4–20 ). Depois de anos de aridez, amargura e oração, Ana
finalmente dá à luz seu filho, Samuel. Fiel à sua palavra ( 1 Samuel 1:11 ), ela então
leva o jovem Samuel ao templo e o “empresta” ao Senhor. Que ela retarda essa
separação até que a criança seja desmamada ( 1 Samuel 1: 21-28 ) atesta o fato de que
esta deve ter sido uma promessa excruciante a se manter. Este contexto define o tom da
música dela em 2: 1–10 como um elogio pungente, mas poderoso.
O próprio poder desse louvor pode confundir os leitores / ouvintes modernos. Se
lermos a música de Ana apenas no nível do indivíduo, a extravagância de sua oração
pode nos parecer "exageradamente" na melhor das hipóteses e arrogante na pior das
hipóteses. “Não fales mais tão orgulhosamente” (v. 3 ) tem uma qualidade cáustica que
é uma reminiscência da provocação do recreio, “Na-na-na-na-na-na”. Embora possamos
ser capazes de afirmar Deus “ guardando os pés de seus fiéis ”, podemos nos achar
vacilantes diante do corolário dessa afirmação, a saber, que“ os ímpios serão cortados
nas trevas ”(v. 9 ). Afinal, uma coisa é Ana celebrar o presente de uma criança, mas ela
deveria desejar ativamente que Peninnah adoecesse? Então chegamos a conclusão
dramática da canção no verso 10 :
O SENHOR ! Seus adversários serão despedaçados;
o Altíssimo troveja no céu.
O SENHOR julgará os fins da terra;
ele dará força ao seu rei,
e exaltar o poder de seu ungido.

A essa altura - se estamos pensando no nível individual - o drama parece ter se


transformado em melodrama, e podemos nos perguntar se Ana sofre de delírios de
grandeza.
[5]

Nosso desconforto serve como um indício de que a música de Ana é muito mais do
que a vitória de uma mulher sobre seu rival. De fato, embora funcione nesse nível até
certo ponto, é melhor e mais completamente entendido como uma música marcada por
uma infinidade de vozes. Aqui estão algumas das razões pelas quais.
Os eruditos há muito observaram semelhanças entre a canção de Ana e o Salmo
113 , que também celebra as maneiras como Deus “levanta os pobres do pó” ( Salmos
113: 7 ) e “dá à mulher estéril um lar, tornando-a a alegre mãe das crianças”. ( Sl 113:
9 ). Tais semelhanças (cf. Sl 112 ) alimentam especulações de que o que conhecemos
como canção / oração de Ana pode ter sido um salmo com história independente da
história de 1 Samuel. Seus temas de vitória e defesa para os oprimidos, assim como sua
referência específica à mulher estéril que tem filhos ( 1 Sam. 2: 5), faça um bom
“ajuste” neste contexto narrativo. Assim, a teoria é que a música de Ana é “secundária”,
isto é, adicionada mais tarde por editores bíblicos que procuraram enriquecer a história
do nascimento de Samuel com este lindo e apropriado poema (veja também Juízes 4–5 ,
assim como a canção de Maria. no contexto narrativo de Lucas 1 ).
Dizer que uma passagem é “secundária” não sugere de modo algum que ela seja de
menor importância. Muito pelo contrário, simplesmente nos convida a explorar o
significado da forma canônica.
Se fizermos isso com a música de Ana, logo perceberemos que Ana não está
cantando / rezando apenas para si mesma nesta passagem. Na verdade, nossa primeira
pista a esse respeito é que a história do nascimento do profeta Samuel é uma daquelas
histórias de “quase sentença” que são frequentemente contadas sobre um líder
significativo. A história de Moisés em Êxodo 1–2 é provavelmente a mais conhecida
delas. Quando lemos a respeito de como o povo da aliança chegou perto de não ter um
Moisés - ou, neste caso, um Samuel - isso aumenta nosso senso de admiração e gratidão
pelo dom da presença e da liderança dessa pessoa.
À medida que a oração de Ana se torna cada vez mais exuberante, sentimos que ela
está celebrando uma libertação que abrange todo o povo do convênio. No contexto da
narrativa, eles são pessoas que precisam muito da liderança de um rei divinamente
designado. Assim, suas palavras antecipam o rei que Samuel um dia iria ungir, a saber,
David.
Os valores articulados nessa música corporativa são extremamente
instrutivos. Primeiro de tudo, eles dão crédito onde o crédito é devido. Ana atribui sua
vitória não ao seu próprio poder, mas a Deus. (Isso é ainda mais óbvio se seguirmos o
hebraico no final do versículo 1 e traduzir “sua vitória” em vez de “minha vitória”.)
Esse Deus que exalta os humildes e salva os fracos é o mesmo Deus que cria (v . 8)
afirmação -um que ecoa o verso tantas vezes utilizado no início da cultos: “o nosso
socorro está no nome do SENHOR , que fez o céu ea terra” ( Sl 124: 8. ; cf. . Sl 121: 1–
2). Finalmente, os valores aos quais essa música dá voz nos levam a adorar o Deus que
é ao mesmo tempo poderoso e compassivo - e nos chamam a procurar líderes humanos
com as mesmas qualidades.
Infelizmente, os líderes humanos têm dificuldade em viver de acordo com essas
descrições de trabalho extravagantes. Isso deve ter sido óbvio para os autores bíblicos
que escrupulosamente registraram os pecados até mesmo do rei mais amado de Israel,
Davi (ver II Samuel 11-1 Kgs 2 ). E é dolorosamente óbvio para qualquer um que no dia
da eleição reza o Salmo 72 (outra oração bíblica que celebra líderes que julgam com
justiça e têm compaixão dos pobres). No entanto, é o nosso próprio sentimento de
frustração e fracasso que aumenta nosso anseio pelo “Rei dos Reis”, cuja vinda é
celebrada em palavras bem parecidas com as de Ana. A diferença é que, no Magnificat
[6]

de Maria ( Lucas 1: 46-55 ), tem-se a impressão de que alguém está para nascer e que
pode realmente corresponder à descrição do trabalho. E essaé algo para cantar.
CAROL M. BECHTEL

Perspectiva Homilética
No próximo ao último domingo do ano cristão, somos convidados a ver nossa vida
como povo de Deus à luz de 1 Samuel 2 , a Canção de Ana. Ela era uma mulher sem
filhos que chorava inconsolavelmente a Deus, derramando seu coração e prometendo
que, se Deus lhe concedesse um pedido para dar a ela um filho, ela separaria a criança
para uma vida de sagrada disciplina. Quando Ana e Elkanah, seu marido, foram
finalmente abençoados com seu primeiro filho, um filho chamado Samuel, ela levou o
bebê ao templo, onde o ofereceu a Deus e o dedicou para a vida toda.
A pregação deste texto em particular neste momento do ano cristão pode ser mais
frutífera, mas há desafios que precisam ser considerados. Por exemplo, será importante
para o pregador fornecer uma compreensão clara e concisa das circunstâncias de
Ana. Por exemplo, a mudança de Ana da tristeza para a alegria, seguindo o rumo dos
eventos que levam da esterilidade ao parto, situa sua mudança da oração para o louvor
dentro de uma história maior da fidelidade de Deus a Israel pelo bem do mundo. Além
disso, a diversidade de pontos de vista representados dentro de uma congregação
relacionada a questões envolvendo crianças, casamento e família pode ser vista à luz
dessa história providencial maior de um Deus prometedor, que promete manter a
promessa de engendrar um povo,
Ao nos aproximarmos do fim ou objetivo do ano cristão, pode ser que tanto o
pregador quanto as pessoas sejam capazes de se identificar com Ana mais do que
imaginam. Muitos certamente ouvirão nesta história uma forte palavra de esperança e
encorajamento. Para um povo peregrino, que é uma descrição adequada de Israel e da
igreja, sempre haverá necessidade de perseverança, paciência e esperança. O povo de
Deus vive do passado e do futuro, um futuro que foi prometido, mas ainda precisa ser
plenamente realizado. Precisamos sempre oferecer gratidão e louvor a Deus, reconhecer
os dons concedidos graciosamente e ter esperança na provisão contínua e surpreendente
de Deus para o futuro.
Por outro lado, a Canção de Ana pode parecer desinteressante ou até mesmo
irrelevante para um povo cuja peregrinação parou antes de seu destino final e foi
esvaziada de sua esperança. Uma congregação estabelecida e bem-sucedida pode ter
dificuldade em compartilhar o anseio de Ana por uma nova vida, ou identificar-se com
seu exuberante louvor pelo surpreendente dom de vida de Deus que se agita em seu
útero outrora estéril.
Por estas razões, o pregador precisará dar atenção cuidadosa ao movimento da
música de Ana. Uma grande reversão, provocada por Deus, está sendo dada na voz; está
se tornando realidade na vida de Ana e todos os que são capazes de se juntar a sua
canção de louvor a Deus. É talvez neste ponto que encontramos o que pode ser o
aspecto mais problemático deste texto para muitos pregadores e ouvintes. Há muito
sobre nossas vidas como indivíduos, congregações e como membros de culturas e
nações particulares que é caracterizado pelo orgulho, abundância, poder e honra. Muitos
de nós podem conhecer apenas à distância a vida dos pobres, abatidos, fracos e
humildes. No entanto, a visão da realidade cantada por Ana nos convida a ver o mundo
como Deus pretende, para ver o que Deus está provocando.
À medida que nos aproximamos do final do ano cristão, o povo de Deus recebe uma
nova visão do novo mundo que está a caminho, um mundo que não depende de esforços
[7]

humanos, planos ou estratégias, mas um mundo que é um presente de Deus. Além disso,
será útil notar que a canção de alegria de Ana evoca a lembrança renovada da canção de
louvor de Maria em Lucas 1 , uma efusão de alegria que marca a estação do Advento e a
natividade de Cristo. Como a realidade do nascimento do Filho de Deus para uma
jovem judia pode já ter desaparecido no passado distante, será importante fazer essa
conexão, assegurando aos ouvintes que Deus permaneceu fiel à Palavra falada em
Jesus. A identidade e missão da igreja, como um sinal do reino de Deus, não é em vão.
É neste ponto que a proclamação do evangelho pode tomar forma. Ana canta em
discurso poético, suas palavras participam e expressam o excesso e a abundância
divinamente dados. Nós também pregamos dentro do reino da graça, estimulado pelo
amor surpreendente, auto-indulgente e extravagante de Deus em Cristo. No entanto, se a
igreja quiser continuar nessa jornada escatológica, precisará de mais do que conversas
motivacionais, repreensões moralistas e conselhos terapêuticos.
O significado de Ana para a proclamação do evangelho é sua dependência descarada
e confiança ousada em Deus, sua receptividade alegre e sua pronta receptividade a
Deus, seu elogio extático e excêntrico pela bondade de Deus. Enquanto muitos ouvintes
acharão fácil afirmar que somos salvos por um Deus misericordioso - “graça espantosa,
quão doce é o som” - eles podem achar mais difícil confessar que estamos sendo salvos
e ainda assim sermos completamente salvos. por um Deus misericordioso cuja doação
constitui nossa vida. No entanto, se nosso destino é ser santo como Deus é santo - um
povo separado para louvar a Deus pelo bem do mundo - então nossa vida como igreja é
de Deus, da graça de Deus, da auto-partilha de Deus. Quando nos lembramos do futuro
neste Dia do Senhor, Ana nos intima a oferecer tudo o que somos e a ter como sacrifício
sagrado e vivo para Aquele que é o único digno de tal louvor.
MICHAEL PASQUARELLO III

Bartlett, DL, & Taylor, BB (Orgs.). (2009). Festejando na Palavra: Pregando


o Lecionário Comum Revisto: Ano B (Vol. 4). Louisville, KY: Westminster
John Knox Press.