Você está na página 1de 11

FENÔMENOS DE TRANSPORTE II

PLANO DE DISCIPLINA

AULA No. 3 (Prática)

Tema I: Fundamentos dos Fenômenos de Transporte de energia térmica.


Balanço de calor. Equação de energia.

Aula No. 3 (Prática): Cálculo de condutividades térmicas em gases,


líquidos e sólidos

Objetivos:
Que os estudantes apliquem:
- O uso da condutividade térmica em sistemas de troca de calor em sistemas
que envolvem paredes sólidas.
- Os métodos e equações para estimar as condutividades térmicas em gases.
- Os métodos e equações para estimar as condutividades térmicas de líquidos,
misturas líquidas e de suspensões.

BIBLIOGRAFIA:
1. Texto básico da disciplina: Garcell P., Díaz G., Surís C., Transferencia
de quantidade de movimiento, calor e massa. Ed. Pueblo y Educación.
La Habana. Cuba. 1988.
2. Bird, B .R.; Steward, W.E. e Ligtfood, Fenômenos de Transporte (2da.
Edição). Ed. Gen LTC, Rio de Janeiro, 2004.
3. Perry´s, Chemical Engineering Handbook.
4. Foust, Princípios das Operações Unitárias
5. Notas de Aula.

DESENVOLVIMENTO:

Na AULA No. 2 temos estudado os métodos de cálculo de condutividade


térmica para gases, líquidos, suspensões e sólidos.

1. Determinação da condutividade térmica em gases

Para gases monoatômicos e poliatômicos (puros)


Método 1. Equações semi-empíricas derivadas da teoria cinética dos


gases. Correção pelos parâmetros do Lennard – Jones.

1
T /M
k  8,3225.10 2  , (W / m.K ) ... (2.1.1.1)
 2  1
 0 , 474
  K '.T     K '.T 
1  1,6016  .  , para 0,3       2,0 ... (2.1.1.2)
      

  K'.T     K'.T  
1  1,306  0 ,085    , para 2 ,0       4 ,2 ... (2.1.1.3)
     

 0 ,1525
  K'.T     K'.T  
1  1,1809   , para 4 ,2       100 ...(2.1.1.4)
     

 Para gases poliatômicos com mais precisão

T / M  4  CV .M  3 
k  8,3225.10  2     , (W / m.K )
 2  1 15  R  5  … (2.1.1.5)

Cp  Cv  R
J
R  8,314.10 3
kmol.K

Para misturas de gases não polares


n
xi   k  i
kmistura   n
... (2.1.1.6)
i 1
x
j 1
j  ij

2
 1  M 
1 / 2
  
1/ 2
Mj 
1/ 4 
ij    1  i  1   i     
     ... (2.1.1.7)
 8  M j  
 Mi 
  j  

Método 2. Equações e gráficos derivados do principio dos estados


correspondentes (variáveis reduzidas;Tr, Pr)

kr = k/k´c ... (2.1.1.8)

2
n
k 'c   xi  k ci ... (2.1.1.8.a)
i 1

n
P 'c   xi  Pci ... (2.1.1.8.b)
i 1

n
T 'c   xi  Tci ... (2.1.1.8.c)
i 1

Fig. 2.1.1.1 Efeito da pressão sobre a condutividade térmica

2. Condutividades térmicas de líquidos

kmist = k1w1 + k2w2 – 0,72w1w2 (k2-k1) ... (2.1.2.1)


Onde a fração em massa w2 refere-se ao componente puro que tem o maior
valor de condutividade térmica, k2.

Para suspensões sólido – líquido


3
2k L  k S  2.S .(k L  k S )
k mist  k L ... (2.1.2.0)
2k L  k S  S .(k L  k S )

x
vol. sól. S
 
vol. sól.  vol. líq. x 1 x

S L

Problema 1

Estimar a condutividade térmica de uma mistura gasosa de N2-CO2, a 50ºC e


pressão atmosférica, sendo a fração molar do N2 na mistura de 34,1 %.

k N 2 50 ºC  0,0274 W
mº C
 N 2 CO2  1,365
Dados:
 N 2 50 ºC  0,0187 cP
CO2 50 ºC  0,0157 cP

Solução:

a) Seleção do método e da equação de cálculo

No caso da condutividade térmica de uma mistura gasosa, poderiam


utilizar-se os métodos (1) equação (2.1.1.6) e (2) figura (2.1.1.1).

Pelo método (1) se dispõe da equação de Wilke (1), para componentes não
polares.

n
xi  ki
k mezcla   n
.....(1a)
i 1
 x j  ij
j1

1 2

 12 14 
 1   M  2    Mj 
 ij     1  i   1   i     
... (1b)
 8  Mj    
 j  Mi  
 

Pelo método (2) pode utilizar-se o gráfico da Fig. 1. Para isso, é necessário
determinar as propriedades pseudocríticas e reduzidas.

4
Fig. 1. Dependência da condutividade térmica com a temperatura e a
pressão para gases e misturas gasosas.

b) Tratamento dos dados:

Pelo método (1), equação 2.1.1.5 se necessitam os valores das


condutividades térmicas do N2 e do CO2 puros a 50ºC e 1 atm, assim como
os valores de  ij, é dizer: K(N2 ), K(CO2 ), ij

-Pelos dados do problema se conhece:


kN  0,0274 W  N CO  1,365
2 50 º C
m K 2 2

1- Cálculo de K(CO2 ), 50°C


Pelos dados da literatura: k CO 27 º C  0,0166 W
2
mK
O
O valor de k CO2 50 C se pode estimar mediante a relação seguinte:

T /M  4  CV .M  3 
k  8,3225.10  2  15  R   5  , (W / m.K )
 2  1     … (1)

5
Para o CO2 pela tabela E-1 do livro do Bird, pág.819 (Tabela A2, pág. 333
Garcell):
 = 3,996 Å T = 323 K
 K 1. T  323
( / K' ) = 190 K     1,7
  
  50 º C 190

 0 , 474
  K '.T     K '.T  
  1,6016.  .  , para 0,3       2,0 ... (2)
      
1

1 ( 50 º C )  1,245

Para os gases ideais:


Cp  Cv  R Cv  Cp  R

Para o CO2, pela tabela A-4 do livro do Garcell, pág.235, interpolando para

J
50ºC: Cp  0,895.103
kgK

J
8,314.103
J kmol.K
Cv  Cp  R  0,895.103 
kgK kg
44,01
kmol
J
Cv  706,08
kgK

Obtenção do resultado final: K(CO2 )


323
44,01  4  706,08.44,01  3
k  CO 2   8,3225.10  2   
 3,996  1,245 15  8,314.103 
2
5 
k  CO 2   0,0181 (W / m.K )

2- Cálculo de  CO 2  N 2 :

M CO2  44,01 kg M N 2  28 kg
kmol kmol
N2 50 º C  0,0187 cP  CO2 50º C  0,0157 cP

Pela equação (1b):


1 2

 12 14 
 1   M  2
  i   Mj  
 ij     1  i   1   
j 
  

 8  Mj      Mi 
 

6
2
 12
1  44    0,0157 
12
 28  
14

CO   1    1     
2 N 2
8  28    0,0187   44  

1
  0,6236  1   0,9163  0,893 
2

8
  0,3536   0,6236   3,306

 CO2  N 2  0,729

c) Substitução dos valores na equação 1:

xN2  k N2 xCO2  k CO2


k mistura 50 º C  
x N 2   N 2  N 2  xCO2   N 2 CO2 xCO2  CO2 CO2  x N 2  CO2  N 2

Onde: xN  0,341 e
2
xCO  0,659
2

k mistura 50 ºC 
 0,341   0,0274 
 0,659    0,0181
 0,341  1   0,659  1,365  0,341   0,729    0,659  1

0,00934 0,01176 0,00934 0,01176


   
0,341  0,9 0,249  0,659 1,241 0,908

 0,007526  0,01296

W
k mistura 50 ºC  0,0205
m K

O valor experimental é k mist 50º C  0,0209 W


m  K . Tomado da tabela 1.2
página 16 de (1)

Portanto, o erro do valor calculado respeito ao experimental é só de 1,91


%.

No caso de aplicar o método (2), se utilizaria a Fig. 1, e os resultados seriam


os seguintes:

1- Determinção das propriedades pseudocríticas:


Pc  33,94 atm Pc  73,85 atm
N2 Tc  126,2 K CO2 Tc  304,2 K

kc  0,0363 W k c  0,051 W
mK mK

As propriedades pseudocríticas se calculam pelas expressões:


7
n
k 'c   xi  kci  0,341   0,0363  0,659   0,051  0,046 W
i 1
mK
n
P 'c   xi  Pci  0,341   33,94   0,659   73,85  60,24 atm
i 1
n
T 'c   xi  Tci  0,341  126,2   0,659   304,2   243,5 K
i 1

2. Então, as variaveis reduzidas são:


T 323
Tr    1,33
T 'c 243,5
P 1
Pr    0,02  0
P'c 60,24

3. Leitura no gráfico:

Pela figura (1) obtén-se:

kr = 0,41

Portanto: k mistura 50ºC  k r  k 'c  0,41   0,046 

W
k mistura 50 ºC  0,0188
m K

O valor experimental é k  0,0209 W


mist 50º C m K .
Portanto, o erro do valor calculado respeito ao experimental é só de 10 %.
Emprego gráfico é um método menos preciso

Problema 2
Qual seria o valor da condutividade térmica da mistura gasosa do Problema 1
no caso em que a pressão reduzida aumenta até 0,4 e Tr = 1,33?

Solução

Neste caso se utiliza o método 2. Dado que todas as variáveis são as mesmas
do problema anterior, com exceção do valor da pressão, mediante a Fig. 1 se
determina o valor de kr para Pr = 0,4, e Tr = 1,33:

kr ≈ 0,47

8
Portanto:
k mistura 50 ºC  k r  k 'c  0,47   0,046 
W
k mistura 50 ºC  0,0216
mK

Observa-se que o valor da condutividade da mistura aumentou com o


aumento da pressão.

Pergunta: Como é a influencia do aumento da temperatura, se a pressão


reduzida é igual a 0,4?
Pergunta: Como é a influencia do aumento da temperatura, se a pressão
reduzida é igual a 4?

Problema No.3: Estimar a condutibilidade térmica de uma mistura líquida não


polar de pentano e decano, à temperatura de 30ºC, sabendo que a mesma
contém 35 % em peso de pentano

Solução

1. Seleção do método e da equação objetivo:

Método (3), equação (1.63), pág. 31: Para mesclas binárias de líquidos não polares:
k m  k 1  w 1  k 2  w 2  0,72  w 1  w 2   k 2  k 1  .....(1)

2. Tratamento dos dados

Perry (Tabela 3-275, pág. 3-204, 4ta Ed.):


BTU
k decano,30 º C  0,085
pie  hº F
BTU
k pentano,30 º C  0,078
pie  hº F

Designa-se: 1- Pentano
2- Decano (el de mayor k)
w1 = 0,35 w2 = 1 – 0,35 = 0,65

Convertendo ao SI: Para transformar de BTU/pie.h.oF a W/mK é multiplicada


pelo fator 1,73 obtido da tabela C.3-5 do Bird
W
k 1  0,078  1,73  0,135
mK
W
k 2  0,085  1,73  0,147
mK

a) Sustitución en la ecuación objetivo y cálculo final:


k mezcla   0,135   0,35   0,147   0,65  0,72   0,35   0,65   0,147  0,135

W 9
k mezcla  0,141
mK
k mezcla  0,04725  0,0955  1,9656  10 3

Problema No.4:

Determinar a condutibilidade térmica de uma suspensão de um sólido e água a


uma temperatura de 60 ºC se a concentração de sólidos é de 44 % em peso. A
densidade das partículas sólidas é 2,71 g/cm 3 e sua conductividade térmica é
kS= 0,068 W/mK.

Solução

a) Seleção do método e da equação objetivo.

No caso das suspensões sólido-líquido, se podem calcular as condutividades térmicas


mediante a equação de Tareef:

2k L  k S  2.S .(k L  k S )
k mist  k L ... (2.1.1.9)
2k L  k S  S .(k L  k S )

x
vol. sól. S
 
vol. sól.  vol. líq. x 1 x

S L
Onde:
S: densidade da partícula sólida
L: densidade do líquido

Tabela A4
 L   agua , 60 ºC  0,991 g
cm3

 0,44 
2,71 0,1623 0,1623
  
 0,44  1  0,44  0,1623  0,5662 0,7285
2,71 0,991

  0,223

Determinação da condutividade térmica do líquido (agua) T=60 ºC+273= 333 K

10
W
k L  0,654
mK

b) Substituindo na equação objetivo e calculando:

2k L  k S  2.S .(k L  k S )
k mist  k L
2k L  k S  S .(k L  k S )
2 * 0,654  0,068  2 * 0,223.(0,654  0,068)
k mist  0,654
2 * 0,654  0,068  0,223.(0,654  0,068)

W
k mist  0,445
mK

Conclusões

11