Você está na página 1de 6

Plano de Controle Ambiental (PCA)

O PCA – Plano de Controle Ambiental é um estudo que tem por objetivo identificar e propor
medidas mitigadoras aos impactos gerados por empreendimentos de médio porte. Sua
elaboração se dá durante a Licença de Instalação (LI). O Plano deverá expor, de forma clara, o
empreendimento e sua inserção no meio ambiente com todas as suas medidas mitigadoras e
compensatórias.

O PCA – Plano de Controle Ambiental é exigido pela Resolução CONAMA nº 009/90 para a
concessão da Licença de Instalação -LI de atividade de extração mineral de todas as classes. O
PCA é uma exigência adicional ao EIA/RIMA, apresentado na fase anterior à concessão da
Licença Prévia.

No entanto, o Plano de Controle Ambiental tem sido exigido, também, para o licenciamento de
outros tipos de atividades.

O PCA – Plano de Controle Ambiental deverá descrever eventuais compatibilidades e/ou


incompatibilidades avaliadas à luz de todas as normas legais aplicáveis à tipologia de
empreendimento / atividade que está sendo analisado, não bastando a simples enunciação das
leis, decretos, resoluções, portarias e outras instruções existentes.

Tal compatibilidade / incompatibilidade deverá abranger a legislação ambiental concernente,


em âmbito Municipal, Estadual e Federal, em especial as Áreas de Interesse Ambiental,
mapeando as restrições à ocupação.

Estudo de Impacto Ambiental (EIA)


Estudo de Impacto ambiental –EIA é obrigatório para a atividade ou empreendimento causador
de significativo impacto ambiental. Esse estudo consiste em um controle preventivo de danos
ambientais para a atividade onde for constatado um grande perigo ao meio ambiente e ao
constatá-lo são avaliados os meios para evitar ou minimizar os prejuízos causados.
Sua elaboração deve ocorrer em caráter prévio, ou seja, antes do início da execução de
atividades de maior potencial poluidor. Contudo não afasta a possibilidade de ser exigido o EIA
em outra fase do licenciamento ou até mesmo na renovação de uma licença ambiental.

Relatório de Impacto do Meio Ambiente (RIMA)


O relatório de impacto ambiental, RIMA, refletirá as conclusões do estudo de impacto
ambiental (EIA). O RIMA deve ser apresentado de forma objetiva e adequada a sua
compreensão. As informações devem ser traduzidas em linguagem acessível, ilustradas por
mapas, cartas, quadros, gráficos e demais técnicas de comunicação visual, de modo que se
possam entender as vantagens e desvantagens do projeto, bem como todas as consequências
ambientais de sua implementação. Pode-se afirmar que o RIMA serve como uma ponte de
comunicação entre o EIA que é estritamente técnico e ao órgão licenciador e o público
envolvido.

Relatório Ambiental Prévio (RAP)


O RAP – Relatório Ambiental Preliminar tem como objetivo analisar a viabilidade ambiental
de empreendimentos ou atividades consideradas potencial ou efetivamente poluidoras,
enfatizando a interação entre elementos dos meios físico, biológico e socioeconômico, o projeto
urbanístico, os impactos que podem ser causados pela implantação do empreendimento, as
medidas mitigadoras e de controle ambiental que devem ser adotadas para a sua viabilidade. O
RAP – Relatório Ambiental Preliminar é solicitado a fim de obter a Licença Ambiental Prévia.

É o estudo mais simples que pode ser requerido pelo órgão ambiental para subsidiar a emissão
de uma licença prévia. Maiores detalhes, vide Resolução CONAMA 279/01.

O RAP – Relatório Ambiental Preliminar é um estudo técnico elaborado por um profissional


habilitado ou mesmo equipe multidisciplinar. Deve abordar um diagnóstico simplificado da
área do empreendimento e entorno.

De acordo com o porte do empreendimento, da área de inserção e da capacidade de suporte do


meio, outros estudos deverão ser apresentados. Dependendo da complexidade da
atividade/empreendimento poderão ser solicitadas informações complementares.

Relatório Ambiental Simplificado (RAS)


O RAS – Relatório Ambiental Simplificado tem como objetivo oferecer elementos para a
análise da viabilidade ambiental de empreendimentos ou atividades consideradas potencial ou
efetivamente causadoras de degradação do meio ambiente.
Frente à necessidade de estabelecer procedimentos simplificados para o licenciamento
ambiental dos empreendimentos com impacto ambiental de pequeno porte, o CONAMA por
meio da Resolução 279/01 estabeleceu o RAS – Relatório Ambiental Simplificado.

Em que casos o RAS – Relatório Ambiental Simplificado é solicitado?

O RAS – Relatório Ambiental Simplificado deve propiciar a avaliação dos impactos ambientais
causados nas fases de implantação e operação do empreendimento. São estudos relativos aos
aspectos ambientais relacionados à localização, instalação e operação de novos
empreendimentos habitacionais, incluindo as atividades de infraestrutura de saneamento básico,
viária e energia, apresentados como subsídio para a concessão da licença requerida, que conterá,
dentre outras, as informações relativas ao diagnóstico ambiental da região de inserção do
empreendimento, sua caracterização, a identificação dos impactos ambientais e das medidas de
controle, de mitigação e de compensação.

Quais informações o RAS – Relatório Ambiental Simplificado deve conter?

Segundo a Resolução nº 279/01 do CONAMA o conteúdo mínimo do RAS – Relatório


Ambiental Simplificado deve ser o seguinte:

1- Descrição do Projeto:

objetivos e justificativas, em relação e compatibilidade com as políticas setoriais, planos e


programas
governamentais;
descrição do projeto e suas alternativas tecnológicas e locacionais, considerando a hipótese de
não realização, especificando a área de influência.
2- Diagnóstico e Prognóstico Ambiental:

diagnóstico ambiental;
descrição dos prováveis impactos ambientais da implantação e operação da atividade,
considerando o projeto, suas alternativas, os horizontes de tempo de incidência dos impactos e
indicando os métodos, técnicas e critérios para sua identificação, quantificação e interpretação;
caracterização da qualidade ambiental futura da área de influência, considerando a interação
dos diferentes fatores ambientais.
3- Medidas de Controle:

medidas mitigadoras preventivas e corretivas, identificando os impactos que não possam ser
evitados;
recomendação quanto à alternativa mais favorável;
programa de acompanhamento, monitoramento e controle.
A mesma Resolução do CONAMA detalha outros procedimentos do licenciamento
simplificado para os empreendimentos com impacto ambiental de pequeno porte, e estabelece
que:

o prazo para emissão da LP e da LI será de, no máximo, 60 (sessenta) dias, contados a partir da
data do protocolo do requerimento das respectivas licenças, suspensa a contagem do prazo para
a realização de eventuais estudos complementares, em até 60 (sessenta) dias, prorrogáveis
mediante solicitação do empreendedor;
o prazo máximo para emissão da LO será de 60 (sessenta) dias, desde que cumpridas todas as
condicionantes da LI, antes da entrada em operação do empreendimento.
o não cumprimento dos prazos sujeita o órgão responsável pelo licenciamento à ação de
instância superior e o empreendedor ao arquivamento de seu pedido de licença ou da perda de
eficácia da licença emitida.

Relatório de Controle Ambiental (RCA)


O RCA – Relatório de Controle Ambiental é um dos documentos que acompanha o
requerimento de licença quando não há exigência de EIA/RIMA. Seu conteúdo constitui-se
numa série de informações, levantamentos e estudos que visam à identificação de não
conformidades legais e de impactos ambientais, efetivos ou potenciais, decorrentes da
instalação e do funcionamento do empreendimento para o qual está sendo solicitada a licença.

O RCA – Relatório de Controle Ambiental compõe-se de estudos relativos aos aspectos


ambientais concernentes à localização, instalação, operação e ampliação de uma atividade ou
um empreendimento que não gera impactos ambientais significativos, e que contém
informações relativas: à caracterização do ambiente em que se pretende instalar; a sua
localização frente ao Plano Diretor Municipal; alvarás e documentos similares; e plano de
controle ambiental, que identifique as fontes de poluição ou degradação, e as medidas de
controle pertinentes. Seu conteúdo será estabelecido caso a caso.

O RCA – Relatório de Controle Ambiental é exigido pela Resolução CONAMA nº 010/90, na


hipótese de dispensa do EIA/RIMA para a obtenção da Licença Prévia- LP de atividades de
extração mineral da classe II. Deve ser elaborado de acordo com as diretrizes estabelecidas pelo
órgão ambiental competente.

O RCA – Relatório de Controle Ambiental tem sido exigido por alguns órgãos de meio
ambiente também para o licenciamento de outros tipos de atividade.

Estudo Ambiental Simplificado (EAS)


EAS são estudos simplificados que surgiram a partir da necessidade de se estabelecer um
procedimento mais rápido para o licenciamento de empreendimentos de impacto ambiental de
pequeno porte.

Trata-se de estudos relativos aos aspectos ambientais relacionados à localização, instalação,


operação e ampliação de uma atividade ou empreendimento, apresentados como subsídio para
a concessão da licença prévia requerida, que conterá, dentre outras, as informações relativas ao
diagnóstico ambiental da região de inserção do empreendimento, sua caracterização, a
identificação dos impactos ambientais e das medidas de controle, de mitigação e de
compensação (CONAMA n° 279, 2001).

Elaborado no momento da solicitação da Licença Prévia e com equipe multidisciplinar, possui


um termo de referência mais compacto em comparação ao EIA/RIMA, sendo muitas vezes
elaborado apenas com dados secundários e visitas a campo, não exige a sazonalidade da captura
de fauna, além de não necessitar obrigatoriamente da Audiência Pública.

Estudo de Impacto da Vizinhança (EIV)


Determinado pelo Estatuto da Cidade o Estudo de Impacto de Vizinhança (EIV) trata-se de um
relatório multidisciplinar que tem por finalidade levantar as principais características urbanas e
ambientais da área do empreendimento e os impactos de sua implantação sobre os componentes
ambientais, serviços ofertados e características de uso e ocupação do solo.
O EIV deve ser elaborado no momento ou anteriormente à solicitação da LP ou da LAS
contribuindo com a determinação dos impactos socioambientais e das medidas a serem
implantadas para minimização dos impactos ocorridos diante da implantação e operação do
empreendimento.

Conforme o artigo 37, do Estatuto da Cidade a análise dos impactos contemplada na elaboração
do Estudo de Impacto de Vizinhança (EIV) deve abranger alguns aspectos, como:

O adensamento populacional;
Os equipamentos urbanos e comunitários;
O uso e ocupação do solo;
A valorização imobiliária;
A geração de tráfego;
A demanda por transporte público;
A paisagem urbana;
O patrimônio natural e cultural.

Estudo de Viabilidade Ambiental (EVA)


Estudo que precede a elaboração do EIA/RIMA e a concepção do projeto, o EVA tem como
objetivo apresentar, analisar e definir as melhores alternativas locacionais de um
empreendimento, proporcionando ao empreendedor selecionar a que melhor atende às suas
expectativas econômicas e legais e que proporcione a preservação do meio ambiente. Permite
estabelecer diretrizes do licenciamento ambiental a serem seguidas e subsidia a tomada de
decisão quanto à viabilidade ambiental e econômica da implantação e operação do
empreendimento.